Duros tempos da vida moderna | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
>>> Performer e dançarina Morgana Apuama apresenta a obra 'Risko'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e o amor virtual
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Outra Praia, de Swami Jr.
>>> Minha formatura
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A extraordinária Nina
>>> Pensamentos & Pedidos
Mais Recentes
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Abril Cultural (1981)
>>> Dark City Jogo de Gustavo Barreto pela Funbox (2021)
>>> Naruto Guia Oficial de Personagens o Livro Secreto da Formação de Masashi Kishimoto pela Panini (2021)
>>> O Pistoleiro a Torre Negra Vol I de Stephen King pela Objetiva (2004)
>>> Gabriela Cravo e Canela de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> Abc de Castro Alves de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> O Que as Mulheres Querem ? de Paco Underhill pela Campus (2010)
>>> Dona Flor e Seus Dois Maridos de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> Historia da criação do ensino superior no Acre de Áulio Gélio Alves de Souza pela Thesaurus (2006)
>>> O Mundo Fantástico dos Bonecos de Claudia Zarvos Consultoria e Design pela Sesc (2010)
>>> Médico de homens e de almas - a história de São Lucas de Taylor Caldwell pela Record (2018)
>>> Corpo Fala: A Linguagem Silenciosa Da Comunicação Não Verbal de Vozes pela Vozes (2021)
>>> Correio Fraterno de Feb pela Feb (2021)
>>> Um Longo Caminho para Casa de Danielle Steel pela Record Altaya (2001)
>>> Corrida Da Vida de Leader pela Leader (2021)
>>> Fora de Ordem de Woody Allen pela Agir (2007)
>>> A Ilusão de Scorpio de Robert Ludlum pela Rocco (1995)
>>> Cortázar de Dsop pela Dsop (2021)
>>> Cotidianos Educacionais de Autografia pela Autografia (2021)
>>> Falou e Disse de Francisco Cândido Xavier - Augusto Cezar Neto pela Geem (1978)
>>> Crepúsculo de Intrínseca pela Intrínseca (2021)
>>> Crepúsculo - Serie Branca de Intrínseca pela Intrínseca (2021)
>>> Criando Adolescentes de Fundamento pela Fundamento (2021)
>>> Garoto Linha Dura de Stanislaw Ponte Preta pela Círculo do Livro
>>> Criando Aulas Multimídia Com Visual Class de Giz pela Giz (2021)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/2/2011
Duros tempos da vida moderna
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3300 Acessos
+ 3 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

O coração bate mais forte, as pupilas se dilatam, as mãos se movimentam em manobras precisas e ele solta um urro de satisfação. Tal qual tubarão rondando sua presa submersa, pois estamos realmente mergulhados, não no mar, mas na terra úmida, cercados de tubos, canos, concreto, cancelas, levemente asfixiados pelo pesado ar subterrâneo, pressentimos quem sai da toca, se aproxima, para então abocanhar a fina mercadoria prestes a ser liberada: uma vaga!

Antigamente, mas nem tão antigamente assim, a situação era diferente ― os estacionamentos dos shoppings eram amplos, ao ar livre e gratuitos. Aliás, parece que foi no Paleolítico que nosso ancestral nômade, um caçador disputando por espaços privilegiados, comportava-se de forma mais agressiva e instintiva. O que aconteceu então para essa volta ao passado? O que fez de nós vorazes perscrutadores de vagas de estacionamento de shopping?

O paulistano frequenta cada vez mais suas praias artificiais, assim como o número delas na cidade nos últimos anos só fez aumentar. E do mesmo modo as expansões dos shoppings centers estão acontecendo, sujeitas a mais expansão ainda. Só que tudo isso se deu sem o aumento do número de vagas de estacionamento. Até mesmo os shoppings interligados em estações do metrô têm seus parques lotados.

A mania VIP é mais uma idiossincrasia a ser considerada de tais estacionamentos. O espaço para essas vagas ― com manobrista, sala de espera, parede de MDF, e o que mais inventarem para justificarem o preço e a exclusividade de serviços irrelevantes ― aumentou, em detrimentos daquelas dos pobres mortais. Nada mais justo numa sociedade marcada pela concentração de renda ― tirar da cesta dos pequenos para colocar no saco dos grandes, afinal não há batatas em abundância para todos. Para começo de conversa, logo que o homem atual emboca o carro na entrada do estacionamento ele se dá conta de que acaba de ser relegado a uma segunda categoria. Pois se nos trens, navios e aviões há a primeira e a segunda classe, por que nos estacionamentos não haveria essas distinções que o dinheiro trata de enaltecer? Assim, enquanto alguns tem a sua caverna muito importante, outros neandertais vociferam na louca caça por abrigo.

Semana retrasada acabou dando em briga feia um cadeirante indignado com o uso indevido de uma vaga especial por um delegado, em São José dos Campos. Não é para menos. Hoje em dia, os nervos afloram quando se trata do assunto. Também já fiquei muitas vezes indignada, clava em punho, vendo falsos velhinhos embicarem nas vagas de idosos, na maior cara dura. Isso me faz lembrar que, de uma hora para outra, reparo no surgimento de uma miríade de vagas diferenciadas ― para gestantes, idosos, portadores de deficiência física. O desenho no asfalto identificando a vaga para idosos, por exemplo, é uma imagem humana digna das pinturas rupestres: a representação simplificada, restrita a mínimos traços, de um homem encurvado portando uma bengala. E a da gestante então, uma grande barriga como a da Vênus de Laussel, encontrada na Dordonha, uma das mais antigas esculturas pré-históricas que conhecemos.

Pergunto-me, caso essa imagem descolar-se do asfalto ― imbuída da magia que os hominídeos acreditavam incutir nas pinturas, cuja imagem se constituía em potencial realidade ―, como este senhor conseguiria dirigir e andar longamente pelo shopping, se ele sequer pode andar uns poucos metros a mais para sair do estacionamento. Disseram-me que a vaga seria não para quem dirige o veículo mas para o passageiro. Hum. Imagino: um dia serão todas as vagas especiais? Alguns seres humanos, ou seja lá qual for a espécie dominante, acabarão por fim destituídos do estacionamento? Ou quem sabe chegará o utópico momento comunista das vagas, em que todos os homens finalmente serão iguais e não distinguidos por suas condições, sejam corporais ou materiais? Aí, sim, o mundo voltará aos seus primórdios de pangeia democrática, e os parques serão grandes espaços indistintos, sem riscas nem desenhos patéticos.

Decididamente, foram-se os tempos em que era só chegar e... estacionar. Qual a origem dessa ontológica insistência em se meter em enrascadas e seguir trepando em minhocas de cinco andares? É a busca por frutos pouco frescos, carne congelada, mas cômoda; o espírito aventureiro que fala mais alto? Passamos pelo vexame de rosnar para o outro, e mesmo nos colocamos em uma infantil disputa sobre quem chegou primeiro, quem viu primeiro ou mesmo quem deu seta primeiro por uma vaga. O passeio deixou de ser divertido para virar suplício.

Mas a fabulosa epopeia Estacionar em Shoppings Centers da Capital Paulista nas Noites das Sextas-Feiras e Sábados ainda não acabou. Às 22h30 a carruagem vira abóbora, então, na saída congestionada deste estafante labirinto, após breve esquecimento, voltamos a nos perguntar: o que viemos fazer aqui de tão importante assim? Por que não viemos a pé ou não paramos simplesmente na rua? Por que volvemos às mesmas situações sabendo de seus riscos e perdas? Porque o homem continua incorrigível. E, mais uma vez, mamutes, minotauros, tiranossauros e toda uma fauna animalesca pronta a nos abater em manobras!


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 3/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sejamos multiplicadores de Fabio Gomes
02. Arte que não parece arte de Gian Danton
03. O homem que enfrentou Ulisses de Luiz Rebinski Junior
04. O cientista boêmio de Guilherme Conte
05. Mané, Mané de Guga Schultze


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
02. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. Doces bárbaros - 23/6/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/2/2011
17h58min
Tenho a impressão de que no passado havia uma rigidez, devido ao processo de educação centralizado na família, e quase uma ordem unida a ser cumprida por cada um. Hoje sinto que há um processo de liberdade, de conscientização das necessidades do próximo. Porém, há uma pervesidade, em que as pessoas usam e abusam de estacionamento privativo, pra idoso ou deficiente. Tem atitudes mais violentas em relação ao próximo. E isto é quase que a certeza de que o ser humano é entre todos os animais o que usa mais o cérebro, raciocina friamente, e mantém um olhar que parece destruir o próximo. Negando as palavras, ditas e repetidas, em todos os cultos religiosos. Ame o seu próximo como a si mesmo e tenha a consciência de um Criador sobre todas as coisas. Mas isto são apenas repetições; na prática, se puder, esbofeteie, violente o próximo e depois beije.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
8/2/2011
20h06min
Bom, tudo isso é verdade, e é consequência da concentração populacional. Quanto mais gente morando no mesmo condomínio, maior o trânsito na rua da frente, maior a fila do mercado, e maior também o número de carros no ponto de encontro comum (no caso, o shopping). Quando apareceram os primeiros estacionamentos cobertos, acharam um absurdo, uma frescura. Hoje, eles são uma necessidade. Estamos virando uma Cingapura com uma área 100x maior que sua contraparte original. O caos urbano só vai diminuir quando as pessoas começarem a ter acesso a todas as suas necessidades (escola, alimentação, trabalho e diversão) com uma simples caminhada.
[Leia outros Comentários de Rafael Xicão]
20/2/2011
19h08min
Creio que o mal está no fato de idosos, deficientes físicos e grávidas hoje em dia serem tratados como "coitadinhos", e o pior é que eles parecem gostar do tratamento. Indignado fico eu, por exemplo, na fila do banco, vendo um monte de gente ocupada ficar para trás enquanto um velhote que nada mais tem a fazer na vida a não ser viver sem fazer nada passa na frente de todo mundo e vai, na maior cara de pau, fazer-se de coitadinho. Assistir de longe o "politicamente correto" já é irritante, ter de vivê-lo no dia a dia me tira do sério.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Samizdát
Federação Israelita
Federação Israelita
(1980)



Atualização Em Doenças Diarreicas da Criança e do Adolescente
Dorina Barbieri/lorete Maria da Silva Kotze
Atheneu
(2010)



Direito Civil Lei de Introdução ao Código Civil
Luís Paulo Cotrim Guimarães
Campus
(2007)



As Melhores Seleções Brasileiras de Todos os Tempos
Milton Leite
Contexto
(2009)



Os Três Ratos de Chantilly - 1ª Edição
Alexandre Camanho
Pulo do Gato
(2014)



Amores Modernos - 1ª Edição
Daniel Bullen
Seoman
(2014)



De Cara Com a Midia
Francisco Viana
Negocio
(2001)



O Corpo Humano: Cuidados Com a Boca e Nariz
Editora Globo & Planeta
Globo
(1995)



Procurador Federal Agu - Série Provas Comentadas
Vário
Vestcon
(2008)



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)





busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês