Dexter Versus House | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
Mais Recentes
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1997)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1998)
>>> Fe, Razon y Civilizacion: Ensayo de Análisis Historico de Harold J. Laski pela Editorial Abril/ Buenos Aires (1945)
>>> Bolofofos e Finifinos de Fernando Sabino pela Ediouro (2006)
>>> ...Quando Florescem os Ipês de Ganymédes José pela Brasiliense (1986)
>>> Robinson Crusoé A Conquista do Mundo numa Ilha de Daniel Defoe pela Scipione (1983)
>>> O Monstro do Morumbi de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> O Útimo Magnata de F. Scott Fizgerald / Introd.: Edmund Wilson pela Record
>>> Poesia e Prosa - (obras Completas- Avulso): Volume 3/ Encadernado de Edgar Allan Poe pela Ed. da Livr. do Globo (1944)
>>> Dama da Caridade de Antonio Cesar Perri de Carvalho pela Radhu (1987)
>>> O Castelo dos Horrores de Thomas Brezina pela Melhoramentos (1996)
>>> Rita Está Crescendo de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1989)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Círculo do livro (1989)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1980)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1970)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1981)
>>> O Gato Sou Eu: Todos Têm o Direito de Sonhar... de Fernando Sabino pela Record (1983)
>>> O Navegador do Espaço de José Acleildo de Andrade pela Leal (2006)
>>> Os Raios Invisíveis O astral das Coisas de Acervo Papus pela Gnosis (2002)
>>> Passes e Radiações de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> O Livro da Lua de Marcia Mattos pela Campus (2001)
>>> Yokaanam fala á Posteridade de Vários pela Edição do Autor (1970)
>>> Os Tecelões do Destino de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> O Poder dos Anjos de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Eliminando o Estresse de Brian L. Weiss M.D. pela Sextante (2006)
>>> Fenômenos Ocultos de Zsolt Aradi pela Ibrasa (1976)
>>> Los Rosacruces de Christopher Mc Intosh pela Edaf (1988)
>>> Bases Esenias ( Em 02 volumes ) de Oreb Raja Aari pela Organizacion Esenia Universal
>>> Mudando o seu destino de Mary Orser e Ricardo Zarro pela Summus (1991)
>>> Magia Organizada Planetária de Vicente Beltran Anglada pela Aquariana (1990)
>>> Muralhas do passado de Jaci Regis pela Dpl (2001)
>>> O séculos dos Cirugiões de Jürgen Thorwald pela Hemus
>>> Dicionarios de las artes adivinatorias de Gwen Le Scouézec pela Martínez Roca (1973)
>>> Há Solução Sim! de José Lázaro Boberg pela Chico Xavier (2012)
>>> A Outra Face da doença de Mokiti Okada pela Fundação Mokiti (1986)
>>> Como evitar as influências Negativas de Amadeus Volben pela Pensamento (1984)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1997)
>>> Terceiro Milênio de Carlos E. Pesssione pela Z. Valentin gráfica (1992)
>>> Segurança Mediúnica de João Nunes Maia pela Espirita Cristã (1992)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Os Novos Pagãos de Hans Holzer pela Record (1972)
COLUNAS >>> Especial Séries de TV

Terça-feira, 4/10/2011
Dexter Versus House
Duanne Ribeiro

+ de 4700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Por motivos não esclarecidos no início do episódio, vemos House preso a uma cama de ferro. Ele desperta e se percebe em um quarto completamente coberto de plástico. Fotos de um paciente coladas não muito longe, ao alcance dos olhos. De súbito, vê Dexter. O serial killer o ameaça - "sem gritar!" - e retira a fita que tampava sua boca. O especialista em diagnósticos só observa. "Nenhum valor à vida, todo valor ao quebra-cabeça, não é? E como você resolve esse?", diz Dexter, ao mesmo tempo em que aproxima face de face em fúria repentina, a mão direita pressionando com brutalidade o maxilar de sua vítima. Depois, toma sua navalha. O médico repassa seguidamente os fatos, procura explicações febrilmente. O assassino aprecia o momento sem pressa.

A cena corta para a exibição do vídeo de abertura. Por alguns momentos só especulamos os motivos que podem ter unido os protagonistas das séries Dexter e House neste crossover. O primeiro, um psicopata com tendências homicidas e dificuldades se relacionar com outros e mesmo sentir o que sentem. Ele canaliza sua natureza destrutiva para outros matadores, em atos justiceiros além e acima da justiça convencional. O segundo, um médico cujo vício é a complexidade; arrogante, autodestrutivo, genial, não se importa com seus pacientes, brinca com seus relacionamentos como se fossem jogos, desvenda casos quase impossíveis. Essa cena, leitor, nunca aconteceu - mas crie, descubra comigo, o que é que surgiria de um tal encontro? Esse conto-crítica, essa crítica-conto explora esse conflito improvável.

As séries seguem alguns padrões com tanta frequência que não é difícil imaginar. Todos os episódios de House tem uma sequência inicial, um drama curto e de repente alguém sofre o ataque de uma doença misteriosa e, por vezes, chocante. É encaminhado para House, já que ninguém mais é capaz de descobrir a causa. O médico discute o caso com seus funcionários ao mesmo tempo em que se importa mais com alguma picuinha pessoal. O diálogo rápido e cheio de sarcasmo e termos técnicos é um dos charmes da produção. Invariavelmente, esses primeiros diagnósticos e os respectivos cuidados não funcionam, a doença piora até o ponto em que uma decisão capital deve ser tomada ou tudo estará perdido. House pensa, pensa, e não consegue nada. Mas, por um acaso, uma conversa paralela, tem um estalo! No último minuto a solução é encontrada. A forma é quase sempre igual e quase sempre divertida.

Quase sempre, pois há episódios muito particulares em que esses padrões são dispostos de uma forma diferente, ou até abandonados. Na 6ª temporada, um deles é narrado do ponto de vista de uma personagem secundária - a presidente do hospital, Lisa Cuddy. House e seus enigmas são assistidos obliquamente, e todos os clichês estão lá - a série é autoconsciente e ri de si mesma. Outro exemplo disso é quando sempre se supunha que a doença era Lupus - e nunca era. Em certo episódio: "Finalmente, eu tive um caso de Lupus".

O uso repetido desses esquemas é geralmente desprezado, mas seu valor é o de permitir que o espectador saiba o que vai receber, que tipo de entretenimento terá. A mudança dos padrões dá prazer exatamente porque se sabe que eles existem: e quando House é o próprio doente? E quando os dados imprescindíveis para elucidar um caso estão presos na sua cabeça amnésica?

Dexter também tem suas estruturas recorrentes. Analista forente da polícia de Miami, o seu trabalho é estudar o padrão de espalhamento de sangue em casos de assassinato, deduzindo assim o comportamento do criminoso e as ocorrências fatais. Sempre próximo desses casos, ele sabe sobre os que escapam da justiça; pesquisa sobre suas vidas, consegue certeza sobre sua culpa e fica à espreita. Monta um local de modo a não deixar evidências e dispõe alguns souvenires para que sua vítima se lembre de seus crimes. Após matá-la, corta seu corpo e o embala em sacos plásticos, que joga ao oceano. Eventualmente, surge um arquivilão - e é como nos quadrinhos: esse antagonista é ou se torna íntimo do antiherói. Compartilha sua natureza, entende seu segredo, lida com os mesmos problemas de Dexter. Entre a confusão de um afeto inesperado e o conflito de força similares fica a linha principal do enredo.

A qualidade maior desse enredo é seguir em um crescente, de modo que nos episódios que fecham a temporada a tensão é altíssima. Ao lado dessa história central, há os personagens secundários, com problemáticas sempre similares (a irmã de Dexter tentando o seu melhor no trabalho, a chefe de Dexter dentro do conflito entre trabalho e vida pessoal, etc), e nosso protagonista tem de lapidar sua vida social: não pode deixar que desconfiem. O assassino se torna namorado carinhoso, marido e pai atencioso, amigo companheiro. Por cálculo, é fato, mas cada vez mais por um afeto verdadeiro que surge mesmo como redentor. Mas o quanto ele pode deixar que se aproximem? Em cada temporada, o segredo de Dexter e seu código autodefensivo sofrem abalos, chegam perto do fim. No fim, a solução também estala.

A navalha rasga o rosto do médico. O assassino coleta um pouco de seu sangue e o guarda entre duas plaquetinhas - trata-se de um troféu. "Isso quer dizer que não sou o primeiro. E que você tem feito isso há um bom tempo", diz House, como se tateasse os sentimentos do seu raptor. "Eu fiz merda em um caso, você sabe quantas vidas eu já salvei naquele lugar? Você não está fazendo nenhuma justiça aqui" - e então o vocativo, com enfâse sarcástica: "Nenhuma justiça, herói". Dexter, por alguns instantes, parece discutir consigo - ou com alguém inexistente - o que acabou de ouvir. A expressão tensa, considerando. "Não é mais você que decide nada disso", diz por fim, "É sempre um jogo, não? Funciona, mas sabe qual a destruição que você causou ao redor dos seus sucessos? É o fim disso, o fim". O psicopata pega uma faca e a dispõe sobre o coração do outro. "É o fim".

Mas não o executa. Sem aviso, suas mãos tremem e desfalecem, a lâmina cai. Ele coloca as mãos sobre a cabeça, podemos ouvir o zumbido estridente que escuta, sabemos que se sente violentamente atordoado, a câmera gira frenética e ele cai. Uma delicada linha de sangue vaza pelo seu ouvido.

House Versus Dexter
Pode-se dizer que o conceito central de Dexter é controle; e o de House, anomalia - não só no âmbito restrito do enredo e dos temas citados. É tanto mais interessante perceber tais elementos no modo como as séries retratam os relacionamentos humanos.

Dexter tenta conter as relações em compartimentos; manter os fluxos de contato em canais separados. Sabe onde as pessoas estão, o que pode fazer para satisfazê-las, e se esforça para que fiquem nesses postos conhecidos. Entrega a elas uma imagem de si de que gostam. Não pode acreditar que o aceitariam se o soubesse por completo.

Se se identifica, por vezes, esse elemento irredutível, que o define mais que tudo, torna toda identificação relativa. Toda sua felicidade é sustentada sobre esse pilar frágil: o bem estar o seu filho, o afeto dos próximos. O que dimensiona o risco que corre e o impede de se ligar aos que conseguem compreender essa faceta maligna. Dexter tem sua identidade dividida em muitas frações e apresenta uma uma dificuldade de se manter ao nível de todas as pessoas que o mundo exige que ele seja - e é por essas características que o público, esquecido de sua psicopatia heroica, pode se identificar com ele. Além do assassino, há um homem comum.

House se trancou em uma visão muito particular de mundo, repleta de descrédito e mesmo desprezo pelos outros. "As pessoas não mudam", ele diz, "Todo mundo mente", ele diz. Se o médico se depara com situações afetivas, suas ou alheias, ele as estuda cientificamente. O objetivo é encontrar os padrões ou por a teste as teses comprovadas anteriormente. Quando se trata de um crente, procura-se pelas vaguezas de sua fé; quando é um casal apaixonado, pela necessidade patológica ou as mentiras que os mantêm unidos. House tem sua teoria do mundo e das pessoas, e só é lançado para fora dela por um contraexemplo gritante. Isso faz com que use as pessoas como cobaias, erre muito, aprenda. Formou uma carapaça racional e ela lhe dá muito, mas lhe priva de muito também.

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Como transpô-la? Quando o episódio retoma o enredo, vemos Dexter sobre uma cama de hospital. Ele acorda e tenta se levantar, mas não consegue: não sente suas pernas. House envia seus funcionários a Miami, para explorar o cotidiano de seu mais novo paciente e procurar por evidências que o ajudem a solucionar o caso. Depois disso, entra sozinho no quarto e se senta.

O que é que acontece?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 4/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
03. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. Dexter Versus House - 4/10/2011
05. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011


Mais Especial Séries de TV
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/10/2011
15h03min
Excelente artigo. :)
[Leia outros Comentários de kellbonassoli]
8/10/2011
08h37min
O que é que acontece, Duanne? Quando virá a resposta a essa interrogação? Você não é somente psicopata auxiliar dos dois, é um terrível sádico que nos intima a tentar resolver essa questão. Fora o início e brincadeira, parabéns pela análise. Faça capítulos dos dois e envie para os envolvidos. Quem sabe? Médicos e monstros? Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
17/10/2011
19h42min
Obrigado, pessoal =) Cilas, quem sabe eu não mando pra Universal? Pode ser que até já estejam pensando! Achei na internet um fanvideo do confronto entre os dois - pode servir de abertura para o episódio hipotético do meu artigo ;)
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIÊNCIAS 8 - ARARIBA PLUS
OBRA DA EDITORA
MODERNA
(2014)
R$ 70,00



TREINAMENTO AVANÇADO XML 7760
ROGERIO AMORIM DE FARIA
DIGERATI
(2005)
R$ 13,00



COMO ABRIR SEU PRÓPRIO NEGÓCIO : CESTAS DE CAFÉ DA MANHÃ
JOÃO HUMBERTO DE AZEVEDO
SEBRAE
(1996)
R$ 10,50



SÓ O AMOR É INFINITO
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1988)
R$ 4,00



INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
T.B. BOTTOMORE
ZAHAR
(1967)
R$ 10,00



A ILHA SOB O MAR
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 13,49



A CAMA REDONDA DE MARIA BEATRIZ
MARIA BEATRIZ SOARES
PLANETA
(2005)
R$ 10,00



MANCHETE EDIÇÃO HISTÓRICA - A VERDADE DO PAPA
VARIOS AUTORES
BLOCH
(1997)
R$ 35,00



AS PAIXÕES INTELECTUAIS - VOL. 3 - VONTADE DE PODER 1762-1778
ELISABETH BEDINTER
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2009)
R$ 62,00



AFFECTIVAS 8407
J B N GONZAGA FILHO
JORNAL DO COMERCIO
(1919)
R$ 85,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês