Dexter Versus House | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
33260 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Brunchinho tem bloco de carnaval infantil e comidinhas saudáveis
>>> O Buraco d'Oráculo encerra residência em Cidade Tiradentes
>>> Musical AVESSO encerra temporada no dia 24 de fevereiro no Teatro Nair Bello
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retratos da ruína
>>> O blog do Fernando Meirelles
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mrs. Robinson
>>> A fotografia é a mentira verdadeira
>>> MOMENTOS
>>> Entrevista com José Castello
>>> Roland Barthes e o prazer do texto
>>> Melhores Podcasts
>>> Aqui sempre alguém morou
Mais Recentes
>>> Diabolik - Scontro Frontale de A e L. Giussani pela Astorina (1993)
>>> O Amanhã a Deus pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2007)
>>> A Saga da Sabedoria de Leo Reisler pela Nórdica (1994)
>>> Chakraterapia - O encontro da ciência com a tradição milenar de cura através da energia de Maria Helena B. Damiani pela Hércules (2002)
>>> O Enigma dos Desaparecidos de Leandro Ribeiro pela Reggraf (2009)
>>> Revivir Lo Vivido de Dr. Jorge Adoum (Mago Jefa) pela Kier - Buenos Aires (1993)
>>> Espelhos de Joana D' Arc Gouvêa Costa pela Funalfa (2007)
>>> Zen-Budismo e a Literatura - A Poética de Gilberto Gil de Antonio Carlos Rocha pela Madras (2004)
>>> Economia Ambiental de Ronaldo Seroa da Motta pela FGV (2009)
>>> Os Lusíadas edição de luxo com capa dura de Luís de Camões pela Nova Cultural (2002)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> Educação Executiva - Curso Estratégia Empresarial de Luiz Alberto N. Campos Filho pela Ibmec (2010)
>>> São Bernardo - 27ª edição de Graciliano Ramos pela Record (1977)
>>> Death Of a Darklord de Laurell K. Hamilton pela Ravenloft Books (1995)
>>> O Agente Ésse Creto na Selva - 2ª edição de Martin Oliver pela Scipione (1993)
>>> No Alto da Idolatria Sexual de Steve Gallagher pela Graça Editorial (2003)
>>> Leo and Pip de Ron Holt pela Macmillan Children's (1997)
>>> Malraux - Artista e Guerreiro, Filósofo e Estadista de Curtis Cate pela Scritta (1995)
>>> Antologia Poética de Vinícius de Moraes pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Física de Jornada nas Estrelas - Star Trek de Lawrence M. Krauss pela Makron Books (1997)
>>> De A a Z Pólvora Pura - Condenado a Falar - 2ª edição de Jorge Kajuru pela Do Autor (2008)
>>> La Femme D'um Autre Et Le Marri Sous Le It de Fédro Dostoievski pela Folio (2009)
>>> Família Periferia Nivelando por Cima de Almério Barbosa pela Um Por Todos (2013)
>>> Os Dez mandamentos - Explicando Para Crianças de Antonio Bueno Lopes pela Ass. N. Senhora das Graças (2017)
>>> Temas do Amor Imortal - 2ª edição de M. B. Tamassía pela Círculo de Claus (1977)
>>> A Semana de 22 - A Aventura Modernista no Brasil de Francisco Alambert pela Scipione (1992)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2000)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2000)
>>> Machado de Assis - Personagens que Marcaram Época de Ana Tereza Clemente pela Globo (2007)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Escala (2008)
>>> Lira dos Vinte Anos - 2ª edição de Álvares de Azevedo pela Escala (2008)
>>> AA Hora e o Tempo que Passa de Vários Autores pela Melhoramentos (1996)
>>> Poesiaterapia de Rosilene Valerio da Silva pela Scortecci (1999)
>>> Mundo Di Versos de Josué Santos pela Do Autor (1966)
>>> A História, o Filme e Você ou o Olhar Mágico de Irene Tavares de Sá pela Paulinas (1984)
>>> Como as Empresas Podem Implementar Programas de Voluntariado de Ruth Goldberg pela Instituto Ethos (2001)
>>> Cruzando o Limiar da Esperança de João Paulo II pela Francisco Alves (1994)
>>> Na Cruz a Salvação - 2ª edição de Enrico Zoffoli pela Padres Passionistas (1975)
>>> Le Rabbin Congelé de Steve Stern pela J'ai Lu (2012)
>>> A Árvore dos Sexos - 4ª edição de Santos Fernando pela Círculo do Livro (1976)
>>> Aline e Seus Dois Namorados de Adão Iturrusgarai pela L & PM Pocket (2001)
>>> Os Canibais Estão na Sala de Jantar - 4ª edição de Arnaldo Jabor pela Siciliano (1993)
>>> Reunião 10 Livros de Poesia - 8ª edição de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1977)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Editorial Sol90 (2004)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Editorial Sol90 (2004)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Editorial Sol90 (2004)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Editorial Sol90 (2004)
>>> Bookworms Club Gold - Stories for Reading Circles de Mark Furr pela Oxford (2007)
>>> O Verão do Lobo Vermelho de Morris West pela Círculo do Livro (1971)
COLUNAS >>> Especial Séries de TV

Terça-feira, 4/10/2011
Dexter Versus House
Duanne Ribeiro

+ de 4600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Por motivos não esclarecidos no início do episódio, vemos House preso a uma cama de ferro. Ele desperta e se percebe em um quarto completamente coberto de plástico. Fotos de um paciente coladas não muito longe, ao alcance dos olhos. De súbito, vê Dexter. O serial killer o ameaça - "sem gritar!" - e retira a fita que tampava sua boca. O especialista em diagnósticos só observa. "Nenhum valor à vida, todo valor ao quebra-cabeça, não é? E como você resolve esse?", diz Dexter, ao mesmo tempo em que aproxima face de face em fúria repentina, a mão direita pressionando com brutalidade o maxilar de sua vítima. Depois, toma sua navalha. O médico repassa seguidamente os fatos, procura explicações febrilmente. O assassino aprecia o momento sem pressa.

A cena corta para a exibição do vídeo de abertura. Por alguns momentos só especulamos os motivos que podem ter unido os protagonistas das séries Dexter e House neste crossover. O primeiro, um psicopata com tendências homicidas e dificuldades se relacionar com outros e mesmo sentir o que sentem. Ele canaliza sua natureza destrutiva para outros matadores, em atos justiceiros além e acima da justiça convencional. O segundo, um médico cujo vício é a complexidade; arrogante, autodestrutivo, genial, não se importa com seus pacientes, brinca com seus relacionamentos como se fossem jogos, desvenda casos quase impossíveis. Essa cena, leitor, nunca aconteceu - mas crie, descubra comigo, o que é que surgiria de um tal encontro? Esse conto-crítica, essa crítica-conto explora esse conflito improvável.

As séries seguem alguns padrões com tanta frequência que não é difícil imaginar. Todos os episódios de House tem uma sequência inicial, um drama curto e de repente alguém sofre o ataque de uma doença misteriosa e, por vezes, chocante. É encaminhado para House, já que ninguém mais é capaz de descobrir a causa. O médico discute o caso com seus funcionários ao mesmo tempo em que se importa mais com alguma picuinha pessoal. O diálogo rápido e cheio de sarcasmo e termos técnicos é um dos charmes da produção. Invariavelmente, esses primeiros diagnósticos e os respectivos cuidados não funcionam, a doença piora até o ponto em que uma decisão capital deve ser tomada ou tudo estará perdido. House pensa, pensa, e não consegue nada. Mas, por um acaso, uma conversa paralela, tem um estalo! No último minuto a solução é encontrada. A forma é quase sempre igual e quase sempre divertida.

Quase sempre, pois há episódios muito particulares em que esses padrões são dispostos de uma forma diferente, ou até abandonados. Na 6ª temporada, um deles é narrado do ponto de vista de uma personagem secundária - a presidente do hospital, Lisa Cuddy. House e seus enigmas são assistidos obliquamente, e todos os clichês estão lá - a série é autoconsciente e ri de si mesma. Outro exemplo disso é quando sempre se supunha que a doença era Lupus - e nunca era. Em certo episódio: "Finalmente, eu tive um caso de Lupus".

O uso repetido desses esquemas é geralmente desprezado, mas seu valor é o de permitir que o espectador saiba o que vai receber, que tipo de entretenimento terá. A mudança dos padrões dá prazer exatamente porque se sabe que eles existem: e quando House é o próprio doente? E quando os dados imprescindíveis para elucidar um caso estão presos na sua cabeça amnésica?

Dexter também tem suas estruturas recorrentes. Analista forente da polícia de Miami, o seu trabalho é estudar o padrão de espalhamento de sangue em casos de assassinato, deduzindo assim o comportamento do criminoso e as ocorrências fatais. Sempre próximo desses casos, ele sabe sobre os que escapam da justiça; pesquisa sobre suas vidas, consegue certeza sobre sua culpa e fica à espreita. Monta um local de modo a não deixar evidências e dispõe alguns souvenires para que sua vítima se lembre de seus crimes. Após matá-la, corta seu corpo e o embala em sacos plásticos, que joga ao oceano. Eventualmente, surge um arquivilão - e é como nos quadrinhos: esse antagonista é ou se torna íntimo do antiherói. Compartilha sua natureza, entende seu segredo, lida com os mesmos problemas de Dexter. Entre a confusão de um afeto inesperado e o conflito de força similares fica a linha principal do enredo.

A qualidade maior desse enredo é seguir em um crescente, de modo que nos episódios que fecham a temporada a tensão é altíssima. Ao lado dessa história central, há os personagens secundários, com problemáticas sempre similares (a irmã de Dexter tentando o seu melhor no trabalho, a chefe de Dexter dentro do conflito entre trabalho e vida pessoal, etc), e nosso protagonista tem de lapidar sua vida social: não pode deixar que desconfiem. O assassino se torna namorado carinhoso, marido e pai atencioso, amigo companheiro. Por cálculo, é fato, mas cada vez mais por um afeto verdadeiro que surge mesmo como redentor. Mas o quanto ele pode deixar que se aproximem? Em cada temporada, o segredo de Dexter e seu código autodefensivo sofrem abalos, chegam perto do fim. No fim, a solução também estala.

A navalha rasga o rosto do médico. O assassino coleta um pouco de seu sangue e o guarda entre duas plaquetinhas - trata-se de um troféu. "Isso quer dizer que não sou o primeiro. E que você tem feito isso há um bom tempo", diz House, como se tateasse os sentimentos do seu raptor. "Eu fiz merda em um caso, você sabe quantas vidas eu já salvei naquele lugar? Você não está fazendo nenhuma justiça aqui" - e então o vocativo, com enfâse sarcástica: "Nenhuma justiça, herói". Dexter, por alguns instantes, parece discutir consigo - ou com alguém inexistente - o que acabou de ouvir. A expressão tensa, considerando. "Não é mais você que decide nada disso", diz por fim, "É sempre um jogo, não? Funciona, mas sabe qual a destruição que você causou ao redor dos seus sucessos? É o fim disso, o fim". O psicopata pega uma faca e a dispõe sobre o coração do outro. "É o fim".

Mas não o executa. Sem aviso, suas mãos tremem e desfalecem, a lâmina cai. Ele coloca as mãos sobre a cabeça, podemos ouvir o zumbido estridente que escuta, sabemos que se sente violentamente atordoado, a câmera gira frenética e ele cai. Uma delicada linha de sangue vaza pelo seu ouvido.

House Versus Dexter
Pode-se dizer que o conceito central de Dexter é controle; e o de House, anomalia - não só no âmbito restrito do enredo e dos temas citados. É tanto mais interessante perceber tais elementos no modo como as séries retratam os relacionamentos humanos.

Dexter tenta conter as relações em compartimentos; manter os fluxos de contato em canais separados. Sabe onde as pessoas estão, o que pode fazer para satisfazê-las, e se esforça para que fiquem nesses postos conhecidos. Entrega a elas uma imagem de si de que gostam. Não pode acreditar que o aceitariam se o soubesse por completo.

Se se identifica, por vezes, esse elemento irredutível, que o define mais que tudo, torna toda identificação relativa. Toda sua felicidade é sustentada sobre esse pilar frágil: o bem estar o seu filho, o afeto dos próximos. O que dimensiona o risco que corre e o impede de se ligar aos que conseguem compreender essa faceta maligna. Dexter tem sua identidade dividida em muitas frações e apresenta uma uma dificuldade de se manter ao nível de todas as pessoas que o mundo exige que ele seja - e é por essas características que o público, esquecido de sua psicopatia heroica, pode se identificar com ele. Além do assassino, há um homem comum.

House se trancou em uma visão muito particular de mundo, repleta de descrédito e mesmo desprezo pelos outros. "As pessoas não mudam", ele diz, "Todo mundo mente", ele diz. Se o médico se depara com situações afetivas, suas ou alheias, ele as estuda cientificamente. O objetivo é encontrar os padrões ou por a teste as teses comprovadas anteriormente. Quando se trata de um crente, procura-se pelas vaguezas de sua fé; quando é um casal apaixonado, pela necessidade patológica ou as mentiras que os mantêm unidos. House tem sua teoria do mundo e das pessoas, e só é lançado para fora dela por um contraexemplo gritante. Isso faz com que use as pessoas como cobaias, erre muito, aprenda. Formou uma carapaça racional e ela lhe dá muito, mas lhe priva de muito também.

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Como transpô-la? Quando o episódio retoma o enredo, vemos Dexter sobre uma cama de hospital. Ele acorda e tenta se levantar, mas não consegue: não sente suas pernas. House envia seus funcionários a Miami, para explorar o cotidiano de seu mais novo paciente e procurar por evidências que o ajudem a solucionar o caso. Depois disso, entra sozinho no quarto e se senta.

O que é que acontece?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 4/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
03. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
04. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
05. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. Dexter Versus House - 4/10/2011
05. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011


Mais Especial Séries de TV
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/10/2011
15h03min
Excelente artigo. :)
[Leia outros Comentários de kellbonassoli]
8/10/2011
08h37min
O que é que acontece, Duanne? Quando virá a resposta a essa interrogação? Você não é somente psicopata auxiliar dos dois, é um terrível sádico que nos intima a tentar resolver essa questão. Fora o início e brincadeira, parabéns pela análise. Faça capítulos dos dois e envie para os envolvidos. Quem sabe? Médicos e monstros? Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
17/10/2011
19h42min
Obrigado, pessoal =) Cilas, quem sabe eu não mando pra Universal? Pode ser que até já estejam pensando! Achei na internet um fanvideo do confronto entre os dois - pode servir de abertura para o episódio hipotético do meu artigo ;)
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIARIO DE UM BANANA SEGURANDO VELA
JEFF KINNEY
VER
(2012)
R$ 20,00



MAPAS DO CORPO - EDUCAÇÃO POSTURAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES
ANDRÉ TRINDADE
SUMMUS
(2016)
R$ 49,90



O VELHO E O MAR
ERNEST HEMINGWAY
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1990)
R$ 15,00



COMO ESTUDAR PARA CONCURSOS
ALEXANDRE MEIRELLES
MÉTODO
(2014)
R$ 50,00



REVISTA MUNDO ESTRANHO--23--UM VERAO DE CURIOSIDADES QUENTISSIMAS!.
ABRIL
ABRIL
R$ 8,00



VOZES DA SOMBRA
PEGGY DE CASTRO ABREU
APOLO
(1955)
R$ 100,00



DIREITO CONSTITUCIONAL
ALEXANDRE DE MORAES
ATLAS
(2003)
R$ 39,80



COMO PASSAR EM CONCURSOS FCC - 6.000 QUESTÕES COMENTADAS
WANDER GARCIA
FOCO
(2017)
R$ 90,00



CRONICAS DE VIAGEM VOL. 4
CECÍLIA MEIRELES
NOVA FRONTEIRA
(2000)
R$ 19,00



A COLABORAÇÃO : O PACTO ENTRE HOLLYWOOD E O NAZISMO
BEN URWAND
LEYA
(2014)
R$ 36,00





busca | avançada
33260 visitas/dia
1,0 milhão/mês