Biografias da discórdia | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
>>> Uma Técnica de Viver de Leonard A. Bullen pela Pensamento (1988)
>>> Avaliação de Programas - Concepções e Práticas de Blaine R. Worthen, James R. Sanders e Jody L. Fitzpatrick pela Gente (2004)
>>> Concentração de Mouni Sadhu pela Pensamento (1984)
>>> O Melhor Livro Sobre Nada de Jerry Seinfeld pela Frente (2000)
>>> A República de Platão pela Nova Cultural (2000)
>>> Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Edição Popular (1961)
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
COLUNAS

Segunda-feira, 14/7/2008
Biografias da discórdia
Pilar Fazito

+ de 4800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Famílias numerosas sempre têm um decano que deveria escrever sua biografia, deixar para as gerações futuras um registro daquilo que viveu. Chega certa época em que eles levam mesmo a sério o "você deveria escrever um livro" e lá pelos 80 ou 90 anos se dispõem a narrar um pouco de sua história a fim de que algum filho, neto ou bisneto resolva ajudar na tarefa de organizar tudo em forma de livro. E aí começam os problemas...

O passado do aspirante a autor pode envolver guerras, fome, seca, espionagem... Enfim, pode se tratar de um verdadeiro Indiana Jones, mas sabem como é: em casa de ferreiro, o espeto é de pau. A família nunca dá o devido valor àquilo que o sujeito viveu. Não dá e isso é compreensível, afinal, ela conhece o lado real do personagem, o cotidiano, as manias, a unha encravada e a rabugice, em suma, os defeitos que destituem todo o romantismo ou o heroísmo daquele que figurará nos anais do clã. Celebridades, top models e heróis só são perfeitos para quem não tem que conviver diariamente com eles.

A moda do registro biográfico de decanos de famílias numerosas está em ascensão. Famílias anônimas, que, até então, não tinham nenhuma visibilidade no meio literário agora começam a por as memórias no papel. Ou nos blogs. Eu mesma já ajudei a organizar duas biografias dessas. O trabalho em si é bem interessante, mas o mais divertido (para quem está de fora) é assistir à discórdia que se instaura entre os membros da família com a publicação do vade-mécum. Uma verdadeira e tardia terapia familiar.

Não é fácil escrever, nem ler, sobre a história de vida de uma pessoa da qual fazemos parte. Ou porque não nos identificamos com o que é narrado - e aí achamos que nosso ancestral já está mais prá lá do que prá cá - ou, ao contrário, por nos identificarmos demais e acharmos que há toda uma exposição desnecessária e proposital dos outros parentes. No primeiro caso, é comum os filhos, netos, bisnetos e agregados se esconderem de vergonha do público que, porventura, lerá o livro. No segundo caso, mais ainda. A briga que remonta às diferenças e intolerâncias que foram sufocadas por anos dentro do aconchegante seio familiar voltam à tona. Só para ilustrar a coisa: o segundo livro que ajudei a organizar tinha uma capa vermelha e, por conta disso, recebeu nos bastidores da edição o divertido apelido de "o livro vermelho da discórdia".

O leitor-familiar tende a defender a bandeira de uma suposta verdade que não existe. Ele não aceita muita coisa que é publicada por um irmão, marido, tio, sobrinho, ou por uma mãe, irmã, esposa etc. porque, muitas vezes, o ponto de vista adotado não bate com o seu.

A família do biografado tem que se lembrar de certas obviedades que passam despercebidas no calor do momento. Uma delas é que há preferências e facilidade de diálogos entre alguns membros e entre outros, não. Além disso, é claro que o autor prefere falar dos atos heróicos e jogar suas falhas humanas debaixo do tapete narrativo. E daí? Quem é o leitor para julgá-lo? Não gostou da versão dos fatos, que escreva e publique outra.

O senso comum conceitua a biografia como um gênero literário que se baseia em acontecimentos reais da vida de uma pessoa. Entretanto, ela se aproxima mais da ficção do que se pode imaginar. Como observou o Moacyr Scliar certa vez, o ficcionista é alguém que acredita verdadeiramente nas mentiras que conta.

A sociedade ainda valoriza uma verdade absoluta que Popper já dizia não existir. Em relação a biografias, então, só o que se pode dizer é que somos todos ficcionistas. Não narramos o que aconteceu conosco, mas a impressão que guardamos daquilo que aconteceu conosco. E aí despejamos traumas, reações, medos, orgulhos, glórias e todo um turbilhão de emoções próprias daquele que escreve em primeira pessoa.

A discórdia gerada pelas biografias poderia ser evitada se os leitores aceitassem isso como chave para a leitura do texto. Não cabe ao autor se censurar ou reprimir o que pensa em função da possível reação dos que estão a sua volta. Isso também vale para muitas obras literárias assumidamente ficcionais: se todo escritor produzisse texto "pisando em ovos", não teríamos mais o que ler.

Conheço um autor que sofreu com o silêncio de um amigo por mais de vinte anos, depois de o dito cujo ter se identificado num de seus romances. Não bastou que o nome do personagem fosse outro e estivesse inserido num universo caricaturalmente fictício. O homem identificou-se com as manias de um dos personagens, levou isso para o lado pessoal, julgou que fosse uma atitude pejorativa e ninguém conseguiu fazê-lo mudar de idéia. Depois de tirar satisfações com o escritor, virou a cara e ficou esse tempo todo sem lhe dirigir palavra.

O escritor é um caricaturista verbal. Ele se serve das características físicas e comportamentais das pessoas que observa e manipula isso quando constrói personagens, exagerando, amenizando, modificando, em resumo, brincando de Deus. Se ele não disser "Fulano, esse meu personagem é você", o leitor deve se questionar bastante antes de tirar conclusões que, muitas vezes, podem ser sinal de mania de perseguição ou de presunção. Somos mais de seis bilhões de pessoas no mundo, o que o leva a crer que o gago, o calvo, ou aquele personagem que caiu num tonel de piche seja uma descrição sua?

Quando se trata de uma biografia, o universo a ser narrado é reduzido drasticamente. Fica mais difícil o autor usar a desculpa dos "seis bilhões de habitantes no planeta" para aplacar a ira do cunhado que se reconheceu no episódio do casamento do primo, quando foi pego no flagra ao proporcionar uma doce despedida de solteira para a noiva. De todo modo, cabe aos leitores não levarem tudo tão a sério. Ou então, não darem motivo para uma exposição negativa.

Para quem ainda pensa em mexer no passado coletivo e registrar as memórias, vai uma dica: peça auxílio de alguém de fora do clã. Alguém isento de juízo de valor, que não questione aquilo que será dito ou aquilo que será omitido. Ainda assim, esteja preparado para as discussões.

Biografias familiares tendem a atiçar o bate-boca nas festas de natal. Há famílias que lidam bem com esse tipo de estresse: xingam, gritam e, no dia seguinte, fazem as pazes, pedem desculpas, choram de emoção para, em seguida, brigarem de novo e voltarem às pazes novamente. Mas nem todas possuem esse ciclo dramático tarantelesco. No caso de famílias que guardam mágoas e que não estão preparadas para esse registro histórico - sofrido, mas recompensador -, é bom distribuir os presentes antes do vinho e do champanhe e sair da festa de fininho, antes mesmo da sobremesa.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 14/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bruce, Bane e Batman de Vicente Escudero
02. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? de Ana Elisa Ribeiro
03. Maurice de Guilherme Pontes Coelho
04. Hebreus e monstros, parte I de Guilherme Pontes Coelho
05. Projeto Itália ― Parte II de Eduardo Mineo


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/7/2008
15h07min
Mesmo com assessoria competente, as biografias familiares são criadas por caricaturistas verbais, como você diz, e mesmo considerando que todos os que fazem literatura o são, essas biografias levam-se demasiado a sério, pretendem incrustar personagens insossos num recorte histórico, e fazer crer o quanto são benevolentes esses personagens reais em compartilhar sua grandiosidade pessoal. O resultado é inconsistente. As contendas geradas no seio da família biografada são outras histórias, talvez muito mais interessantes...
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
14/7/2008
20h00min
Dois pensamentos me ocorrem diante desta interessante matéria. Um testamento deixa herdeiros, e uma biografia, órfãos. A biografia prolonga o sentimento de orfandade dos que são herdeiros de uma imagem.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
15/7/2008
15h23min
Muito interessante o texto, Pilar. E muito legal saber sobre essa nova onda de registrar histórias familiares. Brigas e mágoas à parte, essa tendência cumprirá importante função histórica! Legal mesmo.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARIS: AMERICAN EXPRESS
CHRISTOPHER MCINTOSH
GLOBO
(1992)
R$ 5,00



O SEGREDO DE EMMA CORRIGAN (EDIÇÃO DE BOLSO)
SOPHIE KINSELLA
BESTBOLSO
(2015)
R$ 29,88



ESCRITORES DO BRASIL
APARICIO FERNANDES (ORG.)
FOLHA CARIOCA
(1983)
R$ 6,90



AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
KLICK
(1997)
R$ 5,00



BASTIDORES O LIVRO OFICIAL DA SÉRIE ARQUIVO X
BRIAN LOWRY
MERCURYO
(1996)
R$ 24,90



SINAIS DE ESPARANCA UMA LEITURA SUPREENDENTE DOS ACONTECIMENTOS ATUAIS
ALEJANDRO BULLON
CASA PUBLICADORA
(2008)
R$ 5,00



O ENIGMA DO OITO
KATHERINE NEVILLE
BESTSELLER
R$ 26,00



MANUAL DE PROCESSO PENAL BRASILEIRO VOL II
JOSÉ LISBOA DA GAMA MALCHER (CAPA DURA)
FREITAS BASTOS (RJ)
(1980)
R$ 26,82



COVER GUITARRA JOE SATRIANI - 5951
DIVERSOS
COVER GUITARRA
R$ 10,00



ATE QUANDO ?
JACK SIQUEIRA
S D
(1990)
R$ 6,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês