Gleiser, o cientista pop | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 24/1/2007
Gleiser, o cientista pop
Tais Laporta

+ de 6300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Marcelo Gleiser não é apenas um grande físico brasileiro. É fã de Albert Einstein e também um popular historiador da ciência. Transforma o conhecimento técnico em linguagem coloquial, e talvez, por isso, esteja entre a massa e os gênios. Desta vez, quer explicar a uma legião de leigos que o quebra-cabeça sobre a origem do universo está longe de ter uma solução. Mas para chegar a essa conclusão, o cientista viaja pela história do pensamento humano em A dança do universo (Companhia das Letras, 2006, 415 págs.), não-ficção vencedora de um prêmio Jabuti.

Mesmo que a física e a cosmologia tenham acelerado o século XX, ninguém descobriu uma equação que explique como o mundo surgiu. A mais convincente - segundo a qual o universo resulta de uma quente explosão (o Big Bang) - não passa de uma hipótese em choque com várias correntes. Por trás delas, homens ainda olham para o céu com a mesma perplexidade dos antigos habitantes da Terra. Mas o que realmente importa no trabalho de Gleiser é o percurso pelos antigos mitos de criação até as atuais suposições sobre os mistérios do mundo.

O cientista lança um olhar didático sobre os mais diversos fenômenos da física e da mecânica, sem limitá-los à frieza dos números. Com narração habilidosa, descortina a saga de homens que venderam sua existência ao inexplicável - seja movidos pela ciência, pela filosofia ou pela religião. E no decorrer do livro, sabe-se que o grande ídolo de Gleiser tinha razão ao dizer que "a imaginação é mais importante que o conhecimento". É o que constata o autor de A dança do universo: os maiores espetáculos da imaginação pipocaram na mente de grandes pensadores até alcançarem o conhecimento.

Em outras palavras, o abstrato sempre antecedeu o concreto. As melhores explicações para o mundo tiveram alicerce em completas fantasias. Carregaram uma força mítica impressionante - que persiste até hoje. A idéia de um mundo criado por Deus divide cientistas e líderes espirituais. Enquanto o senso-comum vê um universo infinito, meia dúzia de descabelados teima em encontrar seus limites: sua data de nascimento e até de morte. E como mostra Gleiser, nenhum dos aparatos tecnológicos ou das descobertas científicas conseguiram provar, experimentalmente, que as histórias bíblicas e outros mitos sobre a criação estejam errados.

Talvez por isso, ainda hoje, nenhum argumento científico consiga anular a força das crenças, mesmo com tantas evidências contra elas. Ao invés de ignorar a influência religiosa na ciência, Gleiser a contextualiza na evolução do conhecimento. E destaca que os cientistas mais geniais, ao contrário do que pareça, fizeram da busca pela ciência uma forma de alcançar um bem maior, ancorado na fé. Assim foram não só Platão (428-347 a.C.) e Aristóteles (384-322 a.C.), mas também os maiores astrônomos da Idade Média, Nicolau Copérnico (1473-1543), Galileu Galilei (1564-1642) e Johannes Kepler (1571-1630). O próprio Einstein traduzia os efeitos colaterais de sua genialidade numa satisfação profundamente espiritual. Chegou a dizer, inclusive, que "religião sem ciência é cega, e ciência sem religião é aleijada".

Essa mistura preocupa a comunidade científica desde o Iluminismo, época em que a razão ganhou os holofotes. Neste ponto, A dança do universo discute o dilema. "Será que essa separação entre ciência e religião é realmente necessária? Sem dúvida. Ela serve como proteção contra o subjetivismo na prática científica, garantindo que a ciência continuará sendo uma linguagem universal", argumenta Gleiser. "O discurso científico é, e deve ser, livre de qualquer conotação teológica. Invocar religião para cobrir falhas no nosso conhecimento é, a meu ver, uma atitude anticientífica", conclui.

Para o leitor que não deseja confrontar o conhecimento científico com a fé, o autor orienta: "(...) você deve duvidar seriamente de qualquer cientista que tente convencê-lo, baseado em argumentos científicos, da futilidade de sua crença religiosa. Em contrapartida, você também deve duvidar de qualquer sacerdote que tente convencê-lo, baseado em argumentos religiosos, da futilidade da ciência moderna".

Além de dar conselhos, o livro quebra a idéia pré-concebida de que cientistas são seres frios e calculistas. A prova concreta está na biografia salpicada dos grandes pensadores, que Gleiser oferece no decorrer do livro. "(...) os cientistas são vistos como insensíveis e limitados, um grupo de pessoas que corrompe a beleza da Natureza ao analisá-la matematicamente. Essa generalização, como a maioria das generalizações, me parece injusta, já que não incorpora a motivação mais importante do cientista, seu fascínio pela Natureza e seus mistérios".

Um personagem curioso a quem Gleiser dá destaque não só em A dança do universo, mas também no seu romance A harmonia do mundo, é Kepler, astrônomo que revolucionou o entendimento do universo com suas três leis fundamentais. Chamou a atenção pela apatia que alimentava por quase todos os seres humanos, com os quais cultivou relações indigestas. Tomou apenas um banho durante toda a vida. Sua infância foi marcada por uma sucessão de doenças e acidentes. Desprazeres que o levaram, na vida adulta, à compensação pelo triunfo intelectual.

A obstinação de Kepler pelo céu colocou seu nome em destaque ao lado dos cientistas imortais, numa época de doloroso regresso do conhecimento. Assim lembrou o filósofo britânico Alfred Whitehead, em 1925: "por volta de 1500, a Europa sabia menos que na época de Arquimedes, que viveu em 212 a.C.". Vale lembrar que, nessa época, ciência e misticismo se confundiam. Astrônomos como Kepler eram também astrólogos, e grandes consultores de reis, ainda que desprezassem tal função. Era a forma de garantirem a sobrevivência, como lembra Gleiser.

Nosso físico brasileiro é um dos acadêmicos mais reconhecidos lá fora. Além de livros, já escreveu roteiros para televisão e participou da produção do filme brasileiro O maior amor do mundo, de Cacá Diegues. Gleiser também é professor da Dartmouth College, nos EUA, onde desfruta de grande popularidade entre os alunos. Quando lançou A dança do universo, contudo, recebeu severas críticas da comunidade científica por haver erros nas explicações teóricas. Mas, ainda assim, o livro foi um best-seller para não-ficção: vendeu cerca de 70 mil exemplares.

Razão do sucesso pode estar na proximidade do cientista com a linguagem popular. Se não nos introduz no âmago da ciência, pelo menos mostra o quanto ela está longe de explicar a origem do mundo. Estamos todos - cientistas e leigos - com as mesmas dúvidas universais.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 24/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Correio de Elisa Andrade Buzzo
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
03. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo
04. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
05. Livrarias de Ricardo de Mattos


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2007
17h36min
Fiquei curiosa a respeito dos erros teóricos que existem no livro. Mas muito boa a forma como a Tais explica a importância da desmistificação da ciência. A citação sobre dúvidas e questionamentos a repeito de ciência e religião é bastante esclarecedora e nos mostra o que Gleiser quer realmente proporcionar com seus trabalhos, a possibilidade de nunca deixarmos de sonhar... O texto me convenceu a ler o livro, obrigada, Tais.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
25/1/2007
00h02min
Eu não gosto do Marcelo Gleiser. Acho que ele sabe o que diz quando se limita à Física, mas, quando começa a dar uma de sabido em outras áreas, fala o que não entende. Acho que as grandes mentes têm esse problema: o de acharem que, sendo tão capacitadas, podem dar pitaco em todos os assuntos... Ele, às vezes, ultrapassa a física invadindo terreno como (folk) filosófia e história, e aí se embanana, ou fala coisas muito bobinhas...
[Leia outros Comentários de Marcelo Maroldi]
25/1/2007
13h57min
Ótimo texto da Tais. Mas se o livro for isso mesmo (não li), Gleiser parece caminhar em terreno perigoso. Não há nenhuma vantagem para um cientista tentar harmonizar ciência e religião. Só os religiosos tiram vantagem disso. A investigação sobre Deus não é patrimonio das religiões e deve, necessariamente, se libertar dessa camisa de força. Vale ainda lembrar que Kepler passou grande parte da vida fugindo da Santa Inquisição e, provavelmente, teve que se tornar um homem cuja discrição era testada ao máximo. Isso significava também não poder ter muitos amigos, não ter voz, não chamar a atenção de nenhuma forma. Viver assim e conseguir explicar a mecânica das órbitas planetárias não é pra qualquer um.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
29/1/2007
14h52min
Um amigo mandou-me a resenha da Taís, a quem agradeço. Porém, queria deixar claro que os "erros nas explicações teóricas" sofreram "severas críticas" de apenas um acadêmico, ao menos que eu saiba. (Podem sempre existir outras críticas das quais não esteja ciente.) Agradeci ao prof. Roberto de Andrade Martins pela sua cuidadosa leitura do texto. Dos chamados "erros", os poucos que de fato necessitavam revisão foram corrigidos já na segunda edição do livro, de 1998.
[Leia outros Comentários de Marcelo Gleiser]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA QUESTION NAZIE - LES INTERPRÉTATIONS DU NATIONAL-SOCIALISME
PIERRE AYÇOBERRY
EDITIONS DU SEUIL
(1979)
R$ 29,82



QUADRINHOS NO CINEMA 3
CALLARI, ALEXANDRE , ZAGO, BRUNO , LOPES, DANIEL
EDITORA ÉVORA
(2014)
R$ 120,00



MORENO COMO VOCES
SONIA NOLASCO FERREIRA
RECORD
(1984)
R$ 25,90



DA REFORMA À CONTRA REFORMA
FERNANDO SEFFNER
ATUAL
(1993)
R$ 5,00



SEXO SEM MEDO
EUSTACE CHESSER
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00



CONVERSANDO SOBRE SEXO
MARTA SUPLICY
DA AUTORA
(1983)
R$ 31,50



THE DANCE BAND ERA. THE DANCING DECADES FROM RAGTIME TO SWING: 1910
MCCARTHY ALBERT
NOVEMBER BOOK
(1971)
R$ 75,00
+ frete grátis



TRABALHO POÉTICO LETRAS PORTUGUESAS ANTOLOGIA QUADROS CRONOLÓGICO
CARLOS DE OLIVEIRA
ANGELUS NOVUS
(1996)
R$ 49,87



PANORAMA DO GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS
RICHARD C. SCHROEDER
EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDO
(1976)
R$ 5,00



HISTÓRIA DOS CLUBES DE CABO FRIO
JOSÉ FRANCISCO DE MOURA
FOCO
(2018)
R$ 40,75





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês