iPad pra todo mundo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/4/2012
iPad pra todo mundo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7100 Acessos

É uma festa, uma festa tecnológica. Vamos dar giz pra todo mundo e a educação vai melhorar. Vamos dar computador pra todo mundo e as crianças serão mais inteligentes. A versão nova é dar iPad pra todo mundo e resolver o problema da conexão. Conexão a quê? Com a educação é que não é, né? E o professor? Onde fica? Escondido atrás de seus dispositivos móveis, sem ler nada e sem estudar. Ah, ralando demais pra pagar as contas básicas também. Vamos brincar de forca enquanto o salário não vem.

Desculpe aí o pessoal positivo, alto astral, pró-tecnologia de qualquer espécie, superanimados com as novas possibilidades. Desculpem mesmo, gente. Não consigo ser assim tão feliz. E bem que eu tento. Mas é que minha amiga trabalhava para o estado e uma das tarefas dela era ver o que tinha acontecido com os computadores que as escolas ganhavam. E aí ela viajava léguas, chegava na escola e a diretora (ou o diretor) tinha a maior má vontade pra mostrar onde está o tal do "laboratório de informática". Pronto. Depois de meia dúzia de cafezinhos e de destilar bastante simpatia, lá ia alguém abrir a porta do recinto, depois de muito procurar as chaves perdidas. E certa vez, meio chorosa, minha amiga me contou o cenário que viu quando um desses laboratórios de informática foi aberto: pombos, muitos pombos, faziam as torres das máquinas de apartamentos. Vejam que romântico. Um verdadeiro pombal no meio dos circuitos. Ah, as máquinas sequer haviam sido ligadas.

Num curso que dei em algum lugar, desse tipo de empreitada que dizem que é "reciclar professor" (ai, acho terrível essa nomenclatura que também se aplica ao lixo), os colegas, empolgados com tanta novidade, vinham me contar como era difícil manter as máquinas funcionando em suas cidades. Eram municípios do interior de Minas Gerais. Recebiam máquinas, apoio inicial, etc. etc. Só que computadores, como 99% desses dispositivos, precisam de manutenção. (Os outros 1% não têm mesmo conserto e são descartáveis). O que acontecia era que havia um técnico de informática, funcionário do estado ou terceirizado, não me lembro, para atender algo assim como vinte ou trinta cidadezinhas e suas escolas computadorizadas. Bom, o resultado era que as máquinas iam estragando, iam sendo encostadas e ficavam, quase uma eternidade, à espera do príncipe encantado.

Isso dá aquela sensação de estômago embrulhado, não? A mim, sim. Outro dia, num simpósio em Brasília, eu ouvia o relato, em tom grave, de uma professora de São Paulo. Ela comentava: "o que eu sei desses projetos de um computador por aluno é que a maior dificuldade é o professor saber o que fazer com as máquinas em sala de aula". Bom, bastante compreensível. Se a pessoa não é usuária de web ou de informática, como pensará projetos interessantes para assimilar em sala de aula? Se o indivíduo não tem tempo para estudar e se atualizar, que milagre operarão nele? Melhor: essas máquinas substituem a agência das pessoas? Claro que não. Nem precisa de curso para saber disso.

Tenho colegas que andam saltitantes de alegres com essa história de estados ou o governo dar iPads para os professores. Também dei lá meus pulinhos, mas não eram bem de alegria. É que fico perplexa com a superficialidade das soluções. Fico mesmo embasbacada e chego a perder parcelas de sono por conta disso. Será que é muito difícil de entender? Se alguém não tem condições dignas de trabalho (e de vida mesmo), não adianta dar um iPad, um refresco ou um jogo de resta um pro cara. O negócio é saber o que fazer com as máquinas. Mas deve ser bem difícil de compreender a profundidade desta condição.

iPad é um dispositivo de certa marca para... mandar mensagens, brincar, jogar, escrever (pouco, pouquíssimo), ler (muito) e tal e coisa. Há outras tantas marcas de tabletes (sim, em português) por aí. Fico intrigada com essas palavras que vão e voltam de moda. Moda mesmo. Tablete é um desses casos interessantes. A gente só falava disso em relação a comida, chocolate e assemelhados. Como uma coisa se parece com a outra, talvez alguém tenha dado esse apelido meio metafórico em inglês, tablet. Mas aí a coisa custa a vir para o português.

Não tenho nada contra tecnologia. Bem pelo contrário, como comprovam minhas ações por aqui e por aí. Só que eu fico cansada de certos papos e discursos de vez em quando. Meu amigo Marcelo, da Unicamp, gosta de lembrar que os discursos sobre tecnologias e escola têm sempre um tom de "estou dentro" e você "está fora". Os textos sobre "letramento digital" do professor, por exemplo, têm, em sua maioria, um tom de "vou te ensinar como se faz". E o negócio seria subverter isso e admitir que todos somos aprendizes nessa seara.

Um americano chamado Marc Prensky inventou, num artigo, aquela história dos "nativos digitais" e, por contraste, dos "imigrantes digitais". Isso vem sendo repetido, papagaiamente repetido, no Brasil, a torto e a direito. O pior: muita, mas muita, gente nunca leu os artigos do autor, no original, antes de sair falando disso por aí. E os contornos do que ele diz são bastante discutíveis. Bom, só que essa história colou (na ciência também tem isso) e os nativos seriam esses jovens (só jovens) que sabem muito de computador porque isso lhes é natural. OK. Minha gente, esse discurso de que todo professor é velho, é imigrante e não sabe nada já cansou. Foi com ele que eu comecei esta crônica, aliás. Mas vejam: há, sei lá, cerca de duas décadas os computadores (e a cibercultura, que é dinâmica) estão aí e as pessoas mudaram. Vamos na levada da lógica: professores são pessoas. Se toda pessoa mudou, então professores também mudaram. Touché. Muitos professores se formaram nas faculdades, muitos estão nas salas de aula, fazendo projetos bacanas que empregam ferramentas digitais. O que ocorre é que grande parte desses projetos poderia, tranquilamente, ser feita sem equipamentos eletrônicos. Já vi muitas atividades "modernas" serem cópias quase exatas de velhas tarefas escolares... só que agora com tomadas ou sem fios.

Afinal, o que eu estou dizendo? Que os professores precisam mais de criatividade e do propiciamento de suas inteligências do que de máquinas novas. Sai até mais barato, quem sabe? Se bem que é claro que alguém fez essa conta antes de comprar os iPads. Provavelmente foi assim: se eu der esses brinquedinhos pra esse pessoal vai sair mais em conta do que qualificar todos eles e permitir que eles tenham ampliado seu letramento digital. A conta fecha.

Claro que ganhar iPad é bom. Também quero o meu, ora, bolas. Quem não gosta de ganhar brinde? Todo mundo curte demais um picolé depois do outro, uma necessaire que vem na compra do xampu, etc. Não perco uma. Mas o que vou fazer com ela? Não me venham com aquela resposta que veio primeiro à cabeça. Vamos manter a diplomacia.

Seguinte: professor que ganha mal pra caramba não tem condições de ficar preparando aula bacana nem nos moldes tradicionais, quanto mais com dispositivos que ficam trancados em salas com ar-condicionado. Professor que sabe o que fazer, que deseja experimentar novas tecnologias para dar boas aulas (péssimas aulas também rolam com tecnologia e tudo), faz isso até com os aparelhos celulares dos alunos. Nem se abala com a precariedade da escola. Mas o ideal não é isso, claro. O ideal é crescer todo mundo junto, a informática e, principalmente, o elemento que fica entre a cadeira e a tela do computador.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 13/4/2012


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês