Só dói quando eu rio. | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> CLUBE DO DISCO - Inscrições até 19/05
>>> Curso Livre de Formação de Escritores, inédito e exclusivo para todo o Brasil
>>> Desvendando Álbuns Clássicos do Rock
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9 de Setembro #digestivo10anos
>>> Apologia dos Cães
>>> Sou melhor do que Shakespeare
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Há uma cleptocracia instalada
>>> Disparada com Jair Rodrigues
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Ser intelectual dói
>>> Fatal: o livro e o filme
>>> Uma livrada na cara
Mais Recentes
>>> A Dieta de South Beach Aditivada de Arthur Agatston; Joseph Signorile pela Sextante (2008)
>>> Crônicas de um Criminalista de Paulo José da Costa Jr pela Dpj (2005)
>>> Ganga-Zumba, A Saga dos Quilombolas de Palmares de João Felício dos Santos pela José Olympio (2010)
>>> Milagres em prato de Laurie Albanese; Laura Morowitz; Beatriz Horta pela Record (2011)
>>> A hora de Investir de José Gustavo Araújo pela Brazil Publishing (2021)
>>> Cutting Edge de Jim Davis - Thomas Hirschl e Michael Stack pela Verso (1997)
>>> A História Completa do Mundo de Richard Overy pela Seleções Readers Digest (2012)
>>> Dom Pedro II e o Jornalista Koseritz de Regina Gonçalves e Regis L. A. Rosa pela Viajante do Tempo (2013)
>>> Palavra-chave dicionário semibilingue para brasileiro - italiano de Silvana Cobucci e Carlos Alberto Dastoli pela Martins Fontes (2013)
>>> A Dieta da Barriga Zero! de Liz Vaccariello; Cynthia Sass pela Best Seller (2012)
>>> Luna Caliente - Três Noites de Paixão de Mempo Giardinelli pela Geração Editorial (2012)
>>> Dark Divine - o Santo Perdido de Bree Despain pela Vergara & Riba (2012)
>>> Sagesse Du Tarot de Elisabeth Haich pela Au Signal (1972)
>>> Titília e o Demonão de Paulo Rezzutti pela Geração Editorial (2011)
>>> Sobre Pessoas de Antônio Torres pela Leitura (2007)
>>> Loucos por Jesus - Volume 1 de Lúcio Barreto Jr. pela Central Gospel (2009)
>>> Na Ponta da Língua de Professor Helinho pela Leitura (2010)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Bronte pela Círculo do Livro
>>> Voo para a Escuridão de Marcelo Simões pela Geração Editorial (2010)
>>> Como Vender Seu Peixe na Internet de Tom Venetianer pela Campus (1999)
>>> Mônica 132 - Dezembro/1997 - o Bichinho Dentro do Ovinho de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 190 - Maio/2002 - Previsões Astro-ilógicas de Maurício de Sousa pela Globo (2002)
>>> Mônica 143 - Outubro/1998 - Outros Amigos de Maurício de Sousa pela Globo (1998)
>>> Mônica 155 - Setembro/1999 - Em Busca do Nariz de Isabelle de Maurício de Sousa pela Globo (1999)
>>> Mônica 245- Novembro/2006 - Esses Bolinhos São para o Fabinho de Maurício de Sousa pela Globo (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/5/2012
Só dói quando eu rio.
Marilia Mota Silva

+ de 5600 Acessos

Segunda-feira, a campainha tocou no meio da tarde. Abri sem olhar antes, pensando que era o correio com alguma encomenda que exigisse assinatura. Era um policial. Meu primeiro instinto foi de medo e desconfiança, mas não tinha como recuar.

Queria me fazer algumas perguntas, explicou, mostrando a prancheta com os formulários que trazia nas mãos. Pois bem.

As perguntas eram sobre o policiamento da área onde moro. Se eu estava satisfeita com o trabalho deles. Se já tinha sofrido algum roubo ou tentativa; se achava que devia haver mais policiais nas ruas, quando e onde, ou se a presença deles era suficiente; se havia alguma sugestão que eu gostaria de fazer.
Antes de ir embora, sugeriu que eu participasse dos grupos de discussão da comunidade online, do "Vizinhos Vigilantes",online também, e dos encontros, ao vivo, toda terceira quinta-feira do mês, com o Serviço de Polícia da Área. Entregou-me seu cartão, uma folha com nomes, endereços, emails do pessoal responsável pelo policiamento da região, inclusive do advogado da comunidade e do chefe do Conselho de Cidadãos.

E pronto, foi-se embora, sem desconfiar do frenesi de emoções que tinha despertado em mim. Um policial que vem à minha casa preocupado em me servir bem! E a auto-estima dele, a serenidade, a certeza de ser respeitado, de estar fazendo um trabalho indispensável ao bem-estar da comunidade!

Já tinha notado isso: a deferência das pessoas com os policiais: boa tarde, officer, cumprimentam sérios, com um ligeiro inclinar de cabeça. Na primeira vez, tive vontade de rir. Um riso dolorido, igual ao daquela nordestina da piada, a que veio andando para o sul, fugindo da seca. Foi atacada no caminho, lutou, perdeu o pouco que trazia, e ainda lhe enterraram um faca no peito. Ela continuou firme. Andando. Um turista que andava pelo sertão viu aquilo e ficou chocado: "Mas como a senhora aguenta tudo isso, e mais essa faca atravessada no peito, a senhora não sente dor?" "Só dói quando eu rio", ela respondeu. E foi em frente.

E' sério. Os policiais são realmente respeitados. Andei conversando com gente daqui para saber como isso é possível. Disseram-me que o governo de Washington tem um sistema de incentivos que ajuda os policiais a comprarem suas casas na cidade, não tendo que enfrentar horas de carro ou condução. "Eles, infelizmente, não ganham tão bem assim", me disseram. "A idéia é facilitar a vida do policial, torná-lo parte efetiva da comunidade em que trabalha - ele se torna conhecido e passa a conhecer bem seus vizinhos, toda a área sob sua responsabilidade. A comunidade vê nele uma segurança extra. E os vizinhos também vigiam o policial."
Um bom sistema, uma medida simples. Deve haver regras complementares muito bem feitas, pensei, se não os policiais iam fazer contrato de gaveta e trocar de casa todo ano. Iam ficar ricos so' com isso.
Pergunto: "Você acha que há corrupção na polícia daqui?" "Não, não. Aqui não tem."

Não escondo um sorrisinho de ironia.

"Pode ser que haja uma coisa mínima, eventual, mas não, a polícia aqui e' muito séria, muito eficiente. E não são corruptos", disse categórico.

Pensei nas esquinas onde se juntam caras com moletons largos, capuz baixado sobre os olhos, mesmo de dia, no verão, em claro comércio de drogas. Como isso é possível sem conivência da polícia? Mas não disse nada, meu interesse não era polemizar. Era compreender a cultura, as crenças deles.

E eles acreditam na polícia. Mais importante ainda: a polícia acredita em si mesma e todos acreditam nas leis, nas instituições e se orgulham de seu país, seus valores, sua história! Esse sentimento é transmitido e revivido de todas as maneiras imagináveis e em todas as oportunidades.

Nos jogos de beisebol, por exemplo, em um dos intervalos, há sempre a "corrida dos presidentes". São quatro pessoas vestidas com roupas de época e imensas cabeças de plástico, representando George Washington, Thomas Jefferson, Lincoln e Teddy Roosevelt, os pais fundadores da nação, como dizem. O povo adora, torce, aplaude! Uma candura difícil de apreender.
Em qualquer evento, a presença de pessoal fardado é registrada e o público convidado a homenageá-los "esses bravos homens e mulheres a quem devemos nossa liberdade".
E liberdade para eles é carro e gasolina barata , digo pra mim mesma, enquanto ouço admirada o ecoar vibrante das palmas, o salão, o estádio inteiro! Olho do alto o campo de cabeças à minha frente: cabelos pretos lisos, mexicanos, vietnamitas, coreanos, chineses, melhor dizer asiáticos, generalizando, e turbantes, véus, cabelos pranchados, loiros, raspados, ausentes, crespos, mistos, todos os matizes e origens. Todos americanos! (como dizem, numa redução que incomoda a todos que compartilhamos o nome.)Que se levantam, aplaudindo, cheios de respeito.

Não importa que sua auto-imagem venha sofrendo arranhões, não importa que vejam filmes, documentários, programas de tevê ou leiam os tantos livros que mostram as outras faces do império, não importa que estejam despertando para o mundo além de suas fronteiras, que comecem a entender que as guerras não acontecem porque eles querem levar a liberdade e a democracia a povos oprimidos. Eles podem se mortificar com isso, podem sentir culpa e constrangimento, mas continuam a acreditar em si mesmos, na sua Constituição, valores, história. Confiam em sua capacidade de enfrentar as crises e corrigir seus erros.

Como será a estrutura mental de uma pessoa, de um povo que acredita em suas leis, em suas instituições, em si mesmo? Até as sinapses, a química dos neurônios deve ser diferente.
E nós? Somos como a nordestina da piada: vamos em frente, resignados à dor atravessada no peito e, se der, achando graça.


Marilia Mota Silva
Washington, 23/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Isto é para quando você vier de Renato Alessandro dos Santos
02. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
03. Submissão, oportuno, mas não perene de Guilherme Carvalhal
04. Getúlio Vargas e sua nova biografia de Eugenia Zerbini
05. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro de Ricardo de Mattos


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2012
01. Nem Aos Domingos - 2/5/2012
02. Só dói quando eu rio. - 23/5/2012
03. Carregando o Elefante - 3/10/2012
04. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood - 5/9/2012
05. Quem tem medo da Rio+20? - 13/6/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aos 40
Maria da Graça Zanini
Imprensa Livre
(2007)



O Caminho da Montanha
Giselda Maria Cordeiro
Ação Set
(2012)



Três Vinténs para a Cultura
Julio Cesar Pereira
Escrituras
(2014)



A Lei do Amor
Laura Esquivel
Martins Fontes
(1996)



Initial Report on the Standing Reference
Lord Diamond
Her Majestys Stationery Offic
(1975)



O Saci
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1958)



London Pub Guide - Evening Standard 1995
Angus Mcgill
Pavilion Books
(1994)



O Machado Gentil
R N Morris
Planeta
(2007)



Horizontes - Autografado
Thereza Christina Roque da Motta
Ibis Libris
(2014)



File Upper Intermediate Students Book
Madeline Mchugh
Richmond
(1998)





busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês