Biografias da discórdia | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Machado e a AR-15
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
>>> Festival de interatividades
>>> O melhor de Steve Jobs
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Leituras, leitores e livros – Parte I
>>> Abertura de Guillaume Tell
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Vianinha corpo-a-corpo
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Record (1995)
>>> Abolição: Um Suave Jogo Político? de Leonardo Trevisan pela Moderna (1991)
>>> A Revolução Industrial de Roberto Antonio pela Moderna (2002)
>>> Globalização Estado Nacional e Espaço Mundial de Demétrio Magnoli pela Moderna (1998)
>>> A Marca de Uma Lágrima de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Evolução Das Espécies de Samuel Murgel Branco pela Moderna (2003)
>>> Plastico Bem Superfluo Ou Mal de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (1995)
>>> História da Literatura Brasileira -2ª ed. revista e ampliada de Luciana Stegagno Picchio pela Nova Aguilar- Lacerda- ABL (2004)
>>> O Meio Ambiente em Debate de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1998)
>>> Sentidos Da Vida Uma Pausa P Pensar de Flavio Gikovate pela Moderna (1998)
>>> A Industrialização Brasileira - de Sonia Medonças pela Moderna (2000)
>>> Multinacionais Desenvolvimento Ou Exploração? de Paulo Martinez pela Moderna (1987)
>>> Um Amor Alem Do Tempo de Leila R. Iannone pela Moderna (1990)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1999)
>>> Olhinhos de gato de Cecília Meireles pela Modernao (1983)
>>> As Maiores Historias do Superman de Jerry Siegel e Joe Shuster. Capa: Alex Ross pela Panini Comics (2008)
>>> DC Especial vol.3 - Lanterna Verde de Ben Raab, Charlie Adlard, Tatjana Wood pela Panini Comics (2004)
>>> Superman versus Exterminador do Futuro de Alan Grant (roteiro), Steve Pugh (desenhos, arte-final e capa), Mike Perkins (arte-final) e David Stewart (cores) pela Abril (2000)
>>> X-Men - Filhos do Átomo de Joe Casey, Steve Rude, Esad Ribic pela Abril (2001)
>>> Anjos e Demônios: a primeira aventura de Robert Langdon de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Simbad - Uma Historia Das Mil E Uma Noites de Ludmila Zeman pela Projeto (2010)
>>> Geografia Geral e do Brasil. Espaço Geográfico e Globalização de João Carlos Moreira; Eustáquio de Sene pela Scipione (2021)
>>> Você Com Você de Marcos Leão - Calunga pela Casa dos Espíritos (2011)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/7/2008
Biografias da discórdia
Pilar Fazito

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Famílias numerosas sempre têm um decano que deveria escrever sua biografia, deixar para as gerações futuras um registro daquilo que viveu. Chega certa época em que eles levam mesmo a sério o "você deveria escrever um livro" e lá pelos 80 ou 90 anos se dispõem a narrar um pouco de sua história a fim de que algum filho, neto ou bisneto resolva ajudar na tarefa de organizar tudo em forma de livro. E aí começam os problemas...

O passado do aspirante a autor pode envolver guerras, fome, seca, espionagem... Enfim, pode se tratar de um verdadeiro Indiana Jones, mas sabem como é: em casa de ferreiro, o espeto é de pau. A família nunca dá o devido valor àquilo que o sujeito viveu. Não dá e isso é compreensível, afinal, ela conhece o lado real do personagem, o cotidiano, as manias, a unha encravada e a rabugice, em suma, os defeitos que destituem todo o romantismo ou o heroísmo daquele que figurará nos anais do clã. Celebridades, top models e heróis só são perfeitos para quem não tem que conviver diariamente com eles.

A moda do registro biográfico de decanos de famílias numerosas está em ascensão. Famílias anônimas, que, até então, não tinham nenhuma visibilidade no meio literário agora começam a por as memórias no papel. Ou nos blogs. Eu mesma já ajudei a organizar duas biografias dessas. O trabalho em si é bem interessante, mas o mais divertido (para quem está de fora) é assistir à discórdia que se instaura entre os membros da família com a publicação do vade-mécum. Uma verdadeira e tardia terapia familiar.

Não é fácil escrever, nem ler, sobre a história de vida de uma pessoa da qual fazemos parte. Ou porque não nos identificamos com o que é narrado - e aí achamos que nosso ancestral já está mais prá lá do que prá cá - ou, ao contrário, por nos identificarmos demais e acharmos que há toda uma exposição desnecessária e proposital dos outros parentes. No primeiro caso, é comum os filhos, netos, bisnetos e agregados se esconderem de vergonha do público que, porventura, lerá o livro. No segundo caso, mais ainda. A briga que remonta às diferenças e intolerâncias que foram sufocadas por anos dentro do aconchegante seio familiar voltam à tona. Só para ilustrar a coisa: o segundo livro que ajudei a organizar tinha uma capa vermelha e, por conta disso, recebeu nos bastidores da edição o divertido apelido de "o livro vermelho da discórdia".

O leitor-familiar tende a defender a bandeira de uma suposta verdade que não existe. Ele não aceita muita coisa que é publicada por um irmão, marido, tio, sobrinho, ou por uma mãe, irmã, esposa etc. porque, muitas vezes, o ponto de vista adotado não bate com o seu.

A família do biografado tem que se lembrar de certas obviedades que passam despercebidas no calor do momento. Uma delas é que há preferências e facilidade de diálogos entre alguns membros e entre outros, não. Além disso, é claro que o autor prefere falar dos atos heróicos e jogar suas falhas humanas debaixo do tapete narrativo. E daí? Quem é o leitor para julgá-lo? Não gostou da versão dos fatos, que escreva e publique outra.

O senso comum conceitua a biografia como um gênero literário que se baseia em acontecimentos reais da vida de uma pessoa. Entretanto, ela se aproxima mais da ficção do que se pode imaginar. Como observou o Moacyr Scliar certa vez, o ficcionista é alguém que acredita verdadeiramente nas mentiras que conta.

A sociedade ainda valoriza uma verdade absoluta que Popper já dizia não existir. Em relação a biografias, então, só o que se pode dizer é que somos todos ficcionistas. Não narramos o que aconteceu conosco, mas a impressão que guardamos daquilo que aconteceu conosco. E aí despejamos traumas, reações, medos, orgulhos, glórias e todo um turbilhão de emoções próprias daquele que escreve em primeira pessoa.

A discórdia gerada pelas biografias poderia ser evitada se os leitores aceitassem isso como chave para a leitura do texto. Não cabe ao autor se censurar ou reprimir o que pensa em função da possível reação dos que estão a sua volta. Isso também vale para muitas obras literárias assumidamente ficcionais: se todo escritor produzisse texto "pisando em ovos", não teríamos mais o que ler.

Conheço um autor que sofreu com o silêncio de um amigo por mais de vinte anos, depois de o dito cujo ter se identificado num de seus romances. Não bastou que o nome do personagem fosse outro e estivesse inserido num universo caricaturalmente fictício. O homem identificou-se com as manias de um dos personagens, levou isso para o lado pessoal, julgou que fosse uma atitude pejorativa e ninguém conseguiu fazê-lo mudar de idéia. Depois de tirar satisfações com o escritor, virou a cara e ficou esse tempo todo sem lhe dirigir palavra.

O escritor é um caricaturista verbal. Ele se serve das características físicas e comportamentais das pessoas que observa e manipula isso quando constrói personagens, exagerando, amenizando, modificando, em resumo, brincando de Deus. Se ele não disser "Fulano, esse meu personagem é você", o leitor deve se questionar bastante antes de tirar conclusões que, muitas vezes, podem ser sinal de mania de perseguição ou de presunção. Somos mais de seis bilhões de pessoas no mundo, o que o leva a crer que o gago, o calvo, ou aquele personagem que caiu num tonel de piche seja uma descrição sua?

Quando se trata de uma biografia, o universo a ser narrado é reduzido drasticamente. Fica mais difícil o autor usar a desculpa dos "seis bilhões de habitantes no planeta" para aplacar a ira do cunhado que se reconheceu no episódio do casamento do primo, quando foi pego no flagra ao proporcionar uma doce despedida de solteira para a noiva. De todo modo, cabe aos leitores não levarem tudo tão a sério. Ou então, não darem motivo para uma exposição negativa.

Para quem ainda pensa em mexer no passado coletivo e registrar as memórias, vai uma dica: peça auxílio de alguém de fora do clã. Alguém isento de juízo de valor, que não questione aquilo que será dito ou aquilo que será omitido. Ainda assim, esteja preparado para as discussões.

Biografias familiares tendem a atiçar o bate-boca nas festas de natal. Há famílias que lidam bem com esse tipo de estresse: xingam, gritam e, no dia seguinte, fazem as pazes, pedem desculpas, choram de emoção para, em seguida, brigarem de novo e voltarem às pazes novamente. Mas nem todas possuem esse ciclo dramático tarantelesco. No caso de famílias que guardam mágoas e que não estão preparadas para esse registro histórico - sofrido, mas recompensador -, é bom distribuir os presentes antes do vinho e do champanhe e sair da festa de fininho, antes mesmo da sobremesa.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 14/7/2008


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/7/2008
15h07min
Mesmo com assessoria competente, as biografias familiares são criadas por caricaturistas verbais, como você diz, e mesmo considerando que todos os que fazem literatura o são, essas biografias levam-se demasiado a sério, pretendem incrustar personagens insossos num recorte histórico, e fazer crer o quanto são benevolentes esses personagens reais em compartilhar sua grandiosidade pessoal. O resultado é inconsistente. As contendas geradas no seio da família biografada são outras histórias, talvez muito mais interessantes...
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
14/7/2008
20h00min
Dois pensamentos me ocorrem diante desta interessante matéria. Um testamento deixa herdeiros, e uma biografia, órfãos. A biografia prolonga o sentimento de orfandade dos que são herdeiros de uma imagem.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
15/7/2008
15h23min
Muito interessante o texto, Pilar. E muito legal saber sobre essa nova onda de registrar histórias familiares. Brigas e mágoas à parte, essa tendência cumprirá importante função histórica! Legal mesmo.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Book One of the Fifty Shades Trilogy
E L James
Vintage Books
(2012)



Mistério na Abadia
Ellis Peters
Record
(1996)



São Paulo Em Vinte Artistas
Alberto Hiar Junior
Imprensa Oficial
(2010)



Administração de Recursos Humanos Fundamentos Basicos
Idalberto Chiavenato
Manole
(2016)



1999
Nova Cultural
Nova Cultural
(1999)



Dicionário de Inglês Corporativo
Adriana Grade Fiori Souza
Disal
(2006)



Feng Shui - Energia e Prosperidade no Trabalho
Roberto Bo Goldkorn
Campus
(1999)



Mulher o Negro do Mundo
Malcolm Montgomery
Gente
(1997)



Minecraft Galaxy Wars 1
Minecraft
Tambor
(2016)



Instrumentos de Deus: um Livro Que Toca
Moraes Moreira e Parceria; Romero Cavalcanti (ilus
José Olympio
(1986)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês