Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> A arte de Reparar Histórias
>>> Músico Dudu Oliveira lança seu disco de estreia no Todas as Bossas da TV Brasil
>>> Antenize recebe Lázaro Ramos no especial sobre literatura deste sábado (18) na TV Brasil
>>> Festa
>>> Shopping Metrô Tucuruvi e Livrarias Curitiba preparam uma programação especial para este mês
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sobrecarga
>>> Frases e verdades
>>> Música & Filosofia
>>> Casa de couro
>>> Saber viver a vida é fundamental
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Procure saber: os novos donos da história
>>> Um jeito Mirador de ver a Wikipedia
>>> Como parecer culto
>>> Como parecer culto
>>> Me, myself e a Flip
>>> Baudelaire, um pária genial (parte final)
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> O Nobel de Tranströmer
>>> Só sei que nada sei
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Mais Recentes
>>> Máscaras de Luiza Rios Ricci Volpato pela Entrelinhas (2010)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela L&pm Pocket (1999)
>>> She: A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> Aspirações Nacionais: Interpretação Histórico- Política de José Honério Rodrigues pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Moulin Rouge de Pierre La Mure pela Mérito/ RJ. (1959)
>>> O Mistério do Áureo Florescer de Samael aun Weor pela Movimento Gnóstico (1991)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (2001)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1984)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1993)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1991)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> Arco do Triunfo de Carlos Castello Branco pela Parma/ Grupo Aché
>>> Cartomancia Y Quiromancia de Gwen Le Scouézéc pela Ediciones Martinez Rocca/ Barcelona (1974)
>>> Revista Esotérica - Magia Wicca de Vitoria Feres Azar - Diretora-Geral pela Onde (2004)
>>> Agatha Christie de A Terceira Moça (formato original) pela Nova Fronteira
>>> Almanaque Ilustrado - Símbolos de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Sonhos Que Curam: Depoimentos Sobre a Conexão Mente-corpo/ Novo de marc Ian Barasch pela Record: Nova Era (2003)
>>> Formação Economica da América Latina de Celso Furtado pela Lia Editor/ Rio (1970)
>>> Quiromancia - Como Decifrar as Linhas da Vida de Roz Levine pela Bertrand Brasil (2001)
>>> Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico de Celso Furtado pela Companhia Ed. Nacional (1968)
>>> O Grande Livro dos Signos & Símbolos - Livro 2 de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Brasil: Radiografia de um Modelo de Nelson Werneck Sodré pela Bertrand Brasil/ Rio (1987)
>>> Encontros, Desencontros & Reencontros de Maria Helena Matarazzo pela Gente/ São Paulo (1996)
>>> A Falta Que Ela Me Faz ... no Fim Dá Tudo Certo! de Fernando Sabino pela Record/ R. J. (1987)
>>> Ironias da História: Ensaios Sobre o Comunismo Contemporâneo de Isaac Deustcher pela Civilização Brasileira (1968)
>>> A Inflação Brasileira - Antes e Depois do Choque de Prof. Antonio Carlos Marques Mattos pela Vozes/ Rio de Janeiro (1987)
>>> Carta aos Comunistas de Luis carlos Prestes pela Alfa- Omega (1980)
>>> O Colapso do Neoliberalismo de Nilson Araújo de Souza pela Global/ São paulo (1995)
>>> Análise Contábil - Análise De Balanços de Américo M. Florentino pela Fundação Getúlio Vargas (1973)
>>> Assim Falou Zaratustra... de Friedrich W. Nietzsche/ Tradução: Mário da Silva pela Bertrand Brasil/ Rio (1994)
>>> Achegas ao Estudo do Folclore Brasileiro de Alfredo do Vale Cabral pela Funarte: Mec (1978)
>>> Vocabulário de Caça: Contendo os Termos Clássicos Portugueses... de C. Ribeiro de Lessa (clado) pela Companhia Ed. Nacional (1977)
>>> A Liberdade na Sociedade Contemporanea de Samuel Eliot Morison pela Fundo de Cultura Economica/ Rio (1959)
>>> Nos Passos de Hannah Arendt de Laure Adler pela Record (2007)
>>> O Poder do Pensamento Positivo para a Juventude de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> Ilíada de Homero 2 Volumes de Haroldo de Campos pela Mandarim (2001)
>>> Oráculos utilizados pelo povo Cigano - Acompanha baralho Cigano de Padrinho Juruá pela Alfabeto (2015)
>>> Como Agarrar o seu Amor pela Magia - Breviário de Salamandra de Maria Helena Farelli pela Pallas (2012)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1997)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Oscar Wilde Para Inquietos de Allan Percy pela Sextante (2012)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> A Perda da Radicalidade do Movimento Ambientalista Brasileiro:... de Agripa Faria Alexandre pela Edifurb/ Ed. da Ufsc (2000)
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
COLUNAS

Terça-feira, 7/8/2018
Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1800 Acessos



A ampla criação poética de Antonio Carlos Secchin, publicada no livro Desdizer, pela editora Topbooks, em 2017, reúne sua produção dos anos de 1969 até 2017. É um bom momento para se acompanhar a trajetória de um poeta através das transformações de temas e formas porque passa sua poesia. Não cabe a esta resenha ter uma visão clara desse percurso, mas apenas chamar a atenção para algumas questões que envolvem sua poesia.

Ao adotar como título do livro a palavra “desdizer”, fica clara a opção por uma definição de poesia que talvez acompanhe o poeta constantemente. A poesia é aquele lugar da linguagem que se permite dizer contrariando o dito, por vezes até pervertendo o léxico. Como disse Barthes, a língua é fascista, pois ela obriga a dizer (e dizer de determinada forma), já a écriture não. Diferente da língua como poder, estrutura e regra, a escritura é a língua do escritor/poeta. O poeta é aquele que pode desdizer o dito.

No poema “Eu estou ali...”, Secchin torna evidente o valor da palavra que dá título ao seu livro, Desdizer, que funciona como uma espécie de porta de entrada ou aviso aos navegantes de sua poesia. Aqui vale a incerteza dentro da certeza, do espelhamento que reflete um outro que não aquele que se posta frente ao espelho: “Estou ali, quem sabe eu seja apenas/ a foto de um garoto que morreu. (...) Eu o chamo de meu filho – e ele é meu pai.” Vale a pena reproduzir o poema, aliás um dos mais belos do livro, para que se entre nesse espelho de incertezas.

ESTOU ALI...

Estou ali, quem sabe eu seja apenas

a foto de um garoto que morreu.

No espaço entre o sorriso e meu sapato

vejo um corpo que deve ser o meu.



Ou talvez seja eu o seu espelho,

e olhar reflete em mim algum passado:

o cheiro das goiabas na fruteira,

o murmúrio das águas no telhado.



No retrato outra imagem se condensa:

percebo que apesar de quase gêmeos

nós dois somos somente a chama inútil



contra a sombra da noite que nos trai.

Das mãos dele recolho o que me resta.

Eu o chamo de meu filho – e ele é meu pai.



No poema, a constituição do eu é levada ao paroxismo: o espelhamento contra a chama da noite reveste este eu de uma imagem vivida na penumbra do ser, solidificada num retrato que mistura reflexão e memórias sensoriais proustianas, como o cheiro das goiabas e o murmúrio das águas no telhado.

No texto “Escutas e escritas”, que finaliza Desdizer, Secchin expõe as desrazões do poeta, seu lugar específico como “não lugar”, enfim, traça a sua própria poética - e isso fica mais claro do que nunca em um dos poemas que ele cita, “Autorretrato”, que reproduzo abaixo. Aqui o poeta é esse gauche na linguagem, aquele que cria na contramão, que vê nascer sua obra nas incertezas da sombra e da neblina: “sabe que nasce do escuro/ a poesia que o ilumina”.



AUTORRETRATO



Um poeta nunca sabe

onde sua voz termina,

se é dele de fato a voz

que no seu nome se assina.

Nem sabe se a vida alheia

é seu pasto de rapina,

ou se o outro é que lhe invade,

numa voragem assassina.

Nenhum poeta conhece

esse motor que maquina

a explosão da coisa escrita

contra a crosta da rotina.

Entender inteiro o poeta

é bem malsinada sina:

quando o supomos em cena,

já vai sumindo na esquina,

entrando na contramão

do que o bom senso lhe ensina.

Por sob a zona de sombra

navega em meio à neblina.

Sabe que nasce do escuro

a poesia que o ilumina.



Embora aponte nas suas reflexões para uma ideia da poesia como “a insuficiência da palavra frente a um real que sempre lhe escapa”, ele sabe que a poesia é esse outro real constituído no avesso do próprio real. No poema “Fogo”, isso fica claro nos versos que cito a seguir: “O que faço, o que desmonto,/ são imagens corroídas,/ ruínas da linguagem,/ vozes avaras e mentidas. (...)”. É neste desmonte de um real constituído pela ruína da linguagem que o poeta respira: “Respiro o espaço/ fraturado pela fala/ e me deponho, inverso,/ no subsolo do discurso.”

O poema contradiz o mundo, sua linguagem estruturada e, ao não deixar por menos, contradiz o próprio poeta, como os versos de “Biografia” registra: “O poema vai nascendo/ sem mão ou mãe que o sustente,/ e perverso me contradiz/ insuportavelmente.”

O desdizer - espécie de estilhaçamento do sentido - que percorre a poesia de Secchin, também pode ser visto no seu espelhamento em outro poeta, como no poema “O espelho de Donizete”, espécie de lamento pelo poeta falecido Donizete Galvão, cuja epígrafe do mesmo toca profundamente Secchin: “Espalho cacos de um espelho./ Minha face por inteiro não verei./ Veja você por mim qualquer dia.” Registro do encontro de uma irmandade poética: “Os cacos da voz dispersos/ no jorro da sua poesia/ me tornam teu irmão urgente (...)”.

E não para por aí essa busca pelo poema que se contraria. Os exemplos poderiam se multiplicar ao vasculharmos todo o livro, mas fico com apenas mais um, que sintetiza muito do que se disse acima sobre a poética de Secchin em Desdizer:



RECEITA DE POEMA



Um poema que desaparecesse

à medida que fosse nascendo,

e que dele nada então restasse

senão o silêncio de estar não sendo.



Que dele apenas ecoasse

o som do vazio mais pleno.

E depois que tudo matasse

morresse do próprio veneno.



Os grandes poetas modernos tiveram consciência de que poesia é linguagem, sua própria e mais importante preocupação, que fez dela um mistério tão fértil e esplêndido. O que Secchin procura nesse lugar da poesia, o “silêncio de estar não sendo”, é a libertação do artista de si próprio, da arte em relação à obra de arte particular e em relação à história, da mente face às limitações perceptivas e intelectuais.

O silêncio de “Receita de Poema” é o próprio desdizer, é a relutância do poeta em se comunicar no registro da linguagem do poder. E aqui aproveito uma citação de Susan Sontag: “O silêncio é o último gesto extraterreno do artista: através do silêncio ele se liberta do cativeiro servil face ao mundo, que aparece como patrão, cliente, consumidor, oponente, árbitro e desvirtuador de sua obra”.

Encontrado o silêncio, a poesia de Secchin é a música que falta a um mundo que perdeu a capacidade de escutar no sentido pleno, um mundo onde falta a palavra poética, porque está atolado de palavras corrompidas.





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/8/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
03. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018
04. Corot em exposição - 13/3/2018
05. Nobel, novo romance de Jacques Fux - 10/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O GRANDE AMOR DO PEQUENO VAMPIRO
ANGELA SOMMER-BODENBURG
MARTINS FONTES
(2002)
R$ 12,93



TRATADO GERAL SOBRE A FOFOCA
JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
SUMMUS
(1978)
R$ 25,00



LÍNGUA, LITERATURA E REDAÇÃO - VOLUME 1
JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(1998)
R$ 8,00



AS FLORES DO MAL NOS JARDINS DE ITABIRA- BAUDELAIRE E DRUMMOND
GILDA SALEM SZKLO
AGIR
(1995)
R$ 18,90



LEVIATÃ: A MISSÃO SECRETA
SCOTT WESTERFELD
RECORD
(2012)
R$ 32,90



A GAROTA QUE VOCÊ DEIXOU PARA TRÁS
JOJO MOYSES
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 38,00
+ frete grátis



NOVE NOITES
BERNARDO CARVALHO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 25,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



CLIM SAMGUINE (2 VOLUMES/OBRA INTEGRAL) MÁXIMO GÓRKI (LITERATURA RUSSA)
MÁXIMO GÓRKI
EDITORIAL MINERVA - LISBOA
R$ 80,00



ÉTICA COMO AMOR-PRÓPRIO
FERNANDO SAVATER
MARTINS FONTES
(2000)
R$ 19,90





busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês