Matrix, Reloaded e Revolutions | André Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/5/2003
Matrix, Reloaded e Revolutions
André Pires

+ de 7000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

De imediato, posso dizer que a seqüência não chega aos pés de seu antecessor. Fato: o original Matrix não foi criado para ser parte de uma trilogia, foi um filme redondo e fechado perfeitamente. Brilhante na proposta de unir harmonicamente filosofia, kung-fu à la filmes B orientais, misticismo e religião, em um enredo de ficção científica que deu novo sentido ao "estilo" cyberpunk.

Reloaded tenta ser uma continuação à altura do primeiro, e é aí que jaz seu maior erro. Devido às revelações finais de Matrix, não seria possível uma continuação da história sem que uma barra fortíssima fosse forçada dentro do argumento proposto. Neo se mostrou uma espécie de super-homem virtual, com plena consciência de suas capacidades ilimitadas. Como algum tipo de desafio poderia ser oferecido a um protagonista dessa magnitude, em uma seqüência? Sendo Neo consciente de que vive em um mundo de faz de conta, em que qualquer ação ou reação ao seu "eu" pode ser manipulada por ele mesmo, ele poderia simplesmente se fazer invisível, metamorfo, musculoso ou mais bronzeado. Pelo que entendo ele poderia andar pelado pelo mundo virtual e, quando chegassem dez trilhões de agentes Smith, ele simplesmente voaria para longe em direção ao local mais próximo onde pudesse se desconectar da Matrix.

Esta prerrogativa criada pelo primeiro filme esvazia a sua seqüência de uma série de possibilidades, mesmo considerando que se trata de um mundo fantasioso de ficção científica. Para trazer a público uma continuação linear, de uma história já encerrada em todas as suas vertentes (filosóficas, espirituais, etc.), os roteiristas teriam que extrapolar a narrativa, projetando novas questões mirabolantes em seu criativo universo.

Para tentar criar uma história tão grandiosa quanto a do primeiro filme, os irmãos Wachowski (roteiristas e diretores) viajaram fundo nas ilimitadas possibilidades do roteiro inicial, única forma de levar adiante o sucesso multimilionário de sua empreitada. Para isso criaram dois grandes trunfos para a segunda versão (se você não viu o filme pare de ler agora): o predestinado como anomalia já prevista pela Matrix e a nova teoria da "Matrix dentro da Matrix" (ou Matrix Shell, como os americanos a estão chamando). Juntamente com o exagero e a gratuidade das seqüências de ação, esta megalomania nas novas questões faz com que Reloaded peque pelo excesso.

A narrativa, um dos grandes trunfos do original Matrix, está esvaziada quase por completo. A nova trama parece que foi criada unicamente para apresentar as situações de luta e as perseguições fantásticas, o link entre elas não passa de um bando de desculpas esfarrapadas. Acaba sendo necessária a aparição do tal "Arquiteto" para explicar toda a situação. Ele faz, em uma única e exaustiva cena, tudo aquilo que a narrativa deveria ter feito de uma forma harmônica e progressiva: apresenta e explica toda a série de novidades metafísico-virtuais-tecnológicas que compõem a problemática central do filme. Totalmente diferente do primeiro, onde as questões apresentadas eram, pouco a pouco, desvendadas pelo personagem (e pelos espectadores) de uma forma seqüencial, levando a um crescendo de descobertas e profundidade da trama até atingir o clímax com a revelação final.

Reloaded não convence. Nem mesmo consegue ser suave como mera trama seqüencial redonda, como em outras trilogias (Guerra nas Estrelas, X-Men2, etc.).

Reloaded e Revolution não são dois filmes redondos e terminados que estão inseridos em uma trama maior: são um filme só, de seis horas, que foi cortado ao meio. Filhos bastardos de um original brilhante que não deveria ter sido vítima da ambição gananciosa de gerar mais frutos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor, que assina o blog Lanho.


André Pires
Rio de Janeiro, 29/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
03. Cidade surreal de Elisa Andrade Buzzo
04. A firma como ela é de Adriane Pasa
05. Concurso literário, caminho para a publicação de Eugenia Zerbini


Mais André Pires
Mais Acessadas de André Pires
01. Matrix, Reloaded e Revolutions - 29/5/2003
02. Só sei que nada sei - 9/12/2009
03. Em Defesa do Funk - ou nem tanto - 11/5/2001
04. Cidade de Deus: o maior barato - 7/10/2002
05. Rodrigo e a guerra - 14/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/6/2003
14h40min
Creio que vc deveria se informar melhor sobre a origem do filme matrix. não tenho a fonte agora, mas com certeza o filme foi concebido como uma trilogia, mas a produtora não quis se comprometer com um projeto tão incerto. por isso deu dinheiro somente para um filme e assim matrix se fez. mas, é claro, isso é detalhe.
[Leia outros Comentários de Bruno]
9/7/2003
17h35min
Matrix é a linguagem da internet. Rica em possibilidades mas que nos induz a superficialidade. Fragmentado. Agradável aos olhos. Para saber mais é preciso clicar mais: seja no site, animatix ou em outro meio que ainda há de vir.
[Leia outros Comentários de Patrícia Machado]
4/8/2003
00h41min
O bruno ta certo, Matrix era uma trilogia desde o inicio, e algumas partes foram explicadas tambem de modo gradual e nao somente pelo arquiteto. E nao tem nada de excesso. Se ele poderia ficar invisivel ou amorfo eu nao sei, mas eh provavel que sim, mas se fizesse tudo isso ficaria muito sem graça, eu acho legal as lutas e a perseguição, sao as cenas q mais gosto.
[Leia outros Comentários de Rogerio]
6/12/2003
21h05min
Enfatizo a informação citada nos outros comentários: Matrix é uma trilogia. Não foi originalmente anunciada como tal porque a Warner teve dúvidas em relação ao sucesso do primeiro filme. Discordo também que Reloaded foi despropositado, ele foi feito para levantar mais dúvidas do que respostas, respostas essas que não foram totalmente explicadas pelo Arquiteto, nos forçando a assistir Revolutions, esse sim, a grande decpeção, pois, não respondeu de forma satisfatória as dúvidas levantadas em Reloaded. Confesso que saí muito decepcionado do cinema, pois foi perdida a chance de se criar o primeiro grande mito do cinema no século XXI. Infelizmente se preocuparam com o lucro nas bilheterias e com efeitos especiais mirabolantes, cito por exemplo a tão comentada "Superbriga" entre Neo e Smith, que não é diferente do que qualquer episódio de Dragon Ball ou Cavaleiros do Zodíaco. Agora se comenta muito na possibilidade de um novo Matrix, aí sim, é admitir o fracasso de Revolutions.
[Leia outros Comentários de Adriano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conspiração
John Hersey
Bloch
(1972)



Congo
Michael Crichton
círculo do livro
(1980)



O Falecido Mattia Pascal / Seis Personagens à Procura de um Autor
Pirandello
Abril
(1978)



Coringa: Arte de Lee Bermejo
Brian Azzarello
Panini Comics
(2015)



Alma e Coração
Francisco Cândido Xavier
pensamento



Raiva e Retorno À Calma - Volume 3 Coleção Cadernos das Emoções
Isabelle Filliozart; Virginie Limousin; éric Veilé
Ftd
(2019)



Livro - A Revolução Inglesa - Col. Tudo é História - Volume 82
José Jobson de Andrade Arruda
Brasiliense
(1990)



Angry Birds Dedoche - Red ao Resgate!
Tradução Sara G. Martins
Vale das Letras
(2014)



Amor e Ambição Pelo Espírito Helena
Maria Nazareth Dória
lúmen
(2003)



Introduçao a Sociologia
Persio Santos de Oliveira
Atica
(2008)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês