O que aprender com Ian McEwan | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> Perestroika: Novas Idéias para o Meu País e o Mundo de Mikhail Gorbachev pela Best Seller
>>> Professor e o Louco, o - Livro de Bolso de Simon Winchester; Flavia Villas Boas pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Etica e Responsabilidade Social de Patricia Almeida e Varios Autores pela Saraiva (2002)
>>> O Carma da rerra no Brasil de Xico Graziano pela A girafa (2004)
>>> Policiamento Inteligente de Aderivaldo Martins Cardoso pela Mg (2011)
>>> A Bolsa Ou a Vida de Eric Tousaint pela Fundação Perseu Abramo (2012)
>>> Itaipu - Integrção em concreto ou uma pedra no caminho de Tão Gomes Pinto pela Amarilys (2009)
>>> Serviço Social e a Organizaçâo da Cultura de Marina Maciel Abreu pela Cortez (2011)
>>> Rasgando o Ingresso - Viver Bem sem Regras de Ligia Gueiros pela Companhia Nacional (2004)
>>> Prourgem - Ciclo 4, Módulo 3 de Antonio Carlos Lopes pela Artmed (2007)
>>> Poder Sobrenatural da Fe, O: a Maneira Mais Eficaz de Vencer de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> Budapeste: Romance (portuguese Edition) de Chico Buarque pela Companhia das Letras (2004)
>>> Bisbilhotices - Segredos e Curiosidades das Celebridades de Amaury Jr pela Joboticaba (2005)
>>> Plano de Negócios - Estraéegia para Micro e Pequena Empresas de Luiz Arnaldo Biagio e Antonio Botocchio pela Manole (2012)
>>> Histórias do Rio Negro de Vera do Val pela Martins Fontes (2007)
>>> Seculo de um Liberal de Athayde pela Agir (2009)
>>> Destino de Ally Condie; Livia Almeida pela Suma de Letras Brasi (2011)
>>> The Complete Finance Companion de The Wharton School pela Pitman Publishing (1998)
>>> Pátria Amada de J. M. Simmel pela Círculo do Livro (1965)
>>> Memórias de um Sargento de Melícis de Manuel Antônio de Almeida pela Àtica (2014)
>>> Dicionário Houaiss Ilustrado de Vários Autores pela Moderna
>>> Contratos Internacionais de Luiz Olavo Baptista pela Lex Magister (2011)
>>> Monstramigas Quem é essa Monstrinha? de Gitty Daneshvari pela Salamandra
>>> Educação e Formação Profissional de Olgamir Francisco de Carvalho pela Piano (2003)
>>> O Livro dos Cocktails de L R Dauven e Jacques Morlaine pela Presença (1980)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/1/2008
O que aprender com Ian McEwan
Tais Laporta

+ de 9400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Quando lançado no Brasil, Reparação (Companhia das Letras, 2002, 448 págs.), do aclamado Ian McEwan, recebeu chuvas de elogios. No resto do mundo, também. Agora, a expectativa fica por conta da adaptação cinematográfica, que já esteve aqui pela 31ª Mostra Internacional de Cinema, em outubro último, mas só chega oficialmente em fevereiro de 2008. Sem questionar a fidelidade do filme de Joe Wright para com o romance ― segundo quem assistiu, segue à risca ― interessa destacar a grandeza do livro.

Como escreveu a The Economist, a palavra "obra-prima" deve ser usada pela crítica com absoluta ressalva. Mas no caso de Reparação, o sinal está aberto para o uso. Trata-se não apenas de um dos melhores romances de McEwan ― autor badalado na literatura mundial ― mas de um denso e refinado mergulho sobre o papel da arte e sobre o peso da culpa humana. O livro reflete, portanto, a eterna tentativa do homem de expiar seus erros ― daí o título, em inglês, Atonement, que significa expiação. Também questiona a função moral da literatura nessa busca incansável. A propósito, o escritor e colunista do Digestivo, Luís Eduardo Matta, colocou Reparação como uma de suas grandes leituras em 2007.

O drama psicológico traz a aspirante a escritora Briony Tallis, uma pré-adolescente que passará o resto da vida na tentativa de desfazer um crime cometido por ela, cujas causas abalariam profundamente sua família. Sem lugar para o perdão ― talvez perdido para sempre ― Briony parte para uma espécie de penitência para reparar seu erro, como se a compaixão pelo outro só pudesse se materializar na auto-punição. McEwan cria uma personagem imatura, prestes a descobrir a sexualidade e o amor. Por meio de sua mente introspectiva, porém, conhecemos uma pessoa autêntica, na luta para ordenar o caos através da literatura.

Ao retratar a infância de Briony, o autor joga um olhar adulto sobre o mundo infantil, sem subestimá-lo ou inferiorizá-lo. Cenários banais a olho nu tornam-se foco de intrigas universais. McEwan constrói uma sólida rede de relações entre os personagens, mesclando descrições físicas e comportamentos, com um rigor incansável. Invade a mente de cada personagem, em contato com seus medos mais profundos, inclusive os ignorados pelos próprios. Sem perder o estilo inigualável, provoca um desejo de leitura ininterrupta. Cada parágrafo merece doses certas de suspense, drama e comédia. Assim, oferece elementos, nem um pouco exaustivos, para uma trama complexa.

É indiscutível sua capacidade em atribuir carga emocional ao mais banal detalhe. Quando escrito por McEwan, o enfadonho é envolvente, a ponto de obrigar o leitor a reagir. O jornal inglês The Guardian ilustra essa habilidade. Quando o autor escreve "um copo de cerveja", não apenas o visualizamos. Segundo o periódico, "estamos prontos a bebê-lo". A intensidade de narrativa faz parecer verossímil um fato inventado ― a ponto de surgir a dúvida se aquilo aconteceu mesmo. Algo de Jorge Luis Borges, em seus contos realistas, mas fantásticos.

Os devaneios dos personagens também levam a uma mistura de realidade e sonhos, muitas vezes indissociável pela mente. Quando descreve um combate em plena Segunda Guerra, dispensa lugares comuns, de modo a se aproximar de Ernest Hemingway em Por quem os sinos dobram, clássico que transforma a Guerra Civil Espanhola em literatura. Com a diferença de que McEwan nasceria 13 anos depois da época em que começa seu romance, em 1935. Mostra-se, portanto, um historiador cuidadoso, já que escreve fora de seu tempo com um rigor de impressionar os mais exigentes.

Se o autor já era digno de atenção pelos trabalhos anteriores (A criança no tempo, O jardim de cimento, Amor para sempre e Amsterdam), e se já não bastavam os merecidos Whitbread Award (1987) e Booker Prize (1998), em Reparação ele passa a ser comparado, em grandeza, a Henry James (cujas semelhanças do romance com Pelos olhos de Maisse foram apontadas por diversos críticos). Também foi posto à altura de Franz Kafka, devido ao teor sombrio da narrativa. Apesar das semelhanças com os grandes, não perde a identidade.

Por retratar histórias mórbidas com tanta frieza, o autor chegou a receber a alcunha de "Ian McCabro" pela crítica inglesa. Em Reparação, não perde esse toque horripilante ao descrever uma perna de criança pendurada em árvore, separada do corpo por uma bomba. Apesar da distância que mede para passar por situações chocantes com algum conforto, McEwan preserva o sentido humanitário até mesmo no horror. O cruel fica ao lado do doce. Universos tão distintos ― brincadeiras de criança e guerras com cheiro de morte ― recebem igual densidade, e igual distanciamento quando necessário. É proposital para uma leitura segura, na confiança de que o autor sabe onde pisa ― e onde o leitor pode pisar.

Quem vê McEwan como um homem fortemente enraizado na literatura, pode se surpreender ao saber que um dos autores que mais influenciaram sua obra não é um escritor, porém o biólogo Edward Wilson, autor de The diversity of life, que faz uma análise da relação do homem com a biodiversidade. A riqueza literária do escritor, desse modo, ganha amparo na cultura geral, mais que em outros romances. Embora reflita sobre a alma, medos e relacionamentos, McEwan é um ateu materialista, como definiu a si mesmo. Talvez seja o ceticismo que o faça percorrer tantos saberes com o mesmo objetivo: fazer uma literatura universal.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 4/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2021, o ano da inveja de Luís Fernando Amâncio
02. Sobreviver à quarentena de Luís Fernando Amâncio
03. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
04. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa - 1/11/2006
04. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
05. O que aprender com Ian McEwan - 4/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2008
13h12min
Uma literatura universal se faz com sentimento e alma, com a abordagem das grandes questões humanas, com pensamentos e reflexões que afetem os homens em qualquer lugar do mundo, mesmo que a história seja territorializada. O texto precisa fazer emergir a complexidade humana, não por acaso, mas por conhecimento e domínio do autor em relação aos temas e à forma de fazê-los chegar do modo certo aos leitores, com graciosidade, encanto, ou crueza, horror, sempre na intensidade adequada pra mexer com quem lê e com coerência nas emoções transmitidas: a leitura nos tornará mais leves, ou mais fortes, ou mais espertos, ou mais ricos em conhecimentos, mas nos acrescentará alguma coisa, nos transformará mesmo sem percebermos. É essa a função da boa literatura, usar o poder de transformar os que entram em contato com ela. Ainda não li o livro Reparação, apesar de já ter ouvido falar bastante sobre ele; seu texto me fez sentir vontade de enfim conhecer o que ele possui de bom.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anuário Brasileiro de Artes Plásticas Vol VII
Helder Fazilari
Roma



Biblioteca de Arte os Impressionistas - Lautrec
Luis Carta et Al (editores)
Três
(1973)



Abandono Sonetos Inéditos
Gioconda Labecca
São Paulo
(1986)



O Peixinho Azul e Outras Histórias
Roque Jacintho
Feb
(1990)



Minissaia Batom e Futebol
Sardenberg Leticia
Zit
(2011)



Aspectos Biológicos da Flora Brasileira
João Decker
Rotermund
(1936)



Os Cavaleiros de Cristo - Coleção Verdades Ocultas
Edgar Melo
Escala
(2015)



O Marido Perigoso
Jane Shapiro
Record
(2002)



Poemas Em Autoplágio
Wilson Caritta
Patuá
(2013)



La Nostra Lotta Dall Opposizione Verso Il Governo
Enrico Berlinguer
Riuniti
(1979)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês