Steve Jobs e a individualidade criativa | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Terça-feira, 18/10/2011
Steve Jobs e a individualidade criativa
Wellington Machado

+ de 4700 Acessos

Steve Jobs contribuiu bastante para o esvaziamento das tradicionais salas de tevê nos lares americanos. As patéticas imagens das famílias reunidas no sofá, assistindo a seriados, novelas ou programas de humor, ficaram lá nos anos 80. Vários fatores contribuíram para esse "esfacelamento" familiar, que se estendeu pelo mundo: o barateamento das tevês (facilitando a compra de novos aparelhos para outros cômodos da casa), a consequente necessidade individual de assistir a outros programas (quebra do gosto comum, padronizado) e a invenção do computador pessoal.

Os psicólogos já desistiram de lutar contra o ideal de família contemporânea, onde o pai vê futebol na sala; a mãe, novela no quarto; e os filhos vidrados nas telas de seus respectivos computadores no quarto. Ao que tudo indica, esse ideal "independente" é um caminho sem volta.

Já não encaramos mais com tanto estranhamento as pessoas nas ruas, pontos de ônibus ou nos metrôs, concentradas nas pequeninas telas de celulares, trocando mensagens ou navegando na internet, alheias ao mundo que as cerca. Já nos acostumamos com as pessoas enfurnadas em seus netbooks ou tablets em cafeterias, shoppings ou livrarias. E os aficionados por música andam pela cidade, conversam sem tirar o fone do ouvido.

Lembro bem de ter visto, no início dos anos 90, um Macintosh sobre a mesa de uma secretária. A minha primeira sensação foi de encantamento com o design do aparelhinho. Depois, veio-me logo um pensamento: "essa simpática maquininha pode ser transportada com certa facilidade pra qualquer lugar". O Macintosh, posso estar enganado, foi o precursor do notebook. Após "individualizar" o computador, Steve Jobs partiu para a portabilidade, e acabou por colocá-lo na palma da nossa mão. O que em princípio parecia uma atrocidade (um computador de mão?!), um impulso pueril pelos gadgets, aos poucos vai fazendo sentido e ganhando o aval e a adesão da sociedade.

Alvoroço econômico

O alcance e os efeitos das criações de Jobs implicaram em transformações não só psicológicas ou sociais, mas também na dinâmica da economia mundial. A possibilidade de compactar músicas em pequenos arquivos, que podem ser transportados pela rede mundo afora, desancou o monopólio das gravadoras, que mantinham seus cantores sob sua tutela. Essas empresas, que enchiam as burras de dinheiro, trabalham agora sofregamente em algum fundo de quintal.

Os cantores também sofreram com as inovações tecnológicas e tiveram de se adaptar às mudanças. O faturamento com os direitos autorais foi por água abaixo com a livre circulação de músicas pela internet. A relação entre democratização da música na rede e arrecadação de direitos ainda é conflituosa.

A economia das empresas de comunicação também sofreu um baque - e tudo indica que o fosso é bem mais fundo, com a popularização dos tablets. A circulação de jornais e revistas em papel está em queda livre, os números não mentem.

Outros ramos menores também estão desmilinguindo-se. As bancas de jornais, por exemplo, estão penando para sobreviver - adicionaram balas, chaveiros e badulaques de toda espécie ao seu produto principal. As pequenas e médias livrarias estão quebrando: em Nova York eram mais de 300 há dez anos; hoje não passam de 30! Não é incomum encontrarmos livros com descontos de até 20% do preço de capa na internet - e com frete gratuito. As locadoras de filmes também são uma espécie em extinção.

Essa "nuvem econômica" é muito dinâmica: ela se molda e se desfaz com uma rapidez incrível. Em movimento inverso a essas empresas que estão falindo, surgiram com a internet e a com a portabilidade (gadgets) múltiplas possibilidades de ganhar dinheiro.

Paradoxos da individualidade

Grande parte dos que estão levando um bom quinhão nesse "turbilhão econômico" migrou de um ambiente coletivo, externo e físico (lojas de rua, shoppings, escritórios) para um trabalho solitário de pequeno porte - às vezes na própria residência. Empresas "de garagem" faturam milhões e batem recordes sucessivos em cotações nas bolsas de valores. Um bom músico pode montar um estúdio eficiente em seu próprio quarto, gravar um álbum e distribui-lo pelo mundo afora. Grandes empresas incentivam seus empregados a trabalharem isoladamente, no conforto de suas residências, evitando os custosos e entediantes deslocamentos.

Steve Jobs, com suas criações, acabou intensificando a individualidade. É no mínimo intrigante a indiferença de um indivíduo que escuta música com fone de ouvido no metrô, alheio ao que acontece ao seu redor: não nos conformamos com sua tentativa de "fuga da realidade". Bem como o cara que não desgruda o olho do computador nem na hora de comer. Ou mesmo aquele que redige uma mensagem no celular enquanto atravessa a rua. Há um certo, com o perdão da expressão, "ensimesmamento tecnológico".

O que soa paradoxal é que a individualidade contemporânea é, ao mesmo tempo, significado de diversidade. Steve Jobs acabou por quebrar o que havia de mais enfadonho: a vida rotineira da família reunida no sofá, vendo os mesmos programas diariamente, quando cada indivíduo, em seu íntimo, não queria estar ali; queria fazer algo diferente. O que Jobs fez foi "apenas" inventar as pontes tecnológicas para suprir esses desejos (necessidades) pessoais ainda desconhecidos pelos próprios indivíduos. A tão propalada tentativa de "coletivização harmônica" das pessoas tornou-se uma falácia, pois o ser humano é, em sua essência, diverso em sua individualidade. Os momentos de "exteriorização", de agrupamento são exceção; não a regra.

O ser humano se realiza na sua individualidade, nos seus momentos de isolamento. As maiores invenções, as maiores obras da literatura, pintura, música etc. foram frutos de reclusão, dos momentos de concentração e interiorização. O homem "produtivo" sorve o êxtase da sua criação na maioria das vezes de forma isolada - seja ela uma frase bem feita, um produto acabado, um projeto concluído, uma música composta. Estar sozinho é praticar a diversidade, contrária a qualquer tipo de padronização. Montaigne se isolou na torre de um castelo para redigir seus ensaios. Proust tirou proveito do seu "isolamento asmático" para escrever sua monumental obra.

Outro "paradoxo da individualidade" trata justamente das várias possibilidades de contato proporcionadas pelos novos gadgets - de novo, Steve Jobs deu um belo empurrão. Enquanto o nosso primeiro impulso é recriminar o sujeito concentrado na tela de um computador num café, ou o garoto que ouve música no metrô, ou o que digita mensagens na rua, mal nos damos conta de que eles estão conectados em redes de contato muito maiores dos que se estivessem na mesa de um bar. A substituição do contato físico pelas relações virtuais perdeu o status de patologia social.

Não se trata aqui de defender o isolamento radical, aceitar passivamente o desmantelamento familiar ou o fim das amizades "físicas". Mas há de se encarar a virtualização dos contatos, do consumo, das trocas de informações e experiências não como uma "tecnomania", mas como uma realidade talvez irreversível. Steve Jobs, ao colocar o computador na palma da mão - e, por conseqüência, "isolar" o indivíduo - abriu caminhos para a manifestação de uma diversidade criativa. E deixou um legado espinhoso para os psicólogos e sociólogos.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 18/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
02. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
03. Correio de Elisa Andrade Buzzo
04. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
05. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FORTES NA TRIBULAÇÃO
PE. FABRÍCIO ANDRADE
CANÇÃO NOVA
(2011)
R$ 9,00



A AFINAÇÃO DO MUNDO
R. MURRAY SCHAFER
UNESP
(1997)
R$ 101,57



A VERDADE DA VIDA (SEMEI NO JISSO) VOL 6 -SAGRADO ESPÍRITO ...
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO NO IE
(1990)
R$ 15,00



O ÚLTIMO PORTAL
ROSANA RIOS; ELIANA MARTINS; NEGREIROS
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 10,00



LITTERATURE X1XE SIECLE
DOMINIQUE RINCÉ & BERNARD LECHERBONNIER
NATHAN
(1986)
R$ 19,00



A MÚSICA CLÁSSICA ÍNDIA
ALBERTO MARSICANO
PERSPECTIVA
(2006)
R$ 30,00



A PRÁTICA DE ENFERMAGEM PSIQUIÁTRICA
MARIA DE NAZARÉ DE OLIVEIRA FRAGA
CORTEZ
(1993)
R$ 10,00



A GRANDE ESPERANÇA DO SÉCULO XX 4702
JEAN FOURASTIÉ
PERSPECTIVA
(1971)
R$ 18,00



DIÁRIOS, POESIAS, CARTAS
HANNAH SENESH
TORDESILHAS
(2011)
R$ 28,00
+ frete grátis



THE PICTURE OF DORIAN GRAY: LEVEL 3:
OSCAR WILDE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2008)
R$ 20,00





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês