Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Kindle, da Amazon
>>> God save the newspapers!
>>> O Prêmio Nobel para Mario Vargas Llosa
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Ser intelectual dói
>>> A invenção da imprensa
>>> Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
>>> Coetzee, um escritor inventivo
>>> O vampiro de almas
>>> 7º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
Mais Recentes
>>> Como dizer tudo em francês em viagens de Ron Martinez e Angela F. Perricone Pastura pela Elsevier (2011)
>>> Araca - Arquiduquesa do Encantado de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (2014)
>>> Nunca Deixe de Tentar de Michael Jordan pela Sextante (2009)
>>> O mercado de trabalho feminino na região metropolitana de são paulo de Fundação seade pela Fundação seade (2001)
>>> Como dizer tudo em inglês em viagens de Ron Martinez pela Elsevier (2006)
>>> Dicionário de Idéias Semelhantes - 4 Volumes de Everton Florenzano pela Tecnoprint (1961)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> Jornalista pra Quê? os Profissionais Diante da ética de Chico nelson, nilton santos e outros pela Sjpmrj (1989)
>>> Preparatório para Residência Médica SUS/SP de Juliano Silveira de Araújo pela Sanar (2017)
>>> RT Mini Códigos Coletânea de Legislação Administrativa Constituição Federal de Odete Medauar pela Revista Dos Tribunais (2005)
>>> Belezas imaginárias: antropologia do corpo e do parentesco de Pierre-Joseph Laurent pela Ideias & Letras (2013)
>>> Como escolher a sua Residência Médica de Caio Nunes e Marco Antônio Santana pela Sanar (2014)
>>> Legend de David Gemmell pela Orbit Books (2012)
>>> A Educação pela Pedra de João Cabral de Melo Neto pela Alfaguara (2008)
>>> The Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (1997)
>>> Vitória de Joseph Conrad pela Dublinense (2016)
>>> Arquitetura: uma experiência na área de saúde de João Filgueiras Lima pela Romano Guerra (2012)
>>> O viés médico na literatura de Guimarães Rosa de Eugênio Marcos Andrade Goulart pela Faculdade de Medicina da UFMG (2011)
>>> Introducao à isostatica de Eloy Ferraz Machado Junior pela Eesc Usp (2021)
>>> Manual Prático de Arquitetura Hospitalar de Ronald de Góes pela Blucher (2011)
>>> O Xará de Jhumpa Lahiri pela Globo (2017)
>>> Cavalo de Tróia 2 - Massada de J. J. Benitez pela Planeta (2013)
>>> RT Mini Códigos Penal Processo Penal Constituição Federal de Luiz Flávio Gomes pela Revista Dos Tribunais (2004)
>>> Vida e Proezas de Aléxis Zorbás de Nikos Kazantzákis pela Grua (2011)
>>> Maíra de Darcy Ribeiro pela Record (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 7/8/2018
Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4500 Acessos



A ampla criação poética de Antonio Carlos Secchin, publicada no livro Desdizer, pela editora Topbooks, em 2017, reúne sua produção dos anos de 1969 até 2017. É um bom momento para se acompanhar a trajetória de um poeta através das transformações de temas e formas porque passa sua poesia. Não cabe a esta resenha ter uma visão clara desse percurso, mas apenas chamar a atenção para algumas questões que envolvem sua poesia.

Ao adotar como título do livro a palavra “desdizer”, fica clara a opção por uma definição de poesia que talvez acompanhe o poeta constantemente. A poesia é aquele lugar da linguagem que se permite dizer contrariando o dito, por vezes até pervertendo o léxico. Como disse Barthes, a língua é fascista, pois ela obriga a dizer (e dizer de determinada forma), já a écriture não. Diferente da língua como poder, estrutura e regra, a escritura é a língua do escritor/poeta. O poeta é aquele que pode desdizer o dito.

No poema “Eu estou ali...”, Secchin torna evidente o valor da palavra que dá título ao seu livro, Desdizer, que funciona como uma espécie de porta de entrada ou aviso aos navegantes de sua poesia. Aqui vale a incerteza dentro da certeza, do espelhamento que reflete um outro que não aquele que se posta frente ao espelho: “Estou ali, quem sabe eu seja apenas/ a foto de um garoto que morreu. (...) Eu o chamo de meu filho – e ele é meu pai.” Vale a pena reproduzir o poema, aliás um dos mais belos do livro, para que se entre nesse espelho de incertezas.

ESTOU ALI...

Estou ali, quem sabe eu seja apenas

a foto de um garoto que morreu.

No espaço entre o sorriso e meu sapato

vejo um corpo que deve ser o meu.



Ou talvez seja eu o seu espelho,

e olhar reflete em mim algum passado:

o cheiro das goiabas na fruteira,

o murmúrio das águas no telhado.



No retrato outra imagem se condensa:

percebo que apesar de quase gêmeos

nós dois somos somente a chama inútil



contra a sombra da noite que nos trai.

Das mãos dele recolho o que me resta.

Eu o chamo de meu filho – e ele é meu pai.



No poema, a constituição do eu é levada ao paroxismo: o espelhamento contra a chama da noite reveste este eu de uma imagem vivida na penumbra do ser, solidificada num retrato que mistura reflexão e memórias sensoriais proustianas, como o cheiro das goiabas e o murmúrio das águas no telhado.

No texto “Escutas e escritas”, que finaliza Desdizer, Secchin expõe as desrazões do poeta, seu lugar específico como “não lugar”, enfim, traça a sua própria poética - e isso fica mais claro do que nunca em um dos poemas que ele cita, “Autorretrato”, que reproduzo abaixo. Aqui o poeta é esse gauche na linguagem, aquele que cria na contramão, que vê nascer sua obra nas incertezas da sombra e da neblina: “sabe que nasce do escuro/ a poesia que o ilumina”.



AUTORRETRATO



Um poeta nunca sabe

onde sua voz termina,

se é dele de fato a voz

que no seu nome se assina.

Nem sabe se a vida alheia

é seu pasto de rapina,

ou se o outro é que lhe invade,

numa voragem assassina.

Nenhum poeta conhece

esse motor que maquina

a explosão da coisa escrita

contra a crosta da rotina.

Entender inteiro o poeta

é bem malsinada sina:

quando o supomos em cena,

já vai sumindo na esquina,

entrando na contramão

do que o bom senso lhe ensina.

Por sob a zona de sombra

navega em meio à neblina.

Sabe que nasce do escuro

a poesia que o ilumina.



Embora aponte nas suas reflexões para uma ideia da poesia como “a insuficiência da palavra frente a um real que sempre lhe escapa”, ele sabe que a poesia é esse outro real constituído no avesso do próprio real. No poema “Fogo”, isso fica claro nos versos que cito a seguir: “O que faço, o que desmonto,/ são imagens corroídas,/ ruínas da linguagem,/ vozes avaras e mentidas. (...)”. É neste desmonte de um real constituído pela ruína da linguagem que o poeta respira: “Respiro o espaço/ fraturado pela fala/ e me deponho, inverso,/ no subsolo do discurso.”

O poema contradiz o mundo, sua linguagem estruturada e, ao não deixar por menos, contradiz o próprio poeta, como os versos de “Biografia” registra: “O poema vai nascendo/ sem mão ou mãe que o sustente,/ e perverso me contradiz/ insuportavelmente.”

O desdizer - espécie de estilhaçamento do sentido - que percorre a poesia de Secchin, também pode ser visto no seu espelhamento em outro poeta, como no poema “O espelho de Donizete”, espécie de lamento pelo poeta falecido Donizete Galvão, cuja epígrafe do mesmo toca profundamente Secchin: “Espalho cacos de um espelho./ Minha face por inteiro não verei./ Veja você por mim qualquer dia.” Registro do encontro de uma irmandade poética: “Os cacos da voz dispersos/ no jorro da sua poesia/ me tornam teu irmão urgente (...)”.

E não para por aí essa busca pelo poema que se contraria. Os exemplos poderiam se multiplicar ao vasculharmos todo o livro, mas fico com apenas mais um, que sintetiza muito do que se disse acima sobre a poética de Secchin em Desdizer:



RECEITA DE POEMA



Um poema que desaparecesse

à medida que fosse nascendo,

e que dele nada então restasse

senão o silêncio de estar não sendo.



Que dele apenas ecoasse

o som do vazio mais pleno.

E depois que tudo matasse

morresse do próprio veneno.



Os grandes poetas modernos tiveram consciência de que poesia é linguagem, sua própria e mais importante preocupação, que fez dela um mistério tão fértil e esplêndido. O que Secchin procura nesse lugar da poesia, o “silêncio de estar não sendo”, é a libertação do artista de si próprio, da arte em relação à obra de arte particular e em relação à história, da mente face às limitações perceptivas e intelectuais.

O silêncio de “Receita de Poema” é o próprio desdizer, é a relutância do poeta em se comunicar no registro da linguagem do poder. E aqui aproveito uma citação de Susan Sontag: “O silêncio é o último gesto extraterreno do artista: através do silêncio ele se liberta do cativeiro servil face ao mundo, que aparece como patrão, cliente, consumidor, oponente, árbitro e desvirtuador de sua obra”.

Encontrado o silêncio, a poesia de Secchin é a música que falta a um mundo que perdeu a capacidade de escutar no sentido pleno, um mundo onde falta a palavra poética, porque está atolado de palavras corrompidas.





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/8/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que em silêncio sabemos de Marilia Mota Silva
02. O mundo explicado por T.S. Spivet de Guilherme Pontes Coelho
03. O Paciente Steve, de Sam Lipsyte de Ricardo de Mattos
04. Do inferno, com amor de Rafael Lima
05. Matrimônio à americana de Daniela Sandler


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
03. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
04. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Dossie Odessa
Frederick Forsyth
Record
(1988)



Boom Como Prosperar na Competitiva Economia Global do Século 21
Frank Vocl & James Sinclair
Futura
(1996)



Direito Penal do Inimigo e o Terrorismo
Manuel Monteiro Guedes Valente
Almedina Brasil Br
(2010)



Clarissa
Erico Verissimo
Abril Cultural
(1974)



Fascismo de esquerda
Jonah Goldberg
Record
(2009)



Diagrama de uma situação política
Armando de Salles Oliveira
Renascença
(1945)



3333 Pontos Riscados e Cantados - Vol. 1 - 9ª Edição
Pallas Editora
Pallas
(2017)



Do colonialismo de Israel à libertação da Palestina - autografado
Paulo de Castro
Forum
(1969)



Contos de Andersen: a Colina dos Elfos; a Pastora e o Limpador De
Mary França, Eliardo França
Ática
(1997)



Os Humanos - 1ªedição
Matt Haig
Jangada
(2016)





busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês