Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 4/10/2004
Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5400 Acessos

Redentor, estréia de Cláudio Torres na direção de longas, é um filme sobre a confiança na palavra e a corrupção que assola o Brasil. Uma metáfora desse país tão grandioso quanto injusto.

Explicar a sinopse do filme é algo complicado, pois Redentor não tem uma linha narrativa simples, pelo contrário, devido à sua agilidade de acontecimentos, fica quase impossível dizer em duas ou três linhas a história do filme. Mas, por cima, para início de conversa, podemos dizer que Redentor traz à tona a história de um jornalista, Célio Rocha (Pedro Cardoso), que, após ceder aos feitiços da corrupção, tem um encontro com Deus e recebe uma missão - converter o inescrupuloso construtor Otávio Sabóia (Miguel Falabella) a doar sua fortuna a todos aqueles que seu negócio prejudicou. Para tanto, devemos olhar com calma para o contexto.

Célio e Otávio eram amigos de infância e o pai deste tinha uma construtora. Por influência do mesmo, o pai de Célio compra um apartamento no Condomínio Paraíso, na Barra da Tijuca, um edifício ainda a construir, daqueles que se paga em anos e anos. Quando o prédio está pronto, faltando apenas a finalização de rebarbas, o negócio dos Sabóia quebra, os empregados param de receber e, conseqüentemente, de trabalhar. A família de Célio fica na espera de uma resolução da justiça, o que demora e eles acabam por morar de favor na casa de uma tia. Tudo piora quando o magnata da construção comete suicídio, o filho Otávio herda apenas dívidas, dívidas e o instinto trapaceiro do pai (vivido por José Wilker) e o Paraíso é invadido pelos moradores da favela ao lado. Acuado, Otávio chama Célio e lhe sugere um acordo para que ambos saíssem ganhando. Desviando um dinheiro escuso, num total de US$ 50 milhões, Célio ficaria com 10% e Otávio ficaria livre das acusações. O plano, claro, dá errado, o pai de Célio morre e tudo parece perdido para ele. Eis quando surge diante de Célio no horizonte do desértico cerrado brasileiro, num monte digno de Moisés, o Cristo Redentor. A aparição do Todo-poderoso a ele tem um intuito claro - fazer justiça com o dinheiro desviado. Contar mais estragaria a surpresa, mas não é mal avisar que uma nova via sacra espera por Célio. É nesse momento que o filme ganha uma energia pouco vista em um filme brasileiro recente.

Dentro de tanta coisa acontecendo numa narrativa simples que é o cinema, fica a pergunta: o que quis o diretor com esse filme? Qual o tema e lição que ele quer passar? Começar por isso não é o mais adequado numa avaliação de um filme, mas serve para nortear nosso pensamento e argumentação. Fica claro que há a tentativa de mostrar um país dilacerado pela injustiça social e como essa mazela afeta a relação de todos. A questão colocada no primeiro parágrafo deste texto - sobre ser um filme que fala de confiança - está presente em todas as ações dos personagens, seja do jornalista, do construtor mau caráter e seu americano banqueiro boliviano, dos moradores da favela e até da mãe de Célio, que não hesita em assinar um atestado de óbito do filho para botar a mão em US$ 5 milhões. A verdade que salta de Redentor é um país de absurdos, uma terra em que o consumismo e a materialidade tomaram conta de todos e o cada um querendo resguardar o seu é lei. Daí a importância da aparição de Deus a Célio. Este será o contraponto imediato a essa materialidade excessiva que dominou a todos. Mas, ao mesmo tempo, numa época de descrença geral, crer que Célio falou com Deus e tem uma missão - um novo Messias - é um ato de insanidade ou desespero.

Convertido e ciente de ser um missionário de Deus, Célio é preso e passa a conviver com dezenas de presos num cubículo rodeado de grades. Numa das cenas mais bonitas de Redentor, um preso, Tísico (Mauro Mendonça) tem um ataque cardíaco e morre. Célio, irado, questiona Deus e o desafia a matá-lo. Eis quando o Cristo Redentor, de seu pedestal no Morro do Corcovado, envia um raio bem em cima de Célio, que recebe a luz de Deus e opera o milagre da ressurreição. Tísico levanta-se e passa a segui-lo, assim como Tonelada e Meio-quilo. Fogem da prisão e vão resolver a pendenga com Otávio.

Possuído pela espiritualidade, Célio tem a missão de repartir com todos os que têm direito - empregados, credores do Condomínio Paraíso, ele mesmo - os US$ 50 milhões. Essa segunda parte do filme ganha um tom de épico bíblico em meio aos caos urbano e social do Rio de Janeiro, local onde todos os mundos se encontram próximos, uma grandiosidade de imagens e efeitos. Toda a ação parece levar a um único ponto - à cobertura do Paraíso em que todos teoricamente teriam sua fatia do bolo. Quase um Juízo Final, o julgamento de Cristo. Imbuído de sua missão, Célio não mais fraqueja até seu fim, já anunciado no início do filme (ele narra a história já morto, mais um narrador-personagem-defunto).

O absurdo das situações, a tendência a sempre piorar, tal qual uma bola de neve pequenina que desce uma encosta e chega lá embaixo imensa, eis o grande clímax de Redentor. Ao final, a grande dicotomia do filme - materialidade vs. espiritualidade, que poderíamos dizer também na forma de injustiça/desonestidade vs. justiça/honestidade, mostra que no Brasil, mesmo sendo o maior país católico do mundo, só mesmo um milagre para transformar as pessoas. No fundo, é a identidade do brasileiro, o famoso "jeitinho brasileiro", com a lei de Gérson, tirar vantagem e sair por cima, que está sendo questionada. A visão deturpada do próprio umbigo que faz com que não vejamos nossos semelhantes, seja nos faróis, nos morros ou na favela. A desigualdade social, a injustiça social - a grande tragédia nacional - que permanece invisível, mesmo sendo vizinha de cada um de nós (não à toa o condomínio se chama Paraíso e fica ao lado do inferno que é a favela). Essa cegueira coletiva que nos engessa e que endurece nossos corações, muito disso resultado do apego excessivo e fetiche ao dinheiro (como se vê até o final do filme).

Em termos formais, Redentor acertou ao escalar dois atores conhecidos pelo lado cômico - Pedro Cardoso e Miguel Falabella -, pois, apesar de fazerem personagens que vivem um drama, lembram sempre ao espectador que aquilo é uma grande piada real sobre o Brasil. As atuações afetadas, cheias de cacoetes de ambos, estão mais contidas, mas estão ali e ajudam a quebrar com a secura que seria se o filme se levasse a sério demais como crítica ao sistema. Ele é crítico na medida em que contextualiza e mostra o confronto de classes, o interesse sempre egocêntrico (que estamos mais acostumados a criticar em deputados e políticos em geral por legislarem não em nome de seus eleitores, mas para e por si próprios) existente em cada um de nós e, mesmo que num tom surrealista, na fé que carregamos em nossos corações. Quem ousaria não se comover com o sacrifício em prol de todos, a ressurreição e o amor incondicional de Cristo (esqueçam do filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo, pois, de tanta violência e crueldade, torna-se impossível qualquer possibilidade de comoção sincera e íntima)? Cláudio Torres soube comover com uma história que segue os passos da de Cristo. Em certa medida, ele atualizou para o Brasil a paixão de Cristo, que ganhou roupagem na figura de um jornalista dividido entre crer valer ser honesto numa terra em que a corrupção e a injustiça imperam. O resultado não poderia ser mais interessante e bem-vindo.



Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 4/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
03. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
04. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
05. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO BRASILEIRA
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 7,00



GOLDMINES PRICE GUIDE TO COLLECTIBLE JAZZ ALBUMS 1949-1969
NEAL UMPHRED
KRAUSE PUBLICATIONS
(1994)
R$ 130,00



DECIFRANDO O GENOMA
KEVIN DAVIES
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 75,00



O MUNDO CONHECIDO
EDWARD P. JONES
JOSÉ OLYMPIO
(2009)
R$ 63,00



TURISMO, HOTELARIA E LAZER - 4
BEATRIZ HELENA GELAS LAGE (ORG.)
NÚCLEO DE TURISMO USP
R$ 14,00



GUIA DE PRONTO SOCORRO
JOHNSON JOHNSON
JOHNSON JOHNSON
R$ 15,00



ALEISTER CROWLEY
CHRISTIAN BOUCHET
HUGIN
(2000)
R$ 139,00



COELHOS INSTALAÇÕES E ACESSÓRIOS
MÁRCIO INFANTE VIEIRA
NOBEL
(1973)
R$ 12,00



NOSSA VIDA NOS SONHOS
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1987)
R$ 15,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY- PETER LANDLESS
CASA PUBLICADORA
(2014)
R$ 9,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês