O dia em que a música rachou | Ana Maria Bahiana

busca | avançada
84924 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cézanne: o mito do artista incompreendido
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Leitura, curadoria e imbecilização
>>> Frank Miller vem aí, o bicho vai pegar
>>> A propósito de Chapolin e Chaves
>>> Bob Fosse, o gênio
>>> 70 anos de Caetano Veloso
>>> Eu sou a favor do impeachment, mas eu acho triste
>>> A Crítica de Teatro
>>> Se a literatura subisse o morro...
Mais Recentes
>>> Birthday Surprise 2 de Pep High Five pela Não Identificado (2015)
>>> Remedios Constitucionais - Vol. 13 - Colecao Elementos do Direito de Flavio Martins Alves Nunes Junior pela Revista dos Tribunais (2009)
>>> No Tempo de Picasso de Desconhecido pela Callis (2004)
>>> O Impacto da Globalização na Economia Brasileira de Antonio Côrrea de Lacerda pela Contexto (2002)
>>> A Formação da Professora Primária de Isabel Alice Lelis pela Cortez (1996)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Atelie (2016)
>>> Der 911 Die Modelle- Porsche de Desconhecido pela Desconhecido
>>> Argumentaçao Juridica - Teoria e Pratica de Neli Luiza Cavalieri Fetzner pela Freitas Bastos Não (2008)
>>> Alterações do Equilíbrio Hídrico, Eletrolítico e ácido - Base de Goldberger pela Guanabara Koogan (1973)
>>> Focus on Proficiency de Sue Oconnell pela Longman do Brasil (1995)
>>> O Meu Velho Itamarati de Luís Gurgel do Amaral pela Fundação Alexandre Gusmão (2008)
>>> Manual de Macroeconomia para Concursos de Marcelo Curado pela Saraiva (2011)
>>> Teatro de Coelho Neto Tomo 1 de Claudia Braga pela Funarte (1998)
>>> As Vertentes do Direito Constitucional Contemporâneo de Ives Ganddra da Silva Martins pela América Jurídica (2002)
>>> Grammar in Use de Raymond Murphy pela Cambridge University Press (1989)
>>> O Praça Quinze de Paula Saldanha pela Jose Olympio (1999)
>>> Um Estudo Dialógico Sobre Institucionalização e Subjetivação de Tatiana Yokoy de Souza pela Ibccrim (2008)
>>> Luciernaga de Mario Vale pela Rhj (2003)
>>> A Alma Encantadora das Ruas de João do Rio pela Companhia de Bolso (2008)
>>> Blog Love de Chris Moore pela Richmond (2013)
>>> A Nudez da Verdade de Fernando Sabino pela Atica (2007)
>>> Coleção Dsop de Educação Financeira 7º Ano de Reinado Domingos pela Dsop (2013)
>>> Ilha de Calor Nas Metropoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Ética Profissional e Resoluções do Cfp de Desconhecido pela Concursos Psi
>>> Aplicações da Matemática de Angela Leite pela Cengage (2008)
ENSAIOS

Segunda-feira, 28/7/2003
O dia em que a música rachou
Ana Maria Bahiana
+ de 7000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma pessoa considerando uma publicação de música, hoje não um site, portal ou blog, mas um produto de banca deve pensar em alguns fatores essenciais:

* Música não existe num vácuo. Os melhores momentos para publicações do gênero vieram quando um ou vários estilos de música tinham suas velas infladas por poderosos ventos sociais, culturais e econômicos - o que hoje os marketeiros chamariam de "estilo de vida". Isso era verdadeiro para a Crawdaddy!, avózinha de todas; e é verdadeiro para a Uncut, a Vibe ou a Blender.

* Consumir música e consumir publicações que falem sobre música são duas coisas inteiramente diferentes. Já eram diferentes nos tempos da Crawdaddy!, mas hoje são radicalmente opostas.

Detenho-me aqui sobre este último elemento. A digitalização da música e a expansão da internet provocaram, na última década, uma rachadura de proporções épicas.

Em linhas gerais, já temos hoje parafraseando um dos debatedores num ótimo programa recente da série To the Point, na National Public Radio americana, uma geração inteira que não tem a menor noção de que música é um produto que se compre. Ingressos para shows, ou clubes, sim. Canções, não.

Por extensão, esta é uma geração que não consome discos ou os consome marginal e ocasionalmente. Que não se interessa por (aliás, não tem o menor interesse pelo conceito em si) coleções coerentes de canções, numa única embalagem, a noção de "álbum", essencial à maior parte da produção musical de massa pós-1965. Que não dá grande valor a autoria, griffe, identidade.

Que não tem o hábito de leitura musical das gerações anteriores e aí me refiro tanto a ler a música em si, como um "trabalho" assinado/criado por alguém com uma história pessoal e referências coletivas quanto a ler sobre a música algo que só pode interessar a quem reconhece valores intrínsecos em conceitos como "álbum", "história", "autoria" e "criador".

Muito em breve teremos duas gerações inteiras com este perfil.

Quem consome discos, hoje, tem mais de 30 anos. Não tirei isto da minha cabeça. Um estudo recente publicado nos Estados Unidos (e me perdoem por não citar os detalhes, mas estou trabalhando no meu computador-da-estrada, em cujos arquivos não está o tal texto) disse, sem meias palavras, que a tentativa da indústria do disco em correr atrás do chamado "público jovem" era uma ilusão que poderia se tornar fatal se não fosse revertida. Entre muitos exemplos e estatísticas, o estudo apontava o maior sucesso recente em vendagem de CDs: a antologia "One", dos Beatles.

Indústria de música, hoje, é uma coisa - uma coisa em formação, que exige modelos novos e, a julgar pelo estado de pânico das gravadoras, ainda longe de serem desenhados.

Mediaticamente (vocês me relevam o francesismo?) suspeito que a internet seja o veículo mais adequado a este admirável mundo novo.

Indústria de discos é outra coisa, completamente diferente.

Ao imaginar uma publicação de banca com inclinações musicais, com quem e de quem estaríamos falando?

Estatisticamente, o tempo está a favor dos coroas. A geração nascida entre 1945 e 1965, os chamados "baby boomers" é, ainda, a maior fatia demográfica do mundo. E, graças aos avanços da medicina e da higiene, vai viver muito, mas muito além de seus antepassados. Além e melhor.

A ela se somam os nascidos entre 1965 e 1975, que ainda tiveram seus anos decisivos, adolescência e juventude, marcados por coleções identificáveis de canções, assinadas e interpretadas por personalidades distintas, com referências históricas precisas, e contidas em objetos chamados "discos", produtos tão únicos e nobres que merecem ser adquiridos e pagos em moeda corrente no país.

Suspeito que quem não entender o racha da música vai, como se dizia antigamente, dançar.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no portal Comunique-se (em julho de 2003), o qual autorizou a repodução no Digestivo Cultural.


Ana Maria Bahiana
Los Angeles, 28/7/2003
Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Achtung! A luta continua de Sérgio Augusto


Mais Ana Maria Bahiana
Mais Acessados de Ana Maria Bahiana
01. A Rolling Stone brasileira - 27/6/2005
02. O dia em que a música rachou - 28/7/2003
03. Jornalismo cultural: quem paga? - 17/11/2003
04. Release: subsídio ou substituto? - 26/7/2004
05. Os anos 90 e o mini-gênio - 19/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2003
13h04min
Concordo com tudo o que a autora disse, porém,também penso que tem muito a ver com as condições econômicas desfavoráveis para qualquer um, então, é muito mais fácil vc copiar um cd do que comprá-lo,a culpa é da indústria fonográfica que não abaixa o preço e coloca muita coisa ruim no mercado , só para vender,entretenimento inteligente para a indústria não existe, somos apenas consumidores com a massa cefálica em defasagem para a indústria fonográfica.
[Leia outros Comentários de Fernanda PIres ]
4/12/2003
18h48min
Não acho que a geração jovem não tenha predisposição de ter cultura musical, ou seja referenciais em relação a seu consumo como se tinha anteriormente. Acontece que quem nasceu depois do anos 80, não teve acesso a TV aberta de qualidade e outros canais culturais, além de ter vivido tramóias homéricas das gravadoras tipo axé, forró cearense, punk de boutique e muito mais. Tanto aqui, quanto nos EUA distribuição de bens culturais é basicamente uma questão de Poder, Não interessa se estatal ou privado. Vale sempre o autoritarismo. Não há então parâmetros para analisar os hábitos de consumo musical de hoje, baseando-se em inserção de novas tecnologias. A geração Big Brother pode ter muitos opções de hard, mas muito poucas em termos de software ou conteúdo. Vale lembrar que o sonho da Internet livre (leia-se Napster)morreu. Antes dos anos 80,os donos do poder, no caso aqui cultural, apenas deram uma distraída...
[Leia outros Comentários de Izabela Raposo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Consultations Médicales
Grasset & Vedel
Montpellier
(1910)



Coleção Obras Completas
Machado de Assis
Globo



Pasión por La Cocina de Oriente Medio
Chef Abdala
Atlantida
(2005)



Melhores dias virão
Giselda Laporta Nicolelis
Saraiva
(2019)



Malasartes 483
Augusto Pessôa
Rocco Jovens Leitores
(2007)



/Boa Companhia
Vários Autores
Companhia das Letras
(2009)



Livro Literatura Brasileira O Grande Mentecapto
Fernando Sabino
Record



Onde está Teresa?
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(2007)



Explicaçao e Reconstruçao do Capital
Jacques Bidet, Lara Christina de Malimpensa
Unicamp
(2010)



Memórias. Compartilhadas
Cristina H Rocha
Book Express
(2013)





busca | avançada
84924 visitas/dia
1,7 milhão/mês