A Empulhação Esportiva | André Forastieri

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 9/5/2011
A Empulhação Esportiva
André Forastieri

+ de 5000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A Copa e as Olimpíadas vêm aí e é hora de confessar aos caros amigos: não tenho espírito esportivo. Não torço para nenhum time, não vejo na TV. Não consigo entender como alguém pode se importar com competições esportivas de qualquer natureza. O mundo dos esportes para mim é um vergonhoso desperdício de energia, uma engambelação, marketing descarado e reacionário.

Olha que passei a infância jogando bola. Meu pai nunca se interessou por esportes, mas lembro que, bem pequeno, eu simpatizava com o Palmeiras ― pensando bem agora, por causa de um tio muito querido que é palmeirense. Em 1977, o Corinthians me seduziu ― toda aquela coisa do time nunca ter sido campeão, ser um time do povão.

Até entendo que adultos possam se interessar por praticar algum esporte ― os homens precisam se agarrar à infância de alguma maneira. O que não entra na minha cabeça é essa coisa de torcer para um time, ou um atleta, e ficar assistindo à coisa toda pela TV, lendo cadernos de esporte, discutir a respeito e não perder um Cartão Verde. É absurdamente chato, estúpido, perda de tempo.

E mesmo assim, em qualquer escritório do mundo, as segundas-feiras são dedicadas à rodada da semana. Nos clubes do planeta, os negócios se fazem e os círculos sociais se fortalecem no bar e na sauna, após o tênis ou o golfe. Nos bairros pobres, os Ronaldinhos, Michael Jordans e Mike Tysons perpetuam a mística da ascensão social pela superioridade física.

Não fazer parte desse mundo me torna um alien instantâneo em qualquer grupo. Como se sabe, esse negócio de não gostar de futebol é coisa de viado. Pra completar, não gosto muito de jogos em geral. Até acho divertido jogar baralho, Quake ou xadrez, mas simplesmente não tenho impulso de ganhar. Não me importo o suficiente.

Os amigos velhos descontam como excentricidade. Com estranhos não toco no assunto, a não ser bêbado ― já me diverti bastante em mesa de bar malhando Ayrton Senna. Para quem está de fora, essa coisa toda de esportes é de um primitivismo surreal.

Inspirado por Tropas Estelares, peguei em vídeo O Triunfo da Vontade, documentário-propaganda nazista de Leni Riefenstahl. Paul Verhoeven cinicamente chupou planos inteiros do filme para sacanear o imperialismo integrado do american way of life. Fez uma farsa alucinada que troca de registros o tempo todo.

Confundiu, irritou e engambelou burros e inteligentes. A reação foi interessante, porque qualquer olimpíada televisiva é muito mais nazi que Tropas Estelares, visualmente e conceitualmente. O esporte mediatizado coloca o culto ao corpo e a vitória a qualquer preço a serviço das megamarcas, que alimentam a palhaçada para vender tênis e Gatorade.

Mantém vivos e fortes valores podres como patriotismo, tribalismo e sobrevivência dos mais fortes (e não dos mais aptos), sob o manto do "espírito esportivo". Curiosamente, com suporte total e interesseiro dos brasileiros bem-pensantes, os mesmos que nos anos 70 garantiam que futebol é "o ópio do povo" e falso equalizador de classes e interesses.

Parece que sempre foi assim. Nossa cultura trata os esportes como se eles fossem uma tradição milenar da humanidade. Mas são uma invenção moderna. Em A Era dos Impérios, Eric J. Hobsbawn dá umas dicas sobre o nascimento da empulhação esportiva.

Foi no centro econômico do final do século 19, a Inglaterra. A industrizalização e urbanização levaram ao aparecimento de uma nova classe média alta e ao crescimento da classe média baixa. Nesta nova sociedade de massas, em que é difícil se destacar individualmente, restou se diferenciar como grupo.

O principal objetivo da nova classe média passou a ser se destacar do povão. Através da educação, do "estilo de vida" (em seu conceito original), da segregação residencial ― e do esporte, onde tudo isso se uniu ― confiram a explicação no livro, que é do cacete. Inicialmente vendida como entretenimento saudável para as massas (melhor que encher a cara de gim), a novidade foi estimulada pelas elites por seu aspecto patriótico e militarista.

Os clubes profissionais de futebol começaram como times de firmas inglesas, tanto na Inglaterra como fora. O ideal do esporte amador, não remunerado (exigindo um tempo de que nenhum trabalhador dispõe), disponibilizou para a classe média alta elementos da nobreza através do mérito. Logo ganhou sua vitrine-símbolo: os Jogos Olímpicos.

A novidade se espalhou organizadamente, do Império para o planeta que comandava. Hobsbawn resume: "Um proletariado industrial e uma nova burguesia, ou classe média, emergiram ao mesmo tempo como grupos autoconscientes, que se definiam um contra o outro por meio de maneiras e estilos de vida e ação coletiva".

Mudou muito?

Aqui do lado de fora, vejo só duas possíveis qualidades redentoras nos esportes. Um, o estabelecimento de ícones mundiais ― e a esta altura qualquer coisa que ajude na unificação do planeta é positiva, mesmo quando for babaca ou repugnante.

Dois, sua versatilidade como passaporte. Percebi isso na África do Sul. Ser brasileiro é ser amado em quase qualquer canto do planeta ― tudo por causa do futebol. Cada sul-africano que sabia que éramos brasileiros abria um sorriso e puxava papo. Devemos isso à Seleção Brasileira e ao futebol.

E a Copa e a Olimpíada que se aproximam? Pessoalmente, quando chegar a hora vou estar na casa de alguém tomando cerveja, comendo batatinha e torcendo pelo Brasil. Passa mais rápido.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Caros Amigos, em abril de 1998.


André Forastieri
São Paulo, 9/5/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um abraço em Moacyr Scliar de José Castello


Mais André Forastieri
Mais Acessados de André Forastieri
01. A Cultura do Consenso - 10/10/2011
02. Chega de Escola - 31/1/2011
03. Eu nunca fui nerd - 14/3/2011
04. As letras de música de hoje - 6/12/2010
05. Encontro com Kurt Cobain - 11/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2011
08h56min
É isso aí, André, nós os fracos e oprimidos e sem nenhum desejo de vencer o mais fraco - ainda - e levar essa possibilidade aos "píncaros" da "glória" desejamos que continue assim. Podemos até apreciar o esforço "físico" do atleta, mas partir para sofrer, bater e participar fazendo o mesmo, não. Melhor é a cervejinha (não dirija depois) e batatinha, escondendo o fato entre os torcedores. E quando ouvir gritar o gol faça o mesmo, parecendo que prestava atenção e faça parte da mesma torcida. E não precisa, também e necessariamente comprar o que alardeiam como o máximo, seja tenis, relógio e até a cervejinha (muitas) sem loura acompanhando. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
13/6/2011
14h11min
Minha discordância do autor está em uns poucos pontos: 1) Eu pratico Taekwon-do por necessidade de manter o corpo em forma, e por gostar de lutas; 2) Gosto de xadrez porque é um jogo de raciocínio puro, e não apenas jogo, mas uma ciência exata. No mais, acho esportes uma babaquice, torcer para um time e ficar discutindo quem fez o gol ou quem vai para a final é um sinônimo de burrice e o conceito de que "esporte é saúde" tem de ser revisto: já ficou provado por médicos americanos que esforços excessivos são prejudiciais ao coração. Minha terceira discordância: por época da copa e das olimpíadas estarei em casa estudando ou pintando, e torcendo CONTRA o Brasil em todas as provas.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
22/7/2011
23h12min
Parece que esse texto foi escrito por mim. Também nunca gostei de qualquer esporte (já tive simpatia por vôlei) e muito menos de futebol. E como você disse, sempre sou considerado "estranho" por causa disso. Também não consigo entender todo o fanatismo por trás do futebol e cia. Mas em relação às discussões calorosas até entendo. Se assistir futebol ou qualquer outro jogo é um hobby, a pessoa fica naturalmente interessada por qualquer notícia ou análise acerca daquele tema. Eu, por exemplo, sou fã de séries e perco um tempo gigantesco lendo notícias em blogs e sites, vendo comentários, debatendo e ouvindo podcasts. Uma perda de tempo pra muitas pessoas, mas não pra quem gosta de verdade. O que é estranho é que todo brasileiro parece ser obrigado a gostar de futebol desde quando nasce, ele não escolhe aquilo porque gosta, mas porque é imposto.
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
24/7/2011
13h22min
Triste que o comentarista acima ache que o interesse pelo futebol seja imposto, e ingenuamente não veja que o mesmo se deu com ele. Fazer o quê.
[Leia outros Comentários de Barbara Pollacsek]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESCUBRA-ME!NA FLORESTA TROPICAL
CARRON BROWN
GIRASSOL
(2013)
R$ 13,50



MENSAGEM DO AMOR MISERICORDIOSO ÀS ALMAS PEQUENAS
MARGARIDA
BARBOSA E XAVIER
(1976)
R$ 150,00



AGRESSÃO VIOLÊNCIA E CRUELDADE
JOSÉ ANGELO GAIARSA
GENTE
(1993)
R$ 18,00



DEAD ISLAND
MARK MORRIS
GALERA
(2015)
R$ 9,90



ENQUANTO HÁ LUZ
NARA COELHO
ITAPUÃ
(2003)
R$ 5,90



SOHLMAN CONVERSATION GUIDE INTERPRETER
WALDEMAR J. ADAMS
EDWARD HACK
(1947)
R$ 21,32



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JANEIRO DE 1966
TITO LEITE REDATOR CHEFE
YPIRANGA
(1966)
R$ 7,00



CINCO ESTRELAS - COL. LITERATURA EM MINHA CASA
SELEÇÃO ANA MARIA MACHADO
OBJETIVA
(2001)
R$ 7,00



BUILDING ROUTES TO CUSOMERS
PETER RAULERSON
SPRINGER
(2000)
R$ 6,90



ÁGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 5,00





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês