Quase cinquenta | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> Arstider Pa Spring (Sudanês) de Teatervaerkstedet Madam Bach; Anne Uhrenholt pela Statens Kunstrad (2011)
>>> No Invisível de Léon Denis pela Federação Espírita Brasileira
>>> Pecado Mortal de Antonio Martins pela Topbooks
>>> Impacto de T. L. Osborn; Waldemar Wey pela Graça Editorial (2000)
>>> Marketing de Varejo de Alexander Luzzi las Casas pela Atlas (2002)
>>> Programming in Objective-c de Stephen G. Kochan pela Addison Wesley (2011)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela FTD (1990)
>>> 12 Revistas Literatura de Cordel de 12 Revistas Literatura de Cordel pela Sem
>>> O Que é Física de Ernt W Hamburger pela Brasiliense (1980)
>>> A Panela Amarela de Alice de Tatiana Damberg pela Memoria Visual (2009)
>>> Bibelske Historier: Josef (Norueguês) de Norbert Landa; Dieter Konsek pela Unitas (2001)
>>> miguel reale na Unb de miguel reale pela Unb (1981)
>>> Iniciação à Eucaristia - Núcleo de Catequese Paulinas de Núcleo de Catequese Paulinas pela Paulinas (2008)
>>> O Prazer da Ginástica de Diagran Gruup pela Ediouro (1976)
>>> Bibelske Historier: Moses (Norueguês) de Norbert Landa; Dieter Konsek pela Unitas (2001)
>>> Proago Ciclo 17 Vol 4 de Sérgio; Zsuzsanna pela Artmed
>>> Horácio e seus Amigos Dinossauros 1 de Mauricio de Sousa pela Panini Books (2011)
>>> Viver e Feito a Mao - Viver e Risco Em Vermelho de Nilma Lacerda pela Positivo (1905)
>>> Extraordinário de R. J. Palacio pela Intrínseca (2017)
>>> Nattens Dyr: Om Dyr Der er Fremme om Natten (Noruegês) de Susanne Riha pela Agertoft (1989)
>>> Escolhida de P. C. Cast; Kristin Cast pela Novo Seculo (2009)
>>> O Ciclo da Autossabotagem de Stanley Rosner pela Best Seller (2017)
>>> Os sonhos e o desenvolvimento da personalidade de Ernest Lawrence Rossi pela Summus editorial (1982)
>>> Marretas, Molambudos e Rabelistas de Marcelo Camurça pela Maltese (1994)
>>> One to One B2b de Prefacio de Geoffrey Moore pela Campus (2002)
COLUNAS >>> Especial Idade

Sexta-feira, 14/3/2014
Quase cinquenta
Marta Barcellos

+ de 3700 Acessos

Um texto inspira o outro. Talvez os leitores do Digestivo não saibam como acontece a dinâmica que gera "especiais" por aqui, mas quase sempre é assim: um assunto do momento rende um debate ou um primeiro texto, que alguém do grupo de colunistas elogia ou comenta. A repercussão leva o editor Julio Daio Borges, ou outro, a sugerir o lançamento de uma série "especial", com uma pauta/convite aberta a todos os colaboradores.

Particularmente, não sou muito afeita a temas autobiográficos. Já tive meus tempos de blog, e hoje sou discreta nas redes sociais. Na verdade, ando tentando trilhar um caminho inverso: esquecer um pouco de mim mesma, sair do sufocante - e às vezes tentador - atoleiro narcisista que domina nossos tempos, me deixar atravessar por "outros eus", assumidamente inventados ou não. Enfim, ficção - como diria Eduardo Coutinho sobre os personagens de seus "documentários", que recebiam carta branca do cineasta para inventarem suas próprias narrativas autobiográficas.

Mas não tem jeito; são os nossos tempos. Há que se encarar o interesse autobiográfico. Consegui, sem esforço, fugir do apelo para falar das minhas origens familiares, mas fui fisgada pelo debate em torno da idade, que afinal nem sei se vai render um "especial". Afinal, como eu dizia lá em cima, é sempre um texto (no caso, um depoimento) que inspira outro texto. Ou não.

Explicando melhor: Julio escreveu sobre seus 40 anos, e, diante da boa repercussão, propôs um especial "Idade". Duanne Ribeiro apresentou um motivo para declinar que lhe pareceu óbvio: tem apenas 26 anos. Nem data redonda é. Mesmo assim, alguns depoimentos se seguiram naquela troca de e-mails, em torno das vantagens da maturidade - quando já se sabe o que se quer da vida. É mesmo provável que os mais velhos não tenham muito interesse nas reflexões sobre idade dos mais novos.

Foi aí que o meu "eu", o tal que eu pretendia esquecer, botou as manguinhas de fora. "Ah, eu já passei dessa fase saber o que se quer da vida" - ele se gabou, no diálogo imaginário com o grupo. Como aconteceu com o Júlio, pintou um medinho de adotar "discurso de velho", e não entrei no debate naquele momento.

Dizem que velho é a pessoa com 20 anos a mais que você (sim, Duanne é velho para alguém). Então, para mim, velho é o sujeito com 68 anos, especialmente aquele que afirma coisas como "no meu tempo é que a música era boa" ou "a internet afasta as pessoas". Bato na madeira três vezes e penso nas estratégias para chegar lá sem me transformar nesse tipo de velho. E, claro, torcer para as pessoas de 28 anos, as tais para quem sou irremediavelmente velha, me acharem moderninha, cabeça aberta ou sei lá que gíria elas usam no momento...

Mas não vou me perder, antes que alguém (jovem) pense que (já) estou com problemas de memória. O comentário que me havia provocado para o debate sobre idade dizia respeito a não se perder mais tempo com o que não vale a pena, ou não se gosta. Na maturidade, não temos tanta necessidade de agradar os outros, e o autoconhecimento costuma ser suficiente para se fazer opções melhores, aquelas com mais chances de nos fazer nos tornarmos nós mesmos. Sim, eu me lembro de alguma idade passada em que senti fortemente este sentimento: por que estou perdendo tempo com essas pessoas de quem não gosto?, por exemplo. E a descoberta da liberdade inesperada me encheu de alegria.

Assim foi. Acredito que fiz boas opções nesta virada para a maturidade. Pode ser que aquela tenha sido a minha idade do "sol do meio dia", o tal momento exato em que as sombras desaparecem, e nada se esconde, marcado pelo meio do caminho da vida, referido por Nietzsche. Só que existe um complicador para se estabelecer o momento certo da crise e das reflexões da meia idade: quando será exatamente o meio do caminho da nossa vida? Aquele em que podemos planejar uma "vida nova", a segunda metade de nossa vida?

Dante tinha 35 anos quando escreveu o primeiro verso da Divina comédia, "No meio do caminho de nossa vida". Quando Barthes, inspirado por Dante, começou a desenvolver um projeto de "Vita Nova", de suposta preparação de um romance, já passava dos 60 anos. Morreu no ano seguinte ao anúncio de seu plano, atropelado por um ônibus. Em A preparação do romance, ele justifica o seu projeto lembrando que o sentimento de ser mortal não é "natural": a consciência de que "os dias estão contados" só costuma se dar a partir de certa idade. Será esta a idade ideal para reflexões?

Bem, reflexões são sempre bem vindas - e o leitor deve sempre estar atento às possíveis sombras, no caso de elas não terem sido geradas exatamente ao meio dia. Pois, como eu ia dizendo, fiquei feliz quando percebi já saber do que gosto, o que quero etc. Mas depois... bem, percebi que, se só fizesse o que gosto, eu não descobriria as coisas que ainda não sei que gosto. Então é ótimo não perder tempo com automatismos bobos, comportamentos no fundo impostos pela sociedade, pela família etc - mas também é bom estar aberto para experimentar algo que talvez não seja bom.

Os tais "velhos" de 68 anos que se tornaram meu antiexemplo se acomodaram nesta suposta felicidade de saber do que gostam. Se já descobriram a boa música, por que escutar este barulho de hoje em dia? Eu, no entanto, sei hoje, definitivamente, que não sei tanto assim sobre o que gosto, e que ainda preciso experimentar de quase tudo, para nunca saber de nada. "Definitivamente?" Escapou, sorry. Se eu tiver alguma certeza definitiva prometo escrever sobre a minha crise dos 50, no ano que vem. Quem sabe consigo a atenção daqueles que ainda não chegaram lá.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 14/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Recortes da paisagem: a fotografia de Rei Santos de Jardel Dias Cavalcanti
02. A crise dos novos autores de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Esquerda x Direita - 24/10/2014
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


Mais Especial Idade
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Investimentos - como administrar melhor seu dinheiro
Mauro Halfeld
Fundamento
(2005)



Chiclete e a Marcha dos Zumbis
Megan Mcdonald, Peter H. Reynolds
Salamandra
(2015)



Revelação do Amor Divino - Capa Dura
Juliana Norwich
Paulus
(2018)



Longa Travessia
Francinilto Almeida
Mundo Maior
(2005)



64 D. C.
Callado-cony-hermano Alves-rebelo-sérgio Porto
Tempo Brasileiro
(1967)



Orações de Cura e Libertação - 65.ª Edição
Gambarini e Alberto
Agape



Lições da Paciência
Izaias Claro
Mythos Books
(2010)



Procurava um Marido Encontrei um Cachorro
Karen Templeton
Harlequin Books
(2002)



Anglo História - Caderno de Exercícios Ensino Médio - 1ª Série 2
Vários Autores
Anglo Sistema de Ensino
(2018)



Amor & Sobrevivência: a base científica para o poder curativo da intimidade
Dean Ornish, M.D.
Rocco
(1998)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês