Flip 2006: um balanço tardio | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo inspirado na vida cotidiana do Bixiga volta ao cartaz comemorando 28 anos do Teatro do In
>>> Semana Gastronômica do Granja
>>> Mulheres em meio ao conflito:sobre inclusão, acolhimento e sororidade incondicional
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Inteligência artificial e o fim da programação
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
Últimos Posts
>>> Toda luz que não podemos ver: política e encenação
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Defesa dos Rótulos
>>> A história de cada livro
>>> O poeta do pesadelo e do delírio
>>> Além do Mais em 2004
>>> Sites que mudaram o mundo
>>> Textos, contextos e pretextos
>>> Dicas da Semana
>>> 19 de Abril #digestivo10anos
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
Mais Recentes
>>> Matemática - Ciência e Aplicações 1 Ensino Médio de Gelson Iezzi-osvaldo Dolce pela Atual (2001)
>>> Matemática Ciência e Aplicações 2 Ensino Médio de Gelson Iezzi-osvaldo Dolce pela Atual (2004)
>>> Biologia Segundo Grau e Vestibulares de Albino Fonseca pela Ática (1980)
>>> Economia - Micro e Macro de Marco Antonio Sandoval de Vasconcelos pela Atlas (2002)
>>> Estatística Aplicada Economia, Administração e Contabilidade de John E. Freund - Gary A. Simon pela Bookman (2000)
>>> Martini Seco - série rosa dos ventos de Fernando Sabino pela Ática (1987)
>>> Estatística - Coleção Schaum de Murray R. Spiegel pela McGraw-Hill do Brasil (1971)
>>> Administração de Recursos Humanos - Fundamentos Básicos de Idalberto Chiavenato pela Atlas (2003)
>>> Trabalhadores - Profissões do Brasil de Humberto Medeiros - Patrícia Henriques Mafra pela Aon (2008)
>>> A Polícia Que Queremos de João Carlos Pereira pela Do Autor (2011)
>>> Os 27 desafios que todo chefe deve enfrentar de Bruce Tulgan pela Sextante (2015)
>>> Design para crescer - aprenda com a Coca-Cola sobre escala e agilidade de David Butler - Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Implantando uma Empresa de Cesar Simões Salim e outros pela Elsevier - Campus (2011)
>>> Competências - conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna de Joel Souza Dutra pela Atlas (2013)
>>> Um novo jeito de trabalhar de Laszlo Bock pela Sextante (2015)
>>> Pipeline de Desempenho de Stephen Drotter pela Campus (2011)
>>> Nocaute - Como contar sua historia no disputado ringue das redes sociais de Gary Vaynerchuk pela Hsm (2016)
>>> Liderança - a inteligência emocional na formação do líder de sucesso de Daniel Goleman pela Objetiva (2015)
>>> Excelência em atendimento ao cliente de Alexandre Luzzi Las Casas pela M.books (2012)
>>> 100 Maneiras de motivar as pessoas de Steve Chandler - Scott Richardson pela Sextante (2008)
>>> Lições de Impacto e Inovação - O executivo transformador no jogo da indústria de Jeffrey J. Fox - Robert Reiss pela Rocco (2014)
>>> ( Re ) Descobrindo A Matriz Nine Box de Rogerio Leme pela Qualitymark (2013)
>>> Net.com.classe. Um Guia Para Ser Virtualmente Elegante de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos
>>> Como Se Tornar Um Lider Servidor de James C. Hunter pela Sextante (2006)
>>> Reinvente Sua Empresa - mude sua maneira de trabalhar de Jason Fried - David Heinemeier Hansson pela Sextante (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/9/2006
Flip 2006: um balanço tardio
Julio Daio Borges
+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


A famosa "Ponte da Amizade" da Flip

Eventos literários, em geral, são chatos e previsíveis. Como disse Villa-Matas, troféu "mau humor" da Flip 2005, se um escritor preferisse falar, ele não escolheria escrever. Aqui no Brasil, eventos literários às vezes servem aos escritores apenas para desfilar aquele conhecido rosário de lamentações: contra o governo (antes, era "a favor"); contra a sociedade (iletrada, lógico); contra a crítica (nunca suficientemente inclusiva); contra os editores (ou nem sempre; depende...); contra os livreiros (o "problema da distribuição"); e até contra o público (aliás, que público?).

A Flip é diferente, eu sempre digo, porque, milagrosamente, não tem nada disso: ninguém discutindo "políticas públicas" para elevar o índice de leitura no Brasil; ninguém lançando "movimentos" para salvar o escritor brasileiro da própria indigência; ninguém atacando a imprensa e suas resenhas insípidas (já que, na era do blog, todo mundo pode fazer mídia: "Não gostou? Faça a sua!"); ninguém falando que os editores não dão "chance" (porque, não raro, estão todos lá - para ver e ouvir...); ninguém com muita coragem para enfrentar o público (afinal, os ingressos foram tão difíceis de conseguir...); e ninguém chorando pela falta de reconhecimento da crítica (aliás, que crítica?).

Não que a Flip não tenha defeitos; tem vários. E não que a Flip esteja livre de gente oportunista sem nenhuma ligação com a verdadeira literatura. Como quase tudo em nossa "sociedade de espetáculo", a Flip tem de, anualmente, sobreviver, atrair mídia, basicamente movimentar a cena e pagar suas contas. Então, como quase tudo no Brasil, a Flip se equilibra entre o sério e o clownesco. Chama, portanto, autores seriíssimos (com os dois "is") e, ao mesmo tempo, convoca autênticos animadores de auditório ("o povo quer saber") - porque o brasileiro não é de ferro (nem de livro), tem de rir um pouco de si e da eterna "crise"...

E eu exploro as contradições da Flip desde a primeira edição a que compareci (a de 2004). E, ano a ano, segundo o meu balanço, essas contradições só vêm aumentando... Por isso, a Flip é sempre interessante - as conclusões, sobre o evento, são falhas (todas) e a cobertura insuficiente (para quem foi e leu depois). Neste ano, eu me atirei com unhas e dentes na cobertura - assim as conclusões, agora, ficam um pouco mais "fáceis" (eu não preciso recapitular mesas inteiras, com acontecimentos que já envelheceram e perderam totalmente o interesse).

A primeira e inegável contradição anual é a do público. Como tanta gente (12 mil pessoas, segundo o último censo) se interessa por literatura? Ninguém se interessa por literatura. Todo mundo se interessa por Parati, pelas praias maravilhosas, pelas "ruas sem calçamento", pelos restaurantes chiques, pelas pousadas charmosas, pelos bons shows (em 2006, Yamandú Costa e Marcos Valle), pelas pessoas que lá encontram (ou pelas mulheres que lá encontram), e, eventualmente, por alguma literatura, sim. Por palestras de que possam guardar alguma frase ("Eu não quero ter razão: eu quero é ser feliz!", Ferreira Gullar) e até, quem sabe, por alguns escritores esdrúxulos.


A mítica Tenda dos Autores (do outro lado do rio)

Outra das contradições, que eu (a)notei só nesta edição, é que sempre perguntam aos escritores participantes sobre o imponderável - "quem é, como é, para onde vai" - e como eles ficam, logicamente, sem resposta, saem, de improviso, as melhores coisas (e, às vezes, as piores também). Como quando perguntaram ao Jonathan Safran Foer se ele sentia "saudades" de seus personagens; ele respondeu que os personagens, em seus romances, são meros veículos para suas idéias (dele, Jonathan) e que "sentir saudades deles" seria como sentir saudades daquele microfone depois da palestra...

Uma terceira contradição - esta talvez remonte à própria organização (opa, rimou) - é a mistura explosiva entre literatura e política. No ano passado, explodiu com o Arnaldo Jabor que, à época, não se conformava com os dólares na cueca daquele sujeito... E que terminou vaiado pelos intelectuais da USP (os do "silêncio"), que foram prestigiar, em 2005, o Roberto Schwarz. Neste ano, explodiu na mesa Hitchens-Gabeira, em que um escritor que não acredita, literalmente, em Deus se revelou um utopista apaixonado, e em que um ex-terrorista que seqüestrou e arriscou freqüentemente a própria pele se revelou o mais cético e lúcido da discussão. Jonathan Safran Foer definiu, mais uma vez, essa contradição da Festa: era simplesmente uma pena que todo mundo parasse para discutir literatura e, no final das contas, não conseguisse escapar das guerras, do noticiário, da CNN, da política enfim. Eu entendo o que ele quis dizer, mas também entendo - conforme a organização da Flip; e conforme o Diogo Mainardi, muito provavelmente - que literatura não sobrevive mais sem polêmica.

Uma próxima contradição, por aproximação (opa, rimou de novo), envolve, naturalmente, a mídia. É histórico já: os jornalistas, os que escrevem principalmente, se sentem preteridos (e alguns até desrespeitados) na Flip. A primeira reação é a seguinte: "Pra que tudo isso? Grande m... Eu também escrevo!". É mais evidente nos marinheiros de primeira viagem. Em 2004, vi um editor de cultura e um bom blogueiro, no final, fazendo caretas. E agora, em 2006, ouvi lamúrias de outro homem de cultura e li, na volta, as reclamações de outro bom blogueiro. Eu entendo perfeitamente porque também já me revoltei (e reclamei). Eu, brasileiro, confesso "minha culpa, meu pecado": ninguém agüenta assistir, por muito tempo, a palestra de um colega de pena - essa é que é a verdade -, então procura defeitos no evento inteiro. "A Flip é isso, a Flip é aquilo... A Flip é injusta (na seleção), a Flip não dá condições de trabalho (ao profissional do jornalismo)..." Depois de três Flips, eu posso garantir: o povo da Flip começa a te respeitar, você fica amigo da organização (que é simpaticíssima, depois que você ultrapassa os leões-de-chácara) - em resumo, a revolta passa e você se integra.

A última contradição é, justamente, fruto dessa confusão (proposital, acredito) entre "ator" e "espectador". O André Laurentino ilustrou bem com seu exemplo: participou da oficina de textos da Flip 2004; caiu nas graças de um editor no mesmo ano; teve um trecho de seu romance (na época, no prelo) analisado na oficina de 2005; e, em 2006, estava numa mesa, como convidado, discutindo com outros dois autores. "Acredite, é possível" - ele parecia exalar por todos os poros... Particularmente, acho essa mensagem um tanto quanto perigosa. Literatura: todo mundo pode? Eu penso que não. Subliminarmente, os idealizadores da Flip, e os seus apoiadores do mercado editorial, parecem acreditar que quanto mais se vender a idéia da literatura como uma coisa normal, limpa e até perfumada - para "pessoas como nós" ("gente do nosso nível"), mais aspirantes vão freqüentar a Festa, mais livros vão se vender, mais os verdadeiros escritores sairão fortalecidos do processo.

É apenas questão de tempo até que a tecnologia para a produção do livro esteja barateada ao extremo, e democratizada, como o foram, similarmente, a tecnologia para a publicação na imprensa (não a impressa; em internet), a para produzir (e distribuir) música ou para, em alguns instantes, realizar cinema (opa, já está acontecendo...). Pessoalmente, eu achava que o mercado editorial iria passar incólume - como está, por enquanto, passando - ao advento da World Wide Web. Mas não vai (até para o "problema da distribuição" os revolucionários encontrarão uma saída). Nesse contexto, a dessacralização do ato de escrever, durante a Flip, só está fornecendo munição para o "faça você mesmo" (do it yourself), como muitas edições de fundo de quintal - para as quais ninguém encontrou a fórmula ainda (Livros do Mal, Candide, ...?), mas, no futuro, vai encontrar. Como eu disse, é apenas questão de tempo. Nesse cenário, os editores da Flip, ao dizer nas entrelinhas que "qualquer um pode ser escritor", estão comprando (como a burguesia) a corda para se enforcar... Ou não. De brinde, esta derradeira contradição!


A Carol e eu, highlanders da Flip

Para ir além
Leia as minhas anotações, a quente, produzidas durante a Flip 2006.

Nota do Editor
Todas as fotos são de autoria de Julio Daio Borges e Ana Carolina Albuquerque (exceto pela última, de autoria de um freqüentador simpático da Flip 2006).


Julio Daio Borges
São Paulo, 1/9/2006

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Confissões pandêmicas de Julio Daio Borges
02. A proposta libertária de Gian Danton
03. Marcel Proust e o tempo reencontrado de Jardel Dias Cavalcanti
04. A busca de Marta Barcellos
05. Big Brother da Palmada de Daniel Bushatsky


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
03. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. O náufrago, de Thomas Bernhard - 4/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/9/2006
17h52min
A literatura talvez seja capaz de resistir à vulgarização como não o fizeram a música popular e as chamadas artes plásticas (pintura). O cinema provavelmente caminha nessa direção; tudo, na verdade, está passando pelo processo que se resume na idéia: qualquer um pode fazer isso. Ou: a arte está em todo mundo. Essa idéia tem um fundo de verdade, mas que não passa disso: uma rapa de panela. Em literatura existem outros fatores não solúveis na massificação geral. Um deles é o ato de pensar, não democrático em si. Outro fator é que literatura é refratária à adoção de técnicas visando produzi-la. As chamadas "oficinas de texto" (ou algo assim) beiram o ridículo. Outro fator é que literatura é um sacerdócio exercido em regime de clausura, avesso aos holofotes em geral. Outro fator é que escritores escrevem, imunes a qualquer notícia, mesmo que esta seja a notícia da "morte da literatura". E essa notícia tem se avolumado ultimamente, mas passará como uma onda.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Administração e Aprendizagem na Prática (lacrado)
Silvia Gherardi, Antonio Strati
Elsevier
(2014)



Problemas de Lingüística Descritiva
Joaquim Mattoso Câmara Jr.
Vozes
(1981)



Bufo & Spallanzani
Rubem Fonseca
Nova Fronteira
(2020)



Sangue Fresco
João Carlos Marinho
Global
(1998)



A Toga e a Lira - Coletânea Poética
Fernando Pinto Apresentação
Record
(1985)



Cumbre Curso de Español - Nivel Elemental + Caderno Exercícios - 2 Vol
Aquilino Sánchez / Outros
Ao Livro Técnico
(1995)



A Casa da Mãe Joana Curiosidades nas origens das palavras, frases e marcas
Reinaldo Pimenta
Campus
(2002)



Tratado Sobre a Tolerância
Voltaire
Folha De São Paulo
(2015)



O Significado Psicológico dos Motivos de Redenção nos Contos de Fadas
Marie Louise Von Franz
Cultrix
(1980)



Cara de Fome
Francesc Petit
Siciliano
(1992)





busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês