Release: subsídio ou substituto? | Ana Maria Bahiana

busca | avançada
48532 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Naamat promove espetáculo musical beneficente baseado em Aladdin
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bienal do Livro em Minas e o acesso à cultura
>>> O chimpanzé, esse nosso irmão
>>> O blogueiro: esse desconhecido
>>> PodSemFio, da Garota Sem Fio
>>> Essa o Homer não vai entender
>>> Capacidade de expressão X capacidade linguística
>>> Aleksander Dugin e a marcha da Tradição
>>> Público, massa e multidão
>>> Thereza Simões
>>> Get your flight... lounge music
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Brasileira Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (2005)
>>> Livro Literatura Estrangeira Vineland de Thomas Pynchon pela Companhia das Letras (1991)
>>> Livro Literatura Brasileira Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (2005)
>>> Kardec, Jesus E A Filosofia Espírita de Nazareno Tourinho pela Feesp (1994)
>>> Livro Literatura Estrangeira A Fundação e a Terra Livro Cinco da Famosa Série A Fundação de Isaac Asimov pela Record (1986)
>>> Livro Literatura Brasileira Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (2005)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne pela Ftd (2013)
>>> Livro Literatura Brasileira Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (2004)
>>> Livro Infanto Juvenis Pollyanna Moça Biblioteca das Folhas Volume 93 de Eleanor H. Porter pela Companhia Nacional (2002)
>>> Livro Gibis Naruto Vol. 10 de Masashi Kishimoto pela Panini (2007)
>>> Os Segredos da Mente Milionária de T. Harv Eker pela Sextante (2006)
>>> Alguém Muito Especial de Miriam Portela pela Moderna (2002)
>>> Quando Atitudes (Trans) formam " When Attitudes (Trans)form" de Shirley Paes Leme pela Do Autor (2015)
>>> Livro Gibis Naruto Vol. 9 de Masashi Kishimoto pela Panini (2016)
>>> Livro Literatura Estrangeira Contato de Carl Sagan pela Companhia das Letras (1997)
>>> Livro Religião Instruções Espirituais Diálogos Com Motovilov de Serafim de Sarov pela Paulinas (1989)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Livro do Riso e do Esquecimento de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1987)
>>> Petrus Logus - Guardião do Tempo de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Livro Literatura BrasileiraO Ramo de Hortênsias de João Carlos Pecci pela Artesanal (1986)
>>> Livro Turismo Argentina e Chile Roteiros de Sonho Pelas Capitais e Destinos Exóticos de Norte a Sul Coleção Viagem Ilustrada de Rosana Zakabi (coord.) pela Abril (2011)
>>> Guerra Civil de Stuart Moore pela Novo Século (2014)
>>> Anatomia do Poder de J. Kenneth Galbraith pela Pioneira (1986)
>>> O Guarani - Livro de Bolso de José de Alencar pela Ediouro (1996)
>>> Britney Spears - A História Por Trás do Sucesso de Lynne Spears pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Os componentes da banda de Adélia Prado pela Guanabara (1985)
ENSAIOS

Segunda-feira, 26/7/2004
Release: subsídio ou substituto?
Ana Maria Bahiana
+ de 6100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Uma pessoa muito próxima de mim escreveu, recentemente, o press release de uma (muito boa, aliás) banda de rock com a qual já havia trabalhado num passado não muito distante.

Qual não foi a nossa surpresa quando, semanas depois, demos de cara com o press release - não todo, é claro, mas quase todo - nas páginas de um grande veículo da imprensa, com a assinatura de outra pessoa, ocupando um lugar que, deduzimos, deveria ser o da crítica do CD. O que mais chamava a atenção não era tanto o fato do release ter sido usado - afinal, isto apenas indicava que a informação nele contida havia sido útil. A questão era que praticamente todas as conclusões, deduções, comparações, raciocínios, ou seja todo o balizamento estético proposto pelo meu amigo no release como ponto de vista dele ao trabalho da banda tivesse sido alegremente encampado pelo crítico, que nele apôs sua assinatura.

Isto, em idos tempos, era o que se chamaria, em bom português, um escândalo.

O que seria, agora?

O release, em si, não é nem bom nem mau. Deveria ser um simples instrumento de comunicação, mais um dos materiais disponíveis para a alimentação do bom fluxo de idéias e pautas numa redação, especialmente nos setores de arte e entretenimento. Mas, de todas as ferramentas disponíveis a quem cobre cultura ele é, sem dúvida alguma, o mais perigoso, por ser o mais tentador. Atire a primeira pedra quem, a quinze minutos do fechamento, não viu uma pauta recomendada aterrissar sobre sua mesa, tendo como único subsídio o tal do press release - e dele não tomou emprestado o máximo possível para não dar vexame dentro das exíguas circunstâncias. Eu certamente é que não aprumo a atiradeira.

Não é disso que estou falando. Estou falando da prática, cada vez mais comum, de tornar o release não o subsídio mas o substituto da matéria - especialmente da matéria opinativa, da matéria que deveria conter algum tipo de reflexão sobre o material proposto.

É claro que sabemos a causa deste triste fenômeno - as redações magérrimas, a sobrecarga, os prazos cada vez mais apertados. Num quadro desses, a bem da verdade, análise da produção cultural, raciocínio sobre tendências e propostas, a crítica, enfim, não seria honestamente possível. E, portanto, deveria ser abolida. Mas como não é, e a natureza odeia um vácuo, em seu lugar temos o release-como-comentário.

Deixo a vocês as conclusões sobre o papel desta prática no aviltamento da nossa profissão e no insulto à inteligência de nossos leitores.

O outro lado da moeda, é claro, é o jornalsta que faz releases. Conheci uma vez um rapaz muito animado e passional que se gabava de jamais ter escrito um release e jamais ter trabalhado ou querer vir a trabalhar com alguém que o tivesse feito. Minha conclusão imediata foi de que ele deveria ser ou muito solitário ou muito medíocre.

O jornalista de cultura bem formado, bem informado, bem relacionado e apaixonado pelo que cobre é um recurso inestimável para a própria produção cultural. Seu envolvimento no endosso deste ou daquele produto é, neste contexto, inevitável. O que ele não pode, não deve fazer é manter as duas frentes abertas - se ele fez o release de um livro, disco, peça, se ele está envolvido criativamente com o assunto que cobre, ele tem como obrigação moral e profissional se eximir da cobertura do que endossou ou ajudou a criar. É um modo simples e elegante de manter vivo um diálogo no qual todos só tem a ganhar.

Parece claro, não é? E no entanto... Houve uma vez uma revista de música em que os nomes de quem escrevia as matérias eram praticamente os mesmos dos que apareciam nas matérias como temas de pautas. Uma ciranda parecida pode ser notada, a médio prazo, na maioria dos suplementos literários (e o do New York Times é o mais notório deles): faça uma lista dos autores de livros e outra dos autores dos artigos. Garanto que em pouco tempo voce não vai conseguir distinguir uma da outra...

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no portal Comunique-se, o qual autorizou a repodução no Digestivo Cultural.


Ana Maria Bahiana
Los Angeles, 26/7/2004
Mais Ana Maria Bahiana
Mais Acessados de Ana Maria Bahiana
01. A Rolling Stone brasileira - 27/6/2005
02. O dia em que a música rachou - 28/7/2003
03. Jornalismo cultural: quem paga? - 17/11/2003
04. Release: subsídio ou substituto? - 26/7/2004
05. Os anos 90 e o mini-gênio - 19/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2004
13h44min
Ana Maria abordou esse tema com realismo. Muitos se envergonham de tais práticas mas, como ela disse, não há ninguém que não o tenha feito. Esta prática é, a cada dia, mais comum.
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
27/7/2004
08h07min
Trabalhei como assessora de imprensa em dois orgãos públicos na cidade de Macapá, no Amapá. E todos os releases produzidos por mim e enviados para os orgãos de imprensa passavam por esse caminho... Eram publicados nos jornais locais com nomes de outros repórteres. Já aconteceu de um mesmo release ser copiado por dois jornais com dois nomes diferentes... Lamentável!
[Leia outros Comentários de Carolinne Assis]
27/7/2004
12h29min
Sempre achei que o ofício de escrever releases - e mais abrangentemente, das próprias assessorias de imprensa - pendesse mais para o marketing do que para o jornalismo. Num mundo ideal (e portanto utópico), caberia ao jornalista a função investigativa, a crítica imparcial, o expressar de opiniões isentas de influências. O release é apenas uma ferramenta de marketing, e deveria ser visto tão somente como um panfleto, uma peça de informação que visa promover este ou aquele produto, mesmo que irresistivelmente bem redigido, embalado e pronto para o consumo. Mas isso, só mesmo em um mundo ideal...
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]
27/7/2004
12h32min
Infelizmente vivemos um tempo aonde a banalidade intelectual e cultural massificada impera, claro salvo raras exceções. Como leitor sinto-me ofendido, porém acho necessário sairmos desta imobilidade e passividade.
[Leia outros Comentários de Rodrigo Pereira]
28/7/2004
07h41min
Como produtora cultural (artista plástica e escritora) agradeço à Ana pelas informações. Agora eu sei porque é que a divulgação do meu trabalho parece tão medíocre e tão aquém do que ele poderia render como pauta. É possível que alguns jornalistas tenham mesmo pouco tempo para refletir ou pesquisar sobre o material que recebem. Mas vejo também muita preguiça de trabalhar. Como artista, o ideal seria que a exposição recebesse uma visita. Como escritora, que o jornalista ao menos passasse os olhos pelo livro que recebe como cortesia.
[Leia outros Comentários de paula mastroberti]
13/11/2007
21h11min
Muito bom o texto, Ana. Colocaste em palavras muito do que a gente vê e pensa, na lida diária. Nesse contexto, de enxugamento de redações, fica até difícil de culpar o repórter (algumas vezes, um mero revisor e "enxertador" de releases mesmo). Fica até difícil, pior, de culpá-lo por erros de apuração ou por má-vontade, porque chega uma hora que o "dar o sangue" acaba sendo o mesmo que fazer "papel de palhaço" perante as condições salariais, de trabalho e que tais, principalmente de veículos de comunicação do interior. É um mercado "nojentinho", com o perdão da palavra. Um mercado que precisa produzir rápido, sem muito nexo, para preencher um número indiscutível de caracteres, sem saber se o público vai ler aquilo no dia seguinte. Uma coisa sem muita lógica mesmo, já que o texto deveria ser o espaço da criação, da reflexão, da análise, do conhecimento. Virou produto envasado, no qual às vezes basta ajeitar um pouco o rótulo e mandar para as prateleiras. Bom texto, boa reflexão. Abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




E Agora Brasil?
José Yunes (org)
Oab - Sp
(1988)



A Organização por Trás do Espelho
Fela Moscovici
José Olympio
(2001)



Aquarela Sertaneja
Beth Cançado
Corte



Anuário Espírita 1999
Salvador Gentile (Diretor)
IDE - Instituto de Difusão Espírita
(1999)



História, Ciência e Infância
Júnia Sales Pereira
Argvmentvm
(2008)



Livro - Amor Culpa e Reparação e Outros Trabalhos: 1921 - 1945
Melanie Klein
Imago
(1996)



El Capital: Crítica De La Economía Política - Libro III
Carlos Marx
Fondo de Cultura Económica
(1968)



Você Sabe Usar o Poder da Mente
Jim Reis
Senac
(2009)



/Mickey N 861
Walt Disney
Abril
(2014)



A Logistica na Administraçao Publica
Alisson Marcelo Laurindo, Alex Volnei Teixeira
Intersaberes
(2014)





busca | avançada
48532 visitas/dia
1,8 milhão/mês