Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Falta alguma coisa ali no meio
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Terça-feira, 11/11/2008
Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Arthur Bispo do Rosário dirigia-se a Altamiro, guarda do hospício Colônia Juliano Moreira, e dizia: "Me prende porque eu estou me transformando".

― Em que? Perguntava Altamiro.
― Em Rei. Me prende que eu vou entrar em guerra. Eu sou o Rei dos Reis.

Preso dentro de um cubículo, onde se refugiava das torturas psiquiátricas, dos remédios e dos choques elétricos, trancafiado a cadeado durante meses, passando fome (jejuns que se impunha ― "vou secar para virar santo", dizia) e absorvido por suas alucinações, Bispo hibernava tomado por uma estranha obsessão: reger a reconstrução do mundo. Isso de dentro de um minúsculo quarto de hospício onde mal conseguia mover seu esquelético corpo e sua alma atormentada.

Era nesse momento que sua arte começava a aparecer, fazendo uso, por exemplo, de fios de sua própria roupa de prisioneiro manicomial, que desfiava para tecer aquilo que se transformaria na mais importante experiência artística do século XX e, conseqüentemente, vedete na Bienal de Veneza, na Itália, sendo requisitado ainda para exposições no Centro Geoges Pompidou, de Paris e no Whitney Museum, de Nova York.

A sucata da Colônia Juliano Moreira, organizada pelas mãos de um homem internado por cinqüenta anos num hospício do subúrbio carioca, representaria na Bienal de Veneza, na Itália, em 1995, o que há de mais significativo em termos de arte brasileira do século XX.

Arthur Bispo do Rosário nasceu em 1909, em Japaratuba (Sergipe), filho de negros católicos. Entrou para a Marinha brasileira aos 15 anos. Além de marinheiro foi lutador de boxe, empregado doméstico, vigia e biscateiro.

Aproximadamente aos 27 anos, em 1938, uma revoada de anjos lhe anunciaram que ele era um enviado de Deus, cuja missão era julgar os homens e recriar o mundo para o Dia do Juízo Final. Esse fato lhe custou um internamento que duraria 50 anos, sendo Bispo diagnosticado como esquizofrênico-paranóide. O resultado do internamento foi a produção de mais de 100 objetos (que nós, por falta de outro termo, chamamos de obras de arte).

O artista dizia-se possuído por "vozes sagradas" que lhe ordenavam a criação e ordenação do novo cosmos. O Rei criava o mundo a partir de sua mitologia particular.

Segundo a historiadora da arte Marta Dantas, no seu trabalho Arthur Bispo do Rosário: a estética do delírio, o imprescindível e mais sofisticado estudo já feito sobre Bispo do Rosário, "sua obra é de uma contemporaneidade incontestável: ela alude ao que há de mais radical e criativo em algumas das vanguardas da segunda metade do século XX".

Eu iria mais longe, dizendo que Bispo realiza de fato o que apenas foi desejo teórico das vanguardas. Nesse sentido, ele ultrapassa o projeto da vanguarda. O desejo de fusão entre arte e vida e a destruição absoluta da noção de realidade, cuja maternidade é o romantismo, e a idéia da arte como um espaço fora da linguagem coercitiva dos símbolos sociais e a idéia da arte como uma simbologia particular e única, encontra-se nos objetos criados por este prisioneiro do poder psiquiátrico-sádico-fascista brasileiro.

Como afirma Marta Dantas, a experiência artística de Bispo é a "experiência limite da 'morte' do sujeito que se abre em direção ao ilimitado e cria a obra recriando a si mesmo".

A idéia proustiana de que toda vez que um artista nasce o mundo é recriado tem ressonância direta e peremptória nos objetos criados por Bispo do Rosário.

O "artista" recria sua mitologia particular dentro de uma instituição psiquiátrica que, além dele, aprisionou outras nobres figuras como o escritor carioca Lima Barreto, encontrado bêbado, falando sozinho e andando sem documento pelas ruas do Rio de Janeiro; também o músico Ernesto Nazareth, perturbado por uma surdez que não o permitia ouvir as próprias composições.

O lugar onde Bispo passou sua vida era uma instituição que tinha como projeto controlar e isolar da sociedade "os tarados e desvalidos de fortuna, do espírito ou do caráter, os ébrios, loucos ou menores retardados, ou delinqüentes e abandonados, assim como os indesejáveis inimigos da ordem e do bem público, alucinados pelo delírio vermelho e fanático das sanguinárias e perigosíssimas doutrinas anarquistas ou comunistas", segundo discurso de seu insano, desumano, racista e perigoso diretor Rodrigues Caldas.

A psiquiatria nazista foi importada por médicos brasileiros que pregavam, inclusive, a esterilização "dos pacientes, especialmente não brancos, dotados sabe-se lá de que diabólicas tendências psíquicas, supostamente lesivas a uma idealizada raça brasileira", conforme informa a biógrafa de Bispo do Rosário, Luciana Hidalgo. Esterilização cuja técnica simples consiste em ressecar um centímetro do cordão espermático, de cada lado, como ensinava o médico Juliano Moreira, cujo nome batizou a Colônia na qual Bispo esteve aprisionado.

O objeto mais espetacular de Bispo é o seu Manto de Apresentação, "espécie de mortalha sagrada que bordaria durante toda a vida para vestir no dia da apresentação, no Juízo Final, na data de sua passagem. Bordados neste manto estariam todos os nomes das pessoas que ele julgava merecedores de subir, de carona, rumo ao além." No além, julgaria os vivos e os mortos e regeria seu próprio reino, Rei que era. Por isso, a idéia de reproduzir tudo o que existe, organizado segundo uma "lógica" particular, pois o que escapar ao Rei será exterminado no Juízo Final.

Seu universo particular, a invenção de objetos, era criado a partir de sucatas do hospício, objetos abandonados por pacientes que comiam com as mãos e desprezavam as colheres, congas velhas sem serventia, garrafas, plásticos, sabonetes, linhas, vidros de desodorantes, bolsas, Havaianas, pentes, fivelas, chapéus, bolas, panos, latas etc.

Qual a razão dessa necessidade de juntar objetos utilitários numa forma que as transforma em objetos com um novo sentido, agora, sim, inútil? Responder a esta pergunta é responder à pergunta sobre o que gera a necessidade do animal humano em fabricar mundos paralelos ao mundo "real" ou mundos mais reais para si que o mundo "real" que o cerca.

Bispo não produziu inúmeros objetos, miniaturas, assemblages e bordados como terapia ocupacional, mas como a única solução para se manter vivo, como diz Marta Dantas. Sua obra é o enfrentamento radical de uma consciência adversa à prisão a qual foi confinado pelos poderes que não conseguem conviver com os "sem razão".

Como Bispo resistiu ao inferno de sua internação? A resposta talvez seja a de que foi salvo pela arte, pelo exercício vital da invenção de um mundo para além do bem e do mal, de um lugar onde a independência total do Ser pôde ser exercida, como constata Marta Dantas, nos termos do filófoso Nietzsche: "Salva-o a arte, e pela arte salva-o para si... a vida".

Bispo sofreu nas seções de eletrochoque, que tinham como objetivo impossibilitar o interno de se irritar, pensar e sentir. Foi em razão dessa necessidade médico-terapêutica que o eletrochoque, invenção de Ugo Cerletti datada de 1938, chegou rapidamente ao Brasil. Após visitar um matadouro de porcos, cujo abate era precedido por choques elétricos que provocavam crises convulsivas nos animais, o italiano concluiu que também seria possível provocar, no homem, uma convulsão por corrente transcerebral sem matá-lo.

A solução encontrada por Bispo para se salvar dessa violência, segundo Marta Dantas, era se preservando, se isolando quando sentia o momento da "transformação" chegar e, nesse isolamento, entregando-se às suas invenções.

Bispo poderia ser considerado "louco" ou artista, o que no fundo é a mesma coisa, e sua própria definição poético-metafórica do louco serve para a do artista: "os loucos são como beija-flores: nunca pousam, ficam a dois metros do chão".

Bispo chegou a questionar o status da psiquiatria. Na avaliação de Marta Dantas, "ele não precisou ler Michel Foucault, Ronald Laing ou Nise da Silveira para emitir sua crítica sobre a psiquiatria. Empiricamente, ele descobriu que essa ciência (ao menos durante os quase 50 anos de sua internação) não estava preocupada com o bem-estar do paciente, tampouco com a sua cura, mas sim com a exclusão do diferente e com a fabricação, em série, de dementes orgânicos".

Se destruindo enquanto sujeito, como analisa Dantas, Bispo deixa a condição de objeto, para desvencilhar-se do mundo objetivado e acabar com a farsa tornando-se rival do manipulador de bonecos, o próprio Criador. Tornou-se ele também Deus, criador, inventor do seu próprio mundo, ordenador do caos à sua volta, regente máximo das potências da vida.

Segundo Marta Dantas, "de simples mortal, Bispo se transformou, na solidão de sua "caverna", num demiurgo, numa criatura intermediária entre a natureza divina e a humana; afinal, não é esse o significado de seu nome? Bispo é aquele que faz a ponte, o elo de ligação (sic) entre o mundo dos homens e o mundo celeste".

O interno de Juliano Moreira construiu um mundo próprio em oposição ao outro mundo, supostamente real, no qual o cabresto da razão é o próprio lugar do poder que historicamente construiu a civilização, dominou a natureza e num gesto suicida caminha numa nau sem rumo em direção a uma já aguardada catástrofe planetária.

Bispo recebeu uma vez, dentro do seu claustro, Altamira, o citado funcionário da Colônia Juliano Moreira, dizendo ao enfermeiro-carcereiro: "agora você vai beber do café feito pelo Rei".
Altamira... aceitou a bebida.

Os participantes da Bienal de Veneza, em 1995, também aceitaram o café, segundo Nelson Aguilar, curador da mostra brasileira em Veneza, que assistiu a sala de Arthur Bispo do Rosário se transformar num local de romaria, um oásis numa Bienal quase patética.

Bispo do Rosário reinava. Rei dos Reis.

Mas isso, talvez, não significasse nada para Arthur Bispo do Rosário. Seu reino não é deste mundo.

Como definiu Luciana Hidalgo: "Bispo, o soberano da criação era dono de um mundo lúdico à margem das trevas".

Este mundo, com certeza, não é o mundo das instituições artísticas, colocadas em questão por Duchamp e levadas à bancarrota por Arthur Bispo do Rosário.

Para ir além
Assitam ao delicado e emocionante documentário de Fernando Gabeira sobre Bispo do Rosário no YouTube:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/11/2008


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/11/2008
14h42min
Esse texto é desta semana? Nossa que coincidência, falamos dele ontem na aula. Estava à procura de matérias sobre cavernas e caí aqui. Lindo e informativo. Já estou divulgando.
[Leia outros Comentários de Ana Cranes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Martin, Filhote de águia
Terezinha Éboli
Agir
(1989)



Ausblick 2 Kursbuch
Anni Fischer Mitziviris
Hueber
(2009)



Espírito Santo, Brasil - Bilíngue
Luis Guilherme Santos Neves e Outros
Casa e Jardim
(1994)



La Mémoire de Lâme
Launier / Mcebius
Stardom
(2001)



Os Pensadores da Grécia - Tomo I - Filosofia Pré-socrática - 1ª Edição
Theodor Gomperz
Ícone
(2011)



Paula
Isabel Allende
Abdr
(1996)



Manual do Engenheiro Globo 2º Volume 1º Tomo
Bolivar Barros e Outros
Globo
(1977)



Dicionário Espanhol Português
A. Tenório Dalbuquerque
Itatiaia



Vivendo Em Meio a Milagres
Steve Hill
Central Gospel
(2008)



São Paulo Em Vinte Artistas
Alberto Hiar Junior
Imprensa Oficial
(2010)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês