Esqueçam o velho jornalismo | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS >>> Especial Para onde vai o jornalismo?

Quarta-feira, 8/8/2007
Esqueçam o velho jornalismo
Tais Laporta

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A web dividiu o jornalismo em duas categorias. A primeira insiste em sujar os dedos com tinta de jornal, reforçando o apego a um glamour do século XIX. Nela estão os conservadores das velhas redações - os mesmos que fazem campanha contra os blogueiros, "amadores que não merecem ser lidos", pensam, resmungam. Na segunda categoria estão os jornalistas do futuro (diplomados ou não), íntimos da tecnologia. Eles usam a união das mídias digitais a favor de quem estiver conectado. Esta geração high-tech está inventando um novo jornalismo: interativo, sem fronteiras métricas, sem barreiras trabalhistas, sem (necessariamente) diploma.

Os jornalistas da web devem roubar os assentos dos repórteres e editores artesanais - principalmente daqueles que resistem às noções mínimas de web writing. Nada mais natural que as velhas estrelas do jornalismo se sintam incomodadas com essa invasão. Mais ainda porque se recusam, com arrogância, a reinventar-se dentro da tecnologia, prestando um desserviço a si mesmas. Qual o interesse das futuras redações em contratar uma enciclopédia humana que mal sabe enviar um e-mail?

Jornalismo sem tecnologia está fadado a desaparecer. Não é sem motivo que até os impressos utilizam as ferramentas digitais para se manter. Quem resistir a essa revolução vai ter que se contentar em apertar os parafusos da notícia, ao contrário de quem investe, hoje, em mão-de-obra qualificada: a união do conteúdo com o domínio das ferramentas digitais. Leia-se, o conhecimento de recursos gráficos e diversas linguagens da web. Significa afirmar que o jornalismo do futuro passa longe, muito longe, das gráficas dos jornais. A nova linha de montagem da notícia são as oficinas virtuais, que unem texto, vídeo e som em uma mesma mídia.

Os resultados são infinitamente melhores e o leitor só tem a ganhar com o ambiente multimídia. Não há porquê resistir em nome de argumentos tão desinteressantes (tais como: "é preciso sentir o papel com as mãos"). Ora, quem prefere uma mídia estática, intransponível, quando podemos navegar junto a ela? Quem prefere a luz de velas à energia elétrica? O pombo-correio ao telefone? Só quem trabalha com velas e pombos insiste em lucrar com isso.

Velhos mitos - A web está derrubando crenças arcaicas da mídia convencional. Uma delas é a de que algumas pessoas - dotadas de uma "aura" especial - nasceram para informar, enquanto que outras, para receber a informação. Falácia que os blogs e sites informativos derrubaram. Com mais pessoas escrevendo, e um acesso mais democrático à notícia, amadores e profissionais constróem juntos o novo jornalismo. Acabou a fronteira nítida entre amador e profissional. Muita gente criativa, que escreve muito bem e que jamais teria a chance de ser publicada nas bancas, está realizando o sonho de ser lida, com um público fiel da internet, sem nunca ter pensado em se tornar jornalista. Existe oferta e demanda a um custo zero, ou, pelo menos, bem mais em conta que a produção e distribuição dos impressos.

Novas disciplinas - Por falar nisso, as faculdades de jornalismo ainda não perceberam a importância de se introduzir novas (e urgentes) disciplinas em sua grade. Exatamente como quando a taquigrafia parecia algo útil, já passou da hora de eliminar velhas discussões em sala de aula, sobre imparcialidade e afins (que mais servem para "encher a lingüiça" dos cursos, do que ensinar alguma coisa), para assim reservar horas-aula de noções sobre um novo software gráfico, ferramentas de desktop publishing, por quê não?

Não que as faculdades façam mal em discutir teoria - jamais deixará de ser importante - mas, isoladamente, ela não passa de um mundo fantasioso, primitivo, desencontrado. O conteúdo é a matéria-prima da notícia, mas o que a transforma em produto é o aparato digital. Se as faculdades não perceberem a urgência em adaptar seus currículos às novas tecnologias, continuarão fabricando mais apertadores de parafusos, desorientados, chorando por uma vaga que não existe, num mercado imaginário.

Talento sem diploma - Existem pessoas realmente talentosas na web, fazendo jornalismo de primeira em diários on-line, sem imaginar que são jornalistas. São lidos e relidos, sem saber que esse privilégio era exclusivo, pouco tempo atrás, a poucos figurões da mídia antiga. Pessoas que nunca pisaram em uma faculdade de jornalismo estão produzindo conteúdo de qualidade, enquanto que uma massa de recém-formados disputa, aos pontapés, uma apertada vaga no que sobrou das (ex-grandes) redações de jornais e revistas.

Qual o valor em querer ter o nome publicado em uma grande folha de papel, ao invés da internet? Ser lido por um grande público? Estatisticamente, os maiores leitores dos jornais impressos de hoje são homens na terceira-idade, aposentados. Os mesmos que não acompanham a era da internet. E quando essa geração tiver ido embora? O apego ao tradicionalismo só atrasa conseqüências inevitáveis. Existe um mundo em expansão para quem quiser se aventurar por ele - e é o que estão fazendo pessoas com visão ampliada.

Até as melhores revistas e jornais impressos alimentam seus portais na internet, diariamente. A publicidade, ainda bem apegada às mídias tradicionais (haja vista o site NoMínimo, que oficialmente acabou por falta de patrocínio) também não perde o filão da internet. Outras alternativas também não faltam: os links patrocinados, as parcerias, e vários outros meios de produção de conteúdo gratuito e auto-sustentável. Mas, para isso, é preciso ser amigo, muito amigo, da tecnologia.

Para onde vai o jornalismo? - Só vejo duas respostas para a pergunta deste Especial. O jornalismo do futuro estará em qualquer lugar, a qualquer momento, em tempo real, pronto para servir a qualquer um que não estiver alheio à inclusão digital. Já o velho e o glamouroso jornalismo de papel vai amarelar. Em outras palavras, o destino do velho jornalismo é o museu, e que fique a cargo de seus curadores.


Tais Laporta
São Paulo, 8/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Istambul de Orhan Pamuk de Roberta Resende
02. 2004 foi um ano ruim, mas nem tanto de Paulo Polzonoff Jr


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial Para onde vai o jornalismo?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/8/2007
11h26min
Porém acredito que essa informação de que a maioria dos leitores de impressos são da 3ª idade esteja equivocada... Quanto à grade de disciplinas dos cursos de Jornalismo, algumas faculdades já incluem uma matéria mais focada para a Web... Um abraço.
[Leia outros Comentários de Leandro F.]
25/9/2007
15h04min
Olá Taís, adorei o texto. Acho só que ainda não podemos ter um pensamento radical em relação aos leitores dos jornais impressos, uma vez em que, na nossa infeliz realidade brasileira, o número pessoas com acesso à internet ainda é muito pequeno. Mas quem sabe daqui a muitos anos essa realidade mude, se com afinco continuarmos com esse processo de inclusão digital. Em relação às universidades, ainda sinto que os cursos de jornalismo são mais cursos técnicos para esse tipo de escrita e linguagem do que qualquer outra coisa. Ninguém sai formado jornalista, sai sim com diploma de jornalista, mas até se tornar um de verdade existe um longo processo pela frente. Aliás, também conheço muita gente que atuou (e bem) como jornalista sem ter diploma. E existem aqueles com diploma mas que não sabem o que estão fazendo. É triste. Enfim, continue retratando as coisas dessa forma, que é um tanto interessante. Abraços!
[Leia outros Comentários de Calu Baroncelli]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Chitty Chitty Bang Bang o Calhambeque Mágico
Ian Fleming
Expressão e Cultura
(1967)



Rafipan, a Esquina do Mundo
Carlos Augusto Segato
Atual
(1998)



Pipistrelo das Mil Cores
Zélia Gattai
Record
(2001)



A Silenciosa Inclinação das Águas
Alex Sens
Autêntica
(2019)



Noções Basicas de Importação
João dos Santos Bizelli / Ricardo Barbosa
Aduaneiras
(1994)



História Universal Vol. 4
H. G. Wells
Edigraf
(1972)



O jardim das crianças encantadas
Janet Taylor Lisle
Salamandra
(2006)



Direito Romano - Fundamentos, Teoria e Avaliação dos Conceitos
Francisco Caseiro Neto / Pablo Jimenez Serrano
Desafio Cultural
(2002)



O Inconsciente e o Id
Laplanche
Martins Fontes
(1992)



Segredos de Seis Corações
Sônia Barros
Scipione
(2012)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês