Steve Jobs e a individualidade criativa | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
>>> Suspensão de Liminares e Sentenças Contrárias ao Poder Público de Elton Venturi pela Revista dos Tribunais (2019)
>>> Revista Trip número 184 de Lyoto Machida pela Trip (2009)
>>> Revista Trip número 132 de Melaine, 21, o primeiro ensaio de uma trip girl na cadeia pela Trip (2005)
>>> A Casa do Penhasco de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1996)
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nova Fronteira (1995)
>>> Seitas e Novos Movimentos Religiosos de Coleção Quinta Conferência pela Paulus (2006)
>>> O Dia da Sua Morte de Neimar de Barros pela Shalom (1987)
>>> A Interpretação Sistemática do Direito de Juarez Freitas pela Malheiros (2002)
>>> Tiras de Letra de Diversos pela Virgo (2003)
>>> O Guia dos Curiosos de Marcelo Duarte pela Cia das letras (2001)
>>> Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago pela Cia. das Letras (1998)
>>> Quebrando o Código da Vinci de Darrell L. Bock, Ph.D. pela Novo século (2004)
>>> O Caso dos Irmãos Naves de João Alamy Filho pela Círculo do livro (1978)
>>> Hercólubus ou Planeta Vermelho de V. M. Rabolú pela Milenium Edições do Brasil (2003)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (1996)
>>> História Social da Criança e da Família de Philippe Ariès pela Guanabara (1973)
>>> Homo Loquens - O Homem como Animal Falante de Dennis Fry pela Zahar (1977)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Albino Aresi (1982)
>>> Ilusões - As Aventuras de um Messias Indeciso de Richard Bach pela Record (1977)
>>> Buddha de Ordem do Graal na Terra pela Círculo do livro (2002)
>>> Você verdadeiramente nasceu de Novo da Água e do Espírito? de Paul C. Jong pela Hefzibá (2002)
>>> Trip número 139 de Danielli Freitas pela Trip (2005)
>>> 500 Perguntas sobre Sexo de Laura Muller e Nélson Vitiello pela Objetiva (2002)
>>> Direito Eleitoral Brasileiro:... (acompanha Cd) de Thales Tácito Pontes Luz de Pádua Cerqueira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Iniciação à Sociologia de Nelson Dacio Tomazi pela Atual (1993)
>>> Memórias do Armandinho Do Bixiga de Depoimento a Júlio Moreno pela Senac de SP./ SP. (1996)
>>> Convite a filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1998)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Terça-feira, 18/10/2011
Steve Jobs e a individualidade criativa
Wellington Machado

+ de 4600 Acessos

Steve Jobs contribuiu bastante para o esvaziamento das tradicionais salas de tevê nos lares americanos. As patéticas imagens das famílias reunidas no sofá, assistindo a seriados, novelas ou programas de humor, ficaram lá nos anos 80. Vários fatores contribuíram para esse "esfacelamento" familiar, que se estendeu pelo mundo: o barateamento das tevês (facilitando a compra de novos aparelhos para outros cômodos da casa), a consequente necessidade individual de assistir a outros programas (quebra do gosto comum, padronizado) e a invenção do computador pessoal.

Os psicólogos já desistiram de lutar contra o ideal de família contemporânea, onde o pai vê futebol na sala; a mãe, novela no quarto; e os filhos vidrados nas telas de seus respectivos computadores no quarto. Ao que tudo indica, esse ideal "independente" é um caminho sem volta.

Já não encaramos mais com tanto estranhamento as pessoas nas ruas, pontos de ônibus ou nos metrôs, concentradas nas pequeninas telas de celulares, trocando mensagens ou navegando na internet, alheias ao mundo que as cerca. Já nos acostumamos com as pessoas enfurnadas em seus netbooks ou tablets em cafeterias, shoppings ou livrarias. E os aficionados por música andam pela cidade, conversam sem tirar o fone do ouvido.

Lembro bem de ter visto, no início dos anos 90, um Macintosh sobre a mesa de uma secretária. A minha primeira sensação foi de encantamento com o design do aparelhinho. Depois, veio-me logo um pensamento: "essa simpática maquininha pode ser transportada com certa facilidade pra qualquer lugar". O Macintosh, posso estar enganado, foi o precursor do notebook. Após "individualizar" o computador, Steve Jobs partiu para a portabilidade, e acabou por colocá-lo na palma da nossa mão. O que em princípio parecia uma atrocidade (um computador de mão?!), um impulso pueril pelos gadgets, aos poucos vai fazendo sentido e ganhando o aval e a adesão da sociedade.

Alvoroço econômico

O alcance e os efeitos das criações de Jobs implicaram em transformações não só psicológicas ou sociais, mas também na dinâmica da economia mundial. A possibilidade de compactar músicas em pequenos arquivos, que podem ser transportados pela rede mundo afora, desancou o monopólio das gravadoras, que mantinham seus cantores sob sua tutela. Essas empresas, que enchiam as burras de dinheiro, trabalham agora sofregamente em algum fundo de quintal.

Os cantores também sofreram com as inovações tecnológicas e tiveram de se adaptar às mudanças. O faturamento com os direitos autorais foi por água abaixo com a livre circulação de músicas pela internet. A relação entre democratização da música na rede e arrecadação de direitos ainda é conflituosa.

A economia das empresas de comunicação também sofreu um baque - e tudo indica que o fosso é bem mais fundo, com a popularização dos tablets. A circulação de jornais e revistas em papel está em queda livre, os números não mentem.

Outros ramos menores também estão desmilinguindo-se. As bancas de jornais, por exemplo, estão penando para sobreviver - adicionaram balas, chaveiros e badulaques de toda espécie ao seu produto principal. As pequenas e médias livrarias estão quebrando: em Nova York eram mais de 300 há dez anos; hoje não passam de 30! Não é incomum encontrarmos livros com descontos de até 20% do preço de capa na internet - e com frete gratuito. As locadoras de filmes também são uma espécie em extinção.

Essa "nuvem econômica" é muito dinâmica: ela se molda e se desfaz com uma rapidez incrível. Em movimento inverso a essas empresas que estão falindo, surgiram com a internet e a com a portabilidade (gadgets) múltiplas possibilidades de ganhar dinheiro.

Paradoxos da individualidade

Grande parte dos que estão levando um bom quinhão nesse "turbilhão econômico" migrou de um ambiente coletivo, externo e físico (lojas de rua, shoppings, escritórios) para um trabalho solitário de pequeno porte - às vezes na própria residência. Empresas "de garagem" faturam milhões e batem recordes sucessivos em cotações nas bolsas de valores. Um bom músico pode montar um estúdio eficiente em seu próprio quarto, gravar um álbum e distribui-lo pelo mundo afora. Grandes empresas incentivam seus empregados a trabalharem isoladamente, no conforto de suas residências, evitando os custosos e entediantes deslocamentos.

Steve Jobs, com suas criações, acabou intensificando a individualidade. É no mínimo intrigante a indiferença de um indivíduo que escuta música com fone de ouvido no metrô, alheio ao que acontece ao seu redor: não nos conformamos com sua tentativa de "fuga da realidade". Bem como o cara que não desgruda o olho do computador nem na hora de comer. Ou mesmo aquele que redige uma mensagem no celular enquanto atravessa a rua. Há um certo, com o perdão da expressão, "ensimesmamento tecnológico".

O que soa paradoxal é que a individualidade contemporânea é, ao mesmo tempo, significado de diversidade. Steve Jobs acabou por quebrar o que havia de mais enfadonho: a vida rotineira da família reunida no sofá, vendo os mesmos programas diariamente, quando cada indivíduo, em seu íntimo, não queria estar ali; queria fazer algo diferente. O que Jobs fez foi "apenas" inventar as pontes tecnológicas para suprir esses desejos (necessidades) pessoais ainda desconhecidos pelos próprios indivíduos. A tão propalada tentativa de "coletivização harmônica" das pessoas tornou-se uma falácia, pois o ser humano é, em sua essência, diverso em sua individualidade. Os momentos de "exteriorização", de agrupamento são exceção; não a regra.

O ser humano se realiza na sua individualidade, nos seus momentos de isolamento. As maiores invenções, as maiores obras da literatura, pintura, música etc. foram frutos de reclusão, dos momentos de concentração e interiorização. O homem "produtivo" sorve o êxtase da sua criação na maioria das vezes de forma isolada - seja ela uma frase bem feita, um produto acabado, um projeto concluído, uma música composta. Estar sozinho é praticar a diversidade, contrária a qualquer tipo de padronização. Montaigne se isolou na torre de um castelo para redigir seus ensaios. Proust tirou proveito do seu "isolamento asmático" para escrever sua monumental obra.

Outro "paradoxo da individualidade" trata justamente das várias possibilidades de contato proporcionadas pelos novos gadgets - de novo, Steve Jobs deu um belo empurrão. Enquanto o nosso primeiro impulso é recriminar o sujeito concentrado na tela de um computador num café, ou o garoto que ouve música no metrô, ou o que digita mensagens na rua, mal nos damos conta de que eles estão conectados em redes de contato muito maiores dos que se estivessem na mesa de um bar. A substituição do contato físico pelas relações virtuais perdeu o status de patologia social.

Não se trata aqui de defender o isolamento radical, aceitar passivamente o desmantelamento familiar ou o fim das amizades "físicas". Mas há de se encarar a virtualização dos contatos, do consumo, das trocas de informações e experiências não como uma "tecnomania", mas como uma realidade talvez irreversível. Steve Jobs, ao colocar o computador na palma da mão - e, por conseqüência, "isolar" o indivíduo - abriu caminhos para a manifestação de uma diversidade criativa. E deixou um legado espinhoso para os psicólogos e sociólogos.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 18/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte de Heloisa Pait
02. Anotações de um amante das artes de Márwio Câmara
03. Tempo vida poesia 5/5 de Elisa Andrade Buzzo
04. A antropologia dos aborrecentes de Adriana Baggio
05. Glauber e o Golpe: da esperança ao desencanto de Lucas Rodrigues Pires


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRIMEROS PASOS EN PINTURA ARTÍSTICA
JOSÉ PARRAMÓN
PARRAMÓN
(1991)
R$ 40,00



GRUPOS FAMILIARES A EXPLOSÃO DA IGREJA NOS LARES
ALUÍZIO ANTONIO SILVA
O FRUTO DA VIDE
(1995)
R$ 20,00



MODIFICAÇÃO DE COMPORTAMENTO PRINCÍPIOS BÁSICOS 2
R. VANCE HALL
EPU
(1975)
R$ 4,40



FANTASMA
LUIZ ALFREDO GARCIA-ROZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 24,00



SERENDIPITY NEW TESTAMENT FOR GROUPS
VÁRIOS AUTORES
ZONDERVAN
(1987)
R$ 40,00



CARTWHEELS IN A SARI: A MEMOIR OF GROWING UP CULT
JAYANTI TAMM
BROADWAY BOOKS
(2010)
R$ 19,82



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT: UM DESAFIO ASSUSTADOR
HEROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2015)
R$ 23,86



LIVRO DIDÁTICO EM DEBATE
SUZANNA NEVES FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



THE LAST DAYS OF NEWGATE (A PYKE MYSTERY)
ANDREW PEPPER
PHOENIX
(2011)
R$ 19,82



TE CUIDA! GUIA PARA UMA VIDA SAUDÁVEL
DR CLÁUDIO DOMÊNICO
CASA DA PALAVRA
(2012)
R$ 39,00
+ frete grátis





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês