Digestivo nº 254 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
>>> A Quebrada É Boa: Monarckas realiza evento que fomenta arte e lazer a partir da cultura hip-hop
>>> III Mostra de Artes do Ensino Médio Técnico do Senac Nações Unidas - “VEREDAS DE NÓS: Crendices, Val
>>> Filmado nos Lençóis Maranhenses, 'Betânia' terá sua primeira sessão no Brasil no Guarnicê
>>> Inscrições abertas para o Noronha2B
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A moral da dúvida em Mirandola e Nietzsche
>>> De Cuba, com carinho
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote
>>> Minhas 10 melhores digestões
>>> Sobre o hábito de cutucar o nariz
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem
>>> A contradição de João Gilberto
>>> Entrando pelo cânone
Mais Recentes
>>> Análise matemática - Introdução de Duílio Nogueira; Pedro Paulo Marques pela Fae (1984)
>>> Vetores e Matrizes de Nathan Moreira dos Santos pela Impa (1975)
>>> Algebra Linear e Geometria Analitica de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1980)
>>> Mecânica dos Fluídos e Hidráulica - Col. Schaum de Ranald V. Giles pela McGraw Hill
>>> Geometria Analítica de David C, Murdoch pela Livros técnicos e científicos (1975)
>>> Álgebra I - Sequencias progressões logaritmos de Cid A. Guelli pela Moderna
>>> Equações Diferenciais de Sérgio A. Abunahman pela Livros técnicos e científicos (1982)
>>> Como Melhorar a Sua Memória de Michael Fidlow pela Record (1961)
>>> O Homem Demolido de Alfred Bester pela Nova Fronteira (1978)
>>> Vive-se uma só vez? A reencarnação documentada... de Jeffrey Iverson pela Expressão e Cultura (1979)
>>> Um Herói do Holocausto (A lista de Schindler) de Thomas Keneally pela Record
>>> Casos Clínicos Em Medicina De Emergência de Eugene C Toy pela Mcgraw-hill Brasil (2014)
>>> ABC do ECG de Carlos Alberto Pastore pela Medcel (2013)
>>> Primeiros Passos Com A Bíblia de Paulo Bazaglia pela Paulus (2001)
>>> Dicionário Da Biblia De Almeida de Bible Society Of Brazil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2016)
>>> Emergências clínicas: abordagem prática de Herlon Saraiva Martins pela Manole (2009)
>>> Acuarela de Michael Clarke pela Blume (1994)
>>> The New Self-Sufficient Gardener de John Seymour pela Dk (2008)
>>> Antoni Gaudí - Une Vie en Architecture de Rainer Zerbst pela Taschen (1993)
>>> Dicionário de Artes Decorativas e Decoração de Interiores de Stella Rodrigo Octavio Moutinho, Rubia Braz Bueno do Prado, Ruth Rodrigo Octavio Londres pela Nova Fronteira (1999)
>>> Brasil Globalizado - O Brasil Em Um Mundo Surpreendente de Octavio de Barros; Fabio Giambiagi (org) pela Campus (2008)
>>> H. Dantas, 90 Anos - Uma História na Navegação Brasileira de Luiz Antonio Aguiar, Lucia Brandão pela Andrea Jakobsson (2006)
>>> 101 Plantas Para Sombra de Coord. Valerio Romahn pela Europa (2008)
>>> The History of the American Bureau of Shipping 150th Anniversary de Diversos Autores pela Abs (2013)
>>> Cancioneiro de Francesco Petrarca pela Ateliê Editorial (2014)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 25/11/2005
Digestivo nº 254
Julio Daio Borges
+ de 3800 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Literatura >>> Prova do livro
Volta à baila o País de Não-Leitores. Desde pelo menos a última Primavera dos Livros do Rio que se discute, novamente em 2005, as razões da não-leitura no Brasil. Em relatório de Fábio Sá Earp e George Kornis, a grande causa era o preço elevado do objeto livro – por meio de gráficos, estatísticas e comparações com outros países, a intenção era mostrar que, proporcionalmente à renda dos brasileiros, os preços são exorbitantes. Outra conclusão, fatalista, era a de que: do boom dos anos 90 pra cá, as tiragens vêm sucessivamente diminuindo, enquanto que os preços, mais uma vez, seguem aumentando. (Efeito Tostines: quanto menor a tiragem, mais caro o livro.) Quem explica? Todo mundo explica: editores, livreiros, leitores. Especuladores. Entre a Primavera do Rio de 2005 e a de São Paulo, que recentemente prometeu colocar o mesmo assunto em pauta, chega a revista Panorama Editorial de novembro cuja reportagem de capa traz o seguinte título: “Em busca do leitor perdido” (com direito a tipologia à la Indiana Jones e a imagem de um labirinto). Sem tantos gráficos, estatísticas, comparativos, e com mais uma porção de opiniões e pontos de vista, para o pessoal da Panorama, o vilão parece ser, pela ordem: os pais, a escola e, em terceiro lugar, uma maçaroca que mistura internet com televisão com mídia estabelecida. Gabriel Chalita, nosso Secretário da Educação, foi, por exemplo, corajoso ao reconhecer o estrago de décadas de televisão. Já Augusto Massi, da Cosac Naify, diz que faltam “bons exemplos” tanto em casa como na escola. Alguém ainda lembrou – surpreendentemente – que, com a internet, obrigatoriamente se lê (e se escreve) mais. Principalmente entre os jovens. Pois como disse outro alguém (provavelmente Jason Epstein que, em O negócio do livro, disse quase tudo), voltamos a escrever (e a ler) como em todas as outras épocas da História humana pré-telefone. Talvez não precisemos inventar o i-Pod para escritores e leitores. O hipertexto está salvando o texto; agora, os atravessadores... vão ter de procurar outra ocupação. [Comente esta Nota]
>>> Primavera dos Livros | A Economia da Cadeia Produtiva do Livro | Panorama Editorial
 



Música >>> Too cool not to be hot
E Marcos Valle gravou, de novo, o disco que Ed Motta vem tentando há anos. Na verdade – para que o sobrinho de Tim Maia não saia tão mal na comparação –, é como se Ed Motta e seu ídolo instrumental, Moacir Santos, se dessem as mãos e, justamente, no meio do caminho ficasse Marcos Valle com este Jet-Samba. Por uma iniciativa sua e da Dubas, é o primeiro álbum, em muitos anos, totalmente concebido e realizado no País do Carnaval (e da Bossa Nova). Marcos Valle revisita sua trajetória em vários momentos, puxando desde o tema de Selva de Pedra (a novela) até lembranças do início dos tempos, sob a benção da Família Caymmi, passando pela sua ligação com o jazz americano, graças à sólida carreira internacional, e evocando, claro, Tom Jobim, também falando muito de Eumir Deodato. Reabilitando, ainda, Jacquinho Morelembaum, que parecia para sempre entregue aos arroubos latinos de Caetano Veloso. Entre tantas remixagens, samples, pastiches e, sobretudo, diluições da bossa nova nas pistas (convenhamos), é, no mínimo, revigorante encontrar um dos Pais Fundadores ainda fértil, original e criativo. Aliás, quando é que uma gravadora vai se dignar a lançar as obras completas de Marcos Valle no Brasil (antes que o CD se extinga)? Nesse sentido, Jet-Samba é uma obra-prima de nostalgia. Desde a capa até o encarte, passando pela “cozinha” (sem nenhum componente de música eletrônica) até os grooves, que nunca falham. Quanto mais se ouve, mais paira – vamos e venhamos – a sombra do maestro Moacir Santos. E Ed Motta podia ter feito parte dessa geração... Quando lemos as anotações de Marcos Valle sobre sua atual produção, concluímos que mais do que talento o que falta ao autor de Dwitza é ambiente para sua criação. Ser “anônimo”, como Valle foi, entre Ary Barroso, Dorival Caymmi e Vinicius de Moraes – vamos dar a mão à palmatória – é coisa difícil de se emular hoje. Fica o registro de Jet-Samba. [Comente esta Nota]
>>> Jet-samba - Marcos Valle - Dubas
 



Além do Mais >>> Fidelio
Dias antes de morrer, Beethoven se ocupava dos últimos quartetos em que revolucionaria, como sempre, a forma, e podia ser visto passeando com a cabeça cheia de idéias. Uma mente em ebulição, que só parou quando caiu doente, e para sempre, de cama. Beethoven teria gostado de 2005 no Brasil, em que sua biografia, por Lewis Lockwood, se consagraria desde o ano anterior; e em que o Mozarteum Brasileiro encerraria sua Temporada com a Bamberger Symphoniker e a sua Oitava Sinfonia (aquela em que, dizem, ele apelou, no último movimento, para o aplauso do público. Esse Beethoven...). Também com Brahms, seu discípulo – para Paulo Francis, “retrô” –, e o respectivo Concerto para piano nº 2, interpretado por ninguém menos que Rudolf Buchbinder. Sim, o incansável, e fiel, executor (testamenteiro?) das sonatas completas do mestre de Bonn. No intervalo entre a Oitava de Ludwig Van (como diria Kubrick) e o Concerto de Brahms por Buchbinder, a ansiedade era tamanha que, na Sala São Paulo, nem compensava sair para tomar um cafezinho. Satisfação era ver o piano retumbante surgindo no palco (aquele mesmo com que, no filme, Nelson Freire implicou; até aí, até Yamandú já implicou, na mesma Sala, com seu próprio violão...). Buchbinder não implicou (e nem o regente, Jonathan Nott); e vê-lo, novamente, em tão pouco tempo, foi um presente digno das grandes temporadas no exterior. E em 2006, o Mozarteum já anuncia, no embalo da Bamberger, a Sinfônica de Köln, o Coro Giuseppe Verdi, a Sinfônica da Rádio de Frankfurt, Gidon Kremer (remember 2004), e – mais uma vez, para ninguém dizer que não teve chance – Rudolf Buchbinder com a Orquestra de Câmara de Zurique. Entre outros. Ludwig Van que, em 2005-2006, não ouviria nem mais um pio – mas que teria marcado o tempo, com os olhos – acederia em concordância. Eyes wide shut, não precisaria de senha para adentrar no banquete de melômanos (como a mesma Orquestra do Estado de São Paulo comprovou). [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* Gestão Estratégica de Marcas - Marcos Machado, Nelson Blecher e Dilson Gabriel dos Santos
(Ter., 29/11, 19h30, VL)
* Guerra e Cinema - Paulo Arantes, Ruy Sardinha, Sérgio Dávila e Ricardo Bonalume Neto
(Qui., 01/12, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* O Futuro Chegou - Maílson da Nóbrega
(Ter., 29/11, 19h00, CN)
* Lucratividade pela Inovação - Nelson Barrizzelli e Rubens da Costa Santos
(Qua., 30/11, 19h30, VL)
* As Ferrovias do Brasil - João Emilio Gerodetti e Carlos Cornejo
(Qui., 01/12, 18h30, CN)
* Guerra e Cinema - Paul Virilio
(Qui., 01/12, 19h30, VL)

>>> Shows
* Mainstream – O início dos anos 50 - Traditional Jazz Band
(Sex., 02/12, 20hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2005
19h53min
No Brasil, Julio, o que me surpreende são as edições de alguns poetas. Já fiz essa pergunta até para o Contador Borges, poeta e tradutor de René Char pela Iluminuras, mas ninguém me respondeu convincentemente a questão seguinte: o que leva um editor brasileiro a lançar um livro de René Char ou de Paul Celan? "O nu perdido e outros poemas", de Char, bilingue, traduzido pelo Contador Borges foi uma das mais raras e iluminadas façanhas que me contemplaram. Mas, quem souber responda, por favor: O que leva, um editor, no Brasil, a cometer tal maravilha? Baccios!!!
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]
2/12/2005
09h51min
Bastante interessante este ano para a música brasileira onde os melhores trabalhos foram os discos instrumentais de Marcos Valle (Jet Samba), Moacir Santos (Choros & Alegria) e Lea Freire & Bocato (Antologia da Canção Brasileira Vol. 1 e 2), este 2005 foi um ano deliciosamente atípico pra quem escapou ileso do ilariê da Banda Calypso...
[Leia outros Comentários de VValdemar Pavan]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teoria dos Jogos
H. Scott Bierman e Luis Fernandez
Pearson Universidades
(2023)



Federação Internacional De Didádica Código De Pontuação Feminino
Vários Autores
Ministério Da Educação E Cultura
(1977)



Mergulho na Paz
Hermógenes
Record



U2: A Diary
Matt Mcgee
Omnibus Press
(2008)



Os Dez Mandamentos para o Século XXI
Fernando Savater
Ediouro
(2005)



Livro Infanto Juvenis Corpo humano Coleção Lanterna Mágica
Paloma Blanca
Ciranda Cultural
(2020)



Nem Acaso, Nem Milagre - a Gestão do Compromisso
Roberto Palominos
Gente
(1997)



Uma Luz no Fim do Túnel
Ganymédes José
Moderna Paradidático
(2003)



The Dali Museum Collection Oil Paintings Objects and Works on Paper
Norwood Lubar; Knopf; Ayala; Tush; Jeffett; Hin
The Dali Museum Collection
(2012)



Livro Teatro Mestres do Teatro I Estudos 36
J. Guinsburg Alberto Guzik John Gassner
Perspectiva
(2005)





busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês