Quixotes de Bukowski | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
>>> Projeto Entrecruzados lança livro e videodança documental
>>> Inscrições Abertas || Residência Artística no Jardim Botânico de Brasília
>>> Gravação de videoclipe quase provoca prisão do irmão de Gabriel o Pensador
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> Entrevista a Ademir Pascale
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> O Direito à Estupidez
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Salinger: uma vida
>>> Pessach: entre o social e o existencial
>>> Entrevista com João Moreira Salles
>>> E a internet está, de novo, mudando o mundo... no Egito, na Líbia...
Mais Recentes
>>> Veja--1649--o silvio que voce nunca viu. de Editora abril pela Abril (2000)
>>> Veja--2219--voo af 447--panico na cabine. de Editora abril pela Abril (2011)
>>> Revista dos curiosos--3--tira-teima das copas. de Editora europa pela Europa
>>> Tadeu Chiarelli de A Fotografia e o Tempo, Prêmio Porto Seguro 2009 pela Matavelli (2009)
>>> Galileu--7--historia--por que israel nao tem paz. de Editora globo pela Globo (2006)
>>> As Mil e Uma Noites, Contos Árabes III Volume de Anônimo pela Vademecum
>>> Introdução à Antropologia Cultural de Mscha Titiev pela Fundação Calouste Gulbenkian (1969)
>>> Tempo Brasileiro 70 Em Torno de Freud de Joel Birman, Chaim Samuel Katz e outros pela Tempo Brasileiro (1982)
>>> Vivências de Hermann Hesse pela Record
>>> Vidas Paralelas (Rainhas do Romance 52) de Linda Lael Miller pela Harlequin (2011)
>>> Caminhos da Sedução (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 53) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> O Gosto Do Pecado - Coleção Harlequin Primeiros Sucessos. Número 37 de Diana Palmer pela Harlequin (2013)
>>> Desafio de uma Vida (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 49) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> Amor Eterno - Special 81 de Caroline Anderson pela Harlequin (2013)
>>> Negócios À Parte - Sabrina 1618 de Fern Michaels pela Nova Cultural (2010)
>>> Se houver amanhã - Julia 1354 de Suzanne McMinn pela Nova Cultural (2005)
>>> Um Novo Amor! - Sabrina 1617 de Jerri Corgiat pela Nova Cultural (2004)
>>> Sete anos de feitiço - Coleção Desejo Novo, N° 38 de Heidi Betts pela Harlequin (2006)
>>> Amor fora-da-lei - Série Mavericks - Os Indomáveis 06 de Pat Warren pela Harlequin (2008)
>>> Beijos & Desejos - Coleção Harlequin Desejo Clássicos. Número 5 de Charlene Sands pela Harlequin (2014)
>>> Paixão e Atração - Harlequin Paixão #151 de Lucy Monroe e Trish Morey pela Harlequin (2009)
>>> Uma Noite Inesquecível / Doce Proposta - Harlequin Desejo Livro 227 de Brenda Jackson pela Harlequin (2015)
>>> Paixão Total de Jackie Braun pela Harlequin Books (2009)
>>> A ilha dos deuses de Nora Roberts pela Harper Collins (2016)
>>> Bruxa da noite de Nora Roberts pela Arqueiro (2015)
>>> Um Amor Para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2005)
>>> Anjos à mesa de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Nunca diga adeus de Doug Magee pela Arqueiro (2012)
>>> O amor mora ao lado de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Melhor que chocolate: Uma história sobre amor, Paris e teimosia de Laura Florand pela Única (2015)
>>> O lago místico de Kristin Hannah pela Novo Conceito (2014)
>>> O Jeito que me Olha de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> Não Posso me Apaixonar de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Quero ser seu de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Um Olhar de Amor de Bella André pela Novo Conceito (2012)
>>> Perto de Você de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> A arte da ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> O Presente do Meu Grande Amor. Doze Histórias de Natal de Stephanie Perkins pela Intrínseca (2014)
>>> Para Sempre de Kim e Krickitt Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Perfeito Cavalheiro de Julia Quinn pela Arqueiro (2014)
>>> Felizes Para Sempre de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Bem Casados de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Mar de Rosas de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts pela Arqueiro (2013)
>>> Á Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Pode Beijar a Noiva de Patricia Calbot pela Essência (2012)
>>> Professional PHP4 Programming (Programmer to programmer) Importado de Deepak Thomas pela Wrox (2002)
>>> Um Lugar Para o Amor de Sherryl Woods pela Harper Collins (2016)
>>> Como ter uma vida normal sendo Louca de Camila Fremder e Jana Rosa pela Agir (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 29/4/2003
Quixotes de Bukowski
Rafael Lima

+ de 5100 Acessos

Dom Quixote, de Cervantes, é o romance maior da literatura espanhola e de fundamental importância para a compreensão da literatura e da era moderna. Colocando de maneira muito simples, o enredo trata das aventuras de um fidalgo que, após vasta leitura de romances medievais, se acredita ele mesmo um cavaleiro andante e sai peregrinando num raquítico cavalo, envergando um simulacro de armadura metálica aos pedaços, sob o nome de Dom Quixote. Em seus devaneios, Quixote enxerga gigantes em moinhos de vento, inimigos potenciais para os atos heróicos que visa perpetrar, enquanto é enganado, iludido e ludibriado pelos comuns em seu caminho.

Na escola, é usual ouvir-se a interpretação de que o Quixote seria uma crítica à era medieval, aos valores da Idade Média então caindo em decadência - um comentário sobre a chegada dos novos tempos. De fato, uma das características marcantes da época moderna é a adoção de temas vulgares pela arte, aqui ressaltando-se o caráter de retrato de seu tempo. Se os temas dignos de serem retratados na pintura, antes, - dignos inclusive por motivos financeiros, posto que a massificação dos meios de expressão só foi uma realidade a partir dos tempos modernos - eram deuses, santos, guerreiros, reis ou nobres, agora passariam a ocupar as telas pescadores, pequenos comerciantes, as dançarinas de cabaré pintadas por Toulouse-Lautrec.

A mudança de eixo temática dos tempos modernos foi profunda em todas as direções. Se as restrições técnicas e financeiras de antes já funcionavam como um filtro para os artistas, com o aumento das tiragens pela chegada da era Industrial, muitas normas caíram por terra. Leis e decretos regulamentando a moral e a "decência" nas letras, que impediram a chegada aos Estados Unidos da América de livros como O Amante de Lady Chatterley, Trópico de Câncer e Almoço Nu, caíram em cascata a partir do início dos anos 60. Se a quebra dos parâmetros do Antigo Regime - fim da distinção de uma nobreza, maior distributivismo dos meios de produção, espalhamento da renda - dera voz a certo tipo de escritor para falar das vulgaridades de seu dia a dia (do latim vulgus, comum), ainda haveria a inércia das idéias e das leis a se vencer até a divulgação universal. Nos EUA, essa inércia foi vencida através da Primeira Emenda, que garantia a liberdade de expressão, das brechas na definição legal puritana do que fosse "obsceno" e do crescimento de obras dotadas do que se convenciona chamar "valor social" - tal como o Complexo de Portnoy, de Philip Roth - ao longo das anos 60 e 70, até que não fizessem absolutamente mais sentido e qualquer coisa pudesse ser publicada e vendida em livros naquele país.

É nesse contexto que surge Charles Bukowski. Tipicamente porque é impensável um Bukowski - um baixo funcionário público dos correios, oriundo de classe média baixa, sem instrução superior - ser publicado nos tempos medievais. São temas de seus escritos a derrota (em oposição à glória do sonho americano), o tédio cotidiano, a falta de expectativas & perspectivas, o vazio da existência, a serem encenados por prostitutas velhas e feias, trabalhadores braçais, jogadores profissionais, delinqüentes e o tipo de gente que transita entre as brechas dos sistemas social, econômico e legal.

Bukowski está longe de ser o pior escritor de seu tempo, até conseguindo alguns momentos de lirismo notável em seus poemas, mas é sério concorrente a pior influência literária de todos os tempos. Só em termos de Brasil, já devemos estar na terceira ou quarta geração de jovens escritores que se diz "seguidora espiritual" do velho safado e ainda assim "malditos", constituindo-se numa espécie de tradição maldita, se é que isso é possível. E Bukowski é a principal referência, quando não única, apesar dos beatniks, dos expoentes da novíssima geração da literatura, a primeira que encontrou na internet uma meio para divulgação, como o foram a xerox e o mimeógrafo há dez, vinte anos atrás. Como disse em recente entrevista Alexandre Soares Silva, "Entre todos os escritores da literatura mundial, eles escolheram Bukowsky e John Fante como modelos. Acho que isso diz tudo. A história da literatura brasileira é a história de uma longa paixão pela sarjeta, e só Machado de Assis escapou disso."

Mesmo que se retire da questão a temática abordada - vale meleca, sangue e cocô - é completamente questionável a adoção de Bukowski como um modelo literário a ser seguido, ou, como colocou com muita graça Ruy Goiaba nesta analogia: "Pense na literatura universal como um grande supermercado. Você dentro de um Pão de Açúcar literário, com dinheiro para gastar em livros fresquinhos. Obviamente, a grana não dá para comprar o supermercado inteiro; contudo, ela é suficiente para encher seu carrinho. Você circularia várias vezes por entre as gôndolas, hesitaria na hora de decidir entre um autor e outro ('este Shakespeare está cheirando bem, aquele Byron parece meio rançoso'), mas se abasteceria. E voltaria ao supermercado dali a uma semana ou um mês, dependendo do apetite. Por que, então, certas pessoas vão sempre à mesma empoeirada prateleira dos vinhos Chapinha e escolhem uma garrafa de Bukowski ou John Fante? Isso não enche o carrinho, não mata a fome e, caso vocês não saibam, dá uma literocaganeira filhadaputa."

Um dos grandes motivos do sucesso literário de Bukowski pode ser atribuído ao realismo de suas narrativas. Ele chegou a declarar que mais de noventa por cento de toda sua ficção aconteceu mesmo em sua vida ou na de seus conhecidos, o que seria o tempero do molho. Assim, imediatamente generalizou-se o exemplo pessoal de sucesso dele - como se o único tipo de realismo que pudesse ser feito em literatura tivesse necessariamente que incluir prostitutas, mendigos, marginais, becos sórdidos, subúrbios sujos, enfim, o tipo de lugar por onde Bukowski costumava circular. Ao conhecer-se a vida miserável que ele levou, lendo-se sua biografia, não fica difícil inclusive nutrir um sentimento de compaixão para alguém tão massacrado pelas vicissitudes. Daí a elegê-lo como um modelo a ser seguido são outros quinhentos. Primeiro, porque o pessoal da nova geração, ao invés de querer levar uma vida dele, quer levar a vida literária dele (viver exclusivamente dos livros, escrever com desleixo pela forma, investir uma energia mínima na transformação de suas idéias em ficção, ser idolatrado por leitores apesar de tratá-los mal), perdendo assim o segredo de Polichinelo para o realismo de seu texto.

Para entender o segundo motivo é preciso voltar ao Dom Quixote. Como todo bom romancista, Cervantes construiu sua obra magna com complexidade de tal sorte que significados ocultos vão se revelando à medida em que se mergulha com maior dedicação e estudo na leitura. Julio de Lemos anotou que, apesar de desconhecer os motivos, sua intuição continuava a dizer "ser ele [Dom Quixote], no fundo, a única pessoa lúcida numa história onde os que o cercam são todos loucos. Talvez uma pista esteja na seguinte constatação: sabendo que é um personagem de romance, ele é o único que age como tal; os outros vivem as suas vidas mesquinhas na mais disparatada banalidade. Em outras palavras, haveria, aí, uma sábia inversão de perspectivas: o fidalgo Dom Quixote teria consciência de ser uma persona literária, e os outros, alienados, julgariam ser pessoas de carne e osso." Apesar de Quixote aparecer em todo o romance defendendo de maneira "muito esperançosa e aparentemente disparatada... os valores da nobreza e da honra", ninguém mais consegue compartilhar com o cavaleiro andante tanto sua visão quanto seus valores de nobreza.

Charles Bukowski é um Quixote às avessas: todos querem compartilhar seus valores - ou a falta deles - e, nesse afã, perdem noção da realidade como perdeu o guerreiro hispânico, passando a enxergar gigantes e dragões onde o que há são grandes escritores e alta literatura.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado na revista falaê!, de Augusto Sales. Rafael Lima atualmente assina o blog Na Cara do Gol.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 29/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
02. Como parecer culto de Marcelo Maroldi
03. Economistas de Alexandre Soares Silva


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Coisas nossas - 23/4/2002
05. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAVANA PARA UM MACACO DEFUNTO - ANTÔNIO GALVÃO NACLÉRIO NOVAES (TEATRO BRASILEIRO)
ANTÔNIO GALVÃO NACLÉRIO NOVAES
SNT/MEC
(1967)
R$ 25,00



UM CONTO DE BATMAN: LÂMINAS: MINI SÉRIE EM 3 EDIÇÕES
N/D
ABRIL JOVEM
(2017)
R$ 20,00



HITCH GIRL - EXPERT EM SEDUÇÃO
LA BARONNE
LUA DE PAPEL
(2011)
R$ 15,69



OS DESVALIDOS - 1ª EDIÇÃO
FRANCISCO J. C. DANTAS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1993)
R$ 15,00



MYSTERYUM CONIUNCTIONIS
C.G. JUNG
VOZES
(1990)
R$ 42,00



EDUCAÇÃO COMO EXERCÍCIO DO PODER
VITOR HENRIQUE PARO
CORTEZ
(2010)
R$ 20,00



ART A HISTORY OF PAINTING SCULPTURE ARCHITECTURE VOL 1
FREDERICK HARTT
PRENTICE HALL
(1976)
R$ 80,00



BIOLOGIA 2 - BIOLOGIA DOS ORGANISMOS - BOX COMPLETO 4 LIVROS
AMABIS; MARTHO
MODERNA
(2014)
R$ 40,00



LUNA CARA DE CONEJO - TERESA VALENZUELA (TEATRO INTANTIL)
TERESA VALENZUELA
LIBROS DEL RINCON
(1999)
R$ 20,00



ESTETICA DE LÉVIS STRAUSS
JOSE GUILHERME MERQUIOR
LOYOLA
(2018)
R$ 44,90





busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês