Eu nunca fui nerd | André Forastieri

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> S. O. S Corpo Viagem ao Mundo da Contracepção de Rose Marie Muraro pela Rosa dos Tempos (1991)
>>> Uma Vida Em Alta Velocidade Em Depoimento a Peter Golenbock de Emerson Fittipaldi e Peter Golenbock pela Objetiva (2003)
>>> Uma Mulher Egípcia de Jehan Sadat pela Bibliex (2005)
>>> Econometric Methods de J. Johnston pela Mcgraw Hill (ny) (1972)
>>> O Continente Desaparecido de Gianni Minà pela Record (2007)
>>> Era uma Vez Fh: o Humor na História do Brasil de 1994 a 2002 de Chico Caruso pela Devir (2002)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2000)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 (2ª Ed.) de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2001)
>>> Ciclos de Formação: uma Reorganização do Tempo Escolar de Elvira Souza Lima pela Sobradinho 107 (2002)
>>> Perdão: o Segredo da Cura Total de Roberto Mcalister (2ª Edição) pela Carisma (1982)
>>> A Luz Imortal de Vasco da Gama de João Lyra Filho pela Club de Regatas Vasco da Gama (1969)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho pela Nau (2013)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho e Outros (orgs) pela Nau (2013)
>>> Esquerda no Brasil: uma História Nas Sombras de História Viva, Nº 5 - Temas Brasileiro pela Duetto
>>> Entre sem Bater: o Humor na Imprensa - do Barão de Itararé ao Pas de Luís Cunha Pimentel pela Ediouro (2004)
>>> E Agora, Che? a Revolução das Bananas de Humberto Borges pela Europa (rj) (1980)
>>> Arbeitswert, Mehrwert Und Verteilung: Zur Problematik Von Theorie de Gerhard Himmelmann (em Alemão) pela Westdeutscher Verlag (1974)
>>> El Hombre Ilustrado de Ray Bradbury pela Minotauro (buenos Aires) (1980)
>>> Profissionais de Saúde: Vivendo e Convivendo Com Hivaids de Elaine Gomes e Dalton Luiz de Paula Ramos pela Santos (2002)
>>> Namoros Com a Medicina - 4ª Edição de Mário de Andrade pela Martins e Itatiáia (1980)
>>> Los Pajaros Regresan de La Niebla de Pedro Rivera (dedicatória) pela Ministerio de Educacion Panamá (1970)
>>> Racionalidade Retórica; América Latina; Onda Movimentalista e Açã de Estudos Leopoldinenses Vol 33 Nº 151 de 1997 pela Univ do Vale do Rio dos Sinos (1997)
>>> O Imperador da Fome de Newton Belleza pela Edições o Cruzeiro (1974)
>>> Vocabulário e Texto do Disco de Sons de Curso de Conversação: Alemão pela Linguaphone Institute
>>> Billy Hooten Owlboy: the Girl With the Destructo Touch de Thomas E. Sniegoski pela A Yearling Book (2007)
>>> Brésil, Pays Du Ballon Rond : Essai de Betty Milan pela Laube (frança) (1998)
>>> Taxionomia Contratual de Marcos Cavalcante de Oliveira pela Forense (1981)
>>> Leurope Au Moyen Age de Georges Duby pela Flammarion (1993)
>>> Liturgia, de Coração de Ione Buyst pela Paulus (2003)
>>> Acaso, Necessidade, Acção: Entre Aristóteles e Verdi de Revista Travessias, Nº 2e3 de 2000e01 pela Faperj (2000)
>>> Ill Let You Go: a Novel de Bruce Wagner pela Random House (new York) (2003)
>>> Catálogo da Secção Ivan Lins de Universidade Gama Filho - Biblioteca Central pela Univ Gama Filho (1977)
>>> Las Ruedas de un Alma de Dr Philip S. Berg pela Ci de La Cabala (jerusalem-ny) (1986)
>>> Quien Es y Quien Fue El Conde St Germain: Metafísica 3 de Conde St. Germain pela Ecologic Argentina (1986)
>>> A Idade Média:a Expansão do Oriente e o Nascimento da Civilização Ocid de Édouard Perroy pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Ciência Tecnologia Teologia de João Vieira Martins (2ª Edição) pela Marques Saraiva (2000)
>>> O Conselho de Segurança Após a Guerra do Golfo de Antonio de Aguiar Patriota pela Fundação Alexandre de Gusmão (2010)
>>> Castro Alves: Imagens Fragmentadas de um Mito de Edilene Matos pela Fapesp (2001)
>>> Teoria Geral das Obrigações. Parte Geral de Leonardo Pantaleão pela Manole (2007)
>>> Transferências de Impostos aos Estados e Municípios de Aloísio B de Araujo, Maria Helena e Claudio M pela Ipea (rj) (1973)
>>> Alma y Espiritu: Profundo Análisis y Cuidadosa Interpretación Al de Felas Du Richard, S I pela Luis Carmo (1989)
>>> Grammaire de Lespagnol de Bernard Pottier pela Puf (1972)
>>> La Sociologie Du Langage (que Sais-je?) de Pierre Achard pela Puf (1993)
>>> Agricultura e Perestroika de Dados Vol 32 Nº 2 de 1989 (revista) pela Vértice (1989)
>>> Carnaval Brasileiro: da Origem Européia ao Símbolo Nacional de Revista Brasileira para Progresso Ciência, 8 pela Sbpc (1987)
>>> Los Primitivos Reyes de Noruega de Tomás Carlyle pela Espasa (buenos Aires) (1944)
>>> Bunge and Born: Crecimiento y Diversificación de un Grupo Economi de Jorge Schvarzer pela Cisea (1989)
>>> You Can Draw de Adrian Hill pela Hart Publishing (nova Iorque) (1966)
>>> Dicionário de Medicina Natural (capa Dura) de Readers Digest pela Readers Digest (1998)
>>> The Complete Works of O. Henry - Vol. Ii (capa Dura) de O. Henry ; Fareword Harry Hansen pela Doubleday & Company (1953)
ENSAIOS

Segunda-feira, 14/3/2011
Eu nunca fui nerd
André Forastieri

+ de 9100 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Quando eu era adolescente não tinham inventado essa parada de "nerd". Eu com quinze anos bebia, fumava, namorava, ouvia rock, tinha amigos maconheiros, arriscava umas reuniões de movimento estudantil, fabricava lança-perfume para vender em festinhas do colégio etc. E com 17, tudo isso e ainda era presidente do centro cívico. Mais normal não dá.

Só que não achava que ser tudo isso aí e ler, digamos, Denny O'Neil, Isaac Asimov, Jorge Luis Borges e Dante Alighieri fossem coisas excludentes. Em 1982 minha luz-guia era a Heavy Metal, revista americana de quadrinhos que considerava HQ, rock, filmes underground, drogas, alta e baixa literaturas, design e videogames tudo parte do mesmo balaio, um balaio muito cool chamado "cultura que importa". Estou nessa desde aquela época e não saí.

Por isso, no dia 25 de maio eu não comemorei o Dia do Orgulho Nerd, que reverberou pela internet afora. Não me diz respeito.

A data é por causa da estréia americana de Star Wars, em 1977. Não é história para mim, é o meu passado. Vi no cinema na semana que estreou no cine Rívoli, na rua Benjamin Constant, acho que já em 1978. Meus amigos gostaram tanto quanto eu. Mas eu era um moleque fuçador e sabia antes que era quente ― tinha visto as fotos na revista Cinemin e lido a adaptação da Marvel publicada pela Bloch. Roy Thomas e Howard Chaykin? Não sabe quem são? Não sabes o que perdeu.

Nunca tive o menor complexo de inferioridade por gostar do que gosto ou não ter lido isso ou aquilo. Continuo não tendo. Fui assistir o novo Star Trek, sozinho, na sessão das seis da tarde do primeiro dia. Na saída, centenas de trekkers uniformizados aguardavam a sessão das oito. Eu vi o novo Jornada antes dos caras da Frota Estelar... e desde 1982 esperava para ver o teste do Kobayashi Maru. Quer me chamar de nerd? Fique à vontade.

Fiz minha parte para popularizar o termo. A capa da revista General nº 3, em 1994, era uma pauta intitulada "A vitória dos nerds", e entrevistei para ela o Thunderbird, então recém transferido para a Globo. E fui criador e editor da revista Herói séculos. A Herói era uma revista para fãs. O site Heroi.com.br é para fãs ― em breve, mais para fãs do que tem sido nos últimos anos.

Me arrependo um pouco. A palavra "nerd" hoje quer dizer essa coisa boba de "sou um gordinho espinhento, antisocial e rancoroso porque não consigo namorada, mas como sei tudo sobre Marvel/ Tatsunoko/ filmes de Kung Fu/ Lost/ etc., sou superior a estes plebeus populares." É estereótipo, mas muita gente se acomodou nele. A versão geninho da informática "não transo mas programo em Gopher" também me cheira a dor de cotovelo (aliás, também me arrependo um tanto de ter feito tanta propaganda de Hunter Thompson. Agora, qualquer molenga que não sai de frente do computador é "gonzo").

Eu sei um trilhão de coisas sobre quadrinhos e cinema e outras várias coisas que não fazem automaticamente parte do "universo nerd". Mas sou crítico, o que para mim é a única diferença que importa. Esse negócio de gostar das coisas de maneira babona, acrítica, cega me enoja. É perfeitamente possível gostar de alguns filmes de Star Trek e outros não; ou de Tarkovski; ou de Chabrol; ou gibis do Batman; ou livros do Philip Roth; ou qualquer coisa.

Me irrita trombar jovens que acham que a vida se resume a ler gibi, jogar MMORPG, assistir desenho animado japonês etc. Tem muito mais coisa interessante por aí. Assistir 200 episódios de seriados por mês, quando você podia estar assistindo um filme do Mario Monicelli, é coisa de retardado mental e emocional. Paixão, sim. Visão estreita, não, por favor.

Vou mais longe: quem só lê gibi não entende o que está lendo. Porque os caras que escrevem gibi lêem outras coisas, e os caras que desenham são interessados em arte em geral, não só em quadrinhos. Se você tem um repertório mais variado, vai fruir de uma maneira muito mais profunda seu artefato pop predileto. O exemplo mais na cara é A Liga dos Cavalheiros Extraordinários, de ― sempre ele ― Alan Moore. Cada página faz alusão a algum universo ficcional, a maioria literários. Se você não pesca as referências, a Liga perde 90% da graça. Vale para gibi e para quase tudo na vida. Quem nunca tomou uma margarita não sabe que gosto tem um burrito.

E se você se sente meio incomodado ou atacado quando lê essas linhas, saiba que te falo isso de coração porque me importo. Quero o seu bem. Você é um dos meus. Te admiro porque já trabalhei com gente que parecia o mais fechado, acrítico e recalcado nerd por fora; e por dentro era de ouro.

E porque já trabalhei com gente que tinha desprezo por nerds e fãs e todo mundo que tem paixão infantil e teen e pura no coração. Gente que achava que a única coisa a fazer com essa "nerdaiada" era tirar o máximo de dinheiro dos trouxas. Assim tratava a quase todos com quem convivia, e assim tratava a mim. Aturei mais que devia. Não ature.

Quando eu achava que valia defender a palavra nerd, costumava explicar para os incautos que nerd é um cara que gasta mais dinheiro e mais tempo que a média com coisas em que as massas normalmente não gastam dinheiro nem tempo. Por exemplo, é de se esperar que um homem de vinte anos de idade gaste muito tempo e dinheiro com, digamos, carro e futebol, e saiba tudo sobre carburadores e escalações. Mas, se ele tiver a mesma atitude com trilha sonora de filme pornô ou gibis brasileiros de terror dos anos 50, vira instantaneamente nerd. Entendeu?

Essa definição é justa e me inclui. Mas transforma em nerd qualquer um que tem uma relação apaixonada e informada com suas obsessões. É uma maneira de incluir, por exemplo, a tara de um amigo meu por comédias italianas. Essa explicação do conceito era uma atitude meio defensiva da minha parte. Retiro. Não é boa o suficiente. Embora eu continue achando muito melhor gastar tempo aprendendo sânscrito e dinheiro em collectible toys da Kotobukiya que seguindo bestamente a lavagem cerebral da mídia de massa.

A única coisa a fazer é rejeitar o epíteto de nerd e pronto. Não vamos mais conseguir resgatar o conceito do significado que ele ganhou. E de fato o mundo não se divide entre nerds e normais, ou geeks e populares. O mundo se divide ― para efeito deste texto, pelo menos ― entre gente interessante e desinteressante. Para mim, saber quem é Jim Steranko, Carl Stalling, Ken Adam ou Flávio Colin ― de uma lista interminável ― faz uma pessoa ser instantaneamente digna de atenção. Se você leu esse texto até aqui, já merece a minha.

Agora: se a figura conseguir conectar Conan com Alice no País das Maravilhas via pintores pré-rafaelitas e socialismo fabiano, estamos falando de uma pessoa interessante. Que não lê só gibi. Mas lê gibi.

Eu leio. Você não? Que dó.

E leio livros também, e vou a museu, e ouço música que não toca no rádio e ouço música que toca no rádio também. Eu não como só feijoada, nem só sashimi. O homem é um animal onívoro.

Variedade é o tempero da vida.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de André Forastieri (atualmente no portal R7), em maio de 2009.


André Forastieri
São Paulo, 14/3/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sexo virtual de Lélia Almeida
02. Haydn: 200 anos da morte de Irineu Franco Perpetuo


Mais André Forastieri
Mais Acessados de André Forastieri
01. A Cultura do Consenso - 10/10/2011
02. Chega de Escola - 31/1/2011
03. Eu nunca fui nerd - 14/3/2011
04. As letras de música de hoje - 6/12/2010
05. Encontro com Kurt Cobain - 11/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/3/2011
14h52min
Ótimo texto!
[Leia outros Comentários de José Roberto Vieira]
14/3/2011
16h38min
Texto genial... Viva a diversidade, viva a pluralidade. Isso me lembra o que um professor meu na faculdade sempre dizia: não existe cultura inútil, inútil é você fechar as portas para alguma experiência nova.
[Leia outros Comentários de Daniel Babalin]
14/3/2011
17h05min
Eu não conheço metade do que você citou no texto. Mas o li até o fim. E concordei bastante. E eu também vou contra a maioria de vez em quando, não escuto só rádio, nem assisto só o que faz sucesso. Posso ser interessante?!
[Leia outros Comentários de Ana Carla]
15/3/2011
15h16min
Impressionante! Tenho que comentar. Você está de parabéns, tanto pela desenvoltura como pela ideia do texto em si. A gente só precisa de uma mente aberta, mas que os demais não me entendam mal, a mente aberta que falo é aquela que aprende a analisar e tirar o melhor dessa gama de informação e cultura que nos rodeia.
[Leia outros Comentários de Giovanna Duarte]
18/3/2011
11h22min
Pois é, as coisas estão bem por aí, mas vão mais longe do que simplesmente os chamados Otakus, hoje em dia a tentativa de democratizar a leitura transformou adolescentes em traças de livros, eles comem uma quantidade imensa deles, mas como não saem da zona de conforto desses livros não são capazes de entender nem a metade do que é escrito neles ou transformá-los em algo interessante. Pregam que só a literatura salva e quem não lê é burro ou idiota. Eu fico cansada com essa situação, acho que as pessoas estão cada vez com a mente mais estreita e mais propensas a rotularem tudo e todos.
[Leia outros Comentários de Samantha Abreu]
18/3/2011
22h25min
Nerd virou rótulo para um monte de coisas. Antigamente gostava de ser considerado um nerd por gostar de uma série de coisas que as pessoas não gostavam. Costumava achar que, por ser assim, tinha algo de diferente, perto das outras pessoas. Errado estava eu que pensava isso... O mundo é muito mais que rótulos!
[Leia outros Comentários de joão thiago]
26/3/2011
18h03min
"Variedade é o tempero da vida". Frase para todos os fãs monopolistas.
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
3/4/2011
23h00min
Pela chamada, entrei aqui com a faca nos dentes, afinal, curto gibis e, pra mim, isso é assunto sério. Daí li o texto, que ainda não conhecia. Não há como discordar da linha de raciocínio do André. Mesmo porque... não penso muito diferente. Então só me resta agradecer pelo excelente texto. E - claro - repensar meu conceito de nerd (que eu até achava meio romântico)...
[Leia outros Comentários de Lillo Parra]
5/5/2011
11h12min
De início eu fiquei com raiva do texto, mas você falou a mais pura verdade, a verdade das verdades. Me serviu como autocrítica, valeu!
[Leia outros Comentários de Guiherme]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONATA DE OUTONO - INGMAR BERGMAN
INGMAR BERGMAN
NORDICA
(1978)
R$ 12,00



A UTOPIA - UM CONVITE À FILOSOFIA
JEAN-YVES LACROIX
JORGE ZAHAR RIO DE JANEIRO
(1996)
R$ 12,00



LYGIA PAPE, INTRINSECAMENTE ANARQUISTA
DENISE MATTAR
RELUME DUMARÁ
(2003)
R$ 13,00



OS ANOS 80: CONTAGEM REGRESSIVA PARA O JUÍZO FINAL
HAL LINDSEY
MUNDO CRISTÃO
(1981)
R$ 9,00



DESCOBERTA DE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS COM MINERAÇÃO DE DADOS
FELIPE FERRÉ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE OVINOS NO BRASIL
MARCOS ANTONIO DE OLIVEIRA, FABRÍCIO E. ARAÚJO UND ALEXANDRE A. MEXIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



POPE JOAN
LAWRENCE DURRELL
SPHERE BOOKS
(1971)
R$ 27,28



RABISCADO NO TEATRO
STÉPHANE MALLARMÉ
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 41,83



PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS
PEDRO PASSARINHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



INDICADORES CARDIOVASCULARES E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS
JANAISA GOMES DIAS DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês