Leblon | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
>>> Próxima Viagem - Nº 22, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2001)
>>> Próxima Viagem - Nº 1, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (1999)
>>> Viaje mais por menos - Nº 12, Ano 1 de Vários autores pela Europa (2002)
>>> Viagem e turismo - Nº 4, Ano 4 de Vários autores pela Abril (1998)
>>> Viagem e turismo - Nº 2, Ano 2 de Vários autores pela Abril (1996)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/6/2014
Leblon
Marta Barcellos

+ de 2100 Acessos

Moro no Leblon - mas, por favor, não tire conclusões apressadas. Estava eu pensando em escrever uma inocente crônica de bairro, das quais um cronista precisa lançar mão vez por outra, quando me dei conta da encrenca.

O Brasil inteiro conhece o Leblon - das novelas, das canções da MPB, do noticiário em que a referência "morador do Leblon" raramente quer dizer apenas que o sujeito tem residência fixa em determinado bairro do Rio de Janeiro. Se "morador do Leblon" em perfil de artista pode até despertar a simpatia do leitor, o mesmo não se pode dizer do comentário do "morador do Leblon" na reportagem sobre o rolezinho no shopping.

A intimidade é nacional, mas são os cariocas que não moram no Leblon (sim, tenho noção de que são a esmagadora maioria) aqueles que mais acreditam conhecer o bairro e, especialmente, seus moradores. "Diga-me onde moras e te direi quem és" parece ser a regra na cidade onde os espaços sempre estiveram divididos entre aristocracia e povão desde os tempos da Corte, apesar da propalada convivência nas praias (há controvérsias). .

Se me perguntarem sobre o estigma que existe no Rio em torno do morador da Barra da Tijuca, saberei dar alguns palpites (algo sobre abrigar novos-ricos). Mas, no caso do Leblon, falta-me distanciamento para uma análise. Morei no Leblon quando era criança e adolescente (o "Leblon" da época era Ipanema) e voltei há pouco mais de uma década, antes das novelas do Manoel Carlos e depois de um pé-de-meia em São Paulo (penso que o "Leblon" de lá eram os Jardins ou a Vila Nova Conceição). .

O fato é que, ultimamente, ando impelida a me explicar quando, acidentalmente, menciono morar no Leblon. Olha, eu moro lá, mas desde pequena, no tempo que o bairro não valia nada (mentira). Olha, eu moro lá, mas sou a favor das cotas e não odeio o Lula (verdade).

Já pensei em trocar a postura defensiva e partir para o ataque: defender o morador do Leblon e acusar a generalização. Mas logo percebi que se tratava de tarefa ingrata. Bastou uma reunião informal dos moradores da rua sobre os transtornos causados pelas obras do metrô para uma leblonense, pronta para ser personagem indignada de uma reportagem contra os rolezinhos (ou cotas, ou bolsa-família), se apresentar como "gente de bem" que "paga um dos maiores IPTUs do país e tem os seus direitos".

No entanto, morar no centro dos holofotes tem suas vantagens: é possível chamar a atenção para os interesses políticos e principalmente privados (que estão por trás dos políticos) que passaram a dominar nas grandes cidades. Primeiro, o Leblon foi uma espécie de vítima de um projeto-gambiarra de metrô, uma extensão de linha que não atende às necessidades da população, apenas à especulação imobiliária na Barra da Tijuca (onde a ocupação tem ares de vale-tudo). No início, fiquei feliz com a notícia do metrô perto de casa, mas depois percebi que meu benefício pessoal se daria à custa da falta de um projeto efetivo de mobilidade urbana.

Como notícia no Leblon sempre ganha destaque localmente (ao contrário de São Paulo, os cariocas dão muita importância ao noticiário da cidade), um novo assunto do bairro começou a repercutir nos últimos dias: a ameaça de fechamento de um dos cinemas de rua mais antigos da cidade. Bastou a rede de cinemas colocar um cartaz na porta avisando/ameaçando o fechamento "em breve", por ser uma operação deficitária, para o bafafá começar. .

E era sobre essa história - o fechamento do Cine Leblon - que eu pretendia escrever, antes de lembrar o quanto isso poderia parecer, digamos, elitista, pelo simples fato de se referir ao Leblon. .

Reza a lenda que o Rio é o berço da crônica justamente pelo olhar generoso e enternecido que seus lendários cronistas reservavam às ruas por onde flanavam. Apesar de se tratar aqui do bairro-elite, com toda a carga negativa da imagem de nossa elite, é dessa maneira "cronista" que me sinto quando saio perambulando (flanar é para afrancesados) e observando as transformações no bairro. Não penso no IPTU alto nem nos meus direitos, juro. .

Adoro o Leblon pelos prosaicos motivos que levam as pessoas a adorar os espaços urbanos onde moram: o burburinho familiar, o comércio das pequenas compras, as pessoas deslocadas e as que se deslocam, os aromas e sabores escondidos e que você acredita serem só seus. Nesta lista, claro, está o Cine Leblon, já que vou ao cinema toda sexta-feira, como algumas pessoas vão à missa aos domingos. .

Apesar da programação mais dedicada a blockbusters - únicos capazes de preencher as duas salas de exibição, grandes para os padrões atuais -, o Cine Leblon merece ser preservado. Em estilo art déco, a construção de 1951 é tombada, e por isso não corre o risco de virar um espigão. A não se que se abra uma exceção. E, prontamente, junto com a repercussão do anúncio, surgiu um projeto para viabilizar a "rentabilidade" do cinema, já rejeitado pelos órgãos públicos, propondo uma exceção à lei que manteria o cinema, na parte de baixo, para fazer subir um pequeno prédio de escritórios em cima.

Nada contra. Nem a favor. Só espero que dessa vez a negociação entre interesses privados e públicos seja pra valer. O que me fez desconfiar disso tudo? Primeiro, virou regra, nas negociações de reajustes dos aluguéis exorbitantes do Leblon, uma notinha plantada no jornal avisar que determinado estabelecimento comercial, querido dos moradores, vai fechar. Nem todos fecham. Segundo, um detalhe que me chamou a atenção no projeto da rede de cinemas para viabilizar seu projeto imobiliário: o apelo de transformar o local em um novo "centro cultural" - só porque, além dos cinemas e escritórios, está prevista uma livraria. .

O Shopping Leblon, vale lembrar, só foi erguido sobre uma formação rochosa preservada, destruindo também o teatro Casa Grande, depois que prometeu incluir no projeto um "centro cultural". Que nunca saiu do papel. E do Casa Grande, que pertencia à rede pública de teatros e foi palco de encenações históricas contra a ditadura, só restou o nome. Anexo ao shopping, ele agora é dedicado a musicais, com certeza rentáveis.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 27/6/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
03. A cidade do improvável de Elisa Andrade Buzzo
04. Arte e liberdade de Diogo Salles
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 2 de Rafael Fernandes


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
02. Esquerda x Direita - 24/10/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FORMAS DE PRAZER
MARCELO PIZANI
RECORD
R$ 12,00



REBECCA
DAPHNE DU MAURIER
VICTOR CIVITA
(1981)
R$ 24,00



CENSURA NA LEI E NA MARRA
ELOÍSA ARAGÃO
HUMANITAS
(2013)
R$ 19,99



FUNDAMENTOS DA LOGOTERAPIA. NA CLÍNICA PSIQUIÁTRICA E PSICOTERAÊUTICA (VOL. I)
ROBERTO RODRIGUE
VOZES
(1991)
R$ 38,00



EM BUSCA DA VIDA APÓS A MORTE
LESLIE FLINT
TRÊS
(1971)
R$ 20,00



QUAL É O CORPO QUE DANÇA
MILLHER JUSSARA
SUMMUS
(2018)
R$ 35,00



ADORO MÚSICA, ADORO DANÇAR
MARY HIGGINS CLARK
CÍRCULO DO LIVRO
(1991)
R$ 4,00



E AGORA SÃO CINZAS
ARNALDO ANGELI FILHO
L&PM POCKET
(2007)
R$ 15,00



O CÓDIGO DA VINCI - EDIÇÃO ESPECIAL ILUSTRADA
DAN BROWN
SEXTANTE
(2005)
R$ 40,00



COMO SER UM PIRATA
CRESSIDA COWELL
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês