Melhores exposições de 2010 | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
26292 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Latitudes & Longitudes
>>> Renovação
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
Blogueiros
Mais Recentes
>>> LONDON LONDRES
>>> Lembrando a Tribo
>>> A grama do vizinho
>>> Um raio-x da violência
>>> Sobre o som e a fúria
>>> Comic Riffs
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Meu assassino
>>> Circo Roda Brasil
>>> Música do acaso
Mais Recentes
>>> To The Lighthouse de Virgina Woolf pela Wordsworth Classics (2002)
>>> La Jeune Fille À La Perle de Tracy Chevalier pela Folio (2014)
>>> Le Petit Nicolas de Sempé-Goscinny pela Folio (2012)
>>> The Rise of The Islamic State de Patrick Cockburn pela Verso (2015)
>>> The Wonderful Wizard of Oz de L. Frank Baum pela Barnes & Noble (2005)
>>> Gaudy Night de Dorothy L. Sayers pela Bourbon St Books (2012)
>>> The Murder of Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Harper (2002)
>>> Dicionário de Sonhos de Zolar pela Nova Era (2009)
>>> PODEROSA - Diário de Uma Garota que Tinha O Mundo Na Mão de Sérgio Klein pela Fundamento (2006)
>>> Um Plano Simples de Scott Smith pela Companhia das Letras (1993)
>>> Ruth Rocha Conta a Odisséia de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2006)
>>> Ruth Rocha Conta a Ilíada de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2007)
>>> As Aventuras do Barão de Munchausen de Rudolf Erich Raspe pela Iluminuras (2010)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha de Pedro Bandeira pela FTD (1999)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> Mídia - Propaganda Política e Manipulação de Noam Chomsky pela Martins Fontes (2013)
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2001)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2004)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> As Brumas de Avalon 4 - O Prisioneiro da Árvore de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 3 - O Gamo-Rei de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 2 - A Grande Rainha de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 1 - A Senhora da Magia de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> Política Para Não Ser Idiota de Mario Sergio Cortella, R. Janine Ribeiro pela Papirus (2007)
>>> Penelope de Marilyn Kaye pela Galera Record (2008)
>>> Memórias de Um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela BestBolso (2010)
>>> Eu Sou Malala de Malala Yousafzai pela Companhia das Letras (2013)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2010)
>>> Histórias Brasileiras de Verão de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2002)
>>> Minhas Memórias de Lobato de Luciana Sandroni pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Diários do Vampiro - O Confronto de L. J. Smith pela Galera Record (2012)
>>> Diários do Vampiro - O Despertar de L. J. Smith pela Galera Record (2009)
>>> Minha Luta 1 - A Morte do Pai de Karl Ove Knausgaard pela Relógio D'Água (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2006)
>>> A Volta ao Mundo em 80 Dias de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2005)
>>> As Mil e Uma Noites (Adaptação) de Julieta de Godoy Ladeira pela Scipione (2000)
>>> A Biblioteca Mágica de Bibbi Bokken de Jostein Gaarder & Klaus Hagerup pela Companhia das Letras (2003)
>>> Doidinho de José Lins do Rego pela José Olympio (2007)
>>> Til de José de Alencar pela Martin Claret (2012)
>>> A Viuvinha de José de Alencar pela FTD (1999)
>>> Iracema de José de Alencar pela Árica (2009)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Companhia das Letras (2008)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2009)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2005)
>>> Segredos da Minha Vida em Hollywood de Jen Calonita pela Galera Record (2007)
>>> O Apanhador no Campo de Centeio de J. D. Salinger pela Editora do Autor
>>> Ilusões Perdidas de Honoré Balzac pela Companhia das Letras (2002)
>>> Minha Vida de Menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2005)
>>> O Mistério das Bolas de Gude de Gilberto Dimenstein pela Papirus (2006)
>>> Pietr, O Letão de Georges Simenon pela Companhia das Letras (2014)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2010

Terça-feira, 14/12/2010
Melhores exposições de 2010
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O ano de 2010 foi particularmente rico em exposições no Brasil. Dos últimos anos para cá, temos tido não só importantes exposições nacionais, mas também um grande número de exposições internacionais. Um repertório que nos enriquece, nos fazendo repensar nossa própria produção e nos atualizando em termos de experiência com a arte internacional, seja ela histórica ou atual. De um ponto de vista geral, estas exposições têm se profissionalizado e gerado um retorno social muito bom. Desde o bom treinamento de guias para escolas, seminários, palestras e encontros para se discutir a obra dos artistas e publicação de catálogos, até o tempo mais longo das exposições, que permite visitas de pessoas de todos os estados. Tudo tem sido bem pensado, proporcionando uma fruição não só no âmbito do prazer artístico, como no do entendimento da arte a partir de sua história e implicações estéticas. Abaixo comentaremos algumas dessas exposições.

A Pinacoteca do Estado de São Paulo apresentou uma das mais importantes exposições internacionais de artes plásticas do ano no Brasil: Andy Warhol, Mr. America. Um dos artistas mais intrigantes e conhecidos do século XX, Andy Warhol tornou-se quase um emblema da cultura americana contemporânea, transitando em universos que vão do banal ao sublime e os confundindo em sua obra, exibindo o que há de vulgar e excepcional na arte americana do pós-guerra. Produzindo imagens a partir de uma infinidade de meios como a fotografia, vídeo, gravura, serigrafia, colagens etc, Warhol usou e abusou do mundo das imagens sob o capitalismo americano. Fotos de celebridades sociais do mundo das artes ou da política, notícias de acidentes, violência política, caixas de sabão em pó e latas de sopa de tomate: tudo transformado em criação e esvaziado de seu sentido original. Mick Jagger, Marilyn Monroe, Che Guevara, língua dos Stones, ready-mades com foice e martelo, fotos de Mao Tse Tung ou de uma cadeira elétrica... Warhol criou o signo limpo, vazio, sem força, igualando sopas e heróis revolucionários. Parte de sua produção, que inclui vídeos, fotos e serigrafias puderam ser vistos juntos pela primeira vez no Brasil nesta exposição excepcional exibida na Pinacoteca. Não bastasse, a Pinacoteca produziu um catálogo de alto nível, recheado de fotos e textos importantes, seja para os estudiosos da arte ou para pessoas que queiram entender o lugar que Warhol ocupou na arte americana e ocupa na arte atual, como referência obrigatória em termos de uma pós-modernidade da qual com certeza ele foi um dos pais.

Outra exposição também importante é a que o Sesc Pompéia nos reservou: A revolução somos nós: Joseph Beuys. Com uma exibição de mais de 200 cartazes, múltiplos, vídeos e fotografias, podemos ter contato com parte do que representa a obra de Beuys. Reformador social através da arte, pensador revolucionário, professor polêmico e ativista impertinente, o artista Joseph Beuys pensa que, ao se transformar todo homem em artista, estaremos começando uma revolução social. Isto porque as transformações têm que ser coletivas, mas também estéticas. Artista provocador, instalador, performer, debatedor radical, Beuys pode ser apreciado em suas múltiplas ações nesta exposição: seus cartazes têm interesse estratégico de multiplicar suas intervenções, seus "múltiplos" são produções reproduzíveis capazes de destruir a ideia de fetiche na arte, socializando através da técnica de reprodução aquilo que só alguns poderiam usufruir se fossem objetos únicos. Também podemos ver o Beuys debatedor, polêmico, irascível, em vídeos onde enfrenta artistas e teóricos da época, buscando dar um sentido político às suas ideias e intervenções. Junto à exposição foi montado um ciclo de eventos, que incluem palestras internacionais, debates e intervenções relativas à obra de Beuys. A qualidade da organização de uma exposição como essa, com todas as implicações que ela tem, nos coloca na rota das grandes exposições internacionais e dos debates necessários ao mundo das artes plásticas, por tanto tempo tímido ou calado no Brasil.

Este foi o ano da 29ª Bienal de São Paulo. Diferente da anterior, pejorativamente chamada de Bienal do Vazio, esta possibilita um novo fôlego para os amantes da arte contemporânea. Repleta de instalações, pinturas, desenhos, fotografias, vídeos, a Bienal tem levado milhares de pessoas ao seu interior, sejam escolares em visitas guiadas, sejam viajantes de todos os países e do Brasil. Com polêmicas que envolvem a obra de Nuno Ramos (com o uso de urubus na sua instalação) e a do artista Gil Vicente (que desenhou personalidades do mundo da política e da mídia sendo assassinados pelo artista), a Bienal apresentou uma ideia de política que extrapola a ideia de arte engajada tal como era tida nos termos de uma arte política nos anos 60, por exemplo. Aqui, o fato artístico, sua relevância enquanto desconstrução do real, da linguagem, é que foi devidamente pensado em termos de uma ação sobre o mundo. Desse ponto de vista, a Bienal se realizou bem, fazendo os espectadores participarem de uma aventura ao coração do labirinto, da indefinição, experimentando na própria visita o sentido máximo da arte, que é seu poder de revelar o mundo não dentro dos parâmetros de uma definição clara, mas da possibilidade de conhecimento por outra lógica: a da linguagem sempre renovada.

O MASP reservou para a última metade do ano três brilhantes e imperdíveis exposições: Lugares estranhos e quietos, do cineasta Wim Wenders; Se não este tempo: pintura alemã contemporânea de 1989-2010 e Deuses e Madonas: a arte do sagrado.

A primeira das exposições é formada por um conjunto de fotografias feitas por Wim Wenders, a partir de viagens pelo mundo, onde registra paisagens e lugares desolados, quase que totalmente alheios à presença humana, embora esses lugares remetam a algum tipo de atividade humana. De uma roda gigante totalmente perdida num cenário isolado da Armênia a uma sala de projeções ao ar livre também absolutamente deserta em Palermo, a tantas outras geografias e ambientes, naturais ou urbanos, sem vestígios da presença humana, Wim Wenders capta como uma espécie de Hopper da fotografia universos silenciosos e solitários que jamais veríamos se não fosse a disposição do artista em registrá-lo tão magistralmente para nós. Não há como não pensar nessas fotografias sem pensar nas solitárias locações, por exemplo, de um de seus filmes, como Paris, Texas. A exposição é uma viagem ao vazio desalentador e ao inusitado universo dos lugares que a exposição chamou certeiramente de "quietos". Longe da presença humana, dos barulhos e tensões da existência, eles se constituem como reservas para a meditação. E parece que para isso foram feitas as fotos, pois nos demoramos frente a elas em um estado de contemplação muito parecido ao da meditação religiosa numa igreja, quando deixamos o silêncio nos penetrar através da beleza e da solidão plástica criada pelo cineasta-fotógrafo.

A exposição de pintura alemã contemporânea, sob curadoria de Teixeira Coelho, também é bastante importante, dada a qualidade e a quantidade de telas e a variedade de estilos de pintura presentes na seleção das obras. Podemos contemplar desde a arte política pós Muro de Berlin, com relatos críticos contra o imperialismo americano ou a vigilância policial do sistema, até experiências abstratas de caráter geométrico e com uma perspectiva mais expressionista. Pode-se notar nesta exposição influências que passam do realismo socialista à pintura metafísica, do pop à pintura jocosa e alegremente despretensiosa inspirada nos quadrinhos. Com 26 artistas diferentes, temos uma visão ampla do que se faz na Alemanha dos últimos anos em termos de pintura, sendo a exposição um bom parâmetro para medirmos a nossa própria arte ou pelo menos para que possamos manter um diálogo mais universal com os artistas de além-mar.

A exposição Deuses e Madonas se organiza a partir de obras cuja temática se relaciona com o sagrado na arte. O acervo do MASP é utilizado a partir dessa problemática, de forma singular, nos permitindo um passeio pelo universo da arte preocupada com a temática do sagrado conforme artistas de várias épocas. Numa leitura contemporânea, onde o caráter utilitário que gerou essa opção pelo sagrado se perde, dando relevo àquilo que Kant chamou de "experiência desinteressada" do estético, podemos contemplar, antes de tudo, a alta qualidade do acervo exibido. Artistas como Di Cosimo, Botticelli, Delacroix, Tintoretto, Rafael, El Greco, entre tantos outros, nos levam a este universo da busca do inefável, através da obra de artistas que vão do Renascimento até os modernistas. Se o sagrado perde seu poder neste deslocamento temporal, a arte, ao contrário, assume essa perspectiva de uma possibilidade de experiência silenciosa, meditativa, indizível, que o espírito racional jamais poderá explicar, mas que nos toma numa posse amorosa, numa felicidade e grandiosidade de sentimentos jamais experimentados em outros lugares. A exposição nos mostra, mais que tudo, o quanto o poder da arte do passado pode interferir na sensibilidade do homem contemporâneo, nos ensinando que a arte escapa ao tempo, à história e aos temas, nos inscrevendo numa sensibilidade atemporal.

Estas exposições por si bastariam para ter nos nutrido da boa e grande arte durante o ano, mas houve outras, várias, também importantes, necessárias às nossas inquietações, ao nosso desejo de fruição artística, e esperamos que o novo ano seja tão rico e inquietante quanto este em termos de artes plásticas e provocações. O Digestivo estará aqui para comentar.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os burocratas e a literatura de Celso A. Uequed Pitol
03. A fada do dente sou eu de Ana Elisa Ribeiro
04. Por uma arquitetura de verdade de Eduardo Carvalho
05. Nosso Lar de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


Mais Especial Melhores de 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/12/2010
18h54min
Num artigo falando das melhores exposições do ano não caberia citar Beuys. O que foi exposto desse "grande" artista aqui no Brasil? Latinhas enferrujadas? Pedaços de pau e folhas de jornal assinados por ele? Ou cavacos de unha do dedão do pé? Beuys não foi apenas um imbecil: mais que isso, foi um espertinho, que soube perpetuar seu nome, porque sabia que por mais tolices que fizesse, encontraria sempre "críticos" (ou criticastros?) para dar-lhe aval. Pior que ele, só Delvoye com sua "máquina de fazer cocô".
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ROMANCES DE HOJE - A ALGARAVIA
JORGE SEMPRUN
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 7,00



TEILHARD DE CHARDIN: SINTETIZAÇÃO E JUSTIFICATIVA FILOSÓFICA
PE. AFONSO RODRIGUES, S. J.
FACULDADE DE FILOSOFIA N. S. MEDIANEIRA
(1970)
R$ 12,00



PARTICIPAÇÃO POPULAR NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
ALESSANDRA OBARA SOARES DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



VAMOS FESTEJAR O DIVINO?
VANDERLEY DE PAULA ROCHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



E O VERBO SE FEZ CANTO
EURIDIANA SILVA SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O FANTASMA DE CANTERVILLE E OUTROS CONTOS
OSCAR WILDE
EDIOURO
R$ 6,00



ENTRE NÓS
LYGIA BARBIÉRE AMARAL
PETIT
(2013)
R$ 19,00



POR QUE AS PESSOAS SOFREM?
JAMES JONES
ABBA PRESS
(1997)
R$ 16,00



A ECONOMIA DA CADEIA PRODUTIVA DO LIVRO
FABIO SÁ EARP E GEORGE KORNIS
BNDES
(2005)
R$ 19,28



AS FONTES DO DIVÓRCIO
MONS. FRANCISCO DE SALES BRASIL
PAULINAS
(1953)
R$ 15,00





busca | avançada
26292 visitas/dia
1,1 milhão/mês