Sobre o ato de fumar | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> E-mails a um jovem resenhista
>>> O Conflito do Oriente Médio
>>> García Márquez 1982
>>> Sex and the City, o filme
Mais Recentes
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
>>> Os Viajores - Agentes dos Guardiões de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2019)
>>> Sonic The Hedgehog Vol. 3 - A Batalha por Angel Island de Sega pela Geektopia (2021)
>>> Os Turistas de Disney Especial pela Abril
>>> Joe Biden - A Vida As Ideias E Os Desafios Do Presidente Da Nacao Mais Poderosa Do Mundo de Evan Osnos pela Agir (2021)
>>> Cai o Pano (capa dura) de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Mussolini na Intimiade de Vittorio Mussolini pela Record
COLUNAS >>> Especial Politicamente Incorreto

Segunda-feira, 7/5/2001
Sobre o ato de fumar
Rafael Lima
+ de 17000 Acessos

Pra começo de conversa, nem todo mundo fuma por vício. Há vários segredos e motivos ocultos por trás dos anéis cinzentos. Tomemos o filme Cortina de Fumaça, como exemplo. Quase todos os personagens fumam, pelos mais variados motivos. Auggie Wren fuma cigarros comuns em sua drugstore por costume. Paul Benjamim, escritor, busca inspiração em finas cigarrilhas. Cyrus Cole, mecânico de automóveis, fuma seu charuto de grosso calibre para relaxar após um dia de trabalho duro. Ruby queima seus cigarros para descarregar a tensão. Felicity traga um baseado pra se esquecer de sua vida de cão. Cortina de Fumaça, no entanto, não é um filme sobre o fumar e suas variações, como seu título poderia sugerir. Mas nele, com na vida real, as pessoas fumam -- é um fato. As pessoas fumam e gostam disso, mesmo que não lhes faça bem. Quem diz é o escritor Paul Auster, autor do roteiro do filme.

Mas por que algo tão humano e comum como fumar têm sofrido uma perseguição tão grande? No período anterior ao da descoberta da nicotina como causadora de câncer fumar não só era comum como um ato revestido de glamour, requintado e elegante. Porque o fumar não é apenas o sorver da fumaça (assim como o comer não é só o mastigar-digerir), mas toda uma série de gestos, hábitos e poses que altera o comportamento do fumante -- e, por extensão, do não fumante -- nas coisas mais banais. Como aquele amigo cara-de-pau que não fuma mas anda sempre com um Zippo no bolso, à espera do infalível "tem fogo?". Ruy Castro atesta: "Ninguém é inocente ao fumar".

Absolutamente explorado na época áurea de Hollywood, o cigarro parecia imbuir de leveza um dançarino como Fred Astaire, adicionar virlidade a um Bogart ou construir inseparavelmente a aura intelectual de um Sartre (tudo bem, Sartre não era hollywoodiano mas ajudou o cigarro a adquirir seu status). Apesar de não existir sem um fumante, o cigarro criou identidade própria. Mas nem sempre foi assim.

O tabaco já era conhecido e usado pelos índios quando Colombo veio com seus espelhinhos. E asim como o café, foi vendido ao velho mundo como mais uma maravilha da nova terra, revigorante, desintoxicante, saboroso, tonificante e até milagroso. As cartas dos Pero Vaz de Caminha da época são de envergonhar qualquer ativista. Mas afinal, porque os índios fumavam, se não havia indústria nem comerciais na televisão com cavalos e camelos? "Não era pecado... devia ficar alegre, sempre alegre e esse era um gosto inocente, que ajudava a gente a se alegrar", é o que diz Guimarães Rosa em outro contexto, de maneira simples.

Na América pré-colombiana, anti-tabagistas não poderiam fazer sua principal reivindicação, de que o cigarro num ambiente fechado torna todos os presentes fumantes passivos: não havia ambientes fechados. Esse é talvez o grande problema, não poder evitar que os à sua volta inalem seu subproduto. Uma questão que só seria resolvida com o cigarro sem fumaça. Problemática, sobretudo porque perde na comparação com outro vício, o de beber: em cada boteco, por mais imundo que seja, tem um mictório para os mais afoitos (e, mesmo, toda bexiga tem limite), embora seja muito mais fácil se livrar das cinzas e da fumaça. Quem não se importuna com esses dejetos poderá usufruir de uma agradável e pacífica convivência com fumantes. Mário Quintana é quem alerta: "Desconfia dos que não fumam: esses não tem vida interior, não tem sentimentos. O cigarro é uma maneira disfarçada de suspirar".

Essa frase, além de denunciar uma espécie de comportamento típico de quem fuma, dá uma pista da íntima e longa relação entre o tabaco e as artes, em particular, a literatura. Onipresente nos textos, embora pouco louvado declaradamente, o cigarro marcou sua presença em versos como o de Augusto dos Anjos "Toma um fósforo / Acenda teu cigarro / o beijo, amigo / é a véspera do escarro". A Souza Cruz, líder no mercado brasileiro, publicava um relatório anual para acionistas com ensaios literários e fotográficos envolvendo a arte relacionada ao fumar, cativantes quase a ponto de te convencer -- se você já não é -- a experimentar o sabor ocre. Para Ruy Castro, ele é "o nosso cúmplice, o parceiro com quem, sem trocar de lábios, dialogamos em segredo", ou seja, um ente, com o qual pode-se estabelecer uma relação dual, como a de Manuel Bandeira: "fumo abençoado, que é amargo e abjeto!". Bandeira tinha tuberculose.

A história da literatura não teria sido a mesma sem os cálices e as piteiras, e ambos ajudaram a construir tantas obras primas como abreviaram carreiras, daí o caráter conflitante do verso de Bandeira. Rubem Braga, que nos seus bons tempos era chamado de "chaminé", parou de fumar após extirpar um quisto benigno no pulmão, e, dizem, andava com um pedaço dele (isso: do próprio pulmão) no bolso para servir como... um argumento mais convincente, em discussões com fãs mais afoitos da fumaça, tem uma longa crônica onde reúne suas reminiscências de décadas de isqueiro e fósforos, de final exemplar: "Mas chega, não falarei mais nisto. Fumar foi das piores bobagens que fiz na vida, mas não pretendo convencer ninguém. Já tentei fazer isso, e o sujeito ainda caçoa da gente, de cigarro no bico. Ah, quem quiser que se fume."

Bate-bocas à parte, um fato pouco conhecido sobre o tabaco trata do salvamento de um dos maiores nomes do século. É o que afirma Norman Mailer em Portrait of Picasso as a Young Man, segundo tradução do não-fumante Millôr Fernandes:

"Picasso veio à luz às 11:15 de outubro de 1881, em Málaga. Natimorto. Não respirava. Nem chorava. A parteira abandonou-o e começou a cuidar da mãe. Se não fosse pela presença do tio, Dr. Salvador Ruiz, o menino não teria vivido. Don Salvador inclinou-se sobre o corpo inerte e exalou nas ventas do menino a fumaça do seu fétido charuto. Picasso estremeceu. Picasso berrou. Um gênio chegou à vida. Sua respiração foi um sopro de fumo, irritando-lhe a garganta, queimando-a até os pulmões, com o poderoso estímulo da nicotina."

Como se vê, há muito mais por trás dos anéis cinzentos do que as advertências do Ministério da Saúde. Em tempo: o autor deste texto não fuma.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 7/5/2001

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica de Marcelo Spalding
02. O Segredo do Vovô Coelhão de Adriana Baggio


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


Mais Especial Politicamente Incorreto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Budapeste
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2003)



Zêus Wantuil e Francisco Thiesen 2 561
Allan Kardec
Federação Espírita Brasileira
(1980)



Histórias Curtas e Grossas - Vol. II
Roberto Freire
Guanabara Koogan
(1991)



O Ponto de Mutação
Fritjof Capra
Cultrix
(1995)



Ada ou ardor
Vladimir Nabokov
Record
(1969)



Silviano Santiago - uma Pedagogia do Falso (lacrado)
Maria Andreia de Paula Silva
Appris
(2016)



Flying Home - Easystart
Pearson Education
Pearson Education Esl
(2008)



Fernando Pessoa - Poemas
Cleonice Berrardinelli - Organizadora
Nova Fronteira
(1985)



Au Arquitetura e Urbanismo Nº 255
Pini
Pini



Design Instrucional Contextualizado: Educação e Tecnologia
Andrea Filatro
Senac
(2007)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês