Do outro lado, por Mary del Priore | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jantar levantino
>>> Se eu fosse você 2
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
Mais Recentes
>>> Ciências Naturais - Aprendendo o Cotidiano 6 de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (2009)
>>> Matemática 6 - Projeto Araribá de Juliana Matsubara Barroso pela Moderna (2007)
>>> A Cidade Inteira Dorme e Outros Contos de Ray Bradbury pela Biblioteca Azul (2019)
>>> Contos Universais - Para Gostar de Ler 11 de Vários pela Ática (2003)
>>> Agatha Christie O Incidente da Bola do Cachorro de John Curran pela Leya (2010)
>>> The 39 Clues - Uma Nota Errada de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> David Copperfield de Charles Dickens pela Macmilan Readers (2008)
>>> Hamlet Adaptado Série Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> Os Miseráveis adaptado por Walcyr Carrasco de Victor Hugo, Walcyr Carrasco pela FTD (2002)
>>> O Corcunda de Notre-Dame adaptação Série Reencontro de Victor Hugo, Jiro Takahashi pela Scipione (1997)
>>> Romeu e Julieta Adaptado Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> La Nausée de Jean Paul Sartre pela Éditions Gallimard, (1972)
>>> La Guerra de Guerrillas de Ernesto Che Guevara pela Ocean Sur (2006)
>>> La Emancipación de la Mujer en la URSS de Solomín pela Ediciones Europa-América, (1936)
>>> Juca Mulato de Menotti Del Pcchia pela Cprculo do Livro (1976)
>>> Inferno de Dan Brown pela Doubledays Books (2013)
>>> I Am a Strange Loop de Douglas Hoftstadter pela Basic Books, (2008)
>>> Iaiá Garcia de Machado de Assis pela Ática (1996)
>>> História do Rei Degolado nas Caatingas do Sertão Ao Sol da Onça Caetana de Ariano Suassuna pela José Olympio (1977)
>>> Grundrisse Manuscritos econômicos de 1857-1858 - esboços da crítica da economia política de Karl Marx pela Boitempo (2011)
>>> Great Expectations de Charles Dickens pela BBC Books (2011)
>>> 1808 de Laurentino gomes pela Planeta (2007)
>>> Coisas da Casa de Zélia Maria Guerra Simões pela Karmim (1990)
>>> A Marca De Uma Lágrima de Pero Bandeira pela Moderna (1994)
>>> Teoria Z Como as Empresas podem enfrentar o desafio Japonês de William Ouchi pela Fundo Educativo Brasileiro (1982)
>>> Hesse Obstinação de Hermann Hesse pela Record (1971)
>>> Bilionários Por Acaso de Ben Mezrich pela Intríseca (2009)
>>> Melhores Filhos Melhores Pais de Pe. Zezinho, scj pela Universo dos Livros (2012)
>>> O Amor Humilde de Pe. Zezinho, scj pela Paulinas (2003)
>>> Pais e filhos Companheiros de viagem de Roberto Shinyashiki pela Gente (1992)
>>> Reiniciados de Teri Terry pela Farol literário (2019)
>>> A Era do Capital de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2002)
>>> A Era das Revoluções de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2001)
>>> Medo, Reverência, Terror - Quatro ensaios de iconografia política de Carlo Ginzburg pela Companhia das letras (2014)
>>> Cinema de Garganta de Ericson Pires pela Azougue (2002)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2006)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1991)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1995)
>>> Lógica da Lógica de Paulo Roberto Melo Volker (org.) pela Fafich/ Fumec (1983)
>>> Diccionario de Psicología (Encadernado) de Howard C. Warren (Compilador) pela Fondo de Cultura/ México (1991)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Os Melhores contos de Natal de Charles Dickens-Jack London- Nathaniel Hawthorne- O. Henry pela Circulo do Livro/ SP. (1990)
>>> Sete Vozes Falam (Sem uso) de Catharose de Petri pela Rosa Cruz Áurea/ Sp. (1982)
COLUNAS

Segunda-feira, 27/10/2014
Do outro lado, por Mary del Priore
Ricardo de Mattos

+ de 3800 Acessos

"Para quem acredita, nenhuma palavra é necessária; para quem não acredita, nenhuma palavra é possível" (Inácio de Loyola).

"Se não dão ouvidos a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão convencer se alguém ressuscitar dentre os mortos" (Lucas, 16,31).

Há um mês deparamo-nos com os exemplares do livro Do outro lado - a história do sobrenatural e do espiritismo na livraria do terminal Tietê, em São Paulo. Foi escrito pela historiadora Mary del Priore, autora de livros outros como Uma breve história do Brasil, Histórias íntimas e Histórias e conversas de mulher. Seu mais recente livro vem somar-se àqueles trabalhos sobre espiritismo e espiritualismo realizados por pessoas de fora destes movimentos, mas que com eles tiveram contato mais ou menos estreito. Nesta esteira, citamos a biografia de Allan Kardec escrita por Souto Maior e o ensaio do filósofo inglês John Gray Em busca da imortalidade.

É bom que o assunto faça parte da pauta contemporânea. Do outro lado resgata o entusiasmo e os percalços sofridos pelos introdutores do espiritismo no Brasil, traz informações sobre a campanha médica anti-espírita e sobre a criminalização do que se chamava a "prática espírita". Revela a postura dos primeiros defensores da doutrina kardecista e a repercussão na sociedade e na literatura. Por outro lado, padece de inconsistências que restringirão a leitura da obra justamente entre o público mais interessado. Sabemos que uma é a atitude do eterno aprendiz que aprofunda seu conhecimento camada após camada. Outra é a atitude do observador de outra área que cuida do fenômeno de maneira mais ampla e isenta, mas descuida dos detalhes.

Consultamos a bibliografia fornecida e não atinamos qual tradução das obras de Allan Kardec foi utilizada pela autora. Não há notícia de que ela tenha consultado os originais. As demais referências, contudo, seguem as regras da ABNT. Diante disto, não temos como saber si o exótico neologismo "espiritano" foi assim por ela traduzido do original, ou assim colhido de alguma tradução lusa ou brasileira, ou si ela contentou-se com o que possa ter encontrado na internet. Allan Kardec deixou duas opções na introdução do Livro dos Espíritos: espírita e espiritista. Na mesma linha, a expressão "espíritos extraterrestres" afasta-nos do espiritismo e remete-nos à ufologia.

Não são observações de um fanático em relação ao melhor emprego de um termo ou escolha de melhor definição. São inconsistências de informações encontradas por um leitor que busca ser atento. O livro parece um projeto mais antigo, entregue à impressão sem maior revisão. Na página 59, a autora refere-se à desencarnação de Kardec como ocorrida há 120 anos. Dando-se o fato em maio de 1869, este ano ele completou seu 145º aniversário... Além disso, ao contrário do que afirmado na mesma página, o corpo de Kardec não foi incinerado (sic). Quando algum de seus contemporâneos (Flammarion? Sausse?) refere-se ao depósito de suas cinzas sob o dólmen erigido em estilo druida, fá-lo no sentido figurado, não no literal. Por fim, a expressão "Terceira Revelação" - situando o Espiritismo após as revelações feitas por Moisés e por Jesus Cristo - já era encontrada nas obras da Codificação, especialmente O Evangelho Segundo o Espiritismo. Não foi inventada por Adolfo Bezerra de Menezes, portanto.

Na Codificação organizada por Kardec, é relevante distinguir o que é revelado e o que é de seu punho. O revelado, foi-o conforme as já amplas possibilidades de compreensão da época. Quanto ao oriundo de seu punho, inevitáveis as influências do pensamento científico e filosófico então vigentes. Cremos até ser possível encontrar vestígios de insegurança e de pasmo diante do novo, que o torna mais admirável em sua humanidade. Ao rejeitar a dicotomia entre "natural" e "sobrenatural", a nova doutrina ecoava o melancólico Hamlet, quem compreendeu haver entre o Céu e a Terra muito mais do que concebe nossa vã filosofia. Tudo está na Natureza, e a descoberta de suas leis mais evidentes não autoriza a indução do que ainda será descoberto. Kardec recomendou o constante paralelo entre Fé e Razão. Isto se justifica quando pensamos no espiritismo como doutrina de uma humanidade incorpórea transmitindo a uma humanidade corpórea a visão da realidade maior. Esta visão, apesar de mais ampla, ainda é a visão de seres humanos. Logo, parcial e sujeita a equívocos. De toda forma, porém, "espiritismo" e "sobrenatural" são termos excludentes. Ao uni-los no título de seu livro, a autora acaba retratando a confusão conceitual ainda vigente.

Apesar de parcial e susceptível a equívocos, quanto não pode trazer de alento à humanidade contemporânea, desorientada e carente! Há perguntas e anseios eternos que não se restringem ao grupo de pessoas ditas de alguma forma ligadas ao Codificador. Como não temer a morte? Como lidar com a perda de pessoas amadas? Quem não amou o suficiente para não querer de volta aquele que se antecipou nas veredas menos conhecidas da existência? Qual o fundo dos espetáculos narrados por Mary del Priore senão a angústia da perda, a tentativa de resgatar o contato com os entes que se foram e a procura de realidade onde o sofrimento não seja tão marcante? A ciência e a filosofia deste século confuso parecem querer consolidar cada vez mais os "nadas": nada antes e nada depois da vida biológica. Contudo, ainda que estes "nadas" pareçam satisfazer os bem-pensantes mais tímidos, não resolvem a angústia da multidão.


Mary del Priore

No que diz respeito à literatura brasileira do século XIX e começo do século XX, Do outro lado apresenta o posicionamento de alguns escritores diante do espiritismo e do que era entendido como "sobrenatural". No poema Os escravos, de Castro Alves, é possível encontrar indícios de ideias espíritas. José de Alencar fez referência ao século dos espíritas em seu romance Guerra dos mascates. Machado de Assis exprimiu sua crítica ao movimento e seus adeptos em contos como A cartomante e Uma visita de Alcibíades, além do conhecido começo do romance Esaú e Jacó, narrando a discreta visita da mãe dos personagens a uma adivinha. Coelho Neto preferiu enveredar pelo gótico. O escritor João do Rio era frequente em centros e terreiros, transmitindo depois suas observações em crônicas. Embora o texto não seja de gênese literária, mas médica e hoje pertença à história da psiquiatria, podemos incluir O animismo fetichista, de Raimundo Nina Rodrigues.

Algumas personalidades são resgatadas e outras contextualizadas por Mary del Priore. Antes de seu livro, nada havíamos lido sobre o Barão de Santo Ângelo, cuja proposta abolicionista embasada nos princípios espíritas foi apresentada a Pedro II antes mesmo daquela de autoria de Bezerra de Meneses. Desconhecíamos também o ativo divulgador Silva Neto. Políticos como Bittencourt Sampaio, Quintino Bocaiúva e Saldanha da Gama são "encaixados" no plano histórico. Diante da campanha contrária movida por médicos, conhecemos Basílio Marcondes Machado, cuja tese para a faculdade de Medicina foi justamente a possibilidade de diálogo entre esta ciência e o espiritismo. Rejeitada. Não foi o primeiro diálogo que vimos rejeitado ultimamente.

A campanha movida pelos médicos foi ferrenha. Embasavam-se, é certo, em princípios de higiene e de saúde pública. Porém, não se creia em higidez de intenções, nem na exatidão de conceitos. Homeopatia, magnetismo, práticas religiosas de origem africana - aqui já resvalando no preconceito racial: a doutrina dos espíritos tornou-se um saco dentro do qual tentaram enfiar todo o rejeitado pela sociedade, tudo o que contrariava as pretensões do Estado nascente e da Igreja dominante. As práticas mediúnicas também foram acusadas de aumentar o número de "loucos". Hoje temos "loucura" como um conceito cultural, não apropriado às ciências psíquicas devido à sua vagueza. Em psicopatologia, fala-se em neurose, psicose, psicopatia. No século XIX, no Brasil e no mundo, doenças mentais, síndromes e transtornos estavam ainda por serem descritos e estudados. Todos poderiam ser considerados loucos, conforme a perspectiva que se adotasse. Daí a excelência do conto O alienista, de Machado de Assis.

De qualquer forma, podemos verificar na atualidade uma tímida reconciliação. A Universidade local, seguindo alguns poucos modelos no país, que por sua vez embasam-se em diversas instituições estrangeiras, promove anualmente um simpósio sobre Medicina e Espiritualidade. O psiquiatra Alexander Moreira-Almeida é um nome sério no meio acadêmico-científico, responsável pela promoção e realização de estudos. Suspeitamos até que alguns médicos, outrora perseguidores do espiritismo, hoje tentam dele assenhorear-se.

Os brasileiros adeptos do espiritismo no século XIX foram entusiasmados mas imaturos. Em vez de estudar os fenômenos que se apresentavam como espíritas, posicionando-se como antropólogos diante das diversas culturas e assim seguindo o exemplo do próprio Kardec, fizeram campanha contra os chamados feiticeiros e curandeiros, equiparando médiuns sérios e os oportunistas de sempre. Causaram suas próprias dificuldades. Pareciam acenar aos poderosos de então: "ei, vejam, nós também não gostamos deles! Eles não são espíritas, pode prender!". Em linguagem popular, esta atitude foi "um tiro no pé", pois o primeiro Código Penal republicano não fez distinção alguma e a todos reuniu sob a mesma lei. Em seu artigo 157, dispunha ser crime: "Praticar o Espiritismo, a magia e seus sortilégios, usar de talismãs e cartomancias para despertar sentimentos de ódio ou amor, inculcar cura de moléstias curáveis ou incuráveis, enfim para fascinar e subjugar a credulidade pública". Poucas vezes o ser humano é mais lamentável do que quando se esforça em ser aceito num grupo.

A postura dos espíritas foi movimentar-se para nada resolver. Estavam mais preocupados com suas divergências internas a respeito de interpretações e defesa da "pureza doutrinária". Tentativas de unificação de pensamento reiteravam o malogro. Dissidências, chacrinhas, "panelas" e outras "divisões do reino" é que vão minando o trabalho sério e a paciência. Embora o Espiritismo tenha sido estabelecido como doutrina de base científica, filosófica e moral (desculpa, leitor, por usar esta palavra maldita nos dias de hoje), uma primeira cisão ocorreu quando grupos de pessoas privilegiaram estas bases isoladamente. Os primeiros a debandar foram os místicos ou religiosos. Predominaram a ponto de influenciar a visão social da doutrina, "convertendo-a" em religião e posicionando-a ao lado das demais instituições religiosas. No Brasil atual, falar em Espiritismo é falar em instituição religiosa. Diante de certas figuras, vislumbramos um catolicismo reencarnacionista de autoajuda. Justamente o que Kardec queria evitar. Pode parecer quixotesco de nossa parte a retomada do aspecto científico. Entretanto, sabemos onde o calo aperta.

Queríamos apenas que outras pessoas pudessem passar por experiências análogas a tantas que já passamos, seguras de que não estão sendo debochadas ou enganadas. E que estas experiências pudessem ter para suas vidas o mesmo valor que tiveram para a nossa. Como no dia que comparecemos pela primeira vez ao trabalho mediúnico de um centro espírita daqui de Taubaté. Posicionados diante do médium "incorporado" de um espírito que se apresentava como preto-velho, resmungamos a respeito de certas dificuldades do momento, inclusive algo sobre o comportamento do pai - mais conhecido no meio familiar como Pimpolho. O espírito consolou-nos a respeito do conteúdo de nossa fala e, sobre o Pimpolho, afirmou: "quanto a vosso pai, você vai ter uns dias de refresco; ele até já está de passagem comprada, não é?". Pessoa alguma naquela casa, salvo a companheira de nossos dias, sabia que naquela semana o pai faria uma viagem turística para a Turquia. Mais que um artifício, esta fala foi uma assinatura garantindo a seriedade do diálogo mantido naquele momento.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 27/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
03. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
04. O anoitecer da flor-da-lua de Elisa Andrade Buzzo
05. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Lares & Lugares - 18/8/2014
02. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
03. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior - 6/1/2014
04. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
05. Do outro lado, por Mary del Priore - 27/10/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA GÉNESIS DE LOS DEPORTES (4979)
JEAN LE FLOCHMOAN
LABOR
R$ 16,00



DEMONIOS FAMILIARES A REALIDADE DO MUNDO ESPIRITUAL E AS ARMAS PARA A
S V MILTON
AD SANTOS
R$ 18,90



VESTIDO EM CHAMAS
OCIMAR VERSOLATO
ALEPH
(2018)
R$ 20,00



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
L&PM
(2014)
R$ 15,00



WISH CASA MAIO
LUCIANO RIBEIRO (EDITORIAL)
WISH CASA
(2013)
R$ 8,00



PLANTAS MEDICINAIS
FRANÇÕIS BALMÉ
HEMUS
(1978)
R$ 35,00



DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS NA ENFERMAGEM 2005/2006
OBRA COLETIVA (4489)
EPUB
(2004)
R$ 20,00



BIOLOGIA 2
ARMÊNIO UZUNIAN E ERNESTO BIRNER
HARBRA
(2002)
R$ 8,00



JUDY MOODY SALVA O MUNDO!
MEGAN MACDONALD
SALAMANDRA
(2005)
R$ 15,00



MAR TERRITORIAL
CELSO DE ALBUQUERQUE MELLO
LIVRARIA FREITAS BASTOS
(1965)
R$ 19,28





busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês