Sobre o ato de fumar | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> Arstider Pa Spring (Sudanês) de Teatervaerkstedet Madam Bach; Anne Uhrenholt pela Statens Kunstrad (2011)
>>> No Invisível de Léon Denis pela Federação Espírita Brasileira
>>> Pecado Mortal de Antonio Martins pela Topbooks
>>> Impacto de T. L. Osborn; Waldemar Wey pela Graça Editorial (2000)
>>> Marketing de Varejo de Alexander Luzzi las Casas pela Atlas (2002)
>>> Programming in Objective-c de Stephen G. Kochan pela Addison Wesley (2011)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela FTD (1990)
>>> 12 Revistas Literatura de Cordel de 12 Revistas Literatura de Cordel pela Sem
>>> O Que é Física de Ernt W Hamburger pela Brasiliense (1980)
>>> A Panela Amarela de Alice de Tatiana Damberg pela Memoria Visual (2009)
>>> Bibelske Historier: Josef (Norueguês) de Norbert Landa; Dieter Konsek pela Unitas (2001)
>>> miguel reale na Unb de miguel reale pela Unb (1981)
>>> Iniciação à Eucaristia - Núcleo de Catequese Paulinas de Núcleo de Catequese Paulinas pela Paulinas (2008)
>>> O Prazer da Ginástica de Diagran Gruup pela Ediouro (1976)
>>> Bibelske Historier: Moses (Norueguês) de Norbert Landa; Dieter Konsek pela Unitas (2001)
>>> Proago Ciclo 17 Vol 4 de Sérgio; Zsuzsanna pela Artmed
>>> Horácio e seus Amigos Dinossauros 1 de Mauricio de Sousa pela Panini Books (2011)
>>> Viver e Feito a Mao - Viver e Risco Em Vermelho de Nilma Lacerda pela Positivo (1905)
>>> Extraordinário de R. J. Palacio pela Intrínseca (2017)
>>> Nattens Dyr: Om Dyr Der er Fremme om Natten (Noruegês) de Susanne Riha pela Agertoft (1989)
>>> Escolhida de P. C. Cast; Kristin Cast pela Novo Seculo (2009)
>>> O Ciclo da Autossabotagem de Stanley Rosner pela Best Seller (2017)
>>> Os sonhos e o desenvolvimento da personalidade de Ernest Lawrence Rossi pela Summus editorial (1982)
>>> Marretas, Molambudos e Rabelistas de Marcelo Camurça pela Maltese (1994)
>>> One to One B2b de Prefacio de Geoffrey Moore pela Campus (2002)
COLUNAS >>> Especial Politicamente Incorreto

Segunda-feira, 7/5/2001
Sobre o ato de fumar
Rafael Lima

+ de 16100 Acessos

Pra começo de conversa, nem todo mundo fuma por vício. Há vários segredos e motivos ocultos por trás dos anéis cinzentos. Tomemos o filme Cortina de Fumaça, como exemplo. Quase todos os personagens fumam, pelos mais variados motivos. Auggie Wren fuma cigarros comuns em sua drugstore por costume. Paul Benjamim, escritor, busca inspiração em finas cigarrilhas. Cyrus Cole, mecânico de automóveis, fuma seu charuto de grosso calibre para relaxar após um dia de trabalho duro. Ruby queima seus cigarros para descarregar a tensão. Felicity traga um baseado pra se esquecer de sua vida de cão. Cortina de Fumaça, no entanto, não é um filme sobre o fumar e suas variações, como seu título poderia sugerir. Mas nele, com na vida real, as pessoas fumam -- é um fato. As pessoas fumam e gostam disso, mesmo que não lhes faça bem. Quem diz é o escritor Paul Auster, autor do roteiro do filme.

Mas por que algo tão humano e comum como fumar têm sofrido uma perseguição tão grande? No período anterior ao da descoberta da nicotina como causadora de câncer fumar não só era comum como um ato revestido de glamour, requintado e elegante. Porque o fumar não é apenas o sorver da fumaça (assim como o comer não é só o mastigar-digerir), mas toda uma série de gestos, hábitos e poses que altera o comportamento do fumante -- e, por extensão, do não fumante -- nas coisas mais banais. Como aquele amigo cara-de-pau que não fuma mas anda sempre com um Zippo no bolso, à espera do infalível "tem fogo?". Ruy Castro atesta: "Ninguém é inocente ao fumar".

Absolutamente explorado na época áurea de Hollywood, o cigarro parecia imbuir de leveza um dançarino como Fred Astaire, adicionar virlidade a um Bogart ou construir inseparavelmente a aura intelectual de um Sartre (tudo bem, Sartre não era hollywoodiano mas ajudou o cigarro a adquirir seu status). Apesar de não existir sem um fumante, o cigarro criou identidade própria. Mas nem sempre foi assim.

O tabaco já era conhecido e usado pelos índios quando Colombo veio com seus espelhinhos. E asim como o café, foi vendido ao velho mundo como mais uma maravilha da nova terra, revigorante, desintoxicante, saboroso, tonificante e até milagroso. As cartas dos Pero Vaz de Caminha da época são de envergonhar qualquer ativista. Mas afinal, porque os índios fumavam, se não havia indústria nem comerciais na televisão com cavalos e camelos? "Não era pecado... devia ficar alegre, sempre alegre e esse era um gosto inocente, que ajudava a gente a se alegrar", é o que diz Guimarães Rosa em outro contexto, de maneira simples.

Na América pré-colombiana, anti-tabagistas não poderiam fazer sua principal reivindicação, de que o cigarro num ambiente fechado torna todos os presentes fumantes passivos: não havia ambientes fechados. Esse é talvez o grande problema, não poder evitar que os à sua volta inalem seu subproduto. Uma questão que só seria resolvida com o cigarro sem fumaça. Problemática, sobretudo porque perde na comparação com outro vício, o de beber: em cada boteco, por mais imundo que seja, tem um mictório para os mais afoitos (e, mesmo, toda bexiga tem limite), embora seja muito mais fácil se livrar das cinzas e da fumaça. Quem não se importuna com esses dejetos poderá usufruir de uma agradável e pacífica convivência com fumantes. Mário Quintana é quem alerta: "Desconfia dos que não fumam: esses não tem vida interior, não tem sentimentos. O cigarro é uma maneira disfarçada de suspirar".

Essa frase, além de denunciar uma espécie de comportamento típico de quem fuma, dá uma pista da íntima e longa relação entre o tabaco e as artes, em particular, a literatura. Onipresente nos textos, embora pouco louvado declaradamente, o cigarro marcou sua presença em versos como o de Augusto dos Anjos "Toma um fósforo / Acenda teu cigarro / o beijo, amigo / é a véspera do escarro". A Souza Cruz, líder no mercado brasileiro, publicava um relatório anual para acionistas com ensaios literários e fotográficos envolvendo a arte relacionada ao fumar, cativantes quase a ponto de te convencer -- se você já não é -- a experimentar o sabor ocre. Para Ruy Castro, ele é "o nosso cúmplice, o parceiro com quem, sem trocar de lábios, dialogamos em segredo", ou seja, um ente, com o qual pode-se estabelecer uma relação dual, como a de Manuel Bandeira: "fumo abençoado, que é amargo e abjeto!". Bandeira tinha tuberculose.

A história da literatura não teria sido a mesma sem os cálices e as piteiras, e ambos ajudaram a construir tantas obras primas como abreviaram carreiras, daí o caráter conflitante do verso de Bandeira. Rubem Braga, que nos seus bons tempos era chamado de "chaminé", parou de fumar após extirpar um quisto benigno no pulmão, e, dizem, andava com um pedaço dele (isso: do próprio pulmão) no bolso para servir como... um argumento mais convincente, em discussões com fãs mais afoitos da fumaça, tem uma longa crônica onde reúne suas reminiscências de décadas de isqueiro e fósforos, de final exemplar: "Mas chega, não falarei mais nisto. Fumar foi das piores bobagens que fiz na vida, mas não pretendo convencer ninguém. Já tentei fazer isso, e o sujeito ainda caçoa da gente, de cigarro no bico. Ah, quem quiser que se fume."

Bate-bocas à parte, um fato pouco conhecido sobre o tabaco trata do salvamento de um dos maiores nomes do século. É o que afirma Norman Mailer em Portrait of Picasso as a Young Man, segundo tradução do não-fumante Millôr Fernandes:

"Picasso veio à luz às 11:15 de outubro de 1881, em Málaga. Natimorto. Não respirava. Nem chorava. A parteira abandonou-o e começou a cuidar da mãe. Se não fosse pela presença do tio, Dr. Salvador Ruiz, o menino não teria vivido. Don Salvador inclinou-se sobre o corpo inerte e exalou nas ventas do menino a fumaça do seu fétido charuto. Picasso estremeceu. Picasso berrou. Um gênio chegou à vida. Sua respiração foi um sopro de fumo, irritando-lhe a garganta, queimando-a até os pulmões, com o poderoso estímulo da nicotina."

Como se vê, há muito mais por trás dos anéis cinzentos do que as advertências do Ministério da Saúde. Em tempo: o autor deste texto não fuma.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 7/5/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mamãe falhei de Luís Fernando Amâncio
02. Um Furto de Ricardo de Mattos
03. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Literatura engajada de Marta Barcellos


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


Mais Especial Politicamente Incorreto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Investimentos - como administrar melhor seu dinheiro
Mauro Halfeld
Fundamento
(2005)



Chiclete e a Marcha dos Zumbis
Megan Mcdonald, Peter H. Reynolds
Salamandra
(2015)



Revelação do Amor Divino - Capa Dura
Juliana Norwich
Paulus
(2018)



Longa Travessia
Francinilto Almeida
Mundo Maior
(2005)



64 D. C.
Callado-cony-hermano Alves-rebelo-sérgio Porto
Tempo Brasileiro
(1967)



Orações de Cura e Libertação - 65.ª Edição
Gambarini e Alberto
Agape



Lições da Paciência
Izaias Claro
Mythos Books
(2010)



Procurava um Marido Encontrei um Cachorro
Karen Templeton
Harlequin Books
(2002)



Anglo História - Caderno de Exercícios Ensino Médio - 1ª Série 2
Vários Autores
Anglo Sistema de Ensino
(2018)



Amor & Sobrevivência: a base científica para o poder curativo da intimidade
Dean Ornish, M.D.
Rocco
(1998)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês