Só sei que nada sei | André Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trilogia Evil Dead
>>> Joaquim Roriz
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
Mais Recentes
>>> Turismo. Princípios, práticas e filosofias. de Charles R. Goeldner, J.R. Brent Ritchie e Robert W. McIntosh pela Bookman (2002)
>>> Brasil : uma história. Cinco séculos de um País em contrução. de Eduardo Bueno pela Leya (2010)
>>> Historia da aeronáutica de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/12/2009
Só sei que nada sei
André Pires

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Quando ainda estava na faculdade de jornalismo, muito antes de toda a celeuma em torno da obrigatoriedade do diploma, tive um momento que poderia ser classificado como uma "epifania teen". Na época e ocasião, uma máxima convenientemente me agradava: "quem faz a faculdade é o aluno". Até mesmo os professores diziam que no estágio é que se aprende, e eu, que já estava estagiando há dois anos, por que diabos perdia a manhã na aula quando podia estar na praia?

Essas teorias foram muito úteis para justificar a mim mesmo que ler toda a obra de Bill Bryson era muito mais fundamental para minha formação do que prestar atenção às aulas de Estatística ou que trancar seis meses de faculdade e ir fazer mochilão pela Europa valeria mais a pena, no final das contas. Dessa forma, posso dizer que, após todos esses anos, o que restou em minha memória em termos de conteúdo programático era aquilo que realmente importava. O que realmente iria fazer a diferença.

E talvez essa espécie de faculdade altamente específica que cursei ― ministrada e administrada por mim mesmo ― tenha sido a preparação perfeita para o tipo de trabalho/missão que estou encarando hoje. Junto com mais três amigos viajo o mundo em busca de destinos considerados perigosos ou proibidos, filmando o programa Não conta lá em casa, para o canal de TV a cabo Multishow, da NET. A premissa da série já nos levou a Mianmar, Coreia do Norte, Irã e Iraque, entre outros destinos. Mas após todo estudo teórico e preparação de vida, o preceito básico com que tento encarar todas as nossas viagens é a simples (porém nada simplista) citação de Sócrates com que esbarrei ainda em minha errática jornada universitária: "Só sei que nada sei".

Seguindo a premissa do grande filósofo, tento me despir de todo e qualquer pré-conceito (assim mesmo, com hífen) ao experimentar as diferenças, quase sempre surreais, das culturas com as quais me deparo. E aí, um livrinho que se salvou naquela seleção natural que eu promovi para a minha faculdade foi a edição de bolso de Etnocentrismo e Relativismo Cultural. Termos que parecem altamente acadêmicos, mas querem dizer nada além de que o julgamento que fazemos de qualquer cultura é formado com base em valores da nossa própria. Sendo assim, e em decorrência exatamente disso, os conceitos de bem, mal, bom, ruim, são relativos em cada sociedade. Sinceramente, depois do Lonely Planet, essa deveria ser a Bíblia (ou o Corão) do viajante com o mínimo de humildade para não só conhecer outra cultura, mas vivenciá-la de verdade.

Foi assim que tive mais facilidade em compreender, e não somente aceitar, algumas situações com as quais me deparei aí pelo mundo. Como por exemplo: que as meninas que conheci em Teerã continuariam a usar o véu mesmo lutando e arriscando a vida em passeatas contra o governo pelo direito de não usá-lo. Que mesmo tendo parentes assassinados, sua casa invadida e seu país destruído, um iraquiano fazia questão de absolver os EUA, especificamente, de culpa. Que a nossa guia coreana, uma jovem de 27 anos, estava mais interessada em saber sobre o sistema de ensino público do Brasil do que conhecer mais daquele som estranho que apresentamos a ela: o rock'n'roll.

É quase impossível comparar o valor das diferentes formas de experiência cultural que vivemos quando se viaja de uma forma tão específica e não usual como a nossa, seja por nossos objetivos ou, principalmente, pelos próprios destinos por onde passamos e situações em que nos colocamos. Não foram poucas as vezes em que um encontro casual ou um passeio totalmente fora do circuito mais óbvio rendeu muito mais ― não só para nossas pretensões profissionais, mas também pessoais ―, que uma ida a um grande centro histórico. No Irã, visitamos as ruínas históricas e arrebatadoras de Persépolis, mas também batemos uma bola na calçada com um garotinho de pouco mais de seus oito anos de idade num dia em que nenhum adulto se arriscava sair à rua durante o dia devido ao calor de mais de 45 graus que fazia. É impossível fazer um juízo de valor entre as duas situações. Quantas leituras são possíveis de se fazer ao analisar o contexto desse menininho brincando tranquilo e em paz com sua bola em uma viela deserta, praticando o milenar e milionário esporte bretão em um país considerado berço de fanáticos religiosos e terroristas em potencial?

Na Coreia do Norte, após dias e dias de passeios oficiais pelos mais variados e grandiosos monumentos, conseguimos finalmente trocar uma ideia de forma mais informal com nossa jovem guia oficial enviada pelo governo norte-coreano. E ouvir da boca dela perguntas aflitas sobre o que o mundo achava dos testes nucleares realizados por seu país, o que era Seinfeld, ou como funcionava uma discoteca com certeza foram mais úteis para que formássemos uma visão mais precisa de seu país do que qualquer visita a estátua e suas explicações históricas ensaiadas. Sem grandes pretensões, mas com enormes indagações. Com muita base de pesquisa para fazer as perguntas certas, mas muita humildade para reconhecer que essas perguntas talvez não fossem as mais certas em determinadas ocasiões. A ideia é chegar de peito aberto para o bem ou para o mal.

Uma câmera na mão e nenhuma ideia na cabeça. Esta é a forma com que pretendo continuar a encarar todas as minhas viagens durante este projeto. Deixarei que os personagens que cruzam meu caminho por esses países tão inusitados sejam os responsáveis pela formação crítica de meus conceitos sobre as suas culturas. Pois eu só sei que nada sei.

Nota do Editor
Leia também "Sombras Persas (I)" e "Um brasileiro no Uzbequistão (I)".


André Pires
Rio de Janeiro, 9/12/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amor, sublime Amor de Isabella Ypiranga Monteiro


Mais André Pires
Mais Acessadas de André Pires
01. Matrix, Reloaded e Revolutions - 29/5/2003
02. Em Defesa do Funk - ou nem tanto - 11/5/2001
03. Só sei que nada sei - 9/12/2009
04. Cidade de Deus: o maior barato - 7/10/2002
05. Rodrigo e a guerra - 14/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/12/2009
07h30min
A teoria não pode apartar-se da prática. A teoria, somente, é inútil. E a prática, sem a teoria, desarticula o olhar, o foco, e não direciona a vida de quem escreve...
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
14/12/2009
13h35min
Se os alunos fazem a escola, por que não dá para aprender na escola o que se aprende no estágio? Se tem tanta coisa para aprender no estágio, por que não ensinar na escola? Será que os professores teimam em atrapalhar? Cada professor individualmente, ou só quando se juntam na "burocra" universitária? Já nas meninas de Teerã não vejo contradição. O pai de uma amiga minha ia sempre com a esposa à parada gay, já na casa dos 80. Liberdade é liberdade para todos, com ou sem véu.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Die Bodenreform in Der Britischen Zone 1945-1949
Gunter J. Trittel
Deutsche Verlags-anstalt
(1975)



Sap Interface Programming
Michael Wegelin/michael Englbrecht
Galileo Press
(2008)



Changer En Douceur: a La Recherche de Léquilibre
Alain Rochon
Les Editions de Lhomme
(1995)



Reumato Volume 2 - as Colagenoses
Equipe Medcurso
Medcurso
(2012)



Memórias Inacabadas - Obra Póstuma
Humberto de Campos
W. M. Jackson
(1945)



História Viva Mitologia 2 - as Leis do Olimpo
Thomas Bulfinch
Duetto



Depois do Silêncio
Raul Marques
7 Letras
(2009)



Doenças Infecciosas e Parasitárias
Ricardo Veronesi
Guanabara Koogan
(1962)



Legends of the Ferengi (star Trek: Deep Space Nine)
Ira Steven Behr, Robert Hewitt Wolfe
Pocket Books
(1997)



Você Meu Filho
Jean Bothorel
Brasiliense
(1986)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês