A Rolling Stone brasileira | Ana Maria Bahiana

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Ecce Homo de Friedrich Nietzsche pela L&PM (2003)
>>> No Mundo Maior de Francisco Cândido Xavier - André Luiz pela Feb (2013)
>>> Quase Verdade de Jennifer Kaufman - Karen Mack pela Leya Casa Da Palavra (2011)
>>> A Arte de Cultivar Líderes Como Se Tornar um Mestre de Ram Charan e Bill Conaty pela Campus (2011)
>>> The Secret - o Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> Ramses o Filho da Luz de Christian Jacq pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Portugal e a Revolução Global de Martin Page pela Nova Fronteira (2011)
>>> O Código da Vinci Roteiro Ilustrado de Akiva Goldsman pela Sextante (2006)
>>> Os Estudantes de Medicina e o Ato Médico de Conselho Federal de Medicina pela Cfm (2004)
>>> Lábios Que Beijei - o Romance da Lapa de Aguinaldo Silva pela Siciliano (1992)
>>> O Novo Mundo Digital Você já Está Nele de Ricardo Neves pela Refume Dumara (2007)
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
ENSAIOS

Segunda-feira, 27/6/2005
A Rolling Stone brasileira
Ana Maria Bahiana

+ de 18000 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Ficava no segundo andar de um sobrado cor-de-rosa na esquina de Visconde de Caravelas com Conde de Irajá. Das janelas da redação, via-se o Corcovado e tudo parava no final da tarde para um sorvete e outras guloseimas menos legais. O chão era de tábuas corridas e rangia. O banheiro tinha um pequeno nicho a São Jorge, Iemanjá, Buda e Shiva. Num extremo do sobrado, ficava o santo dos santos: o escritório dos donos, um inglês e um americano muito festeiros.

Só os chefes – Luís Carlos Maciel, editor, Lapi, diretor gráfico – tinham acesso a ele. Fui lá uma vez: assinaram minha carteira de trabalho estalando de nova, a primeira anotação da minha vida.

No outro extremo, ficava a redação. A primeira sala era de Lapi. Parte do meu trabalho era manter Lapi feliz e sossegado, o que nem sempre era fácil considerando a noção vaga de "tempo", "prazo" e "pauta" que reinava na outra sala, um cômodo de janelas enormes, eternamente fechadas.

Este era o império de Ezequiel Neves, que às vezes respondia por Zeca Jagger e era, na verdade, o coração, a força motriz e o verdadeiro Shiva dançante de todo o sobrado. Zeca tinha uma juba encaracolada, um perpétuo bronzeado e uma lampadinha no pescoço. Várias vezes ao dia eu era chamada aos berros de "garotiiiiiiiiinhaaaaaaaaaa" ou "Aniiiiiinhaaaaaaa". Em geral, o que me aguardava era uma aula prática de jornalismo rock.

A crueldade que Zeca reservava aos grandes era comparável apenas à ternura que ele guardava para os pequenos. Nenhuma banda local era obscura demais, nenhum guitarrista principiante demais para merecer sua mais devotada atenção.

Seus acólitos nesse oficio eram Okky de Souza, com cachinhos de querubim barroco; o repórter volante Drope, sempre com um relato detalhado dos últimos acontecimentos; e o eternamente on the road Joel Macedo.

Se Zeca era a pilha, Maciel era o córtex cerebral do sobrado, pairando com uma calma zen sobre o festivo caos mal controlado que flutuava sobre as tábuas rangentes. Nenhuma crise – A polícia vai dar batida! A edição foi recolhida pela censura! Acabou o contrato com Jan Wenner! – era suficiente para abalar o Maciel.

Fora isso, Maciel sorria, tentava discutir com Zeca (impossível) e me ensinava o que eu pedia para aprender. Minhas tarefas consistiam inicialmente em marcar as laudas de matéria para a gráfica, recolher o material de ilustração, manter Lapi feliz e responder às cartas dos leitores, o que era quase uma psicanálise.

Como eu sabia muito bem, os leitores se julgavam donos da revista, sócios, conspiradores. E eram. Dois escreviam quase toda semana: uns tais Jamari França e José Emílio Rondeau. Eu reclamava com Maciel: esses caras estão monopolizando as cartas!

Durou um ano, exatamente: o ano de 1972. O último disco que recebemos foi Acabou Chorare, dos Novos Baianos. Lembro dos janelões finalmente abertos, um poente lindo de começo de verão entrando por cima das copas das amendoeiras, o disco rodando na vitrola do Zeca. Todo mundo ouvindo os Novos Baianos dizerem que tudo ia ficar lindo, a gente sabendo que a revista estava condenada e Zeca dizendo: "Mas garotinhos, vai ser um verão demais!".

Durou um ano exato.

Foi mais que o primeiro ano do resto da minha vida. Foi o primeiro ano completamente feliz da minha vida.



Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado na seção "Rio Fanzine" do jornal O Globo.

Update
Leia também "A primeira Rolling Stone".


Ana Maria Bahiana
Los Angeles, 27/6/2005

Mais Ana Maria Bahiana
Mais Acessados de Ana Maria Bahiana
01. A Rolling Stone brasileira - 27/6/2005
02. O dia em que a música rachou - 28/7/2003
03. Jornalismo cultural: quem paga? - 17/11/2003
04. Release: subsídio ou substituto? - 26/7/2004
05. Os anos 90 e o mini-gênio - 19/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2005
13h23min
Ana, através de seu texto, tendo por instrumentos o "cume calmo de meus olhos que vêem" e um coração mais que etéreo encontrei uma nostalgia diferente. Você pedia para aprender e conseguia responder às cartas dos leitores. Fantástico! Do final, gostei mais ainda, por saber que foi o "primeiro ano completamente feliz". Espero que muitos outros tenham lhe dado inspiração suficiente para escrever laudas! Um abraço do Samir
[Leia outros Comentários de Samir Bayoud Jr]
5/7/2005
10h18min
Ana, li o texto com lágrimas nos olhos, tão bela a tua descrição de espaço e tempo. Não vivenciei os anos de chumbo pq era criança ainda, mas sinto uma enorme solidariedade por quem esteve lá ativamente ou não. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Rosângela]
14/7/2005
10h56min
É com muita saudade daquela época que eu li o seu artigo. Foi um período muito criativo da música internacional e da MPB. Eu lia os artigos da Rolling Stone nacional com muito prazer como faço até hoje. Eu gostaria muito de recuperar algumas edições que perdi. A Rolling Stone nacional representa saudade da minha adolescência e de um jornalismo inesquecível e de grande marco para nossa música.
[Leia outros Comentários de Ricardo de Oliveira ]
28/7/2005
09h25min
Ana, eu não saberia colocar em palavras a importância que vocês tiveram na minha vida. Eu tinha 14 anos quando ganhei de presente os 36 números da edição nacional. A Rolling Stone se tornou a minha biblia, minha fonte de consulta por anos e anos a fio. Bandas, livros, textos, filmes, atitude, comportamento, Hesse, Kerouac, Ginsberg, Borroughs, Wally, Maciel, Castaneda, Kubrick, Antonioni, Glauber, Burgess, Nabokov, Orwell, etc. etc. Todos eles me foram apresentados por vocês... Minha dívida perdurará enquanto eu existir e meu amor... ETERNO!!!! Eu era feliz e sabia!!! Um beijo, Tito.
[Leia outros Comentários de Tito]
12/8/2005
18h44min
Carioca morando em Brasília em 1972, tinha 19 anos e lembro bem a dificuldade de achar, na capital da ditadura, a Rolling Stone nacional. Guardo minha coleção até hoje com o maior carinho. Bons tempos, muitas saudades e lembranças de dias felizes despertadas lendo seu texto. Valeu, Ana !!!
[Leia outros Comentários de Fred Barreto]
25/11/2005
10h00min
Lendo seu texto, voltei no tempo, ao ano de 1972, as minhas coleções de revistas, aos artigos sobre discos recém lançados, ao bom e inesquecível vinil. Pode ter certeza de uma coisa: ainda hoje são fonte de pesquisa para meus filhos. Guardo todas as revistas e fanzines especializados desta época. E pra minhas galera, vc era a especial, a fã nº 1 do Deep Purple. The best.
[Leia outros Comentários de Sílvio Lourenço]
31/8/2006
22h55min
Ana, eu nem sei se vc vai ler esta mensagem, mas mesmo assim vou escrever. Aliás escrever o que já escrevi ao Maciel dia desses: Corria o ano de 71, eu morava no interior de São Paulo (Avaré, tinha 18 anos) e lia avidamente o Underground no Pasquim. Só você é capaz de imaginar como aquilo foi importante para mim naquela época e para a minha vida depois daquilo! Daí veio o jornal Rolling Stone, a Flor do mal, e eu passei a ser assinante, ler, guardar e colecionar. Tenho todos os números do 0 ao 36. Agora, acho até que está havendo um revival dos 70. Os setenta, os 3 primeiros anos dele são uma marca indelével na cultura do comportamento da juventude brasileira. Vida longa aos 70 e a todos os que viveram estes anos intensamente. Um beijo e agora vou mergulhar no Alamanaque anos 70, um primor.
[Leia outros Comentários de Antônio]
14/9/2006
16h20min
Ana Maria Bahiana, por favor, depois do Almanaque anos 70, por favor, por favor, mate nossas saudades e lance uma coletânea do que era a minha Bíblia, o meu livro de cabeceira, o que nos reunia para outras cositas más no belíssimo ano de 1972, que literalmente fez nossas cabeças: A ROLLING STONE!
[Leia outros Comentários de jorge fernandes]
22/10/2006
13h23min
tenho a impressão de que as coisas podem estar mudando. a RSB lançada novamente, e com ótimas matérias (apesar da constatação de que as melhores são as que NÃO falam de música), a piauí... a maioria dos comentários aqui tem cheiro de poeira e saudosismo, e (ok!), admito - é claro! - que os anos 70 foram superiores aos que vivi, mas... pode ser apenas impressão... acho que, a julgar pelo lançamento das duas revistas que citei acima, minha geração terá algo do que se orgulhar.
[Leia outros Comentários de Jorge Wagner]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Controle dos Atos de Concentração nos Mercados de Energia
Claudio Schuller Maciel
Unicamp Aneel e Nipe
(2001)



Juizados Especiais Civeis e Criminais
André Estefam
Saraiva
(2006)



Cenas Admiráveis 2 - Manifestações de Jesus Crucificado e Ressusc
Max Seltmann
Nova Revelação
(1998)



Direito do Estado Novos Rumos Tomo 3 Direito Tributário
Paulo Modesto - Oscar Mendonça
Caj
(2001)



Ateliês Brasil
Bruno Giovannetti
Empresa das Artes
(2004)



Contistas Brasileiros Conteurs Brésiliens
Saldanha Coelho (seleção)
Revista Branca
(1958)



Contos Populares Ucranianos Com Mandalas de Wira Wowk
Wira Wowk
Cia Bras. de Artes Gráficas
(1983)



As Causas Sociais das Iniquidades Em Saúde no Brasil
Vários Autores
Fiocruz
(2008)



Pesquisa e Realidade no Ensino de 1º Grau
Gizelda Santana Morais
Cortez
(1980)



Desenho Tecnico
Malighendler Barragan
Lep
(1964)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês