A Fantasia Verossímil, ou: Thor | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jazz caricato
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Música instrumental brasileira
>>> If God is Brazilian
>>> Agradecimentos no Oscar
>>> Anúncios em revistas caindo
>>> Cicular
>>> O inútil de cada um
Mais Recentes
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
>>> Negociações Espetaculares de Harvard Business School pela Campus (2004)
>>> Em Nome de Anna de Rudi Fischer pela Primavera Editorial (2015)
>>> De Volta às Estrelas de Erich Von Däniken pela Melhoramentos (1970)
>>> Umbanda Espírita Cristã de Norevaldo C. M. Souza pela Ideia Jurídica (2014)
>>> Entre Árabes e Judeus - uma Reportagem de Vida de Helena Salem pela Brasiliense (1991)
>>> O Poder Psíquico das Pirâmides de Bill Schul e Ed Pettit pela Record (1976)
>>> Sade, Fourier e Loyola de Roland Barthes pela Brasiliense (1990)
>>> O que é Ceticismo de Plinio Smith pela Brasiliense LTDA (2021)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> Introdução à Psicologia Fenomenológica//Agressão no Homem e nos Animais de Ernest Keen e Roger N. Johnson pela Interamericana (1979)
>>> O que é Psicanálise de Fábio Hermann pela Abril (1983)
>>> Como Administrar Conflitos Profissionais de Peg Pickering pela Market Books (1999)
>>> A Aventura Prodigiosa do Nosso Corpo de Jean Pierre Gasc pela Universo da Ciência (1981)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Das CPI's de Hélio Apolinário Cardoso pela Bookseller (2002)
>>> A Mulher do Viajante no Tempo de Audrey Niffenegger pela Suma de Letras Brasil (2009)
>>> O estudante II: Mamãe querida de Adelaide Carraro pela Global (1988)
>>> O Lado Bom dos Seus Problemas EAN: 9788536416199 de Maurício Horta pela Abril (2013)
>>> Julie e Julia de Julie Powell pela Record (2009)
>>> Fogo e Gelo de Julie Garwood pela Landscape (2009)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> O Livro das Princesas - Novos Contos de Fada Por de Meg Cabot; Paula Pimenta; Lauren Kate pela Record (2013)
>>> urma da Mônica Jovem - Academia de Ninjas de Mauricio Sousa pela Mauricio Sousa (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 7/6/2011
A Fantasia Verossímil, ou: Thor
Duanne Ribeiro

+ de 3900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Uma árvore se estende imensa pelo espaço vazio. Tronco prenhe de galáxias, ramos cintilando de estrelas, copa de nebulosas - seus contornos somente adivinhados, árvore imensa que é a própria estrutura do universo. A origem de uma imagem tão mística e poética é surpreendente: essa interpretação renovadora de um mito nórdico é apresentada durante os créditos de Thor. Trata-se de Yggdrasil, relida pelo que hoje sabemos do nosso mundo. A fantasia renasce quase aceitável, sedutora, novamente possível. Isto é, o poder da imagem está em que o irreal retoma sua familiaridade com o real. Em que eles se sobrepõem.

Quero acreditar que aí se enxerga como o fantástico é criado. Sempre como esse desnível em relação ao que já conhecemos, mas de tal forma que ambos não estejam muito distantes; que se harmonizem. Uma prova pode ser a seguinte: esse trecho, o mais significativo de Thor, tem pouquíssimo destaque. Não reforça a narrativa ou parece ter qualquer funcionalidade específica: é apenas uma ilustração paralela. Por outro lado, talvez sua elaboração tenha sido exigida pelo processo criativo. Os criadores partiriam da pergunta: como é que isso poderia ser real? Como se adequa ao que a ciência diz? A fantasia, não como arte do impossível, mas da resiliência, tratando, aqui e sempre, só de impossíveis aceitáveis.

Esse parece ser o elemento de maior força no primeiro Matrix, por exemplo: não é absurdo que todas as nossas percepções sejam enganosas; a filosofia, de Descartes a Husserl, lidou com o problema de formas variadas. Também é o núcleo de Arquivo X - o desacordo entre todas as evidências do mundo real e a existência de vida sobrenatural ou extraterrestre é desfeito com a criação de uma conspiração governamental imensa. O mesmo argumento funciona para gerar a crença em sociedades secretas e poderosíssimas, como seriam os Iluminatti ou o Clube de Bilderberg. Uma terceira possibilidade se vê nos livros de Anne Rice ou J.K. Rowling: vampiros, magos e outros seres existem; mas se esmeraram em permanecer anônimos.

A ficção de Thor também se justifica por esses dois últimos elementos. A ação subterrânea do governo acontece por meio da S.H.I.E.L.D., que prepara o lançamento de Os Vingadores (é curioso que o mesmo expediente tenha sido usado no teaser de Transformers 3). E os deuses nórdicos são destacados da fábula para caberem na nosso folclore contemporâneo.

Guilherme Montana percebe que, em Thor, os personagens parecem menos divindades do que alienígenas. Isso funciona no mesmo sentido: é pouco aceitável que existam deuses nórdicos (sabemos que só existe um deus, o cristão), mas é razoável que visitantes de outros planetas tenham sido pensados como divinos pelos selvagens que os conheceram. É o que afirma, por exemplo, a teoria dos astronautas antigos. Além da frase de um personagem ("basta jogar um raio nos humanos para que nos tratem como deuses"), também confirma essa interpretação as viagens interplanetárias do filme, idênticas às de Star Gate: um meio avançado de transporte, que faz uso de portais, túneis universais entre um ponto e outro. Plausível, claro.

Um último recurso para que o filme seja perfeitamente possível foi resumido por André Azenha, no Cinecartógrafo: "O contraste entre Asgard e a Terra não ofende a inteligência do público. Na verdade, a explicação é bem simples: lá, ciência e magia são a mesma coisa". O argumento é: não se pode crer que existam poderes mágicos inexplicáveis, mas sim que se desenvolva uma capacidade do tipo como uma tecnologia. A magia é um ponto futuro em uma evolução técnica, assim como, em Harry Potter, já se disse que ela é o mero fruto de uma evolução genética.

Expectativas
Há um trecho curioso no texto de Montana, com um argumento muitas vezes formulado quando Thor involuntariamente esteve em um imbróglio racial. O artigo faz a seguinte distinção: "Este filme é sobre Thor, o herói escandinavo da Marvel, e não Tór, o deus da mitologia escandinava". Como se realiza essa divisão? Onde a fronteira entre essas duas irrealidades?

O texto também afirma: "A mitologia nórdica usada no filme não é um retrato fiel, mas apenas inspirativo". Essa mitologia, portanto, só pode ser recontada, se é para usarmos seus símbolos com propriedade. A exigência de fidelidade permite que toda variação seja descartada e que só o mito puro seja considerado como ligado à cultura original. Transpostos a cenários estranhos, os símbolos então se multiplicam, gerando versões semelhantes, mas que não se comunicam.

Assim sendo, o Odin de Deuses Americanos, de Neil Gaiman, não é o próprio - é só o Odin de Gaiman. As deidades de O Crepúsculo dos Deuses, de Wagner, são outras também. Em O Auto da Compadecida, Jesus Superstar e A Paixão de Cristo, três Cristos distintos. É estranho que o texto afirme que "seria correto se houvesse manifestações contra um Oxóssi interpretado por Brad Pitt". Ora, por que não se poderia dizer: esse é meu Oxóssi, não o do Candomblé? A decisão fica na proposta do autor? Na seriedade assumida pelo filme? No que?

São dois círculos fechados de sentido os propostos por Montana: num deles, está a mitologia; noutro, está o herói da Marvel. No primeiro dos círculos, é razoável que na origem do universo haja uma vaca primordial que cria rios de leite com suas tetas, mas não que Thor fale inglês - como o artigo argumenta. A fixação de fronteiras parece acontecer em um só lugar: no âmbito das expectativas do público. Thor jamais merecerá fé e crença, como seu sósia recebeu. Essa distinção nasce diretamente do que se pode esperar de um personagem, de um símbolo - de que partes do real ele se alimenta, em que dimensões ele pode ser tratado.

O que se vê é uma sofisticação de toda a proposição inicial: a condição de possibilidade para o fantástico, além de um diálogo entre real e irreal, é uma adequação ao espectador. A fantasia é algo que funciona apenas como um sistema restrito de coerências, dependente de um público. Se Stan Lee viu nos superheróis a mitologia contemporânea, ele não percebeu o tipo de limites a que suas criações estão submetidas: a experiência mitológica simplesmente não é possível.

Em A História sem Fim, um garoto lê um livro, se identifica mais e mais com o protagonista e de repente se vê dentro da história, sendo o único capaz de dar à princesa daquele mundo a cura do mal que a destruiria junto com seu universo: um nome. E ele será também responsável por recriar, como um deus no vazio da existência desfeita, tudo novamente. A fantasia atrai para que o leitor crie a fantasia. Pelo que somos atraídos, levando em conta Thor? Por um divino que seja menos transcendente; por uma visão de governo e ciência como insondáveis. Há de se ver ecos disso em diferentes âmbitos da sociedade.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre o caso Idelber Avelar de Julio Daio Borges
02. Salinger: uma vida de Luiz Rebinski Junior
03. Medo e Delírio em Las Vegas de Gian Danton
04. Sombras Persas (V) de Arcano9
05. Google: a ferramenta de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
02. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011
05. Dexter Versus House - 4/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2011
13h26min
Olá Duanne, obrigado pela citação no texto. Mas, na verdade, a crítica que assinei foi publicada originalmente no site que edito, o CineZen, do qual o Cinecartógrafo é parceiro. Parabéns pelo texto e abraços, André
[Leia outros Comentários de André Azenha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Cidade dos Lobisomens
Thiago Fernandes
Leitura
(2007)
R$ 10,00



Contos 4 Série Literária
Graciliano Ramos organização Maria Silva Gonçalves
Nacional
(1979)
R$ 10,00



Manual de Direito para Administração Hoteleira - 1988
Gladston Mamede
Atlas
(2002)
R$ 10,00



Além das Evidências
Alana Araji
Tlb
(2016)
R$ 10,00



Desenvolvimento Gerencial Estratégia e Competitividade
Pedro Monir Rodermel Maria do Carmo Schmidt
Ibpex
(2011)
R$ 10,00



Cultura Japonesa São Paulo - Rio de Janeiro - Curitiba
Célia F.
Aliança cultural Brasil-Japão
R$ 10,00



Eu Estou Ok, Você Está Ok?
Dr. Thomas A. Harris
Record
(1969)
R$ 10,00



Presença de Lobato
Paulo Dantas
Do Escritor
R$ 10,00



Ruínas de Gorlan - Rangers - Ordem dos Arqueiros 1
John Flanagan
Fundamento
(2011)
R$ 10,00



Aprendendo Com a Vida
Ivo Pitanguy
Best Seller / Círculo do Livro
(1993)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês