O artífice do sertão | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
31589 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
>>> Carioquíssima realiza edição de Natal na Fábrica Bhering (RJ)
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Art of Possibility
>>> Desafiando o Talento, de Geoff Colvin
>>> O anti-Twitter
>>> Free, o livro, em português
>>> Tropikaos
>>> Because in the musicals nothing dreadful ever happens
>>> Feliz Ano Novo
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Existem vários modos de vencer
Mais Recentes
>>> Coisas de São Paulo de Nazareth Moreaux pela Melhoramentos (2005)
>>> Educação Pré-Escolar, Fundamentos e Didática de Marieta L. Machado Nicolau pela Ática (2002)
>>> João e Maria da Amazônia de Boechat,Maria Diva; Gusmão,Marta - Franco pela Franco (2015)
>>> Cinderela - Coleção Contos de Grimm de Maria Heloisa Penteado (texto em português) pela Ática (2012)
>>> O Homem que Matou Getúlio Vargas de Jô Soares pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Amor é Fogo de Nora Ephron pela Rocco (2009)
>>> Sexo e Sexualidade - Sem Mistérios de Vários pela Trilha Educacional (2005)
>>> Indoor Cycling - Guia Prático para Pedalar Em Casa de William M. de Carvalho pela Leitura (2018)
>>> Zorba, O Grego (Capa Dura) de Nikos Kazantzakis pela Abril Cultural (1974)
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1956)
>>> Don Fernando de Fernand Fournier-Aubry pela Robert Laffont (1972)
>>> Allie Finkle´s Rules for Girls- Moving day de Meg Cabot pela Scholastic (2009)
>>> Vie et Mort a Shanghai de nien Cheng pela Albin Michel (1987)
>>> Português- Leitura,produção, gramática ( 7 ano ) de Leila Laur Sarmento pela Moderna (2009)
>>> Um grito de Alerta de Osmar Santos pela Eu Você (1981)
>>> Vencendo a Crise - Com o bom senso empresarial pode superá-la de Thomas J Peters e Robert H Waterman pela Hárbra (1986)
>>> Educação - Criatividade e Lazer de Annita Schterg Gorodicht e Léa Porto de Abreu pela Sec de Educação e Cultura RJ (1980)
>>> O Diário de Bridget Jones de Helen Fielding pela Record (2001)
>>> L'Institut de Volupté - Roman de Fernand Kolney pela Georges-Anquetil (1926)
>>> Oeuvres de Beranger - Tomo 1 e 2 de Pierre-Jean de Beranger pela Perrotin (1857)
>>> Everymans Thesaurus of English Words and Phrases de Peter Roget e D C Browning pela J M Dent e Sons (1955)
>>> Lombre du Passé de Jeanne de Coulomb pela Gaitier e languereau (1921)
>>> La femme Dune Nuit de Alfred Machard pela Flamarion (1929)
>>> L'Amant de Lady Chatterley de D H Lawrence pela Gallimard (1932)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril (1983)
>>> A chave de Rebecca de Ken Foller pela Círculo do Livro
>>> Histoires et Contes de la Grand Mère de Louise SW Belloc pela Garnier freres
>>> A Terceirização e o Direito do Trabalho de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2010)
>>> Atuação do Ministério Público do Trabalho Como Árbitro de José Janguiê Bezerra Diniz pela Ltr (2005)
>>> Curso de Falência e Recuperação de Empresa de Amador Paes de Almeida pela Saraiva (2008)
>>> Exercícios de Metodologia da Pesquisa de Edivaldo M. Boaventura pela Quarteto (2017)
>>> Introdução à Teoria do Emprego de Joan Robinson pela Forense Universitária (1990)
>>> A Bruxinha Domitila e o Robô Super-tudo de Edson Gabriel Garcia pela Vozes (1985)
>>> O Hóspede Suspeito de Friedrich Scheck pela Ática (2000)
>>> O Castelo de Âmbar de Mino Carta pela Record (2000)
>>> Quando o Sofrimento Bater à Sua Porta de Padre Fábio de Melo pela Planeta (2016)
>>> Desconhecido de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1955)
>>> Psicopedagogia Clínica de Maria Lúcia L. Weiss pela Dp&a (2004)
>>> Porta do infinito de Carlos Castaneda pela Record (1974)
>>> O quinto compromisso, um guia prático para o autodomínio de Don Miguel Ruiz / Don José Ruiz pela Best Seller (2010)
>>> Manifesto do partido comunista de Karl Marx, Engels pela Expressão Popular (2008)
>>> Sapatos - Cronica de uma Sedução - 1900-2008 de Perla Nahun, Fernando de Barros Constanza Pascolato pela Francal (2008)
>>> A região metropolitana de Campinas: urbanização, economia, finanças e meio ambiente Vol 1 e 2 de Wilson Cano, Carlos A. Brandão pela Unicamp (2002)
>>> Informe: Análisis, adapatación y sistematización de estándares para la planificación del manejo en Iniciativas de Conservación Privada y áreas marinas costaneras protegidas de múltiples usos de Ministerio del medio ambiente, GEF, PNUD, Wildlife pela Ministerio del medio ambiente Chile (2015)
>>> Una década de luchas y propuestas Derecho Educación. La palabra de los movimientos sociales de Foro por el Derecho a la Educación Chile pela Foro por el Derecho a la Educación Chile (2015)
>>> Princípios de Direitos Autorais - Livro I - 1898/1998 de Eduardo Pimenta pela Lumen Juris (2004)
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (1992)
>>> Sexo se Aprende na Escola de Marta Suplicy e Antonio Carlos Egypto e outros pela Olho Dágua (2000)
>>> Disney Art Attack - Art Festa nº 1 de Disney Coleção Crie-Brinque pela Cia de Livros (2006)
>>> Tratado da Propriedade Intelectual - Tomo II - Patentes de Denis Borges Barbosa pela Lumen Juris/Direito (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 9/10/2018
O artífice do sertão
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1700 Acessos

Corria o 3 de dezembro de 1902. O crítico e ensaísta José Veríssimo, um dos mais respeitados da então incipiente cena literária do Rio de Janeiro, assinava uma coluna no jornal “Correio da Manhã” onde submetia à sua fina análise os últimos lançamentos editoriais brasileiros e portugueses, sempre lidos antes da publicação oficial. Um calhamaço de 637 páginas seria o objeto de apreciação naquele dia: intitulava-se “Os Sertões”, de autoria do engenheiro e jornalista Euclides da Cunha. Sobre ele, Veríssimo escreveu:

“(....) O livro do sr. Euclides da Cunha, ao mesmo tempo o livro de um homem de ciência, um geógrafo, um geólogo, um etnógrafo, ; de um homem de pensamento,um filósofo, um sociólogo, um historiador; e de um homem de sentimento, um poeta, um romancista, um artista, que sabe ver e descrever, que vibra e sente tanto aos aspectos da natureza como ao contato do homem e estremece todo, tocado até ao fundo da alma, comovido até as lágrimas, em face da dor humana, venha ela das condições fatais do mundo físico, as secas que assolam os sertões do Norte brasileiro, venha da estupidez ou da maldade dos homens, como a Campanha de Canudos”.

O entusiasmo tão precoce, vindo de figura tão qualificada da intelligentsia nacional da época, destinado a obra de escritor estreante, funcionário público sem fama e sem grandes ambições, não era efêmero ou despropositado, quando se tem em mente o impacto por ele causado. Foguete sem queda e com apogeu incerto, “Os Sertões” vendeu os mil exemplares de sua primeira edição em menos de seis meses; os dois mil da segunda, em um ano e meio; os outros dois mil da terceira em mais dois anos e meio, e isso tudo em um país onde mais de 80% dos 14 milhões de habitantes eram analfabetos. Um sucesso completo e inesperado, tanto que outra figura ilustre da crítica brasileira, Sílvio Romero, afirmou: “de Euclides da Cunha se pode dizer que se deitou obscuro e acordou célebre com a publicação d´Os Sertões. Merecia-o.” Nem o próprio autor de História da Literatura Brasileira poderia imaginar que a obra de Euclides seria objeto de discussão, e até de comemoração, passados mais de cem anos de seu lançamento nas livrarias do país.

Ganharia o mundo inteiro em poucos anos. O poeta Gerardo Mello Mourão relata um episódio ocorrido na Universidade de Pequim, onde foi indagado por um acadêmico chinês a respeito de um longo poema épico vindo do Brasil. Possuía, na verdade, uma tradução chinesa de “Os Sertões” que, miraculosamente, sobreviveu à fúria revolucionária maoísta. Como explicar o engano ao jovem oriental?

Seria engano? Estariam também enganados os poetas Efrain Tomás Bó e Godofredo Iommi, dois dos mais afamados escritores hispano-americanos, que, quando iniquiridos sobre o maior poema da América Latina, responderam “Os Sertões”? Trata-lo como romance é apenas questão de costume. O caso seria igual se o considerássemos tratado geomorfológico, estudo de etnologia ou simples reportagem: esqueceríamos as outras faces da Hidra, ficando numa só, o que é, mais do que errôneo, impossível.

E quantas faces! Por reunir citações e conceitos de topografia, história, etnologia, geologia, botância, zoologia, psicologia social e outras ciências, pode-se aplicar ao livro a previsão, algo apocalíptica, sobre o futuro do povo ali descrito: “não teremos unidade de raça; não a teremos, talvez, nunca”. Lúcia Miguel Pereira não inclui “Os Sertões” no estudo sobre a literatura brasileira da virada do século XIX. O pioneiro José Veríssimo, assim como Tristão de Athayde e José Guilherme Merquior, dizem: é ficção. Outros, como Afrânio Coutinho, vão mais longe: “trata-se de romance-poema-epopéia. Uma narrativa heróica, da família de ´Guerra e Paz` e cujo antepassado mais ilustre é a ´Ilíada´” (permito-me acrescentar outro nome: “Comentários sobre a Guerra Gálica”, de Caio Júlio César). Uma Ilíada sem deuses; ao desistir de invocar a inspiração das Musas, Euclides pede auxílio à ciência, o ídolo de seu tempo. Homem de formação técnica, dava pleno crédito ao método científico e às descobertas do conhecimento humano, o que só lhe autorizaria a discorrer sobre um tema tão complexo com o devido substrato da razão. A ciência é,em “Os Sertões”, reafirmação de convicções e definição de caminhos a seguir, além de fixar o estilo euclidiano, único, de encarar e descrever a realidade.

Na “Nota Preliminar”, o autor reafirma o desejo de legar às gerações vindouras: “Aquela campanha lembra um refluxo para o passado. E foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo”. Euclides via a si próprio como a personificação da figura do homem público, aquele tem como ideal de vida servir à Pátria.

A zona de influência de “Os Sertões” ultrapassou as fronteiras brasileiras. O húngaro Sándor Marái leu-o, apaixonou-se e escreveu “Veredicto em Canudos”. O peruano Mario Vargas Llosa tomou o sertão de Euclides como pano de fundo para narrar a “Guerra do Fim do Mundo”, e Borges incluiu Antônio Conselheiro em um de seus contos. Dentro do país, ajudou a fundar uma corrente regionalista, cujo ápice seria atingido em “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Múltipla é também a utilidade do livro. Serviu e serve de estímulo aos patriotas fervorosos, aos acossados pelo complexo de inferioridade, aos vestibulandos desesperados e até aos entusiastas de um ex-presidente, legítimo representante dos homens traçados pelas coordenadas euclidianas e elevado por alguns à categoria de principal personagem de uma saga brasileira da qual “Os Sertões” seria o retrato paradigmático. A diferença reside no resultado final das duas contendas: o referido senhor venceu, e com boa vantagem, de fazer inveja aos soldados republicanos.

Pelas palavras de Euclides, o brasileiro passou a conhecer o sertão. Poderia nega-lo; ignora-lo, nunca mais. O Brasil atrasado, ibérico, medieval, rural, esquecido e fechado em si mesmo ia ao encontro dos grandes centros urbanos europeístas através dos períodos curtos e impactantes do engenheiro fluminense, como se cada frase fosse uma máxima.

Mais do que descrever o sertão, Euclides o desenha. Pioneiro, sua criação foi imitada à exaustão e corresponde, hoje, à triste imagem que temos daquela região. Essa mimese amplia os horizontes do chamado período realista em voga na época e antecipa tendências, como o neo-realismo italiano, mais preocupado em criar realidades do que em retratar uma. Sua ciência acaba valendo pouco diante do seu ímpeto inventivo, coroado até hoje. Sociólogos como Gobineau, citados à farta pelo autor, são hoje tidos como ultrapassados. Falar em raças inferiores nos dias atuais é cair no ridículo em qualquer colóquio de antropologia. O tempo foi implacável com o positivismo tão prezado pelo autor, e Comte é hoje figura mais presente na Bandeira Nacional do que nas discussões filosóficas. Da imensidão de aspectos que a obra abordou, esse mesmo tempo, sábio seletor, preservou o literário. Tal foi o destino de Euclides: queria ser homem público. Era, sem o saber, um artista.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 9/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
02. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
03. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
04. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
05. Um Furto de Ricardo de Mattos


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2018
01. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018
02. Raio-X do imperialismo - 22/5/2018
03. De Middangeard à Terra Média - 10/4/2018
04. 40 anos sem Carpeaux - 20/3/2018
05. O artífice do sertão - 9/10/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUINZE PODERES QUE MUDAM SUA VIDA
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(2015)
R$ 34,00



A ALMA DO CRISTIANISMO
HUSTON SMITH
CULTRIX
(2006)
R$ 22,90



A MORTE - NA VISÃO DO ESPIRITISMO -
ALEXANDRE CALDINI NETO
BELALETRA
(2013)
R$ 4,30



MANDRAKE--254.
EDITORA RGE
RGE
R$ 30,00



CONVERSANDO COM SEU FILHO ADOLESCENTE SOBRE SEXO
MARCOS RIBEIRO
ACADEMIA
(2010)
R$ 23,00



POESIA - ALBERTO CAEIRO
ALBERTO CAEIRO - FERNANDO PESSOA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 22,30
+ frete grátis



MIDDLE SCHOOL: MY BROTHER IS A BIG, FAT LIAR
JAMES PATTERSON
LITTLE BROWN & COMPANY
(2013)
R$ 24,21



CIÊNCIAS NOVO PENSAR - MEIO AMBIENTE, 6.º ANO
DEMÉTRIO GOWDAK/ EDUARDO MARTINS
FTD
(2012)
R$ 4,00



FAZENDO MEU FILME - VOL.1 - A ESTREIA DE FANI
PAULA PIMENTA
GUTENBERG
(2011)
R$ 25,00



GRANDEZA E DECADÊNCIA DOS ROMANOS
MONTESQUIEU
PAUMAPE
(1995)
R$ 35,90
+ frete grátis





busca | avançada
31589 visitas/dia
1,1 milhão/mês