Quem tem medo da Rio+20? | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> CLUBE DO DISCO - Inscrições até 19/05
>>> Curso Livre de Formação de Escritores, inédito e exclusivo para todo o Brasil
>>> Desvendando Álbuns Clássicos do Rock
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9 de Setembro #digestivo10anos
>>> Apologia dos Cães
>>> Sou melhor do que Shakespeare
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Há uma cleptocracia instalada
>>> Disparada com Jair Rodrigues
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Ser intelectual dói
>>> Fatal: o livro e o filme
>>> Uma livrada na cara
Mais Recentes
>>> A Dieta de South Beach Aditivada de Arthur Agatston; Joseph Signorile pela Sextante (2008)
>>> Crônicas de um Criminalista de Paulo José da Costa Jr pela Dpj (2005)
>>> Ganga-Zumba, A Saga dos Quilombolas de Palmares de João Felício dos Santos pela José Olympio (2010)
>>> Milagres em prato de Laurie Albanese; Laura Morowitz; Beatriz Horta pela Record (2011)
>>> A hora de Investir de José Gustavo Araújo pela Brazil Publishing (2021)
>>> Cutting Edge de Jim Davis - Thomas Hirschl e Michael Stack pela Verso (1997)
>>> A História Completa do Mundo de Richard Overy pela Seleções Readers Digest (2012)
>>> Dom Pedro II e o Jornalista Koseritz de Regina Gonçalves e Regis L. A. Rosa pela Viajante do Tempo (2013)
>>> Palavra-chave dicionário semibilingue para brasileiro - italiano de Silvana Cobucci e Carlos Alberto Dastoli pela Martins Fontes (2013)
>>> A Dieta da Barriga Zero! de Liz Vaccariello; Cynthia Sass pela Best Seller (2012)
>>> Luna Caliente - Três Noites de Paixão de Mempo Giardinelli pela Geração Editorial (2012)
>>> Dark Divine - o Santo Perdido de Bree Despain pela Vergara & Riba (2012)
>>> Sagesse Du Tarot de Elisabeth Haich pela Au Signal (1972)
>>> Titília e o Demonão de Paulo Rezzutti pela Geração Editorial (2011)
>>> Sobre Pessoas de Antônio Torres pela Leitura (2007)
>>> Loucos por Jesus - Volume 1 de Lúcio Barreto Jr. pela Central Gospel (2009)
>>> Na Ponta da Língua de Professor Helinho pela Leitura (2010)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Bronte pela Círculo do Livro
>>> Voo para a Escuridão de Marcelo Simões pela Geração Editorial (2010)
>>> Como Vender Seu Peixe na Internet de Tom Venetianer pela Campus (1999)
>>> Mônica 132 - Dezembro/1997 - o Bichinho Dentro do Ovinho de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 190 - Maio/2002 - Previsões Astro-ilógicas de Maurício de Sousa pela Globo (2002)
>>> Mônica 143 - Outubro/1998 - Outros Amigos de Maurício de Sousa pela Globo (1998)
>>> Mônica 155 - Setembro/1999 - Em Busca do Nariz de Isabelle de Maurício de Sousa pela Globo (1999)
>>> Mônica 245- Novembro/2006 - Esses Bolinhos São para o Fabinho de Maurício de Sousa pela Globo (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/6/2012
Quem tem medo da Rio+20?
Marilia Mota Silva

+ de 3900 Acessos

Dizem que o aquecimento global é uma falácia. A ação humana não tem nada a ver com o clima. Se a terra esquenta ou esfria, isso se deve ao sol, aos vulcões e aos oceanos.

Estudiosos do clima como o Professor de Climatologia da USP, Ricardo Felicio tem frequentado a midia para esclarecer o público sobre as verdadeiras intenções dos cientistas e a irrelevância da ação humana no que se refere ao clima global.

Ficamos sabendo que não existe camada de ozônio, nem o efeito estufa.
A Amazônia nunca foi pulmão do mundo. E se fosse desmatada não faria diferença no clima, não mudaria a ocorrência de chuvas, umidade ou temperatura. Isso porque a floresta existe por causa das chuvas e não o contrário. Se se arrasar com tudo, em vinte anos, temos outra floresta, novinha em folhas, raízes e tudo.

Será? O solo é, provadamente, pobre e sujeito à erosão - quem pode avaliar as consequências de um desmatamento intensivo?

Mas digamos que seja, que a vegetação renasça e as árvores se tornem portentosas em vinte, cinquenta anos. O que dizer dos antigos habitantes, dos bichos, da biodiversidade toda? O professor fala em tese, não está propondo nada, mas o agro-negócio, as mineradoras, os contrabandistas de madeiras nobres, as empreiteiras, todos devem aprovar, calorosamente, seu ponto-de-vista e a disposição com que vai à midia defender suas ideias.

O professor diz que os cientistas que falam de aquecimento global são uns vendidos, "chapa-branca" a serviço de governos e empresas. Pode ser. Mas os que os combatem se expõem ao mesmo tipo de julgamento.

É uma questão política, diz o professor. Sem dúvida. Se houvesse evidências científicas, não haveria discussão. E parece que não há essas evidências, de nenhum dos lados. Apesar dos satélites, radares, computadores poderosos, os climatologistas ainda desconhecem, por exemplo, a causa de um fenômeno drástico como El Niño. O tsunami no Japão e terremotos em áreas "fora de risco" como Washington, no ano passado, pegaram todos de surpresa, o que mostra que os conhecimentos nessa área ainda são bastante limitados.

Mas digamos que os climatologistas estejam certos. Ótimo! Isso nos libera da responsabilidade quanto ao clima do planeta. Mas é só isso; os efeitos da poluição continuam os mesmos.Ela afeta o ar que respiramos, os rios, a água que bebemos, afeta nossa saúde, a vida de todo ser vivo. E seus dejetos continuarão poluindo e matando muito depois de nós termos morrido. Então uma coisa não deveria estar ligada à outra: aquecimento da terra é uma coisa; poluição é outra.

Tudo não passa de farsa do capitalismo, diz o professor. Querem bloquear o desenvolvimento dos países emergentes, Índia, Brasil e China especialmente, que cresce 10%, 12% ao ano e inaugura uma termelétrica, movida a carvão e petróleo, a cada semana.

Pode ser. Nesse caso, é curioso que a direita dos Estados Unidos também combata os verdes com grande determinação. Romney, o candidato do Partido Republicano à Presidência obedece com fervor aos lobies do petróleo e carvão, que lhe financiam a campanha, alegando que defende empregos. Carvão = emprego é seu mote de campanha nos estados onde as minas de carvão mineral são a base da economia. Emprego para os pneumologistas, diz Thomas Friedman, em sua coluna no NYTimes.

A Rio+20 é coisa dos países desenvolvidos para manter as colônias na coleira, diz o professor.

De novo, a extrema-direita dos Estados Unidos pensa a mesma coisa. Eles combatem a Rio+20 como uma ameaça à soberania de seu país.aqui A intenção por trás da Agenda 21 seria substituir o sistema constitucional americano por um planejamento global. A Organização das Nações Unidas, com o imenso fluxo de dinheiro que deve receber das taxas sobre poluição, pretenderia interferir em seus assuntos internos: controlar o uso de energia no País, forçar as pessoas a viver em comunidades com pouco espaço, reduzir o uso de automóveis, permitindo apenas carros elétricos que não andam muito depressa nem vão longe, e assim, forçar as pessoas a usar bicicletas ou transportes públicos ou caminhar. Querem fazer a nação voltar à era pré-Colombo, com os animais correndo livremente e os humanos restritos em espaços limitados, dizem.
Soa estranho quando a direita dos EUA e intelectuais do Brasil estão do mesmo lado.

Dois pontos básicos nessa discussão seriam: Primeiro: Não vamos ficar atados ao atraso por causa de uma hipótese de aquecimento global.

Certo. Não mesmo. Todos temos o direito de buscar os avanços da civilização, os confortos e estilo de vida que quisermos. Ampliar o menu de fontes de energia, sem desprezar nenhuma, e descentralizá-las seria um ideia. Considerando que grande parte da energia que consumimos já é renovável, isso não seria ambição demasiada.

Segundo: Que estilo de vida, que tipo de desenvolvimento queremos?

O uso consciente dos recursos naturais implica um consumo mais consciente. Pode não ser bom para as grandes corporações e sua voracidade, mas é bom para todos e tudo o mais, incluindo nosso sentimento de harmonia com o mundo.

A inestimável vantagem de vir depois é ter a oportunidade de aprender com os erros de quem veio na frente. Podemos corrigir o percurso, achar nossos caminhos. Quando o mundo sofreu a crise do petróleo, na década de 70, o Brasil, sem alarde, criou o Proálcool e carros compatíveis, com uma eficiência como não se viu em outras partes do mundo. Temos esse tipo de capacidade, a que damos pouco valor; temos os bens mais preciosos atualmente: água doce e biodiversidade extraordinária; temos grande extensão de terra fértil e clima bom para a agricultura (e a EMBRAPA, criada pelos militares, com seu inestimável trabalho para otimizar esses recursos). E um imenso mercado interno a incluir e atender.

Tudo a favor, mas a paixão, o comprometimento ideológico podem obscurecer a visão e nos fazer perder, mais uma vez, o bonde da história. Não para alcançar os outros, mas para alcançar o nível e o tipo de civilização, de país que podemos ser.


Marilia Mota Silva
Washington, 13/6/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. This is America de Daniela Sandler
02. A Má Semente de Rafael Azevedo


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2012
01. Nem Aos Domingos - 2/5/2012
02. Só dói quando eu rio. - 23/5/2012
03. Carregando o Elefante - 3/10/2012
04. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood - 5/9/2012
05. Quem tem medo da Rio+20? - 13/6/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aos 40
Maria da Graça Zanini
Imprensa Livre
(2007)



O Caminho da Montanha
Giselda Maria Cordeiro
Ação Set
(2012)



Três Vinténs para a Cultura
Julio Cesar Pereira
Escrituras
(2014)



A Lei do Amor
Laura Esquivel
Martins Fontes
(1996)



Initial Report on the Standing Reference
Lord Diamond
Her Majestys Stationery Offic
(1975)



O Saci
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1958)



London Pub Guide - Evening Standard 1995
Angus Mcgill
Pavilion Books
(1994)



O Machado Gentil
R N Morris
Planeta
(2007)



Horizontes - Autografado
Thereza Christina Roque da Motta
Ibis Libris
(2014)



File Upper Intermediate Students Book
Madeline Mchugh
Richmond
(1998)





busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês