iPad pra todo mundo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/4/2012
iPad pra todo mundo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5900 Acessos

É uma festa, uma festa tecnológica. Vamos dar giz pra todo mundo e a educação vai melhorar. Vamos dar computador pra todo mundo e as crianças serão mais inteligentes. A versão nova é dar iPad pra todo mundo e resolver o problema da conexão. Conexão a quê? Com a educação é que não é, né? E o professor? Onde fica? Escondido atrás de seus dispositivos móveis, sem ler nada e sem estudar. Ah, ralando demais pra pagar as contas básicas também. Vamos brincar de forca enquanto o salário não vem.

Desculpe aí o pessoal positivo, alto astral, pró-tecnologia de qualquer espécie, superanimados com as novas possibilidades. Desculpem mesmo, gente. Não consigo ser assim tão feliz. E bem que eu tento. Mas é que minha amiga trabalhava para o estado e uma das tarefas dela era ver o que tinha acontecido com os computadores que as escolas ganhavam. E aí ela viajava léguas, chegava na escola e a diretora (ou o diretor) tinha a maior má vontade pra mostrar onde está o tal do "laboratório de informática". Pronto. Depois de meia dúzia de cafezinhos e de destilar bastante simpatia, lá ia alguém abrir a porta do recinto, depois de muito procurar as chaves perdidas. E certa vez, meio chorosa, minha amiga me contou o cenário que viu quando um desses laboratórios de informática foi aberto: pombos, muitos pombos, faziam as torres das máquinas de apartamentos. Vejam que romântico. Um verdadeiro pombal no meio dos circuitos. Ah, as máquinas sequer haviam sido ligadas.

Num curso que dei em algum lugar, desse tipo de empreitada que dizem que é "reciclar professor" (ai, acho terrível essa nomenclatura que também se aplica ao lixo), os colegas, empolgados com tanta novidade, vinham me contar como era difícil manter as máquinas funcionando em suas cidades. Eram municípios do interior de Minas Gerais. Recebiam máquinas, apoio inicial, etc. etc. Só que computadores, como 99% desses dispositivos, precisam de manutenção. (Os outros 1% não têm mesmo conserto e são descartáveis). O que acontecia era que havia um técnico de informática, funcionário do estado ou terceirizado, não me lembro, para atender algo assim como vinte ou trinta cidadezinhas e suas escolas computadorizadas. Bom, o resultado era que as máquinas iam estragando, iam sendo encostadas e ficavam, quase uma eternidade, à espera do príncipe encantado.

Isso dá aquela sensação de estômago embrulhado, não? A mim, sim. Outro dia, num simpósio em Brasília, eu ouvia o relato, em tom grave, de uma professora de São Paulo. Ela comentava: "o que eu sei desses projetos de um computador por aluno é que a maior dificuldade é o professor saber o que fazer com as máquinas em sala de aula". Bom, bastante compreensível. Se a pessoa não é usuária de web ou de informática, como pensará projetos interessantes para assimilar em sala de aula? Se o indivíduo não tem tempo para estudar e se atualizar, que milagre operarão nele? Melhor: essas máquinas substituem a agência das pessoas? Claro que não. Nem precisa de curso para saber disso.

Tenho colegas que andam saltitantes de alegres com essa história de estados ou o governo dar iPads para os professores. Também dei lá meus pulinhos, mas não eram bem de alegria. É que fico perplexa com a superficialidade das soluções. Fico mesmo embasbacada e chego a perder parcelas de sono por conta disso. Será que é muito difícil de entender? Se alguém não tem condições dignas de trabalho (e de vida mesmo), não adianta dar um iPad, um refresco ou um jogo de resta um pro cara. O negócio é saber o que fazer com as máquinas. Mas deve ser bem difícil de compreender a profundidade desta condição.

iPad é um dispositivo de certa marca para... mandar mensagens, brincar, jogar, escrever (pouco, pouquíssimo), ler (muito) e tal e coisa. Há outras tantas marcas de tabletes (sim, em português) por aí. Fico intrigada com essas palavras que vão e voltam de moda. Moda mesmo. Tablete é um desses casos interessantes. A gente só falava disso em relação a comida, chocolate e assemelhados. Como uma coisa se parece com a outra, talvez alguém tenha dado esse apelido meio metafórico em inglês, tablet. Mas aí a coisa custa a vir para o português.

Não tenho nada contra tecnologia. Bem pelo contrário, como comprovam minhas ações por aqui e por aí. Só que eu fico cansada de certos papos e discursos de vez em quando. Meu amigo Marcelo, da Unicamp, gosta de lembrar que os discursos sobre tecnologias e escola têm sempre um tom de "estou dentro" e você "está fora". Os textos sobre "letramento digital" do professor, por exemplo, têm, em sua maioria, um tom de "vou te ensinar como se faz". E o negócio seria subverter isso e admitir que todos somos aprendizes nessa seara.

Um americano chamado Marc Prensky inventou, num artigo, aquela história dos "nativos digitais" e, por contraste, dos "imigrantes digitais". Isso vem sendo repetido, papagaiamente repetido, no Brasil, a torto e a direito. O pior: muita, mas muita, gente nunca leu os artigos do autor, no original, antes de sair falando disso por aí. E os contornos do que ele diz são bastante discutíveis. Bom, só que essa história colou (na ciência também tem isso) e os nativos seriam esses jovens (só jovens) que sabem muito de computador porque isso lhes é natural. OK. Minha gente, esse discurso de que todo professor é velho, é imigrante e não sabe nada já cansou. Foi com ele que eu comecei esta crônica, aliás. Mas vejam: há, sei lá, cerca de duas décadas os computadores (e a cibercultura, que é dinâmica) estão aí e as pessoas mudaram. Vamos na levada da lógica: professores são pessoas. Se toda pessoa mudou, então professores também mudaram. Touché. Muitos professores se formaram nas faculdades, muitos estão nas salas de aula, fazendo projetos bacanas que empregam ferramentas digitais. O que ocorre é que grande parte desses projetos poderia, tranquilamente, ser feita sem equipamentos eletrônicos. Já vi muitas atividades "modernas" serem cópias quase exatas de velhas tarefas escolares... só que agora com tomadas ou sem fios.

Afinal, o que eu estou dizendo? Que os professores precisam mais de criatividade e do propiciamento de suas inteligências do que de máquinas novas. Sai até mais barato, quem sabe? Se bem que é claro que alguém fez essa conta antes de comprar os iPads. Provavelmente foi assim: se eu der esses brinquedinhos pra esse pessoal vai sair mais em conta do que qualificar todos eles e permitir que eles tenham ampliado seu letramento digital. A conta fecha.

Claro que ganhar iPad é bom. Também quero o meu, ora, bolas. Quem não gosta de ganhar brinde? Todo mundo curte demais um picolé depois do outro, uma necessaire que vem na compra do xampu, etc. Não perco uma. Mas o que vou fazer com ela? Não me venham com aquela resposta que veio primeiro à cabeça. Vamos manter a diplomacia.

Seguinte: professor que ganha mal pra caramba não tem condições de ficar preparando aula bacana nem nos moldes tradicionais, quanto mais com dispositivos que ficam trancados em salas com ar-condicionado. Professor que sabe o que fazer, que deseja experimentar novas tecnologias para dar boas aulas (péssimas aulas também rolam com tecnologia e tudo), faz isso até com os aparelhos celulares dos alunos. Nem se abala com a precariedade da escola. Mas o ideal não é isso, claro. O ideal é crescer todo mundo junto, a informática e, principalmente, o elemento que fica entre a cadeira e a tela do computador.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 13/4/2012


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONVITE DE CASAMENTO - SABRINA 1221
ANNETTE BROADRICK
HARLEQUIN BOOKS
(2002)
R$ 6,90



O DIÁRIO DE UM MAÇOM
PAULO VALZACCH
UNIVERSO DOS LIVROS
(2008)
R$ 15,00



LIDERANDO E INTERAGINDO COM TODOS
JORGE FONTES
PARMA
(2007)
R$ 7,00



50 DIRETRIZES (E 186 METAS) PARA O 50º ANIVERSÁRIO DE OSASCO 2012
PREFEITURA DE OSASCO (SEGUNDA EDIÇÃO)
PREFEITURA OSASCO
(2010)
R$ 18,28



NOVOS TITÃS 35
VARIOS AUTORES
DC - PANINI COMICS
(2013)
R$ 20,00



COMO SER LEGAL
NICK HORNBY
ROCCO
(2002)
R$ 5,50



SINPSES JURÍDICAS VOL. 12 - PROCESSO DE EXECUÇÃO E CAUTELAR
MARCUS VINICIUS RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(2009)
R$ 15,17



ISLAMISMO E HUMANISMO LATINO: DESAFIOS E DIÁLOGOS
ARNO DAL RI JR E ARI PEDRO ORO (ORGS)
VOZES
(2004)
R$ 32,28



O PARAÍSO VIA EMBRATEL
LUIZ AUGUSTO MILANESI
PAZ E TERRA
(1978)
R$ 20,00



MANUAL DO SELECIONADOR DE PESSOAL
J. H. BUENO
LTR
(1995)
R$ 10,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês