Quem tem medo da Rio+20? | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Incubus - Circles
>>> Citizen Kane
>>> Da vitrola ao microchip
>>> De onde vem a carne que você come?
>>> (Re)masterizados e (Re)mixados
>>> Um mundo além do óbvio
>>> Anarchy in the U.K.
>>> História do Ganesha
>>> A sombra de Saramago
Mais Recentes
>>> Como Cuidar do Seu Meio Ambiente de Desconhecido pela Bei (2002)
>>> Esposa 22 de Melanie Gideon pela Intrinseca (2012)
>>> Você, Líder do Seu Sucesso de Inácio Dantas pela Clube dos Autores (2018)
>>> Mundo Em Transformação de Antonio Cabral; Leonardo Coelho pela Autêntica (2006)
>>> Nós Dois na Madrugada de Sanne Munk Jensen e Ringtve pela Suma (2018)
>>> O Videogame do Rei de Ricardo Silvestrin pela Record (2009)
>>> Cinema Transcendental: um Guia de Filmes Sobre a Vida Após a Morte de Lyn, Tom Davis Genelli pela Pensamento (2014)
>>> Histórias para o Coração da Mãe de Alice Gray pela United Press (2005)
>>> Lua Nova - Formato Menor de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> O Mar de Monstros - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Dois de Rick Riordan pela Intrinseca (2009)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Estadão (1995)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro Volume 321 de Vários Autores pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Guia do Servidor Linux Edição Servidor 3 de Conectiva pela Conectiva (1999)
>>> Introdução a Teoria das Linhas de Transmissão de José Thomaz Senise pela Mauá (1979)
>>> Feijoada na Copa de Chico Anísio pela Círculo do Livro (1976)
>>> Espinhos do Tempo de Zibia Gasparetto pela Os Caminheiros (1990)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Record (1978)
>>> Catálogo Antunes 87/8 de José Manuel Antunes pela Do Autor (1988)
>>> Biologia de los Microelementos y Su Funcion de Karl H. Schutte pela Tecnos (1966)
>>> Dicionário do Antiquariato de Codex pela Codex (1968)
>>> Relais & Chateaux 2001 de Relais pela Relais (2001)
>>> Guatemala Kunst Der Maya de I. Bolz-augenstein pela Greven (1966)
>>> Julie Ou La Nouvelle Heloise de Rousseau pela Flammarion (1967)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/6/2012
Quem tem medo da Rio+20?
Marilia Mota Silva

+ de 4000 Acessos

Dizem que o aquecimento global é uma falácia. A ação humana não tem nada a ver com o clima. Se a terra esquenta ou esfria, isso se deve ao sol, aos vulcões e aos oceanos.

Estudiosos do clima como o Professor de Climatologia da USP, Ricardo Felicio tem frequentado a midia para esclarecer o público sobre as verdadeiras intenções dos cientistas e a irrelevância da ação humana no que se refere ao clima global.

Ficamos sabendo que não existe camada de ozônio, nem o efeito estufa.
A Amazônia nunca foi pulmão do mundo. E se fosse desmatada não faria diferença no clima, não mudaria a ocorrência de chuvas, umidade ou temperatura. Isso porque a floresta existe por causa das chuvas e não o contrário. Se se arrasar com tudo, em vinte anos, temos outra floresta, novinha em folhas, raízes e tudo.

Será? O solo é, provadamente, pobre e sujeito à erosão - quem pode avaliar as consequências de um desmatamento intensivo?

Mas digamos que seja, que a vegetação renasça e as árvores se tornem portentosas em vinte, cinquenta anos. O que dizer dos antigos habitantes, dos bichos, da biodiversidade toda? O professor fala em tese, não está propondo nada, mas o agro-negócio, as mineradoras, os contrabandistas de madeiras nobres, as empreiteiras, todos devem aprovar, calorosamente, seu ponto-de-vista e a disposição com que vai à midia defender suas ideias.

O professor diz que os cientistas que falam de aquecimento global são uns vendidos, "chapa-branca" a serviço de governos e empresas. Pode ser. Mas os que os combatem se expõem ao mesmo tipo de julgamento.

É uma questão política, diz o professor. Sem dúvida. Se houvesse evidências científicas, não haveria discussão. E parece que não há essas evidências, de nenhum dos lados. Apesar dos satélites, radares, computadores poderosos, os climatologistas ainda desconhecem, por exemplo, a causa de um fenômeno drástico como El Niño. O tsunami no Japão e terremotos em áreas "fora de risco" como Washington, no ano passado, pegaram todos de surpresa, o que mostra que os conhecimentos nessa área ainda são bastante limitados.

Mas digamos que os climatologistas estejam certos. Ótimo! Isso nos libera da responsabilidade quanto ao clima do planeta. Mas é só isso; os efeitos da poluição continuam os mesmos.Ela afeta o ar que respiramos, os rios, a água que bebemos, afeta nossa saúde, a vida de todo ser vivo. E seus dejetos continuarão poluindo e matando muito depois de nós termos morrido. Então uma coisa não deveria estar ligada à outra: aquecimento da terra é uma coisa; poluição é outra.

Tudo não passa de farsa do capitalismo, diz o professor. Querem bloquear o desenvolvimento dos países emergentes, Índia, Brasil e China especialmente, que cresce 10%, 12% ao ano e inaugura uma termelétrica, movida a carvão e petróleo, a cada semana.

Pode ser. Nesse caso, é curioso que a direita dos Estados Unidos também combata os verdes com grande determinação. Romney, o candidato do Partido Republicano à Presidência obedece com fervor aos lobies do petróleo e carvão, que lhe financiam a campanha, alegando que defende empregos. Carvão = emprego é seu mote de campanha nos estados onde as minas de carvão mineral são a base da economia. Emprego para os pneumologistas, diz Thomas Friedman, em sua coluna no NYTimes.

A Rio+20 é coisa dos países desenvolvidos para manter as colônias na coleira, diz o professor.

De novo, a extrema-direita dos Estados Unidos pensa a mesma coisa. Eles combatem a Rio+20 como uma ameaça à soberania de seu país.aqui A intenção por trás da Agenda 21 seria substituir o sistema constitucional americano por um planejamento global. A Organização das Nações Unidas, com o imenso fluxo de dinheiro que deve receber das taxas sobre poluição, pretenderia interferir em seus assuntos internos: controlar o uso de energia no País, forçar as pessoas a viver em comunidades com pouco espaço, reduzir o uso de automóveis, permitindo apenas carros elétricos que não andam muito depressa nem vão longe, e assim, forçar as pessoas a usar bicicletas ou transportes públicos ou caminhar. Querem fazer a nação voltar à era pré-Colombo, com os animais correndo livremente e os humanos restritos em espaços limitados, dizem.
Soa estranho quando a direita dos EUA e intelectuais do Brasil estão do mesmo lado.

Dois pontos básicos nessa discussão seriam: Primeiro: Não vamos ficar atados ao atraso por causa de uma hipótese de aquecimento global.

Certo. Não mesmo. Todos temos o direito de buscar os avanços da civilização, os confortos e estilo de vida que quisermos. Ampliar o menu de fontes de energia, sem desprezar nenhuma, e descentralizá-las seria um ideia. Considerando que grande parte da energia que consumimos já é renovável, isso não seria ambição demasiada.

Segundo: Que estilo de vida, que tipo de desenvolvimento queremos?

O uso consciente dos recursos naturais implica um consumo mais consciente. Pode não ser bom para as grandes corporações e sua voracidade, mas é bom para todos e tudo o mais, incluindo nosso sentimento de harmonia com o mundo.

A inestimável vantagem de vir depois é ter a oportunidade de aprender com os erros de quem veio na frente. Podemos corrigir o percurso, achar nossos caminhos. Quando o mundo sofreu a crise do petróleo, na década de 70, o Brasil, sem alarde, criou o Proálcool e carros compatíveis, com uma eficiência como não se viu em outras partes do mundo. Temos esse tipo de capacidade, a que damos pouco valor; temos os bens mais preciosos atualmente: água doce e biodiversidade extraordinária; temos grande extensão de terra fértil e clima bom para a agricultura (e a EMBRAPA, criada pelos militares, com seu inestimável trabalho para otimizar esses recursos). E um imenso mercado interno a incluir e atender.

Tudo a favor, mas a paixão, o comprometimento ideológico podem obscurecer a visão e nos fazer perder, mais uma vez, o bonde da história. Não para alcançar os outros, mas para alcançar o nível e o tipo de civilização, de país que podemos ser.


Marilia Mota Silva
Washington, 13/6/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O suicídio na literatura de Cassionei Niches Petry
02. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro de Ricardo de Mattos
03. Meus encontros e desencontros com Daniel Piza de Rafael Lima
04. Não é assim um smartphone de Marta Barcellos
05. As horas podres, de Jerônimo Teixeira de Rafael Rodrigues


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2012
01. Nem Aos Domingos - 2/5/2012
02. Só dói quando eu rio. - 23/5/2012
03. Carregando o Elefante - 3/10/2012
04. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood - 5/9/2012
05. Quem tem medo da Rio+20? - 13/6/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempo de Espera - Autografado
Oseas Araújo
Oficina Ed
(2005)



100 Magias Para Guardar Segredos
Editora Edelbra
Eldebra
(2002)



Introdução á Sociologia-ensino Médio-volume único
Pérsio Santos de Oliveira
ática
(2009)



Os Anjinhos Inspiram a Sua Vida - 2ª Edição
Marlis Salzmann
Pensamento
(2006)



Ações Tipicamente Constitucionais e a Liminar
Antonio Moura Borges
Edijur
(2008)



Qual É a Cor do Amor
Patrícia Senna e Emerson Pontes
Prazer de Ler
(2011)



Ovni as Forças Armadas Falam
Jean-claude Bourret
Difel
(1980)



Direito Internacional Leituras
Cláudio Finkelstein
Atlas
(2007)



Papel
Alda
Ibep Nacional
(2005)



O Guarani
José de Alencar
Ática
(2004)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês