Biografias da discórdia | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
Mais Recentes
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2012)
>>> Presença do Vinho no Brasil de Carlos Cabral pela Cultura (2007)
>>> Psicossomática e pediatria: novas possibilidades de relacionamentos de Adolpho Menezes de Mello pela Health (1996)
>>> Emagreça & Aparece! de Wilson Rondó Jr. A11B4 2007 pela Gente (2007)
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2023)
>>> Os Segredos de uma Encantadora de Bebês de Tracy Hogg pela Manole (2002)
>>> Grande história universal vol II de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela Clube do Livro (1988)
>>> Limite Zero de Joe Vitale e Ihaleakala B9B1 pela Rocco
>>> Crítica da Razão Pura de Immanuel Kant pela Nova Cultural
>>> Grande história universal vol III de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Contos de Machado de Assis pela Objetivo / Cered
>>> O Maior Espetáculo da Terra de Richard Dawkins pela Companhia das Letras (2009)
>>> Os Melhores Contos de H. P Lovecraft de Howard Phillips Lovecraft pela Hedra (2015)
>>> Vinagre de Maçã Uma Receita de Vida de G. P. Boutard B10B4 2001 pela Claridade (2001)
>>> Nações do mundo: China de Time-Life Livros pela Cidade Cultural (1987)
>>> Vontade de Potência 1 e 2 de Nietzsche pela Escala
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Tres
>>> As máscaras do destino de Florbela Espanca pela Livraria Bertrand (1981)
>>> A prenda a Fazert o Seu Biorritmo de Marco Natali pela Ouro (1978)
>>> A Mulher do Próximo: uma crônica da permissividade americana nas décadas de 1960 e 1970 de Gay Talese - Pedro Maia Soares (Trad.) pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1996)
>>> Como Pensar e viver melhor de Rolf Dobelli pela Objetiva (2019)
>>> O amante de Marguerite Duras pela Record (1984)
>>> Quando Ele Voltar de Ricky Medeiros pela Vida & Consciência (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/7/2008
Biografias da discórdia
Pilar Fazito
+ de 5500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Famílias numerosas sempre têm um decano que deveria escrever sua biografia, deixar para as gerações futuras um registro daquilo que viveu. Chega certa época em que eles levam mesmo a sério o "você deveria escrever um livro" e lá pelos 80 ou 90 anos se dispõem a narrar um pouco de sua história a fim de que algum filho, neto ou bisneto resolva ajudar na tarefa de organizar tudo em forma de livro. E aí começam os problemas...

O passado do aspirante a autor pode envolver guerras, fome, seca, espionagem... Enfim, pode se tratar de um verdadeiro Indiana Jones, mas sabem como é: em casa de ferreiro, o espeto é de pau. A família nunca dá o devido valor àquilo que o sujeito viveu. Não dá e isso é compreensível, afinal, ela conhece o lado real do personagem, o cotidiano, as manias, a unha encravada e a rabugice, em suma, os defeitos que destituem todo o romantismo ou o heroísmo daquele que figurará nos anais do clã. Celebridades, top models e heróis só são perfeitos para quem não tem que conviver diariamente com eles.

A moda do registro biográfico de decanos de famílias numerosas está em ascensão. Famílias anônimas, que, até então, não tinham nenhuma visibilidade no meio literário agora começam a por as memórias no papel. Ou nos blogs. Eu mesma já ajudei a organizar duas biografias dessas. O trabalho em si é bem interessante, mas o mais divertido (para quem está de fora) é assistir à discórdia que se instaura entre os membros da família com a publicação do vade-mécum. Uma verdadeira e tardia terapia familiar.

Não é fácil escrever, nem ler, sobre a história de vida de uma pessoa da qual fazemos parte. Ou porque não nos identificamos com o que é narrado - e aí achamos que nosso ancestral já está mais prá lá do que prá cá - ou, ao contrário, por nos identificarmos demais e acharmos que há toda uma exposição desnecessária e proposital dos outros parentes. No primeiro caso, é comum os filhos, netos, bisnetos e agregados se esconderem de vergonha do público que, porventura, lerá o livro. No segundo caso, mais ainda. A briga que remonta às diferenças e intolerâncias que foram sufocadas por anos dentro do aconchegante seio familiar voltam à tona. Só para ilustrar a coisa: o segundo livro que ajudei a organizar tinha uma capa vermelha e, por conta disso, recebeu nos bastidores da edição o divertido apelido de "o livro vermelho da discórdia".

O leitor-familiar tende a defender a bandeira de uma suposta verdade que não existe. Ele não aceita muita coisa que é publicada por um irmão, marido, tio, sobrinho, ou por uma mãe, irmã, esposa etc. porque, muitas vezes, o ponto de vista adotado não bate com o seu.

A família do biografado tem que se lembrar de certas obviedades que passam despercebidas no calor do momento. Uma delas é que há preferências e facilidade de diálogos entre alguns membros e entre outros, não. Além disso, é claro que o autor prefere falar dos atos heróicos e jogar suas falhas humanas debaixo do tapete narrativo. E daí? Quem é o leitor para julgá-lo? Não gostou da versão dos fatos, que escreva e publique outra.

O senso comum conceitua a biografia como um gênero literário que se baseia em acontecimentos reais da vida de uma pessoa. Entretanto, ela se aproxima mais da ficção do que se pode imaginar. Como observou o Moacyr Scliar certa vez, o ficcionista é alguém que acredita verdadeiramente nas mentiras que conta.

A sociedade ainda valoriza uma verdade absoluta que Popper já dizia não existir. Em relação a biografias, então, só o que se pode dizer é que somos todos ficcionistas. Não narramos o que aconteceu conosco, mas a impressão que guardamos daquilo que aconteceu conosco. E aí despejamos traumas, reações, medos, orgulhos, glórias e todo um turbilhão de emoções próprias daquele que escreve em primeira pessoa.

A discórdia gerada pelas biografias poderia ser evitada se os leitores aceitassem isso como chave para a leitura do texto. Não cabe ao autor se censurar ou reprimir o que pensa em função da possível reação dos que estão a sua volta. Isso também vale para muitas obras literárias assumidamente ficcionais: se todo escritor produzisse texto "pisando em ovos", não teríamos mais o que ler.

Conheço um autor que sofreu com o silêncio de um amigo por mais de vinte anos, depois de o dito cujo ter se identificado num de seus romances. Não bastou que o nome do personagem fosse outro e estivesse inserido num universo caricaturalmente fictício. O homem identificou-se com as manias de um dos personagens, levou isso para o lado pessoal, julgou que fosse uma atitude pejorativa e ninguém conseguiu fazê-lo mudar de idéia. Depois de tirar satisfações com o escritor, virou a cara e ficou esse tempo todo sem lhe dirigir palavra.

O escritor é um caricaturista verbal. Ele se serve das características físicas e comportamentais das pessoas que observa e manipula isso quando constrói personagens, exagerando, amenizando, modificando, em resumo, brincando de Deus. Se ele não disser "Fulano, esse meu personagem é você", o leitor deve se questionar bastante antes de tirar conclusões que, muitas vezes, podem ser sinal de mania de perseguição ou de presunção. Somos mais de seis bilhões de pessoas no mundo, o que o leva a crer que o gago, o calvo, ou aquele personagem que caiu num tonel de piche seja uma descrição sua?

Quando se trata de uma biografia, o universo a ser narrado é reduzido drasticamente. Fica mais difícil o autor usar a desculpa dos "seis bilhões de habitantes no planeta" para aplacar a ira do cunhado que se reconheceu no episódio do casamento do primo, quando foi pego no flagra ao proporcionar uma doce despedida de solteira para a noiva. De todo modo, cabe aos leitores não levarem tudo tão a sério. Ou então, não darem motivo para uma exposição negativa.

Para quem ainda pensa em mexer no passado coletivo e registrar as memórias, vai uma dica: peça auxílio de alguém de fora do clã. Alguém isento de juízo de valor, que não questione aquilo que será dito ou aquilo que será omitido. Ainda assim, esteja preparado para as discussões.

Biografias familiares tendem a atiçar o bate-boca nas festas de natal. Há famílias que lidam bem com esse tipo de estresse: xingam, gritam e, no dia seguinte, fazem as pazes, pedem desculpas, choram de emoção para, em seguida, brigarem de novo e voltarem às pazes novamente. Mas nem todas possuem esse ciclo dramático tarantelesco. No caso de famílias que guardam mágoas e que não estão preparadas para esse registro histórico - sofrido, mas recompensador -, é bom distribuir os presentes antes do vinho e do champanhe e sair da festa de fininho, antes mesmo da sobremesa.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 14/7/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
02. Mamilos de Adriane Pasa
03. Antes que o amor seja apenas uma trégua de Ana Elisa Ribeiro
04. Da Renovação Papal de Ricardo de Mattos
05. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/7/2008
15h07min
Mesmo com assessoria competente, as biografias familiares são criadas por caricaturistas verbais, como você diz, e mesmo considerando que todos os que fazem literatura o são, essas biografias levam-se demasiado a sério, pretendem incrustar personagens insossos num recorte histórico, e fazer crer o quanto são benevolentes esses personagens reais em compartilhar sua grandiosidade pessoal. O resultado é inconsistente. As contendas geradas no seio da família biografada são outras histórias, talvez muito mais interessantes...
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
14/7/2008
20h00min
Dois pensamentos me ocorrem diante desta interessante matéria. Um testamento deixa herdeiros, e uma biografia, órfãos. A biografia prolonga o sentimento de orfandade dos que são herdeiros de uma imagem.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
15/7/2008
15h23min
Muito interessante o texto, Pilar. E muito legal saber sobre essa nova onda de registrar histórias familiares. Brigas e mágoas à parte, essa tendência cumprirá importante função histórica! Legal mesmo.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historinhas Marupiaras
Elias Yaguakag
Mercuryo
(2011)



Na Minha Cadeira Ou na Tua?
Juliana Carvalho
Terceiro Nome
(2010)



A era da Turbulência - Aventuras Em um Novo Mundo
Alan Greenspan
Campus
(2008)



Jesus - A Vida Completa
Juanribe Pagliarin
Bless Press
(2010)



Ame o Que e Seu
Emily Giffin
Novo Conceito
(2008)



O Sonho da Baratinha
Regina Lasagno da Silva
Feesp
(1998)



Homens Nao Ouvem, Mulheres Falam Demais
Jane Sanders
Cultrix
(2008)



100 Segredos das Pessoas Felizes
David Niven
Sextante
(2001)



Minigramática
Jésus; Samira
Saraiva
(1998)



Inovação Com Resultado: o Olhar Além do Óbvio - Confira !!!
Thomas M. Koulopoulos
Senac São Paulo / Gente
(2011)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês