Pagã or not pagã, that's the qüestã | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Florbela Espanca, poeta
>>> Mamãe falhei
>>> À procura de barranco
>>> As armas e os barões
>>> 11 de Setembro e a Era do Terror
>>> Sobre as ilusões perdidas
>>> Mistérios Literários
>>> Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos
>>> Caminho para a Saúde
>>> Romance breve
Mais Recentes
>>> O Herói Perdido de Rick Riordan pela IntrÍnseca (2011)
>>> Sem Folego de Brian Selznick pela Sm (2012)
>>> Manual De Metodos E Tecnicas De Pesquisa Cientifica de Izequias Estevam Dos Santos pela Impetus (2016)
>>> A Droga Da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> Compliance: Como Implementar de Marcos Assi pela Trevisan (2018)
>>> Nate Está Na Área de Lincoln Peirce pela Sextante (2014)
>>> Nós de Mauricio Negro pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> Análise Técnica Clássica de Flávio Lemos, Celso Cardoso pela Saraiva (2010)
>>> Zumbizito: Descubra Seu Segredo de Kevin Bolger pela Novo Século (2012)
>>> Entrevista de Clarice Lispector pela Rocco (2007)
>>> Drogas: sua Liberdade Por um Fio de Denise Ortega pela Nova (2008)
>>> A Droga Do Amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> O pulo da Carpa! de André Gravatá pela Sm (2022)
>>> Desmontando A Arara de Renata Bueno pela Ftd (2010)
>>> É Possível Superar A Violência Na Escola? de Luciene Regina Paulino Tognetta pela Do Brasil (2012)
>>> Sentidos De Milicia: Entre A Lei E O Crime de Greciely Cristina Da Costa pela Unicamp (2014)
>>> Odisseia Em Quadrinhos de Silvana Salerno pela Ftd (2022)
>>> Passaro Amarelo de Olga de Dios pela Boitatá (2016)
>>> Implantação De Inovações Curriculares Na Escola: A Perspectiva Da Gestão de Esther Carvalho pela Cla (2019)
>>> Metodologia OPEE: 20 Anos Inspirando Projetos de Vida de Leo Fraiman pela Ftd (2023)
>>> A Mala Maluca de Donaldo Buchweitz pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Sangue Do Olimpo: Os Herois Do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Sonho Transdisciplinar E As Razões Da Filosofia de Hilton Japiassu pela Imago (2006)
>>> A Importância De Ser Prudente, Um Marido Ideal E Outras Peças de Oscar Wilde pela Veríssimo (2024)
>>> O Sucesso Jamais Será Perdoado - A Autobiografia Do Barão De Mauá de Irineu Evangelista De Souza pela Avis Rara (2024)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Segunda-feira, 25/2/2008
Pagã or not pagã, that's the qüestã
Pilar Fazito
+ de 5500 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Pagã. Foi assim que a freira velhinha para quem dei lugar no ônibus resumiu em dois segundos os meus treze anos de tormento existencialista. Eu sabia que não era pagã, mas depois que a serva do senhor cravou essa conclusão na minha testa, nem eu nem Ele, desdobrado na santíssima trindade, conseguiria convencê-la do contrário.

Lembro-me bem disso. Eu era uma adolescente cheia de espinhas que estava tentando ser gentil. Adolescentes cheios de espinhas que tentam ser gentis não devem ser contrariados, pois esses episódios os acompanham para o resto da vida. Nunca mais tive boa vontade com freiras velhinhas.

O fato é que a freira resolveu pregar e eu caí na besteira de dizer que era batizada. E só. Não, eu não fiz primeira comunhão; nem crisma. E não me preocupava com a complicação na hora de casar na igreja porque, a bem da verdade, se fosse para casar, eu preferia um casamento com aquelas festanças gregas ou judaicas, em que noivos e convidados jogam pratos para todo lado, ou dançam "Hava Nagila". Mas não entrei nesses detalhes todos. Apenas disse que não tinha feito a primeira comunhão. E ela me carimbou um "pagã" que me fez perder o rumo de casa. Quando consegui encontrá-lo novamente, a primeira coisa que fiz foi correr ao dicionário e tentar entender em que acepção eu me encontrava. Para o meu alívio, nenhuma. Decerto, a freira havia surtado.

O fato é que eu estava numa fase terrível de questionamento de tudo. Fase essa que começou quando nasci e me acompanha ainda hoje. Minha mãe até tentou ensinar alguma coisa do catolicismo para os filhos antes de simpatizar com o espiritismo e depois mudar de idéia de novo... Mas meu pai, um ex-coroinha revoltado e convertido ao ateísmo, fazia questão de nos pregar o seu materialismo científico. Deu no que deu.

Estudei em colégio católico e não fui dispensada das aulas de religião. Cantava a "Oração de São Francisco" na capela da escola e, ao chegar em casa, folheava enciclopédias sobre o evolucionismo e assistia à série Cosmos, do Carl Sagan. Nessa época, tentei conciliar os extremos a fim de encontrar alguma lógica em meio a tanta informação desencontrada. Depois de questionar a veracidade do que estava a minha volta, cogitando o fato de eu ter sido abduzida e de tudo não passar de um teatro alienígena ― em que aqueles a quem eu chamava de pais eram, na verdade, ET's ―, cheguei à conclusão de que Deus detonou o big bang, as amebas viraram macacos e Adão e Eva eram seus primeiros descendentes diretos. Mas a professora de religião não gostou dessa teoria. Meu pai também não. Como Deus não falou nada, continuei acreditando nisso por algum tempo.

A verdade é que os assuntos religiosos sempre chegaram a mim revestidos de ficção. Eu via o Charlton Heston abrindo o mar vermelho na Sessão da Tarde e, dias depois, fugindo numa biga romana; e tentava entender onde o menino Jesus se encaixava ali. Aliás, esses filmes de Sessão da Tarde eram sempre muito parecidos e, como ninguém me explicava patavinas, durante anos acreditei que todos eram a mesma pessoa: Matusalém, Maomé, Moisés. E que tudo fazia parte do mesmo universo: Jesus, Deus, Aladim, Alá, os apóstolos, os Titãs, Ali Babá e os quarenta ladrões, Sherazade, Cleópatra etc.

Mais tarde, passei a ter vergonha das gafes e da salada mental que eu fazia com isso tudo. Comecei, então, a estudar e tentar entender melhor a história do cristianismo e a motivação muçulmana e judaica. O problema é que quanto mais estudo, menos entendo; o ser-humano, não seus deuses.

Religião é um assunto que sempre me causou admiração e repulsa. Gosto de entender as religiões sob um ponto de vista antropológico e ficcional, observar os argumentos criados pelo homem para fazer uma história tão fantástica ser considerada crível. Mas detesto acreditar em tudo que seja institucionalizado, legalizado, generalizado e passado em cartório. Não consigo conceber a idéia de um Deus único, onipotente, onipresente e prepotente do qual saímos à sua imagem e semelhança. E, Santa Maria, como é difícil aceitar a trindade católica em que, de repente, o pai é o filho e o Espírito Santo, tudo ao mesmo tempo! E depois dizem que a gramática é que não tem coerência...

A cada dia, tenho mais fascínio por religiões politeístas ou que acreditam em um deus anamórfico, numa força criadora, energia coletiva, ch'i etc. Gosto de imaginar que tudo isso que vemos possa ser fruto da imaginação de alguém, e então viveríamos numa espécie de rótulo da aveia Quaker, um mise-en-abîme que esconderia universos paralelos infinitos e, Zeus queira, em um deles eu tivesse ganhado na loteria.

Não existe nada mais maravilhoso do que a Teogonia. Imaginar a criação do mundo, as rixas e os humores divinos situados entre o Olimpo e os Campos Elíseos, além do destino comum a todos os mortais no Hades, me dá um prazer indescritível. Tanto quanto esmiuçar o mito de Lilith em oposição a Eva ou ler sobre a queda de Lúcifer. Com todos os exageros, essas histórias me parecem mais verídicas do que a busca pela perfeição exigida por muitas religiões, já que admitem as características humanas sem cair no julgamento reducionista bem x mal.

Há quem necessite de um salvador externo. Aquele Deus-herói que direciona a vida do fiel e que bate primeiro, mas dá a certeza de que vai soprar depois. Definitivamente, esse não é o meu. Que não seja: independentemente da crença escolhida, que faça sentido ou não, é preciso acreditar em algo. Isso não significa destinar 24 horas por dia à bíblia, à torá, ao alcorão ou ao horóscopo. Não é a religião o ópio do povo, mas o fanatismo.

Acreditar em algo, nem que seja na própria ciência, é uma forma de construir uma lógica para nós mesmos, de tentarmos justificar a nossa existência ― algo injustificável, diga-se ― e impedir que cometamos suicídios em massa. Quando o assunto é religião, não interessa se Deus existe, mas se nós realmente existimos. E é bom não perguntarmos demais ou começamos a desconfiar.

O Brasil é um país alegre justamente porque acredita. Aqui a gente acredita em tudo ao mesmo tempo: Deus, ET's, espíritos, vidas passadas, duendes, orixás, profecias e até nos políticos e na mídia.

Já uma nação descrente apresenta altos índices de suicídio, de ingestão de calmantes e antidepressivos, além de ser um grande comprador de livros do Paulo Coelho. São todas tentativas desesperadas de se acreditar em algo, uma vez que nem a Carla Bruni nua no sofá, cantando "Raphaël", é capaz de aplacar a descrença dessa gente.

Em relação ao objeto de crença, tanto faz se é um Deus onírico, um monolito ou uma garrafa de coca-cola que cai do céu no deserto africano. O importante é ter fé. E fé é como escova de dente: cada um tem a sua.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 25/2/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (Final) de Cassionei Niches Petry
02. A fada do dente sou eu de Ana Elisa Ribeiro
03. Anotações do Jardineiro de Ricardo de Mattos


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2008
17h56min
Pilar, gostei do texto. Parece que não sou o único que teve problemas com os que encaram a religião como uma torcida de futebol (e ai de quem torcer para outro time, ou não torcer para time nenhum). Essa história da freira é um bom exemplo.
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
3/3/2008
15h32min
Pilar, nunca (palavra inenusável) ri tanto e desejei ter escrito tudo que li, você é fenomenal. A partir de hoje vou grudar-me ao seus escritos. Aplausos de calypso
[Leia outros Comentários de calypso escobar ]
10/3/2008
09h48min
Identifiquei-me instataneamente com o que vc disse, Pilar, mas tenho uma imensa dificuldade em acreditar em algo que não tenha uma explicação lógica, coerente e que além de tudo seja considerada uma verdade absoluta. Prefiro a ciência, com suas incertezas...
[Leia outros Comentários de Gelsa Mara]
18/3/2008
14h51min
Aos dez anos nao pude fazer a primeira comunhão por falta do traje apropriado. Naquele mês não ia ser possivel. A grana estava curta. Fiquei triste, mas tudo passa e acabei notando que nunca fez falta. Neste mesmo ano(1952) fui "jubilado" do colégio religioso pois meu temperamento "não combinava". Dai então fiquei com um deus de bolso, tipo use só em caso de necessidade. Nada de missas, etc. Depois que comecei a ler coisa mais séria que a historia "sagrada", percebi que Noé era clone de Deucalião, e que uma senhorita inscrita na teogonia, tambem paria sem trepar, virgem. Que coisa. Mais adiante, Darwin prova que a funçao do cristo perde massa crítica, quando Adão e Eva inexistem, portanto nao há pecado original nem motivo para salvação de nada. A mensagem de paz e amor do Joshua, que é o principal, fica fora quando o negocio é apavorar os crentes. Agora é Pascoa. Nada a ver com ressurreição e sim com a fuga do Egito! Ainda continuo monoteista. Meu Deus nao tem lado.
[Leia outros Comentários de R Almeida]
22/3/2008
15h18min
Sou do tipo que vê em artigos que descambam para a religião algo extremamente divertido. Não, não tenho a resposta pra tudo. Portanto, não me endeusem! Sou mais do time dos descridos, parentes próximos dos descrentes, que se desencantaram com alguma religião. Já Deus, com letra maiúscula e com minúscula, tudo é a mesma coisa. Ou coisa nenhuma. Me irrita alguém me dizendo: "respeita Deus!" Putz! Nem respeito, nem desrespeito. O ponho no mesmo lugar das coisas que falo todos os dias. A referência à confusão que nos acomete quando saímos da leitura da bíblia ilustrada para as disciplinas escolares é real. Depois querem que saiamos incólumes disso. Felizes os que saem. Seus cérebros devem estar programados pra trabalhar com baixa rotação, tipo aquela que acomete nossas apresentadoras de programas de família. Gian, religião é torcida de futebol pra lá de fanática. Com direito a animosidades, xingamentos e fraturas expostas...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
19/8/2008
14h44min
Hehehehe... adoro seu senso de humor. Abs
[Leia outros Comentários de Karyn]
22/8/2008
09h31min
Parabéns, Pilar, e muito prazer em conhecê-la, mesmo que a polegadas de distância. Muito eclética sua escrita e curti demais, aliás, graças ao meu "bicho da seda" que é a Greice, minha filha, que também é sua apreciadora e é escritora com obra já colocada no mercado recebi o envio e fiquei muito satisfeito. Realmente voce conseguiu com muita maestria viajar do nada para lugar nenhum e nesse parco intervalo nos divertiu com uma análise que é a cara do nosso mundo. Concordo em gênero, número e grau. Também as vezes escrevo. Por enquanto, mais por hooby ou oby ou by, como voce queira, de resto quero ainda ler muito sobre seus artigos, abraços, Ney, ha, a propósito, sou auto-didata e tecnólogo e não poderia esquecer de dizer que o "bicho da seda" foi meu maior projeto realizado até hoje... Tchau!
[Leia outros Comentários de Ney Costa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Psicologia A Síndrome da Supermulher
Marjorie Hansen Shaevitz
Record
(1986)



Gothic Station 2 - a Diversidade do Gótico Brasileiro (com Cd)
Henrique Kipper; Luciana Fátima; Alex Twin
Gothic Station
(2017)



Lençois do Poseidon
Alvaro Basile Portughesi
Clareon
(2014)



Direito do Trabalho Esquematizado
Carla Teresa Martins Romar
Saraiva
(2013)



Vale das Vertentes - coleção veredas 14ª edição.
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1988)



A Igreja na Cultura Emergente - Cinco Pontos de Vista
Leonard Sweet
Vida
(2009)



Estratégias Logísticas Viáveis para Empresas Industriais de Confecções
Roberto Ednisio Vasconcelos Rocha
Blucher Acadêmico
(2008)



Saneamento Básico - Estudos E Pareceres A Luz Da Lei Nº 11.445-2007
Juliana Picinin e Cristiana Fortini
Fórum
(2009)



Best-seller o Melhor da Literatura
Diversos Autores
Litteris
(1996)



Caminhos da Paz
Eliane Montenegro e Outros
Aliança do Divino pastor
(2006)





busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês