Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
>>> O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023)
>>> Digestivo empreendedor
Mais Recentes
>>> Livro Administração O Poder da Ação Faça sua vida Ideal sair do Papel de Paulo Vieira pela Gente (2015)
>>> Livro Literatura Estrangeira Razao e Sensibilidade de Jane Austen pela Circulo do Livro (1997)
>>> Liberte Sua Personalidade + O Propósito da Sua Vida de Maxwell Maltz; Michael J. Losier pela Summus; Leya (2017)
>>> A Bíblia Das Criancinhas de Juliet David; Helen Prole pela Sociedade Bíblica Do Brasil (2007)
>>> O homem que calculava. de Malba tahan pela Record (1987)
>>> Livro Infanto Juvenis Chico Bento Amor de Verão Piteco Viagem no Tempo de Mauricio de Sousa pela Mauricio de Sousa (2018)
>>> O Macaco E A Mola de Sonia junqueira pela Ática (1982)
>>> Alice No País Da Mentira de Pedro Bandeira pela Ática (2005)
>>> Livro Saúde Óleo de Coco A gordura que pode salvar a sua vida! de Dr Wilson Rondo Jr pela Gaia (2015)
>>> Livro Direito A Reforma Trabalhista na Visão da AJD Análise Crítica de Laura Rodrigues Benda pela Casa do Direito (2018)
>>> Tudo Vai Dar Certo de Cedella Marley pela Martins Fontes (2013)
>>> Livro Psicologia Criando Meninas Para Mais e Mães de Verdade! de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2011)
>>> Livro Infanto Juvenis Hércules o Resgate de Barbara Bazaldua e Outros pela Melhoramentos / Disney (1997)
>>> 90 minutos no Céu + Fui ao Céu e Voltei + A Bíblia em 100 Minutos de Don Piper; Cecil Murphey; Mary C. Neal pela Thomas Nelson Brasil; Lua de Papel; Sextante (2013)
>>> Livro Literatura Brasileira Pornô Politica Paixões e Taras na Vida Brasileira de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2006)
>>> O sapato que miava de Sylia Orthof pela Ftd (1997)
>>> Livro Infanto Juvenis A Idade Média Passo a Passo de Vincent Carpentier pela Claroenigma (2012)
>>> It de Stephen King pela Signet (1980)
>>> Livro Didático Biologia Volume Único de César; Sezar; Caldini pela Saraiva (2011)
>>> O Nascimento De Jesus de Donaldo Buchweitz pela Ciranda Cultural (2013)
>>> Livro Saúde Boa Forma Em 8 Semanas de Cynthia Antonaccio pela Marco Zero (2005)
>>> Livro Religião A Vida Sabe o Que Faz de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2012)
>>> Goosebumps - Praia Fantasma de R. L. Stine pela Fundamento (2006)
>>> Livro Saúde A Cura pelo Yoga Rotinas Simples para Superar Mais de 50 Problemas De Saúde e Viver Livre de Dor de Tara Stiles pela Pensamento (2014)
>>> Livro Infanto Juvenis Uma Pipa tão Pipa no Céu de Regina Siguemoto /martinez pela Do Brasil S/a
COLUNAS

Terça-feira, 19/7/2011
Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira
Wellington Machado
+ de 6500 Acessos

Enquanto o mundo se encanta com Meia-noite em Paris, filme mais recente de Woody Allen, o diretor já trabalha em seu novo filme - pelo que se noticia, será gravado em Roma, com a atriz Penélope Cruz. Acostumado a andar com os bolsos cheios de papéis, contendo anotações de idéias para seus filmes, Woody faz de sua rotina um deleite: levantar cedo, exercitar o corpo na esteira, praticar clarinete, escrever roteiros, passear em algum parque de Nova York com a esposa e os filhos ou assistir a um jogo de basquete do Knicks.

Woody Allen é incansável. Bem próximo de completar 80 anos, com vigor de iniciante, o diretor mantém o pique e lança uma média de um filme por ano - além de tocar jazz em Nova York. Sem dar muita bola para a crítica, admite seus erros e ironiza os acertos. Qual a receita da sua longevidade produtiva? O segredo é que Woody não encara o cinema como trabalho, mas como parte integrante do seu cotidiano. Ele pensa em roteiros e em novas histórias até quando está em férias, sem se considerar um workaholic.

O lançamento de Meia-noite em Paris dá um novo fôlego à carreira do diretor. Já com a previsão de ser o seu filme mais bem-sucedido (o recordista é Hannah e suas irmãs[1986]), o diretor tem a oportunidade de ser "apresentado" a um público ainda "verde" em sua cinematografia. Woody Allen chegou ao shopping-center. Isso não quer dizer perda de qualidade ou um aceno ao mercado do entretenimento.

Meia-noite em Paris tem vários "apelos" não intencionais. Mistura realidade com fantasia, é filmado em Paris (com fotografia exuberante); carrega uma boa dose de humor, e traz de volta personagens centrais da história da arte, como Picasso, Matisse, Buñuel, Hemingway, Fitzgerald, Gertrude Stein etc. Por mostrar a Paris dos anos 20 de maneira apaixonada, torna-se inevitável uma menção a Manhattan (1979) - uma ode a Nova York. Mas a verdadeira ligação do filme, em termos de fantasia, metalinguagem etc., é com A rosa púrpura do Cairo (1985), com Mia Farrow. Há uma semelhança também, devido à sua paixão pela capital francesa, com Todos dizem eu te amo (1996)- o único musical em sua carreira.

É difícil apontar Meia-noite em Paris como o melhor filme de Woody Allen (há um burburinho nesse sentido na imprensa), pois sua carreira é eclética - esse tipo de análise tem de ser feita por estilo. O diretor transitou por vários gêneros. No início de carreira, houve um predomínio das comédias pastelão (Bananas [1971], Um assaltante trapalhão [1969]). Depois, veio a fase bergmaniana (A outra [1988], Setembro [1987] e Interiores [1978]). Neblinas e Sombras (1991) tem forte influência do expressionismo alemão. E Crimes e pecados (1989), Um misterioso assassinato em Manhattan (1993) e O sonho de Cassandra (2007) são policiais de primeira. Poderíamos dizer que Meia-noite... é o seu melhor filme no "nicho" fantasia.

Devido à sua intensa produção, Woody Allen vem alternando, nos últimos anos, grandes filmes com outros, digamos, mais básicos. Vick Cristina Bercelona (2008), Scoop (2006) e Você vai conhecer o homem dos seus sonhos (2010) são filmes menores, despretensiosos. O problema é que a crítica cobra dele uma obra-prima a cada ano, nos moldes de Noivo neurótico, noiva nervosa (1977) ou do próprio Manhattan. Mas a verdade é que Woody Allen não tem essa pretensão; ele está apenas brincando de fazer cinema. E mesmo de diversão, eventualmente faz um sucesso. Há vários exemplos. Ponto Final (2005) e Crimes e Pecados, dois filmes "dostoievskianos", comprovam a habilidade do diretor em fazer roteiros impecáveis. O sonho de Cassandra é uma incrível reflexão sobre os nossos dilemas morais. E Tudo pode dar certo (2009) - um filme preguiçosamente analisado pela crítica - traz embutida na trama uma contundente crítica social por trás do personagem interpretado por Larry David - um marido ranzinza se cansa da mesmice do casamento e do excesso de regras politicamente corretas; ele se revolta, abandona tudo e sai de casa para viver à margem de todos os preconceitos.

Os papéis soltos nos bolsos de Woody Allen são uma metáfora da sua desordem criativa. Um pouco desse seu universo neurótico está retratado em Conversas com Woody Allen, de Eric Lax. O livro reúne várias entrevistas concedidas pelo diretor, desde o início de sua carreira, organizadas por assunto. Lax é amicíssimo de Woody. Vem daí a total dedicação e detalhamento nas respostas por parte do diretor.

Inspiração nunca foi problema para Woody Allen. Ele sempre foi um escritor profícuo e compulsivo; uma fábrica de idéias. Quando surge um financiamento para um filme, ele recorre a sua gaveta abarrotada de papeletes com anotações feitas em hotéis, em aviões ou na rua. São idéias globais, pontos de partida para o desenvolvimento de roteiros.

O caldeirão de idéias de Allen não ocorre gratuitamente. Sua criatividade é fruto de leituras desordenadas, principalmente em literatura, filosofia, história e linguística. Por trás dos diálogos em seus filmes estão Nietzsche, Bertrand Russell, Platão, Camus e Sartre, seus filósofos preferidos. E vários de seus filmes são inspirados em obras literárias. Seus escritores preferidos são Hemingway, Faulkner, Steinbeck, Shakespeare, Dostoiévski, Tolstoi, Tchekov, dentre outros.

Woody Allen pode não ser um diretor genial, mas com certeza é um dos mais completos da história do cinema. Poucos diretores tiveram tamanho domínio do trabalho, em sua completude, como Woody Allen. Além de dirigir, ele escreve os roteiros, atua em vários filmes, escolhe a trilha sonora (às vezes a executa) e trabalha incansavelmente na mesa de montagem. Além de, fora do cinema, escrever peças de teatro e contos para a revista New Yorker.

Aos 76 anos, Woody Allen diz que "trabalha para enganar a morte". O cinema é para ele um vício; nem pensa em se aposentar. Manoel de Oliveira, com seus 103 anos, é o mais velho diretor em atividade no mundo. Mais do que fazer bons filmes - e fazer disso um prazer diário -, Woody Allen quer mesmo é ser Manoel de Oliveira, ou seja, viver.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 19/7/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu de Luís Fernando Amâncio


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os caçadores de Lendas Darkmouth
Shane Hegarty
#Irado
(2017)



Reforma Administrativa e Desburocratização
Floriano Aguiar Dias (organizador)
Liber Juris
(1984)



Livro Infanto Juvenis Palavras Descubra & aprenda
Yoyo Books
Yoyo Books
(2014)



Livro Infanto Juvenis Trinca-Trova
Ciça / Fabiola B. Capelasso
Globo Kids
(2013)



Fake Brazil: A Epidemia de Falsas Verdades
Guilherme Fiuza
Avis Rara
(2020)



Sindicato mais representativo e mutação constitucional
Paulo Roberto Lemgruber Ebert
LTr
(2007)



Invocadores do Mal
Cheryl A. Wicks
Pensamento
(2016)



Dicionario Oxford De Filosofia
Simon Blackburn
Jorge Zahar
(2000)



A nova revelação
Arthur Conan Doyle
Feb
(1980)



Magnetismo Cósmico
Anthony Norvell
Record
(1974)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês