Biografias da discórdia | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/7/2008
Biografias da discórdia
Pilar Fazito

+ de 4600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Famílias numerosas sempre têm um decano que deveria escrever sua biografia, deixar para as gerações futuras um registro daquilo que viveu. Chega certa época em que eles levam mesmo a sério o "você deveria escrever um livro" e lá pelos 80 ou 90 anos se dispõem a narrar um pouco de sua história a fim de que algum filho, neto ou bisneto resolva ajudar na tarefa de organizar tudo em forma de livro. E aí começam os problemas...

O passado do aspirante a autor pode envolver guerras, fome, seca, espionagem... Enfim, pode se tratar de um verdadeiro Indiana Jones, mas sabem como é: em casa de ferreiro, o espeto é de pau. A família nunca dá o devido valor àquilo que o sujeito viveu. Não dá e isso é compreensível, afinal, ela conhece o lado real do personagem, o cotidiano, as manias, a unha encravada e a rabugice, em suma, os defeitos que destituem todo o romantismo ou o heroísmo daquele que figurará nos anais do clã. Celebridades, top models e heróis só são perfeitos para quem não tem que conviver diariamente com eles.

A moda do registro biográfico de decanos de famílias numerosas está em ascensão. Famílias anônimas, que, até então, não tinham nenhuma visibilidade no meio literário agora começam a por as memórias no papel. Ou nos blogs. Eu mesma já ajudei a organizar duas biografias dessas. O trabalho em si é bem interessante, mas o mais divertido (para quem está de fora) é assistir à discórdia que se instaura entre os membros da família com a publicação do vade-mécum. Uma verdadeira e tardia terapia familiar.

Não é fácil escrever, nem ler, sobre a história de vida de uma pessoa da qual fazemos parte. Ou porque não nos identificamos com o que é narrado - e aí achamos que nosso ancestral já está mais prá lá do que prá cá - ou, ao contrário, por nos identificarmos demais e acharmos que há toda uma exposição desnecessária e proposital dos outros parentes. No primeiro caso, é comum os filhos, netos, bisnetos e agregados se esconderem de vergonha do público que, porventura, lerá o livro. No segundo caso, mais ainda. A briga que remonta às diferenças e intolerâncias que foram sufocadas por anos dentro do aconchegante seio familiar voltam à tona. Só para ilustrar a coisa: o segundo livro que ajudei a organizar tinha uma capa vermelha e, por conta disso, recebeu nos bastidores da edição o divertido apelido de "o livro vermelho da discórdia".

O leitor-familiar tende a defender a bandeira de uma suposta verdade que não existe. Ele não aceita muita coisa que é publicada por um irmão, marido, tio, sobrinho, ou por uma mãe, irmã, esposa etc. porque, muitas vezes, o ponto de vista adotado não bate com o seu.

A família do biografado tem que se lembrar de certas obviedades que passam despercebidas no calor do momento. Uma delas é que há preferências e facilidade de diálogos entre alguns membros e entre outros, não. Além disso, é claro que o autor prefere falar dos atos heróicos e jogar suas falhas humanas debaixo do tapete narrativo. E daí? Quem é o leitor para julgá-lo? Não gostou da versão dos fatos, que escreva e publique outra.

O senso comum conceitua a biografia como um gênero literário que se baseia em acontecimentos reais da vida de uma pessoa. Entretanto, ela se aproxima mais da ficção do que se pode imaginar. Como observou o Moacyr Scliar certa vez, o ficcionista é alguém que acredita verdadeiramente nas mentiras que conta.

A sociedade ainda valoriza uma verdade absoluta que Popper já dizia não existir. Em relação a biografias, então, só o que se pode dizer é que somos todos ficcionistas. Não narramos o que aconteceu conosco, mas a impressão que guardamos daquilo que aconteceu conosco. E aí despejamos traumas, reações, medos, orgulhos, glórias e todo um turbilhão de emoções próprias daquele que escreve em primeira pessoa.

A discórdia gerada pelas biografias poderia ser evitada se os leitores aceitassem isso como chave para a leitura do texto. Não cabe ao autor se censurar ou reprimir o que pensa em função da possível reação dos que estão a sua volta. Isso também vale para muitas obras literárias assumidamente ficcionais: se todo escritor produzisse texto "pisando em ovos", não teríamos mais o que ler.

Conheço um autor que sofreu com o silêncio de um amigo por mais de vinte anos, depois de o dito cujo ter se identificado num de seus romances. Não bastou que o nome do personagem fosse outro e estivesse inserido num universo caricaturalmente fictício. O homem identificou-se com as manias de um dos personagens, levou isso para o lado pessoal, julgou que fosse uma atitude pejorativa e ninguém conseguiu fazê-lo mudar de idéia. Depois de tirar satisfações com o escritor, virou a cara e ficou esse tempo todo sem lhe dirigir palavra.

O escritor é um caricaturista verbal. Ele se serve das características físicas e comportamentais das pessoas que observa e manipula isso quando constrói personagens, exagerando, amenizando, modificando, em resumo, brincando de Deus. Se ele não disser "Fulano, esse meu personagem é você", o leitor deve se questionar bastante antes de tirar conclusões que, muitas vezes, podem ser sinal de mania de perseguição ou de presunção. Somos mais de seis bilhões de pessoas no mundo, o que o leva a crer que o gago, o calvo, ou aquele personagem que caiu num tonel de piche seja uma descrição sua?

Quando se trata de uma biografia, o universo a ser narrado é reduzido drasticamente. Fica mais difícil o autor usar a desculpa dos "seis bilhões de habitantes no planeta" para aplacar a ira do cunhado que se reconheceu no episódio do casamento do primo, quando foi pego no flagra ao proporcionar uma doce despedida de solteira para a noiva. De todo modo, cabe aos leitores não levarem tudo tão a sério. Ou então, não darem motivo para uma exposição negativa.

Para quem ainda pensa em mexer no passado coletivo e registrar as memórias, vai uma dica: peça auxílio de alguém de fora do clã. Alguém isento de juízo de valor, que não questione aquilo que será dito ou aquilo que será omitido. Ainda assim, esteja preparado para as discussões.

Biografias familiares tendem a atiçar o bate-boca nas festas de natal. Há famílias que lidam bem com esse tipo de estresse: xingam, gritam e, no dia seguinte, fazem as pazes, pedem desculpas, choram de emoção para, em seguida, brigarem de novo e voltarem às pazes novamente. Mas nem todas possuem esse ciclo dramático tarantelesco. No caso de famílias que guardam mágoas e que não estão preparadas para esse registro histórico - sofrido, mas recompensador -, é bom distribuir os presentes antes do vinho e do champanhe e sair da festa de fininho, antes mesmo da sobremesa.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 14/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
03. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
04. Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra de Jardel Dias Cavalcanti
05. Um estranho chamado Joe Strummer de Celso A. Uequed Pitol


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/7/2008
15h07min
Mesmo com assessoria competente, as biografias familiares são criadas por caricaturistas verbais, como você diz, e mesmo considerando que todos os que fazem literatura o são, essas biografias levam-se demasiado a sério, pretendem incrustar personagens insossos num recorte histórico, e fazer crer o quanto são benevolentes esses personagens reais em compartilhar sua grandiosidade pessoal. O resultado é inconsistente. As contendas geradas no seio da família biografada são outras histórias, talvez muito mais interessantes...
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
14/7/2008
20h00min
Dois pensamentos me ocorrem diante desta interessante matéria. Um testamento deixa herdeiros, e uma biografia, órfãos. A biografia prolonga o sentimento de orfandade dos que são herdeiros de uma imagem.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
15/7/2008
15h23min
Muito interessante o texto, Pilar. E muito legal saber sobre essa nova onda de registrar histórias familiares. Brigas e mágoas à parte, essa tendência cumprirá importante função histórica! Legal mesmo.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PESQUISA DE CONDIÇÕES DE VIDA: CAMPINAS - PRIMEIROS RESULTADOS
NÃO INFORMADO
SEADE
(1995)
R$ 10,00



LIVRE PARA CRESCER - DOCUMENTO FIESP
MARIA HELENA ZOCKUN
CULTURA ASSOCIADOS
(1990)
R$ 10,00



O SEXO ALÉM DA MORTE
R. A. RANIERI
EDIFRATER
(1997)
R$ 20,00



MUSEU DO ESTADO DE PERNAMBUCO
BANCO SAFRA
SAFRA
(2003)
R$ 14,90



HISTÓRIA SUPLEMENTO DE REVISÃO
ALEXANDRE ALVES LETICIA FAGUNDES DE OLIVEIRA
MODERNA PLUS
(2010)
R$ 20,00



VALIENTE MUNDO NUEVO
CARLOS FUENTES
FONDO DE CULTURA ECONOMICA
(1990)
R$ 21,63



LART JAPONAIS 1: LART RELIGIEUX.
ALAIN LEMIERE
FERNAND HAZAN
(1958)
R$ 31,28



EL PAJARO PINTADO
JERZY KOSINSKI
POMAIRE
(1980)
R$ 10,00



A MENOR IMPORTÂNCIA
CÁSSIO ZANATTA
REALEJO
(2016)
R$ 42,00



CORINTHIANS X OUTROS
WASHINGTON OLIVETTO
LEYA
(2009)
R$ 15,00





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês