Cidade de Deus: o maior barato | André Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
>>> Pequena poética do miniconto
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/10/2002
Cidade de Deus: o maior barato
André Pires
+ de 4700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Eu já tinha pensado em fazer uma crítica ao filme Cidade de Deus há algum tempo, mas de repente todo mundo começou a fazer, virou modinha, então desisti.

Acabei voltando atrás em minha decisão, porém, com uma ressalva. Diferente de todos os jornais, revistas, blogs, trogs e mogs que têm por aí, farei uma crítica da crítica. Sei que li muita coisa interessante sobre o filme. Uns falando mal, outros tantas falando bem. Eu, particularmente, achei o filme muito bom. Meio que macacado de Guy Ritchie, Quentin Tarantino, mas sem perder um "quê" carioca. E, além do mais, os caras são mesmo o expoente da renovação de estilo cinematográfico do circuitão. Pelo menos no que diz respeito à estética, que fique bem claro, pois em matéria de conteúdo o cinema não-americano sempre deu de mil.

As críticas contra o filme, pelo que pude perceber, dividem-se basicamente em duas categorias: as que afirmam que o visual do filme não é cru, sujo e porco, de modo a retratar a realidade do mundo (e não submundo) da miséria brasileira. Uma espécie de sacrilégio aos deuses do Cinema Novo e a sua aclamada estética da fome. Rebato: pra mim isso é choro de velho retrógrado e saudosista. Dane-se que os diretores usaram outra fotografia que não "a crueza do Cinema Novo". Por mais que eu ache Glauber Rocha um gênio, nessa hora tenho que dizer: dane-se o Cinema Novo -inserido no contexto, pelo amor de Deus-, hoje em dia um filme com uma estética diferente da mesmice habitual (como em CDD), bonita (como em CDD), contextualizada por uma narrativa ágil e moderna (como em CDD), atrai muito mais do que se Fernando Meirelles quisesse ressuscitar a "câmera na mão e uma idéia na cabeça". Existem outras maneiras de se fazer cinema hoje em dia que são merecedoras de aplauso e admiração, e que podem atrair mais facilmente um grande número de espectadores, contribuindo não só para o sucesso financeiro da empreitada, como para uma maior exposição da discussão, pelo menos. Os tempos são outros. Parece a mãe que reclama do filho escutar tecno e não se lembra de quando seus próprios pais reclamavam do som dos Beatles.

O segundo tipo de crítica é em relação a ausência no filme de um debate, se é que se pode chamar assim, ou de cenas que mostrassem as causas daquele flagelo social que é o corpo do filme. Alguns acharam que o filme é apenas um "passeio no zoológico humano de CDD", como aqueles jipes pra gringo passear na Rocinha. Não denuncia, não critica, não propõe nada, não discute... não leva a lugar nenhum. Divertimento para classe média americanóide e boçalóide. Digo eu: primeiro que esses críticos caíram no mesmo erro de que acusam os diretores do filme. Não aproveitaram seu espaço para incutir uma crítica construtiva ou, ao menos, denunciativa das medidas econômicas e interesses transnacionais de nos manter na mais absoluta miséria e ignorância (sendo a Cidade de Deus mais um de seus inúmeros sintomas). Falaram, falaram e não disseram nada. E mais: goste ou não do filme, ache ou não que ele denuncia um flagelo sócio-econômico de nosso país, o simples fato de citá-lo e analisá-lo em sua coluna ou matéria, já é uma oportunidade de fazer com que o leitor um pouco mais interessado pense na formação e manutenção histórica de nossas condições sociais.

Se bem que o próprio escritor Paulo Lins, em entrevista a este que vos escreve, disse que a única coisa que não gostou no filme foi o fato de não ser narrada a trajetória de Dadinho até se tornar Zé Pequeno. Ele achou que dava a impressão de que os sanguinários traficantes da Cidade de Deus e outras favelas cariocas são psicopatas naturais, quando na verdade são produtos diretos de uma realidade violenta e excludente. Pude assistir a uma palestra com Katia Lund (co-diretora) e ela disse que o interessante desse filme é que ele vai além. Ele se estende para as mesas de bar, salas de universidade, etc., discutindo a questão da pobreza, da marginalidade, da exclusão social.

O livro, como sempre, é melhor. Mas eu gostei do filme. É uma boa oportunidade para se pensar e, quem sabe, agir! Quem recebe tudo mastigadinho é filho de índia peruana.


André Pires
Rio de Janeiro, 7/10/2002

Mais André Pires
Mais Acessadas de André Pires
01. Matrix, Reloaded e Revolutions - 29/5/2003
02. Só sei que nada sei - 9/12/2009
03. Em Defesa do Funk - ou nem tanto - 11/5/2001
04. Cidade de Deus: o maior barato - 7/10/2002
05. Rodrigo e a guerra - 14/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2010
01h55min
Se o que se vê em "Cidade de Deus" não é um ambiente sujo que retrate a realidade, e se o filme não propõe um debate, isso na visão dos referidos críticos, a minha pergunta é: onde vivem esses críticos? No Afeganistão? Terão visto o filme? Imundície e denúncia: está tudo ali. E o que o filme mostra não são produtos de uma realidade violenta: isso é discurso de antropólogos ou sociólogos pedantes: são, sim, psicopatas sanguinários que só merecem o fuzilamento sumário, pois todos ali vivem a mesma realidade, a mesma miséria, mas há muitos pais de famí­lia honestos que trabalham para sustentar sua casa sem recorrer ao crime. "Cidade de Deus" é um excelente filme.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
28/11/2010
12h46min
Passados oito anos o filme "Cidade de Deus", continua inteiro. A Katia Lund (co-diretora) estava certa, o filme provocou debates na sociedade. Hoje, na Cidade de Deus, a situação é outra, com a segunda UPP do Rio de Janeiro. Os crí­ticos detratores do "Cidade de Deus" devem ter odiado os "Tropa de Elite" 1 e 2, os três recordistas de público. A câmera está na mão, mas o visual é outro, a nossa terrível realidade pode ser mostrada com outras cores, passando sua mensagem, instigando o debate. Glauber aplaudiria.
[Leia outros Comentários de José Frid]
29/11/2010
12h11min
Um filme traçado no chão da realidade.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Presente a Dádiva Que Abençoa a Quem o Dá
R. R. Soares
Graça Editorial
(2000)



Marketing de Relacionamento e Competição Em Tempo Real Com Crm
M. Bretzke
Atlas
(2000)



O Desafio do Fórum Social Mundial - um Modo de Ver
Chico Whitaker Prefácio de Oded Grajew
Perseu Abramo
(2005)



Pollyanna - the Heinle Reading Library Series
Eleanor H. Porter
Cengage
(2009)



Três Estilos de Mulher - a Domestica. Col o Mundo Hoje Nr 39
Susana Pravaz
Paz e Terrra
(1981)



Brinque-book Conta Fábulas: o Conselho do Leão e Outras Histórias
Bob Hartman, Susie Poole
Brinque Book
(2002)



A Dinâmica do Amor 3ªed. 1984
Yves S. Arnaud
Paulinas
(1984)



Coleção Supergasbras Salgadinhos
Gold Editora
Gold
(2011)



Alegria e Triunfo
Lourenço Prado
Pensamento
(2012)



Pintura Aventura
Katia Canton
Dcl
(2009)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês