Dexter Versus House | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Características de Deus que chamam a nossa atenção. de Silas Malafaia pela Central Gospel (2012)
>>> Encontro diário com Deus de Frei Edrian Josué Pasini,Ofm pela Vozes (2010)
COLUNAS >>> Especial Séries de TV

Terça-feira, 4/10/2011
Dexter Versus House
Duanne Ribeiro

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Por motivos não esclarecidos no início do episódio, vemos House preso a uma cama de ferro. Ele desperta e se percebe em um quarto completamente coberto de plástico. Fotos de um paciente coladas não muito longe, ao alcance dos olhos. De súbito, vê Dexter. O serial killer o ameaça - "sem gritar!" - e retira a fita que tampava sua boca. O especialista em diagnósticos só observa. "Nenhum valor à vida, todo valor ao quebra-cabeça, não é? E como você resolve esse?", diz Dexter, ao mesmo tempo em que aproxima face de face em fúria repentina, a mão direita pressionando com brutalidade o maxilar de sua vítima. Depois, toma sua navalha. O médico repassa seguidamente os fatos, procura explicações febrilmente. O assassino aprecia o momento sem pressa.

A cena corta para a exibição do vídeo de abertura. Por alguns momentos só especulamos os motivos que podem ter unido os protagonistas das séries Dexter e House neste crossover. O primeiro, um psicopata com tendências homicidas e dificuldades se relacionar com outros e mesmo sentir o que sentem. Ele canaliza sua natureza destrutiva para outros matadores, em atos justiceiros além e acima da justiça convencional. O segundo, um médico cujo vício é a complexidade; arrogante, autodestrutivo, genial, não se importa com seus pacientes, brinca com seus relacionamentos como se fossem jogos, desvenda casos quase impossíveis. Essa cena, leitor, nunca aconteceu - mas crie, descubra comigo, o que é que surgiria de um tal encontro? Esse conto-crítica, essa crítica-conto explora esse conflito improvável.

As séries seguem alguns padrões com tanta frequência que não é difícil imaginar. Todos os episódios de House tem uma sequência inicial, um drama curto e de repente alguém sofre o ataque de uma doença misteriosa e, por vezes, chocante. É encaminhado para House, já que ninguém mais é capaz de descobrir a causa. O médico discute o caso com seus funcionários ao mesmo tempo em que se importa mais com alguma picuinha pessoal. O diálogo rápido e cheio de sarcasmo e termos técnicos é um dos charmes da produção. Invariavelmente, esses primeiros diagnósticos e os respectivos cuidados não funcionam, a doença piora até o ponto em que uma decisão capital deve ser tomada ou tudo estará perdido. House pensa, pensa, e não consegue nada. Mas, por um acaso, uma conversa paralela, tem um estalo! No último minuto a solução é encontrada. A forma é quase sempre igual e quase sempre divertida.

Quase sempre, pois há episódios muito particulares em que esses padrões são dispostos de uma forma diferente, ou até abandonados. Na 6ª temporada, um deles é narrado do ponto de vista de uma personagem secundária - a presidente do hospital, Lisa Cuddy. House e seus enigmas são assistidos obliquamente, e todos os clichês estão lá - a série é autoconsciente e ri de si mesma. Outro exemplo disso é quando sempre se supunha que a doença era Lupus - e nunca era. Em certo episódio: "Finalmente, eu tive um caso de Lupus".

O uso repetido desses esquemas é geralmente desprezado, mas seu valor é o de permitir que o espectador saiba o que vai receber, que tipo de entretenimento terá. A mudança dos padrões dá prazer exatamente porque se sabe que eles existem: e quando House é o próprio doente? E quando os dados imprescindíveis para elucidar um caso estão presos na sua cabeça amnésica?

Dexter também tem suas estruturas recorrentes. Analista forente da polícia de Miami, o seu trabalho é estudar o padrão de espalhamento de sangue em casos de assassinato, deduzindo assim o comportamento do criminoso e as ocorrências fatais. Sempre próximo desses casos, ele sabe sobre os que escapam da justiça; pesquisa sobre suas vidas, consegue certeza sobre sua culpa e fica à espreita. Monta um local de modo a não deixar evidências e dispõe alguns souvenires para que sua vítima se lembre de seus crimes. Após matá-la, corta seu corpo e o embala em sacos plásticos, que joga ao oceano. Eventualmente, surge um arquivilão - e é como nos quadrinhos: esse antagonista é ou se torna íntimo do antiherói. Compartilha sua natureza, entende seu segredo, lida com os mesmos problemas de Dexter. Entre a confusão de um afeto inesperado e o conflito de força similares fica a linha principal do enredo.

A qualidade maior desse enredo é seguir em um crescente, de modo que nos episódios que fecham a temporada a tensão é altíssima. Ao lado dessa história central, há os personagens secundários, com problemáticas sempre similares (a irmã de Dexter tentando o seu melhor no trabalho, a chefe de Dexter dentro do conflito entre trabalho e vida pessoal, etc), e nosso protagonista tem de lapidar sua vida social: não pode deixar que desconfiem. O assassino se torna namorado carinhoso, marido e pai atencioso, amigo companheiro. Por cálculo, é fato, mas cada vez mais por um afeto verdadeiro que surge mesmo como redentor. Mas o quanto ele pode deixar que se aproximem? Em cada temporada, o segredo de Dexter e seu código autodefensivo sofrem abalos, chegam perto do fim. No fim, a solução também estala.

A navalha rasga o rosto do médico. O assassino coleta um pouco de seu sangue e o guarda entre duas plaquetinhas - trata-se de um troféu. "Isso quer dizer que não sou o primeiro. E que você tem feito isso há um bom tempo", diz House, como se tateasse os sentimentos do seu raptor. "Eu fiz merda em um caso, você sabe quantas vidas eu já salvei naquele lugar? Você não está fazendo nenhuma justiça aqui" - e então o vocativo, com enfâse sarcástica: "Nenhuma justiça, herói". Dexter, por alguns instantes, parece discutir consigo - ou com alguém inexistente - o que acabou de ouvir. A expressão tensa, considerando. "Não é mais você que decide nada disso", diz por fim, "É sempre um jogo, não? Funciona, mas sabe qual a destruição que você causou ao redor dos seus sucessos? É o fim disso, o fim". O psicopata pega uma faca e a dispõe sobre o coração do outro. "É o fim".

Mas não o executa. Sem aviso, suas mãos tremem e desfalecem, a lâmina cai. Ele coloca as mãos sobre a cabeça, podemos ouvir o zumbido estridente que escuta, sabemos que se sente violentamente atordoado, a câmera gira frenética e ele cai. Uma delicada linha de sangue vaza pelo seu ouvido.

House Versus Dexter
Pode-se dizer que o conceito central de Dexter é controle; e o de House, anomalia - não só no âmbito restrito do enredo e dos temas citados. É tanto mais interessante perceber tais elementos no modo como as séries retratam os relacionamentos humanos.

Dexter tenta conter as relações em compartimentos; manter os fluxos de contato em canais separados. Sabe onde as pessoas estão, o que pode fazer para satisfazê-las, e se esforça para que fiquem nesses postos conhecidos. Entrega a elas uma imagem de si de que gostam. Não pode acreditar que o aceitariam se o soubesse por completo.

Se se identifica, por vezes, esse elemento irredutível, que o define mais que tudo, torna toda identificação relativa. Toda sua felicidade é sustentada sobre esse pilar frágil: o bem estar o seu filho, o afeto dos próximos. O que dimensiona o risco que corre e o impede de se ligar aos que conseguem compreender essa faceta maligna. Dexter tem sua identidade dividida em muitas frações e apresenta uma uma dificuldade de se manter ao nível de todas as pessoas que o mundo exige que ele seja - e é por essas características que o público, esquecido de sua psicopatia heroica, pode se identificar com ele. Além do assassino, há um homem comum.

House se trancou em uma visão muito particular de mundo, repleta de descrédito e mesmo desprezo pelos outros. "As pessoas não mudam", ele diz, "Todo mundo mente", ele diz. Se o médico se depara com situações afetivas, suas ou alheias, ele as estuda cientificamente. O objetivo é encontrar os padrões ou por a teste as teses comprovadas anteriormente. Quando se trata de um crente, procura-se pelas vaguezas de sua fé; quando é um casal apaixonado, pela necessidade patológica ou as mentiras que os mantêm unidos. House tem sua teoria do mundo e das pessoas, e só é lançado para fora dela por um contraexemplo gritante. Isso faz com que use as pessoas como cobaias, erre muito, aprenda. Formou uma carapaça racional e ela lhe dá muito, mas lhe priva de muito também.

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Como transpô-la? Quando o episódio retoma o enredo, vemos Dexter sobre uma cama de hospital. Ele acorda e tenta se levantar, mas não consegue: não sente suas pernas. House envia seus funcionários a Miami, para explorar o cotidiano de seu mais novo paciente e procurar por evidências que o ajudem a solucionar o caso. Depois disso, entra sozinho no quarto e se senta.

O que é que acontece?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 4/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os sapatos confessam de Adriana Baggio
02. Jornalismo em tempos instáveis de Luiz Rebinski Junior


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
02. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011
05. Dexter Versus House - 4/10/2011


Mais Especial Séries de TV
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/10/2011
15h03min
Excelente artigo. :)
[Leia outros Comentários de kellbonassoli]
8/10/2011
08h37min
O que é que acontece, Duanne? Quando virá a resposta a essa interrogação? Você não é somente psicopata auxiliar dos dois, é um terrível sádico que nos intima a tentar resolver essa questão. Fora o início e brincadeira, parabéns pela análise. Faça capítulos dos dois e envie para os envolvidos. Quem sabe? Médicos e monstros? Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
17/10/2011
19h42min
Obrigado, pessoal =) Cilas, quem sabe eu não mando pra Universal? Pode ser que até já estejam pensando! Achei na internet um fanvideo do confronto entre os dois - pode servir de abertura para o episódio hipotético do meu artigo ;)
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PROVA PERICIAL NO PROCESSO DE ACIDENTE DO TRABALHO
CLARICE COUTO E SILVA DE OLIVEIRA PRATES
FORENSE
(2000)
R$ 10,00



O MISSIONARIO
INGLES DE SOUZA
ATICA
(1992)
R$ 10,00



CONSELHOS DE PRETO-VELHO NA UMBANDA - 2ª EDIÇÃO - 2ª REIMPRESSÃO
JOSÉ LUIZ DE OGUM
PALLAS
(2011)
R$ 26,95



A PSICOLOGIA NAS ORGANIZAÇÕES DE TRABALHO
EDWARD GOULART JUNIOR E OUTROS
UNESP BAURU
(2002)
R$ 10,00



CONDUTA ÉTICA E SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL
MARCIA CRISTINA GONÇALVES DE SOUZA
ALTA BOOKS
(2018)
R$ 33,00



PARA GOSTAR DE LER 24 - BALÉ DO PATO
PAULO MENDES CAMPOS
ATICA
(1998)
R$ 6,00



O ULTIMO CRUZEIRO
ARTHUR LA BERN
RECORD
(1977)
R$ 5,00



O FIO DE ARIADNE
THOR RESENDE
TALENTOS
R$ 12,16



CONSTRUINDO CONSCIÊNCIAS - CIÊNCIAS - 9º ANO
VÁRIOS AUTORES
SCIPIONE
(2011)
R$ 16,90



O LIVRO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS - COL. AVENTURA VISUAL
TRAD. ROSEMARIE ZIEGELMAIER
GLOBO
(1994)
R$ 9,87





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês