Steve Jobs e a individualidade criativa | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
>>> Uma Técnica de Viver de Leonard A. Bullen pela Pensamento (1988)
>>> Avaliação de Programas - Concepções e Práticas de Blaine R. Worthen, James R. Sanders e Jody L. Fitzpatrick pela Gente (2004)
>>> Concentração de Mouni Sadhu pela Pensamento (1984)
>>> O Melhor Livro Sobre Nada de Jerry Seinfeld pela Frente (2000)
>>> A República de Platão pela Nova Cultural (2000)
>>> Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Edição Popular (1961)
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Terça-feira, 18/10/2011
Steve Jobs e a individualidade criativa
Wellington Machado

+ de 4900 Acessos

Steve Jobs contribuiu bastante para o esvaziamento das tradicionais salas de tevê nos lares americanos. As patéticas imagens das famílias reunidas no sofá, assistindo a seriados, novelas ou programas de humor, ficaram lá nos anos 80. Vários fatores contribuíram para esse "esfacelamento" familiar, que se estendeu pelo mundo: o barateamento das tevês (facilitando a compra de novos aparelhos para outros cômodos da casa), a consequente necessidade individual de assistir a outros programas (quebra do gosto comum, padronizado) e a invenção do computador pessoal.

Os psicólogos já desistiram de lutar contra o ideal de família contemporânea, onde o pai vê futebol na sala; a mãe, novela no quarto; e os filhos vidrados nas telas de seus respectivos computadores no quarto. Ao que tudo indica, esse ideal "independente" é um caminho sem volta.

Já não encaramos mais com tanto estranhamento as pessoas nas ruas, pontos de ônibus ou nos metrôs, concentradas nas pequeninas telas de celulares, trocando mensagens ou navegando na internet, alheias ao mundo que as cerca. Já nos acostumamos com as pessoas enfurnadas em seus netbooks ou tablets em cafeterias, shoppings ou livrarias. E os aficionados por música andam pela cidade, conversam sem tirar o fone do ouvido.

Lembro bem de ter visto, no início dos anos 90, um Macintosh sobre a mesa de uma secretária. A minha primeira sensação foi de encantamento com o design do aparelhinho. Depois, veio-me logo um pensamento: "essa simpática maquininha pode ser transportada com certa facilidade pra qualquer lugar". O Macintosh, posso estar enganado, foi o precursor do notebook. Após "individualizar" o computador, Steve Jobs partiu para a portabilidade, e acabou por colocá-lo na palma da nossa mão. O que em princípio parecia uma atrocidade (um computador de mão?!), um impulso pueril pelos gadgets, aos poucos vai fazendo sentido e ganhando o aval e a adesão da sociedade.

Alvoroço econômico

O alcance e os efeitos das criações de Jobs implicaram em transformações não só psicológicas ou sociais, mas também na dinâmica da economia mundial. A possibilidade de compactar músicas em pequenos arquivos, que podem ser transportados pela rede mundo afora, desancou o monopólio das gravadoras, que mantinham seus cantores sob sua tutela. Essas empresas, que enchiam as burras de dinheiro, trabalham agora sofregamente em algum fundo de quintal.

Os cantores também sofreram com as inovações tecnológicas e tiveram de se adaptar às mudanças. O faturamento com os direitos autorais foi por água abaixo com a livre circulação de músicas pela internet. A relação entre democratização da música na rede e arrecadação de direitos ainda é conflituosa.

A economia das empresas de comunicação também sofreu um baque - e tudo indica que o fosso é bem mais fundo, com a popularização dos tablets. A circulação de jornais e revistas em papel está em queda livre, os números não mentem.

Outros ramos menores também estão desmilinguindo-se. As bancas de jornais, por exemplo, estão penando para sobreviver - adicionaram balas, chaveiros e badulaques de toda espécie ao seu produto principal. As pequenas e médias livrarias estão quebrando: em Nova York eram mais de 300 há dez anos; hoje não passam de 30! Não é incomum encontrarmos livros com descontos de até 20% do preço de capa na internet - e com frete gratuito. As locadoras de filmes também são uma espécie em extinção.

Essa "nuvem econômica" é muito dinâmica: ela se molda e se desfaz com uma rapidez incrível. Em movimento inverso a essas empresas que estão falindo, surgiram com a internet e a com a portabilidade (gadgets) múltiplas possibilidades de ganhar dinheiro.

Paradoxos da individualidade

Grande parte dos que estão levando um bom quinhão nesse "turbilhão econômico" migrou de um ambiente coletivo, externo e físico (lojas de rua, shoppings, escritórios) para um trabalho solitário de pequeno porte - às vezes na própria residência. Empresas "de garagem" faturam milhões e batem recordes sucessivos em cotações nas bolsas de valores. Um bom músico pode montar um estúdio eficiente em seu próprio quarto, gravar um álbum e distribui-lo pelo mundo afora. Grandes empresas incentivam seus empregados a trabalharem isoladamente, no conforto de suas residências, evitando os custosos e entediantes deslocamentos.

Steve Jobs, com suas criações, acabou intensificando a individualidade. É no mínimo intrigante a indiferença de um indivíduo que escuta música com fone de ouvido no metrô, alheio ao que acontece ao seu redor: não nos conformamos com sua tentativa de "fuga da realidade". Bem como o cara que não desgruda o olho do computador nem na hora de comer. Ou mesmo aquele que redige uma mensagem no celular enquanto atravessa a rua. Há um certo, com o perdão da expressão, "ensimesmamento tecnológico".

O que soa paradoxal é que a individualidade contemporânea é, ao mesmo tempo, significado de diversidade. Steve Jobs acabou por quebrar o que havia de mais enfadonho: a vida rotineira da família reunida no sofá, vendo os mesmos programas diariamente, quando cada indivíduo, em seu íntimo, não queria estar ali; queria fazer algo diferente. O que Jobs fez foi "apenas" inventar as pontes tecnológicas para suprir esses desejos (necessidades) pessoais ainda desconhecidos pelos próprios indivíduos. A tão propalada tentativa de "coletivização harmônica" das pessoas tornou-se uma falácia, pois o ser humano é, em sua essência, diverso em sua individualidade. Os momentos de "exteriorização", de agrupamento são exceção; não a regra.

O ser humano se realiza na sua individualidade, nos seus momentos de isolamento. As maiores invenções, as maiores obras da literatura, pintura, música etc. foram frutos de reclusão, dos momentos de concentração e interiorização. O homem "produtivo" sorve o êxtase da sua criação na maioria das vezes de forma isolada - seja ela uma frase bem feita, um produto acabado, um projeto concluído, uma música composta. Estar sozinho é praticar a diversidade, contrária a qualquer tipo de padronização. Montaigne se isolou na torre de um castelo para redigir seus ensaios. Proust tirou proveito do seu "isolamento asmático" para escrever sua monumental obra.

Outro "paradoxo da individualidade" trata justamente das várias possibilidades de contato proporcionadas pelos novos gadgets - de novo, Steve Jobs deu um belo empurrão. Enquanto o nosso primeiro impulso é recriminar o sujeito concentrado na tela de um computador num café, ou o garoto que ouve música no metrô, ou o que digita mensagens na rua, mal nos damos conta de que eles estão conectados em redes de contato muito maiores dos que se estivessem na mesa de um bar. A substituição do contato físico pelas relações virtuais perdeu o status de patologia social.

Não se trata aqui de defender o isolamento radical, aceitar passivamente o desmantelamento familiar ou o fim das amizades "físicas". Mas há de se encarar a virtualização dos contatos, do consumo, das trocas de informações e experiências não como uma "tecnomania", mas como uma realidade talvez irreversível. Steve Jobs, ao colocar o computador na palma da mão - e, por conseqüência, "isolar" o indivíduo - abriu caminhos para a manifestação de uma diversidade criativa. E deixou um legado espinhoso para os psicólogos e sociólogos.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 18/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
04. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol
05. O cinema de Weerasethakul de Guilherme Carvalhal


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARIS: AMERICAN EXPRESS
CHRISTOPHER MCINTOSH
GLOBO
(1992)
R$ 5,00



O SEGREDO DE EMMA CORRIGAN (EDIÇÃO DE BOLSO)
SOPHIE KINSELLA
BESTBOLSO
(2015)
R$ 29,88



ESCRITORES DO BRASIL
APARICIO FERNANDES (ORG.)
FOLHA CARIOCA
(1983)
R$ 6,90



AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
KLICK
(1997)
R$ 5,00



BASTIDORES O LIVRO OFICIAL DA SÉRIE ARQUIVO X
BRIAN LOWRY
MERCURYO
(1996)
R$ 24,90



SINAIS DE ESPARANCA UMA LEITURA SUPREENDENTE DOS ACONTECIMENTOS ATUAIS
ALEJANDRO BULLON
CASA PUBLICADORA
(2008)
R$ 5,00



O ENIGMA DO OITO
KATHERINE NEVILLE
BESTSELLER
R$ 26,00



MANUAL DE PROCESSO PENAL BRASILEIRO VOL II
JOSÉ LISBOA DA GAMA MALCHER (CAPA DURA)
FREITAS BASTOS (RJ)
(1980)
R$ 26,82



COVER GUITARRA JOE SATRIANI - 5951
DIVERSOS
COVER GUITARRA
R$ 10,00



ATE QUANDO ?
JACK SIQUEIRA
S D
(1990)
R$ 6,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês