Comentários de Gil Cleber | Digestivo Cultural

busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
>>> Lançamento da Ubook, 'Desditas Cariocas' traz contos inspirados nas temáticas rodriguianas
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> A terra das oportunidades
>>> Acordo Internetês Ortográfico
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Equipe econômica
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Jornais: conteúdo pago?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Noturno para os notívagos
Mais Recentes
>>> Era dos Extremos - O breve século XX 1914-1991 de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (1996)
>>> O Livro dos Médius de Allan Kardec pela Lake (2007)
>>> O Homem no Cotidiano - Alicerce do Paraíso de Meishu-sama pela Fundação Mokiti Okada (2010)
>>> O Racismo na História do Brasil - Mito e Realidade - Coleção História em Movimento de Maria Luiza Tucci Caneiro pela Ática (2003)
>>> Sobrevivente - Edição Slim de Chuck Palahniuk pela Leya (2020)
>>> O Reencontro de uma Família de Adriana Gumz pela Educarte (1998)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> Memórias do Trabalho: depoimentos sobre profissões em extinção de Luiz A. Egypto de Cerqueira pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos (1999)
>>> Quem esta escondido? - Estegossauro de Susie Brooks pela Ciranda Cultural (2017)
>>> A Mesa do Mestre-Cervejeiro - Descobrindo os prazeres das cervejas e das comidas verdadeiras de Garrett Oliver pela Senac (2012)
>>> Mistérios de Lygia Fagundes Telles pela Nova Fronteira (1981)
>>> Jesus, O Maior Psicólogo Que Já Existiu de Mark W. Baker pela Sextante (2009)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Como Calar o Acusador de David Alsobrook pela Atos (2010)
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Pro Net (1996)
>>> Eu escolho ser Feliz de Susana Naspolini pela Agir (2019)
>>> Eneida (Capa dura) de Virgílio pela Nova Cultural (2003)
>>> Windows on the World de Frédéric Beigbeder pela Record (2005)
>>> A Linguagem das Cores de René-Lucien Rousseau pela Pensamento (1991)
>>> As Sete Chaves da Cura pela Cor de Roland Hunt pela Pensamento (1993)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espirito Santo Neto pela Boa Nova (1997)
>>> Anjos e Demônios de Dan BrownS pela Sextante (2009)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E L James; Juliana Romeiro pela Intrinseca (2015)
>>> Extraordinário de R. J. Palácio pela Intrínseca (2013)
>>> Literatura Tempos Leitores e Leituras Caderno do Estudante Parte I de Maria Luiza M. Abaurre e Outros pela Moderna Plus
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Quarta-feira, 14/9/2011
Comentários
Gil Cleber


Crítica é apenas opinião
Não acredito em crítica, seja de arte, seja literária, como algo determinante para descrever a qualidade de um livro ou de um quadro. Os críticos de arte são unânimes quanto à beleza das "Senhoritas de Avignon", de Picasso, ou quanto à grandiosidade do "Ulisses", de Joyce. Para mim, são dois lixos, completamente descartáveis. Críticos, de um modo geral, falam como se fossem donos da verdade, sem saber o que motiva o artista a produzir sua obra, seus processos criativos, enfim, seu pensamento, e dizem "isto é bom", ou "isto é ruim", ou então escrevem textos repletos de clichês e "palavras difíceis" para parecerem profundos: se despidos de sua falsa retórica, não dizem nada. Crítica é apenas opinião pessoal, e para emitir uma opinião não é preciso ser crítico.

[Sobre "Crítica literária ainda existe?"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
14/9/2011 às
12h04 200.165.160.106
 
Acho esporte uma babaquice
Minha discordância do autor está em uns poucos pontos: 1) Eu pratico Taekwon-do por necessidade de manter o corpo em forma, e por gostar de lutas; 2) Gosto de xadrez porque é um jogo de raciocínio puro, e não apenas jogo, mas uma ciência exata. No mais, acho esportes uma babaquice, torcer para um time e ficar discutindo quem fez o gol ou quem vai para a final é um sinônimo de burrice e o conceito de que "esporte é saúde" tem de ser revisto: já ficou provado por médicos americanos que esforços excessivos são prejudiciais ao coração. Minha terceira discordância: por época da copa e das olimpíadas estarei em casa estudando ou pintando, e torcendo CONTRA o Brasil em todas as provas.

[Sobre "A Empulhação Esportiva"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
13/6/2011 às
14h11 200.165.160.106
 
Ler e apreciar um clássico
Respondendo à pergunta "Que poder tem um livro, e mais ainda, um clássico, para que chame mais atenção que um 'i' alguma coisa?", tem o poder dos vinhos de primeira, que só os paladares apurados conseguem apreciar, enquanto o resto se contenta com cachaça. É preciso bom-gosto, refinamento intelectual, inteligência etc. para ler e apreciar um clássico. O "resto" lê qualquer coisa, quando lê.

[Sobre "Os clássicos e o leitor de hoje"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
27/5/2011 às
11h53 200.165.160.106
 
O resto é conversa fiada
E mais uma vez o antropocentrismo toma corpo: uma "ciência" politicamente correta, e discutível, afirma que não há raças entre a espécie humana, ou seja, o homem é tão superior aos outros animais que só ele não se divide em raças - mesmo contra todas as evidências. Enquanto a discussão se mantiver neste contexto, e não no do direito, o blá-blá-blá será sempre o mesmo. Deve-se entender que todos, independente de sua raça, têm o direito a viver no mundo, já que nasceram nele e nele estão adaptados. Outra questão: a da superioridade racial. Para se falar em superioridade, deve-se ter um paradigma segundo o qual alguém é superior, e o paradigma, quer gostemos ou não, existe, logo há superioridade racial. Mais uma vez, a questão é de direito e não de discurso politicamente correto: TODOS, independente de serem mais inteligentes, mais bonitos, etc. têm direito a viver em paz. O resto é conversa fiada.

[Sobre "Do preconceito e do racismo"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
26/4/2011 às
10h50 189.25.86.38
 
Dá pra entender?
O autor faz um grande discurso sobre a mediocridade, e finaliza citando como porta-voz da esperança um autor medíocre: Moacyr Scliar. Dá pra entender?

[Sobre "A rentável miséria da literatura"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
16/4/2011 às
13h37 200.165.160.106
 
A tônica é escrever mal?
Em primeiro lugar, o grande mal do crítico (seja de literatura, seja de arte) é que ele se julga dono da verdade, ou seja, em vez de emitir uma opinião pessoal, enche sua crítica de chavões pseudo-técnicos e, no fim das contas, satisfeito, pensa ter produzido uma obra-prima. Não sei se é regra geral, mas quantos textos de crítica tenho lido me passam essa impressão. É de dar pena. Em segundo lugar, não posso julgar a obra de Scliar apenas por ter lido um livro dele, mas se tudo que ele escreveu for do mesmo nível do Manual da Paixão Solitária, afirmo sem medo de errar que Scliar não passará de um escritor de segunda linha, quando muito. Infelizmente, não posso falar muito bem do que tenho lido em termos de literatura brasileira, salvo com algumas excessões. Jorge Amado não leio mais, dada a mediocridade de sua obra. Outro dia li o Memorial de Maria Moura, da Rachel de Queiroz, lamentável. Será que para consagrar-se como escritor neste país a tônica é escrever mal?

[Sobre "Um abraço em Moacyr Scliar"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
4/4/2011 às
10h15 200.165.160.106
 
Continuo com o livro de papel
Na verdade, o preço do livro de papel só é alto por causa da ganância. Essa desculpa de custos de papel, divulgação, distribuição não resiste a uma simples análise: p. ex. a Record - ela faz divulgação própria, enviando impressos aos leitores; para os que fazem pedidos pelo cupom que vem nesses folhetos de divulgação, a distribuição é direta. Mas o preço pago é o mesmo que você pagaria se comprasse o livro numa loja. Os e-books seguem o mesmo caminho: ganância. Vivemos no país e na época da exploração, da roubalheira. Eu não pretendo gastar uma pequena fortuna com um Kindle, porque o troço é horroroso, continuo com o livro de papel, que pelo menos cheira bem quando novo.

[Sobre "O incompreensível mercado dos e-books"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
16/3/2011 às
18h29 189.25.52.201
 
É nisso que dá
O negócio é que, lendo certos textos, tem-se a impressão de que o autor não tem nada de importante a dizer, e, se tivesse, não saberia como fazê-lo. É nisso que dá detestar a escola.

[Sobre "Chega de Escola"]

por Gil Cleber
http://www.ig.com.br
14/3/2011 às
16h17 189.25.78.114
 
Não me sinto derrotado
Eu já fui derrotado por vários livros: "Tieta do Agreste", do péssimo Jorge Amado; o ridículo "Ulisses", de Joyce; "Sodoma e Gomorra", do inverossímil Proust... Quando começo a me perguntar por que estou lendo "aquilo" é sinal de derrota na certa. Só que não me sinto derrotado, simplesmente me dou por feliz em não perder mais tempo com tal porcaria.

[Sobre "Derrotado"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
10/3/2011 às
12h39 200.165.160.106
 
Contra o politicamente correto
Creio que o mal está no fato de idosos, deficientes físicos e grávidas hoje em dia serem tratados como "coitadinhos", e o pior é que eles parecem gostar do tratamento. Indignado fico eu, por exemplo, na fila do banco, vendo um monte de gente ocupada ficar para trás enquanto um velhote que nada mais tem a fazer na vida a não ser viver sem fazer nada passa na frente de todo mundo e vai, na maior cara de pau, fazer-se de coitadinho. Assistir de longe o "politicamente correto" já é irritante, ter de vivê-lo no dia a dia me tira do sério.

[Sobre "Duros tempos da vida moderna"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
20/2/2011 às
19h08 200.165.160.106
 
Ninguém se salva
O que se observa é que, passada uma certa época, sempre tem alguém para valorizar o que foi feito então e criticar o que é feito atualmente. Ora, se formos rigorosos, medíocres não são apenas Xuxa, Ivete Sangalo, Luan Santana e quejandos: bem pouca coisa gravada pela Gal e pela Bethânia escapa, p. ex, e do Gilberto Gil creio que não escapa nada. O rock brasileiro sempre foi péssimo, mas hoje já tem gente falando bem daquelas bandinhas merdas dos anos 80. Daqui a 30 anos, alguém, pra dizer que os artistas de então são ruins, dirão que Xuxa e Ivete Sangalo foram brilhantes. Sabe o que penso? Falta firmeza de opinião. Quem tem coragem de dizer abertamente que João Gilberto é um pé no saco? Que a Clara Nunes era uma droga?

[Sobre "As letras de música de hoje"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
29/12/2010 às
11h44 189.25.87.225
 
Juventude ignorante
Na verdade, o cronista apresenta uma tese, mas ela é pouco plausível. Não é o que ele chama de pulverização cultural o responsável pelo divertido episódio com o Ferreira Gullar, mas sim a ignorância do jovem: na realidade, o que se tem é uma juventude profundamente ignorante. Se o poeta tivesse sido abordado por pessoas de mais idade, certamente seria reconhecido. Além do mais, antes da internet nem sempre prevaleciam os grandes: quantos nomes se consagraram na música, nas artes plásticas etc. e não passam de mediocridades? A "pulverização cultural" pelo menos abre espaço a todos, e a facilidade de obter informação na Web apenas demonstra uma vez mais a profunda ignorância da juventude, mais preocupada com os bate-papos vazios dos "chats de conversa fiada" do que com o que é de fato importante.

[Sobre "Ferreira Gullar ou João Goulart?"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
25/12/2010 às
19h05 200.165.160.106
 
Beuys é um espertinho
Num artigo falando das melhores exposições do ano não caberia citar Beuys. O que foi exposto desse "grande" artista aqui no Brasil? Latinhas enferrujadas? Pedaços de pau e folhas de jornal assinados por ele? Ou cavacos de unha do dedão do pé? Beuys não foi apenas um imbecil: mais que isso, foi um espertinho, que soube perpetuar seu nome, porque sabia que por mais tolices que fizesse, encontraria sempre "críticos" (ou criticastros?) para dar-lhe aval. Pior que ele, só Delvoye com sua "máquina de fazer cocô".

[Sobre "Melhores exposições de 2010"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
25/12/2010 às
18h54 200.165.160.106
 
Está tudo em Cidade de Deus
Se o que se vê em "Cidade de Deus" não é um ambiente sujo que retrate a realidade, e se o filme não propõe um debate, isso na visão dos referidos críticos, a minha pergunta é: onde vivem esses críticos? No Afeganistão? Terão visto o filme? Imundície e denúncia: está tudo ali. E o que o filme mostra não são produtos de uma realidade violenta: isso é discurso de antropólogos ou sociólogos pedantes: são, sim, psicopatas sanguinários que só merecem o fuzilamento sumário, pois todos ali vivem a mesma realidade, a mesma miséria, mas há muitos pais de famí­lia honestos que trabalham para sustentar sua casa sem recorrer ao crime. "Cidade de Deus" é um excelente filme.

[Sobre "Cidade de Deus: o maior barato"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
28/11/2010 à
01h55 200.165.160.106
 
Livro como objeto de arte
O livro de papel nunca vai acabar. Assim como uma pintura feita com o Photoshop nunca irá substituir um Van Gogh ou um Da Vinci, esses cacarecos eletrônicos não passam de um sucedâneo prático, sim, para os que conseguirem adaptar-se, talvez até um pouco mais baratos (embora os preços de livros que tenho visto nesse formato não se justifiquem, e recaímos na velha história dos custos), mas sem qualquer glamour. Eu não falo daquele livreco do Jorge Amado vendido promocionalmente aos quilos nas bancas de jornais: refiro-me àquela edição rara do Dom Quixote, talvez do século XVII, que num sebo eu vi ao módico preço de R$ 12.000,00 e que não terei nunca; ou mesmo edições de luxo, modernas, de grandes clássicos, que custam muito menos (cem ou duzentos reais), mas cuja beleza do acabamento técnico é tão envolvente quanto a própria obra (como uma recente edição do "Grande Sertão", de Rosa). Nesses termos, o livro não é uma simples "leitura", mas objeto de arte.

[Sobre "Cheiro de papel podre"]

por Gil Cleber
http://www.gilcleber.com.br
27/11/2010 às
08h45 200.165.160.106
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversando Sobre Sexo
Marta Suplicy
Circulo do Livro
(1983)



Moranguinho - o Dia da Colheita
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2020)



Disney Princesas - Momentos Encantados Com Globo Glitter
Disney
Dcl
(2015)



O Ninho dos Gaviões
José Maviael Monteiro
Ática
(1993)



Treinamento Profissional Em Java
Guilherme Somera
Digerati
(2006)



Quais são suas Chances? Um guia para a melhor aposta no amor, na bolsa, no jogo
Amir D. Aczel
Best Seller
(2007)



50 Anos Do Golpe -ADitadura Militar No Brasil - Historia
Varios
Abril
(2014)



2 Livros: Pierre Nozière - les Désirs de Jean Servien
Anatole France
Calmann Lévy
(1924)



A Excelência de Sri na Vadvipa Dhama a Morada Eterna do Amor
Srila Bhaktivinola Thakura
Braja
(2015)



Aventura Em Bagdá
Agatha Christie
Círculo do Livro





busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês