Dexter Versus House | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um defeito de cor, um acerto de contas
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Queijos
>>> A trilogia da vingança de Park Chan-Wook
Mais Recentes
>>> Um Sopro de Vida de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Grego Prático - o 1 Passo de Rivaldir Avelino dos Santos pela Do Autor (2005)
>>> Tò Thaumastón: o Maravilhoso. Introdução ao Pensamento Grego Arcaico de Fabricio Possebon pela Ideia/ufpb (2008)
>>> Rig-veda. a Sabdoria das Estrofes de Fabricio Possebon pela Ideia/ufpb (2006)
>>> Obra Completa Volume II de Leão Tolstoi pela Aguilar (1961)
>>> Obra Completa Volume I de Leão Tolstoi pela Aguilar (1960)
>>> As Partes dos Animais Livro I de Aristóteles pela Centro de Logica - Unicamp (1999)
>>> Intermezzo Lírico-filosófico 7 Parte de Ernani Reichmann pela Do Autor (1963)
>>> Projeto de Salvação de Ernani Reichmann pela Artes e Textos (2006)
>>> A Passagem de Ernani Reichmann pela Artes e Textos (2006)
>>> O Sumo Sacerdote, o Publicano e a Pecadora de Soren Kierkegaard pela Do Autor (2001)
>>> Dois Discursos Edificantes de 1844 de Soren Kierkegaard pela Do Autor (2001)
>>> Quatro Discursos Edificantes de 1843 de Soren Kierkegaard pela Do Autor (2001)
>>> Dois Discursos Edificantes de 1843 de Soren Kierkegaard pela Do Autor (2001)
>>> Attack Upon Christendom de Soren Kierkegaard pela The Beacon Press (1956)
>>> Soren Kierkegaard (1813-1955) Padre del Existencialismo de Peter Rohde pela Ministério de Relações da Dn (1983)
>>> Soren Kierkegaard. Il Filósofo Danés de Peter Rohde pela La Seccionde Prensa
>>> Post-scriptum Aux Miettes Philosophiques de Soren Kierkegaard pela Puf (1949)
>>> Estética do Matrimónio de Soren Kierkegaard pela Presença
>>> Estética y Ética En La Formación de La Personalidad de Soren Kierkegaard pela Editorial Nova (1955)
>>> Budismo claro e simples de Steve Hagen pela Pensamento (2009)
>>> Budismo de Richard A Gard pela Jorge Zahar (1964)
>>> Introdução ao Tantra de Murillo Nunes de Azevedo pela Pensamento (1989)
>>> A Sabedoria do Sutra de Lótus I de Daisaku Ikeda pela Brasil Seikyo (2004)
>>> Cristianismo Zen de William Johnston pela Cultrix (1989)
>>> The Pure Land, N 5 de Vvaa pela Journal of Pure Land Buddhism (1988)
>>> Le Traité de Bodhidharma de Bodhidharma pela Le Mail (1986)
>>> NgelSo Autocura Tântrica III de Lama Gangchen Rimpoche pela Gaia (2003)
>>> NgelSo Autocura Tântrica II de Lama Gangchen Rimpoche pela Gaia (2003)
>>> Uma Jovem ideia de Paz de Lama Michel Rinpoche pela Sarasvati Multimidia (1996)
>>> O Monge e o Lama. Diálogo entre Budismo e Cristianismo de Dom Robert Le Gall, Lama Jigme Rinpoche pela Bertrand do Brasil (2003)
>>> Budismo História e Doutrina de Dennis Gira pela Vozes (1992)
>>> Atenção Plena em Linguagem Simples de Bhante Henepola Gunaratana pela Gaia (2017)
>>> Oito Passos atentos para a felicidade de Bhante Henepola Gunaratana pela Gaia (2014)
>>> A Vida do Buddha e o Caminho de Puhulwelle Vipasi pela Sociedade Budista Brasileira (1991)
>>> Transformando Problemas em Felicidade de Lama Zopa Rinpoche pela Mauad X (2009)
>>> Práctica del Budismo Tibetano de Kalu Rinpoche pela Editorial Barath (1984)
>>> Tantra no Tibete de Tsong-Ka-Pa pela Pensamento (1998)
>>> Grande Amor Um objetivo de vida de Lama Michel Rinpoche, Bel Cesar pela Gaia (2015)
>>> A Expansão da Mente de Tarthang Tulku pela Cultrix (1992)
>>> A Mente Oculta da Liberdade de Tarthang Tulku pela Cultrix (1998)
>>> Reflexões sobre a Mente de Tarthang Tulku pela Cultrix (1990)
>>> Tibete fé e conflito de Cynthia Marcucci pela Desatino (2012)
>>> O Budismo do Buda de Alexandra David-Neel pela Ibrasa (1985)
>>> A Doutrina de Buda de Buda pela Bukkyo Dendo Kyokai (1998)
>>> Um Olhar. Dois Tempos de Carlos Nejar pela José Olympio (1985)
>>> Livro de Gazeis de Lygia Fagundes Telles pela Record (1984)
>>> Antes do Baile Verde de Josué Montello pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Luz da Estrela Morta de David R Slavitt pela Nova Fronteira (1981)
>>> Alice aos 80 de Millôr Fernandes pela Rocco (1986)
COLUNAS >>> Especial Séries de TV

Terça-feira, 4/10/2011
Dexter Versus House
Duanne Ribeiro

+ de 4500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Por motivos não esclarecidos no início do episódio, vemos House preso a uma cama de ferro. Ele desperta e se percebe em um quarto completamente coberto de plástico. Fotos de um paciente coladas não muito longe, ao alcance dos olhos. De súbito, vê Dexter. O serial killer o ameaça - "sem gritar!" - e retira a fita que tampava sua boca. O especialista em diagnósticos só observa. "Nenhum valor à vida, todo valor ao quebra-cabeça, não é? E como você resolve esse?", diz Dexter, ao mesmo tempo em que aproxima face de face em fúria repentina, a mão direita pressionando com brutalidade o maxilar de sua vítima. Depois, toma sua navalha. O médico repassa seguidamente os fatos, procura explicações febrilmente. O assassino aprecia o momento sem pressa.

A cena corta para a exibição do vídeo de abertura. Por alguns momentos só especulamos os motivos que podem ter unido os protagonistas das séries Dexter e House neste crossover. O primeiro, um psicopata com tendências homicidas e dificuldades se relacionar com outros e mesmo sentir o que sentem. Ele canaliza sua natureza destrutiva para outros matadores, em atos justiceiros além e acima da justiça convencional. O segundo, um médico cujo vício é a complexidade; arrogante, autodestrutivo, genial, não se importa com seus pacientes, brinca com seus relacionamentos como se fossem jogos, desvenda casos quase impossíveis. Essa cena, leitor, nunca aconteceu - mas crie, descubra comigo, o que é que surgiria de um tal encontro? Esse conto-crítica, essa crítica-conto explora esse conflito improvável.

As séries seguem alguns padrões com tanta frequência que não é difícil imaginar. Todos os episódios de House tem uma sequência inicial, um drama curto e de repente alguém sofre o ataque de uma doença misteriosa e, por vezes, chocante. É encaminhado para House, já que ninguém mais é capaz de descobrir a causa. O médico discute o caso com seus funcionários ao mesmo tempo em que se importa mais com alguma picuinha pessoal. O diálogo rápido e cheio de sarcasmo e termos técnicos é um dos charmes da produção. Invariavelmente, esses primeiros diagnósticos e os respectivos cuidados não funcionam, a doença piora até o ponto em que uma decisão capital deve ser tomada ou tudo estará perdido. House pensa, pensa, e não consegue nada. Mas, por um acaso, uma conversa paralela, tem um estalo! No último minuto a solução é encontrada. A forma é quase sempre igual e quase sempre divertida.

Quase sempre, pois há episódios muito particulares em que esses padrões são dispostos de uma forma diferente, ou até abandonados. Na 6ª temporada, um deles é narrado do ponto de vista de uma personagem secundária - a presidente do hospital, Lisa Cuddy. House e seus enigmas são assistidos obliquamente, e todos os clichês estão lá - a série é autoconsciente e ri de si mesma. Outro exemplo disso é quando sempre se supunha que a doença era Lupus - e nunca era. Em certo episódio: "Finalmente, eu tive um caso de Lupus".

O uso repetido desses esquemas é geralmente desprezado, mas seu valor é o de permitir que o espectador saiba o que vai receber, que tipo de entretenimento terá. A mudança dos padrões dá prazer exatamente porque se sabe que eles existem: e quando House é o próprio doente? E quando os dados imprescindíveis para elucidar um caso estão presos na sua cabeça amnésica?

Dexter também tem suas estruturas recorrentes. Analista forente da polícia de Miami, o seu trabalho é estudar o padrão de espalhamento de sangue em casos de assassinato, deduzindo assim o comportamento do criminoso e as ocorrências fatais. Sempre próximo desses casos, ele sabe sobre os que escapam da justiça; pesquisa sobre suas vidas, consegue certeza sobre sua culpa e fica à espreita. Monta um local de modo a não deixar evidências e dispõe alguns souvenires para que sua vítima se lembre de seus crimes. Após matá-la, corta seu corpo e o embala em sacos plásticos, que joga ao oceano. Eventualmente, surge um arquivilão - e é como nos quadrinhos: esse antagonista é ou se torna íntimo do antiherói. Compartilha sua natureza, entende seu segredo, lida com os mesmos problemas de Dexter. Entre a confusão de um afeto inesperado e o conflito de força similares fica a linha principal do enredo.

A qualidade maior desse enredo é seguir em um crescente, de modo que nos episódios que fecham a temporada a tensão é altíssima. Ao lado dessa história central, há os personagens secundários, com problemáticas sempre similares (a irmã de Dexter tentando o seu melhor no trabalho, a chefe de Dexter dentro do conflito entre trabalho e vida pessoal, etc), e nosso protagonista tem de lapidar sua vida social: não pode deixar que desconfiem. O assassino se torna namorado carinhoso, marido e pai atencioso, amigo companheiro. Por cálculo, é fato, mas cada vez mais por um afeto verdadeiro que surge mesmo como redentor. Mas o quanto ele pode deixar que se aproximem? Em cada temporada, o segredo de Dexter e seu código autodefensivo sofrem abalos, chegam perto do fim. No fim, a solução também estala.

A navalha rasga o rosto do médico. O assassino coleta um pouco de seu sangue e o guarda entre duas plaquetinhas - trata-se de um troféu. "Isso quer dizer que não sou o primeiro. E que você tem feito isso há um bom tempo", diz House, como se tateasse os sentimentos do seu raptor. "Eu fiz merda em um caso, você sabe quantas vidas eu já salvei naquele lugar? Você não está fazendo nenhuma justiça aqui" - e então o vocativo, com enfâse sarcástica: "Nenhuma justiça, herói". Dexter, por alguns instantes, parece discutir consigo - ou com alguém inexistente - o que acabou de ouvir. A expressão tensa, considerando. "Não é mais você que decide nada disso", diz por fim, "É sempre um jogo, não? Funciona, mas sabe qual a destruição que você causou ao redor dos seus sucessos? É o fim disso, o fim". O psicopata pega uma faca e a dispõe sobre o coração do outro. "É o fim".

Mas não o executa. Sem aviso, suas mãos tremem e desfalecem, a lâmina cai. Ele coloca as mãos sobre a cabeça, podemos ouvir o zumbido estridente que escuta, sabemos que se sente violentamente atordoado, a câmera gira frenética e ele cai. Uma delicada linha de sangue vaza pelo seu ouvido.

House Versus Dexter
Pode-se dizer que o conceito central de Dexter é controle; e o de House, anomalia - não só no âmbito restrito do enredo e dos temas citados. É tanto mais interessante perceber tais elementos no modo como as séries retratam os relacionamentos humanos.

Dexter tenta conter as relações em compartimentos; manter os fluxos de contato em canais separados. Sabe onde as pessoas estão, o que pode fazer para satisfazê-las, e se esforça para que fiquem nesses postos conhecidos. Entrega a elas uma imagem de si de que gostam. Não pode acreditar que o aceitariam se o soubesse por completo.

Se se identifica, por vezes, esse elemento irredutível, que o define mais que tudo, torna toda identificação relativa. Toda sua felicidade é sustentada sobre esse pilar frágil: o bem estar o seu filho, o afeto dos próximos. O que dimensiona o risco que corre e o impede de se ligar aos que conseguem compreender essa faceta maligna. Dexter tem sua identidade dividida em muitas frações e apresenta uma uma dificuldade de se manter ao nível de todas as pessoas que o mundo exige que ele seja - e é por essas características que o público, esquecido de sua psicopatia heroica, pode se identificar com ele. Além do assassino, há um homem comum.

House se trancou em uma visão muito particular de mundo, repleta de descrédito e mesmo desprezo pelos outros. "As pessoas não mudam", ele diz, "Todo mundo mente", ele diz. Se o médico se depara com situações afetivas, suas ou alheias, ele as estuda cientificamente. O objetivo é encontrar os padrões ou por a teste as teses comprovadas anteriormente. Quando se trata de um crente, procura-se pelas vaguezas de sua fé; quando é um casal apaixonado, pela necessidade patológica ou as mentiras que os mantêm unidos. House tem sua teoria do mundo e das pessoas, e só é lançado para fora dela por um contraexemplo gritante. Isso faz com que use as pessoas como cobaias, erre muito, aprenda. Formou uma carapaça racional e ela lhe dá muito, mas lhe priva de muito também.

No fim das contas, a questão é que a distância até o outro é muito grande. Como transpô-la? Quando o episódio retoma o enredo, vemos Dexter sobre uma cama de hospital. Ele acorda e tenta se levantar, mas não consegue: não sente suas pernas. House envia seus funcionários a Miami, para explorar o cotidiano de seu mais novo paciente e procurar por evidências que o ajudem a solucionar o caso. Depois disso, entra sozinho no quarto e se senta.

O que é que acontece?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 4/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
03. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
04. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
05. O Medium e o retorno do conteúdo de Julio Daio Borges


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. Dexter Versus House - 4/10/2011
05. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011


Mais Especial Séries de TV
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/10/2011
15h03min
Excelente artigo. :)
[Leia outros Comentários de kellbonassoli]
8/10/2011
08h37min
O que é que acontece, Duanne? Quando virá a resposta a essa interrogação? Você não é somente psicopata auxiliar dos dois, é um terrível sádico que nos intima a tentar resolver essa questão. Fora o início e brincadeira, parabéns pela análise. Faça capítulos dos dois e envie para os envolvidos. Quem sabe? Médicos e monstros? Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
17/10/2011
19h42min
Obrigado, pessoal =) Cilas, quem sabe eu não mando pra Universal? Pode ser que até já estejam pensando! Achei na internet um fanvideo do confronto entre os dois - pode servir de abertura para o episódio hipotético do meu artigo ;)
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO?
SPENCER JOHNSON
RECORD
(2005)
R$ 4,00



OLD TESTAMENT AND THE FINE ARTS
CYNTHIA PEARL MAUS
HARPER AND ROW
(1954)
R$ 49,90



SEM VESTÍGIOS - REVELAÇÕES DE UM AGENTE SECRETO DA DITADURA
TAÍS MORAIS - 1ª EDIÇÃO
GERAÇÃO
(2008)
R$ 15,00



LÁGRIMAS PERDIDAS - TROVAS
RUY MENEZES / AL DE AZEVEDO
NOVA FRIBURGO
(1962)
R$ 43,46



MULHERES DE AÇO E DE FLORES
PE FÁBIO DE MELO
GENTE
(2008)
R$ 15,00



GUIA DO ESTUDANTE CURSO PREPARATÓRIO ENEM 2010 HISTÓRIA I
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL COLEÇÕES
(2010)
R$ 10,00



TEATRO DE SANTA ISABEL GUIA FOTOGRÁFICO
RILDO MOURA
RILDO MOURA
(2008)
R$ 39,20



OS LIMITES DO SENTIDO
EDUARDO GUIMARÃES
PONTES
(1995)
R$ 45,00



EM VERDADE VOS DIGO
SALOVI BERNARDO
CONVICÇÃO
(2012)
R$ 30,00



ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA
SCOTT TUROW
RECORD
(2011)
R$ 24,90





busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês