A noite do meu bem, de Ruy Castro | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Sherlock Holmes - The complete facsimile edition de Arthur Conan Doyle pela Wordsworth Classics (1989)
>>> Pride and Prejudice and Zombies - The Graphic Novel de Jane Austen, Seth Grahame-Smith pela Quirk Classics (2010)
>>> Eating Animals de Jonathan Safran Foer pela Hamish Hamilton (2009)
>>> O desejo da escrita em Italo Calvino: para uma teoria da leitura de Rita de Cássia Maia e Silva Costa pela Companhia de Freud (2003)
>>> Lacrimae rerum: ensaios sobre cinema moderno de Slavoj Zizek pela Boitempo (2009)
>>> Ideografia dinâmica: para uma imaginação artifical? de Pierre Lévy pela Instituto Piaget (1997)
>>> Harry Potter and the Half-Blood Prince de J. K. Rowling pela Bloomsbury (2005)
>>> Orlando de Virginia Woolf pela Wordsworth Classics (2003)
>>> History of the Peloponnesian War de Thucydides pela Penguin Classics
>>> Manual do Roteiro de Syd Field pela Objetiva (2001)
>>> O mundo assombrado pelos demônios de Carl Sagan pela Companhia de Bolso (2016)
>>> Romeo and Juliet - Original + Inglês contemporâneo de William Shakespeare pela Lorenz Educational Publishers (2003)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Guia Prático da Tradução Francesa de Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1983)
>>> Reparação de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2002)
>>> The Child in Time de Ian McEwan pela Vintage (1992)
>>> O Senhor dos Anéis - As Duas Torres de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2000)
>>> O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1999)
>>> 1984 - em inglês de George Orwell pela Penguin/Signet Classic
>>> Diary de Chuck Palahniuk pela Random House (2003)
>>> Pigmy de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2009)
>>> Tell-All de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2010)
>>> Damned de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2011)
>>> L'arrache coeur de Boris Vian pela Livre de Poche (1976)
>>> Musashi - Vol. 1 de Eiji Yoshikawa pela Estação Liberdade (1999)
>>> Tim Burton de Antoine de Baecque pela Cahiers du Cinéma (2011)
>>> O Jardim das Ilusões de Susan Trott pela Círculo do Livro (1992)
>>> Hermenêutica e Unidade Axiológica da Constituição de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Elizabeth Levanta Vôo de Elizabeth Taylor pela Círculo do Livro (1988)
>>> O Verão de Katya de Trevanian pela Círculo do Livro (1983)
>>> Dias na Birmânia/ Capa Dura de George Orwell pela Círculo do Livro (1988)
>>> Os Monstros da Alma de Athur Thompson pela Bruguera (1965)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional - Tomo I/ Capa Dura de José Luís Quadros de Magalhães pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Diários do Vampiro - Reunião Sombria de L. J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record (1987)
>>> Poder Constituinte e Patriotismo Constitucional de Marcelo Cattoni pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2006)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Altaya/Record (1996)
>>> Enterrem-me de Botas (Tóxicos o sub-mundo dos tóxicos visto e vivido por uma adolescente) de Sally Trench pela Paulinas (1979)
>>> O Supremo Tribunal Federal e as Constituições Brasileiras de Luís Carlos Martins Alves Jr. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> As Aventuras de Tom Sawyer (Grandes Sucessos) de Mark Twain pela Abril Cultural (1980)
>>> O Assassino Dentro de Mim de Jim Thompson pela Paulicéia (1991)
>>> A Era da Incerteza de John Kenneth pela Universidade de Brasil (1980)
>>> A Ideologia do Trabalho de Paulo Sérgio do Carmo pela Moderna (1993)
>>> A cabana do Pai Tomás de E. B. Stowe (Tradução Mario Gardelin) pela Paulinas (1966)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/7/2016
A noite do meu bem, de Ruy Castro
Julio Daio Borges

+ de 2300 Acessos


Desde que Ruy Castro publicou Chega de Saudade (1990), a bossa-nova assumiu um lugar central na música brasileira. Assim como o nosso modernismo dividiu a arte brasileira em "antes" e "depois", a bossa-nova, relançada no final do século XX, dividiu a nossa música em "antes" e "depois".

Os pré-bossa-novistas acabaram como o pré-socráticos: suas obras se perderam no tempo, restando apenas fragmentos. Assim, passamos as últimas décadas achando que, com Tom, Vinicius e João Gilberto, se deu o Big Bang. O resto era silêncio.

É verdade que o mesmo Ruy Castro escreveu Carmen (2006). E contou, no seu melhor livro, a história das cantoras do rádio, incluindo a mais célebre delas, que conquistou Hollywood nos anos 40 ― e reconstituindo, de lambuja, a história do samba, na chamada Época de Ouro, a era dos cassinos, os anos 30.

O problema é que Carmen não foi lido como Chega de Saudade. Nem mesmo como A onda que se ergueu no mar (2001), livro de ensaios sobre a bossa-nova e seus desdobramentos. E nem como Ela é carioca (1999), a enciclopédia de Ruy Castro para Ipanema. A bossa-nova e seus personagens prevaleceram, mais uma vez.

Consciente ou inconscientemente, Ruy Castro preenche a lacuna entre Carmen e Chega de Saudade com A noite do meu bem, a História e as histórias do samba-canção (Companhia das Letras, 2015). O novo livro começa, justamente, com o fechamento dos cassinos no Brasil, por decreto do presidente Dutra, em 1946. Cobre toda a era das boates, no Rio, e se encerra em meados dos anos 60, com a renúncia de Jânio, a presidência vacilante de Jango e a ascensão dos militares, da MPB e do rock'n'roll.

Se Ruy Castro havia dominado o assunto "bossa-nova" ― tanto que ninguém quase ousou tocar no tema depois dele ― e se praticamente esgotou a Era de Ouro, e o samba nos anos 30, até mesmo a Hollywood dos anos 40, com Carmen, ainda faltava essa "idade média", entre meados dos anos 40 e o início dos anos 60, que ele aborda com A noite do meu bem.

Esquematicamente, no universo do autor, podemos falar de algumas mudanças, que definem os contornos da nova obra. Em primeiro lugar, o cenário. Ruy Castro, um especialista em Ipanema, aborda Copacabana. Tudo bem que, depois de Carnaval no fogo (2003), o autor é praticamente um especialista em Rio de Janeiro. Mas, mesmo assim, Copacabana nos anos 50 é diferente de Ipanema nos anos 60 e depois.

Em segundo lugar, a mudança é estrutural. Com a proibição dos jogos de azar no Brasil, as produções musicais, antes patrocinadas pelos cassinos, têm de se adaptar. Assim, em lugar dos grandes palcos e do espalhafato de uma Carmen Miranda, por exemplo, tem-se o intimismo das boates, seja dentro dos hotéis, como o Meia-Noite, no Copacabana Palace, seja com endereço próprio, como o Sacha's.

Em terceiro lugar, o novo momento exige uma nova trilha sonora. Assim, em lugar do samba, que ganhou o mundo com Carmen, o samba-canção. Ao contrário do samba tradicional ― épico, com ritmo bem marcado, para tocar no rádio e até conquistar a avenida, durante o Carnaval ―, o samba-canção: lírico, reflexivo, para abordar a condição humana, as complexidades do amor, sem muito final feliz, e para dançar a dois.

Definido o cenário, o "modo de produção" e a trilha, vale falar, um pouco, do momento político, que se reflete na estrutura da sociedade carioca e na do Brasil, já que o Rio era a capital federal. A noite do meu bem, mesmo com o fechamento dos cassinos, ainda revela uma sociedade rica, em todos os sentidos, com uma vida noturna pujante e uma vida cultural que não fica atrás. Ruy Castro não fala só de música, e nem só dos desdobramentos de Getúlio e de Juscelino, mas do "café society" que viria a se tornar o "jet set", como hoje se conhece.

Claro que a especialidade de Ruy Castro é cultura, e música. E é provável que ele tenha escrito, nesse livro, uma das melhores histórias de Dolores Duran, a originalmente cantora de boleros, namorada de João Donato, depois compositora, parceira de Tom, e uma letrista de mão cheia. "A noite do meu bem", que intitula a obra, é um samba-canção dela. "Por causa de você", outro clássico de Tom, ganharia letra de Vinicius, mas, em favor de Dolores, o poeta a retirou.

Ruy Castro também conta, como ninguém mais talvez, a história de Antonio Maria (sorry, Joaquim Ferreira dos Santos). Originalmente um cronista da madrugada, que, além de alimentar os principais jornais da época, escreveu roteiros para musicais e as letras de alguns dos sambas-canção e ― por que não dizer? ― dos *sambas* mais emblemáticos, como "Manhã de Carnaval", mais conhecido como um clássico da bossa-nova, e "Ninguém me ama, ninguém me quer"... Sem contar que Antonio Maria viveu intensamente ― e seu romance com Danuza Leão é um dos pontos altos do livro. Aliás, seu desaparecimento antes dos 40 anos, e a marca profunda que ele deixou na cultura, dá uma ideia da intensidade com que viveu.

E Samuel Wainer, o primeiro marido de Danuza, um dos barões da imprensa da época, dono do Última Hora, uma lenda do jornalismo brasileiro, também merece a atenção de Ruy Castro. E brilha, porque o livro pega seu auge (ainda que Danuza o troque por Maria). É interessante, ainda, ver Ruy Castro abordar, en passant, Assis Chateaubriand, esse monstro biografado por Fernando Morais, e a dinastia dos Marinho, antes da TV Globo.

Mas lógico que o "prato principal" acaba sendo aqueles que Ruy Castro conhece mais, "de outros carnavais", digamos assim. A entrada de Vinicius de Moraes, recém-chegado de Los Angeles, por exemplo, é triunfal. Na fase em que conhece Lila Bôscoli e logo mais encontra Tom. Igualmente triunfal é a ascensão do próprio Tom Jobim, originalmente um pianista de boate, como seu colega e parceiro Newton Mendonça, mas que cai nas graças dos maestros-arranjadores da Rádio Nacional, como Radamés Gnatalli, que o adota, depois nas graças de compositores como Ary Barroso e Dorival Caymmi, ambos no auge, e finalmente é apresentado ao poeta e diplomata Vinicius de Moraes. Como o próprio Ruy Castro diz, no livro, "o resto é História".

Aprende-se muito, igualmente, sobre Ibrahim Sued, o futuro colunista social, autor das expressões "sorry, periferia" e "linda de morrer". Fernando Lobo, outro cronista da madrugada, pai de Edu Lobo e autor de "Chuvas de Verão". Doris Monteiro, uma cantora que precisa ser redescoberta. Humberto Teixeira, o parceiro de Luiz Gonzaga, e co-inventor do baião. Jacinto de Thormes, outro cronista influente, e implacável. Nelson Gonçalves, sim, o da "boemia" (originalmente, "boêmia" ― mas que ele perverteu, e "colou"). Johnny Alf, outro dos pais da bossa-nova, que o mundo esqueceu. E Sergio Porto, alter ego de Stanislaw Ponte Preta, que, justamente, consagrou "bossa nova" como termo (para designar novidades) e que batizou o Beco das Garrafas, como "Beco das Garrafadas" ― o mesmo "lócus" que, futuramente, viria a lançar gente como Elis Regina, Wilson Simonal e Jorge Ben (antes de Jor).

Com tanta gente boa, com tantos talentos e com tantas personalidades, a unidade de A noite do meu bem perde um pouco, como livro. Sem contar as histórias das boates em si, que, na verdade, são o fio condutor. A noite do meu bem não é tão "redondo" como Chega de Saudade ou Carmen, embora tenha momentos antológicos tanto quanto.

No conjunto da obra de Ruy Castro, contudo, preenche, conforme dito, uma "lacuna", que, para ele, seria algo muito natural. Ruy Castro, mais que biógrafo, vai se consagrando como um dos autores da história cultural do Rio, e ― sendo o Rio a capital da República, nesse período ― da história cultural do Brasil. Para quem já leu quase todo o Ruy Castro, como eu, A noite do meu bem é imperdível. Mas para quem não leu tudo ainda, Chega de Saudade e Carmen vêm antes ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Casa de Ramos de Elisa Andrade Buzzo
02. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica de Duanne Ribeiro
03. Conselhos para jovens escritores de Isabel Furini
04. O Código de Defesa do Consumidor e Maradona de Daniel Bushatsky
05. Oficina literária com Michel Laub de Débora Costa e Silva


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2016
01. Elon Musk - 11/7/2016
02. Nunca fomos tão vulgares - 6/5/2016
03. A noite do meu bem, de Ruy Castro - 18/7/2016
04. O Medium e o retorno do conteúdo - 15/2/2016
05. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez - 11/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O REI ARTUR E OS CAVALEIROS DA TÁVOLA REDONDA
THOMAS MALLORY
RIDEEL
(2002)
R$ 10,00



2012: A GUERRA PELAS ALMAS
WHITLEY STRIEBER
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 25,28



A LUA NAS MÃOS
MARIA DEOSDEDITE
SCORTECCI
(1994)
R$ 14,00



APORTES ESTRUTURAIS E PROFISSIONAIS PARA A ATENÇÃO A SAÚDE DO IDOSO
ELÍDIO VANZELLA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



PEDAGOGIA DA AUTONOMIA
PAULO FREIRE
PAZ E TERRA
(2007)
R$ 14,80



THE SOCIOLOGY OF MARX
HENRI LEFEBVRE
PENQUIN UNIVERSTITY BOOKS
R$ 25,00



DIA DE MATAR O PATRÃO
JULIETA DE GODOY LADEIRA
SUMMUS
(1978)
R$ 10,00



A MALDIÇÃO DO OLHAR
JORGE MIGUEL MARINHO
BIRUTA
(2011)
R$ 20,00
+ frete grátis



CASA FORTE
DANIELLE STEEL
RECORD
(1985)
R$ 11,80



CONTRA TODOS OS INIMIGOS - 8744
RICHARD A. CLARKE
FRANCIS
(2004)
R$ 10,00





busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês