A diferença entre baixa cultura e alta cultura | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> The impact of the Internet
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Tributo a Paul McCartney
>>> Começos Inesquecíveis
>>> Entrevista com Spacca
Mais Recentes
>>> The Thames and Hudson Manual of Etching and Engraving de Walter Chamberlain pela Thames and Hudson (1972)
>>> The Thames and Hudson Manual of Dyes and Fabrics. de Joyce Storey pela Thames and Hudson (1978)
>>> O menino do pijama listrado de John Boyne pela Companhia das Letras (2009)
>>> Viagem no tempo e no espaço (memórias) de Cassiano Ricardo pela José Olympio (1970)
>>> A Deusa Interior. Um guia sobre os eternos mitos femininos que moldam nossas vidas de Jennifer Barker Woolger, Roger J. Woolger pela Cultrix (1997)
>>> The craft and creation of wood sculpture de Cecil C. Carstenson pela Dover (1971)
>>> Decorating livable homes de Elizabeth Burris-meyer pela Prentice-hall (1947)
>>> Arte brasileira, século XX: Catálogos da Galeria Eliseu Visconti: pinturas e esculturas. de Eduardo Fortes (apresentação); Maria Elizabete Santos Peixoto (texto) pela MNBA Cenec (1984)
>>> Respirando endomarketing. de Medeiros Brum pela L&pm (2003)
>>> Quem e como fizemos a TV Globo de Luiz Eduardo Borgerth pela A Girafa (2009)
>>> Em busca de vidas passadas de Judith Johnstone, Glenn Williston pela Siciliano (1989)
>>> A Casa Sinistra de Maria Padula pela Nova Fronteira (1992)
>>> O livro das profecias de Mozart Monteiro pela O Cruzeiro (1967)
>>> Cavalos e Obeliscos de Moacyr Scliar pela Mercado Aberto (1983)
>>> A Nova Mulher de Marina Colasanti pela Círculo do Livro (1980)
>>> Orgias de Luis Fernando Verissimo pela Lpm (1989)
>>> Mulheres de 50 Anos Como Viver Plenamente esta Nova Idade de Suzanne Képès e Michèle Thiriet pela Lpm (1994)
>>> Mahabharata de William Buck pela Círculo do Livro (1992)
>>> Aventuras do Bravo Soldado Schweik de Jaroslav Hašek pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 8º ano Ciências, Língua Portuguesa e Geografia de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Sur La Photographie de Susan Sontag pela Titre
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Matemática 9º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 6º ano Ciências e Língua Portuguesa de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Cuentos Populares de León Tolstoi pela Longseller (2004)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Arte 6º e 7º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 24/7/2001
A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Rafael Lima

+ de 33300 Acessos

Quando Alexandre o Grande partiu em sua conquista da costa do Mediterrâneo, além dele próprio, talvez apenas Aristóteles desconfiasse das reais intenções do general: expandir seu império por todo o mundo conhecido, espalhando a cultura helênica. Para garantir seu lugar nas crônicas, enviou o sobrinho Calístenes a fazer as vezes de historiador da expedição, tarefa que cumpriu com maestria até morrer em algum ponto da Ásia, como tantos outros, em decorrência dos brutais sacrifícios que Alexandre submeteu ao seu exército.

Antes de se auto-coroar o rei da cocada preta, celebrado como filho pelo próprio deus Zeus-Amon do Egito (os sacerdotes do templo não eram nada trouxas), Alexandre fez questão de conhecer Diógenes, um renomado filósofo da linha dos cínicos (palavra grega derivada de cachorro, segunda consta, a sua principal companhia). Diógenes morava dentro de um barril, andava em andrajos e saía à luz do dia com uma lanterna à procura do "homem honesto". O diálogo entre ambos foi mais ou menos assim:

- Salve, Diógenes, eu sou Alexandre, rei da Macedônia e conquistador de todos os povos. Pede o que quiseres e eu te darei agora.

- Então sai da minha frente que eu quero tomar sol.

Além desse, Diógenes tem mais um ou dois diálogos memoráveis com Platão - que não era cínico mas também botava pra quebrar - porém, nossa atenção agora deve ser voltada para o ocorrido quase 2000 anos depois, quando Gary Groth, editor da Fantagraphics (Seattle, USA), recebe pelo correio o fanzine que os chicanos irmãos Hernandez - Jaime, Gilbert ("Beto") e Mario - faziam no comecinho dos anos 1980. O único que não desenhava era Mario, o mais velho.

Beto focaria suas histórias nos habitantes da vila de Palomar, a típica cidadezinha de fronteira mexicana, um microuniverso na linha que Jorge Amado, Dias Gomes e Gabriel Garcia Márquez popularizaram em seus romances. Jaime faria as Mechanics, grupo de 6 garotas entre 17 e 35 anos que inicialmente eram histórias de aventuras (o título se referia à profissão de Maggie, mecânica pro-solar, a mais valorizada no universo fictício das chicanas) e evoluíram para tramas mais românticas e de cotidiano (a banda de rock, namorados antigos etc). Penny Century rapidamente se tornou a personagem mais popular.

Penny é aquele tipo de loira americana alta, voluptuosa e totalmente descolada, a quem as amigas recorriam quando estavam numa fria, mesmo que essa fria fosse apenas falta de grana para comprar um modelo de botas novo. Isso porque Penny era namorada de Herv C. Costigan, simplesmente o homem mais rico do mundo. O cara que disputava quem tinha mais ilhas com seu rival El Mugre. Que usava papel higiênico folheado a ouro. Além disso, Penny era a fã número um da Camarada 7, uma super-heroína dos gibis que existia de verdade no mundo das Mechanics. Quando Penny é despedida por ocasionar paradas na produção de uma das linhas de montagem das fábricas de Costigan, enquanto sonhava acordada, Herv vem em seu socorro:

- Ouça! Você não precisa trabalhar. Posso lhe dar qualquer coisa no mundo! Basta dizer que será sua! Qualquer coisa...

- Tudinho? Quero ser super-herói.

Herv se embaraça, pergunta se Penny não preferia ter seu próprio país (estava na moda), mas Penny insiste ("daquele que voa!"), causando o recuo final do multimilionário:

- Não posso fazer de você um super-herói. Você tem que ter um acidente imprevisto ou coisa assim! E se meus cientistas desenvolverem um raio de força, eu poderia vir a ser eliminado. Um novo planeta eu posso criar, mas um super-herói (uff!), seria meu fim!

- Eu sabia que era bom demais para ser verdade...

* * *

Com base nas histórias acima, e sabendo-se que a vida de Alexandre foi recontada em livro numa trilogia por Massimo Valerio Manfredini, e que as histórias em quadrinhos dos irmãos Hernandez foram publicadas na revista Love & Rockets, explicar em redação de 20 a 30 linhas a diferença entre baixa cultura e alta cultura.

* * *

Parece brincadeira, mas as confusões entre baixa cultura, ou low brow, e alta cultura, ou high brow, podem ser maiores que imagina nossa vã filosofia. Partindo para uma definição como Zico partia para o gol, estabeleçamos que alta cultura engloba todos os produtos artísticos que disseram algo fundamental a respeito da humanidade, e que por isso mesmo ultrapassaram a história e a geografia, constituindo-se em conhecimentos universais, com status de cânone cultural; parâmetros de qualidade, mas nem por isso, como veremos, inquestionáveis. Baixa cultura, nesse contexto, é a cultura popular no seu sentido mais fundamental, oriunda do povo na sua forma mais autêntica: é a música que a bandinha da cidade pequena toca no coreto da praça, nas tardes de domingo, composta nas horas vagas por bombeiros, pequenos comerciantes, sapateiros e professores, todos eles "artistas" não profissionais; é o samba batucado por pintores de parede em caixas de fósforo na hora do almoço para descolar um extra. Eventualmente, para atender a demanda maior, um sambista desses pode passar a uma produção mais seriada, talvez comprometendo a qualidade. E entre as duas, confundindo o meio de campo, fica a cultura média (middle brow), cujo principal, e talvez único mérito indiscutível, é ser um espelho de seu tempo.

A confusão nasce no modo como esses níveis culturais se interferem e se confundem, fazendo com que se diga muita besteira por aí. Por exemplo, é comum a busca nas raízes populares (low brow) por compositores clássicos (high brow) como Villa Lobos e Francisco Mignone quando querem renovar suas obras - na verdade, essa intervenção acontece sempre que as formas clássicas soam esgotadas, procurando renovação: Picasso inspirou-se em máscaras tribais africanas (low brow) para compor os rostos das Demoiselles d`Avignon (high brow); Guimarães Rosa ouviu o som dos sertanejos para reinventar o português no Grande Sertão. É próprio do caráter acadêmico da arte high brow - a única que se ensina nas escolas - não admitir grandes invenções formais, ficando presa ao paradoxo da tradição, que tem que mudar para permanecer como tal.

Outro problema são as desvirtuações da cultura popular: a cultura populista - que é a cultura popular demagógica, caricatural (de Carmen Miranda a É o Tchan) - e a cultura pop - que é a cultura popular com pretensões a universal, formatada para consumo e pronta para reprodução (de Beatles a Madonna). É precisamente aqui que o middle brow se instala. Nas primeiras décadas do século XX, quando compositores de formação clássica como Gershwin ou Cole Porter utilizam elementos nascentes do jazz e do blues em suas composições, estão criando algo até hoje não enquadrável como alta cultura, porque não aceito pelos compositores eruditos, nem como baixa cultura, por não ter a falta de sofisticação (ou antes, a sofisticação sem afetação) própria da música popular. E ainda assim, Porter, Gershwin, além de Tom Jobim e Ernesto Nazareth conseguem ser universais como a melhor arte high brow e terem a força comunicativa da arte low brow. Mas a discussão não cessa aqui, porque nenhum deles é unanimemente aceito como parâmetro musical como Bach ou Wagner. Por isso, por se originar nesse vácuo cultural, é que a cultura média tem esse aspecto descaracterizado, sem a autenticidade (étnica, regional etc) da baixa cultura e a universalidade a alta cultura desfruta. Também por causa disso é que não vale a pena perder muito tempo com discussões a cerca de qualidade no middle brow: a ausência de referências fatalmente leva ao impasse, mostrando que não há grande distância entre rock e techno, entre Chico Buarque e Carlinhos Brow, entre Rolling Stones e Emerson, Lake & Palmer.

(Nunca é demais lembrar que cada nível de cultura está associado a uma classe social: low brow seria a cultura proletária; middle brow, a classe média, e high brow, claro, a elite, apesar dos produtores e consumidores mais criteriosos transitarem entre elas com desenvoltura. O que não deve ser esquecido é que seus conflitos internos também refletem os conflitos de classes, com o perdão pelo marxismo barato - mas inevitável: cada classe se identifica com o que melhor lhe representa. Nesse sentido, alta cultura não passa de um meio de manter as estruturas de poder vigentes, por isso a necessidade de mantê-la como parâmetro, postura criticada pelo Politicamente Correto, que questiona a concentração de quase todos os cânones ocidentais em homens brancos mortos e pelo desconstrutivistas pós-modernos, que sustentam que nenhum texto tem primazia sobre outro porque qualquer escrito admite infinitas interpretações. Política, poder, dinheiro, está tudo inapelavelmente relacionado com arte, aceite-se ou não.)

Também não se deve confundir forma e função: existem as formas artísticas já consagradas para criação de alta cultura (escultura, pintura, poesia, teatro), e as ainda duvidosas, em geral mais recentes, portanto de validade mais difícil de estabelecer: como saber se resistirão à passagem do tempo? Falo sobretudo de cinema e histórias em quadrinhos. O cinema, ainda que tenha sido a forma cultural mais influente do século XX, parece que sobreviverá com um número de obras ridiculamente pequeno. História em Quadrinhos é ainda mais complicado, porque nasceu como suporte de venda para os jornais no início do século XX, tipicamente baixa cultura, feita por artistas multidisciplinares brilhantes; virou claramente cultura média quando do surgimento dos syndicates (agências distribuidoras), que padronizaram formatos e ajudaram sua difusão pelo planeta, e a partir do momento em que o domínio da técnica foi alcançado, permitindo a transmissão de idéias em vários níveis de leitura, atingiu o patamar da alta cultura (com, por exemplo, Hector Oesterheld na Argentina e Jules Feiffer nos EUA a partir dos 50`s). Hoje em dia, a produção industrial de quadrinhos é tipicamente middle brow, mas ainda há brechas, especialmente entre os independentes e auto-publicados, onde o que se lê é absolutamente popular. E há gente como Moebius, que simplesmente não consegue colocar pena sobre papel sem fazer alta cultura. Exatamente por isso é que se deve olhar essas formas de arte modernas com ainda mais atenção do que para as clássicas: nunca se sabe de onde surgirá um novo clássico.

* * *

Com base nas informações agora adicionadas, reconsiderar as opiniões emitidas na redação de 20 a 30 linhas, e escrever outras 20 demonstrando como é difícil compreender essa tal de cultura.

Para ir além

Ensaio "A verdadeira contracultura" no livro Questão de Gosto, de Daniel Piza, editora Record, 2000.



Rafael Lima
Rio de Janeiro, 24/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe de Wellington Machado


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entretempo
Antônio Fantinato
Topbooks
(2008)



Grande Enciclopédia da Cozinha - Aperitivos Rápidos e Embutidos
Vários Autores
Século Futuro
(1989)



Amigos Espirituais
Wanderley Lemos
Do Autor



Oficina de História 3
Flavio de Campos e Regina Claro
Leya
(2013)



As Maravilhas do Conhecimento Humano 2 Volumes
Henry Thomas
Globo
(1956)



The Valachi Papers
Joe Valachi
Joe Valachi
(1976)



Apocalip-se a Estrela da Manhã
Mandi
Acsn
(1997)



Lazer e Cultura Popular - 4ª Edição
Joffre Dumazedier
Perspectiva
(2012)



O Bosque de Cedros
Paulo Coelho
Caras
(1999)



Pratica da Gestao na Advocacia
Alexandre Macedonia
Lex
(2014)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês