O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Artificial
Mais Recentes
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Matemática 9º ano de Luiz Roberto Duarte e Fernando Viana pela Ática (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/9/2012
O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
Marilia Mota Silva

+ de 3900 Acessos

Há alguns anos, quando vim morar nos EUA para ficar perto de minhas filhas e do neto recém-nascido, fiz um blogue para registrar as impressões da nova vida e tornar mais fácil a transição.

Foi um bom exercício, mas melhor ainda foi um efeito colateral que não havia previsto: conheci pessoas do país inteiro. Depois de um tempo, deixei o blogue, mas os amigos ficaram.

Um deles é um professor, estudioso apaixonado do sertão nordestino, seu povo e história. Uma vez, destoando dos temas usuais em seu blogue, havia um post carregado de amargura, em que lamentava estar entrando na velhice e ser sozinho. Culpava as mulheres: "só querem dinheiro, é impossível entendê-las," as queixas de sempre. Nem parecia o mesmo homem, pesquisador de mente clara e texto cativante. Escrevi-lhe sobre o post e fiz-lhe perguntas específicas na tentativa de entender oque ele havia escrito.

Talvez pelo hábito de pensar ele, de fato, refletiu sobre o assunto e respondeu com uma franqueza admirável.

Só assim, dito com todas as letras e nenhuma auto-censura, é que pude ver o imbroglio em que estão metidos corações e mentes de nossos companheiros de jornada. Ele escreveu:

"Vou expor aqui, muito brevemente, o que penso a respeito de suas interrogações. A primeira, "a masculinidade não pode prescindir do exercício do poder?" No meu entender a resposta está na pergunta. Clarice Lispector disse em uma de suas entrevistas que ninguém pode abrir mão do que lhe é essencial e arremata: "olhe no olho de um touro capado". Pois bem, todo homem que abre mão do exercício do poder é triste, sem força e inseguro. Esse papo de homem compreensivo é furado. Quando a gente está a sós, nos momentos de maior descontração, a verdade do macho aparece transparente, sem distinção de grau de instrução, classe social ou o que seja.

Quando você encontrar comum homem "civilizado", pode desconfiar: ou é um candidato a gigolô, ou é um sujeito que não gosta de você, pretendendo apenas lhe faturar, ou é um fraco.

Você sabe que no íntimo, você como todas a mulheres pretendem alguém que ofereça algum tipo de segurança, de orientação, que defina nos momentos difíceis. É a natureza. Mulher quer ser comandada e homem quer comandar. O problema é que o pensamento iluminista, que dá todo o peso à razão, não deixa a gente ver as coisas direito. Isso não quer dizer que o homem tenha que usar a força física para o domínio, mas precisa de pulso, e vocês querem pulso. Nas conversas íntimas com mulheres de todos os tipos, mesmo que a princípio neguem, após algum debate, acabam revelando uma certa recusa ao homem fraco, e raramente perdoam um corno.

Com relação à dependência e inferioridade, existe um problema sério, muito sério posto pela modernidade, quando a mulher se ombreou e está ultrapassando o homem em termos de posição no mercado de trabalho. Trabalho com jovens e tenho muito contato com pessoas adultas. Os intelectuais, como estão distantes da situação concreta, não percebem, mas está havendo um problema muito sério na relação entre gêneros. As mulheres estão estudando mais, se dedicando mais e os homens estão se encolhendo, habitando o mundo da vagabundagem. Quero dizer que já estão se dando por vencidos. Sabem que, pelas exigências do consumismo, não conseguem mais ser provedores, nem as mulheres precisam, que elas muitas vezes ganham mais que eles. Isso é uma verdadeira desgraça para um homem, ele tenha consciência disso ou não.

Por que os homens estão se encolhendo? Vou dizer o que penso, brevemente. Ser homem é muito difícil. As exigências são absurdas. Entre essas exigências está a do provimento.

Como o mercado está complicado e as exigências de consumo são absurdas, o sujeito vai se abatendo psicologicamente. A mulher pode aceitar qualquer salário, que ela, embora em muitos casos esteja sendo a provedora, não tem tal obrigação, podendo assim aceitar rendimento qualquer.

Quando é ela que provê, começa a impor e o homem ou se encolhe na vergonha, ou perde o caráter, ou vira puro macho, aquele que entra apenas com a defesa e a ferramenta sexual, mas não têm nenhum respeito dos filhos, dos vizinhos, da sociedade. Sua auto-estima entra abaixo da lata do lixo e se quiser elevá-la terá que fazer isso na porrada.

Homem quer feminilidade. A questão da independência assusta muito, principalmente se for independência emocional. Nenhum homem normal, dos que conheço, aceita mulher emocionalmente independente, aquela que decide e faz o que acha melhor para si. Nessa condição ele se acha inútil. Digo: se a mulher for inteligente e emocionalmente independente, ela poderá fazer o jogo. O jogo que o homem gosta, que é o de ser consultado, nem que só aparentemente ele dê a última palavra. Ele pode até reconhecer e gostar de saber que a mulher da relação tem muita capacidade em alguma coisa, ou na maioria das coisas, mas precisa que ela revele dependência. A dependência é um simbolismo necessário para o homem. Veja que é marca distintiva do homem a insegurança.

Uma mulher que não se mostre submissa deixa o sujeito aflito e incapacitado para defender o território.

Olha, Marília, sei que não esclareci direito, mas você há de convir que o assunto é complexo. Uma certeza eu tenho: as mulheres nunca compreenderão os homens e nós nunca compreenderemos vocês. Isso é um erro, do meu ponto de vista. Alíás, em termos intelectuais poderemos até nos compreender, mas jamais aceitar as práticas de um e de outro.Há aí uma incompatibilidade insuperável, que eu acho que é o que faz o mistério que separa e que aproxima. Acho que no momento em que vivemos está instalada uma guerra de graves consequências entre os gêneros. Acho que o caminho do encontro é aceitar as diferenças e não decretar o fim delas. Isso é um erro, do meu ponto de vista. Agora eu, como homem, gostaria de ouvir sua posição sobre a mesma questão que você colocou.
"

Apesar do espanto, fiquei agradecida. Sozinha nunca chegaria a suspeitar que a cabeça de um homem estudioso e mais velho abrigasse crenças como essas, e que as confessasse com perfeita candura, tão convencido está de sua legitimidade.

Resumindo: o que os homens querem? Que a mulher seja obediente, submissa, dependente. Se não for, que finja senão o homem fica frustrado e para se recuperar "terá que fazer isso na porrada". Simples como um ultimatum. Submeta-se ou aguente as consequências.

Pode-se pensar que pesa na opinião do professor sua origem no sertão nordestino: O homem na posição de mando é a matriz dos coronéis; a mulher submissa seria um atavismo religioso mais arraigado naquelas regiões. Mas não é verdade. Sabemos que a opressão das mulheres é doença que atinge a toda a humanidade. Mutilação genital, imposição de vestimentas que anulam sua presença são exemplos dramáticos, mas o saco de maldades tem muito mais que isso, tem armas como virus, difíceis de detectar e extremamente destrutivos.

Estão na midia, nas universidades, em países menos ou mais desenvolvidos. A luta pelo atraso, pelo sofrimento, pelo poder continua. Com sucesso. As estatísticas de crimes contra a mulher, mesmo em um país como o Brasil, em que o povo é admirado por sua alegria e pacifismo, demonstram isso.

Na sua percepção do feminino, há um ponto em que o professor acerta. De fato, as mulheres não gostam de homem fraco, inseguro, que exige joguinhos pueris de submissão, senão ele emburra, faz birra, fica violento. Desse homem a mulher foge. São esses que ficam sozinhos.

Há um fosso entre a maneira como homens e mulheres se interpretam. Há um fosso entre as expectativas que temos um do outro.

Em uma sociedade menos perversa e primitiva, a mulher seria tratada com respeito, sem ter que batalhar tanto por isso. É verdade que temos menos força física; é verdade que nos transformamos em cocoon durante meses, gerando a vida. É verdade que a sobrevivência da espécie pesa sobre nós dramaticamente. A frase famosa de Simone de Beauvoir, "Biologia não é destino" é meia verdade, se tanto. A potência de dar a vida nos define. Uma gravidez torna madura mesmo uma menina de doze anos. Essa é a realidade da mulher.

E faria, faz toda a diferença quando ela pode contar com um companheiro. Adulto. E que seja protetor, sim! Todo apoio é bem-vindo, é preciso, especialmente quando temos filhos. Que sejam protetores como somos com eles, cada um de seu jeito, nas áreas em que é mais forte. Proteção, conforto, ajuda, todos precisamos, em algum momento.

Essa mania de poder, que perda de tempo! Entretidos em suas atividades, jogando bola ou na estiva, operando grandes máquinas ou pintando porcelana chinesa - os homens têm uma energia que nos ilumina, nos faz felizes. Como sol e poesia! Os "coronéis" matam isso!

Cabe uma ressalva aqui. É certo que existem muitas "gatinhas" que atendem a demanda de homens como o professor. Querem "o herói que as proteja e sustente" mas, a certa altura, obtida a situação ou os bens que desejavam, voltam à carreira solo. Aí o homem se desorienta, acusa a mulher de mercenária, sente-se traído,reclama de "cornice", o que é outro conceito bobo. Não devia se lamentar. São as regras do jogo. Seria ilusão esperar afeto e lealdade nesse tipo de acordo: "finge que sou seu rei, que você me adora, que não vive sem mim". Os homens, principalmente os mais velhos, deviam saber disso. Até porque eles, mesmo com toda a fantasia de onipotência, não aguentariam conviver com uma pessoa submissa e dependente de verdade. Ninguém aguenta.

Esse aliás é o tema de um filme ótimo que saiu agora. O título é Ruby Sparks mas poderia ser "O que os homens querem?" O filme foi (muito bem) escrito pela jovem que também faz o papel principal, Zoe Kazan, de 28 anos. Do sertão a Hollywood, o assunto está em pauta: afinal, o que eles querem de nós?

Costumamos assistir perplexos às guerras, ao caos, à brutalidade humana, como se fôssemos estranhos a isso. Não devíamos porque a insanidade está em nós, no cerne de nossa visão do mundo e compromete a relação (que deveria ser) a mais preciosa e primordial que existe, entre homem e mulher, onde começa a vida.


Marilia Mota Silva
Washington, 5/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
03. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
04. A Marcha da Família: hoje e em 1964 de Humberto Pereira da Silva
05. Casamento atrás da porta de Adriane Pasa


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2012
01. Nem Aos Domingos - 2/5/2012
02. Só dói quando eu rio. - 23/5/2012
03. Carregando o Elefante - 3/10/2012
04. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood - 5/9/2012
05. Quem tem medo da Rio+20? - 13/6/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Ilha Perdida
Maria José Dupré
Ática
(1993)
R$ 15,00



Sem Medo de Vencer
Roberto Shinyahiki
Gente
(1993)
R$ 5,00



I Maestri del Colore
Léger
Fratelli Fabbri
R$ 25,00



A Aventura Aventurosa de Acanai Contra a Grande Cobra Sucuri Na...
Antônio Hohlfeldt
Ftd
(1990)
R$ 5,00



Agroecologia Militante - Agricultura
Ivani Guterres (Org)
Expressao Popular
R$ 28,00



Os Limites da Paixão
Norma Jorge Moreira
Dpl
(2005)
R$ 6,90



Planeta Marte, uma História de Observação e Descoberta
William Sheehan
Inquérito
(1997)
R$ 38,00



Trilogia the Game - a Bolha - Vol 3
Anders de La Motte
Darkside
(2016)
R$ 40,00



Quatro Dias de Rebelião
Joel Rufino dos Santos
Ftd
(1992)
R$ 5,00



Giselle a Amante do Inquisidor
Mônica de Castro; Mônica de Castro
Vida e Consciencia
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês