Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
>>> Literatura brasileira hoje
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O papel aceita tudo
>>> Orgulho e preconceito, de Jane Austen
>>> O Mistério dos Incas
Mais Recentes
>>> A Guerra da Identidade: ensaios latino-americanos de George de Cerqueira Leite Zarur pela Verbena (2014)
>>> Os Criminosos Vieram Para o Chá de Stella Carr pela FTD (2001)
>>> Sujo! Corrupção no Brasil (entrevista Com Filha de Acusado) de Júlio Emílio Braz pela Ed. FTD (1995)
>>> O Natal de Poirot de Agatha Christie pela Pocket Ouro (2011)
>>> Cai o Pano de Agatha Christie pela Pocket Ouro (2009)
>>> Pedagogia do Bom Senso - Psicologia e Pedagogia de C. Freinet pela Martins Fontes (1991)
>>> Um Conto de Fim de Mundo: Prostituição Infantil de Júlio Emílio Braz pela Ed. FTD (1995)
>>> Pedro Pedra (Transa-livre) de Gustavo Bernardo pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1991)
>>> Terceirização em áreas protegidas de Benita M. M. Mueller Rocktaeschel pela Senac (2006)
>>> Pedro Pedra (Transa-livre) de Gustavo Bernardo pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1992)
>>> Introdução à Psicologia da Criança - 1966 de Paul Osterrieth pela Nacional (1966)
>>> Código do Consumidor na Teoria e na Prática:Comentários...Prática... de Geraldo Magela Alves pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Coisa Minha - Lembranças de uma Vida Intensamente Vivida de Hélio Arêas (Autografado) pela 3i/ Belo Hte. (2015)
>>> A Inversão do Ônus da Prova de Sandra Aparecida Sá dos Santos pela Revista dos Tribunais (2006)
>>> A Cura Psíquica na Formação - Inicial e Permanente de Pe. Alírio José Pedrini pela Loyola (1988)
>>> Dinâmica do folclore de Edison Carneiro pela Civilização brasileira (1965)
>>> A Amiga do Diabo (Série Negra) de Peter Robinson pela Record/ RJ. (2010)
>>> A Amiga do Diabo (Série Negra) de Peter Robinson pela Record/ RJ. (2010)
>>> Estudo Independente O teste 2 de Joelle Charbonneau pela Gente (2014)
>>> Estudo Independente O teste 2 de Joelle Charbonneau pela Gente (2014)
>>> Mistério À Americana - Edição da Série De Otto Penzler de Donald E. Westlake : Organização e Prefácio pela Record/ RJ. (2002)
>>> Mistério À Americana - Edição da Série De Otto Penzler de Dnald E. Westlake : Organização e Prefácio pela Record/ RJ. (2002)
>>> Dívida de Sangue de Michael Connelly (Série Negra) pela Record/ RJ. (2011)
>>> Dívida de Sangue de Michael Connelly (Série Negra) pela Record/ RJ. (2011)
>>> O servo dos ossos de Anne Rice pela Rocco (1998)
>>> Sangue e ouro As crônicas vampirescas de Anne Rice pela Rocco (2002)
>>> Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário de Edmar Oliveira Andrade Filho pela Mp (2007)
>>> Código de Defesa do Consumidor- Aspectos Relevantes:... de Luís Fernando Nigro Corrêa/ Osíres Leite Corrêa pela Del Rey/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Ambiental e Transgênicos: Princípios Fundamentais da ... de João Carlos de Carvalho Rocha pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> O Gerente Noturno de John Le Carré pela Record/ RJ. (1994)
>>> Um Golpe Quase Perfeito de Lawrence Sanders pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> A Cabala - Tradição Secreta do Ocidente - Com quadros e ilustrações de Papus pela Pensamento (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saint Seiya - Vol 17 de Masami Kurumada pela Jbc (2012)
>>> As Artes Adivinhatórias - Grafologia - Quiromancia - Morfologia de Papus pela Ciências Ocultas (1989)
>>> No Caminho da Evolução - pelo Espírito Simone de Aparecida D. Talhari pela João Batista (2010)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Uma Carta de Amor de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> À primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> O melhor de mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Negro e Amargo Blues de James Lee Burke pela Record/ RJ. (1998)
>>> Marcas de Nascença de Sarah Dunant pela Record/ RJ. (1998)
>>> Mistério À Americana- 2: Uma Antologia dos Melhores contos Norte-americanos de Mistério... de Lawrence Block (Editor Convidado/ Vários autores) pela Record/ RJ. (2003)
>>> Mistério À Americana- 2: Uma Antologia dos Melhores contos Norte-americanos de Mistério... de Lawrence Block (Editor Convidado/ Vários autores) pela Record/ RJ. (2003)
>>> Camaradas de Miami de José Latour pela Record/ RJ. (2007)
>>> Camaradas de Miami de José Latour pela Record/ RJ. (2007)
>>> Manual de Sobrevivência Em Recepções Com e Coquetéis Com Bufê Escasso de Angelo Machado/ Ilustrações: Lor pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1998)
COLUNAS

Terça-feira, 29/5/2018
Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
Celso A. Uequed Pitol

+ de 8300 Acessos

Situados para além dos limites do Império Romano e separados pela península dinamarquesa, o Mar do Norte e o Mar Báltico compunham na aurora do século IX uma grande via, unificada pelo comércio, pela geografia e pela cultura, em grande medida oposta a outra grande via, também unificada pelo comércio, pela geografia e pela cultura, onde Roma e seu vasto Império nasceram: o Mar Mediterrâneo.

Não é difícil encontrar indicativos desta oposição. Encontramo-las no clima, nos bens comercializados, nos navios que faziam o tráfego, no idioma predominante, nas etnias que circulavam, nos costumes, em praticamente tudo. Já em seu tempo os romanos pareciam ter nítida consciência de que , ao atravessarem as densas e frias florestas da Germânia e chegarem às praias da Europa boreal, entravam num mundo completamente distinto daquele que conheciam. Se para Plínio, o Velho, o Mar do Norte era, muito simplesmente, o Oceanus Setentrionalis, para outros conterrâneos seus recebia o nome de Oceanus Germanicus. Já o Báltico, para Tácito, era o Mare Suebicum, o “Mar dos Suábios”. As duas referências de cariz étnico-cultural – Germanicus e Suebicum – ganham um significado especial quando comparamos com a maneira como os romanos nomearam, não sem imperial arrogância, o Mediterrâneo onde navegavam como senhores: Mare Nostrum – o Nosso Mar. Ali sentiam-se em casa; sob seu sol benevolente e sobre suas águas mornas navegavam como reis e senhores, levando sua Águia Imperial, seu pujante comércio e sua civilização a todas as partes. No Báltico e no Norte, no Mar dos Suábios e dos Germânicos, os senhores e reis eram outros e a civilização, se é que existia, era outra. Estes mares, um romano não pode chamar de seus. O mar deles era outro.

E não apenas dos romanos. O Mediterrâneo também era dos demais italianos, dos gregos, dos árabes, dos espanhóis, dos marselheses, dos sicilianos, dos turcos, dos judeus e de muitos outros, mesmo que não fossem os donos do Império. Era o mar de Alexandre Magno, de Sócrates, de São Paulo, de São Pedro, de Julio César, de Marco Antonio e de Maimônides. Era o mar da Ilíada e da Odisséia, cujo enredo – a viagem de Ulisses até Ítaca – foi resgatado num dos mais belos poemas escritos no século XX: no bel[itee is[smonides. lo do intencereudeus. dositalianos.omanos tr “Ítaca”, de Konstantinos Kavafis. Nele, o poeta assim se dirige ao viajante:

Faz votos de que o caminho seja longo.
Numerosas serão as manhãs de verão
nas quais, com que prazer, com que alegria,
tu hás de entrar pela primeira vez um porto
para correr as lojas dos fenícios
e belas mercancias adquirir:
madrepérolas, corais, âmbares, ébanos,
e perfumes sensuais de toda a espécie,
quanto houver de aromas deleitosos.
A muitas cidades do Egito peregrina
para aprender, para aprender dos doutos1.


Este era o Mediterrâneo: o mar das alegres manhãs de verão, das lojas dos fenícios, dos perfumes sensuais, dos sábios do Egito: o mar em que brotou e vicejou a nossa civilização. Por isso, também podemos dizer dele, como o orgulhoso romano, que é Mare Nostrum.
O contraste com o Báltico e o Norte é violento como as tempestades que, no duro inverno, atingiam sem piedade os batéis que ousavam navegar por suas águas. Nas praias do Norte europeu, o viajante de Kaváfis não encontraria as “lojas dos fenícios” para “belas mercancias adquirir”, e sua viagem muito provavelmente não seria revestida pelo tom existencial que ele lhe deu e que está, também, presente na leitura da Odisséia. Não deveria o desavisado viajante esperar que a estrada marítima fosse um aprendizado. Atesta-o as palavras do anônimo navegante do poema anglo-saxão The Seafarer (O Navegante), que, no século X, descrevia assim a vida daqueles que, como ele, haviam escolhido a vida de homens do mar:

(....) Por muitas privações passei
A inquietude mordendo o peito,
Ao contemplar o navio assaltado
Pelas pavorosas investidas do mar.
(....)

Ao anoitecer cai a neve, vinda do Norte,
E tudo se congela, coberto de granizo,
Semente das mais frias.
Mesmo assim, no coração vive um só pensamento:
Perseverar em minha travessia solitária
Esquivando o alvoroço das correntes.

(....) Ele, o homem próspero e cômodo,
Ignora o destino de quem, como eu,
Perde-se nos confins do mar2.
O autor do poema era cristão, como todos os anglo-saxões no século IX. Pode-se dizer que ele ainda teria a saída do conforto religioso diante da tribulação, saída que nem todos os por ali aventurados tinham. Ao final do primeiro milênio da era cristã, parte do Mar do Norte e parte significativa do Báltico não haviam sido cristianizados, o que significa dizer, entre outras coisas, que também não haviam recebido o legado cultural de origem greco-romana que sempre acompanhou a difusão do cristianismo.

Mas a barbárie, o paganismo, o frio, a neve e as noites longas do Norte significavam pouco perto da ação dos piratas. “Perder-se nos confins do mar”era também perder-se do pouco de segurança que aquela vida duríssima concedia aos homens. Omar do Norte e o Báltico eram um ninho de piratas e saqueadores, que tornavam qualquer viagem comercial uma aventura perigosíssima. Os mercadores do Mediterrâneo, por outro lado, viviam uma vida comparativamente muito mais tranqüila: suas águas eram melhor patrulhadas,menos expostas a ação dos malfeitores e, a partir do século XI, a Reconquista espanhola pôs a termo os últimos resquícios de pirataria na região3. "La securité”- como diz Roux de Rouchelle - rendue aux voyageurs devint un des principaux élements de civilisation: elle rapprocha les peuples, améliora les moeurs, les institutions et fit naitre las régles du droit (....)"4

Por essa razão, quando se fala no comércio entre cidades da Idade Média o caminho que imediatamente tomamos, quase que por instinto, é o do Mediterrâneo. E não é sem razão. A partir da experiência das cidades italianas nas trocas com Bizâncio, o mundo árabe, a Península Ibérica e até mesmo o Norte da Europa vemos surgir as bases do moderno direito comercial, das modernas sociedades comerciais, do direito marítimo e de muito mais, a ponto de Max Weber em sua monografia sobre o tema afirmar, sem lugar a dúvidas, que “it is understandable, as well as historically certain, that in the Middle Ages trade on a larger scale was first found in the cities of the Mediterranean sea”. E completa: “Those cities were the home of and undertaking that involved selling as well as trading merchandise, the commenda, especially in the trade between the western italian coast and the Spanish coast”5.

No entanto, nem tudo estava lá. Por mais bárbaro, inculto, isolado e perigoso que fosse, a região do Mar do Norte e do Mar Báltico foi também sede de um importante fluxo de comércio. Encampado por uma série de cidades, grande parte delas de origem comum, formadas no contexto da expansão territorial, econômica e populacional do Sacro Império Romano-Germanico para o leste, este fluxo era impulsionado, mantido e protegido por uma liga de cidades que, embora pertencentes formalmente ao Sacro Império, agiam de maneira totalmente independente e até mesmo antagônica a ele, liga esta que, por três séculos – do XIV ao XVII – foi, de fato, a maior força marítima e comercial do Europa e o seu mais duradouro exemplo de integração: a Liga Hanseática.

Pode parecer estranho falar de “integração” para definir a Hansa, em especial quando temos em mente os exemplos modernos de integração, como o Mercosul e a União Européia. Como podemos colocar ao lado destas duas entidades a experiência de uma associação de cidades, de número variável e nunca elencado propriamente, com propósito comercial e nenhuma instituição fixa a não ser uma assembléia de membros, a Hansetag? De que maneira o que conhecemos por integração pode ser aplicado ai? Como pôde esta associação, organização ou o que for sustentar-se durante três séculos desde a sua fundação, em 1356?


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 29/5/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
02. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
03. crônica - ou ensaio - à la hatoum de Ítalo Puccini
04. O cavalo branco de Elisa Andrade Buzzo
05. As maravilhas do mundo que não terminam de Marilia Mota Silva


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2018
01. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018
02. Raio-X do imperialismo - 22/5/2018
03. De Middangeard à Terra Média - 10/4/2018
04. 40 anos sem Carpeaux - 20/3/2018
05. O artífice do sertão - 9/10/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O EPISÓDIO DE CANUDOS - EUCLIDES DA CUNHA
LUÍS VIANA FILHO / GROVER CHAPMAN
SALAMANDRA RIO DE JANEIRO
(1978)
R$ 20,00



OTIMIZAÇÃO NA RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS - VOLUME 1
JOSE ROBERTO ROMEU ROQUE (ORG.)
IBEGI
(2012)
R$ 19,00



SUBSÍDIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO GUIA CURRICULAR...
N/D
IMPRENSA OFICIAL
(1979)
R$ 4,00



VOCÊ PODE CURAR A SI MESMO
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-IE
(2005)
R$ 8,90



A PRINCESA QUE ENGANOU A MORTE E OUTROS CONTOS
SONIA SALERNO FORJAZ
DELEITURA
(2009)
R$ 6,00



O GRANDE LIVRO DO SIM
DANIELA LEVY
BBD
(2015)
R$ 34,80



SÍMBOLOS LITÚRGICOS
ALBERTO BECKHAUSER
VOZES
(2010)
R$ 10,00



O MANUAL DO ACUMULADOR DE ORGÔNIO
JAMES DEMEO, PH. D.
IMAGO
(1995)
R$ 269,90



MODERNA SÁTIRA BRASILEIRA - 7912
MALCOLM SILVERMAN
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 10,00



PLT PROGRAMA DO LIVRO- TEXTO PRÁTICA DE LABORATÓRIO PARA ENGENHARIA
PLT
ED. ÁTOMO
(2007)
R$ 20,00





busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês