O artífice do sertão | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> A volta de Steve Jobs à Apple
>>> Muitos amores ao mesmo tempo
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Para tudo existe uma palavra
Mais Recentes
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> Supernatural - O Guia De Caca De Bobby Singer de David Reed pela Gryphus (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 02 - O Filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 01 - O Herói Perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Diário de um Mago de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J.K. Rowling pela Rocco (2019)
>>> C++: Como Programar (Com CD-ROM) de H. M. Deitel pela Bookman (2001)
>>> Contos de Imaginação e Mistério de Edgar Allan Poe pela Tordesilhas (2012)
>>> Golem e o Gênio - Uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela Darkside Books (2015)
>>> O Físico - Edição Capa dura (Novo - Embalado) de Noah Gordon pela Rocco (2018)
>>> Por Que Calar Nossos Amores? - Poesia Homoerótica Latina de Raimundo Carvalho pela Autêntica (2017)
>>> O universo numa casca de noz de Stephen Hawking pela Intrínseca (2016)
>>> Supernatural - O Livro Dos Monstros, Espíritos, Demônios e Ghouls de Alex Irvine pela Gryphus (2011)
>>> O Espiritismo - a Sciencia Condemna de Dr. Jacob Huddleston Slater pela Autor
>>> Tratado de La Naturaleza Humana - V. 3 e último de David Hume pela Calpe (1923)
>>> Assassins Creed, Vol. 4 - Revelações de Oliver Bowden pela Galera Record (2013)
>>> A Revelação de Baháullah - Vols. 1 e 2 - Bagdá 1853 - 1863 de Adib Taherzadeh pela Bahai do Brasil (2002)
>>> Assassins Creed, Vol. 02 - Irmandade de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Em Busca da Satisfação dos Interesses da Vítima Penal de Alline Pedra Jorge pela Lumenjuris (2005)
>>> Acontece por Acaso de Pedro Luis Schlindwein pela Autores Paranaenses (2019)
>>> The Dictionary of Dreams and Their Meanings de Richard Craze pela Hermes House (2005)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 04 - O Furioso Quinta-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2010)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 03 - Quarta-feira Submersa de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 2 - O Horrível Terça-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 01 - Sr. Segunda-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2008)
>>> Hipnose - Descubra o poder da sua mente de Pyong Lee pela Outro Planeta (2018)
>>> A Chave para Rondo de Emily Rodda pela Fundamento (2010)
>>> As Crônicas das Irmãs Bruxas, Vol. 01 - Enfeitiçadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 01 - A Bússola de Ouro de Philip Pullman pela Objetiva (1995)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 02 - A Faca Sutil de Philip Pullman pela Objetiva (1997)
>>> Assassins Creed, Vol. 05 - Renegado de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 05 - O Sangue do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Sonho Febril de George R. R. Martin pela Leya (2019)
>>> Juízo Final: Odisseia dos Deuses de Horst Schadeck pela Chiado (2018)
>>> The Mystery of the Missing Antimatter de Helen R. Quinn pela Princeton University Press (2007)
>>> São José da Terra Firme de Gilberto Gerlach e Osni Machado pela Cultura Turismo São José (2004)
>>> Geometry - the Easy Way de Lawrence S. Leff pela Barrons (1997)
>>> A Solução Anabólica para Fisiculturistas de Dr. Mauro Di Pasquale pela Phorte (2006)
>>> Fallen, Vol. 3.5 - Apaixonados, Histórias de amor de Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> The Black Atlantic de Paul Gilroy pela Verso (1993)
>>> Fallen, Vol 03 - Paixão de Lauren Kate pela Galera Record (2016)
>>> Nos Céus de Paris - O romance da Vida de Santos Dumont de Alcy Cheuiche pela LPM Pocket (2001)
>>> Perda de uma Chance e Responsabilidade Civil dos Profissionais de Lisiane Lazzari Pietroski pela Conceito (2013)
>>> Acampamento Shadow Falls, Vol. 1 - Nascida à Meia-Noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Comentários à Lei 11. 419/06 e as Práticas Processuais por Meio de Alexandre Atheniense pela Juruá (2010)
>>> Fallen, Vol. 04 - Êxtase de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Administrando para Obter Resultados de Peter Drucker pela Thomson Pioneira (1998)
>>> Fallen, Vol. 01 de Lauren Kate pela Galera Record (2010)
>>> Clínica e Política: Subjetividade e Violão dos Direitos Humanos de Cristina Rauter / Eduardo Passos pela : Ifb Te Corá (2002)
COLUNAS

Terça-feira, 9/10/2018
O artífice do sertão
Celso A. Uequed Pitol

+ de 2300 Acessos

Corria o 3 de dezembro de 1902. O crítico e ensaísta José Veríssimo, um dos mais respeitados da então incipiente cena literária do Rio de Janeiro, assinava uma coluna no jornal “Correio da Manhã” onde submetia à sua fina análise os últimos lançamentos editoriais brasileiros e portugueses, sempre lidos antes da publicação oficial. Um calhamaço de 637 páginas seria o objeto de apreciação naquele dia: intitulava-se “Os Sertões”, de autoria do engenheiro e jornalista Euclides da Cunha. Sobre ele, Veríssimo escreveu:

“(....) O livro do sr. Euclides da Cunha, ao mesmo tempo o livro de um homem de ciência, um geógrafo, um geólogo, um etnógrafo, ; de um homem de pensamento,um filósofo, um sociólogo, um historiador; e de um homem de sentimento, um poeta, um romancista, um artista, que sabe ver e descrever, que vibra e sente tanto aos aspectos da natureza como ao contato do homem e estremece todo, tocado até ao fundo da alma, comovido até as lágrimas, em face da dor humana, venha ela das condições fatais do mundo físico, as secas que assolam os sertões do Norte brasileiro, venha da estupidez ou da maldade dos homens, como a Campanha de Canudos”.

O entusiasmo tão precoce, vindo de figura tão qualificada da intelligentsia nacional da época, destinado a obra de escritor estreante, funcionário público sem fama e sem grandes ambições, não era efêmero ou despropositado, quando se tem em mente o impacto por ele causado. Foguete sem queda e com apogeu incerto, “Os Sertões” vendeu os mil exemplares de sua primeira edição em menos de seis meses; os dois mil da segunda, em um ano e meio; os outros dois mil da terceira em mais dois anos e meio, e isso tudo em um país onde mais de 80% dos 14 milhões de habitantes eram analfabetos. Um sucesso completo e inesperado, tanto que outra figura ilustre da crítica brasileira, Sílvio Romero, afirmou: “de Euclides da Cunha se pode dizer que se deitou obscuro e acordou célebre com a publicação d´Os Sertões. Merecia-o.” Nem o próprio autor de História da Literatura Brasileira poderia imaginar que a obra de Euclides seria objeto de discussão, e até de comemoração, passados mais de cem anos de seu lançamento nas livrarias do país.

Ganharia o mundo inteiro em poucos anos. O poeta Gerardo Mello Mourão relata um episódio ocorrido na Universidade de Pequim, onde foi indagado por um acadêmico chinês a respeito de um longo poema épico vindo do Brasil. Possuía, na verdade, uma tradução chinesa de “Os Sertões” que, miraculosamente, sobreviveu à fúria revolucionária maoísta. Como explicar o engano ao jovem oriental?

Seria engano? Estariam também enganados os poetas Efrain Tomás Bó e Godofredo Iommi, dois dos mais afamados escritores hispano-americanos, que, quando iniquiridos sobre o maior poema da América Latina, responderam “Os Sertões”? Trata-lo como romance é apenas questão de costume. O caso seria igual se o considerássemos tratado geomorfológico, estudo de etnologia ou simples reportagem: esqueceríamos as outras faces da Hidra, ficando numa só, o que é, mais do que errôneo, impossível.

E quantas faces! Por reunir citações e conceitos de topografia, história, etnologia, geologia, botância, zoologia, psicologia social e outras ciências, pode-se aplicar ao livro a previsão, algo apocalíptica, sobre o futuro do povo ali descrito: “não teremos unidade de raça; não a teremos, talvez, nunca”. Lúcia Miguel Pereira não inclui “Os Sertões” no estudo sobre a literatura brasileira da virada do século XIX. O pioneiro José Veríssimo, assim como Tristão de Athayde e José Guilherme Merquior, dizem: é ficção. Outros, como Afrânio Coutinho, vão mais longe: “trata-se de romance-poema-epopéia. Uma narrativa heróica, da família de ´Guerra e Paz` e cujo antepassado mais ilustre é a ´Ilíada´” (permito-me acrescentar outro nome: “Comentários sobre a Guerra Gálica”, de Caio Júlio César). Uma Ilíada sem deuses; ao desistir de invocar a inspiração das Musas, Euclides pede auxílio à ciência, o ídolo de seu tempo. Homem de formação técnica, dava pleno crédito ao método científico e às descobertas do conhecimento humano, o que só lhe autorizaria a discorrer sobre um tema tão complexo com o devido substrato da razão. A ciência é,em “Os Sertões”, reafirmação de convicções e definição de caminhos a seguir, além de fixar o estilo euclidiano, único, de encarar e descrever a realidade.

Na “Nota Preliminar”, o autor reafirma o desejo de legar às gerações vindouras: “Aquela campanha lembra um refluxo para o passado. E foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo”. Euclides via a si próprio como a personificação da figura do homem público, aquele tem como ideal de vida servir à Pátria.

A zona de influência de “Os Sertões” ultrapassou as fronteiras brasileiras. O húngaro Sándor Marái leu-o, apaixonou-se e escreveu “Veredicto em Canudos”. O peruano Mario Vargas Llosa tomou o sertão de Euclides como pano de fundo para narrar a “Guerra do Fim do Mundo”, e Borges incluiu Antônio Conselheiro em um de seus contos. Dentro do país, ajudou a fundar uma corrente regionalista, cujo ápice seria atingido em “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Múltipla é também a utilidade do livro. Serviu e serve de estímulo aos patriotas fervorosos, aos acossados pelo complexo de inferioridade, aos vestibulandos desesperados e até aos entusiastas de um ex-presidente, legítimo representante dos homens traçados pelas coordenadas euclidianas e elevado por alguns à categoria de principal personagem de uma saga brasileira da qual “Os Sertões” seria o retrato paradigmático. A diferença reside no resultado final das duas contendas: o referido senhor venceu, e com boa vantagem, de fazer inveja aos soldados republicanos.

Pelas palavras de Euclides, o brasileiro passou a conhecer o sertão. Poderia nega-lo; ignora-lo, nunca mais. O Brasil atrasado, ibérico, medieval, rural, esquecido e fechado em si mesmo ia ao encontro dos grandes centros urbanos europeístas através dos períodos curtos e impactantes do engenheiro fluminense, como se cada frase fosse uma máxima.

Mais do que descrever o sertão, Euclides o desenha. Pioneiro, sua criação foi imitada à exaustão e corresponde, hoje, à triste imagem que temos daquela região. Essa mimese amplia os horizontes do chamado período realista em voga na época e antecipa tendências, como o neo-realismo italiano, mais preocupado em criar realidades do que em retratar uma. Sua ciência acaba valendo pouco diante do seu ímpeto inventivo, coroado até hoje. Sociólogos como Gobineau, citados à farta pelo autor, são hoje tidos como ultrapassados. Falar em raças inferiores nos dias atuais é cair no ridículo em qualquer colóquio de antropologia. O tempo foi implacável com o positivismo tão prezado pelo autor, e Comte é hoje figura mais presente na Bandeira Nacional do que nas discussões filosóficas. Da imensidão de aspectos que a obra abordou, esse mesmo tempo, sábio seletor, preservou o literário. Tal foi o destino de Euclides: queria ser homem público. Era, sem o saber, um artista.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 9/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
02. Maurice de Guilherme Pontes Coelho
03. Livro dos Homens de Rafael Rodrigues
04. Meus Livros de Spacca
05. Pode guerrear no meu território de Paulo Polzonoff Jr


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2018
01. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018
02. Raio-X do imperialismo - 22/5/2018
03. De Middangeard à Terra Média - 10/4/2018
04. 40 anos sem Carpeaux - 20/3/2018
05. O artífice do sertão - 9/10/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA PORTUGUESA
JORGE CARVALHO ARROTEIA
INSTITUTO CULTURA
(1984)
R$ 14,88



1, 2, 3 ERA UMA VEZ - LIVRO 2
ADRIANA DORNAS - MARIA HELENA CARVALHO
EFEITO GRAFICO
(2012)
R$ 89,90



A CIDADE DOS CIDADÃOS
ROBERTO GUIDUCCI
BRASILIENSE
(1980)
R$ 10,00



E DO MEIO DO MUNDO PROSTITUTO - SO AMORES GUARDEI AO MEU CHARUTO
RUBEM FONSECA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1997)
R$ 25,00



ESTRATÉGIAS MOTIVACIONAIS
GRETEL ERES E MARÍLIA V. CALLEGARI
CIA NACIONAL
(2010)
R$ 9,00



O HOMEM DA HORA
PETER BLAUER
BERTRAND BRASIL
(2000)
R$ 15,00



AGENDA PARIS 1996
SAFT NIFE
NIFE
(1996)
R$ 28,28



PARA UMA CRÍTICA DE ECONOMIA POLÍTICA
PAUL SWEEZY
GLOBAL
(1979)
R$ 20,00



CURIOSIDADES VERBAIS: ESTUDOS APLICÁVEIS À LÍNGUA NACIONAL
JOÃO RIBEIRO (3ª EDIÇÃO)
ACADEMIA BRASILEIRA LETRAS
(2008)
R$ 28,28



COMENTÁRIOS À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS - VOLS 1, 2 E 3
WILSON DE SOUZA CAMPOS BATALHA (CAPA DURA)
FORENSE
(1977)
R$ 50,28





busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês