A Fantasia Verossímil, ou: Thor | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
>>> Para você que vai votar...
>>> A medida do sucesso
>>> Fuvest divulga lista de livros para 2017
>>> 35 anos do Clube da Esquina
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
Mais Recentes
>>> SOL E PARA TODOS O PREMIO PULITZER D de ED JOSE OLYMPIO(347) pela ED JOSE OLYMPIO(347)
>>> ARTE DA GUERRA ,A de ED JARDIM DOS LIVROS(223/7350) pela ED JARDIM DOS LIVROS(223/7350)
>>> Flores Azuis de Carola Saavedra pela Companhia das Letras (2008)
>>> Flor de Poemas de Cecília Meireles pela Companhia José Aguilar (1972)
>>> Final de Verão 9 Edição de Danielle Steel pela Record (1993)
>>> Fim de Fernanda Torres pela Companhia das Letras (2013)
>>> ARTE DA GUERRA A de ED JARDIM DOS LIVROS(223/7350) pela ED JARDIM DOS LIVROS(223/7350)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Mandarim (1996)
>>> HEROIS DO OLIMPO 01 HEROI PERDIDO ,O de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> MINHA SOMBRIA VANESSA 1ED de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> DOIS MUNDOS DE ISABEL ,OS de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> LUGAR BEM LONGE DAQUI ,UM de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> MITOLOGIA NORDICA de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Fanny Hill de John Cleland pela Círculo do Livro
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera (2011)
>>> Fábulas Filosóficas de Michel Piquemal e Philippe Lagautrière pela Companhia Nacional (2007)
>>> BREVES RESPOSTAS PARA GRANDES QUESTOES de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Êxtase de Lauren Kate pela Galera (2014)
>>> Eu Venci a Depressão de Dr. Eunice Higuchi pela Unipro (2019)
>>> COMO EU ERA ANTES DE VOCE de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> TARTARUGAS ATE LA EMBAIXO de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Eu Creio, e Agora? de Michael L. Simpson pela Cpad (2005)
>>> Estação Carandiru de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (1999)
>>> Espirito Santo de Edir Macedo pela Unipro
>>> ULTIMA FESTA ,A de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Espinhos do Tempo de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1999)
>>> BOX PARA TODOS OS GAROTOS QUE JA AMEI de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Esmeralda de Zibia Gasparetto e Lúcius pela Vida & Consciência
>>> Escritos Feitos de Amor de Antologia Literária pela Casa do Novo Autor (2002)
>>> Éramos Seis Série Vaga-lume de Maria José Dupré pela Atica (1993)
>>> PRINCIPIOS de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Eragon de Christopher Paolini pela Rocco (2005)
>>> Entre o Amor e a Guerra de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência
>>> Entre a Terra e o Céu de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> MENINA QUE ROUBAVA LIVROS A de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Entendendo o Espiritismo Curso Básico de Allan Kardec e Outros pela Aliança (2001)
>>> MALORIE A SEQUENCIA DA CAIXA DE PASSAR de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Ensaio Sobre a Cegueira de José Saramago pela Companhia das Letras (1995)
>>> Energia e Espírito de José Lacerda de Azevedo pela Do Autor (2009)
>>> Encantadores de Vidas de Eduardo Moreira pela Record (2012)
>>> Em Busca da Espiritualidade de James Van Praagh pela Sextante (1999)
>>> Ela Não é Invisível de Marcus Sedgwick pela Galera (2015)
>>> Ela Confiou na Vida de Zibia Gasparetto e Lúcius pela Vida & Consciência (2015)
>>> AGORA E PARA SEMPRE LARA JEAN de ED INTRINSECA(2940/668/2928) pela ED INTRINSECA(2940/668/2928)
>>> Ei! Tem Alguém Aí? de Jostein Gaarder pela Companhia das Letrinhas (1997)
>>> Duda a Reencarnação de uma Cachorrinha (de Bolso) de Tanya Oliveira pela Lumen (2010)
>>> Dossiê do Beijo 484 Formas de Beijar de Pedro Paulo Carneiro pela Catedral das Letras (2003)
>>> Dona Flor e Seus Dois Maridos de Jorge Amado pela Record (1995)
>>> Domingo Paschoal Cegalla de Domingo Paschoal pela Companhia Nacional (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 7/6/2011
A Fantasia Verossímil, ou: Thor
Duanne Ribeiro

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Uma árvore se estende imensa pelo espaço vazio. Tronco prenhe de galáxias, ramos cintilando de estrelas, copa de nebulosas - seus contornos somente adivinhados, árvore imensa que é a própria estrutura do universo. A origem de uma imagem tão mística e poética é surpreendente: essa interpretação renovadora de um mito nórdico é apresentada durante os créditos de Thor. Trata-se de Yggdrasil, relida pelo que hoje sabemos do nosso mundo. A fantasia renasce quase aceitável, sedutora, novamente possível. Isto é, o poder da imagem está em que o irreal retoma sua familiaridade com o real. Em que eles se sobrepõem.

Quero acreditar que aí se enxerga como o fantástico é criado. Sempre como esse desnível em relação ao que já conhecemos, mas de tal forma que ambos não estejam muito distantes; que se harmonizem. Uma prova pode ser a seguinte: esse trecho, o mais significativo de Thor, tem pouquíssimo destaque. Não reforça a narrativa ou parece ter qualquer funcionalidade específica: é apenas uma ilustração paralela. Por outro lado, talvez sua elaboração tenha sido exigida pelo processo criativo. Os criadores partiriam da pergunta: como é que isso poderia ser real? Como se adequa ao que a ciência diz? A fantasia, não como arte do impossível, mas da resiliência, tratando, aqui e sempre, só de impossíveis aceitáveis.

Esse parece ser o elemento de maior força no primeiro Matrix, por exemplo: não é absurdo que todas as nossas percepções sejam enganosas; a filosofia, de Descartes a Husserl, lidou com o problema de formas variadas. Também é o núcleo de Arquivo X - o desacordo entre todas as evidências do mundo real e a existência de vida sobrenatural ou extraterrestre é desfeito com a criação de uma conspiração governamental imensa. O mesmo argumento funciona para gerar a crença em sociedades secretas e poderosíssimas, como seriam os Iluminatti ou o Clube de Bilderberg. Uma terceira possibilidade se vê nos livros de Anne Rice ou J.K. Rowling: vampiros, magos e outros seres existem; mas se esmeraram em permanecer anônimos.

A ficção de Thor também se justifica por esses dois últimos elementos. A ação subterrânea do governo acontece por meio da S.H.I.E.L.D., que prepara o lançamento de Os Vingadores (é curioso que o mesmo expediente tenha sido usado no teaser de Transformers 3). E os deuses nórdicos são destacados da fábula para caberem na nosso folclore contemporâneo.

Guilherme Montana percebe que, em Thor, os personagens parecem menos divindades do que alienígenas. Isso funciona no mesmo sentido: é pouco aceitável que existam deuses nórdicos (sabemos que só existe um deus, o cristão), mas é razoável que visitantes de outros planetas tenham sido pensados como divinos pelos selvagens que os conheceram. É o que afirma, por exemplo, a teoria dos astronautas antigos. Além da frase de um personagem ("basta jogar um raio nos humanos para que nos tratem como deuses"), também confirma essa interpretação as viagens interplanetárias do filme, idênticas às de Star Gate: um meio avançado de transporte, que faz uso de portais, túneis universais entre um ponto e outro. Plausível, claro.

Um último recurso para que o filme seja perfeitamente possível foi resumido por André Azenha, no Cinecartógrafo: "O contraste entre Asgard e a Terra não ofende a inteligência do público. Na verdade, a explicação é bem simples: lá, ciência e magia são a mesma coisa". O argumento é: não se pode crer que existam poderes mágicos inexplicáveis, mas sim que se desenvolva uma capacidade do tipo como uma tecnologia. A magia é um ponto futuro em uma evolução técnica, assim como, em Harry Potter, já se disse que ela é o mero fruto de uma evolução genética.

Expectativas
Há um trecho curioso no texto de Montana, com um argumento muitas vezes formulado quando Thor involuntariamente esteve em um imbróglio racial. O artigo faz a seguinte distinção: "Este filme é sobre Thor, o herói escandinavo da Marvel, e não Tór, o deus da mitologia escandinava". Como se realiza essa divisão? Onde a fronteira entre essas duas irrealidades?

O texto também afirma: "A mitologia nórdica usada no filme não é um retrato fiel, mas apenas inspirativo". Essa mitologia, portanto, só pode ser recontada, se é para usarmos seus símbolos com propriedade. A exigência de fidelidade permite que toda variação seja descartada e que só o mito puro seja considerado como ligado à cultura original. Transpostos a cenários estranhos, os símbolos então se multiplicam, gerando versões semelhantes, mas que não se comunicam.

Assim sendo, o Odin de Deuses Americanos, de Neil Gaiman, não é o próprio - é só o Odin de Gaiman. As deidades de O Crepúsculo dos Deuses, de Wagner, são outras também. Em O Auto da Compadecida, Jesus Superstar e A Paixão de Cristo, três Cristos distintos. É estranho que o texto afirme que "seria correto se houvesse manifestações contra um Oxóssi interpretado por Brad Pitt". Ora, por que não se poderia dizer: esse é meu Oxóssi, não o do Candomblé? A decisão fica na proposta do autor? Na seriedade assumida pelo filme? No que?

São dois círculos fechados de sentido os propostos por Montana: num deles, está a mitologia; noutro, está o herói da Marvel. No primeiro dos círculos, é razoável que na origem do universo haja uma vaca primordial que cria rios de leite com suas tetas, mas não que Thor fale inglês - como o artigo argumenta. A fixação de fronteiras parece acontecer em um só lugar: no âmbito das expectativas do público. Thor jamais merecerá fé e crença, como seu sósia recebeu. Essa distinção nasce diretamente do que se pode esperar de um personagem, de um símbolo - de que partes do real ele se alimenta, em que dimensões ele pode ser tratado.

O que se vê é uma sofisticação de toda a proposição inicial: a condição de possibilidade para o fantástico, além de um diálogo entre real e irreal, é uma adequação ao espectador. A fantasia é algo que funciona apenas como um sistema restrito de coerências, dependente de um público. Se Stan Lee viu nos superheróis a mitologia contemporânea, ele não percebeu o tipo de limites a que suas criações estão submetidas: a experiência mitológica simplesmente não é possível.

Em A História sem Fim, um garoto lê um livro, se identifica mais e mais com o protagonista e de repente se vê dentro da história, sendo o único capaz de dar à princesa daquele mundo a cura do mal que a destruiria junto com seu universo: um nome. E ele será também responsável por recriar, como um deus no vazio da existência desfeita, tudo novamente. A fantasia atrai para que o leitor crie a fantasia. Pelo que somos atraídos, levando em conta Thor? Por um divino que seja menos transcendente; por uma visão de governo e ciência como insondáveis. Há de se ver ecos disso em diferentes âmbitos da sociedade.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
03. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
04. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
05. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
02. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011
05. Dexter Versus House - 4/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2011
13h26min
Olá Duanne, obrigado pela citação no texto. Mas, na verdade, a crítica que assinei foi publicada originalmente no site que edito, o CineZen, do qual o Cinecartógrafo é parceiro. Parabéns pelo texto e abraços, André
[Leia outros Comentários de André Azenha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PONTE SOBRE O ABISMO
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
QUINTETO
(2003)
R$ 7,00



REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE CONTEÚDO - UMA ABORDAGEM DE ENGENHARIA
DINESH VERMA
CAMPUS
(2002)
R$ 22,82



A HITÓRIA DE ÁGUIDA
ÁGUIDA DUARTE PERDIGÃO
DO AUTOR
(2004)
R$ 5,00



TRANSPORTE E MODAIS: COM SUPORTE DE TI E SI
EDELVINO RAZZOLINI FILHO
INTERSABERES
(2012)
R$ 18,44



A INTIMAÇÃO / NOVO
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2002)
R$ 20,00



A LIBERDADE E A OSTRA
FERNANDO PEREIRA
NOVA FRONTEIRA
R$ 12,00



O DIAMANTE DO GRÃO-MOGOL
MARIA CLARA MACHADO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 5,00



ORAÇÃO DO TEMPO PRESENTE
EDIÇÕES PAULINAS
EDIÇÕES PAULINAS
R$ 29,40



MERCADO DE CAPITAIS, AGENDA DE REFORMAS E AJUSTE FISCAL 2º EDIÇÃO
CARLOS NANTONIO ROCCA
CAMPUS
(2007)
R$ 1.487,00



ALEMANHA VISÕES BRASILEIRAS
SAMUEL PINHEIRO GUIMARÃES
IPRI / CAPES
(2000)
R$ 26,00





busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês