O melhor do jazz em 2006 | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A resistência é vermelha
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> L.S.D.eus
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Also known as
>>> No line on the horizon, do U2
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> Carteiros do Condado
Mais Recentes
>>> O executante de Rubem Mauro Machado pela Record (2000)
>>> Gestão de estoques otimizando a logística e a cadeia de suprimentos de Eduardo saggioro garcia e outros pela E papers (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 - Parte Especial de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2000)
>>> Revista Sinais dos Tempos Eventos Finais (10 dias de Oração e 10 horas de jejum) de Cpb pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Poder de Uma Mulher de Barbara Taylor Bradford pela Europa América (1998)
>>> Meu Amigo Azul de Angela Monteiro pela Mondrian
>>> Fábulas Fabulosas 5ª Edição Ilustrada de Millôr Fernandes pela Nórdica
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 4 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> A Revolução Russa - 4ª Edição - Série Discutindo a História de Maurício Tragtenberg pela Atual (1988)
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 1 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> O vencedor está só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Chave do Tesouro de J. Carlos de Assis pela Paz e Terra (1983)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 1 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2020)
>>> Tudo Sobre Meninas para Meninos de Cláudia Felício pela Planeta (2006)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 3 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> Comentários as Súmulas do Tst de Francisco Antonio de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Ecologia Objetiva de Dervile Ariza pela Nobel (1979)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> A Importância de Crer de R R Soares pela Graça (1999)
>>> O Desafio das Emoções Biblioteca Mente e Cérebro de Gláucia Leal Org. pela Duetto (2013)
>>> O Melhor do humor na internet - volume 2 de Netto Augusto M. Costa pela Best Seller (2010)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 2 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> O Resgate - Ele Não Desistiu de Você de Sergio Corrêa pela Unipro (2018)
>>> Sobre a China de Karl Marx e Friedrich Engels pela Publicações Escorpião (1974)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Terça-feira, 26/12/2006
O melhor do jazz em 2006
Jonas Lopes

+ de 6000 Acessos

Todo ano é a mesma coisa. Um punhado de apocalípticos engomadinhos surge das profundezas da falta do que fazer para decretar a morte do jazz, um gênero que supostamente morreu há trinta ou quarenta anos atrás - não é mesmo, Ken Burns e Wynton Marsalis? A grande polêmica do ano foi o lançamento de Is Jazz Dead? Or Has It Moved To A New Address?, em que o crítico inglês Stuart Nicholson defende a tese de que o gênero já não rende bons frutos em seu berço, os Estados Unidos, e que os raros de criatividade vêm exclusivamente da Europa. Um disparate. É verdade que o jazz europeu é inventivo, original e de qualidade, e isso vem desde a fundação da gravadora alemã ECM no início da década de 70. A ECM é, nos dias de hoje, a melhor fonte de boa música do planeta, seja jazz, seja música erudita ou outras misturebas mais.

Agora, dizer que na América não se faz mais bom/criativo jazz é estupidez ou pura implicância. A começar pelos dois maiores talentos desta geração, Dave Douglas e Ken Vandermark. Com apenas 43 anos, Douglas (que eu entrevistei) empunha seu trompete em uma infinidade de projetos. São mais de duas dezenas de discos gravados em sua carreira solo em pouco mais de dez anos, fora a série Masada (banda de John Zorn, outro gênio contemporâneo) e as participações em álbuns alheios. Salta aos olhos o ecletismo e a flexibilidade de Douglas: cada uma de suas bandas explora uma sonoridade distinta. Já passou pela eletrônica, pelo tango, pelo funk, pela música de câmara, música tradicional judaica e do Leste Europeu. Em 2006 ele lançou Meaning and mystery, assinado por seu quinteto. É a sua banda mais próxima do jazz convencional, o que não tira mérito algum, dada a incrível evolução de Dave como compositor. E ele continua expandindo os horizontes. Compôs a peça Blue Latitudes, apresentada em Londres em abril juntando uma orquestra de catorze músicos e um regente (seguindo as partituras) a um trio de jazz (improvisando livremente). Loucura? Não, algo natural em alguém que idolatra Coltrane e Stravinsky (e que já fez trilha sonora para espetáculos de dança) em doses iguais.

O multi-instrumentista Ken Vandermark, de 42 anos, causou burburinho em 1999, ao ser premiado com o MacArthur Fellowship (apelidado nada modestamente de "genius Grant"), um programa de incentivo às artes e à contribuição intelectual, normalmente entregue (junto com 500 mil dólares) a nomes experientes. Vandermark é quase tão prolífico quanto Dave Douglas, e todos os seus projetos buscam novas saídas para o free jazz, a vertente mais barulhenta (e atonal) e menos assimilável do jazz. Desses projetos (DKV Trio, FME, Sound In Action, Free Fall), o mais conhecido e importante é o Vandermark 5. O recente A discontinuous line traz uma mudança na formação; o violoncelista Fred Longbern-Holm substituiu o trombonista/guitarrista Jeb Bishop, sem decadência na qualidade. A Discontinuous Line é sério concorrente a melhor obra da carreira de Vandermark. Em suas mãos, a selvageria free ganha traços acessíveis e andamentos de influência roqueira.

Falando ainda de músicos norte-americanos contemporâneos de qualidade, o mutante (já brincou até com música country, no disco Nashville) guitarrista Bill Frisell abusou de seu timbre próprio (ninguém soa como ele, ninguém) em dois novos álbuns em 2006. Em Bill Frisell, Ron Carter, Paul Motian, juntou-se com dois mestres do passado - o baixista do segundo quinteto de Miles Davis (Carter) e o baterista do trio clássico de Bill Evans (Motian). E também brincou com samplers e outras quinquilharias eletrônicas em The elephant sleeps but still remembers, ao lado do calejado baterista Jack DeJohnette (do trio de Keith Jarrett). O pianista Vijay Iyer, de 35 anos, filho de imigrantes indianos, juntou-se ao saxofonista de seu quarteto (ouça Reimagining, de 2005) e parceiro de longa data Rudresh Mahanthappa nos duetos de Raw materials. O guitarrista Nels Cline, músico de apoio da banda de rock Wilco, registrou versões curiosas de composições do influente pianista Andrew Hill (mais sobre ele logo abaixo) em New monastery. O excêntrico saxofonista David S. Ware excentricamente abusou da atonalidade nas baladas de Balladware. E outros americanos, embora não tenham superado seus ápices, gravaram discos respeitáveis. Caso de Chris Potter, Matthew Shipp, Branford Marsalis (bem menos mala que o irmão), Medeski, Martin & Wood (com John Scofield) e Brad Mehldau.

Os veteranos também foram bem, obrigado. Andrew Hill promoveu sua terceira passagem pela saudosa gravadora Blue Note para gravar Time lines, seu primeiro trabalho de estúdio em seis anos. Em sua primeira estadia na BN, gravou as obras-primas Black fire (1963) e Point of departure (1964), entre outras. A segunda aconteceu na virada da década de 80 para a de 90. Time lines traz um Hill mais reflexivo (mesmo porque ele acabou de sobreviver a um câncer), dedicado a melodias mais calmas, mas nem por isso menos complexas. Seus compassos são estranhos, assimétricos, desconexos, suas viradas inesperadas. Outro pianista, Keith Jarrett, lançou o ao vivo The Carnegie Hall concert, gravado na mítica sala nova-iorquina. As peças de piano solo seguem a linha mais curta e livre de Radiance, do ano passado. Distante do tom meio épico ("olímpico", diria um amigo meu) que Jarrett costumava dar a seus concertos até alguns anos atrás. O baixista Dave Holland trouxe ao Brasil em outubro o repertório de Critical mass, em que seu entrosado quinteto habitual volta a trabalhar em ritmos matemáticos e angulares. Mais do mesmo, sim, mas do melhor. Outros tiozinhos que mandaram bem em 2006 foram Ornette Coleman, o pai do free jazz (Sound Grammar), os malucos do Art Ensemble Of Chicago (Non-cognitive aspects of the city), Sonny Rollins (Sonny, please) e Paul Motian (Garden of eden).

A ECM continuou oferecendo música de qualidade do Velho Mundo. O experiente trompetista polonês Tomasz Stanko gravou o excelente Lontano, em que seu jovem quarteto exercita espaços, vazios e silêncios. Tão bom que teve gente na imprensa estrangeira comparando o disco a Kind Of Blue, de você-sabe-quem. O pianista francês François Couturier homenageou o brilhante cineasta russo Andrei Tarkovski no belo Nostalghia - Song for Tarkovsky, cheio de peças minimalistas inspiradas em filmes e no ambiente do diretor, passeando entre o jazz e a música erudita. O pianista suíço Nik Bärtsch estreou sua banda Ronin em Stoa, que mistura influências díspares como Steve Reich e James Brown (ele classifica sua sonoridade como zen-funk). O saxofonista inglês Martin Speake provou ser herdeiro de Lee Konitz nas abstratas baladas de Change of heart. E o pianista italiano Stefano Bollani, de apenas 34 anos e que tocou no último Tim Festival, lançou Piano solo, que termina com uma tocante versão de "Don't talk", dos Beach Boys. Dos não-europeus, os melhores momentos da ECM foram o fusion da banda all star Trio Beyond (Saudade), a calmaria do acordeonista argentino Dino Saluzzi (Juan Condori) e do violonista Ralph Towner (Time line).

Só a Blue Note decepcionou um pouco. Além de Time lines, de Andrew Hill, a gravadora pouco ofereceu de interessante em 2006. Alguns de seus talentos vieram com álbuns bem frustrantes, como Jason Moran, no variado e ambicioso, mas que carece de foco, Artist in residence, e de Joe Lovano, que revisita The birth of the cool no esquecível Streams of expression.

O saldo é bastante positivo, entretanto. É claro que se o que você procura é mais um disco de regravações de standards, ou vai ter que se conformar com Diana Krall regravando Cole Porter pela milionésima vez e Wynton Marsalis revisitando Duke Ellington ou vai se juntar ao coro dos descontentes e dizer que o jazz morreu. Azar o seu. Se o que você procura são composições novas e sonoridades novas, estará bem servido. Absolutamente nada contra o maravilhoso passado do jazz, muito pelo contrário. Mas se eu quiser ouvir alguém soando como Monk ou Mingus, vou direto na fonte.


Jonas Lopes
São Paulo, 26/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
02. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
03. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
04. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
05. O bom e velho formato site de Fabio Gomes


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
02. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
03. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quem Está Escrevendo o Futuro? 25 Textos Para o Século XXI
Vários Autores
Letraviva
(2000)



Coleção Aprenda Idiomas Sem Complicação - Inglês Avançado
Priscila Raposo
Digerati Books
(2008)



Escola sem conflito: parceria com os pais
Tania Zagury
Record
(2008)



Sobre Schmidt
Louis Begley
Companhia das letras
(1999)



A fazenda dos bichos: Edição com brinde - pôster exclusivo
George Orwell
Martin Claret
(2021)
+ frete grátis



Desafios ao Universalismo Cristão
C. Geffré
Vozes
(1980)



The Garden Of Rama
Arthur C. Clarke And Gentry Lee
Bantam Books
(1992)



Proposito a Coragem de Ser Quem Somos
Sri Prem Baba
Sextante
(2016)



Droga - a Dicção (lacrado)
Domingos Bernardo G. da Silva Sá
Lumen Juris
(2016)



Arquitetura dos Dias
Joanyr de Oliveira
Thesaurus
(2004)





busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês