Gleiser, o cientista pop | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 24/1/2007
Gleiser, o cientista pop
Tais Laporta

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Marcelo Gleiser não é apenas um grande físico brasileiro. É fã de Albert Einstein e também um popular historiador da ciência. Transforma o conhecimento técnico em linguagem coloquial, e talvez, por isso, esteja entre a massa e os gênios. Desta vez, quer explicar a uma legião de leigos que o quebra-cabeça sobre a origem do universo está longe de ter uma solução. Mas para chegar a essa conclusão, o cientista viaja pela história do pensamento humano em A dança do universo (Companhia das Letras, 2006, 415 págs.), não-ficção vencedora de um prêmio Jabuti.

Mesmo que a física e a cosmologia tenham acelerado o século XX, ninguém descobriu uma equação que explique como o mundo surgiu. A mais convincente - segundo a qual o universo resulta de uma quente explosão (o Big Bang) - não passa de uma hipótese em choque com várias correntes. Por trás delas, homens ainda olham para o céu com a mesma perplexidade dos antigos habitantes da Terra. Mas o que realmente importa no trabalho de Gleiser é o percurso pelos antigos mitos de criação até as atuais suposições sobre os mistérios do mundo.

O cientista lança um olhar didático sobre os mais diversos fenômenos da física e da mecânica, sem limitá-los à frieza dos números. Com narração habilidosa, descortina a saga de homens que venderam sua existência ao inexplicável - seja movidos pela ciência, pela filosofia ou pela religião. E no decorrer do livro, sabe-se que o grande ídolo de Gleiser tinha razão ao dizer que "a imaginação é mais importante que o conhecimento". É o que constata o autor de A dança do universo: os maiores espetáculos da imaginação pipocaram na mente de grandes pensadores até alcançarem o conhecimento.

Em outras palavras, o abstrato sempre antecedeu o concreto. As melhores explicações para o mundo tiveram alicerce em completas fantasias. Carregaram uma força mítica impressionante - que persiste até hoje. A idéia de um mundo criado por Deus divide cientistas e líderes espirituais. Enquanto o senso-comum vê um universo infinito, meia dúzia de descabelados teima em encontrar seus limites: sua data de nascimento e até de morte. E como mostra Gleiser, nenhum dos aparatos tecnológicos ou das descobertas científicas conseguiram provar, experimentalmente, que as histórias bíblicas e outros mitos sobre a criação estejam errados.

Talvez por isso, ainda hoje, nenhum argumento científico consiga anular a força das crenças, mesmo com tantas evidências contra elas. Ao invés de ignorar a influência religiosa na ciência, Gleiser a contextualiza na evolução do conhecimento. E destaca que os cientistas mais geniais, ao contrário do que pareça, fizeram da busca pela ciência uma forma de alcançar um bem maior, ancorado na fé. Assim foram não só Platão (428-347 a.C.) e Aristóteles (384-322 a.C.), mas também os maiores astrônomos da Idade Média, Nicolau Copérnico (1473-1543), Galileu Galilei (1564-1642) e Johannes Kepler (1571-1630). O próprio Einstein traduzia os efeitos colaterais de sua genialidade numa satisfação profundamente espiritual. Chegou a dizer, inclusive, que "religião sem ciência é cega, e ciência sem religião é aleijada".

Essa mistura preocupa a comunidade científica desde o Iluminismo, época em que a razão ganhou os holofotes. Neste ponto, A dança do universo discute o dilema. "Será que essa separação entre ciência e religião é realmente necessária? Sem dúvida. Ela serve como proteção contra o subjetivismo na prática científica, garantindo que a ciência continuará sendo uma linguagem universal", argumenta Gleiser. "O discurso científico é, e deve ser, livre de qualquer conotação teológica. Invocar religião para cobrir falhas no nosso conhecimento é, a meu ver, uma atitude anticientífica", conclui.

Para o leitor que não deseja confrontar o conhecimento científico com a fé, o autor orienta: "(...) você deve duvidar seriamente de qualquer cientista que tente convencê-lo, baseado em argumentos científicos, da futilidade de sua crença religiosa. Em contrapartida, você também deve duvidar de qualquer sacerdote que tente convencê-lo, baseado em argumentos religiosos, da futilidade da ciência moderna".

Além de dar conselhos, o livro quebra a idéia pré-concebida de que cientistas são seres frios e calculistas. A prova concreta está na biografia salpicada dos grandes pensadores, que Gleiser oferece no decorrer do livro. "(...) os cientistas são vistos como insensíveis e limitados, um grupo de pessoas que corrompe a beleza da Natureza ao analisá-la matematicamente. Essa generalização, como a maioria das generalizações, me parece injusta, já que não incorpora a motivação mais importante do cientista, seu fascínio pela Natureza e seus mistérios".

Um personagem curioso a quem Gleiser dá destaque não só em A dança do universo, mas também no seu romance A harmonia do mundo, é Kepler, astrônomo que revolucionou o entendimento do universo com suas três leis fundamentais. Chamou a atenção pela apatia que alimentava por quase todos os seres humanos, com os quais cultivou relações indigestas. Tomou apenas um banho durante toda a vida. Sua infância foi marcada por uma sucessão de doenças e acidentes. Desprazeres que o levaram, na vida adulta, à compensação pelo triunfo intelectual.

A obstinação de Kepler pelo céu colocou seu nome em destaque ao lado dos cientistas imortais, numa época de doloroso regresso do conhecimento. Assim lembrou o filósofo britânico Alfred Whitehead, em 1925: "por volta de 1500, a Europa sabia menos que na época de Arquimedes, que viveu em 212 a.C.". Vale lembrar que, nessa época, ciência e misticismo se confundiam. Astrônomos como Kepler eram também astrólogos, e grandes consultores de reis, ainda que desprezassem tal função. Era a forma de garantirem a sobrevivência, como lembra Gleiser.

Nosso físico brasileiro é um dos acadêmicos mais reconhecidos lá fora. Além de livros, já escreveu roteiros para televisão e participou da produção do filme brasileiro O maior amor do mundo, de Cacá Diegues. Gleiser também é professor da Dartmouth College, nos EUA, onde desfruta de grande popularidade entre os alunos. Quando lançou A dança do universo, contudo, recebeu severas críticas da comunidade científica por haver erros nas explicações teóricas. Mas, ainda assim, o livro foi um best-seller para não-ficção: vendeu cerca de 70 mil exemplares.

Razão do sucesso pode estar na proximidade do cientista com a linguagem popular. Se não nos introduz no âmago da ciência, pelo menos mostra o quanto ela está longe de explicar a origem do mundo. Estamos todos - cientistas e leigos - com as mesmas dúvidas universais.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 24/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait
03. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol
04. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles
05. Os dilemas de uma sociedade em Escudo de Palha de Guilherme Carvalhal


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2007
17h36min
Fiquei curiosa a respeito dos erros teóricos que existem no livro. Mas muito boa a forma como a Tais explica a importância da desmistificação da ciência. A citação sobre dúvidas e questionamentos a repeito de ciência e religião é bastante esclarecedora e nos mostra o que Gleiser quer realmente proporcionar com seus trabalhos, a possibilidade de nunca deixarmos de sonhar... O texto me convenceu a ler o livro, obrigada, Tais.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
25/1/2007
00h02min
Eu não gosto do Marcelo Gleiser. Acho que ele sabe o que diz quando se limita à Física, mas, quando começa a dar uma de sabido em outras áreas, fala o que não entende. Acho que as grandes mentes têm esse problema: o de acharem que, sendo tão capacitadas, podem dar pitaco em todos os assuntos... Ele, às vezes, ultrapassa a física invadindo terreno como (folk) filosófia e história, e aí se embanana, ou fala coisas muito bobinhas...
[Leia outros Comentários de Marcelo Maroldi]
25/1/2007
13h57min
Ótimo texto da Tais. Mas se o livro for isso mesmo (não li), Gleiser parece caminhar em terreno perigoso. Não há nenhuma vantagem para um cientista tentar harmonizar ciência e religião. Só os religiosos tiram vantagem disso. A investigação sobre Deus não é patrimonio das religiões e deve, necessariamente, se libertar dessa camisa de força. Vale ainda lembrar que Kepler passou grande parte da vida fugindo da Santa Inquisição e, provavelmente, teve que se tornar um homem cuja discrição era testada ao máximo. Isso significava também não poder ter muitos amigos, não ter voz, não chamar a atenção de nenhuma forma. Viver assim e conseguir explicar a mecânica das órbitas planetárias não é pra qualquer um.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
29/1/2007
14h52min
Um amigo mandou-me a resenha da Taís, a quem agradeço. Porém, queria deixar claro que os "erros nas explicações teóricas" sofreram "severas críticas" de apenas um acadêmico, ao menos que eu saiba. (Podem sempre existir outras críticas das quais não esteja ciente.) Agradeci ao prof. Roberto de Andrade Martins pela sua cuidadosa leitura do texto. Dos chamados "erros", os poucos que de fato necessitavam revisão foram corrigidos já na segunda edição do livro, de 1998.
[Leia outros Comentários de Marcelo Gleiser]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LOS AZTECAS (LAS GRANDES CIVILIZACIONES)
SANDRA E GARIBAY LAURENT (PROYECTO)
VIMAN (MÉXICO)
(2006)
R$ 25,28



MUNDOS EM CONEXÃO
GEOFFREY D. FALK
CULTRIX
(2012)
R$ 14,00



ROBERT PARKER - O IMPERADOR DO VINHO
ELIN MCCOY
ELSEVIER
(2006)
R$ 55,00



FEDRO FÁBULAS (FABULARUM AESOPIARUM)
JOSÉ PÉREZ DIREÇÃO
EDIÇÕES CULTURA
(1946)
R$ 20,00



PERTURBAÇÕES DO COMPORTAMENTO DA CRIANÇA - DESCRIÇÃO, CAUSAS, TRAT...
PIERRE DEBRAY RITZEN BADRIG MÉLÉKIAN

R$ 9,80



O OPORTUNISTA
PIERS PAUL READ
CIRCULO DO LIVRO
(1973)
R$ 4,00



ARMS OF THE WORLD - 1911 - ALFA CATALOGUE OF ARMS
VÁRIOS
JOSEPH J SCHRODER JR
(1962)
R$ 200,00



FILHOS BRILHANTES ALUNOS FASCINANTES
AUGUSTO CURY
ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA
(2006)
R$ 12,04



O LIVRO DOS AMULETOS
GABRIELA ERBETTA E MICHELLE SEDDIG JORGE
PUBLIFOLHA
(2004)
R$ 8,80



TIMOR, O NOSSO DEVER FALAR
VÁRIOS AUTORES
APEL
(1999)
R$ 22,11





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês