Flip 2006: um balanço tardio | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/9/2006
Flip 2006: um balanço tardio
Julio Daio Borges

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)


A famosa "Ponte da Amizade" da Flip

Eventos literários, em geral, são chatos e previsíveis. Como disse Villa-Matas, troféu "mau humor" da Flip 2005, se um escritor preferisse falar, ele não escolheria escrever. Aqui no Brasil, eventos literários às vezes servem aos escritores apenas para desfilar aquele conhecido rosário de lamentações: contra o governo (antes, era "a favor"); contra a sociedade (iletrada, lógico); contra a crítica (nunca suficientemente inclusiva); contra os editores (ou nem sempre; depende...); contra os livreiros (o "problema da distribuição"); e até contra o público (aliás, que público?).

A Flip é diferente, eu sempre digo, porque, milagrosamente, não tem nada disso: ninguém discutindo "políticas públicas" para elevar o índice de leitura no Brasil; ninguém lançando "movimentos" para salvar o escritor brasileiro da própria indigência; ninguém atacando a imprensa e suas resenhas insípidas (já que, na era do blog, todo mundo pode fazer mídia: "Não gostou? Faça a sua!"); ninguém falando que os editores não dão "chance" (porque, não raro, estão todos lá - para ver e ouvir...); ninguém com muita coragem para enfrentar o público (afinal, os ingressos foram tão difíceis de conseguir...); e ninguém chorando pela falta de reconhecimento da crítica (aliás, que crítica?).

Não que a Flip não tenha defeitos; tem vários. E não que a Flip esteja livre de gente oportunista sem nenhuma ligação com a verdadeira literatura. Como quase tudo em nossa "sociedade de espetáculo", a Flip tem de, anualmente, sobreviver, atrair mídia, basicamente movimentar a cena e pagar suas contas. Então, como quase tudo no Brasil, a Flip se equilibra entre o sério e o clownesco. Chama, portanto, autores seriíssimos (com os dois "is") e, ao mesmo tempo, convoca autênticos animadores de auditório ("o povo quer saber") - porque o brasileiro não é de ferro (nem de livro), tem de rir um pouco de si e da eterna "crise"...

E eu exploro as contradições da Flip desde a primeira edição a que compareci (a de 2004). E, ano a ano, segundo o meu balanço, essas contradições só vêm aumentando... Por isso, a Flip é sempre interessante - as conclusões, sobre o evento, são falhas (todas) e a cobertura insuficiente (para quem foi e leu depois). Neste ano, eu me atirei com unhas e dentes na cobertura - assim as conclusões, agora, ficam um pouco mais "fáceis" (eu não preciso recapitular mesas inteiras, com acontecimentos que já envelheceram e perderam totalmente o interesse).

A primeira e inegável contradição anual é a do público. Como tanta gente (12 mil pessoas, segundo o último censo) se interessa por literatura? Ninguém se interessa por literatura. Todo mundo se interessa por Parati, pelas praias maravilhosas, pelas "ruas sem calçamento", pelos restaurantes chiques, pelas pousadas charmosas, pelos bons shows (em 2006, Yamandú Costa e Marcos Valle), pelas pessoas que lá encontram (ou pelas mulheres que lá encontram), e, eventualmente, por alguma literatura, sim. Por palestras de que possam guardar alguma frase ("Eu não quero ter razão: eu quero é ser feliz!", Ferreira Gullar) e até, quem sabe, por alguns escritores esdrúxulos.


A mítica Tenda dos Autores (do outro lado do rio)

Outra das contradições, que eu (a)notei só nesta edição, é que sempre perguntam aos escritores participantes sobre o imponderável - "quem é, como é, para onde vai" - e como eles ficam, logicamente, sem resposta, saem, de improviso, as melhores coisas (e, às vezes, as piores também). Como quando perguntaram ao Jonathan Safran Foer se ele sentia "saudades" de seus personagens; ele respondeu que os personagens, em seus romances, são meros veículos para suas idéias (dele, Jonathan) e que "sentir saudades deles" seria como sentir saudades daquele microfone depois da palestra...

Uma terceira contradição - esta talvez remonte à própria organização (opa, rimou) - é a mistura explosiva entre literatura e política. No ano passado, explodiu com o Arnaldo Jabor que, à época, não se conformava com os dólares na cueca daquele sujeito... E que terminou vaiado pelos intelectuais da USP (os do "silêncio"), que foram prestigiar, em 2005, o Roberto Schwarz. Neste ano, explodiu na mesa Hitchens-Gabeira, em que um escritor que não acredita, literalmente, em Deus se revelou um utopista apaixonado, e em que um ex-terrorista que seqüestrou e arriscou freqüentemente a própria pele se revelou o mais cético e lúcido da discussão. Jonathan Safran Foer definiu, mais uma vez, essa contradição da Festa: era simplesmente uma pena que todo mundo parasse para discutir literatura e, no final das contas, não conseguisse escapar das guerras, do noticiário, da CNN, da política enfim. Eu entendo o que ele quis dizer, mas também entendo - conforme a organização da Flip; e conforme o Diogo Mainardi, muito provavelmente - que literatura não sobrevive mais sem polêmica.

Uma próxima contradição, por aproximação (opa, rimou de novo), envolve, naturalmente, a mídia. É histórico já: os jornalistas, os que escrevem principalmente, se sentem preteridos (e alguns até desrespeitados) na Flip. A primeira reação é a seguinte: "Pra que tudo isso? Grande m... Eu também escrevo!". É mais evidente nos marinheiros de primeira viagem. Em 2004, vi um editor de cultura e um bom blogueiro, no final, fazendo caretas. E agora, em 2006, ouvi lamúrias de outro homem de cultura e li, na volta, as reclamações de outro bom blogueiro. Eu entendo perfeitamente porque também já me revoltei (e reclamei). Eu, brasileiro, confesso "minha culpa, meu pecado": ninguém agüenta assistir, por muito tempo, a palestra de um colega de pena - essa é que é a verdade -, então procura defeitos no evento inteiro. "A Flip é isso, a Flip é aquilo... A Flip é injusta (na seleção), a Flip não dá condições de trabalho (ao profissional do jornalismo)..." Depois de três Flips, eu posso garantir: o povo da Flip começa a te respeitar, você fica amigo da organização (que é simpaticíssima, depois que você ultrapassa os leões-de-chácara) - em resumo, a revolta passa e você se integra.

A última contradição é, justamente, fruto dessa confusão (proposital, acredito) entre "ator" e "espectador". O André Laurentino ilustrou bem com seu exemplo: participou da oficina de textos da Flip 2004; caiu nas graças de um editor no mesmo ano; teve um trecho de seu romance (na época, no prelo) analisado na oficina de 2005; e, em 2006, estava numa mesa, como convidado, discutindo com outros dois autores. "Acredite, é possível" - ele parecia exalar por todos os poros... Particularmente, acho essa mensagem um tanto quanto perigosa. Literatura: todo mundo pode? Eu penso que não. Subliminarmente, os idealizadores da Flip, e os seus apoiadores do mercado editorial, parecem acreditar que quanto mais se vender a idéia da literatura como uma coisa normal, limpa e até perfumada - para "pessoas como nós" ("gente do nosso nível"), mais aspirantes vão freqüentar a Festa, mais livros vão se vender, mais os verdadeiros escritores sairão fortalecidos do processo.

É apenas questão de tempo até que a tecnologia para a produção do livro esteja barateada ao extremo, e democratizada, como o foram, similarmente, a tecnologia para a publicação na imprensa (não a impressa; em internet), a para produzir (e distribuir) música ou para, em alguns instantes, realizar cinema (opa, já está acontecendo...). Pessoalmente, eu achava que o mercado editorial iria passar incólume - como está, por enquanto, passando - ao advento da World Wide Web. Mas não vai (até para o "problema da distribuição" os revolucionários encontrarão uma saída). Nesse contexto, a dessacralização do ato de escrever, durante a Flip, só está fornecendo munição para o "faça você mesmo" (do it yourself), como muitas edições de fundo de quintal - para as quais ninguém encontrou a fórmula ainda (Livros do Mal, Candide, ...?), mas, no futuro, vai encontrar. Como eu disse, é apenas questão de tempo. Nesse cenário, os editores da Flip, ao dizer nas entrelinhas que "qualquer um pode ser escritor", estão comprando (como a burguesia) a corda para se enforcar... Ou não. De brinde, esta derradeira contradição!


A Carol e eu, highlanders da Flip

Para ir além
Leia as minhas anotações, a quente, produzidas durante a Flip 2006.

Nota do Editor
Todas as fotos são de autoria de Julio Daio Borges e Ana Carolina Albuquerque (exceto pela última, de autoria de um freqüentador simpático da Flip 2006).


Julio Daio Borges
São Paulo, 1/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
03. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
04. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
05. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/9/2006
17h52min
A literatura talvez seja capaz de resistir à vulgarização como não o fizeram a música popular e as chamadas artes plásticas (pintura). O cinema provavelmente caminha nessa direção; tudo, na verdade, está passando pelo processo que se resume na idéia: qualquer um pode fazer isso. Ou: a arte está em todo mundo. Essa idéia tem um fundo de verdade, mas que não passa disso: uma rapa de panela. Em literatura existem outros fatores não solúveis na massificação geral. Um deles é o ato de pensar, não democrático em si. Outro fator é que literatura é refratária à adoção de técnicas visando produzi-la. As chamadas "oficinas de texto" (ou algo assim) beiram o ridículo. Outro fator é que literatura é um sacerdócio exercido em regime de clausura, avesso aos holofotes em geral. Outro fator é que escritores escrevem, imunes a qualquer notícia, mesmo que esta seja a notícia da "morte da literatura". E essa notícia tem se avolumado ultimamente, mas passará como uma onda.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DRAMA MILENAR DO CRISTO E DO ANTICRISTO
HUMBERTO ROHDEN
ALVORADA
(1990)
R$ 10,00



HOMENS COM MULHERES 6408
BERNARDO AJZENBERG
ROCCO
(2005)
R$ 10,00



CURSO MODULAR DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
TADAAQUI HIROSE E JOSÉ PAULO BALTAZAR JR (ORG
CONCEITO
(2010)
R$ 14,82



RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL 8801
MYRTES DE AGUIAR MACÊDO
CORTEZ
(1982)
R$ 10,00



O INDIVIDUO NA SOCIEDADE: UM MANUAL DE PSICOLOGIA SOCIAL
DAVID KRECH/RICHARD CRUTCHFIELD/EGERTON BALLACHEY
PIONEIRA / USP
(1969)
R$ 10,00



A NEW HISTORY OF UNITED STATES
WILLIAM MILLER
DELL
(1964)
R$ 13,00



A LINGUAGEM DAS FORMAS - NATUREZA E ARTE EM SHAFTESBURY
PEDRO PAULO GARRIDO PIMENTA
ALAMEDA
(2007)
R$ 15,00



SEXO E AFETO NA TERCEIRA IDADE
ANA PERWIN FRAIMAN
GENTE
(1994)
R$ 10,00



100 POEMAS QUE AMEI
MÁRIO FRIGÉRI
MUNDO MAIOR
(2011)
R$ 12,00



QUÍMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO 3
FRANCISCO MIRAGAIA PERUZZO
MODERNA
(2006)
R$ 6,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês