Sabino e Nelson, muito obrigado | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 9/9/2008
Sabino e Nelson, muito obrigado
Rafael Rodrigues

+ de 3100 Acessos

1 Há alguns anos eu costumava dizer que havia nascido na época errada. Embriagado por autores e livros das décadas de 1940, 1950 e 1960, me entristecia viver de nostalgias. Pensava que poderia ter conhecido Fernando Sabino, Otto Lara Resende, Nelson Rodrigues, Vinicius de Moraes, Jayme Ovalle, Murilo Rubião, entre outros. Tinha a ilusão de que certamente teria convivido com eles. Para tanto, além de ter nascido 60 anos antes, precisaria nascer em Minas Gerais ou no Rio de Janeiro. Com o tempo, esses pensamentos foram se perdendo em minha mente. Graças a Deus, não penso mais assim.

2 Um amigo quase 20 anos mais velho que eu me chama de velho. E de conservador. E eu só tenho 25. Mas não nego: sou mesmo um conservador, um romântico. E velho, muito velho, de espírito. Mas só às vezes. Pessoalmente, no dia-a-dia, sou um menino, um palhaço, um brincalhão. Até demais, confesso. O fato é que o menino é quem dá vitalidade ao velho. E o velho dá ao menino o bom senso de saber quando brincar.

3 Hoje, agradeço por ter nascido no início da década de 1980. As coisas, creio eu, quando têm de acontecer, acontecem no tempo certo. Talvez, se tivesse nascido antes ou depois, não viveria o que vivi ― e o que ainda vou viver. Não conheci pessoalmente Sabino, Otto, Vinicius, Nelson, Rubião ou Ovalle, mas poder ser influenciado por todos eles ― principalmente Sabino e Nelson ― e por outros tantos já é algo a se comemorar.

4 Ao falar sobre os jovens de hoje, o faço mantendo o distanciamento necessário para que eles me vejam como um senhor rabugento de 50 anos. Mas, me digam, por favor, se não tenho razão. A juventude de hoje está perdida. Não se fazem mais jovens como antigamente. Os jovens de antes, os que nasceram até 1985, tinham uma vontade, um sonho de mudar o mundo, de fazer algo importante, ou de pelo menos não serem idiotas. Mas os jovens de hoje, o que são? Salvo raras exceções, são todos idiotas.

5 Tomei consciência de mim mesmo muito tarde. E não é uma sensação muito boa saber quanto tempo foi perdido com transgressões juvenis sem nenhum propósito. Dos 17 aos 19 anos pensei no que faria de minha vida dali por diante. Ser historiador? Jornalista? Político? Sim, pensei na política. Foi no que pensei primeiro, aliás. Todo jovem é ingênuo, e eu já fui, um dia. Ainda sou, um pouco. Mas enfim. Quis ser político. Resolver os problemas da minha cidade, do meu estado, do meu país. Se não me engano, foi Rimbaud quem disse que não se é sério aos dezessete anos. Querer, aos 17 anos, ser político, é uma piada. Aliás, querer ser político é sempre uma piada, em qualquer idade.

6 Depois dos 19 me dei conta de que, se conseguisse recuperar o tempo perdido e se me dedicasse com afinco, poderia ser escritor. Um belo começo era estar cursando Letras. É certo que engenheiros, médicos e até atrizes podem ser escritores, nos nossos dias. Mas eu não queria ser um escritor qualquer. Lembro que, na época, eu pensava em ser O escritor. E não me preocupava o que dissessem ou a péssima qualidade do que eu escrevia. Sou do tipo que persiste, aconteça o que acontecer. Um cabeça-dura, para ser mais claro.

7 Mas escritores não são escritores apenas porque querem. Eles o são por motivos outros, e às vezes até por motivo algum, quase que "sem querer". Tanto que há uma multidão de pessoas publicando livros e mais livros. São pessoas que vivem de escrever, que têm uma obra considerável (cinco, seis títulos publicados, até romances!), mas não são verdadeiros escritores. São pessoas que escrevem, apenas. E há uma grande diferença entre ser escritor e publicar um livro. Não entrarei em detalhes, até porque o assunto deste texto não é esse.

8 Parágrafos antes citei Fernando Sabino e Nelson Rodrigues. Comecei a ler Fernando por um livro que, pelo título, pode parecer auto-ajuda: A volta por cima, de crônicas. Li em uma tarde. Lembro claramente em qual estante da biblioteca da universidade ele estava, de como e quando o li (depois do almoço, sentado na cama, encostado na parede; eu ainda não trabalhava, na época). No dia seguinte o devolvi, e toda semana pegava emprestado um livro do Fernando. Em alguns meses, li quase todos os seus livros. Um deles, o romance O encontro marcado, me deixou estupefato e me marcou de uma maneira que somente mais três livros me marcariam: Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago; Ratos e Homens, de John Steinbeck; e Crime e Castigo, de Dostoiévski. Todos são livros que merecem ser relidos, mas somente o de Sabino eu releio rigorosamente a cada dois anos.

9 Eduardo Marciano é o protagonista. Sua vida se confunde com a de Fernando Sabino. E a minha se confunde com a de Eduardo. Logo, com a de Sabino. Tenho o que chamo de "Mal de Eduardo Marciano". A pressa de viver, a vontade de abraçar o mundo, os fatos que acontecem todos ao mesmo tempo, quase não deixando brecha para respirar. Vida que passa e quase não vejo. O tempo que não pára, a obrigação de fazer tudo dar certo. Não somente eu sofro desse mal. Mas talvez poucos o levem tão a sério e o sintam tão verdadeiramente.

10 Nelson Rodrigues eu conheci bem mais tarde. Pensava que ele era um louco, uma espécie Sófocles hard-core. Ou seja: além de ter uma relação carnal com a mãe e matar o pai, o protagonista de um possível Édipo de Nelson narraria tudo em primeira pessoa, com todos os detalhes e, ao contrário do personagem da obra de Sófocles, ele não teria um final trágico, muito pelo contrário: seu final seria feliz, ao lado da mãe, fingindo não saber ser filho dela. Puritano e ingênuo, eu tinha horror aos textos de Nelson só de ouvir falar. Jamais o leria, pensava. Mas conheci Bukowski, e ler Bukowski amacia qualquer um. Sangue, suor e sexo já não era mais problema, e um belo dia Mayrant Gallo ― escritor e meu eterno professor de Teoria da Literatura ― resolveu ler em sala de aula uma das peças de Nelson. Era o fim de uma má impressão que eu carregava há tempos.

11 Anos depois, numa fase reacionária e já fugindo da linha "quero ser escritor", passando para uma linha "quero ser não sei o quê, mas o vou ser no campo da literatura", comecei a ler o Nelson cronista. Primeiro, alguns textos do jovem gênio. Depois, textos do gênio em sua fase madura. E, nossa, como é bom ler Nelson. Ele é a verdadeira Voz do Brasil. Seus textos, apesar de sempre invocarem personagens e situações de sua época, não se perdem no tempo. E agora me veio a dúvida: mérito dele, por ser um visionário, ou demérito do Brasil, por se manter na mais extrema inércia, uma eterna república de idiotas?

12 Mas deixemos a revolta de lado. Eu falava de Fernando Sabino e Nelson Rodrigues. Parece coisa de fanático religioso, mas o primeiro me deu um caminho a seguir. É como se O encontro marcado tivesse sido uma Revelação, para mim. O segundo me deu a consciência de que não se deve temer nada nem ninguém. Se há verdades para dizer, que sejam ditas. Doa a quem doer. E ambos dizem que, por mais atormentada que seja a vida ― em Sabino, o existencialismo, os conflitos internos; em Nelson, as tragédias nuas e cruas, os absurdos reais e ululantes ―, ela deve ser vivida. Da melhor maneira possível, aconteça o que acontecer.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 9/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. Dicas para a criação de personagens na ficção de Marcelo Spalding
03. Sociedade dos Poetas Mortos de Rafael Rodrigues
04. O apanhador no campo de centeio de Nemo Nox


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A última casa de ópio, de Nick Tosches - 19/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CASTELO ENCANTADO
EDITH NESBIT
AUTÊNTICA
(2012)
R$ 25,00



O HOMEM HORIZONTAL
REMO MANNARINO
PUBLIT
R$ 26,82



RUROUNI KENSHIN - CRÔNICAS DA ERA MEIJI - VOL. 3
NOBUHIRO WATSUKI
JBC
(2013)
R$ 13,90



NO TEMPO DE PATROCÍNIO VOL. 1
CIRO VIEIRA DA CUNHA
SARAIVA
R$ 5,00



BIZU O X DA QUESTÃO - 3. 300 QUESTÕES DE MEDICINA
EDITORA RUBIO
RUBIO
(2001)
R$ 49,00



EM CHAMAS - VOL. 2
SUZANNE COLLINS
ROCCO
(2013)
R$ 14,90



MÚSICA POPULAR: DE OLHO NA FRESTA
GILBERTO VASCONCELLOS
GRAAL
(1977)
R$ 285,00



O LEOPARDO
TOMASI DI LAMPEDUSA
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



ANSIEDADE E DISTÚRBIOS NEURÓTICOS
BARCLAY MARTIN
LTC
(1974)
R$ 10,00



UMA ARMA PARA JOHNNY
DALTON TRUMBO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)
R$ 220,00
+ frete grátis





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês