O artífice do sertão | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 9/10/2018
O artífice do sertão
Celso A. Uequed Pitol

+ de 2400 Acessos

Corria o 3 de dezembro de 1902. O crítico e ensaísta José Veríssimo, um dos mais respeitados da então incipiente cena literária do Rio de Janeiro, assinava uma coluna no jornal “Correio da Manhã” onde submetia à sua fina análise os últimos lançamentos editoriais brasileiros e portugueses, sempre lidos antes da publicação oficial. Um calhamaço de 637 páginas seria o objeto de apreciação naquele dia: intitulava-se “Os Sertões”, de autoria do engenheiro e jornalista Euclides da Cunha. Sobre ele, Veríssimo escreveu:

“(....) O livro do sr. Euclides da Cunha, ao mesmo tempo o livro de um homem de ciência, um geógrafo, um geólogo, um etnógrafo, ; de um homem de pensamento,um filósofo, um sociólogo, um historiador; e de um homem de sentimento, um poeta, um romancista, um artista, que sabe ver e descrever, que vibra e sente tanto aos aspectos da natureza como ao contato do homem e estremece todo, tocado até ao fundo da alma, comovido até as lágrimas, em face da dor humana, venha ela das condições fatais do mundo físico, as secas que assolam os sertões do Norte brasileiro, venha da estupidez ou da maldade dos homens, como a Campanha de Canudos”.

O entusiasmo tão precoce, vindo de figura tão qualificada da intelligentsia nacional da época, destinado a obra de escritor estreante, funcionário público sem fama e sem grandes ambições, não era efêmero ou despropositado, quando se tem em mente o impacto por ele causado. Foguete sem queda e com apogeu incerto, “Os Sertões” vendeu os mil exemplares de sua primeira edição em menos de seis meses; os dois mil da segunda, em um ano e meio; os outros dois mil da terceira em mais dois anos e meio, e isso tudo em um país onde mais de 80% dos 14 milhões de habitantes eram analfabetos. Um sucesso completo e inesperado, tanto que outra figura ilustre da crítica brasileira, Sílvio Romero, afirmou: “de Euclides da Cunha se pode dizer que se deitou obscuro e acordou célebre com a publicação d´Os Sertões. Merecia-o.” Nem o próprio autor de História da Literatura Brasileira poderia imaginar que a obra de Euclides seria objeto de discussão, e até de comemoração, passados mais de cem anos de seu lançamento nas livrarias do país.

Ganharia o mundo inteiro em poucos anos. O poeta Gerardo Mello Mourão relata um episódio ocorrido na Universidade de Pequim, onde foi indagado por um acadêmico chinês a respeito de um longo poema épico vindo do Brasil. Possuía, na verdade, uma tradução chinesa de “Os Sertões” que, miraculosamente, sobreviveu à fúria revolucionária maoísta. Como explicar o engano ao jovem oriental?

Seria engano? Estariam também enganados os poetas Efrain Tomás Bó e Godofredo Iommi, dois dos mais afamados escritores hispano-americanos, que, quando iniquiridos sobre o maior poema da América Latina, responderam “Os Sertões”? Trata-lo como romance é apenas questão de costume. O caso seria igual se o considerássemos tratado geomorfológico, estudo de etnologia ou simples reportagem: esqueceríamos as outras faces da Hidra, ficando numa só, o que é, mais do que errôneo, impossível.

E quantas faces! Por reunir citações e conceitos de topografia, história, etnologia, geologia, botância, zoologia, psicologia social e outras ciências, pode-se aplicar ao livro a previsão, algo apocalíptica, sobre o futuro do povo ali descrito: “não teremos unidade de raça; não a teremos, talvez, nunca”. Lúcia Miguel Pereira não inclui “Os Sertões” no estudo sobre a literatura brasileira da virada do século XIX. O pioneiro José Veríssimo, assim como Tristão de Athayde e José Guilherme Merquior, dizem: é ficção. Outros, como Afrânio Coutinho, vão mais longe: “trata-se de romance-poema-epopéia. Uma narrativa heróica, da família de ´Guerra e Paz` e cujo antepassado mais ilustre é a ´Ilíada´” (permito-me acrescentar outro nome: “Comentários sobre a Guerra Gálica”, de Caio Júlio César). Uma Ilíada sem deuses; ao desistir de invocar a inspiração das Musas, Euclides pede auxílio à ciência, o ídolo de seu tempo. Homem de formação técnica, dava pleno crédito ao método científico e às descobertas do conhecimento humano, o que só lhe autorizaria a discorrer sobre um tema tão complexo com o devido substrato da razão. A ciência é,em “Os Sertões”, reafirmação de convicções e definição de caminhos a seguir, além de fixar o estilo euclidiano, único, de encarar e descrever a realidade.

Na “Nota Preliminar”, o autor reafirma o desejo de legar às gerações vindouras: “Aquela campanha lembra um refluxo para o passado. E foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo”. Euclides via a si próprio como a personificação da figura do homem público, aquele tem como ideal de vida servir à Pátria.

A zona de influência de “Os Sertões” ultrapassou as fronteiras brasileiras. O húngaro Sándor Marái leu-o, apaixonou-se e escreveu “Veredicto em Canudos”. O peruano Mario Vargas Llosa tomou o sertão de Euclides como pano de fundo para narrar a “Guerra do Fim do Mundo”, e Borges incluiu Antônio Conselheiro em um de seus contos. Dentro do país, ajudou a fundar uma corrente regionalista, cujo ápice seria atingido em “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Múltipla é também a utilidade do livro. Serviu e serve de estímulo aos patriotas fervorosos, aos acossados pelo complexo de inferioridade, aos vestibulandos desesperados e até aos entusiastas de um ex-presidente, legítimo representante dos homens traçados pelas coordenadas euclidianas e elevado por alguns à categoria de principal personagem de uma saga brasileira da qual “Os Sertões” seria o retrato paradigmático. A diferença reside no resultado final das duas contendas: o referido senhor venceu, e com boa vantagem, de fazer inveja aos soldados republicanos.

Pelas palavras de Euclides, o brasileiro passou a conhecer o sertão. Poderia nega-lo; ignora-lo, nunca mais. O Brasil atrasado, ibérico, medieval, rural, esquecido e fechado em si mesmo ia ao encontro dos grandes centros urbanos europeístas através dos períodos curtos e impactantes do engenheiro fluminense, como se cada frase fosse uma máxima.

Mais do que descrever o sertão, Euclides o desenha. Pioneiro, sua criação foi imitada à exaustão e corresponde, hoje, à triste imagem que temos daquela região. Essa mimese amplia os horizontes do chamado período realista em voga na época e antecipa tendências, como o neo-realismo italiano, mais preocupado em criar realidades do que em retratar uma. Sua ciência acaba valendo pouco diante do seu ímpeto inventivo, coroado até hoje. Sociólogos como Gobineau, citados à farta pelo autor, são hoje tidos como ultrapassados. Falar em raças inferiores nos dias atuais é cair no ridículo em qualquer colóquio de antropologia. O tempo foi implacável com o positivismo tão prezado pelo autor, e Comte é hoje figura mais presente na Bandeira Nacional do que nas discussões filosóficas. Da imensidão de aspectos que a obra abordou, esse mesmo tempo, sábio seletor, preservou o literário. Tal foi o destino de Euclides: queria ser homem público. Era, sem o saber, um artista.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 9/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
02. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol
03. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
04. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
05. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2018
01. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018
02. Raio-X do imperialismo - 22/5/2018
03. De Middangeard à Terra Média - 10/4/2018
04. 40 anos sem Carpeaux - 20/3/2018
05. O artífice do sertão - 9/10/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A TÉCNICA DO DIREITO VOL 3 - A TÉCNICA DA DEFESA CRIMINAL
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 10,00



CERIMONIAL DO CASAMENTO - 4930
MARIA DE LOURDES DE FARIA MARCONDES WOLFF
WB EDITORES
R$ 10,00



COTIDIANO E ROTINA NA SALA DE AULA
MARLEI GOMES DA SILVA MALINOSKI
APPRIS
(2016)
R$ 34,00



NAU DOS DESEJOS
CREMILDA MEDINA
CJE / ECA / USP
(1994)
R$ 4,70



SEU FUTURO SEGUNDO OS TARÔS
GIOVANNI SCIUTO
NORDICA
(1992)
R$ 15,00



MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
DIALETO
(2012)
R$ 55,00



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS ,1772 - 1814
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 40,00



A IMPORTÂNCIA DO RELACIONAMENTO COMERCIAL E CULTURAL...
VÁRIOS
SENADO FEDERAL
(1995)
R$ 8,58



O PRIMEIRO GUERREIRO - 2ª EDIÇÃO
ORLANDO PAES FILHO
ARX JOVEM
(2002)
R$ 10,00



ALICE DO 5O DIEDRO
LAURITA MOURAO
NORDICA
R$ 6,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês