A noite do meu bem, de Ruy Castro | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
>>> Para você estar passando adiante
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/7/2016
A noite do meu bem, de Ruy Castro
Julio Daio Borges

+ de 2800 Acessos


Desde que Ruy Castro publicou Chega de Saudade (1990), a bossa-nova assumiu um lugar central na música brasileira. Assim como o nosso modernismo dividiu a arte brasileira em "antes" e "depois", a bossa-nova, relançada no final do século XX, dividiu a nossa música em "antes" e "depois".

Os pré-bossa-novistas acabaram como o pré-socráticos: suas obras se perderam no tempo, restando apenas fragmentos. Assim, passamos as últimas décadas achando que, com Tom, Vinicius e João Gilberto, se deu o Big Bang. O resto era silêncio.

É verdade que o mesmo Ruy Castro escreveu Carmen (2006). E contou, no seu melhor livro, a história das cantoras do rádio, incluindo a mais célebre delas, que conquistou Hollywood nos anos 40 ― e reconstituindo, de lambuja, a história do samba, na chamada Época de Ouro, a era dos cassinos, os anos 30.

O problema é que Carmen não foi lido como Chega de Saudade. Nem mesmo como A onda que se ergueu no mar (2001), livro de ensaios sobre a bossa-nova e seus desdobramentos. E nem como Ela é carioca (1999), a enciclopédia de Ruy Castro para Ipanema. A bossa-nova e seus personagens prevaleceram, mais uma vez.

Consciente ou inconscientemente, Ruy Castro preenche a lacuna entre Carmen e Chega de Saudade com A noite do meu bem, a História e as histórias do samba-canção (Companhia das Letras, 2015). O novo livro começa, justamente, com o fechamento dos cassinos no Brasil, por decreto do presidente Dutra, em 1946. Cobre toda a era das boates, no Rio, e se encerra em meados dos anos 60, com a renúncia de Jânio, a presidência vacilante de Jango e a ascensão dos militares, da MPB e do rock'n'roll.

Se Ruy Castro havia dominado o assunto "bossa-nova" ― tanto que ninguém quase ousou tocar no tema depois dele ― e se praticamente esgotou a Era de Ouro, e o samba nos anos 30, até mesmo a Hollywood dos anos 40, com Carmen, ainda faltava essa "idade média", entre meados dos anos 40 e o início dos anos 60, que ele aborda com A noite do meu bem.

Esquematicamente, no universo do autor, podemos falar de algumas mudanças, que definem os contornos da nova obra. Em primeiro lugar, o cenário. Ruy Castro, um especialista em Ipanema, aborda Copacabana. Tudo bem que, depois de Carnaval no fogo (2003), o autor é praticamente um especialista em Rio de Janeiro. Mas, mesmo assim, Copacabana nos anos 50 é diferente de Ipanema nos anos 60 e depois.

Em segundo lugar, a mudança é estrutural. Com a proibição dos jogos de azar no Brasil, as produções musicais, antes patrocinadas pelos cassinos, têm de se adaptar. Assim, em lugar dos grandes palcos e do espalhafato de uma Carmen Miranda, por exemplo, tem-se o intimismo das boates, seja dentro dos hotéis, como o Meia-Noite, no Copacabana Palace, seja com endereço próprio, como o Sacha's.

Em terceiro lugar, o novo momento exige uma nova trilha sonora. Assim, em lugar do samba, que ganhou o mundo com Carmen, o samba-canção. Ao contrário do samba tradicional ― épico, com ritmo bem marcado, para tocar no rádio e até conquistar a avenida, durante o Carnaval ―, o samba-canção: lírico, reflexivo, para abordar a condição humana, as complexidades do amor, sem muito final feliz, e para dançar a dois.

Definido o cenário, o "modo de produção" e a trilha, vale falar, um pouco, do momento político, que se reflete na estrutura da sociedade carioca e na do Brasil, já que o Rio era a capital federal. A noite do meu bem, mesmo com o fechamento dos cassinos, ainda revela uma sociedade rica, em todos os sentidos, com uma vida noturna pujante e uma vida cultural que não fica atrás. Ruy Castro não fala só de música, e nem só dos desdobramentos de Getúlio e de Juscelino, mas do "café society" que viria a se tornar o "jet set", como hoje se conhece.

Claro que a especialidade de Ruy Castro é cultura, e música. E é provável que ele tenha escrito, nesse livro, uma das melhores histórias de Dolores Duran, a originalmente cantora de boleros, namorada de João Donato, depois compositora, parceira de Tom, e uma letrista de mão cheia. "A noite do meu bem", que intitula a obra, é um samba-canção dela. "Por causa de você", outro clássico de Tom, ganharia letra de Vinicius, mas, em favor de Dolores, o poeta a retirou.

Ruy Castro também conta, como ninguém mais talvez, a história de Antonio Maria (sorry, Joaquim Ferreira dos Santos). Originalmente um cronista da madrugada, que, além de alimentar os principais jornais da época, escreveu roteiros para musicais e as letras de alguns dos sambas-canção e ― por que não dizer? ― dos *sambas* mais emblemáticos, como "Manhã de Carnaval", mais conhecido como um clássico da bossa-nova, e "Ninguém me ama, ninguém me quer"... Sem contar que Antonio Maria viveu intensamente ― e seu romance com Danuza Leão é um dos pontos altos do livro. Aliás, seu desaparecimento antes dos 40 anos, e a marca profunda que ele deixou na cultura, dá uma ideia da intensidade com que viveu.

E Samuel Wainer, o primeiro marido de Danuza, um dos barões da imprensa da época, dono do Última Hora, uma lenda do jornalismo brasileiro, também merece a atenção de Ruy Castro. E brilha, porque o livro pega seu auge (ainda que Danuza o troque por Maria). É interessante, ainda, ver Ruy Castro abordar, en passant, Assis Chateaubriand, esse monstro biografado por Fernando Morais, e a dinastia dos Marinho, antes da TV Globo.

Mas lógico que o "prato principal" acaba sendo aqueles que Ruy Castro conhece mais, "de outros carnavais", digamos assim. A entrada de Vinicius de Moraes, recém-chegado de Los Angeles, por exemplo, é triunfal. Na fase em que conhece Lila Bôscoli e logo mais encontra Tom. Igualmente triunfal é a ascensão do próprio Tom Jobim, originalmente um pianista de boate, como seu colega e parceiro Newton Mendonça, mas que cai nas graças dos maestros-arranjadores da Rádio Nacional, como Radamés Gnatalli, que o adota, depois nas graças de compositores como Ary Barroso e Dorival Caymmi, ambos no auge, e finalmente é apresentado ao poeta e diplomata Vinicius de Moraes. Como o próprio Ruy Castro diz, no livro, "o resto é História".

Aprende-se muito, igualmente, sobre Ibrahim Sued, o futuro colunista social, autor das expressões "sorry, periferia" e "linda de morrer". Fernando Lobo, outro cronista da madrugada, pai de Edu Lobo e autor de "Chuvas de Verão". Doris Monteiro, uma cantora que precisa ser redescoberta. Humberto Teixeira, o parceiro de Luiz Gonzaga, e co-inventor do baião. Jacinto de Thormes, outro cronista influente, e implacável. Nelson Gonçalves, sim, o da "boemia" (originalmente, "boêmia" ― mas que ele perverteu, e "colou"). Johnny Alf, outro dos pais da bossa-nova, que o mundo esqueceu. E Sergio Porto, alter ego de Stanislaw Ponte Preta, que, justamente, consagrou "bossa nova" como termo (para designar novidades) e que batizou o Beco das Garrafas, como "Beco das Garrafadas" ― o mesmo "lócus" que, futuramente, viria a lançar gente como Elis Regina, Wilson Simonal e Jorge Ben (antes de Jor).

Com tanta gente boa, com tantos talentos e com tantas personalidades, a unidade de A noite do meu bem perde um pouco, como livro. Sem contar as histórias das boates em si, que, na verdade, são o fio condutor. A noite do meu bem não é tão "redondo" como Chega de Saudade ou Carmen, embora tenha momentos antológicos tanto quanto.

No conjunto da obra de Ruy Castro, contudo, preenche, conforme dito, uma "lacuna", que, para ele, seria algo muito natural. Ruy Castro, mais que biógrafo, vai se consagrando como um dos autores da história cultural do Rio, e ― sendo o Rio a capital da República, nesse período ― da história cultural do Brasil. Para quem já leu quase todo o Ruy Castro, como eu, A noite do meu bem é imperdível. Mas para quem não leu tudo ainda, Chega de Saudade e Carmen vêm antes ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
02. Um grande romance para leitores de... poesia de Renato Alessandro dos Santos
03. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
04. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
05. Minha biblioteca de sobrevivência de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2016
01. Elon Musk - 11/7/2016
02. Nunca fomos tão vulgares - 6/5/2016
03. A noite do meu bem, de Ruy Castro - 18/7/2016
04. O Medium e o retorno do conteúdo - 15/2/2016
05. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez - 11/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEM ALGUÉM AÍ?
MARIAN KEYES
BERTRAND BRASIL
(2009)
R$ 6,90



DESGARRADOS
EDA NAGAYAMA
COSAC NAIFY
(2015)
R$ 30,00



AS DUAS VIDAS DE BENGUEL
MIRNA PINSKY
ATUAL
(1986)
R$ 7,00



FERNANDO PESSOA - ANTOLOGIA POÉTICA
DOUGLAS TUFANO
PAULUS
(2009)
R$ 12,10



DE TRENS E EMOÇÕES
OLIVER HOSSEPIAN
IBRASA
(2001)
R$ 15,90



POLILLA
ZIRALDO
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 1.487,00



VOLTO NA PRIMAVERA
MARIA DO CARMOBRANDÃO
LE
(1994)
R$ 5,00



NAU DOS DESEJOS
CREMILDA MEDINA
CJE / ECA / USP
(1994)
R$ 5,00



DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMOS
CLAUDIO FERREIRA VENANCIO
ÉRICA
(1997)
R$ 12,00



OS SEGREDOS DAS FAMILIAS FELIZES - AUTO AJUDA
BRUCE FEILER
AGIR
R$ 20,00





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês