O último exagerado | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/7/2010
O último exagerado
Luiz Rebinski Junior

+ de 2900 Acessos

Não sou tão velho para ter acompanhado o trabalho jornalístico de Ezequiel Neves nos primórdios da crítica de música pop no Brasil, quando ele destilava seu texto ácido e debochado por revistas (Pop e Som Três) e jornais (Jornal da Tarde) do país. Mas sou suficientemente informado para saber que o cara foi o nosso Lester Bangs, o crítico americano da Rolling Stone que enfiou o pé na jaca com Lou Reed. Neves foi uma espécie de Hunter Thompson, um jornalista que não apenas entrevistava a malucada do rock, mas que também participava da festa, experimentando os sabores e dissabores que a vida regada a excessos proporciona.

Afinal, quem hoje teria a coragem de assinar uma resenha musical com um pseudônimo que homenageie uma droga do momento, tipo ecstasy? Bem, em um período de sua carreira, Ezequiel assinava seus textos como Angela Dust, que era o nome de uma poderosa droga sintética dos anos 1970 (angel dust, pó de anjo). Nada indiferente aos seus ídolos e pouco preocupado com a "imparcialidade jornalística", ainda assinou textos como Zeca Jagger e Zeca Zimmerman, em homenagem ao vocalista dos Stones e ao gênio Bob Dylan. Tá certo que a turminha que veio depois dele, bem menos culta, que se entrincheirou na Bizz dos anos 1990, nunca o tomou como mestre. Mas devia.

O envolvimento carnal com o rock o levou, impreterivelmente, para o centro da coisa. Em 1975 Ezequiel estreava como produtor musical da banda paulistana Made in Brazil. Zeca produziu um dos clássicos da banda, chamado Paulicéia Desvairada, uma ode à poesia de Mário de Andrade regada a guitarras sujas.

Mas foi no encarte de um disco posterior da banda, gravado ao vivo no teatro Lira Paulistana, em 1984, que pela primeira vez tive contato com o poderoso texto do jornalista Ezequiel Neves. Mais do que bem escrito, o texto provocador de Ezequiel instigava o leitor a não se contentar com sua condição passiva diante de um texto, ou, no caso, de um disco ― o do Made. Assim, ele avisava:

"O MADE IN BRAZIL não é só a mais perseverante banda de rock do país. Supera isso de forma enlouquecedouramente transcendental. O MADE instala a festa, a transgressão da libido, do nada ou tudo... Pelo amor de todos os deuses, não vamos tentar a sentença de sermos eternos ou imortais. Vamos ser, simplesmente, vapt-vupt. Que tal uma Polaroid? Muito mais imediatista, por que não? E assim é esse CD ao vivo (ou seria em carne viva?) do MADE."

Tentar a sentença de ser eterno ou imortal foi o que Ezequiel Neves não fez, apesar de ter ido mais longe do que muitos esperavam. Viveu plenamente enquanto pôde, levando a sério o modo de vida de sua geração. Inquieto, se aventurou na literatura, escreveu roteiro para televisão e cinema e foi ator ao lado de Cacilda Becker. Com o papa da cultura underground dos anos 1970, Luiz Carlos Maciel, fez a edição pirata da Rolling Stone brasileira, sem o aval da matriz norte-americana. Como Cameron Crowe, o jornalista que ainda adolescente meteu o pé na estrada com o Led Zeppelin, Ezequiel era mais do que um observador atento e um narrador competente. O cara era a inquietação em pessoa e saiu do jornalismo sem aviso prévio. Acho que Ezequiel Neves é daqueles artistas que estão em outro nível de consciência, como Arnaldo Baptista. Isso não quer dizer que sejam seres "mais evoluídos" ou que estejam "à frente de seu tempo", como diz o clichê que costuma ser colado em artistas de vanguarda, mas certamente funcionam em uma rotação diferente daquelas, digamos, pessoas mais ortodoxas.

Produtor da gravadora Som Livre, em 1982 teve a sorte de ouvir, em primeira mão, a fita demo (que ele dizia ser demoníaca) do Barão Vermelho. Mais sorte do que competência, diga-se de passagem, porque dificilmente alguém com o mínimo de conhecimento musical descartaria aquela fita, que continha músicas de alto calibre, como "Down em mim", um blues deprimente e de letra inteligente, "Ponto fraco" (até hoje uma das melhores músicas da banda) e "Todo amor que houver nessa vida", um poema, lindíssimo, sobre o amor. Essas músicas estariam, mais tarde, no primeiro e homônimo disco da banda. Um bom disco que, mesmo com ótimas canções, não emplacou. A banda iria mesmo estourar depois que Ney Matogrosso gravou "Pro dia nascer feliz", hit do segundo disco do Barão. Ney, aliás, foi uma espécie de padrinho da banda e, mais tarde, gravou "Poema", uma das letras mais bonitas saídas da parceria Cazuza/Frejat.

Funcionário do pai de Cazuza na gravadora, Ezequiel foi acusado de ser puxa-saco por ter apostado no filho do patrão. Sensível, o jornalista sabia que dali saía caldo e logo colou em Cazuza, Frejat e companhia. Porque além de produzir os primeiros discos da banda, engatou uma parceira com Cazuza que originou clássicos do nosso cancioneiro, como "Codinome beija-flor". Depois disso Ezequiel se tornou um George Martin que não abandonou a banda depois do sucesso e da dissolução do grupo. Pelo contrário, dividiu-se entre o Barão e Cazuza, que saiu em carreira-solo.

Mas é em "Exagerado" e "Por que a gente é assim?", seus dois maiores clássicos, que o espírito irrequieto e provocador de Ezequiel se revela. Afinal, só um homem que ousou subverter a máxima do "mil anos a dez ou dez anos a mil" poderia escrever esse tipo de canção. Ezequiel viveu sempre a mil ao longo de seus 74 anos, sem concessões. Morreu no dia sete de julho, exatamente como fez o amigo Cazuza, há 20 anos.

Nota do Editor
Leia também "A Rolling Stone brasileira" e "A primeira Rolling Stone".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 14/7/2010


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INTÉRPRETE EM GLENN GOULD
ROBERTA FARACO SANTOLIN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O HOMEM NA HORA H
LEDA FLORA
LPM
(1995)
R$ 10,00



PERELANDRA
C. S. LEWIS
WMF MARTINS FONTES
(2011)
R$ 25,00



HUMOR CERRADO - 9323
TERESINHA PANTOJA
A3 GRÁFICA
(2006)
R$ 15,00



O DRAGAO DOURADO
ELIZABETH LOWELL
NOVA CULTURAL
R$ 6,00



NOIVA IRRESISTIVEL
CHRISTINA LAUREN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2014)
R$ 9,90



ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING
PHILIP KOTLER
ATLAS
(1998)
R$ 10,00



LE URSS EN GUERRE (1939-1946) TOME 3
JEAN ELLEINSTEIN
SOCIALES (PARIS)
(1974)
R$ 31,28



A TRILHA DA CAVERNA ESQUECIDA
ENIO CHIESA
DO BRASIL
R$ 4,00



AGÊNCIA DE NOTÍCIAS 2ª EDIÇÃO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GRUPO ESPÍRITA EMMANUEL
(2007)
R$ 22,82





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês