Matrix, Reloaded e Revolutions | André Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/5/2003
Matrix, Reloaded e Revolutions
André Pires

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

De imediato, posso dizer que a seqüência não chega aos pés de seu antecessor. Fato: o original Matrix não foi criado para ser parte de uma trilogia, foi um filme redondo e fechado perfeitamente. Brilhante na proposta de unir harmonicamente filosofia, kung-fu à la filmes B orientais, misticismo e religião, em um enredo de ficção científica que deu novo sentido ao "estilo" cyberpunk.

Reloaded tenta ser uma continuação à altura do primeiro, e é aí que jaz seu maior erro. Devido às revelações finais de Matrix, não seria possível uma continuação da história sem que uma barra fortíssima fosse forçada dentro do argumento proposto. Neo se mostrou uma espécie de super-homem virtual, com plena consciência de suas capacidades ilimitadas. Como algum tipo de desafio poderia ser oferecido a um protagonista dessa magnitude, em uma seqüência? Sendo Neo consciente de que vive em um mundo de faz de conta, em que qualquer ação ou reação ao seu "eu" pode ser manipulada por ele mesmo, ele poderia simplesmente se fazer invisível, metamorfo, musculoso ou mais bronzeado. Pelo que entendo ele poderia andar pelado pelo mundo virtual e, quando chegassem dez trilhões de agentes Smith, ele simplesmente voaria para longe em direção ao local mais próximo onde pudesse se desconectar da Matrix.

Esta prerrogativa criada pelo primeiro filme esvazia a sua seqüência de uma série de possibilidades, mesmo considerando que se trata de um mundo fantasioso de ficção científica. Para trazer a público uma continuação linear, de uma história já encerrada em todas as suas vertentes (filosóficas, espirituais, etc.), os roteiristas teriam que extrapolar a narrativa, projetando novas questões mirabolantes em seu criativo universo.

Para tentar criar uma história tão grandiosa quanto a do primeiro filme, os irmãos Wachowski (roteiristas e diretores) viajaram fundo nas ilimitadas possibilidades do roteiro inicial, única forma de levar adiante o sucesso multimilionário de sua empreitada. Para isso criaram dois grandes trunfos para a segunda versão (se você não viu o filme pare de ler agora): o predestinado como anomalia já prevista pela Matrix e a nova teoria da "Matrix dentro da Matrix" (ou Matrix Shell, como os americanos a estão chamando). Juntamente com o exagero e a gratuidade das seqüências de ação, esta megalomania nas novas questões faz com que Reloaded peque pelo excesso.

A narrativa, um dos grandes trunfos do original Matrix, está esvaziada quase por completo. A nova trama parece que foi criada unicamente para apresentar as situações de luta e as perseguições fantásticas, o link entre elas não passa de um bando de desculpas esfarrapadas. Acaba sendo necessária a aparição do tal "Arquiteto" para explicar toda a situação. Ele faz, em uma única e exaustiva cena, tudo aquilo que a narrativa deveria ter feito de uma forma harmônica e progressiva: apresenta e explica toda a série de novidades metafísico-virtuais-tecnológicas que compõem a problemática central do filme. Totalmente diferente do primeiro, onde as questões apresentadas eram, pouco a pouco, desvendadas pelo personagem (e pelos espectadores) de uma forma seqüencial, levando a um crescendo de descobertas e profundidade da trama até atingir o clímax com a revelação final.

Reloaded não convence. Nem mesmo consegue ser suave como mera trama seqüencial redonda, como em outras trilogias (Guerra nas Estrelas, X-Men2, etc.).

Reloaded e Revolution não são dois filmes redondos e terminados que estão inseridos em uma trama maior: são um filme só, de seis horas, que foi cortado ao meio. Filhos bastardos de um original brilhante que não deveria ter sido vítima da ambição gananciosa de gerar mais frutos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor, que assina o blog Lanho.


André Pires
Rio de Janeiro, 29/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
02. O feitiço do tempo de Renato Alessandro dos Santos
03. Uma derrota moral de Daniela Sandler
04. A nova escola de Urariano Mota
05. Um imenso Portugal de Adriana Baggio


Mais André Pires
Mais Acessadas de André Pires
01. Matrix, Reloaded e Revolutions - 29/5/2003
02. Em Defesa do Funk - ou nem tanto - 11/5/2001
03. Só sei que nada sei - 9/12/2009
04. Cidade de Deus: o maior barato - 7/10/2002
05. Rodrigo e a guerra - 14/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/6/2003
14h40min
Creio que vc deveria se informar melhor sobre a origem do filme matrix. não tenho a fonte agora, mas com certeza o filme foi concebido como uma trilogia, mas a produtora não quis se comprometer com um projeto tão incerto. por isso deu dinheiro somente para um filme e assim matrix se fez. mas, é claro, isso é detalhe.
[Leia outros Comentários de Bruno]
9/7/2003
17h35min
Matrix é a linguagem da internet. Rica em possibilidades mas que nos induz a superficialidade. Fragmentado. Agradável aos olhos. Para saber mais é preciso clicar mais: seja no site, animatix ou em outro meio que ainda há de vir.
[Leia outros Comentários de Patrícia Machado]
4/8/2003
00h41min
O bruno ta certo, Matrix era uma trilogia desde o inicio, e algumas partes foram explicadas tambem de modo gradual e nao somente pelo arquiteto. E nao tem nada de excesso. Se ele poderia ficar invisivel ou amorfo eu nao sei, mas eh provavel que sim, mas se fizesse tudo isso ficaria muito sem graça, eu acho legal as lutas e a perseguição, sao as cenas q mais gosto.
[Leia outros Comentários de Rogerio]
6/12/2003
21h05min
Enfatizo a informação citada nos outros comentários: Matrix é uma trilogia. Não foi originalmente anunciada como tal porque a Warner teve dúvidas em relação ao sucesso do primeiro filme. Discordo também que Reloaded foi despropositado, ele foi feito para levantar mais dúvidas do que respostas, respostas essas que não foram totalmente explicadas pelo Arquiteto, nos forçando a assistir Revolutions, esse sim, a grande decpeção, pois, não respondeu de forma satisfatória as dúvidas levantadas em Reloaded. Confesso que saí muito decepcionado do cinema, pois foi perdida a chance de se criar o primeiro grande mito do cinema no século XXI. Infelizmente se preocuparam com o lucro nas bilheterias e com efeitos especiais mirabolantes, cito por exemplo a tão comentada "Superbriga" entre Neo e Smith, que não é diferente do que qualquer episódio de Dragon Ball ou Cavaleiros do Zodíaco. Agora se comenta muito na possibilidade de um novo Matrix, aí sim, é admitir o fracasso de Revolutions.
[Leia outros Comentários de Adriano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO PROCESSUAL CIVIL - 2
SIMONE DIOGO CARVALHO FIGUEIREDO / RENATO MONTANS
SARAIVA
(2009)
R$ 11,00



MANUELZÃO E MIGUILIM
GUIMARÃES ROSA
NOVA FRONTEIRA
(1984)
R$ 7,00



NOSSO SÉCULO BRASIL - 1900/1910 (1) - A ERA DOS BACHARÉIS
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 7,19



TRILHOS DE PRATA
IBIAPA MARTINS
CLUBE DO LIVRO
(1969)
R$ 5,00



COM BRASILEIRO NÃO HÁ QUEM POSSA
FATIMA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ANTUNES
UNESP
(2004)
R$ 84,99



DEMOCRACIA TOTALITÁRIA
JOÃO BERNADO
CORTEZ
(2004)
R$ 22,00



QUE É PERSONALIDADE NO BRASIL
CAMARA COMERCIAL INDUSTRIAL E ADMINISTRATIVA DE SP
EDIGRAF
R$ 22,04



TEATRO BRASILEIRO: UM PANORAMA DO SÉCULO XX
CLOVIS LEVI
FUNARTE
(1997)
R$ 19,90



MARCELINO PEDREGULHO
SEMPÉ
COSAC & NAIFY
(2011)
R$ 12,00



O QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA?
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA DE BIBLIAS / TRATADOS
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA DE
(2006)
R$ 5,00





busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês