Mônica e Cebolinha na Pinacoteca do Estado | Marina Marcondes Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Restos, por Mário Araújo
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> O que é um livro?
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
Mais Recentes
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
>>> O texto Argumentativo
>>> Fernão Capelo Gaivota
>>> Tudo valeu a pena
>>> Tudo tem seu preço
>>> O poder dos quietos
>>> Despedindo-se da Terra
>>> Despertar para a vida
>>> É preciso Algo Mais
>>> Marcas da Vida
>>> Novamente Juntos
>>> Reviver por Amor
>>> Vivendo no Mundo dos Espíritos
>>> Estatística Indutiva: Teoria e Aplicação
>>> Macro e Micro Cosmos: Visão Filosófica do Taoísmo e Conceitos de Medicina Tradicional Chinesa
>>> Inside Out - Student's Book - Intermediate
>>> Inside Out - Workbook - Intermediate
>>> Le Français Est À La Mode
>>> A Cabana
>>> O vendedor de Sonhos e a Revolução dos Anônimos
>>> Marketing de Ação
>>> Na Moda
>>> Comunicação Organizacional - Gestão de Relações Públicas
>>> As mentiras que os homens contam
>>> Seja líder de si mesmo
>>> Superdicas para Falar bem em conversas e apresentações
>>> Manual de Umbanda para Chefes de Terreiros
>>> As Cartas do Caminho Sagrado - Sem as Cartas
>>> Saravá Seu Tranca Ruas
>>> Saravá Oxóce
>>> A Face Oculta da Mente - 25ª Edição
>>> As Fôrças Físicas da Mente - Tomo 2
>>> A Identidade Bourne
>>> A Missão 60 - Memórias de Um Pilôto de Guerra Brasileiro
>>> Problemas de Aprendizagem
>>> Eu Nas Entrelinhas - Extratos e Retratos de Minha Vida
>>> Os Mais Extraordinários Contos de Suspense
>>> Subsidios Para Uma Reformulação Política
>>> Pequenas Histórias, Grandes Lições - Volume 2
>>> Pequenas Histórias, Grandes Lições - Volume 1
>>> A Canção do Arrozal em Flor - Romance
>>> Tancredo Neves A Realidade e o Mito - Estudo de Sociologia Política
>>> Os Donos do Poder - Formação do Patronato Político Brasileiro - Vol. 1
>>> O Espelho Mágico - Um Fenômeno Social Chamado Corpo e Alma
>>> Ciência do Comportamento na Indústria - 1977
>>> Diálogo com a América Latina: Panorama de Uma Literatura...
COLUNAS

Terça-feira, 30/10/2001
Mônica e Cebolinha na Pinacoteca do Estado
Marina Marcondes Machado

+ de 5500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Tendo como pretexto, ou quem sabe até estímulo, a chamada "Semana da criança" e o "Dia da criança" (12 de outubro), a Pinacoteca do Estado de São Paulo, que podemos afirmar ser hoje uma das mais respeitadas salas de exposições da cidade e do estado, abriu espaço para uma exposição do desenhista Maurício de Sousa, dono do império dos quadrinhos brasileiros voltados ao público infantil: a "Turma da Mônica".

Como se não bastasse o espaço dado para o evento pela instituição Pinacoteca, pudemos observar a fácil cessão de outros espaços midiáticos: jornais, revistas, telejornais, programas de televisão -- incluindo até mesmo entrevista gravada por Alberto Dines no "Observatório da Imprensa" (versão para a televisão/TVE do site que se diz alternativo e independente das mídias "oficiais")! Como e porquê um veículo como o "Observatório..." foi conivente com o Império Maurício de Sousa, eu não sei. O que sei é que Maurício de Sousa teve, nesses dias, tratamento de alguém tão importante como... o Pelé? Uma "Preferência Nacional", enfim.

Voltando à exposição na Pinacoteca, esse evento ocorre, certamente, baseado nos princípios e dentro da onda das "Re-leituras", procedimento muito em voga entre os arte-educadores que trabalham com crianças e adolescentes. Moda importada dos Estados Unidos para o Brasil nos anos 80, não houve uma escolinha dita "construtivista" que não colocou os seus pequerruchos para "re-ler" Van Gogh e Picasso, consumindo também, é claro, os devidos "produtos" culturais da re-leitura: exposições voltadas para o público infanto-juvenil, publicações sobre a infância dos artistas, livros de arte já bem mastigados de modo que ninguém dissesse mais que é "difícil" compreender arte e fazer arte.

A releitura como metodologia nas aulas de artes, para quem não sabe ou não tem familiaridade com a coisa, consiste, basicamente, em ter contato, principalmente pelo dizer do professor, com a obra de um artista renomado, por meio das imagens (livros, slides, reproduções ou visita a uma exposição) e fatos de sua vida, para, em seguida, "fazer do seu jeito" -- as pessoas passam a receber o material certo (se vão reler um aquarelista, recebem tintas aquarela; um pintor, telas e tintas; um escultor, argila, e assim por diante) e desenham, pintam ou esculpem à la Fulano ou Sicrano para, depois, afixar suas obras-de-releitura nos murais, para serem apreciadas. Algo que faz o deleite dos adultos: "Oh! Como Joãzinho está culto!"

Isso foi exatamente o que Maurício de Sousa e seus "studios" (pois, quem duvidaria de que ele é o Walt Disney brasileiro? Cada país tem o Walt Disney que merece...) fizeram com a Mônica pintada em tela, no papel de Mona Lisa, e Cebolinha esculpido em bronze (!) tal qual o Pensador de Rodin, dentre outras belezuras. Em entrevista concedida à televisão, Maurício de Souza fez questão de dizer que os grandes painéis foram feitos "por ele mesmo" (!?).

Ao menos se pode fantasiar um fato novo: no final da temporada desta exposição, de tanto o Cebolinha bancar o pensador à la Rodin, quem sabe ele se torna uma personagem mais "intelessante" e "pala" de falar "elado"? E a Mônica? Caso encarne verdadeiramente o enigma da Mona Lisa, poderá ter um "insight" sobre a sexualidade feminina, de modo a parar de utilizar seu coelhinho como objeto fálico.

Se isso realmente acontecesse, isto é, se os personagens de Maurício de Sousa se transformassem com o tempo, porque estiveram em contato com os grandes mestres da pintura e da escultura, ou simplesmente porque saíram da mesmice, penso que as crianças teriam muito a ganhar: aprenderiam que as coisas mudam, e que, mesmo os mais tolinhos podem, através da arte, chegar lá. Mas certamente não é o que vai acontecer. Primeiramente porque o mote psico-lógico da "Turma da Mônica" é de encarnar estereótipos de fácil assimilação por qualquer bebezinho, que são: "o que não toma banho"; "o que fala errado"; "a comilona"; "a briguenta"; "o caipira" e assim por diante. Em segundo lugar, não haverá transformação porque, de fato, o que moveu essa exposição, além do pressuposto de que as crianças não são capazes de fruir arte verdadeira (não bebem leite puro, é preciso fazê-lo achocolatado) é o reaquecimento da economia brasileira -- pois, quem agregou valor (isto é, fez de algo objeto do desejo do consumidor, tornando o objeto a ser consumido mais e mais "atraente") a quê? Os quadros, as obras clássicas e a Pinacoteca ganharam ao serem "relidos" por Maurício de Sousa?, ou Maurício de Sousa e sua turma engordarão suas contas bancárias, ao lado dos seus parceiros que venderão mais fraldas, iogurtes, fitas crepe, maçãs, lancheiras, borrachas, bolachas, refrigerantes, vídeos, videogames, cuecas, calcinhas e gibis porque os personagens emblemáticos de seus produtos estiveram expostos na mais cobiçada sala de exibição brasileira das Artes Plásticas do país?


Marina Marcondes Machado
São Paulo, 30/10/2001


Mais Marina Marcondes Machado
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/10/2001
21h53min
Cara Marina. Não consigo enxergar o que tanto lhe incomodou na exposição da Pinacoteca. Quando fala da importância da casa e representatividade, concordo plenamente. Não conhecia o lugar e fiquei encantada. Na verdade, vi a exposiçao "de carona", indo visistar as obras de Rodin e achei ótimo. Não vejo oportunismo nenhum na "releitura" feita por Mauricio de Souza. E o Cebolinha como Pensador é muito simpático. Acho todas estas discussões sobre Mônica, utilização do coelinho como símbolo fálico e outras bobeiras mais soam como teorias tediosas que deveriam ficar restritas às discussões acadêmicas. E quanto ao espaço dado na mídia comentando o trabalho em exposição na Pinacoteca, não vejo igualmente problemas maiores. Se você foi até lá, percebeu que a maioria dos visitantes era formada por adulos, se divertindo com as releituras. Acho que te faltou um pouco de bom humor ao analisar a exposição.
[Leia outros Comentários de Sâmar Razzak]
31/10/2001
20h26min
Sâmar, talvez não haja falta de humor, mas antes, tipos de humor que não batem. Bem como não batem as noções do que é uma criança. Espero esclarecer a noção de infância que possuo ao longo de outras colunas e contribuições para este "Digestivo...". Até lá!
[Leia outros Comentários de Marina M. Machado]
4/11/2001
02h11min
Acredito que se devia haver sempre exposições de cartun em lugares de arte "séria " A mistura destes generos esclarece a liberdade e o valor da arte como um todo . A turma da monica é lider de mercado na área que atua e isso incomoda muita gente .Viva o cartun !!!
[Leia outros Comentários de Marcio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HERMANN Y DOROTEA - JOHANN W. GOETHE (LITERATURA ALEMÃ)
JOHANN W. GOETHE
ESPASA
(2000)
R$ 7,00



REGISTRANDO DESCOBERTAS - LÍNGUA PORTUGUESA 4ª SÉRIE
AMÁLIA ORCHIS E ANGELINA CHU E VERA SIMONCELLO
FTD
(2005)
R$ 28,00



RE-NASCER
DOMINIQUE LEVADOUX
ICOBÉ
(1987)
R$ 119,80
+ frete grátis



VIAGEM AO MUNDO DOS VINHOS
ED MOTTA
ABRIL
(2018)
R$ 30,00



ARTE RETÓRICA E ARTE POÉTICA
ARISTÓTELES
DIFEL
(1964)
R$ 38,00



BRÁS, BEXIGA E BARRA FUNDA - NOTÍCIAS DE SÃO PAULO
ALCÂNTARA MACHADO - APRESENTAÇÃO: FRANCISCO ACHCAR
CERAD/OBJETIVO
(1998)
R$ 6,00



A GÊNESE (OS MILAGRES E AS PREDIÇÕES SEGUNDO O ESPIRITISMO)
ALLAN KARDEC
LAKE
(2003)
R$ 12,00



TEATRO MEXICANO: RICARDO DÍAS MUÑOZ
RICARDO DÍAS MUÑOZ
EDITORIALES UNIDAS
(1966)
R$ 10,00



ÂNCORAS FLUTUANTES - PROSOEMAS
GABRIEL BICALHO
MARIANA - ALDRAVA LETRAS
(2011)
R$ 19,00



BAILEI NA CURVA
JÚLIO CONTE ET AL.
MERCADO ABERTO
(1994)
R$ 12,00





busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês