Duros tempos da vida moderna | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/2/2011
Duros tempos da vida moderna
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2800 Acessos
+ 3 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

O coração bate mais forte, as pupilas se dilatam, as mãos se movimentam em manobras precisas e ele solta um urro de satisfação. Tal qual tubarão rondando sua presa submersa, pois estamos realmente mergulhados, não no mar, mas na terra úmida, cercados de tubos, canos, concreto, cancelas, levemente asfixiados pelo pesado ar subterrâneo, pressentimos quem sai da toca, se aproxima, para então abocanhar a fina mercadoria prestes a ser liberada: uma vaga!

Antigamente, mas nem tão antigamente assim, a situação era diferente ― os estacionamentos dos shoppings eram amplos, ao ar livre e gratuitos. Aliás, parece que foi no Paleolítico que nosso ancestral nômade, um caçador disputando por espaços privilegiados, comportava-se de forma mais agressiva e instintiva. O que aconteceu então para essa volta ao passado? O que fez de nós vorazes perscrutadores de vagas de estacionamento de shopping?

O paulistano frequenta cada vez mais suas praias artificiais, assim como o número delas na cidade nos últimos anos só fez aumentar. E do mesmo modo as expansões dos shoppings centers estão acontecendo, sujeitas a mais expansão ainda. Só que tudo isso se deu sem o aumento do número de vagas de estacionamento. Até mesmo os shoppings interligados em estações do metrô têm seus parques lotados.

A mania VIP é mais uma idiossincrasia a ser considerada de tais estacionamentos. O espaço para essas vagas ― com manobrista, sala de espera, parede de MDF, e o que mais inventarem para justificarem o preço e a exclusividade de serviços irrelevantes ― aumentou, em detrimentos daquelas dos pobres mortais. Nada mais justo numa sociedade marcada pela concentração de renda ― tirar da cesta dos pequenos para colocar no saco dos grandes, afinal não há batatas em abundância para todos. Para começo de conversa, logo que o homem atual emboca o carro na entrada do estacionamento ele se dá conta de que acaba de ser relegado a uma segunda categoria. Pois se nos trens, navios e aviões há a primeira e a segunda classe, por que nos estacionamentos não haveria essas distinções que o dinheiro trata de enaltecer? Assim, enquanto alguns tem a sua caverna muito importante, outros neandertais vociferam na louca caça por abrigo.

Semana retrasada acabou dando em briga feia um cadeirante indignado com o uso indevido de uma vaga especial por um delegado, em São José dos Campos. Não é para menos. Hoje em dia, os nervos afloram quando se trata do assunto. Também já fiquei muitas vezes indignada, clava em punho, vendo falsos velhinhos embicarem nas vagas de idosos, na maior cara dura. Isso me faz lembrar que, de uma hora para outra, reparo no surgimento de uma miríade de vagas diferenciadas ― para gestantes, idosos, portadores de deficiência física. O desenho no asfalto identificando a vaga para idosos, por exemplo, é uma imagem humana digna das pinturas rupestres: a representação simplificada, restrita a mínimos traços, de um homem encurvado portando uma bengala. E a da gestante então, uma grande barriga como a da Vênus de Laussel, encontrada na Dordonha, uma das mais antigas esculturas pré-históricas que conhecemos.

Pergunto-me, caso essa imagem descolar-se do asfalto ― imbuída da magia que os hominídeos acreditavam incutir nas pinturas, cuja imagem se constituía em potencial realidade ―, como este senhor conseguiria dirigir e andar longamente pelo shopping, se ele sequer pode andar uns poucos metros a mais para sair do estacionamento. Disseram-me que a vaga seria não para quem dirige o veículo mas para o passageiro. Hum. Imagino: um dia serão todas as vagas especiais? Alguns seres humanos, ou seja lá qual for a espécie dominante, acabarão por fim destituídos do estacionamento? Ou quem sabe chegará o utópico momento comunista das vagas, em que todos os homens finalmente serão iguais e não distinguidos por suas condições, sejam corporais ou materiais? Aí, sim, o mundo voltará aos seus primórdios de pangeia democrática, e os parques serão grandes espaços indistintos, sem riscas nem desenhos patéticos.

Decididamente, foram-se os tempos em que era só chegar e... estacionar. Qual a origem dessa ontológica insistência em se meter em enrascadas e seguir trepando em minhocas de cinco andares? É a busca por frutos pouco frescos, carne congelada, mas cômoda; o espírito aventureiro que fala mais alto? Passamos pelo vexame de rosnar para o outro, e mesmo nos colocamos em uma infantil disputa sobre quem chegou primeiro, quem viu primeiro ou mesmo quem deu seta primeiro por uma vaga. O passeio deixou de ser divertido para virar suplício.

Mas a fabulosa epopeia Estacionar em Shoppings Centers da Capital Paulista nas Noites das Sextas-Feiras e Sábados ainda não acabou. Às 22h30 a carruagem vira abóbora, então, na saída congestionada deste estafante labirinto, após breve esquecimento, voltamos a nos perguntar: o que viemos fazer aqui de tão importante assim? Por que não viemos a pé ou não paramos simplesmente na rua? Por que volvemos às mesmas situações sabendo de seus riscos e perdas? Porque o homem continua incorrigível. E, mais uma vez, mamutes, minotauros, tiranossauros e toda uma fauna animalesca pronta a nos abater em manobras!


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 3/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
02. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
03. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
04. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
05. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
02. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/2/2011
17h58min
Tenho a impressão de que no passado havia uma rigidez, devido ao processo de educação centralizado na família, e quase uma ordem unida a ser cumprida por cada um. Hoje sinto que há um processo de liberdade, de conscientização das necessidades do próximo. Porém, há uma pervesidade, em que as pessoas usam e abusam de estacionamento privativo, pra idoso ou deficiente. Tem atitudes mais violentas em relação ao próximo. E isto é quase que a certeza de que o ser humano é entre todos os animais o que usa mais o cérebro, raciocina friamente, e mantém um olhar que parece destruir o próximo. Negando as palavras, ditas e repetidas, em todos os cultos religiosos. Ame o seu próximo como a si mesmo e tenha a consciência de um Criador sobre todas as coisas. Mas isto são apenas repetições; na prática, se puder, esbofeteie, violente o próximo e depois beije.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
8/2/2011
20h06min
Bom, tudo isso é verdade, e é consequência da concentração populacional. Quanto mais gente morando no mesmo condomínio, maior o trânsito na rua da frente, maior a fila do mercado, e maior também o número de carros no ponto de encontro comum (no caso, o shopping). Quando apareceram os primeiros estacionamentos cobertos, acharam um absurdo, uma frescura. Hoje, eles são uma necessidade. Estamos virando uma Cingapura com uma área 100x maior que sua contraparte original. O caos urbano só vai diminuir quando as pessoas começarem a ter acesso a todas as suas necessidades (escola, alimentação, trabalho e diversão) com uma simples caminhada.
[Leia outros Comentários de Rafael Xicão]
20/2/2011
19h08min
Creio que o mal está no fato de idosos, deficientes físicos e grávidas hoje em dia serem tratados como "coitadinhos", e o pior é que eles parecem gostar do tratamento. Indignado fico eu, por exemplo, na fila do banco, vendo um monte de gente ocupada ficar para trás enquanto um velhote que nada mais tem a fazer na vida a não ser viver sem fazer nada passa na frente de todo mundo e vai, na maior cara de pau, fazer-se de coitadinho. Assistir de longe o "politicamente correto" já é irritante, ter de vivê-lo no dia a dia me tira do sério.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FILHA DO FABRICANTE DE FOGOS DE ARTIFÍCIO
PHILIP PULLMAN; HELOISA MARIA LEAL
BERTRAND BRASIL
(2007)
R$ 60,79



4 VOLS. COLEÇÃO DO SERINGUEIRO PARA SERINGUEIRO - MISTÉRIOS DA MATA
HÉLIO MELO
BOBGRAF / PREVIEW
(1996)
R$ 120,00



O ROMANCE ESTA MORRENDO? - COLEÇÃO LEITURA
FERENCE FEHER
PAZ E TERRA
(1997)
R$ 9,51



PORTO PATRIMÔNIO CULTURAL DA HUMANIDADE - ESPAÇOS E MONUMENTOS CLASSIF
MANUEL DIAS/ ANDRÉ PREGITZER (CAPA DURA)
BAVIERA
(1999)
R$ 36,82



POR TRÁS DOS VIDROS
MODESTO CARONE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 27,00



GARRA DE CAMPEÃO
MARCOS REY
ED. ÁTICA
R$ 5,90



ÁGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 5,00



THE PRODIGAL SPY
JOSEPH KANON
BROADWAY
(1998)
R$ 25,00



THE FIRE SERMON
FRANCESCA HAIG
GALLERY BOOKS
(2015)
R$ 45,00



O ÚLTIMO OLIMPIANO - PERCY JACKSON E OS OLIMPIANOS
RICK RIORDAN
INTRINSECA
(2010)
R$ 14,96





busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês