Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rumo certo
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
Mais Recentes
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
>>> Arte e Anarquismo de Pierre Ferrua/Michel Ragon/Gaetano Manfredonia/Dominique Berthet/C. Valenti pela Imaginário (2001)
>>> A propriedade é um roubo e outros escritos anarquistas (Filosofia) de Pierre-Joseph Proudhon pela L&pm (2008)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 3 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 2 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Gramática do Texto – Texto da Gramática de Samira Yousseff Campedelli & Jésus Barbosa Souza pela Saraiva (2001)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 1 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Matemática volume único ensino médio de Gelson Iezzi, Osvaldo Dolce e David Degenszajn pela Atual (2011)
>>> As Ilhas da Corrente de Ernest Hemingway pela Nova Fronteira (1970)
>>> Aprender e Praticar Gramática – Edição Renovada de Mauro Ferreira pela Ftd (2007)
>>> Poesia Sobre Poesia - Com Dedicatória de Affonso Romano de Santanna pela Imago (1975)
>>> A Agonia do Grande Planeta Terra de Hal Lindsey e C. C. Carlson pela Mundo Cristão (1973)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Record (1980)
>>> The Golden Tarot de Liz Dean pela Cico Books (2008)
>>> O Universo Numa Casca De Noz de Stephen Hawking pela Mandarim (2002)
>>> Novíssima Gramática Ilustrada Sacconi de Luiz Antonio Sacconi pela Nova Geração (2008)
>>> O Que Fiz para Merecer Isto? a Incompreensível Justiça de Deus de Anselm Grün pela Vozes (2007)
>>> Gramática - Português Fundamental de Douglas Tufano pela Moderna (2001)
>>> Antonio Lizárraga - Quadrados em Quadrados de Maria José Spiteri pela Edusp (2004)
>>> E se? de Randall Munroe pela Companhia das letras (2014)
>>> A outra vida de Susanne Winnacker pela Novo Conceito (2013)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> A garota que você deixou para trás de Jojo Moyes pela Intrínseca (2014)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Hellsing - Volume - 1 EAN: 9788545700319 de Kohta Hirano pela Jbc (2015)
>>> Tentação sem limites de Babi Glines pela Arqueiro (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 11/11/2008
Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 8700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Arthur Bispo do Rosário dirigia-se a Altamiro, guarda do hospício Colônia Juliano Moreira, e dizia: "Me prende porque eu estou me transformando".

― Em que? Perguntava Altamiro.
― Em Rei. Me prende que eu vou entrar em guerra. Eu sou o Rei dos Reis.

Preso dentro de um cubículo, onde se refugiava das torturas psiquiátricas, dos remédios e dos choques elétricos, trancafiado a cadeado durante meses, passando fome (jejuns que se impunha ― "vou secar para virar santo", dizia) e absorvido por suas alucinações, Bispo hibernava tomado por uma estranha obsessão: reger a reconstrução do mundo. Isso de dentro de um minúsculo quarto de hospício onde mal conseguia mover seu esquelético corpo e sua alma atormentada.

Era nesse momento que sua arte começava a aparecer, fazendo uso, por exemplo, de fios de sua própria roupa de prisioneiro manicomial, que desfiava para tecer aquilo que se transformaria na mais importante experiência artística do século XX e, conseqüentemente, vedete na Bienal de Veneza, na Itália, sendo requisitado ainda para exposições no Centro Geoges Pompidou, de Paris e no Whitney Museum, de Nova York.

A sucata da Colônia Juliano Moreira, organizada pelas mãos de um homem internado por cinqüenta anos num hospício do subúrbio carioca, representaria na Bienal de Veneza, na Itália, em 1995, o que há de mais significativo em termos de arte brasileira do século XX.

Arthur Bispo do Rosário nasceu em 1909, em Japaratuba (Sergipe), filho de negros católicos. Entrou para a Marinha brasileira aos 15 anos. Além de marinheiro foi lutador de boxe, empregado doméstico, vigia e biscateiro.

Aproximadamente aos 27 anos, em 1938, uma revoada de anjos lhe anunciaram que ele era um enviado de Deus, cuja missão era julgar os homens e recriar o mundo para o Dia do Juízo Final. Esse fato lhe custou um internamento que duraria 50 anos, sendo Bispo diagnosticado como esquizofrênico-paranóide. O resultado do internamento foi a produção de mais de 100 objetos (que nós, por falta de outro termo, chamamos de obras de arte).

O artista dizia-se possuído por "vozes sagradas" que lhe ordenavam a criação e ordenação do novo cosmos. O Rei criava o mundo a partir de sua mitologia particular.

Segundo a historiadora da arte Marta Dantas, no seu trabalho Arthur Bispo do Rosário: a estética do delírio, o imprescindível e mais sofisticado estudo já feito sobre Bispo do Rosário, "sua obra é de uma contemporaneidade incontestável: ela alude ao que há de mais radical e criativo em algumas das vanguardas da segunda metade do século XX".

Eu iria mais longe, dizendo que Bispo realiza de fato o que apenas foi desejo teórico das vanguardas. Nesse sentido, ele ultrapassa o projeto da vanguarda. O desejo de fusão entre arte e vida e a destruição absoluta da noção de realidade, cuja maternidade é o romantismo, e a idéia da arte como um espaço fora da linguagem coercitiva dos símbolos sociais e a idéia da arte como uma simbologia particular e única, encontra-se nos objetos criados por este prisioneiro do poder psiquiátrico-sádico-fascista brasileiro.

Como afirma Marta Dantas, a experiência artística de Bispo é a "experiência limite da 'morte' do sujeito que se abre em direção ao ilimitado e cria a obra recriando a si mesmo".

A idéia proustiana de que toda vez que um artista nasce o mundo é recriado tem ressonância direta e peremptória nos objetos criados por Bispo do Rosário.

O "artista" recria sua mitologia particular dentro de uma instituição psiquiátrica que, além dele, aprisionou outras nobres figuras como o escritor carioca Lima Barreto, encontrado bêbado, falando sozinho e andando sem documento pelas ruas do Rio de Janeiro; também o músico Ernesto Nazareth, perturbado por uma surdez que não o permitia ouvir as próprias composições.

O lugar onde Bispo passou sua vida era uma instituição que tinha como projeto controlar e isolar da sociedade "os tarados e desvalidos de fortuna, do espírito ou do caráter, os ébrios, loucos ou menores retardados, ou delinqüentes e abandonados, assim como os indesejáveis inimigos da ordem e do bem público, alucinados pelo delírio vermelho e fanático das sanguinárias e perigosíssimas doutrinas anarquistas ou comunistas", segundo discurso de seu insano, desumano, racista e perigoso diretor Rodrigues Caldas.

A psiquiatria nazista foi importada por médicos brasileiros que pregavam, inclusive, a esterilização "dos pacientes, especialmente não brancos, dotados sabe-se lá de que diabólicas tendências psíquicas, supostamente lesivas a uma idealizada raça brasileira", conforme informa a biógrafa de Bispo do Rosário, Luciana Hidalgo. Esterilização cuja técnica simples consiste em ressecar um centímetro do cordão espermático, de cada lado, como ensinava o médico Juliano Moreira, cujo nome batizou a Colônia na qual Bispo esteve aprisionado.

O objeto mais espetacular de Bispo é o seu Manto de Apresentação, "espécie de mortalha sagrada que bordaria durante toda a vida para vestir no dia da apresentação, no Juízo Final, na data de sua passagem. Bordados neste manto estariam todos os nomes das pessoas que ele julgava merecedores de subir, de carona, rumo ao além." No além, julgaria os vivos e os mortos e regeria seu próprio reino, Rei que era. Por isso, a idéia de reproduzir tudo o que existe, organizado segundo uma "lógica" particular, pois o que escapar ao Rei será exterminado no Juízo Final.

Seu universo particular, a invenção de objetos, era criado a partir de sucatas do hospício, objetos abandonados por pacientes que comiam com as mãos e desprezavam as colheres, congas velhas sem serventia, garrafas, plásticos, sabonetes, linhas, vidros de desodorantes, bolsas, Havaianas, pentes, fivelas, chapéus, bolas, panos, latas etc.

Qual a razão dessa necessidade de juntar objetos utilitários numa forma que as transforma em objetos com um novo sentido, agora, sim, inútil? Responder a esta pergunta é responder à pergunta sobre o que gera a necessidade do animal humano em fabricar mundos paralelos ao mundo "real" ou mundos mais reais para si que o mundo "real" que o cerca.

Bispo não produziu inúmeros objetos, miniaturas, assemblages e bordados como terapia ocupacional, mas como a única solução para se manter vivo, como diz Marta Dantas. Sua obra é o enfrentamento radical de uma consciência adversa à prisão a qual foi confinado pelos poderes que não conseguem conviver com os "sem razão".

Como Bispo resistiu ao inferno de sua internação? A resposta talvez seja a de que foi salvo pela arte, pelo exercício vital da invenção de um mundo para além do bem e do mal, de um lugar onde a independência total do Ser pôde ser exercida, como constata Marta Dantas, nos termos do filófoso Nietzsche: "Salva-o a arte, e pela arte salva-o para si... a vida".

Bispo sofreu nas seções de eletrochoque, que tinham como objetivo impossibilitar o interno de se irritar, pensar e sentir. Foi em razão dessa necessidade médico-terapêutica que o eletrochoque, invenção de Ugo Cerletti datada de 1938, chegou rapidamente ao Brasil. Após visitar um matadouro de porcos, cujo abate era precedido por choques elétricos que provocavam crises convulsivas nos animais, o italiano concluiu que também seria possível provocar, no homem, uma convulsão por corrente transcerebral sem matá-lo.

A solução encontrada por Bispo para se salvar dessa violência, segundo Marta Dantas, era se preservando, se isolando quando sentia o momento da "transformação" chegar e, nesse isolamento, entregando-se às suas invenções.

Bispo poderia ser considerado "louco" ou artista, o que no fundo é a mesma coisa, e sua própria definição poético-metafórica do louco serve para a do artista: "os loucos são como beija-flores: nunca pousam, ficam a dois metros do chão".

Bispo chegou a questionar o status da psiquiatria. Na avaliação de Marta Dantas, "ele não precisou ler Michel Foucault, Ronald Laing ou Nise da Silveira para emitir sua crítica sobre a psiquiatria. Empiricamente, ele descobriu que essa ciência (ao menos durante os quase 50 anos de sua internação) não estava preocupada com o bem-estar do paciente, tampouco com a sua cura, mas sim com a exclusão do diferente e com a fabricação, em série, de dementes orgânicos".

Se destruindo enquanto sujeito, como analisa Dantas, Bispo deixa a condição de objeto, para desvencilhar-se do mundo objetivado e acabar com a farsa tornando-se rival do manipulador de bonecos, o próprio Criador. Tornou-se ele também Deus, criador, inventor do seu próprio mundo, ordenador do caos à sua volta, regente máximo das potências da vida.

Segundo Marta Dantas, "de simples mortal, Bispo se transformou, na solidão de sua "caverna", num demiurgo, numa criatura intermediária entre a natureza divina e a humana; afinal, não é esse o significado de seu nome? Bispo é aquele que faz a ponte, o elo de ligação (sic) entre o mundo dos homens e o mundo celeste".

O interno de Juliano Moreira construiu um mundo próprio em oposição ao outro mundo, supostamente real, no qual o cabresto da razão é o próprio lugar do poder que historicamente construiu a civilização, dominou a natureza e num gesto suicida caminha numa nau sem rumo em direção a uma já aguardada catástrofe planetária.

Bispo recebeu uma vez, dentro do seu claustro, Altamira, o citado funcionário da Colônia Juliano Moreira, dizendo ao enfermeiro-carcereiro: "agora você vai beber do café feito pelo Rei".
Altamira... aceitou a bebida.

Os participantes da Bienal de Veneza, em 1995, também aceitaram o café, segundo Nelson Aguilar, curador da mostra brasileira em Veneza, que assistiu a sala de Arthur Bispo do Rosário se transformar num local de romaria, um oásis numa Bienal quase patética.

Bispo do Rosário reinava. Rei dos Reis.

Mas isso, talvez, não significasse nada para Arthur Bispo do Rosário. Seu reino não é deste mundo.

Como definiu Luciana Hidalgo: "Bispo, o soberano da criação era dono de um mundo lúdico à margem das trevas".

Este mundo, com certeza, não é o mundo das instituições artísticas, colocadas em questão por Duchamp e levadas à bancarrota por Arthur Bispo do Rosário.

Para ir além
Assitam ao delicado e emocionante documentário de Fernando Gabeira sobre Bispo do Rosário no YouTube:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva
02. Paixões e baratas de Elisa Andrade Buzzo
03. Por falar em outras línguas de Carla Ceres
04. Anotações de um amante das artes de Márwio Câmara
05. Meus melhores livros de 2009 de Rafael Rodrigues


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/11/2008
14h42min
Esse texto é desta semana? Nossa que coincidência, falamos dele ontem na aula. Estava à procura de matérias sobre cavernas e caí aqui. Lindo e informativo. Já estou divulgando.
[Leia outros Comentários de Ana Cranes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Viagem de Theo
Catherine Clément
Cia das Letras
(1998)
R$ 14,87



O Livro dos Espíritos
Allan Kardec
Ide
(2009)
R$ 12,00



O Povo das Águas : Ensaios de Etno-história Amazônica
Antônio Porro
Edua
(2017)
R$ 27,20



Parasitoses, Guia para o Seu Combate
José Luís da Silva Leitão
Litexa
R$ 21,00



Libras - Conhecimento Além dos Sinais
Maria Cristina da Cunha Pereira e Outros
Pearson/anhanguera
(2013)
R$ 14,00



Os governos militares 1969-1974 - história da república brasileira
Hélio Silva
Três
(1975)
R$ 5,00



Seis Mulheres na Madrugada, Romance
Modesto Navarro
Caminho
(1995)
R$ 44,66



Páginas Recolhidas
Machado de Assis
W M Jackson
(1950)
R$ 8,00



Portugal e a Europa, 15 X 15 um Olhar Sobre a Europa, Fotografia
Vários Autores
Instituto Camões
(2000)
R$ 18,00



Segurança Do Paciente
Fábio Luís Peterlini
Martinari
(2014)
R$ 10,00





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês