Digestivo nº 65 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Romance breve
>>> Prefeito dará a carros bela vista da universidade
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> A revista Bizz
>>> Cheech & Chong reloaded
>>> A Istambul de Orhan Pamuk
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> Considerações sobre a leitura
>>> cheiro de sossego
>>> Niemeyer e a unanimidade
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira O Coração das Trevas de Joseph Conrad pela Abril (2010)
>>> Os Dois Capetinhas de Ofélia Fontes pela Vozes (1982)
>>> Livro Literatura Brasileira Cinderela Pop de Paula Pimenta pela Galera Record (2015)
>>> Overworked And Underpaid de Mary Bridget Carroll pela Fawcett Publications (1984)
>>> Mediunidade e Caminho de Carlos A. Baccelli / Odilon Fernandes pela Ide (2014)
>>> Na Pele De Uma Jihadista de Anna Erelle pela Paralela (2015)
>>> Circuitos de Rua 1908-1958 de Paulo Scali pela Imagens Da Terra (2018)
>>> Éléments de linguistique anglaise - Langue et langage la phrase complexe et les nominalisations de François Dubois Charlies pela Libraire Larousse (1971)
>>> Livro Filosofia Montesquieu Cartas Persas Coleção Folha Grandes Nomes do Pensamento 21 de Folha de S. Paulo pela Folha de S. Paulo (2015)
>>> Sem Dúvidas: Estatuto Da Criança E Do Adolescente de Vários Autores pela TypeLaser (1999)
>>> As Provacoes De Apolo - Livro 1: O Oraculo Oculto de Rick Riordan pela Intrínseca (2016)
>>> Business Cards - A Collection from Around the World de Edited by Takenobu Igarashi pela Books Nippan (1989)
>>> Livro Literatura Estrangeira Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Globo (2012)
>>> Mediunidade e Evangelho de Carlos A. Baccelli / Odilon Fernandes pela Ide (2008)
>>> O Peso Do Estado Na Patria Do Mercado - Os Estados Unidos Como País Em Desenvolvimento de Reginaldo C. Moraes pela Unesp (2013)
>>> Livro Literatura Brasileira As Esganadas de Jô Soares pela Companhia Das Letras (2011)
>>> Livro Literatura Estrangeira Damas Rebeldes Brilhante A História de Belle Volume 2 de Julia Quinn pela Arqueiro (2021)
>>> O Brasil na Rota da Navegação Francesa de Julio Bandeira pela Reler (2006)
>>> Livro Filosofia Marx Contribuição À Crítica Da Economia Política Coleção Folha Grandes Nomes do Pensamento 22 de Folha de S. Paulo pela Folha De S. Paulo (2015)
>>> Reologia E Escoamento De Fluidos de José Carlos Vieira Machado pela Interciência (2002)
>>> Organize Your Office de Ronni Eisenberg; Kate Kelly pela Hyperion (1998)
>>> As Raízes do Rock de Florent Mazzoleni pela Companhia Nacional (2012)
>>> Livro Filosofia Antifonte Testemunhos, Fragmentos, Discursos Coleção Folha Grandes Nomes do Pensamento 23 de Folha de S. Paulo pela Folha de S. Paulo (2015)
>>> The Complete Book Of How To Succeed With Women de Victor Wild pela Wildfire (1981)
>>> Livro Literatura Estrangeira Damas Rebelde Esplêndida A História de Emma Volume 1 de Julia Quinn pela Arqueiro (2021)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 23/1/2002
Digestivo nº 65
Julio Daio Borges
+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> Polícia para quem precisa
A classe política é como qualquer outra no Brasil: precisa ser atingida em suas fileiras, pela onda de banditismo, para finalmente declarar que a situação “passou dos limites”. Os cidadãos sabem que essa constatação é típica de quem acaba de acordar para a realidade – a mesma que se tornou rotina para os que não tem como fugir (dos grandes centros), ou estão esperando por uma bala perdida que categoricamente os convença a sair da cidade. O enredo, montado a partir da morte do prefeito Celso Daniel, é rico e tudo indica que vá render por meses no noticiário. Tem ingredientes ideológicos: PT versus Farb (aparentemente uma organização pouco articulada, no português, para planejar ações tão contundentes e precisas). A oposição vai deitar e rolar com a ineficiência de Geraldo Alckmin, evocando, inclusive, a tal “tolerância zero” (quando tem pré-candidato aí que, volta e meia, dormia com presos no Carandiru ou saía em manifestação pelos raptores de Abílio Diniz). Por outro lado, existe a indústria do seqüestro que, independentemente desse fato, cresce a olhos vistos. Eis alguns dos motivos: baixa probabilidade do transgressor ser preso (0,2%); real possibilidade de fuga (da prisão); popularização da prática entre criminosos “não-especializados”; diversificação das vítimas (inclusão de classes “não-altas”); diminuição do valor do resgate e até pagamento em parcelas (foi constatado); criação de hotéis-cativeiro (“famílias” que alugam cômodos para abrigar reféns). A população se defende: “Nem conto com a polícia, só com a proteção de Deus”; “Se o carro do prefeito era blindado e não resolveu nada, o que vai ser de nós, que precisamos andar a pé ou de ônibus?”; “Eu adoro a noite, não sou casado, mas não saio de casa. Isso é vida?”; “Um vizinho vigia o outro”; “O que eu posso esperar? Pode acontecer qualquer coisa comigo”; “O cachorro foi o melhor alarme que coloquei em casa até hoje”. Por mais cômico que soe, mesmo sem recursos, o povo consegue ser mais inventivo e pragmático que seus representantes. Como no caso do apagão, as medidas são tomadas na última hora. (Approposito: outro dia faltou luz...) [Comente esta Nota]
>>> Site da organização traz críticas ao PT
 



Além do Mais >>> Você vai ser grande
O espírito de Raphael Rabello está vivo. Conforme acreditava Aristóteles, não existe alma imortal, mas o intelecto, de alguma forma, volta. É o que atesta o CD do genial violonista gaúcho, Yamandú Costa, também vencedor do Prêmio Visa do ano passado. Quase não dá para acreditar que tanta música, tamanha musicalidade, possam brotar dessa nascente: um rapaz charmosamente descabelado de vinte e um anos. Quem o viu em suas raras performances, ou em programas na alta madrugada na tevê, não tem dúvida de que ele domine o violão como, no Brasil, uma meia dúzia dominou. Aliás, reza a lenda que Paco de Lucia, o célebre instrumentista espanhol, em uma de suas passagens pelo País, ouviu Raphael Rabello tocar e decretou: "Você é o melhor do mundo." Se houvesse visto Yamandú Costa, teria dito a mesma coisa. Produção de Maurício Carrilho, o álbum intercala temas do próprio artista (um compositor de mão cheia) com grandes peças do choro e da música gaúcha. Principia por "Brejeira", de Ernesto Nazareth, com Yamandú solo, mostrando que sabe manejar o ritmo com bem entende. Logo em seguida, "Mariana", de sua autoria, acompanhado por executantes tão brilhantes quanto Toninho Carrasqueira (à flauta), Cristiano Alves (à clarineta) e Ricardo Amado (ao violino). Essa formação, às vezes, se completa com o próprio Maurício Carrilho (ao violão), Luciana Rabello (ao cavaquinho) e Silvério Pontes (ao trompete), dentre outros. Ainda da lavra de Yamandú, o ouvinte encontra "Chamamé" (um lamento grave, que acelera tropeiro), "Chorando por Amizade" (um clássico choro, evocando Guinga?), "Bahia X Grêmio" (um duelo com Armandinho, ao bandolim), "Cristal" (marcada e de fraseado curto, como um tango) e "Habanera" (lenta e reflexiva, como a brisa marítima). Entre os nomes laureados com interpretações de Yamandú Costa, estão Rubens Leal Brito, Angelino e Bonfiglio de Oliveira, Adaberto de Souza e, claro, Raphael Rabello. Os brasileiros - embora surdos para os verdadeiros sons de sua terra - continuam abençoados por talentos que descem dos céus. [Comente esta Nota]
>>> Yamandú Costa
 



Internet >>> Faster, Bigger and Better
O suplemento da Business Week, no jornal Valor, acaba de publicar uma reportagem de capa sobre a situação da ex-superpoderosa Cisco Systems, a corporação que, um dia, chegou a ser a mais valiosa do planeta. Trata-se de um quase dossiê investigativo, esmiuçando as manobras contábeis e o delírio coletivo que permitiu à empresa, por 43 meses consecutivos, superar as expectativas de Wall Street, atingindo um valor de mercado de US$ 430 bilhões e taxas de crescimento de 70% ao ano. Um dos ingredientes da fórmula mágica da Cisco, em plena “bolha”, envolvia a aquisição de pequenas e promissoras organizações de tecnologia, que já haviam arcado com custos e riscos de desenvolvimento. Nessa brincadeira, foram empenhados US$ 5,4 bilhões nos últimos 5 anos, inclusive em situações absurdas onde o dispêndio por funcionário (da organização adquirida) beirava os US$ 24 milhões. Desnecessário acrescentar que, tão logo o negócio era fechado, muitos dos “novos talentos” pulavam fora, deixando a Cisco a ver navios. Para não assustar seus acionistas com cifras desse porte, a megaempresa não registrava, em seus livros, os bilhões envolvendo “fusões e aquisições”, lançando-os como “pesquisa e desenvolvimento” – o que, no exercício subseqüente, resultaria em lucros ainda maiores, produzidos “a partir do nada” (leia-se a custo zero). E isso é só a ponta do iceberg. A cada fim de trimestre, para não frustrar as expectativas de Wall Street, caminhões eram carregados com o máximo possível de mercadorias que, contabilmente, eram registradas como “vendidas” – a fim de alcançar, até a meia-noite, o faturamento desejado. Não obstante, muita gente mantém a mesma fé na Cisco. A começar pelo CEO, no cargo há 7 anos, John Chambers. E a terminar pelo acionista (as ações do ex-gigante da tecnologia – apesar de tudo – equivalem a 95 vezes o lucro estimado para 2002). É o que se chama jogar alto. E pensar que o “nosso problema” é a Argentina. [Comente esta Nota]
>>> Cisco: o que há, além daquele barulho todo
 



Gastronomia >>> Feijão preto com paio: daqui não saio
Era uma vez, em 1946, Affonso Paulillo, o Bolinha, e seu amigo, Zé Gordinho, que, motoristas de táxi, resolveram arrendar um boteco na avenida Cidade Jardim. A sociedade não prosperou. Sobrou para Bolinha que, arregaçando as mangas, resolveu transformar o local em pizzaria. Em 1952, porém, ele decidiu comemorar uma vitória no futebol com uma feijoada. Foi um sucesso. Tanto que Bolinha se sentiu obrigado a incluí-la no cardápio, às quartas e aos sábados, convertendo-a em prato diário, a partir de 1976, por sugestão de Caio Pompeu de Toledo (então secretário municipal de turismo). Hoje o restaurante segue sob a direção da família Paulillo: José Orlando e Paulo Affonso, ambos filhos de Bolinha (já falecido). Carne seca, costela, pé, rabo, orelha e lombo de porco; paio, lingüiça portuguesa, língua, bacon, feijão preto; cebola, alho, louro e laranja. É de se perguntar o que a geração light-diet vai fazer da feijoada. (Uma heresia para quem segue à risca os mandamentos da “tabela de calorias”.) Não por acaso, já foi incluída no cardápio do Bolinha, uma versão “magra” (sem orelha, pé e rabo). Em pleno século XXI, deliciar-se com essa iguaria, mais que um ato de resistência, é passar por um dos últimos rituais à brasileira, na metrópole. Desde o manobrista até os garçons, que trazem, uma a uma, as guarnições: arroz, couve, banana; mandioca, bacon, torresmo; bisteca, farinha e molho apimentado. Sem falar na batida de limão, que vai derrubar os mais esfaimados, no meio da refeição. O Bolinha segue, portanto, a todo vapor. Da primeira feijoada, a gente nunca esquece. Nem da última. [Comente esta Nota]
>>> Bolinha - Av. Cidade Jardim, 53 - Tel.: 3061-2010
 



Cinema >>> To rule the World
Que jovem-bruxo, que nada. A grande aventura cinematográfica deste início de século é o Senhor dos Anéis. Ninguém deve se assustar com os efeitos especiais, nem com as três horas de duração. O mundo criado por J.R.R. Tolkien, e transposto para a tela grande por Peter Jackson, é belo e envolvente. Há tempos não se via heróis realmente cativantes e combates pelos quais o espectador poderia se empenhar. Finalmente uma trilogia infanto-juvenil à altura de suas predecessoras. Recheada com temas muito caros aos adultos também: a disputa pelo poder; a tentações da carne; a finitude da vida; a fraternidade entre os povos; o respeito às origens; o sentimento de impotência. Os dramas do Senhor dos Anéis são dramas humanos; os protagonistas não são o protótipo do “herói infalível”: sofrem baixas e, mesmo habitando um universo inventado, emocionam a platéia. A história por detrás do filme é também de se admirar. Peter Jackson, o diretor, concentrou-se com o elenco principal por oito meses na Nova Zelândia e completou as três partes ao mesmo tempo. Elijah Wood, o hobbit Frodo, que conduz a cena, antes da saga, não era mais que um ator de 20 anos, tendo se juntado a quatro amigos que, fantasiados numa floresta, conseguiram impressionar a Jackson na fase de testes. Liv Tyler, anteriormente desprezada pelos fanáticos do livro, hoje é solicitada em Hollywood para reproduzir falas em “quenya”, a linguagem dos elfos, forjada por Tolkien. Se o argumento do Senhor dos Anéis é forte e consistente, suas paisagens, imagens e cores são de provocar inveja em toda e qualquer superprodução que se preze. A câmera realiza vôos e percorre ângulos como num balé, embriagando até o mais ferrenho detrator da estética. Os cartões postais já valem a incursão pela Terra Média. Felizmente, há mais. No ano que vem, inclusive. [Comente esta Nota]
>>> The Lord of the Rings
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2002
16h35min
O Sr. Clóvis, em Usina de Letras (www.usinadeletras.com.br), não sei por que raios que o partam, me cobrou uma posição frente ao assassinato do prefeito Celso Daniel, de Santo André. Também cobrou uma posição do Ternuma (www.ternuma.com.br) a respeito do assunto. Tanto o Ternuma quanto eu combatemos qualquer tipo de violência, não importa a ideologia que a acoberte. Assim, por que a inquisição, Sr. Clóvis? Por que eu - ou também o Ternuma - teríamos que obrigatoriamente nos pronunciar sobre algo que já ocorre há anos, ou seja, a violência institucionalizada em nosso País? Qual seria nossa autoridade em palpitar sobre o assunto? Mas, como em Usina de Letras (ou em Digestivo Cultural) se discute do cocô à bomba atômica - como diria Jô Soares - vamos ao assunto do p(a)uteiro Clóvis. Ora, caro Clóvis, no que toca a este pobre mortal, o que ocorreu no ABC paulista foi apenas mais uma morte estúpida de um ser humano. Em 2001, morreram 40.000 pessoas assassinadas no Brasil. A vida de um petista teria para você mais valor do que a vida do brasileiro comum? Nada se esclareceu a respeito da morte de Celso Daniel. Crime político? Tudo indica que não, pois havia altos interesses em jogo (o amigo do prefeito que o acompanhava na ocasião do seqüestro ficou rico em poucos anos), tráfico de influência, insinuações várias que já apareceram na imprensa - ou seja, foi apenas mais um crime de mafiosos que atuam impunemente há anos no Brasil. Outra coisa, caro Clóvis: quem anda de mãos dadas com terroristas do ETA, do IRA, das FARC - como ocorreu com o PT no I Fórum Social Mundial, em janeiro de 2001 - um dia será vítima desse mesmo terrorismo. Quando os terroristas que seqüestraram Abílio Diniz foram presos, o Senador do PT Eduardo Suplicy fez uma visita de cortesia aos "pobrezinhos". O então Secretário de Direitos Humanos, do Ministério da Justiça, José Gregori, não sossegou o facho enquanto todos os terroristas não fossem soltos (com as bênçãos de Dom Arns). A mesma bajulação da esquerda com terroristas ocorreu quando um ex-padre, relações-públicas das FARC, foi preso em Foz do Iguaçu. Integrantes do PT, CUT, MST, PC do B etc. exigiram a imediata liberação do crápula - no que foram prontamente atendidos pelo Sr. Gregori. Lula-laite, o eterno candidato do PT a Presidente do Brasil, volta e meia faz um passeio a Cuba, entre baforadas de havana e goles de mojito, para mais um ato subserviente de lambe-botas ao terrorista mais antigo no mundo. O que teria Lula-laite de tão importante para aprender com o longevo tirano? Pergunte ao PT, Sr. Clóvis, eles devem ter uma boa explicação que eu desconheço até o momento. Portanto, quem deve explicar a violência atual, mais do que eu, o Ternuma ou qualquer outro palpiteiro, é o próprio PT, além do Governo FHC (do Ministro Aloysio "Ronald Biggs" Ferreira). Já diz um ditado que "não se pescam trutas(*) de bragas enxutas". As vestais do PT, como você, Clóvis, hoje se espantam por estarem com as ceroulas molhadas. Vocês esquecem apenas que estão colhendo o que semearam nesses anos todos, como pode ser comprovado no artigo "PT colhe plantio", de Janer Cristaldo, publicado em Ternuma. No fundo, no fundo, Clóvis, você também é um pouco Bin Laden ;-) (PT - Partido dos Talibãs) (*) "Truta" é também o apelido de Olívio Dutra, segundo o testa-de-ferro Diógenes do Dinamite.
[Leia outros Comentários de Félix Maier]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia Metodológico para cadernos Mec-História
Vários autores
Ministério da educação e cult.



Antologia de contos: contos brasileiros contemporâneos
Julieta Godoy Ladeira
Moderna
(2013)



Livro Filosofia Saber Fazer Filosofia da Antiguidade à Idade Média
Carlos Diógenes Tourinho /giovanni Smeraro (coord)
Ideias e Letras
(2010)



Filtro Solar
Mary Schmich
Sextante
(2004)



E Pluribus Unum
Harold Burson
Não Consta
(2004)



O Amante da China do Norte - Coleção 50 Anos
Marguerite Duras
Nova Fronteira
(2015)



Festas Populares - Uma Celebração de Sons e Movimentos
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2012)



Rigor E Paixão
Emilie Chamie
Senac São Paulo
(2001)



Toda Casa Precisa de Varanda
Rina Frank; Tova Sender
Record
(2009)



50 Ways to Cure a Hangover
Cara Frost-sharratt
Spruce
(2017)





busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês