Esqueçam o velho jornalismo | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Para onde vai o jornalismo?

Quarta-feira, 8/8/2007
Esqueçam o velho jornalismo
Tais Laporta

+ de 3400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A web dividiu o jornalismo em duas categorias. A primeira insiste em sujar os dedos com tinta de jornal, reforçando o apego a um glamour do século XIX. Nela estão os conservadores das velhas redações - os mesmos que fazem campanha contra os blogueiros, "amadores que não merecem ser lidos", pensam, resmungam. Na segunda categoria estão os jornalistas do futuro (diplomados ou não), íntimos da tecnologia. Eles usam a união das mídias digitais a favor de quem estiver conectado. Esta geração high-tech está inventando um novo jornalismo: interativo, sem fronteiras métricas, sem barreiras trabalhistas, sem (necessariamente) diploma.

Os jornalistas da web devem roubar os assentos dos repórteres e editores artesanais - principalmente daqueles que resistem às noções mínimas de web writing. Nada mais natural que as velhas estrelas do jornalismo se sintam incomodadas com essa invasão. Mais ainda porque se recusam, com arrogância, a reinventar-se dentro da tecnologia, prestando um desserviço a si mesmas. Qual o interesse das futuras redações em contratar uma enciclopédia humana que mal sabe enviar um e-mail?

Jornalismo sem tecnologia está fadado a desaparecer. Não é sem motivo que até os impressos utilizam as ferramentas digitais para se manter. Quem resistir a essa revolução vai ter que se contentar em apertar os parafusos da notícia, ao contrário de quem investe, hoje, em mão-de-obra qualificada: a união do conteúdo com o domínio das ferramentas digitais. Leia-se, o conhecimento de recursos gráficos e diversas linguagens da web. Significa afirmar que o jornalismo do futuro passa longe, muito longe, das gráficas dos jornais. A nova linha de montagem da notícia são as oficinas virtuais, que unem texto, vídeo e som em uma mesma mídia.

Os resultados são infinitamente melhores e o leitor só tem a ganhar com o ambiente multimídia. Não há porquê resistir em nome de argumentos tão desinteressantes (tais como: "é preciso sentir o papel com as mãos"). Ora, quem prefere uma mídia estática, intransponível, quando podemos navegar junto a ela? Quem prefere a luz de velas à energia elétrica? O pombo-correio ao telefone? Só quem trabalha com velas e pombos insiste em lucrar com isso.

Velhos mitos - A web está derrubando crenças arcaicas da mídia convencional. Uma delas é a de que algumas pessoas - dotadas de uma "aura" especial - nasceram para informar, enquanto que outras, para receber a informação. Falácia que os blogs e sites informativos derrubaram. Com mais pessoas escrevendo, e um acesso mais democrático à notícia, amadores e profissionais constróem juntos o novo jornalismo. Acabou a fronteira nítida entre amador e profissional. Muita gente criativa, que escreve muito bem e que jamais teria a chance de ser publicada nas bancas, está realizando o sonho de ser lida, com um público fiel da internet, sem nunca ter pensado em se tornar jornalista. Existe oferta e demanda a um custo zero, ou, pelo menos, bem mais em conta que a produção e distribuição dos impressos.

Novas disciplinas - Por falar nisso, as faculdades de jornalismo ainda não perceberam a importância de se introduzir novas (e urgentes) disciplinas em sua grade. Exatamente como quando a taquigrafia parecia algo útil, já passou da hora de eliminar velhas discussões em sala de aula, sobre imparcialidade e afins (que mais servem para "encher a lingüiça" dos cursos, do que ensinar alguma coisa), para assim reservar horas-aula de noções sobre um novo software gráfico, ferramentas de desktop publishing, por quê não?

Não que as faculdades façam mal em discutir teoria - jamais deixará de ser importante - mas, isoladamente, ela não passa de um mundo fantasioso, primitivo, desencontrado. O conteúdo é a matéria-prima da notícia, mas o que a transforma em produto é o aparato digital. Se as faculdades não perceberem a urgência em adaptar seus currículos às novas tecnologias, continuarão fabricando mais apertadores de parafusos, desorientados, chorando por uma vaga que não existe, num mercado imaginário.

Talento sem diploma - Existem pessoas realmente talentosas na web, fazendo jornalismo de primeira em diários on-line, sem imaginar que são jornalistas. São lidos e relidos, sem saber que esse privilégio era exclusivo, pouco tempo atrás, a poucos figurões da mídia antiga. Pessoas que nunca pisaram em uma faculdade de jornalismo estão produzindo conteúdo de qualidade, enquanto que uma massa de recém-formados disputa, aos pontapés, uma apertada vaga no que sobrou das (ex-grandes) redações de jornais e revistas.

Qual o valor em querer ter o nome publicado em uma grande folha de papel, ao invés da internet? Ser lido por um grande público? Estatisticamente, os maiores leitores dos jornais impressos de hoje são homens na terceira-idade, aposentados. Os mesmos que não acompanham a era da internet. E quando essa geração tiver ido embora? O apego ao tradicionalismo só atrasa conseqüências inevitáveis. Existe um mundo em expansão para quem quiser se aventurar por ele - e é o que estão fazendo pessoas com visão ampliada.

Até as melhores revistas e jornais impressos alimentam seus portais na internet, diariamente. A publicidade, ainda bem apegada às mídias tradicionais (haja vista o site NoMínimo, que oficialmente acabou por falta de patrocínio) também não perde o filão da internet. Outras alternativas também não faltam: os links patrocinados, as parcerias, e vários outros meios de produção de conteúdo gratuito e auto-sustentável. Mas, para isso, é preciso ser amigo, muito amigo, da tecnologia.

Para onde vai o jornalismo? - Só vejo duas respostas para a pergunta deste Especial. O jornalismo do futuro estará em qualquer lugar, a qualquer momento, em tempo real, pronto para servir a qualquer um que não estiver alheio à inclusão digital. Já o velho e o glamouroso jornalismo de papel vai amarelar. Em outras palavras, o destino do velho jornalismo é o museu, e que fique a cargo de seus curadores.


Tais Laporta
São Paulo, 8/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
04. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
05. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial Para onde vai o jornalismo?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/8/2007
11h26min
Porém acredito que essa informação de que a maioria dos leitores de impressos são da 3ª idade esteja equivocada... Quanto à grade de disciplinas dos cursos de Jornalismo, algumas faculdades já incluem uma matéria mais focada para a Web... Um abraço.
[Leia outros Comentários de Leandro F.]
25/9/2007
15h04min
Olá Taís, adorei o texto. Acho só que ainda não podemos ter um pensamento radical em relação aos leitores dos jornais impressos, uma vez em que, na nossa infeliz realidade brasileira, o número pessoas com acesso à internet ainda é muito pequeno. Mas quem sabe daqui a muitos anos essa realidade mude, se com afinco continuarmos com esse processo de inclusão digital. Em relação às universidades, ainda sinto que os cursos de jornalismo são mais cursos técnicos para esse tipo de escrita e linguagem do que qualquer outra coisa. Ninguém sai formado jornalista, sai sim com diploma de jornalista, mas até se tornar um de verdade existe um longo processo pela frente. Aliás, também conheço muita gente que atuou (e bem) como jornalista sem ter diploma. E existem aqueles com diploma mas que não sabem o que estão fazendo. É triste. Enfim, continue retratando as coisas dessa forma, que é um tanto interessante. Abraços!
[Leia outros Comentários de Calu Baroncelli]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NUNCA VIU NÃO?
MARCIA LEITE
ATUAL
(1993)
R$ 8,00



A HUMANOECONOMIA
EUGEN LOEBL
JOSÉ OLYMPIO
(1978)
R$ 4,00



ELEMENTOS DO DIREITO - PROCESSO PENAL
ÂNGELA CRISTINA CANGIANO MACHADO E OUTROS
SICILIANO JURÍDICO
(2003)
R$ 10,00



MATRIMÔNIO E DIVÓRCIO NA IGREJA CATÓLICA
BERNARDINO LEERS
VOZES
(1978)
R$ 8,00



A MORTE EM VENEZA- TÔNIO KROEGER
THOMAS MANN
ABRIL
(1971)
R$ 9,00



EVERY MAN FOR HIMSELF HIMSELF
BERYL BAINBRIDGE
GERALD DUCKWORTH & CO LTD
(1996)
R$ 6,25



CHILDRENS STORIES FROM DIKENS
MARY ANGELA DICKENS
DERRYDALE
(1993)
R$ 12,50



CORRENTES DO DESTINO - 1ª ED.
CÉLIA XAVIER DE CAMARGO / MARIA CECÍLIA ALVES
PETIT
(2009)
R$ 17,00



DESERDAÇÃO E INDIGNIDADE NO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO
SALOMÃO DE ARAÚJO CATEB
DEL REY
(2004)
R$ 39,00



AUTO ESPORTE NOVO COROLLA Nº569
VARIOS AUTORES
GLOBO
(2012)
R$ 7,99





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês