O engano do homem que matou Lennon | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Oficina do diabo
>>> Rosa dos ventos
>>> Pelagem de flor II: NEGRO
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os escritores jovens
>>> Guinga e sua Casa de Villa
>>> Pascal e a condição humana
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> O Jovem e o Mar
>>> Luz em agosto
>>> Palestra de Guilherme Wisnik
>>> Jobs e o Macintosh
>>> Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
>>> Um Furto
Mais Recentes
>>> Parcelamento Tributário & Moratória de Fábio Junqueira - Maria Inês Murgel pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Tratado de Infectologia de Ricardo Veronesi & Roberto Focaccia pela Atheneu (2009)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Estrela da Manhã de Manuel Bandeira pela Global (2012)
>>> El Mito de Faeton en La Literatura Española (ilustrações Fcs. Fora do de A. Gallego Morell pela Madrid (1961)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Pregão Nas Licitações Municipais de Marcelo Palavéri pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> La Cancion Petrarquista en La Lirica Española del Siglode Oro:... de E. Segura Covarsi pela Madrid (1949)
>>> Evolução Política do Brasil e Outros Estudos de Caio Prado JR. pela Cia. das Letras (2012)
>>> La Transcripcion Castellana de los Nombres Proprios Griecos de Manuel F. Galiano pela Soc. de Estudios Clasicos/ Madrid (1961)
>>> A Condição Espacial de Ana Fani Alessandri Carlos pela Contexto (2015)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Manual de Gramática Histórica Española de R. Menéndez Pidal (Ramón) pela Espasa- Calpe/ Madrid (1944)
>>> Um ano para enriquecer - 52 mensagens de otimismo e motivação de Napoleon Hill pela Record (2019)
>>> Controles Internos nas Organizações de Paulo N. Migliavacca pela Edicta (2004)
>>> Dante Vivo de Giovanni Papini pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> A nova dependência (dívida externa e monetarismo) de Celso Furtado pela Paz e Terra (1983)
>>> Sans Frontieres 1 - méthode de français de Michele Verdelhan, Michel Verdelhan, Philippe Dominique pela Clé international (1982)
>>> Tom Jones (encadernado.- Completo Em 01 Volume) de Henri Fielding pela Circulo do Livro/ SP. (1985)
>>> Cozinha Prática - Massas de Cristian Muniz pela Pae (2015)
>>> Chico Buarque do Brasil de Rinaldo de Fernandes. Organizador pela Garamond (2004)
>>> A Religiosa/ Capa Dura de Diderot (denis) pela Circulo do Livro (2019)
>>> Sursis/ Classicos Modernos/ Encadernado de Jean- Paul Sartre / Tradução: Sergio Milliet pela Abril (1974)
>>> MacWEEK Guide to desktop video - cd rom included de Erik Holsinger pela ZIff-Davis Press (1993)
>>> Ação Cominatória e Outras Peculiares - Doutrina, Jurisprudência ... de Ulderico Pires dos Santos pela Paumape (1989)
>>> O líder em você. Como fazer amigos, influenciar pessoas e ter sucesso em um mundo em mutação de Stuart R. Levine e Michael A. Crom pela Record (1997)
>>> El Genio Latino de Anatole France pela Ed. Grandes Autores/ B. Aires (1943)
>>> Nacha Regules (novela) de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ B. Aires (1933)
>>> O Direito Como Fato Social de José Florentino Duarte pela Sergio Antonio Fabris (1982)
>>> A Tributação Sobre Consumo de Bens e Serviços de Alessandra Machado Brandão Teixeira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Lições preliminares de direito de Miguel Reale pela Saraiva (1995)
>>> Seguro: Teoria e Prática - Doutrina - Jurisprudência - Prática Forens de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2004)
>>> Manual Prático do Horóscopo Chinês de Minami Keizi pela Traço (1988)
>>> Reiki - Amor, Saúde e Transformação de Johnny de Carli pela Alfabeto (2017)
>>> As Novelas de Torquemada de Benito Pérez Galdós pela Paz e Terra (1989)
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen de Eugen Herrigel pela Pensamento (1990)
>>> Umanesimo Positivo e Emacipazione Marxista de Galvano Della Volpe pela Sugar Editore (1964)
>>> Ciência e Tecnologia Hoje de Nicolas Witkowski pela Ensaio (1995)
>>> Luvas Brancas de John Kotre pela Mandarim (1997)
>>> I-Ching - A Alquimia dos Números de Wu Jyu Cheng pela Objetiva (1993)
>>> Computer Crimes de Maria Helena Junqueira Reis pela Del Rey/ Belo Horizonte (1997)
>>> O Budismo vivo e o mundo contemporâneo de Lama Anagarika Govinda pela Siciliano (1994)
>>> Luxúria. Coleção Sete Pecados Capitais de Simon Blackburn pela Arx (2005)
>>> Mundo, Vida e Esperança de Angela Coutinho ditado por Emmanuel pela Elevação (1999)
>>> O Budismo e o Caminho da Vida de Christmas Humphreys pela Cultrix (1995)
>>> Avareza. Coleção Sete Pecados Capitais de Phillis A. Tickle pela Arx (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/11/2007
O engano do homem que matou Lennon
Tais Laporta

+ de 15300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Jurado de morte na prisão, Mark David Chapman recusa a liberdade condicional. É ele o autor do disparo que matou o ex-Beatle John Lennon, em 1980. Nas mãos do assassino, um exemplar de O apanhador no campo de centeio (Editora do Autor, 1999, 208 págs.; The catcher in the rye, em inglês), de J. D. Salinger. Teria sido o personagem do livro - segundo ele - que inspirou-lhe a cometer o crime. "Grande parte de mim é Holden Caulfield. Outra parte deve ser o demônio", contou à polícia. Apesar de Chapman ter culpado parte do romance pelo sangue derramado, a rebeldia inaugurada na narrativa de Salinger está longe de estimular a barbárie.

Logo após a morte de Lennon, as vendas do clássico dispararam, até firmar-se como best-seller e leitura obrigatória. Todo mundo queria saber quem era Holden Caulfield. O que tinha de tão curioso a ponto de inspirar um assassino? O personagem é um simples adolescente de 17 anos, recém-expulso do colégio por mau desempenho. É depressivo, mente e sofre com a própria instabilidade emocional. Tão inocente quanto as brigas nas quais se envolve. Alimenta afetos e ódios, entre picos e quedas. Não tem sonhos concretos, nem planos para o futuro. Apenas vontades passageiras. Tudo o deprime - estado que alimenta ainda mais sua rebeldia.

Nada em Caulfield inspira admiração, embora sua marginalidade não seja gratuita. No seu perfil desajustado, gerações de jovens continuam encontrando um espelho. Participam de sua angústia e criam coragem para assumir a própria impulsividade. Até os anos 1950, ser imaturo era sinônimo de fraqueza. O poeta francês Arthur Rimbaud (1854-1891) escreveu que ninguém é sério aos 17 anos. Lá pela década de 1920, uma criança passava a ser adulta quando ganhava a primeira calça comprida, geralmente no Natal. Era motivo de orgulho, para o presenteado, deixar de ser um "tolo inexperiente" para cair no mundo como alguém de verdade. Largava a escola para trabalhar, aos 14 anos - no rastro da Revolução Industrial -, pronto para casar-se e formar uma família. Num salto olímpico, pulava totalmente a transição da infância para a fase adulta. Em vez de viver a adolescência, se deparava com a pura responsabilidade.

Mas a necessidade de formar adultos precoces perdeu o sentido após a Segunda Guerra. Com o despontar do capital intelectual, os jovens puderam prolongar os estudos, sem precisar trabalhar. Lá estavam eles, com barba feita, ocupados com festas e garotas. Nada de pressões sociais. Tudo o que queriam era uma Coca-Cola com whisky: aqui e agora. Mas o comportamento imaturo ainda não tinha crédito na sociedade - quanto menos na literatura, a porta-voz da experiência. Caulfield vem para legitimar a rebeldia adolescente, intolerada pelas comunidades "crescidas". Ocupou o vazio de identidade do começo do século XX, junto de ídolos como Elvis Presley. Música, moda e tribos urbanas passaram a ser instrumentos de auto-afirmação. Assim, a juventude ganhou o respeito adulto, oportunidade para que O apanhador no campo de centeio fosse compreendido.

Salinger, ao escrever, não imaginava o estrondoso sucesso que viria. Se soubesse, talvez não tivesse sido capaz de criar um romance tão despretencioso e modestamente banal. Até porque levou uma vida semelhante à de seu personagem, anti-social. A narração em primeira pessoa é repleta de gírias e expressões jovens. Fatos triviais e divagações seguem sem respiro. É assim que o personagem vomita sua inocência. Embora transcorrido nos anos 50, o romance parece não ter época. Poderia ser adaptado, tranqüilamente, para qualquer década posterior. A ausência de sinais do passado, exceto por uma máquina de escrever, evidencia que o romance não envelheceu, como ocorre com os clássicos estabelecidos.

Embora seja um hino da revolta juvenil, O apanhador no campo de centeio também é lido por marmanjos. Não é preciso ser jovem para identificar-se com o anti-herói, rebelado contra a sociedade. Prova disso é que o cinema e a própria literatura criaram Caulfields mais velhos - e igualmente intempestivos. O personagem de O Náufrago, de Thomas Bernhard, chega à ruína interior ao deparar-se com um gênio do piano, Glenn Gould. Estar abaixo dele já é motivo para sentir-se um acidente de percurso. Na sétima arte, Stanley Kubrick repetiu a saga do homem rebelado. As obras-primas Laranja Mecânica, O Iluminado e Barry Lindon recriam escórias humanas.

Em nenhum momento, contudo, o livro de Salinger faz apologia à violência ou ao ódio. O cartão-verde para a rebeldia não justifica qualquer crime, ao contrário do que entendeu o assassino de Lennon. Ele levou ao pé da letra as revoltas passageiras do personagem, das quais o próprio se arrependeria. Ao contrário do criminoso, Caulfield não sofria de esquizofrenia e doença mental. Chapman teria se inspirado em qualquer símbolo da incompreensão jovem para justificar seus demônios.

Além disso, o personagem encontra os primeiros sinais do equilíbrio no amor pela irmã caçula, Phoebe. Quando ela lhe instiga a pensar no que gostaria de fazer no futuro, Caulfield se imagina observando crianças brincarem em um campo de centeio, atento para apanhá-las antes que caiam em um abismo. É o que deseja ser. Um trecho do livro reflete esse ritual de passagem: "O homem imaturo é aquele que quer morrer gloriosamente por uma causa. O maduro contenta-se em viver humildemente por ela".

Desponta, aí, o senso de proteção que o faz desistir de qualquer maluquice. Seu planos de fuga eterna vão por água abaixo, diante de uma criança que o imita. Alguém precisa tomar as rédeas da loucura, sentir-se responsável pela ordem. E precisa ser ele. Nasce um novo Caulfield, feliz e sereno. Mesmo indiferente sobre o futuro, longe das pressões da fase pré-adulta: ganhar dinheiro e escolher uma profissão. Certamente, Caulfield tardaria para definir-se socialmente. Mas, por outro lado, estaria longe de tornar-se um médico frustrado ou um advogado anti-ético. Ambos, produtos precoces da modernidade.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 16/11/2007


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/11/2007
18h34min
Nunca entendi muito bem o porquê do assassino de Lennon ter se comparado a Holden Caulfield. Nunca! Sempre achei que eu tinha uma capacidade de abstração da personagem e das metáforas do livro muito limitada, de que eu não havia interpretado as entrelinhas de Salinger de forma apropriada. Busquei textos na internet a respeito do livro, e nenhum era capaz de me mostrar nada de que eu já soubesse... Este seu texto me esclareceu algumas coisas, relembrou outras, mas o mais importante foi que com ele eu me certifiquei de que eu não estava enganada. Chapman, sim. Li este romance aos 15, foram necessários 10 anos para eu perceber que não havia o que encontrar de obscuro em Holden. E que não havia nada de errado em me identificar com ele. Obrigada!
[Leia outros Comentários de Fernanda Coelho]
19/11/2007
07h11min
O apanhador é sobretudo um livro de autor. Destaca-se pelo caráter seminal onde uma narrativa moderna disseca de forma até então inédita as instabilidades e inseguranças das fronteiras da adolescência. Salinger compõe uma obra compacta onde, mais que a primeira pessoa, o fluxo de consciência tornou real e universal sua personagem. O espaço-tempo em que se sucedem os fatos é o mais curto possível, deixando os leitores sem fôlego num exercício inusitado de leitura. A força deste livro é tal que talvez Holden tenha encarcerado Salinger numa expectativa insuportável. Tivemos ainda vários ecos do Apanhador, um personagem como Chapman em "A teoria da Conspiração" e um roteiro filmado por Scorcese, "After Hours" em 1985. Apesar de tantos sub-produtos é de Robert Burns e da canção "Comin thro the rye", de onde Salinger trouxe a tensão em que sustentaria o seu romance, que prefiro recordar; Chapman é só um fragmento perdido numa perspectiva de possibilidades infinitamente promissoras.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MONITORAMENTO DE MAMÍFEROS COM CÂMERAS-TRAPPS EM ÁREA MANEJADA
SHELIANE NASCIMENTO UND MARILUCE MESSIAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



DOM CASMURRO - COLEÇÃO LITERATURA BRASILEIRA - NOVA ORTOGRAFIA
MACHADO DE ASSIS
CIRANDA CULTURAL
(2008)
R$ 10,00



ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA
MICHAEL A. HITT
THOMSON
(2008)
R$ 30,00



CHEGA DE SAUDADE
RICARDO AZEVEDO
ED. MODERNA
(1984)
R$ 4,00



E SE... HITLER TIVESSE VENCIDO
REVISTA SUPERINTERESSANTE
ABRIL
(2015)
R$ 12,00



ELEMENTOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA
N. EFIMOV
LIVRARIA CULTURA BRASILEIRA
(1972)
R$ 14,00



SEARA BENDITA
MARIA JOSÉ C. DE OLIVEIRA / WANDERLEY SOARES DE O
INEDE
(2000)
R$ 22,00



O ANO EM QUE SÓ NÓS TIVEMOS LUCRO
ALEXANDRE CAMARGO
MATRIX
(2010)
R$ 6,30



EVOLUÇÃO BIOLÓGICA CONTROVÉRSIAS
CELSO PIEDEMONTE DE LIMA
ATICA
(1988)
R$ 5,00



OBRAS-PRIMAS DO CONTO HUMORÍSTICO
SÉRGIO MILLET SELEÇÃO / NOTAS
MARTINS
(1956)
R$ 22,00





busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês