É Tabu, Ninguém Quer Saber | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
41560 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/11/2014
É Tabu, Ninguém Quer Saber
Marilia Mota Silva

+ de 2700 Acessos

Na saída do metrô, no centro do Rio, um menino de uns doze anos sentava-se todos os dias, com uma criança nos braços, uma menina esquelética, cor-de cera, com olhos semi-abertos, embaçados. Parecia morta, não reagia se tocada, mas vivia, respirava. Vê-los ali, todas as manhãs, doía até nos ossos.

As pessoas paravam, ofereciam dinheiro, comida, roupas, conselhos. O menino recebia as doações. Respondia com evasivas às perguntas que lhe faziam. No outro dia, a mesma cena, o menino suplicante, o bebê amarelo, vestido com trapos, os olhos mortos, a pele emaciada. Não sei como conseguiram manter a criança naquele estado de agonia, por tanto tempo. Não era bem um bebê. Era como uma criança que parou de crescer aos seis, sete meses.

Um dia perguntei aos colegas, no trabalho, se tinham visto essas crianças, na saída do metrô. Sim , disse um, eles alugam essas crianças, você sabe. Não devem nem ser irmãos.

Insisti no assunto: tinha que haver um jeito de ajudar crianças como essas! Um prefeito, uma Secretaria da Saúde que enviasse assistentes sociais. Um trabalho sério, tinha certeza, atrairia voluntários de toda parte. Antes de tudo seria preciso identificar pai e mãe de cada criança encontrada nas ruas, nos sinais, trabalhando à noite. E ligar as trompas e fazer vasectomia nessas pessoas. Com a concordância deles. Devia haver uma lei que autorizasse a esterilização de toda mulher e todo homem que abandonasse os filhos ou que os explorasse desse jeito!"

Meu colega pulou da cadeira: Mas isso é uma violência, Marilia! Você gostaria que fizessem isso com você?

Sim, gostaria! Tanto que fiz! Paguei para fazer. Para não ter mais filhos do que queria ter; para criar bem as que tinha, com os recursos, tempo e energia emocional de que dispunha.

Acho uma violência, ele repetiu!

E o que acontece com essas crianças não é violência? Não é crime?

Afinal, eu não estava falando em castração ou cadeia. Vasectomia e laqueadura evitariam que crianças fossem jogadas no mundo para uma vida de miséria e abandono. Teríamos condições de cuidar melhor das que já estão nas ruas.

O colega sacudia a cabeça, ultrajado em sua retidão. Convencido do pátrio direito à irresponsabilidade. Incapaz de pensar nas crianças, .

Isso faz quase trinta anos. Agora, outro dia, li no Facebook, o desabafo de uma jovem pediatra, Patricia Mota Oliveira, que me trouxe de volta, com uma nitidez doída, a imagem daquelas duas crianças, e o mesmo sentimento de fracasso, de angústia.

Meu Deus, o que podemos fazer para dar um jeito nisso !!! Não aguento mais receber recém-nascidos filhos de usuárias de crack...são mulheres sem auto-estima,obcecadas pelo vício. Possuem 5,6,7,8 ...11 filhos. Na sua maioria moradoras de rua. Não se importam em sair do hospital e deixá-los para trás. Nao possuem nem mesmo o instinto mais primitivo dos mamíferos que é o instinto materno. Será que seria desumano laquear essas pacientes? Nao seria desumano deixar que esses seres descontrolados que vivem como zumbis coloquem no mundo crianças e mais crianças sem amor, sem o mínimo de educação e com diversas limitações ? Onde fica a proteção da criança ? Qual vai ser o nosso futuro? Como podemos acabar com isso?

Essas perguntas repercutem profundamente na maioria de nós, acredito. Impossível viver em paz, sabendo que há crianças nas ruas, sem a menor chance na vida. Conversei com amigos sobre o assunto.

Primeiro seria preciso dar oportunidade social a todos eles, aquelas coisas de sempre, trabalho, escola, tratamento, dignidade, disse um deles.

Mas não se trata disso. Estamos falando do que está acontecendo agora, de orfanatos superlotados, crianças nas ruas, que os pais abandonaram, pais que já tiveram outros filhos e os deixaram.

Outro amigo disse: E por que esterilizar quem está roubando pelas ruas e não os que estão nos roubando nas mansões? Por que eles tem como sustentar os filhos?

De novo, confundiram tudo. Ninguém vai esterilizar quem está roubando pelas ruas. Nem nas mansões. Roubar não gera filho!

Deixa isso de lado, me disseram ainda, é um tabu, ninguém quer saber.

Conversei com a médica autora do desabafo, e pedi-lhe mais detalhes sobre sua experiência, seu ponto-de-vista, citando os argumentos que tinha ouvido. Ela respondeu:

Uma pessoa que usa crack tem uma chance muito pequena de cura. Eles são considerados doentes mentais tanto é que quando internados ficam no setor da psiquiatria.
Nao possuem a mínima condição de cuidar de outro ser humano. Nao estamos falando de esterilizar quem está roubando mas de proteger as crianças de uma "família" que nao tem a mínima estrutura para cuidar e protegê-los.
Essas pessoas moram na rua, a maioria delas sem parceiro fixo, agem por impulso e movidas pelo crack.
Nao falo de mutilação e esterilização dos pobres. Estou analisando o lado do recém-nascido que com certeza terá sequelas em todos os sentidos .
No hospital em que estou agora todos os dias nasce pelo menos um bebê filho de mãe usuária de crack. Enquanto elas estão internadas algumas até mostram o desejo de parar de usar mas é só receberem alta que retornam para a rua e para as drogas. Fiz amizade com a Celina, 42 anos e 11 filhos.
Nenhum estava com ela. Ela é uma mulher muito boa, se expressa muito bem, teve várias chances de sair das drogas e não conseguiu. Ela realmente sabia quanto mal tinha feito a seus filhos, inclusive matou um deles ao dormir sobre ele depois de usar drogas.
Conversei bastante com ela durante os 2 meses em que ficou internada; ela lia muito e atraia a atenção dos outros pacientes devido aos seus conhecimentos,vivência e carisma.Visitava seu bebê na UTI todos os dias. Recebeu alta e se recusou a ir para uma clinica de tratamento, garantindo que iria se cuidar. Retornou alguns dias depois, espancada pelo companheiro. Mais uma vez conversei com ela, e conseguimos novamente a clínica, mas ela preferiu voltar para a rua. E deixou o seu bebê...
Não é falta de oportunidade social.
O crack é o fim da linha.
Pode ser fruto da desigualdade social, miséria, desamor, falta de educação, embora o vício esteja longe de ser restrito aos pobres, como todos sabemos.
Logo no inicio quando acompanhava a Celina um enfermeiro que trabalhava no setor da psiquiatria me dizia para eu não me iludir pois ele nunca tinha visto nenhum dos pacientes abandonar as drogas.
A visão de quem diz que tudo isso é simplesmente falta de oportunidade,é a visão de quem não lida diretamente com o situação. Essa era a minha visão também, bastante ingênua, quando não se está em contato com a realidade.
A Celina pediu para fazer laqueadura.
Elas querem, em sua maioria. Não seria feito contra a vontade delas. O problema é o excesso de burocracia. São necessárias várias reuniões com psicóloga, médico, assistente social, acompanhamento no posto de saúde e participação das orientações sobre planejamento familiar.
Que família ? Que planejamento?
Nao se trata de fazer algo escondido e/ ou imposto. Será que 11 filhos, todos longe da mãe, nao seriam uma razão?
Nenhuma delas tem 1 ou 2 filhos somente. Nenhuma delas cuida do seu próprio filho. Não é proibir o pobre de ter filho. É dar à pessoa que não quer a responsabilidade de ter filhos, que não consegue nem cuidar de si mesma, o direito de não ter esses filhos, que ela irá abandonar, como fez antes.



Menos burocracia. Menos indiferença ao sofrimento das crianças, é disso que se trata. E a vasectomia, um procedimento simples, menos invasivo, mais barato e reversível, deveria ter prioridade no tratamento desse problema. Quando se trata de reprodução, todos se esquecem que a mulher não gera filhos por mitose.

Nascem crianças destinadas ao abandono todos os dias. Não há ninguém por elas. Ninguém as protege. E temos responsabilidade nisso, como sociedade.


Marilia Mota Silva
São Paulo, 26/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que queremos do Natal? de Daniel Bushatsky
02. Festival de Brasília: cinema de controvérsia de Marcelo Miranda
03. FLIP X FLAP de Marília Almeida
04. Zicartola de Marcelo Maroldi
05. Com o coração na boca de Aline Pereira


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CULTURA TURISMO E TEMPO - FRUICAO DO INTANGIVEL
OLIMPIO BONALD NETO
JOSÉ OLYMPIO
(1983)
R$ 8,91



VEIL: AS GUERRAS SECRETAS DA CIA
BOB WOODWARD
BEST SELLER
(1987)
R$ 12,15



PRIMO E PRIMA
MARIA VILMA DE OLIVEIRA
DO BRASIL
R$ 10,00



COISAS DE INDIO
DANIEL MUNDURUKU
CALLIS
(2000)
R$ 30,00



MARKET LEADER INTERMEDIATE PRACTICE FILE
DAVID COTTON; DAVID FALVEY; SIMON KENT
LONGMAN DO BRASIL
(2003)
R$ 4,99



ANEDOTAS - CONTRIBUIÇÃO PARA UM ESTUDO - VOLUME 2
A. MACHADO GUERREIRO
EDITORIAL IMPÉRIO
(1997)
R$ 10,00



ARTISTAS DE OUTRAS ERAS - LAFAYETTE SILVA
LAFAYETTE SILVA
IMPRENSA NACIONAL
(1939)
R$ 28,00



AIDS E AGORA?
LUIZ CLAUDIO CARDOSO
SCIPIONE
R$ 8,00



MIGRAÇÕES: DA PERDA DA TERRA À EXCLUSÃO SOCIAL
ANA VALIM
ATUAL
(1996)
R$ 6,90



QUE É HISTÓRIA?
E. H. CART
PAZ E TERRA
(1982)
R$ 11,50





busca | avançada
41560 visitas/dia
1,3 milhão/mês