Anjos Caídos, de Tracy Chevalier | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/3/2005
Anjos Caídos, de Tracy Chevalier
Ricardo de Mattos

+ de 6600 Acessos

O século XX existe há apenas onze horas e sei muito bem que o que mudou foi só um número

Tracy Chevalier (1.962), escritora norte americana radicada em Londres, escreve sobre o que a encanta. Seu primeiro livro, A Virgem Azul, ainda não foi traduzido para o português. Seguiu-se-lhe Moça Com Brinco de Pérolas, adaptado no ano passado para o cinema e rendendo um filme homônimo. Já tive oportunidade de comentá-lo para o Digestivo Cultural. O terceiro, objeto d’esta coluna, recebeu o título Anjos Caídos. O quarto e último, que a exemplo do primeiro ainda não foi vertido para o nosso idioma, é A Dama E O Unicórnio.

Se o último título remete a dois quadros do Renascimento Italiano, a inspiração direta e declarada está nas tapeçarias medievais com o tema, bem como no seu apreço pelo animal mitológico. Em Moça Com Brinco de Pérola ela patenteou sua admiração pelo pintor holandês Jan van Vermeer. Sem a homenagem, já o disse, ter-se-ia um romance sobre as desventuras d'uma criada enamorada pelo senhor. No caso de Anjos Caídos, melhor que o anterior, a autora detém-se sobre dois assuntos: as pompas fúnebres do período vitoriano e o movimento sufragista feminino. Ela gostou tanto do cemitério Highgate, fundado no ano de 1.830 em Londres, que para conhecê-lo melhor iniciou um trabalho voluntário como guia, esclarecendo os visitantes sobre etiqueta lutuosa, monumentos funerários e o simbolismo envolvido.

Chevalier manteve seu costume de dividir a narrativa em períodos de tempo ao invés de numerar os capítulos. Anjos Caídos inicia-se em Janeiro de 1.901 com o falecimento da rainha Vitória e encerra-se em Maio de 1.910 com o de Eduardo VII. D’esta forma, a história evolui com método, uma coisa após a outra, sem grandes retornos ou surpresas, causas e efeitos logicamente ligados. Voltando-se ao começo do livro, percebe-se que nada foi esquecido. Se em ...Brinco de Pérola a jovem Griet é a única narradora, o novo romance traz um verdadeiro oratório, cada personagem falando a seu tempo. Por felicidade, a primeira intenção da autora foi afastada. Nas primeiras partes cada personagem manifesta-se sobre uma das faces de determinado acontecimento. Posteriormente, as vozes alternam-se na continuidade d’uma trama só. Deixou-se a espiral e adotou-se com vantagem a linha reta.

Apesar das matérias do romance parecem de difícil casamento, houve sucesso na urdidura. O envolvimento na causa sufragista tira a personagem Kitty Coleman da mórbida melancolia em que caiu após abortar um filho adulterino. A escritora recria o espírito da época sem preocupar-se com a exatidão, causa de falência de muitos romances históricos. Emily Pankhurst, que fundou em 1.903 na Inglaterra o movimento pelo voto feminino chamado União Social e Política das Mulheres, tem uma participação breve e muda. Caroline Black, outra personagem de destaque, não teve suas falas repetidas tal como deixadas em seus escritos. A cena do cavalo pisoteando Kitty Coleman no curso d'uma passeata é adaptação d'um fato real ocorrido já no reinado de Jorge V.

Quanto ao culto vitoriano dos mortos, Chevalier é mais descritiva que reflexiva. Se tivéssemos pressa, seu alter ego perfeito seria a personagem Lavínia Waterhouse, impressionada com o rito e descuidada do significado. Todavia, ela quer justamente retratar a transição entre a era vitoriana com seus códigos mortuários rígidos e o mundo moderno onde a Morte é algo indigesto e de atenção imerecida. Na atualidade o luto restringe-se a uma desculpa para faltar ao trabalho. Conheço uma pessoa que conseguiu três dias de nojo por um tio nunca visto. Não assim após 1.861, ano da morte por febre tifóide do príncipe Albert, marido da rainha Vitória. A soberana usou luto perpétuo e por treze anos retirou-se completamente da vida pública. A nação seguiu, aperfeiçoou e esmiuçou o exemplo real. Acredito que muitas das regras vigentes até anos recentes originaram-se ou foram retomadas n’esta época. Certo manual de etiqueta social publicado em meados da década de sessenta do século XX determina que a esposa use luto durante dois anos pela morte do marido, sendo um ano de luto fechado e um de luto aliviado. Regra pouco mais rígida é citada em Anjos Caídos: um ano e meio de luto fechado e seis meses de luto aliviado. É reservado à viúva o direito de enlutar-se definitivamente ou até novas núpcias. Não bastava o sentimento, havia a obrigação de vestir o traje negro, ausentar-se de festas...

O luto possuía expressão sentimental. Se houve verdadeiro afeto pelo ente falecido a pessoa enlutada recebia da sociedade um período para refazer-se do abalo, o que era mais saudável do que pode parecer. Vivemos outros tempos, é certo. Contudo não são poucos aqueles que retomam de imediato seus afazeres e ficam chorando pelos cantos, causando constrangimentos aos outros. Tudo é lei, costume e aparência. Comparecendo a um velório ou visitando um cemitério, o que me intriga é saber o que será ou já foi encerrado no monumentum foetidum. O que ocultam tantos nomes seguidos de datas, algumas vezes acompanhados de fotografias. Qual o grau de discrepância entre a imagem legada e a existência real.

RETRATO – VI
Padre Benedictus


... lia coisas que nunca acontecem na vida, mas ouvi-la era agradável, reconfortante, pela cabeça passavam pensamentos bons e serenos ...
(Iônitch, por A. P. Tchekhov)

A paróquia de Santa Maria Egipcíaca abrange todo o Jecoaba-Mirim, distrito único de Sant’Ana do Jecoaba. O pároco é o octogenário padre Benedictus s.c.j.. Nasceu Benedito, porém a Irreverência alterou o nome do idoso senhor, considerando o Latim como idioma conveniente às coisas e pessoas antigas. A igreja construída na segunda metade do século XIX tem à direita um cemitério e à esquerda um roseiral cultivado pelo padre desde sua confirmação na direção da freguesia. Aos fundos, isto é, saindo pela sacristia, um caminho de cascalho leva até a morada do religioso, uma casa térrea e rústica, de cozinha famosa a cargo de Ismênia. Ladeando este caminho, canteiros de temperos e plantas medicinais cultivados com capricho, nos quais não se vê um pedregulho ou mato.

Diariamente, após a última missa do dia, Tatuzinho posta-se à entrada da casa. Trata-se do cachorro branco, roliço e de pernas curtas. Ganhou o nome por causa das escavações que fazia quando filhote. Senta-se, coça a orelha – Ismênia diz que ele está tocando viola – e começa a ganir e sapatear ao ver o dono chegar. O venerando padre aproxima-se batendo palmas e perguntando Cadê o Tatuzinho? e por sua vez senta-se no banco de cimento ao lado da porta. O animal sobe-lhe aos joelhos ossudos e recebe afagos até a empregada chamar para a sopa. O sacerdote levanta-se e arrasta os pés até a cozinha onde escolhe seu assento em conformidade com a estação – junto ao fogão, no inverno, junto à porta, no verão – e dá seu toque final ao prato. Este toque é um costume herdado de seu pai. Padre Benedictus derrama um dedo de vinho na sopa, esfarela inteiro um pãozinho caseiro, tira lascas do parmesão conservado na prateleira. Benze-se, bem como benze Ismênia, o prato e o cão para só então iniciar a refeição.

Oitenta anos completos, agora o padre Benedictus emociona-se toda vez que passa diante do seu armário de livros. Abre-o, e com o peito embargado alisa as lombadas gastas dos volumes. A obra completa de Santo Agostinho e os vários tratados de São Tomás de Aquino. Todo o trabalho de São João da Cruz e a autobiografia de Santa Teresinha do Menino Jesus, que leva o visitante mais atento a entender o roseiral já referido. A comoção do padre surgiu em seu natalício, ao atinar que dia a dia aumenta a possibilidade d’ele estar pessoalmente com seus mestres, caso seja considerado de freqüentar o local onde encontram-se. O padre planeja prestar contas a Deus de seus atos e pensamentos terrenos para depois, sendo-lhe permitido, cumprimentar cada um dos seus mestres.

Além da celebração do sacramento e da liturgia, padre Benedictus esmera-se o quanto pode na conservação do matrimônio contraído pelos fiéis. É muito procurado em casa para aconselhamento. Onde quer que esteja, começa a ouvir o desabafo do homem ou da mulher – ou de ambos – que o procura. Muitas vezes está roçando sua horta com ar desatento, mas tanto em corpo quanto em alma ele distingue com olho sábio o que é erva daninha e o que é planta apta a florescer e frutificar. O padre é corajoso. Aponta sem medo os problemas ou saídas. Procuram-no todos, mas apenas os igualmente corajosos retornam. Esgotando o fiel seu monólogo, o padre apóia-se em seu braço, sacode a terra dos sapatos e da barra da batina, brinca com o Tatuzinho e inicia seu sermão privado. Meus caros João e Eunice, o fato de eu não ser casado segundo os costumes do mundo não impede que meu coração compadeça-se e compartilhe de suas angústias. De fato, continua ele, quero que o casamento de vocês floresça tanto quanto julgo ter florescido o meu com a Santa Madre Igreja, esta velha resmungona. Obtida a descontração almejada, retorna:

– Você, João, foi batizado quando eu ainda era diácono. De você, Eunice, lembro até da cor do seu vestido ao vir com seu pai marcar o dia da celebração. E estende-se conforme o necessário para resolver a crise. Sempre encerra diante do altar, sentado no primeiro banco, com a mão de cada esposo entre as suas, rezando um terço. Após a última oração, despede-se matreiro. Agora vão e não me atormentem mais. Perfila-se sorrindo enquanto o casal sai.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 31/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2005
01. O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté - 23/12/2005
02. Cultura e Democracia Na Constituição Federal - 17/3/2005
03. Como E Por Que Ler O Romance Brasileiro - 20/1/2005
04. Anotações do Jardineiro - 10/11/2005
05. Anjos Caídos, de Tracy Chevalier - 31/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA AVENTURA DE ASTERIX O GAULÊS- ASTERIX NOS JOGOS OLÍMPICOS 8991
R GOSCINNY E A UDERZO
CEDIBRA
(1968)
R$ 15,00



NASCIMENTO DA ERA CAÓRDICA
DEE HOCK
CULTRIX
(2000)
R$ 22,31
+ frete grátis



A GAROTA DE SÃO PAULO
ADA PELLEGRINI
ARX
(2004)
R$ 17,85



MEUS FILHOS
ALFONS BALBACH
EDEL
R$ 12,24



REPÚBLICA DO TACAPE
ROGÉRIO REZENDE
UNITED
(2004)
R$ 11,22



O APLAUSO FINAL
MONIQUE RAPHEL HIGH
RECORD
(1981)
R$ 7,19



HISTÓRIA DE AMOR, UMA
CARLOS HEITOR CONY
EDIOURO MCPM
(2006)
R$ 12,00



A FILOSOFIA DE ESPINOSA
WILL DURANT
EDIOURO
(1980)
R$ 7,90



O DOCUMENTO R
IRVING WALLACE
CÍRCULO DO LIVRO
(1988)
R$ 10,10



DISQUE FANTASMA
EVA IBBOTSON
ROCCO
(2003)
R$ 8,00





busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês