Qual é O Segredo? | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2 Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música que surge do nada
>>> Hackeando o Sistema Democrático
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Vontade de abraçar todo mundo
>>> Italo Calvino: descobridor do fantástico no real
>>> Notícias do Brasil
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
Mais Recentes
>>> Gramática de Hoje - Curso Ilustrado para 5º a 8º Série de Ernani e Nicola pela Scipione (1995)
>>> Guia do Brigadeiro de Sem Autor pela Alto astral (2012)
>>> Dinâmicas de Grupo: Redescobrindo Valores de Giovanna Leal Borges pela Vozes (2002)
>>> A Chave dos Lusíadas 11ª edição. de Luís de Camões (prefacio e notas de José Agostinho pela Figueirinhas Porto
>>> Guia Arte e Artesanato Bonecas de Pano de Varios Autores pela Casadois (2014)
>>> Guia de Ouro: Patch Apliquê - 290 Ideias de Moldes de Guia de Ouro pela Alto Astral (2013)
>>> Páginas Preferidas (versos) primeiro volume de Armando Gonçalves pela Autor (1964)
>>> Guia Arte e Artesanato Applique 52 Modelos Passo a Passo de Janaina Medeiros pela Artesanato (2013)
>>> Market Leader Upper Intermediate Business English Practice File de John Rogers pela Pearson Longman (2006)
>>> Os Temperamentos - a Face Revela o Homem- II de Norbert Glas pela Antroposofica (2011)
>>> Noções fundamentais da língua latina de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1957)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis (14) pela Folha (2008)
>>> Uma Historia de Sabedoria e Riqueza de Mark Fisher pela Ediouro (1997)
>>> Five-minute Activities: a Resource Book of Short Activities de Penny Ur e Andrew Wright pela Cambridge University Press (1992)
>>> Sexo e Sexualidade Adolescência: Feliz... Idade de TodoLivro pela Todolivro
>>> Quem mexeu na minha bagunça ? de Celi Piernikarz pela Cortez
>>> Viagem ao Centro da Terra Em Quadrinhos de Júlio Verne pela Farol Hq (2010)
>>> Crianca Aos 9 Anos, A de Hermann Koepke pela Antroposofica (2014)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura - Coleção Reencontro Literatura de Miguel De Cervantes pela Scipione (paradidaticos) (2007)
>>> Quando os Lobos Uivam de Aquino Ribeiro pela Livraria Bertrand (1958)
>>> Amargo Despertar de Sardou Victorien pela O Clarim (1978)
>>> Querida Mamãe: Obrigado Por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão dos Cursos - Mbas 2014 de Strong Educacional pela Fgv (2015)
>>> Mobimento: Educação e Comunicação Mobile de Wagner Merije pela Peirópolis (2012)
>>> Go beyond students book pack 2 workbook de Nina Lauder, Ingrid Wisniewska pela Macmillan Education (2018)
COLUNAS >>> Especial Auto-ajuda

Quarta-feira, 18/7/2007
Qual é O Segredo?
Tais Laporta
+ de 10400 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Um livro em capa dura, com textura dourada, ocupa duas prateleiras em uma livraria paulistana. "Vende horrores", informa o lojista. É The secret - O segredo (Ediouro, 2007, 216 págs.), da australiana Rhonda Byrne, criadora e produtora do filme que leva o mesmo nome - e o mesmo sucesso de público. O livro de auto-ajuda estreou, de cara, na primeira posição dos mais vendidos no Brasil. Impossível não questionar o "segredo" de tanto sucesso.

A indústria bilionária da auto-ajuda oferece montanhas de títulos, todos com a promessa de entregar a receita da (F)elicidade, da (S)aúde e do (S)ucesso. Valores intangíveis, que, nas mãos de estrategistas - vamos admitir - talentosos, transformam-se em cifras generosas. Eles não são, contudo, estreantes nessa arte. A auto-ajuda sempre existiu na história ocidental, mascarada no pensamento de muitos gurus, curandeiros, escritores, cientistas e até filósofos. O que mudou foi que, na era do capital, aprendeu-se a lucrar com isso. E muito.

Nicolau Maquiavel não ajudou apenas os governantes em seu O Príncipe quando recomendou: "Não seja bom. Pareça". Os marketeiros também beberam dessa fonte, e como. Sabem de cor que nada é novidade no campo da auto-ajuda, embora tudo deva parecer inédito. Em The secret não é diferente. Mas que "segredo" é esse? Está naquela famosa frase em latim: "Quidquid latine dictum sit, altum sonatur". Tradução: "Tudo o que seja dito em latim soa profundo". Interpretação: não importa o quê se diz, mas como se diz.

De fato, nada em The secret é novo - nem no ramo da auto-ajuda, muito menos no científico que, aliás, é a base do "segredo" revelado pela autora. Ela viajou para os EUA e colheu depoimentos de metafísicos, teólogos e psicólogos que compartilham de uma mesma teoria conhecida como a "Lei da Atração". Caiu como luva no gosto de um filão de céticos, para quem a religião e mensagens de otimismo não são suficientes para suprir seu apetite espiritual. Mas esse é o detalhe mais leve. Diversos membros da comunidade científica ficaram desolados com as conclusões equivocadas dos entrevistados, já que nenhuma delas foi cientificamente comprovada e, por isso, deveriam pertencer às "pseudociências".

The secret não é a primeira obra que usou a ciência para atrair um público mais crítico em relação à auto-ajuda. O documentário Quem somos nós? (What the bleep do we know?) já havia explorado esse nicho, com grande sucesso comercial. A produção lembra uma aula sofisticada de física para leigos, mas uma pesquisinha no Google já mostra que o filme tem pretensões extra-científicas. Os três diretores, William Arntz, Betsy Chasse e Mark Vincent são devotos de uma seita, da qual uma das entrevistadas é a fundadora - uma médium que diz ser Ramtha, o espírito de um guerreiro da Lemúria. Daí entende-se porque os créditos das conceituadas fontes não aparecem durante o filme, apenas nas legendas finais, quando todo mundo já saiu da sala.

Usar referências de peso é uma velha tática. Em The secret, Rhonda Byrne se apropriou das idéias de Da Vinci, Galileu e Einstein para fundamentar a tese de que a mente humana é capaz de "mudar" a matéria. Segundo ela, seríamos poderosas torres transmissoras de ondas. Nossas "antenas" seriam capazes de atingir as mais distantes estrelas do universo. Para provar isso, ela se baseou em recentes teorias científicas sobre física quântica (um poço de perguntas ainda sem respostas). Enfim, algumas constatações sobre o universo subatômico sugeririam que podemos "alterar" a freqüência dessas ondas que passeiam por aí conforme nossa vontade.

Ciente disso, o ser humano seria capaz de irradiar ondas de amor, sucesso e otimismo mundo afora, através de seu cérebro. Não só irradiar como receber tudo de volta. Esse é o mecanismo da "Lei da Atração", segundo a qual atraímos o que emitimos (ou, ainda, como diz a lei do bumerang: "tudo que vai, volta"). Por esta tese, basta imaginar-se na cadeira do presidente ou no traje da rainha Elizabeth que lá estará você, brevemente. O discurso é atraente porque utiliza conceitos científicos que nós, leigos, não temos propriedade para questionar. Nem os físicos quânticos conseguiram provar que a tal lei funciona. Mas já foram feitas centenas de experimentos no intento de provar que o pensamento transforma a matéria.

A tentativa mais "feliz" neste sentido foi a do pesquisador japonês Masaru Emoto, que fotografou amostras de água congelada depois de submetê-las a emissões mentais da palavra "amor". Segundo ele, as gotículas influenciadas pelo pensamento amoroso ficavam mais bonitas. Ao rotular garrafas de água com tais palavras e regar as plantas, elas durariam muito mais tempo, segundo o estudioso oriental. Como a água entende fonemas em japonês, ainda é um mistério científico. Outro, ainda mais enigmático, é o conceito de beleza, que nem os mestres da arte sabem definir.

Experiências mais confiáveis sobre o suposto poder da mente mostraram que a probabilidade de o pensamento interferir em algum evento físico não ultrapassa 0,3%. A explicação é mais lógica do que técnica: as ondas cerebrais não são concretas como o movimento de uma mão, portanto, a freqüência de um pensamento otimista é demais insignificante para provocar uma mudança perceptível na matéria.

Notícia triste para quem apostava algumas fichas em The secret. Talvez, o "segredo" seja bem mais simples. Não a pseudociência, mas o mesmo mecanismo que a arte utiliza para alimentar a esperança nas pessoas. Não é por acaso que a magia é uma ilusão autocompensadora. Imaginar que é possível obter qualquer coisa num estalar de dedos, sem a ajuda de terceiros, é o sonho humano. Somos facilmente seduzíveis por promessas de um mundo impossível. A esperança em alcançá-lo já basta, e isso explica porque desejamos aquilo que não podemos ter - e normalmente desprezamos as conquistas disponíveis.

Os heróis continuam vivos nos quadrinhos, no cinema e na literatura para nos embriagar com uma sensação de poder. Precisamos de uma ilusão para respirar - de preferência em capa dura e com textura dourada. Não é segredo.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 18/7/2007

Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial Auto-ajuda
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/7/2007
14h04min
Não pensei que fosse possível falar de um livro desses com essa elegância, ou seja, sem compactuar com a obra e sem malhar explicitamente. Só uma fina ironia. Já é o suficiente, conforme o chavão: para bom entendedor, meia palavra basta. Eu, como sempre, lembro do Millôr: "o inacreditável é até crível, mas o impossível não é possível." Beleza de texto, Tais.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
19/7/2007
13h47min
Parabéns Tais, pela ótima crítica do livro e do que ele representa e também pela coragem de enfrentar esse tipo de leitura... Bjs.
[Leia outros Comentários de Flávia Imoto]
19/7/2007
14h26min
Brilhante a sua análise dessa "obra". Eu não teria a mesma elegância, como o Guga disse. Iria detonar com vontade, de um só fôlego, e não como você fez, em doses homeopáticas, mas consistentes e eficazes. Fui obrigada a ver esse filme, pois meus alunos (jovens e adultos) insistiram. Como não queria destruir os sonhos deles, apenas elaborei umas questões que os ajudassem a pensar melhor sobre o assunto. Se na época tivesse o seu artigo, certamente o usaria. Poderia causar mais efeito. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Adriana]
25/7/2007
07h53min
Prezada Taís Laporta: O importante é que suas considerações acerca da obra "O Segredo" contribuem para derrubar preconceitos. Como bibliotecária e leitora, sempre fui levada a dar ouvidos a intelectuais que se colocam radicalmente contra as obras de auto-ajuda. Há livreiros no RJ, inclusive, que adoram detonar clientes que entram pedindo livros desse gênero. Por quê? Bem, ou mal, alguma coisa se aproveita e, queiram ou não, de alguma forma se economiza em gastos com psicanalistas. Aceitar, ou não, o conteúdo de tais obras, isto é outra coisa. Vale ler, discutir, discordar... e não, simplesmente, correr.
[Leia outros Comentários de Lygia Dias de Toledo]
25/7/2007
16h22min
Taí uma verdade incontestável, logo no início do texto: Maquiavel, se escrevesse nos dias de hoje, iria entrar direto na lista dos livros de auto-ajuda. E certamente os politicos não o leriam, simplesmente porque politicos não lêem, nem as normas que os regem, muito menos livros, seja lá do que forem. E aqui não há segredo nenhum. Quanto ao "The Secret" propriamente dito, nada há também de novo, a não ser o fato de que há sangue novo em busca do cálice sagrado, ou, na lista de mais vendidos em auto-ajuda. Sem querer entrar para a lista dos detonadores dos livros de auto-ajuda, mas é um filão inesgotável, pois o rol dos desamparados por tudo quanto é espezinhações de origem diversa só aumenta a cada Jornal Nacional e Linha Direta da vida. E ainda tem o fantasma do des e do sub-emprego, das contas que só aumentam, do senhorio que vive alerta, do embarque em Congonhas, das vacas do Renan. Mas Taís, você deu mostras exuberantes de que com um belo texto se consegue dizer tudo com classe.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Pranto das Farpas
Therezinha Guerra del Picchia
Folco Masucci
(1964)



Almanaque 02 Neuroniôs - Guia da Mulher Superior
Jô Hallack / Nina Lemos / Raq Affonso
Record
(2002)



Eu Sou O Número Quatro
Pittacus Lore
Intrinseca
(2011)



Invenções Geniais
Various
Globo s.a
(2008)



Santos Dumont e a Conquista do Ar
Aluizio Napoleão
Itatiaia
(1988)



Cinema: trajetória no subdesenvolvimento
Paulo Emilio
Paz & Terra
(1980)



/A Árvore dos Sexos
Santos Fernando
Circulo do Livro
(1975)



O Passageiro: Segredos de Adulto
Cesario Mello Franco
Agir
(2007)



Livro de bolso Literatura Estrangeira Mozarts Journey to Prague
Eduard Morike
Future Publishing
(1993)



História das Sociedades
Aquino / Denize / Oscar
Ao Livro Técnico
(1980)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês