Acorda e vai trabalhar. Que seja até morrer | Alline Jajah | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
Mais Recentes
>>> PS, Eu te amo de Cecelia Ahern pela Novo Conceito
>>> A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafon pela Objetiva
>>> Os Milionarios de Brad Meltzer pela Record
>>> O Jogo de Brad Meltzer pela Record
>>> Leviatã de Boris Akinin pela Objetiva
>>> Moquecas de Marido de Betty Mindlin pela Paz & Terra
>>> O Arqueiro de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Condenado de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Ultimo Reino de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Tigre de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> O Triunfo de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> Sharpe em Trafalgar de Bernand Cornell pela Record
>>> Os Fuzileiros de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> A Pedra da Bencao de Barbara Wood pela Best Seller
>>> A vizinha de Barbara Delinssky pela Bertrans Brasil
>>> Desejos - Trilogia da Esperanca - Vol.3 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Encantos - Trilogia da Esperanca - Vol.2 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Sonhos - Trilogia da Esperanca - Vol.1 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> O Homem de Montana de Barbara Delinsky pela Harlequin
>>> A felicidade mora ao lado de Barbara Delinsky pela Bertrans Brasil
>>> O Mundo dos Vampiros de Arieni Dissenha Daniel Portes pela Novo Seculo
>>> Os Incas - A Luz de Machu Picchu - Vol.3 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - O Ouro de Cuzco - Vol.2 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - A Princesa do Sol - Vol.1 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Sangue e Ouro de Anne Rici pela Rocco
COLUNAS

Quinta-feira, 22/8/2013
Acorda e vai trabalhar. Que seja até morrer
Alline Jajah

+ de 4000 Acessos

Esse papo do estagiário que morreu depois de trabalhar virado até seis horas: O cara morreu de EPILEPSIA.

Se fosse morrer de trabalho, desde os doze, quando comecei a trabalhar, eu já deveria ter morrido umas mil vezes. Estudava de manhã e ficava à tarde e a noite trabalhando na Floricultura Mata Verde. Aos catorze fui trabalhar na Millano Pizzaria, na Avenida 136, estudava de manhã e virava a noite pois a pizzaria funcionava de madrugada. Com dezesseis anos comecei a dar aulas de manhã e de tarde e estudava à noite. Chegava em casa meia-noite e corrigia tarefas e cadernos até as quatro da matina. Aos dezoito quando entrei na faculdade, dava aulas à tarde e a noite em quinze turmas e virava as madrugadas corrigindo provas e assim foi até os 28, quando saí da graduação entrei no Clube Jaó e trabalhava o dia todo na assessoria de marketing do clube e virava noites e madrugadas pra ganhar hora extra. Depois disso passei por algumas empresas, sempre dedicando meu tempo a aprender, a trabalhar, a dividir e compartilhar experiências, madrugada afora. Hoje, aos 33 anos, empreendedora, ativa em inúmeros projetos, posso dizer: durmo poucos dias mais de quatro horas por dia. Vejo estudantes de concurso virarem noites, vejo donos de bares que trabalham o dia todo na administração virando noites, vejo pais virarem noites pelos seus filhos E TODO MUNDO ESTÁ VIVO. Já trabalhei infinitas vezes sem retorno financeiro e extenuadamente pela dádiva do aprendizado.

Aí eu leio uma notícia dessa, hoje, quando eu e colegas nos deparamos com essa geração cujo maior montante (ufa! há exceções) é de preguiçosos, marrentos, um bando de mal-criados que vivem do sacrifício dos pais e acham que tem a resposta. Que ao invés de buscarem soluções e investirem em aprendizado e relacionamento, reclamam sem parar. Usam uma bibliografia exteeeensa de três livros e algumas reportagens pra fundamentarem ideias que mal sabem como nasceram. O problema não é não saber, até mesmo porque ninguém sabe. O problema é achar que sabe demais e conhece a vida e o mundo, as relações e o caramba. Morrer de trabalho? Morrer de tentar. TODO MUNDO MORRE TENTANDO.

Quando eu morrer, quero essa mesma notícia: morreu de trabalhar. Morrerei honrada, morrerei tentando mudar meu destino, morrerei tentando provar que empreender - trabalhar incansavelmente para atingir seus objetivos - é a chave para a mudança e a evolução do nosso mundo. E enquanto eu escrevo isso, milhões de pessoas estão por aí, morrendo, trabalhando, ou morrendo de trabalhar.

Acorda, meu irmão, e vai trabalhar. Que seja até morrer. Porque de vagabundos letrados, bastam alguns políticos.


Alline Jajah
Goiânia, 22/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retrato 3X4 de um velho jornalismo de Guga Schultze
02. Para levar a Mônica a sério de Arcano9


Mais Alline Jajah
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ze Ninguem Tito na Rua
Alberto Serrano Tito
Janeiro
(2015)



Bar Doce Lar
J. R. Moehringer
Nova Fronteira
(2006)



Vencedor Não Usa Drogas
Edson Ferrarini
Do Autor



Oratória para Advogados e Estudantes de Direito - Lacrado
Reinaldo Polito
Benvira
(2012)



A Voz dos Meninos - Projeto Educação Com Arte: Oficinas Culturais
Ana Maria Cavalcanti Lefevre (org.)
Cenpec
(2014)



Numerologia Cármica: Conhecendo Sua Missao de Vida - 1ª Edição
Sueli Lucchi Di Leo
Nova Senda
(2016)



A culpa é das estrelas
John Green
Intriseca
(2012)



Leituras Complementares de Direito Constitucional
Marcelo Novelino
Podivm
(2008)



Psicologia da Reconciliação
Mario Pereyra
Cedisau
(1990)



Psicologia Escolar
M. Helena Novaes
Vozes
(1972)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês