Eu também sou concretista | Ruy Goiaba | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
Mais Recentes
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia- Roza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Contos de Amor Rasgados de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> Uma Ideia Toda Azul (Sem manuseio) de Marina Colasanti pela Global/ SP. (2013)
>>> O Verde Brilha no Poço de Marina Colasanti/ Ilustr: Rogério Borges pela Melhoramentos (1990)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> Brava Gente Brasileira (Sem uso) de Marcio Moreira Alves pela Nova Fronteira/ RJ. (2001)
>>> O Milionario Instantaneo de Carolina Caires Coelho; Mark Fisher pela Figurati (2014)
>>> Scrum - a Arte de Fazer o Dobro na Metade do Tempo de Jeff Sutherland & J. J. Sutherland pela Leya (2014)
>>> Como Fracassar Em Quase Tudo e Ainda Ser Bem Sucedido de Scott Adams pela Figurati (2016)
>>> Contagem Regressiva de Alice Klesck; Alan Weisnan pela Leya (2014)
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/5/2003
Eu também sou concretista
Ruy Goiaba

+ de 8200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Mudei radicalmente minha opinião sobre os poetas concretos. Agora, também quero ser um deles: deve ser uma delícia fazer auto-elogios sem nenhum escrúpulo de consciência, ser "de vanguarda" por 50 anos e viver cercado por gostosíssimas estudantes de semiótica. Antes, eu acreditava que o concretismo era uma espécie de clube privê de cujas vantagens eu não podia desfrutar. Que crasso preconceito o meu. Súbito descobri que, para exibir orgulhosamente meu título de sócio do clubinho concreto, bastava compor poemas com o mínimo de palavras e o máximo de exegese. E, como já mandei a modéstia às favas, asseguro que na primeira tentativa alcancei as alturas da obra-prima. Mas julguem vocês mesmos. Primeiro, o poema:



Não perceberam a genialidade da coisa? Ah, claro, vocês não têm as referências necessárias. Então aqui vai a análise, para que vocês captem a multiplicidade de sentidos dessa maravilha.

1) Em português, palavras como "cu", monossílabo tônico terminado em U, não levam acento. Sua inclusão, portanto, é uma transgressão da norma gramatical que visa ressaltar o aspecto ideogrâmico do CÚ, com base na poesia de Pound e nos estudos de Fenollosa. Assim é que o acento sobre a letra U assume caráter fálico e reproduz iconicamente uma penetração anal, fazendo com que o poema possa ser lido como "pau no cu".

2) O próprio desenho das letras permite outras interpretações igualmente interessantíssimas. O C representa o sujeito-curvado-sobre-si-mesmo, alheio a tudo aquilo que não seja sua eterna contemplação narcísica. O U, por sua vez, é uma letra aberta para cima -imagem do sujeito ávido pelo contato com o mundo exterior e buscando compensar a falta que, no entanto, o constitui, como diria Jacques Lacan. É por essa abertura ínfima que o acento-pênis transgressor se introduz. Contra a natureza e contra as leis da gramática, o CÚ se afirma como sujeito subversivo, revolucionário e, sobretudo, baitola.

3) O poema também se inspira nos ready-mades de Marcel Duchamp. Assim como um penico pode ser exposto num museu, também o CÚ, clássico grafito de banheiro, pode ser elevado à categoria de poesia e questionar de maneira instigante (eu tinha que usar esse adjetivo) as fronteiras entre arte e antiarte. Outra influência evidente é Mallarmé, com seu poema "Un Coup de Dés Jamais n'Abolira Le Hasard": a palavra "coup", como vocês devem saber, pronuncia-se "cu", e a poesia da modernidade jamais teria sido a mesma sem o "coup" do Mallarmé.

Vou ligar amanhã mesmo para Haroldo, Augusto ou Décio para exigir minha carteirinha de sócio. E ai deles se não gostarem da minha obra-prima. Que enfiem o dedo nela e rasguem.

Haroldão, o papai noel concretista
(fábula natalina extemporânea, mas altamente moral)


Passa das quatro da manhã. As crianças, antes ansiosas, estão francamente irritadas: nenhuma movimentação na chaminé, nenhum presente dentro das meias, nenhum sinal da presença de Papai Noel naquele cenário dos Waltons. Eis que John Boy e Mary Ellen ouvem barulhos estranhos do lado de fora da casa. Vão averiguar e encontram isto: um sujeito careca tocando cítara e ele, Santa Claus, o bom velhinho, dizendo coisas como "e começo aqui e meço aqui este começo e recomeço e remeço e arremesso e aqui me meço". John e Mary se aproximam dele.

- Você é mesmo o Papai Noel?
- Sim, amiguinhos. Ou não. Nãosim. Tudo nascemorrenasce, desmorre, desnasce.
- E cadê o trenó? As renas? Aquela risada "ho-ho-ho"? E os nossos presentes?
- Trenó, renas e "ho-ho-ho" são bobagens passadistas, coisas de Papais Noéis parnasianos. Também troquei seus presentes convencionais por coisas mais vanguardistas. Que tal este poema verbivocovisual? Ou este quebra-cabeças popcreto? Talvez vocês prefiram brincar de colidouescapo ou vestir este lindo parangolé.
- Putz, que lixo. A gente não gostou de nada disso, não.
- Ah, meu santo Ezra Pound, que crianças mais enjoadinhas. Já sei... tenho aqui um presente que vocês vão adorar.

Abre seu saco e retira dele o último CD de Arnaldo Antunes. É imediatamente atacado pelas crianças a socos, pontapés, mordidas e dedadas nos olhos. De nada adiantam seus gritos de "socorro", "seus Gullarzinhos de merda" e "seus filhotes de Wilson Martins". Como o citarista deu no pé, John Boy e Mary Ellen se apossam do instrumento e dão uma kabongada na nuca do Papai Noel concretista. O acorde produzido é mi bemol.

Moral da história: Não acredite em nenhum Papai Noel que faça o seu saco ficar mais cheio que o dele.

Manual de redação do tio Ruy
Se você, amiguinho, escolheu ser jornalista, é por definição um caso perdido. Mas, se você ainda está em início de carreira -e, por favor, não tome essa expressão literalmente; dizem que estraga a cartilagem nasal-, é possível que seus dois neurônios, Hans e Fritz, ainda não tenham sido irreversivelmente deteriorados. Se é esse o caso, aqui vão algumas dicas estilísticas do tio Ruy: 1) Não use o adjetivo "seminal", a não ser em referências ao seu saco (e, eventualmente, ao dos leitores). Só os testículos são verdadeiramente seminais. 2) "Círculo íntimo" é cu. Nada mais, nada menos. Escrever que uma informação foi apurada "no círculo íntimo de Fulano de Tal" é deselegantemente proctológico, embora possa ter algo de verdadeiro se Fulano de Tal for o Agnaldo Timóteo. 3) Você não é Flaubert. Escrever um texto muderno e cheio de insights sobre os buracos da rua não vai torná-lo Flaubert. E que isso não seja entendido como uma defesa da mediocridade. É só prevenção contra a subliteratice, vício oposto e complementar ao do jornalismo-objetivo-e-sem-graça.

Coisas que Ruy Goiaba jamais fará
1) Usar uma daquelas camisetas cretinas da Forum ("Luta", "Respeito" e sei lá que cazzo), fazendo o que o Zeitgeist chama, muito adequadamente, de "cara de consciência". Eu só vestiria uma coisa dessas se o garoto-propaganda fosse o Costinha e na camiseta estivesse escrito "Fodelança". 2) Ir ao coquetel de lançamento de um desses filmes cheios de "realidade brasileira", como "Carandiru", cuja estréia faço questão de ignorar. Sim, pode ser divertido tomar um vinhozinho antes do filme, sensibilizar-se com a tal realidade e depois jantar no Fasano. Mas vou ficar mesmo em casa, envolvido numa atividade cultural bem mais interessante: cortar as unhas dos pés ouvindo Nelson Gonçalves.

Sugestões para um mundo mais melhor
Devia haver uma butique chamada Chez Guevara. Seria uma Daslu para intelectuais orgânicos: modelitos chiquérrimos de farda usados por Fidel, Hugo-lá-vem-o-Chávez e aquele pessoal muito féchom das Farc, paredones no lugar de provadores e música ambiente by Pablo Milanés. E você ainda seria atendido por vendedoras com doutorado em história pela USP. Luxo!

Também acho que alguém deveria lançar o "Livro Vermelho de Receitas de Mao Tsé-tung", com pratos simples e saborosos como a sopa de miolos à Pol Pot. (É claro: quem quiser agradar a todos os paladares ideológicos poderá preparar um curdo ao molho pardo ou recorrer a Plínio Salgado e suas receitas de arroz integralista.)

Adendo: O Nelson sugere que a butique também venda camisetas de John Lênin. E eu acrescentaria, nas costas, um bom slogan para os beberrões que não deixam de se preocupar com a paz mundial: "All we are saying is give piss a chance", o refrão mais cantado nas filas de banheiro em todo o mundo.

Por que não sou féchom
Estava eu folheando uns livros lá na Livraria Cultura do xópim Bicha-Loucos, aqui em São Paulo, e eis que o estilista megaféchom Fause Haten passa perto de mim. O que me chamou a atenção foram as roupas dele -mas, curiosamente, não por uma presumível extravagância. O cara vestia um jeans bem detonado e um agasalho cinza, daqueles com capuz e cordõezinhos, que devia ser o mesmo usado pelo Renato Russo naquele clipe de "Será" (apenas uns 20 anos mais velho). Pensei comigo: porra, essa era a roupa que eu usava pra ir à escola quando estava na quinta série. Usava, não; queria usar, mas era impedido de fazê-lo pelos cascudos de dona Genibalda Goiaba, a senhora minha mãe ("Tira já essa roupa imunda, moleque! Filho meu não vai pra escola molambento!"). Disso se conclui que eu já era féchom com 11 anos e que, graças aos maus bofes da minha mãe, o mundo perdeu um grande estilista. Sorte do mundo.

Montaigne na clinica de lipoaspiração
"Quem em Paris não ouviu falar daquela [mulher] que se fez esfolar somente para adquirir a tez mais fresca de uma nova pele? Há as que mandaram arrancar dentes vivos e sadios para assim tornar a voz mais lânguida e mais cheia, ou para dispô-los em melhor ordem. Quantos exemplos do desprezo pela dor temos nesse sexo? O que não podem elas? O que temem? (...) Vi engolirem areia, cinzas e esforçarem-se propositalmente para arruinar o estômago a fim de adquirir a cor pálida. Para formar um corpo bem espanholado, que tormento não sofrem elas, comprimidas e amolgadas, com grandes talhos nos flancos, até a carne viva? E mesmo algumas vezes chegam a morrer disso."

(Trecho do ensaio "Que o gosto dos bens e dos males depende em boa parte da opinião que temos deles", incluído no Livro I e escrito por volta de 1572. A tradução é de Rosemary Costhek Abílio. Quem ousará dizer que o gajo não é atualíssimo?)

Nota do Editor
Ruy Goiaba assina o blog puragoiaba, onde estes textos foram originalmente publicados.


Ruy Goiaba
São Paulo, 15/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
03. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
04. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
05. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ruy Goiaba
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2003
18h09min
Adorei o "Por que não sou féchom"...rs. Parabéns! O que mais admiro na poesia concreta é que foi abolida aquela leitura tradicional, cheia de versos. E poder utilizar formas variadas de escrever e até mesmo formar efeitos visuais, pra mim foi maravilhoso. Aliás, é o que mais gosto de fazer desde os tempos da faculdade, jogar com as palavras! Se puder visite meu blog, tenho postado algumas lá. Adoraria sua opinião. Bjs e sucesso...Civana ;)
[Leia outros Comentários de Civana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA, CULTURA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
ALBERTO DE FREITAS
ELSEVIER
(2016)
R$ 56,00



VARIÁVEIS COMPLEXAS
MURRAY R. SPIEGEL
MCGRAW HILL DO BRASIL
(1972)
R$ 69,00



REVISTA CAPIXABA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA - A. 6 Nº10 (681)
DIVERSOS
IFTAV/FSV
(2008)
R$ 18,00



AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM COM O MOODLE
ANA JÚLIA VIAMONTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



CULTURA E DEMOCRACIA VOLUME 2
CELSO DE RUI BEISIEGEL E OUTROS
FUNARTE
(2001)
R$ 16,28



SELEÇÕES DO READERS DIGEST ABRIL DE 1954
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



SANTOS
RICARDO LUIZ DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



CABEÇA DE HUGO CHAVEZ
FLAVIO BRAGA (APRESENTAÇÃO LUIZ COSTA LIMA)
ROCCO
(2011)
R$ 10,00



O EVANGELHO DE COCO CHANEL
KAREN KARBO E CHESLEY MCLAREN
SEOMAN
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA - CURSO SUPERIOR
SILVEIRA BUENO
SARAIVA
(1963)
R$ 5,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês