O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Por vocêw por mim no Vietnã de Ferreira Guller pela Sped
>>> Mussolini I Unleahed 1939-1941 de Mac Gregor Knor pela Cambridge (1986)
>>> Itajaí - Imagens e Memórias de Lindinalva Deóla da Silva pela Fundação Genèsio Miranda Li (1995)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Para gostar de Ler - Crônicas vol.1 de Carlos D. de Andrade, Fernando Sabino, Paulo M. Campos e Rubem Braga pela Ática (1999)
>>> Fendas Urbanas de Luiz Antonio de Queiroz pela Ofício das Palavras (2008)
>>> Quatro Mitos Brasileiros de Monica Stahel pela Martins Fontes (2003)
>>> Entretempo de Antonio Fantinato pela Topbooks (2008)
>>> A Casa de Babylônia: Estudo da Habitação Rural no Interior de São P... de Andrea Piccini pela Annablume (1996)
>>> Zupt...o Amigo do Peito de Stella Cobra Muraça pela Edicon (1997)
>>> Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias - Biologia de Escola da Juventude pela FDE
>>> Ciências humanas e suas tecnologias - Geografia de Escola da Juventude pela FDE
>>> A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi de Márcio Souza pela Marco Zero (1982)
>>> Beijos Engolidos de Jurandir Pinoti pela Ssua (2007)
>>> Rita Você-é-um-doce de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1993)
>>> Grandeur et Servitude Patton de Ladislas Farago pela Stock (1963)
>>> A Ponte para o Passado de Ivan Jaf pela Atual (1993)
>>> Amazônia de Alan Oliveira pela Saraiva (1999)
>>> Auto do Frade: poema para vozes de João Cabral de Melo Neto pela Nova Fronteira (1984)
>>> Armada América: Relatos Sobre a Inquietudo do Império de Fernando Monteiro pela Francis (2003)
>>> A História de Lalo de Júlio Emílio Braz pela Saraiva (2003)
>>> Açúcar Amargo de Luiz Puntel pela Ática (1994)
>>> Malika Oufkir Prisioneira do Rei de Malika Oufkir e Michele Fitoussi pela Companhia das letras (2000)
>>> A Vaca Voadora de Edy Lima pela Global (2002)
>>> A noite da grande magia branca de Simone Sauaressig pela Kuarup (1991)
>>> Sol-solaris de Heloisa Helena Troncarelli pela Edicon (1985)
>>> A Caminho... Apelo À Pesquisa N. 2 - Jan / Dez. 2004 de Diversos Autores pela Ceuclar (2004)
>>> Revista do Centro Universitário Claretiano - N. 3 - Jan / Dez. 2003 de Diversos Autores pela Ceuclar (2003)
>>> A sombra da Águia de Mark Hertsgaard pela Record (2003)
>>> Contos Como Eu Conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> O mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2002)
>>> Contos Escolhidos de I. L. Peretz pela Rampa (1950)
>>> Quero Ternura de Mãos Se Encontrando: de árabes e Judeus, de Branco... de Celso Barroso pela Independente (1978)
>>> Tem Carta pra Mim? de Fanny Abramovich pela Scipione (1994)
>>> Do arquivo e da memória: fatos, personagens e reflexões sobre o sio... de Samuel Malamud pela Bloch (1983)
>>> Qual é o Seu Preconceito Preferido? de Carlos Augusto M. F. da Silva pela Ateniense (1991)
>>> Serões de Dona Benta e História das Invenções de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1950)
>>> A Câmara das Pedras Fendidas de J. W. Seixas Santos pela Conan (1994)
>>> A Mesa do Silêncio - Dedicatória e Autógrafo de Armindo Trevisan pela Lpm (1982)
>>> A Cidade Reinventa a Democracia de Ademar José Becker pela Corag (2000)
>>> Quem Nasceu para Cintilante Nunca Chega a Francesinha de Magali Moraes pela Sulina (2002)
>>> Auschwitz Altar do Capitalismo de Cultura Vozes pela Vozes (1995)
>>> Fronteira Inclemente de Brasil Dubal pela Iel (1976)
>>> A represa / Suburbana de Maria Helena Khüner e Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1980)
>>> O Folclore da Caixa: Contos de Antenor Pimenta Madeira e Outros pela Caixa (1984)
>>> Do Simbólico ao Virtual de Jorge Lúcio de Campos pela Perspectiva (1990)
>>> A Linguagem no Pensamento e na Ação de S. I. Hayakawa pela Pioneira (1963)
>>> As Alegres Comadres de Windsor e a Megera Domada de William Shakespeare pela Edições de Ouro (1966)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/12/2005
O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
Ricardo de Mattos

+ de 18100 Acessos

"Ora, estando ali, aconteceu completarem-se os dias em que devia dar à luz, e deu à luz o seu filho primogênito. Enfaixou-o e o reclinou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem" (São Lucas: 2,6-7)

As primeiras peregrinações à Jerusalém com o intuito de celebrar o nascimento de Jesus deram-se por volta do século III. Se não demorou muito para que ganhassem vulto as homenagens ao tema específico, através da pintura, do mosaico e da escultura, a forma mais difundida de expressão do grande acontecimento precisou esperar até o século XIII para surgir. Todos sabemos que São Francisco de Assis, em 1.223, organizou o primeiro presépio, constituído meio por imagens, meio por figuras reais. O santo resolveu trocar a missa na igreja por uma celebração ao natural, reunindo animais, imagens e pessoas numa gruta da floresta de Greccio. Calcule-se para a época o impacto da novidade: as pessoas voltaram no tempo e "presenciaram" o fato narrado no evangelho de São Lucas. Uma idéia tão impressionante não merecia ser esquecida. Por isso a repetição do feito através dos séculos.

Fala-se que o termo "presépio" origina-se o hebraico praesepium, o que é um engano evidente visto o termo ser latino. Seria mais exato afirmar que praesepium seria a latinização dum termo hebraico. Enfim, praesepe, praesaepe, praeseps, praesaeps, praesepium, praesaepium: o significado é estábulo, curral, redil, cavalariça, estrebaria. Por extensão, manjedoura - ou manjadoura, como querem os portugueses. No sentido figurado, o lugar onde se come ou janta, provavelmente caracterizado pela extrema rusticidade. Os autores neo-testamentais podem ter querido dizer que o Santo Casal, não encontrando melhor hospedagem, conformou-se com um albergue imundo. A tradução latina e depois a transposição para o idioma de cada país é que podem ter desconsiderado o sentido pejorativo, empurrando São José e a Virgem Maria para o estábulo, onde a tradição católica instalou-os definitivamente para melhor caracterizar a humildade do nascimento do Cristo. Quanto ao significado de lugar fechado, cercado, guardado, praesepium e praesidium aparentam-se. Não esquecer do taubateanês presépi: "'Bora armá o presépi, lerdeza!".

Uma das primeiras construções taubateanas é o Convento de Santa Clara, fundado no século XVII pelo franciscano Frei Jerônimo de São Brás. Por doação do século XIX, o conjunto foi entregue aos capuchinhos. Entretanto, foram os franciscanos quem trouxeram aos da terra a tradição de armar o presépio na véspera de Natal. As primeiras peças eram italianas e sabe-se lá por onde andam. Seja para repor peças danificadas, seja para atrair o interesse dos fiéis e fazer com que se entrosassem nos assuntos da religião, seja até para aumentar o número das peças, os frades encomendavam a alguns moradores mais hábeis imagens dos santos, anjos pastores e animais. Ao lado dos primeiros artesãos - os santeiros - que buscavam seguir os modelos europeus, surgiram os encarregados de fazer as demais figuras: os figureiros. A ocupação inicial limitava-se à confecção, inclusive para adorno particular, de carneiros, burricos, vacas e outros animais. Logo outras figuras foram sendo inventadas e adicionadas: trabalhadores, aves locais, gatos, raposas, cavalos. Em pouco tempo os figureiros passaram a criar presépios inteiros, do Menino Jesus aos animais. O que era fabricado para uso próprio e doméstico, passou a ser objeto de presente e finalmente de venda. Até a classificação predominou, pois atualmente tanto o que se ocupa de imagens de santos quanto os que se especializam nas demais são igualmente chamados figureiros. No começo o ofício era próprio das mulheres, por isso é mais comum referir-se às figureiras.

As figuras são feitas com a argila recolhida na beira dos rios ou comprada de fornecedores. São moldadas por mãos treinadas e logo verifica-se a intenção da figureira. Não há um equipamento adrede destinado, o auxílio vem de pedaços de madeira, palitos, canivetes ou facas. Recorre-se ao arame para a sustentação das peças maiores e mesmo como parte delas, a exemplo das "chuvas" (primeira imagem). Quando a figura está pronta, é colocada pra secar ao Sol durante um mínimo de 24 horas. Se o clima está nublado ou frio, a secagem dá-se na beirada de fogões a lenha. Já existe na "Casa do Figureiro" um forno elétrico para trabalhos maiores, que podem exigir secagem mais rápida e garantida. Finalizada esta fase, vem a pintura. As peças mais antigas que eu já vi tinham a policromia mais simples e com predomínio de cores primárias. Hoje o recurso pictórico é maior, assim como a atenção aos detalhes. Tenho uma dupla de dançarinos de moçambique cuja fisionomia foi delineada com esmero. Antes e agora, o predomínio é da vivacidade. Há artesãos que, além de pintar suas figuras, enfeitam-nas com penas, fitas, palha e o que mais considerar conveniente. É necessário esclarecer que a habilidade destas pessoas não se traduz em facilidade.

Como todo trabalho humano, há obras de principiantes e obras praticamente barrocas, de tão ricas e esmeradas. Visitando o local onde concentra-se a produção para a venda, encontrei figuras que eu mesmo poderia ter feito. Outras deixam o apreciador boquiaberto. Todos seguem as mesmas características, mas não há um padrão - que beira o normativo. Tanto que os conhecedores sabem identificar a autoria desta ou daquela figura pelos detalhes pessoais que o artesão adiciona. Além da citada dupla de moçambiques, possuo um pavão grande no escritório e um menor em casa, no presépio.

Pode-se dizer ilimitado o acervo de figuras. Os de maior evidência são o presépio - quer de peças soltas, quer de peça única (segunda imagem) - as chuvas, São Francisco de Assis, e o pavão. Tudo iniciou-se com o presépio. A "chuva" parece ter sido inspirada numa árvore cheia de pássaros: tirou-se a árvore, mas conservaram-se as aves em suspenso. Muitos outros animais podem formar a chuva, como galinhas d'angola, pombos, tucanos, galos e galinhas, bois, boi-bumbá. Não sei dizer se a presença de São Francisco é uma homenagem consciente ou não ao criador do presépio pelo qual eles ficaram conhecidos e de onde muitas vezes tiram seu sustento. Com o nome de São Francisco das Chagas, é o padroeiro da cidade. Quando nomeado "de Assis", é representado com pombos. O pavão, chamado também de "galinho do céu", é uma das figuras mais bonitas e tão conhecida que tornou-se símbolo do folclore taubateano. A maioria tem a cauda em leque; quando está com ela abaixada, é chamado "pavoa". Este pavão é nosso produto de exportação. Já foi localizado no Louvre e antiquários de Paris. Além de correr todo o país, há registros de que tenha sido levado para a Itália, Argentina, China, Japão, Inglaterra, Alemanha e Estados Unidos.

[Pavão da autoria de Eduardo Leite Santos, figureiro taubateano]


Fora as quatro figuras destacadas, podemos encontrar animais variados: cães, gatos, cavalos, burros, vacas, bois, carneiros, galinhas, pássaros, onças e aves nativas. Num entrosamento valioso, surgiram as figuras extraídas da literatura infantil de Monteiro Lobato: Emília, o Saci, Visconde de Sabugosa, Tia Nastácia, Dona Benta, Pedrinho, Narizinho. Peças do folclore, como o lobisomem e o curupira. Todas as profissões são encontradas, desde as mais antigas e próprias das cidades coloniais, até as mais modernas: lavadeiras, lenhadores, vendedores de galinhas, médicos, engenheiros, advogados e dentistas. Podem ser acrescidos palhaços, cenas domésticas, danças folclóricas - moçambique, quadrilha, congado, bumba-meu-boi -, sanfoneiros e outros músicos, a Sagrada Família, procissões e orixás. O que a pessoa interessada procurar e não encontrar, pode ser encomendado.

As figuras começaram a ser vendidas no mercado municipal. Os figureiros armavam suas barracas ao lado das que vendiam alimentos, ou contentavam-se em estender uma toalha no chão. Isso ainda existe por aqui e em São Luiz do Paraitinga. Como as artesãs moravam todas no bairro onde situa-se a capela de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, a referência local prevaleceu: as figureiras da Imaculada. Ainda hoje é possível correr a Rua da Imaculada Conceição e entrar em contato direto com elas em suas casas. Há alguns anos a municipalidade teve a feliz idéia de concentrar os trabalhos num local mais amplo, a Casa do Figureiro. Cerca de quarenta figureiros lá expõem e vendem seu trabalho. A loja possui estantes com prateleiras reservadas para cada um deles, prateleiras estas identificadas com a foto, nome e contato do expoente. Anexo à loja, um pátio onde elas podem reunir-se para trabalhar "ao vivo" e uma oficina onde encontram-se as peças nos diferentes estágios de produção.

Reparo que uma forma de homenagem acabou virando o tema principal. Se primeiro recorria-se ao presépio para celebrar o advento do Cristo, o alvo atual do engenho humano é o presépio em si, desprovido do carácter celebratório inicial. A imaginação desvincula-se da Fé e tenta criar o presépio mais criativo, original, surpreendente e até polêmico. Vale tudo, de papel, sarrafos, plástico, copos descartáveis e sucata até mulheres nuas, como recentemente na Itália, si lembro-me bem. Por isso admiro o trabalho das figureiras. Vendem peças e aceitam encomendas por haver demanda e por viverem disso. Entretanto, seus trabalhos são sustentados pelo benigno orgulho de bem continuar a tradição de suas avós e pela crença, no caso dos presépios, de não estarem a modelar meros enfeites.

Para ir além

Casa do Figureiro "Maria da Conceição Frutuoso Barbosa": Rua dos Girassóis, número 60, Campos Elíseos, CEP 12.090-290, Taubaté, Estado de São Paulo. Telefone: (12) 3625-5154


Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
02. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti
03. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
04. O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
05. Gabo, os escritores e a política de Wellington Machado


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2005
01. O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté - 23/12/2005
02. Cultura e Democracia Na Constituição Federal - 17/3/2005
03. Como E Por Que Ler O Romance Brasileiro - 20/1/2005
04. Anotações do Jardineiro - 10/11/2005
05. Anjos Caídos, de Tracy Chevalier - 31/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




3° FESTIVAL DE CINEMA LATINO AMERICANO DE SP 2008
VÁRIOS
MEMORIAL
(2008)
R$ 5,00



O QUE A BIBLIA REALMENTE ENSINA ?
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA
(2015)
R$ 6,00



OS LUSÍADAS
LUÍS DE CAMÕES
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 15,00



DESENVOLVIMENTO E CRISE NO BRASIL - EDIÇÃO ESPECIAL
LUIZ CARLOS BRESSER PEREIRA (CAPA DURA)
BRASILIENSE
(1987)
R$ 26,82



TRAPAÇA
JAMES SIEGEL
RECORD
(2011)
R$ 18,00



VOCE PRECISA SER DETERMINADO
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
R$ 8,00



ESAÚ E JACÓ
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
(1997)
R$ 18,00



BOLETIM OFICIAL GRANDE ORIENTE DE SÃO PAULO
CLÁUDIO ROQUE BUONO FERREIRA
DO AUTOR
R$ 9,00



CONTOS BRASILEIROS - ANTOLOGIA ESCOLAR DE OURO
IVO BARBIERI MARIA MECLER KAMPELL

R$ 5,00



VIDA NAS CIDADES - EXPECTATIVAS URBANAS NO NOVO MUNDO
WITOLD RYBCZYNSKI
RECORD
(1996)
R$ 15,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês