Só sei que nada sei | André Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
44704 visitas/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo inspirado na vida cotidiana do Bixiga volta ao cartaz comemorando 28 anos do Teatro do In
>>> Semana Gastronômica do Granja
>>> Mulheres em meio ao conflito:sobre inclusão, acolhimento e sororidade incondicional
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Inteligência artificial e o fim da programação
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
Últimos Posts
>>> Toda luz que não podemos ver: política e encenação
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sites que mudaram o mundo
>>> Textos, contextos e pretextos
>>> Dicas da Semana
>>> 19 de Abril #digestivo10anos
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
>>> O sol na cabeça
>>> Ozzy e Justin Bieber
>>> André Esteves e Felipe Miranda
>>> Ave Caesar, morituri te salutant
Mais Recentes
>>> Ressonância - apresente histórias visuais que encantam o público de Nancy Duarte pela Alta Books (2012)
>>> Influencie! de Michael Pantalon pela Lua De Papel (2012)
>>> Feedback para resultados na gestão por competências pela avaliação 360º de Rogerio Leme pela Qualitymark (2012)
>>> Guia Completo da Bíblia de Seleções do Reader's Digest pela Reader's Digest (2003)
>>> Cartas Dos Campos De Batalha Do Paraguai de Richard Francis Burton pela Fisicalbook (1997)
>>> O Soldado e o Estado - teoria e política das relações entre civis e militares de Samuel P. Huntington pela Biblioteca do Exército (1996)
>>> Formação Do Oficial Do Exército de Jehovah Motta pela Biblioteca Do Exército (1998)
>>> O Sal Da Terra de Joseph Ratzinger pela Imago (1997)
>>> História Política de Sergipe 3º volume de Ariosvaldo Figueiredo pela Do Autor (1989)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 10 - geometria Espacial posição e métrica de Gelson Iezzi pela Atual (1978)
>>> Dá pra Consertar? Empresas que iam muito bem de repente passaram a ir mal de Julio Ribeiro pela Dash (2014)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 5 - Combinatória, Probabilidade de Gelson Iezzi pela Atual (1977)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 4 - Sequências, Matrizes, Determinantes, Sistemas de Gelson Iezzi pela Atual (1977)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 3 (Trigonometria) de Gelson Iezzi pela Atual (1978)
>>> Feitas para o Cliente de Roberto Meir - Daniel Domeneghetti pela Padrão Editorial (2012)
>>> O Cerne Da Discordia: A Guerra Do Paraguai E O Nucleo Profissional Do Exercito Brasileiro de Vitor Izecksohn pela Biblioteca Do Exercito (1997)
>>> Execução - A Disciplina para Atingir Resultados de Larry Bossidy - Ram Charan pela Campus (2005)
>>> Os Visitantes da Noite de James Herbert pela Best Seller (1986)
>>> Vultos do Ensino Militar de Arivaldo Fontes pela Não Indicado (1991)
>>> História de Uma Alma - manuscritos autobiográficos de Santa Teresa do menino Jesus e da Sagrada Face pela Paulinas (1975)
>>> A Revolucão Fintech - O Manual das Startups Financeiras de Susanne Chishti - Janos Barberis pela Alta Books (2017)
>>> História Militar Do Brasil. -- ( Biblioteca Do Exército. Coleção General Benício ; 366 ) de Gustavo Barroso pela Biblioteca Do Exército. Bibliex (2000)
>>> Retalhos do Passado de J. Procópio Filho pela Do Autor (1966)
>>> A Vida de Santa Filomena dd de Cônego João Carneiro pela Não Indicada (1957)
>>> Plano de negócios com o modelo Canvas - Guia Prático de avaliação de ideias de negócio a partir de exemplos de Jose Dornelas e outros pela Gen - Ltc
COLUNAS

Quarta-feira, 9/12/2009
Só sei que nada sei
André Pires
+ de 7200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Quando ainda estava na faculdade de jornalismo, muito antes de toda a celeuma em torno da obrigatoriedade do diploma, tive um momento que poderia ser classificado como uma "epifania teen". Na época e ocasião, uma máxima convenientemente me agradava: "quem faz a faculdade é o aluno". Até mesmo os professores diziam que no estágio é que se aprende, e eu, que já estava estagiando há dois anos, por que diabos perdia a manhã na aula quando podia estar na praia?

Essas teorias foram muito úteis para justificar a mim mesmo que ler toda a obra de Bill Bryson era muito mais fundamental para minha formação do que prestar atenção às aulas de Estatística ou que trancar seis meses de faculdade e ir fazer mochilão pela Europa valeria mais a pena, no final das contas. Dessa forma, posso dizer que, após todos esses anos, o que restou em minha memória em termos de conteúdo programático era aquilo que realmente importava. O que realmente iria fazer a diferença.

E talvez essa espécie de faculdade altamente específica que cursei ― ministrada e administrada por mim mesmo ― tenha sido a preparação perfeita para o tipo de trabalho/missão que estou encarando hoje. Junto com mais três amigos viajo o mundo em busca de destinos considerados perigosos ou proibidos, filmando o programa Não conta lá em casa, para o canal de TV a cabo Multishow, da NET. A premissa da série já nos levou a Mianmar, Coreia do Norte, Irã e Iraque, entre outros destinos. Mas após todo estudo teórico e preparação de vida, o preceito básico com que tento encarar todas as nossas viagens é a simples (porém nada simplista) citação de Sócrates com que esbarrei ainda em minha errática jornada universitária: "Só sei que nada sei".

Seguindo a premissa do grande filósofo, tento me despir de todo e qualquer pré-conceito (assim mesmo, com hífen) ao experimentar as diferenças, quase sempre surreais, das culturas com as quais me deparo. E aí, um livrinho que se salvou naquela seleção natural que eu promovi para a minha faculdade foi a edição de bolso de Etnocentrismo e Relativismo Cultural. Termos que parecem altamente acadêmicos, mas querem dizer nada além de que o julgamento que fazemos de qualquer cultura é formado com base em valores da nossa própria. Sendo assim, e em decorrência exatamente disso, os conceitos de bem, mal, bom, ruim, são relativos em cada sociedade. Sinceramente, depois do Lonely Planet, essa deveria ser a Bíblia (ou o Corão) do viajante com o mínimo de humildade para não só conhecer outra cultura, mas vivenciá-la de verdade.

Foi assim que tive mais facilidade em compreender, e não somente aceitar, algumas situações com as quais me deparei aí pelo mundo. Como por exemplo: que as meninas que conheci em Teerã continuariam a usar o véu mesmo lutando e arriscando a vida em passeatas contra o governo pelo direito de não usá-lo. Que mesmo tendo parentes assassinados, sua casa invadida e seu país destruído, um iraquiano fazia questão de absolver os EUA, especificamente, de culpa. Que a nossa guia coreana, uma jovem de 27 anos, estava mais interessada em saber sobre o sistema de ensino público do Brasil do que conhecer mais daquele som estranho que apresentamos a ela: o rock'n'roll.

É quase impossível comparar o valor das diferentes formas de experiência cultural que vivemos quando se viaja de uma forma tão específica e não usual como a nossa, seja por nossos objetivos ou, principalmente, pelos próprios destinos por onde passamos e situações em que nos colocamos. Não foram poucas as vezes em que um encontro casual ou um passeio totalmente fora do circuito mais óbvio rendeu muito mais ― não só para nossas pretensões profissionais, mas também pessoais ―, que uma ida a um grande centro histórico. No Irã, visitamos as ruínas históricas e arrebatadoras de Persépolis, mas também batemos uma bola na calçada com um garotinho de pouco mais de seus oito anos de idade num dia em que nenhum adulto se arriscava sair à rua durante o dia devido ao calor de mais de 45 graus que fazia. É impossível fazer um juízo de valor entre as duas situações. Quantas leituras são possíveis de se fazer ao analisar o contexto desse menininho brincando tranquilo e em paz com sua bola em uma viela deserta, praticando o milenar e milionário esporte bretão em um país considerado berço de fanáticos religiosos e terroristas em potencial?

Na Coreia do Norte, após dias e dias de passeios oficiais pelos mais variados e grandiosos monumentos, conseguimos finalmente trocar uma ideia de forma mais informal com nossa jovem guia oficial enviada pelo governo norte-coreano. E ouvir da boca dela perguntas aflitas sobre o que o mundo achava dos testes nucleares realizados por seu país, o que era Seinfeld, ou como funcionava uma discoteca com certeza foram mais úteis para que formássemos uma visão mais precisa de seu país do que qualquer visita a estátua e suas explicações históricas ensaiadas. Sem grandes pretensões, mas com enormes indagações. Com muita base de pesquisa para fazer as perguntas certas, mas muita humildade para reconhecer que essas perguntas talvez não fossem as mais certas em determinadas ocasiões. A ideia é chegar de peito aberto para o bem ou para o mal.

Uma câmera na mão e nenhuma ideia na cabeça. Esta é a forma com que pretendo continuar a encarar todas as minhas viagens durante este projeto. Deixarei que os personagens que cruzam meu caminho por esses países tão inusitados sejam os responsáveis pela formação crítica de meus conceitos sobre as suas culturas. Pois eu só sei que nada sei.

Nota do Editor
Leia também "Sombras Persas (I)" e "Um brasileiro no Uzbequistão (I)".


André Pires
São Paulo, 9/12/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Memória externalizada de Wellington Machado
02. Ode ao outono de Elisa Andrade Buzzo
03. Pressione desfazer para viver de Ana Elisa Ribeiro
04. Coisa de menino de Ana Elisa Ribeiro
05. Eu não uso brincos de Ana Elisa Ribeiro


Mais André Pires
Mais Acessadas de André Pires
01. Matrix, Reloaded e Revolutions - 29/5/2003
02. Só sei que nada sei - 9/12/2009
03. Em Defesa do Funk - ou nem tanto - 11/5/2001
04. Cidade de Deus: o maior barato - 7/10/2002
05. Rodrigo e a guerra - 14/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/12/2009
07h30min
A teoria não pode apartar-se da prática. A teoria, somente, é inútil. E a prática, sem a teoria, desarticula o olhar, o foco, e não direciona a vida de quem escreve...
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
14/12/2009
13h35min
Se os alunos fazem a escola, por que não dá para aprender na escola o que se aprende no estágio? Se tem tanta coisa para aprender no estágio, por que não ensinar na escola? Será que os professores teimam em atrapalhar? Cada professor individualmente, ou só quando se juntam na "burocra" universitária? Já nas meninas de Teerã não vejo contradição. O pai de uma amiga minha ia sempre com a esposa à parada gay, já na casa dos 80. Liberdade é liberdade para todos, com ou sem véu.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Histórias Que a Umbanda nos Conta
Marco Boeing
Coração Brasil
(2008)



/Mônica Nº 179
Mauricio de Souza
Globo
(2001)



Livro Literatura Estrangeira An Abundance of Katherines
John Green
Speak
(2006)



Toda Mulher Tem 7 Homens autógrafo da autora
Vera Lucas
Vermelho marinho
(2012)



D. Pedro I e o Brasil - Revisão da História
Avertano Cruz
Pallas
(1981)



Amar de Novo
Danielle Steel
Record
(1987)



O Fabuloso Patrocínio Filho 311
R. Magalhães Júnior
Lisa



A Vida dos Invertebrados
F.Harvey Pough / Christiane M. Janis/ John B. Heiser
Atheneu
(2008)



Memória, História e Imaginação
Teócrito Abritta
Oficina do Livro



Golpe de Vista
Palaoro
Atual
(2010)





busca | avançada
44704 visitas/dia
2,9 milhões/mês